O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

700) O subjetismo nos exames de ingresso do Rio Branco

Recebi, a propósito do meu post 698 ("Concurso do Rio Branco: algumas dicas genéricas sobre o TPS"), o seguinte comentário do João Carlos Machado:

"Paulo,
Primeiro, gostaria de elogiar seu apreço pelos postulantes à carreira diplomatica, expresso por sua dedicação em discutir o concurso e a preparação adequada para o ingresso no itamaraty. Mas decidi escrever para saber qual é a sua opinião sobre o possivel conteudo das questões de politica internacional no TPS. Pela bibliografia indicada é dificil tirar qualquer conclusão, pois, em conjunto, os livros formam mais um debate do que o corpo de uma teoria ou corente de pensamento. Como é possivel julgar certa ou errada a afirmação de que, por exemplo, o mundo hoje é unipolar?
Obrigado
João Carlos"

Sobre isso, meu caro João Carlos (e outros eventuais interessados), eu não teria muito a dizer, senão lamentar que isso ocorra.
Nas ciências humanas em geral, e na universidade brasileira em particular, há uma tendência para afirmações com base em "pré-conceitos" e idéias pré-concebidas, cabendo ou não ao leitor aceitar a opinião do eventual formulador de argumentos supostamente doutos sobre um assunto qualquer.
Você pode, por exemplo, considerar os EUA uma hiperpotência imperial, que age de forma unilateral e arrogante, e que Israel é o seu pupilo para a "política de Bush para o Oriente Médio", como ouvi mais de uma vez de colegas universitários. Se você não concordar com este tipo de argumento, pode eventualmente ser mal julgado por alguma banca supostamente antiimperialista.
Dou dois exemplos de como as coisas podem ser deformadas, uma de cada "escola" ou tendência, para não parecer parcial.
A famosa "teoria da dependência", para criticar, em primeira mão o douto sociólogo uspiano que acabou tornando-se presidente da República e que é hoje considerado, em certos setores, como um ideólogo neoliberal, vendido ao imperialismo.
Essa "opinião" não constitui obviamente uma "teoria" e se o fosse seria uma bobagem imensa. Isso não impede de que gregos e goianos (sobretudo americanos) a tenham utilizado extensiva e intensivamente como exemplo mesmo de anaálise inovadora da realidade latino-americana, quando ela é justamente isso, um amontoado de bobagens que caberia esqueceer (como aliás recomendou seu autor, sem ter sido atendido, e sem ter reconhecido que o disse).
Na outra vertente, em certos setores maniqueistas, o mundo, a América Latina, o Brasil, etc, se dividem em nacionalistas soberanistas e em entreguistas alinhados ao imperialismo, os primeiros tratando de desenvolver o país em bases autônomas, e os segundos apenas interessados em impedir o seu desenvolvimento e em entregá-lo de mãos atadas ao imperialismo.
Isso também é uma bobagem monumental, o que não impede esses autores de serem servidos aos pobres estudantes universitários como se ciência fosse...

Bem, você escolha o que pretende como interpretação do mundo, e faça sua prova do Rio Branco de acordo, não com o que você acredita ser mais certo, mas em função daquilo que o examinador espera que você responda.
Estaria bem assim?
Desculpa se eu compliquei a sua vida e lhe trouxe mais dúvidas do que certezas, mas o mundo é assim... ou talvez o Brasil...
Postar um comentário