O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

domingo, 18 de fevereiro de 2007

704) A politização do Itamaraty (Editorial OESP)

A politização do Itamaraty
Editorial de O Estado de São Paulo, Domingo, 18 de fevereiro de 2007, p. A3.

O chanceler Celso Amorim é diplomata experiente e negociador hábil. Não surpreenderia, portanto, se após a leitura da entrevista publicada no Estado de domingo passado alguns leitores tivessem ficado com a impressão de que ele contestou ponto por ponto as críticas à política externa e à conduta administrativa do Itamaraty feitas pelo embaixador Roberto Abdenur, em entrevista à Veja. O embaixador Amorim não respondeu diretamente às perguntas que lhe foram feitas pelo jornalista Expedito Filho, tangenciando os assuntos e montando silogismos. 'O que se viu foi, novamente, a prática da dissimulação, típica do ministro', diagnosticou o ex-chanceler Luiz Felipe Lampreia, que aproveitou para explicar que o relacionamento entre Brasil e Estados Unidos é bom não porque não exista antiamericanismo na cúpula do Itamaraty, como sustenta o ministro Celso Amorim, mas porque 'há uma força inercial favorável a isso, que inclui a densidade comercial', e porque o presidente Luiz Inácio Lula da Silva contribui pessoalmente para a existência de um bom clima entre os dois países. Os presidentes Lula e George W. Bush, como se sabe, têm um bom e cordial relacionamento pessoal.

A entrevista de domingo mostra com clareza o método empregado pelo ministro das Relações Exteriores. Até as pedras sabem que o Itamaraty fez o possível para levar as negociações para a formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) ao impasse e, depois, ao fracasso. O presidente Lula tem apresentado, em seus discursos, essa façanha como uma das mais significativas vitórias de seu governo. Pois perguntado por que o Brasil não se empenhou na consolidação da Alca, o chanceler respondeu: 'O Brasil se empenhou. Fui a Miami e fechei um acordo que chegou a ser 98% costurado. Depois os fundamentalistas começaram a descosturar.' Quem são esses fundamentalistas capazes de levar ao fracasso uma negociação entre 34 países? 'Não sei quem são os fundamentalistas, se são os da direita ou os da esquerda.'

E, com isso, não apenas se desfaz qualquer ranço de antiamericanismo - ou, pior, de complexo de inferioridade que impede um relacionamento altaneiro e produtivo com a superpotência -, como se transfere para desconhecidos 'fundamentalistas' a responsabilidade pelo fracasso da integração do Hemisfério.

Alega o chanceler que a prova da inexistência de antiamericanismo em sua administração é o fato de os EUA demonstrarem 'um interesse tão grande' pelo Brasil. Ora, dado o relacionamento tradicionalmente bom entre os dois países e os interesses comerciais comuns, solidificados por maciços investimentos feitos pela iniciativa privada, lá e cá, só uma política abertamente hostil justificaria atitude diferente de Washington. Mas o antiamericanismo itamaratiano não é grosseiro; é sutil. Como observa o ex-chanceler Mário Gibson Barbosa em artigo publicado no Jornal do Brasil, trata-se de 'um antiamericanismo de viés nitidamente ideológico que contamina nossa atuação internacional, amarrando-nos cada vez mais a posições que não representam o interesse nacional. Muitas vezes nos levam a atitudes e solidariedades desnecessárias, para não dizer prejudiciais'.

Também preocupa o embaixador Gibson Barbosa o engajamento ideológico e partidário - a 'entusiástica adesão política ao petismo e ao atual governo' - que tem sido exigido dos diplomatas 'para que possam obter promoção ou os melhores postos no exterior'. Chanceler no governo Médici, Gibson Barbosa conduziu o processo de aproximação do Brasil dos países da África, numa época conturbada pelos conflitos da guerra fria. Mas isso não o transformou em ideólogo ou áulico do regime militar, pois entende que 'a atividade diplomática é exercida por uma carreira de Estado, cujos profissionais respeitam o governo de turno, mas não servem a este e sim à Nação, que, ao contrário do governo, é permanente'.

Ex-chanceleres e diplomatas de renome que deixaram o serviço ativo não têm poupado a atual gestão do Itamaraty. Um ou outro faz críticas pontuais à política externa petista. Mas não é esse o ponto de união entre eles. O que os liga é a preocupação com o processo de politização a que a Casa de Rio Branco está sendo submetida há mais de quatro anos. A imposição da 'ideologia unificada' acaba por transformar profissionais a serviço do Estado em simples áulicos do governo. O Barão do Rio Branco, um monarquista ferrenho que serviu fielmente à República, jamais permitiria isso.
Postar um comentário