O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

1603) Fim do Mundo: ja que estamos nos preparando para ele...

E por falar em apocalipse...
João Luiz Mauad
23.12.2009

Para aqueles que costumam impressionar-se com teorias escatológicas do tipo “mudanças climáticas”, aqui vai uma de tirar o sono. De acordo com os cientistas, existe uma chance em 10.000 de que um grande asteróide ou cometa (com diâmetro maior que 2Km) colida com o nosso planeta ainda neste século, desmantelando a biosfera e matando uma larga fração da população que aqui vive. E as más notícias não acabam aí. Especialistas estimam - com base em estudos sobre a queda de um meteorito medindo menos que 100m de diâmetro na Sibéria, que destruiu uma área de floresta equivalente a 2000 Km2 em 1908 - que a queda de um corpo medindo mais de 140m de diâmetro já seria suficiente para provocar danos irreparáveis à vida na Terra. Como esses corpos menores são muito mais abundantes no espaço do que os grandes asteróides e cometas, a chance de choque é também maior.

Malgrado talvez não exista um exemplo melhor daquilo que os economistas convencionaram chamar de “bem público”, são pouquíssimos os países que têm programas governamentais visando à detecção e rastreamento de objetos potencialmente perigosos perto da Terra. Como esse serviço é daqueles que beneficiam diretamente cada um dos habitantes do planeta, praticamente todos os cidadãos fora dos EUA, Alemanha e Canadá somos “free-riders”, já que nos beneficiamos de um serviço sem que estejamos contribuindo para o seu custeio.

Apesar dos riscos nada desprezíveis, não há qualquer movimentação ou plano multilateral patrocinado pelas Nações Unidas para nos proteger dessa possibilidade real, ainda que o poder destrutivo de um cometa ou asteróide que porventura caia sobre nossas cabeças seja muito maior que a pior hipótese de aquecimento global. Como é pouco provável que os arautos do apocalipse e os próceres da “governança global” não estejam cientes disso, a questão que se coloca, de imediato, é: por que tanta paranóia com o clima e tanto descaso com uma ameaça potencial muito maior?

Eu consigo enxergar pelo menos quatro razões para isso:

1. Em primeiro lugar, diferentemente do aquecimento global antropogênico (AGA), o risco de colisão de corpos celestes com a Terra não admite qualquer suposição de vilania dos Estados Unidos. Ao contrário, se o AGA pode ser quase 100% imputado à ganância capitalista dos americanos, no caso dos asteróides eles seriam os mocinhos solitários da história (ou quase solitários, já que há esforços notáveis, embora em muito menor escala, de alemães e canadenses no mesmo sentido), os únicos preocupados em defender o planeta. Por que, afinal, os amantes da Mãe Natureza perderiam tempo com uma questão que não pode servir de esteio para a demonização dos gananciosos capitalistas e seus mais destacados representantes, não é mesmo?

2. Parece claro, pelo menos para qualquer pessoa sensata, que um projeto de rastreamento e deflexão de objetos celestes potencialmente perigosos para a vida terrestre teria muito mais chances de sucesso se houvesse uma real cooperação internacional, não apenas em termos de recursos, mas também no desenvolvimento de novas tecnologias. Quanto mais observatórios estiverem varrendo o céu, tanto em terra quando em órbita do planeta, quanto mais gente estiver estudando a coisa em profundidade tentando descobrir soluções viáveis, maiores serão as chances de que possamos evitar o pior. No entanto, como os recursos globais necessários para o desenvolvimento de programas “anti-colisão” são irrisórios (se comparados - é claro! - com o dinheiro que pretendem embolsar com as trombetas climáticas), os impostos potenciais que nos poderiam cobrar seriam modestos, ou pelo menos bem abaixo das expectativas sempre megalômanas dessa gente.

3. Além disso, programas espaciais desse tipo são daqueles que fazem avançar a tecnologia e, portanto o progresso. Mas, como sabemos, progresso é uma palavra que não faz parte do dicionário ambientalista. Ao contrário, se dependesse deles, voltaríamos à Idade da Pedra e viveríamos como os bons selvagens de Rousseau, caçando e coletando frutos.

4. Finalmente, aquela que, para mim, é a razão mais forte: para salvar o planeta de um asteróide qualquer, não é preciso ensinar-nos como devemos viver as nossas vidas, se devemos andar menos de carro, viajar menos de avião, economizar a água da descarga ou do banho, construir casas ecologicamente corretas, não fumar, não comer carne vermelha, etc. Afinal, a burocracia intervencionista não se contenta apenas em cobrar cada vez mais impostos. Ela possui uma necessidade atávica de planejar o mundo nos mínimos detalhes. Resumindo, não lhes interessa investir em catástrofes cujas soluções não sirvam para limitar ainda mais a nossa liberdade.

=========

Um comentarista aduziu a seguinte razão de por que o mundo não vai fazer nada contra os asteróides:
"A impossibilidade de fazer dezenas de ONGs arrecadarem dinheiro em prol da destruição de asteróides...."
Postar um comentário