O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Investimentos diretos: no e do Brasil, Asia no circuito

Coreanos iniciam segunda onda de investimentos
Cleide Silva
O Estado de S.Paulo, 15/02/2011

Depois da Hyundai, que constrói fábrica de carros em São Paulo, empresas de vários segmentos negociam instalações no País

O anúncio, na sexta-feira, da instalação em São Paulo da primeira fábrica do conglomerado Doosan, que vai aplicar R$ 100 milhões na produção de máquinas escavadeiras é mais uma indicação da nova onda de investimentos coreanos no Brasil, a mais forte desde os anos 90, quando chegaram as fabricantes de eletroeletrônicos LG e Samsung.

No ano passado, o País recebeu US$ 1 bilhão em investimentos produtivos de empresas da Coreia, um aumento de 688% em relação a 2009, quando somou R$ 132 milhões. A Kotra, divisão comercial do Consulado da Coreia em São Paulo calcula que o País abriga 70 empresas coreanas, muitas delas inauguradas no ano passado, e que mais 100 estudam ou já negociam instalações locais.

O professor de relações internacionais da Universidade Hankuk, de Seul, Hee Moon Jo, diz que "a estabilidade política e o desempenho econômico crescente do Brasil, além de seu grande mercado interno" tem atraído empresas da Coreia a instalarem bases de produção para abastecer também a América do Sul.

Uma característica dos grandes empreendimentos é atrair os fornecedores mais próximos. No rastro da Doosan, a também coreana Dabo Precision confirmou fábrica em Americana, ao lado da cliente, para fornecer maquinário de injeção plástica.

A Hyundai, maior montadora de veículos na Coreia e quinta no mundo, já garantiu ao seu redor sete empresas coreanas de autopeças no terreno em Piracicaba (SP) onde constrói fábrica para produzir inicialmente 150 mil automóveis por ano, projeto de US$ 600 milhões com previsão de gerar 1.500 empregos.

A Myoung Shin (carrocerias), a Hwashim (para-choques, peças para porta e barra de direção), a Hanil (sistemas interiores), a Doowon (ar condicionado), a THN (chicotes e outros itens), a Mobis (partes interiores) e a Dymos (bancos) vão investir, juntas, cerca de US$ 250 milhões e abrir 1.100 vagas.

Soma-se ao grupo que ficará ao redor da fábrica a francesa Faurecia, que já tem fábrica em Limeira, mas instalará linha de montagem de sistemas de escapamento em Piracicaba. Na vizinha Rio das Pedras está em obras a unidade da Samsong que fará cintos de segurança.

O diretor da empresa, Myoungjoong Lee, diz que também fornecerá componentes para a General Motors, assim como a Mando, outra coreana que se instalará em Limeira para produzir freios ABS. A empresa de logística Glovis, que dará suporte à Hyundai, ainda negocia local para instalação.

"A imagem do Brasil mudou muito lá fora e o País tem sido visto como importante player (jogador) mundial, por isso tem despertado o interesse dos coreanos", avalia Shin Jae Kim, sócia responsável pela região da Ásia do Tozzini Freire Advogados. Foi ela quem assessorou a vinda da Hyundai e da Doosan, entre outras empresas da região.

Celebração em coreano. Além das empresas, a chegada da Hyundai a Piracicaba, com início de produção experimental prevista para o fim do primeiro semestre de 2012, está movimentando outras áreas na cidade de 365 mil habitantes. No início do ano, dois restaurantes de comida típica da Coreia foram abertos e um terceiro está em fase de inauguração.

Um deles é de propriedade de Luiz Lee, coreano que está no Brasil há vários anos. Ele atua em São Paulo na área de importação e exportação de eletrônicos e viu uma nova oportunidade de negócio. O outro restaurante, batizado de Lago Asul (sic), também pertence a famílias coreanas que já viviam no Brasil.

Para atender as famílias coreanas que estão se mudando para a cidade, principalmente de executivos que comandam as instalações das fábricas, um pastor da igreja presbiteriana veio da Coreia e todas as manhãs de domingo faz celebrações no idioma natal.

Imóveis de alto padrão antes alugados a R$ 3 mil passaram para R$ 6 mil. Empresas do ramo tiveram de se adaptar às demandas dos novos moradores. "A maioria quer casa ou apartamento já mobiliado e isso não é comum na cidade", afirma Angelo Frias Neto, dono da maior imobiliária local, a Frias Neto. "Tivemos de convencer proprietários a alugarem imóveis já com mobília", diz ele, justificando em parte o aumento de preços. Frias Neto também preside a Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi).

O prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, confirma o efeito em cadeia que a montadora está provocando, mas nega que o município vá abrigar o que alguns chamam de "cidade Hyundai", um conglomerado com infraestrutura própria para anteder os empreendedores coreanos. "Isso é lenda", diz. Ele afirma que vários cursos profissionalizantes em parceria com o Senai e a Fatec estão sendo abertos para preparar mão de obra.

O terreno onde a Hyundai e alguns fornecedores estão se instalando foi adquirido pela Prefeitura em 2007 e doado à Hyundai, que também ganhou infraestrutura e isenção de IPTU, entre outros incentivos.

"O terreno abrigava um canavial e, como área rural, não recolhia IPTU", diz Negri. Ele calcula que a Hyundai vai gerar cerca de R$ 60 milhões ao ano em impostos para o Estado e que 25% do montante ficará com os municípios.

Outro empreendimento inaugurado na cidade no início do mês é o escritório do Demarest & Almeida Advogados, que assessora várias das fabricantes de autopeças. "A proximidade vai facilitar o atendimento", afirma o diretor Mario Roberto Villanova Nogueira.

Os coreanos também querem aproximação maior com os piracicabanos. Um grupo de 60 estudantes esteve na cidade no mês passado e participou de programas sociais. Também no fim de janeiro, a Hyundai levou ao município o time de futebol patrocinado por ela, o Jeonbuk, para partida com o XV de Piracicaba. O jogo terminou em empate, 2 x 2.

Nova investida. Além dos novos negócios, empresas já consolidadas no País estão ampliando atuação. Na semana passada, em anúncio feito na Coreia, a LG Eletronics disse que construirá no Brasil sua primeira fábrica global de módulos de televisão.

O módulo é um importante componente para TVs com tela de cristal líquido (LCD, na sigla em inglês) e hoje a LG o adquire de terceiros. Depois do Brasil, o grupo também produzirá o item no México e na Polônia.

Segundo a LG, o objetivo é reduzir custos e tirar proveito de isenções tributárias locais. A empresa não divulgou investimentos e nem o local da produção. O grupo tem fábrica na Zona Franca de Manaus, que recebe benefícios fiscais e vai construir uma unidade em Paulínia (SP), em terreno doado pela Prefeitura. A LG promete abrir 4 mil vagas.

==============

Coreia já investe mais que a China no Brasil
Cleide Silva e Melina Costa - O Estado de S.Paulo

A participação da Coreia no ingresso de investimentos estrangeiros diretos no Brasil aumentou de 0,4% para 2% no ano passado, do total de US$ 52,6 bilhões recebidos pelo País, segundo dados do Banco Central. A China, outro país asiático que está de olho no mercado brasileiro teve participação de 0,7%, ante 0,3% em 2009.

O presidente da Sociedade Brasileira de Estudos das Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), Luiz Afonso Lima, lembra que a Coreia passa por amplo processo de internacionalização e certamente o País vai receber ainda mais aportes, principalmente no segmento de bens de consumo.

"Com a rápida internacionalização da Coreia, os investimentos já estão transbordando da Ásia para a América Latina", afirma Lima.

Em sua opinião, em termos qualitativos os investimentos coreanos são mais interessantes que os chineses pois "possibilitam maior transmissão de tecnologia". Os coreanos estão mais focados em produtos como veículos, Eletronics e maquinários. Os chineses apostam mais na extração mineral e atividades ligadas ao petróleo.

Doo Young Kim, diretor-geral da Kotra, a divisão comercial do Consulado da Coreia em São Paulo, confirma que tem "estado muito ocupado" nos últimos meses no atendimento de missões e empresários independentes interessados em se estabelecer no Brasil.

Ele lista investimentos recentemente confirmados, como o da LS Cable, que produzirá cabos especiais no Rio de Janeiro. "O pré-sal representa uma grande oportunidade para as empresas coreanas da indústria de construção naval, que é um destaque na Coreia", justifica.

Kim também cita a Samsung Heavy Industry - que tornou-se sócia do estaleiro Atlântico Sul -, a Dongkuk, que fez parceria com a Vale na área de aços especiais e a CJ Corp, que já tem uma fábrica de produtos para ração animal em Piracicaba e quer ampliar atuação em outros ramos.

"Os brasileiros também precisam olhar mais para a Coreia, que tem grande interesse no carro verde e no etanol", sugere o diretor geral da Kotra.

Ele ressalta que a pergunta que mais ouve de empresas coreanas é: "Como consigo financiamento?". Em sua visão, "esse é o maior desafio para os investidores, pois as taxas de juros dos bancos no Brasil são bem mais altas que na Coreia.

=========

De Jaraguá do Sul para Hosur, na Índia
Raquel Landim - O Estado de S.Paulo

Depois de uma aposta frustrada na China, WEG inaugura nova fábrica na Ásia

O trânsito em Bangalore, norte da Índia, é tão caótico que alguns brasileiros expatriados pela WEG simplesmente não conseguem dirigir. A empresa alugou carros e contratou motoristas para deixar à disposição dos funcionários. Também conseguiu uma nutricionista para orientar os cozinheiros indianos a não colocar tanta pimenta na comida dos brasileiros.

São pequenos transtornos do dia a dia que ilustram as grandes barreiras culturais que a maior fabricante de motores elétricos da América Latina enfrenta para instalar uma fábrica na Índia. A unidade, que será inaugurada no próximo sábado, um dia considerado "auspicioso" pelos indianos, está localizada em Hosur, a 38 quilômetros de Bangalore.

Embora não seja um investimento tão grande (US$ 60 milhões), a chegada na Índia é um passo crucial na trajetória da empresa sediada em Jaraguá do Sul (SC). Depois de uma aposta até agora frustrada na China, a WEG parte para a conquista da Ásia. Segundo Décio da Silva, presidente do conselho de administração, a empresa entrou na terceira fase da sua "vida" com dois focos estratégicos: crescer no mercado asiático e vencer no segmento de energia renovável.

"A Ásia é um mundo novo. Foi necessário um aprendizado maior do que em outras regiões. Mas agora vai começar a aparecer o resultado do que aprendemos", acredita Harry Schmelzer Jr., presidente-executivo da WEG. Ele conta que, mesmo sem uma unidade local, já vende na Índia, por meio de exportações, mais do que na China.

A WEG desembarcou na China no fim de 2004, quando adquiriu do grupo Weifu uma fábrica na cidade de Nantong, a 250 quilômetros de Xangai. Com essa tacada, a multinacional brasileira entrou no maior mercado do mundo. As metas eram ambiciosas, mas os planos não saíram exatamente como o previsto.

Em cinco anos, a diretoria da filial chinesa foi trocada três vezes. O faturamento não decolou e parte da produção está sendo exportada para outros países, porque é difícil entrar no protegido mercado local. O choque cultural também foi grande. A empresa adquirida tinha uma administração quase estatal e valorizava excessivamente o "guanxi" - palavra em mandarim para rede de relacionamentos.

A China continua sendo um foco importante da estratégia da WEG, mas, na Índia, tudo está sendo feito diferente. Em vez de partir para uma aquisição, a empresa preferiu construir uma fábrica do zero. Desde o início das operações comerciais, em 2005, o diretor-geral é o mesmo: Satyajit Chattopadhyay. O nome impronunciável lhe rendeu o carinhoso apelido de "Chato".

Os produtos também são diferentes. Na China, são fabricados motores de baixa tensão, de menor valor agregado, usados em eletrodomésticos. Na Índia, a empresa vai produzir geradores e turbinas de média e alta tensão, usados em pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e nas obras de transposição de rios. A Índia tem um problema gravíssimo de escassez de água.

Cinquentona. A WEG chega ao mercado indiano cinquentona. Fundada em 1961, surgiu num galpão alugado por um eletricista (Werner Voigt), um administrador (Eggon João da Silva) e um mecânico (Geraldo Werninghaus). Cada um investiu 1,2 milhão de cruzeiros, o suficiente na época para comprar um Fusca novo. WEG são suas iniciais.

Eles comandaram a empresa por 30 anos, ganhando posições no mercado doméstico e desenvolvendo tecnologia própria. Em 1970, iniciaram as exportações. O filho de Eggon, Décio da Silva, assumiu a presidência em 1989 e, durante os 18 anos de sua administração, a WEG multiplicou por seis o seu tamanho.

A empresa fatura hoje R$ 5 bilhões e emprega 22 mil pessoas. A cada ano, fabrica 10 milhões de motores e consome 185 mil toneladas de chapa de aço. Silva iniciou ainda um agressivo processo de internacionalização. Além das nove unidades no Brasil, a WEG possui fábricas em cinco países, incluindo Índia.

No início de 2008, Silva deixou a presidência, pegando de surpresa o mercado e até os próprios colaboradores. Nem mesmo os nomes cotados para o cargo sabiam da mudança, que foi feita por headhunters. Ele passou o bastão para Harry Schmelzer Jr. Na WEG desde 1980, é o primeiro presidente que não é acionista. Mas os laços familiares não foram totalmente rompidos. Ele é filho de um primo de Voigt, um dos fundadores.

Crise. Vencer na Ásia não é apenas uma estratégia inteligente da WEG. Dependendo do desenrolar da crise global, pode ser uma questão de sobrevivência. Hoje, os países asiáticos absorvem apenas 7% das vendas da empresa. " Levar sua internacionalização para os mercados mais dinâmicos da Ásia é muito positivo. A WEG possui uma exposição relativa importante na Europa, que ainda patina por causa da crise", disse Artur Delorme, analista do setor de bens de capital da Ativa Corretora.

A crise global foi um golpe duro para a WEG. A empresa, que não demitia por corte de custos desde 1982, dispensou funcionários. Depois de duas décadas crescendo mais de 20% ao ano, amargou queda de 6,6% na receita em 2009. Os resultados de 2010 ainda não foram divulgados, mas a previsão é de estabilidade ou leve queda.

A expectativa da diretoria é que 2011 seja o ano da recuperação. No futuro, a empresa quer voltar a crescer num ritmo de dois dígitos. Mas, para isso, precisa seguir com a internacionalização. "A WEG vai exportar menos e fabricar mais lá fora", conta Schmelzer. O real forte é um dos motivos: prejudica a rentabilidade das exportações, torna mais baratos os ativos no exterior e aumenta a concorrência no mercado local. Se continuar nesse ritmo, a conquista do mercado asiático está apenas no início

===========

Melhora global ofusca brilho do Brasil
Leandro Modé, de O Estado de S.Paulo

Cenário favorável de países ricos começa a tirar investidores do País, um dos mercados preferidos por financistas mundiais atualmente

SÃO PAULO - Queridinho dos investidores internacionais nos últimos tempos, o Brasil tem seu posto ameaçado por países desenvolvidos - aqueles que sofreram muito mais com a crise. Desde o início do ano, mercados emergentes como o brasileiro perdem dinheiro para os chamados mercados maduros. Motivo: a melhora das perspectivas de crescimento para países como Estados Unidos e Alemanha, e a provável alta dos juros na zona do Euro e na Inglaterra ainda em 2011.

Mas não é só isso. O risco de superaquecimento em economias como a brasileira e a chinesa, as altas dos juros para conter a inflação nessas e em outras nações em desenvolvimento, a crise no Egito e incertezas em relação ao novo governo brasileiro deixaram investidores com o pé atrás. "As virtudes brasileiras foram exageradamente elogiadas nos últimos anos e as limitações do País foram pouco enxergadas", afirma Paulo Bilyk, sócio da Rio Bravo Investimentos.

Nem todos os analistas são tão ácidos. "O que está havendo é um rebalanceamento (dos investimentos) no mundo, mas nada trágico", pondera o diretor do banco de investimentos do Credit Suisse no Brasil, José Olympio Pereira. Um dos principais executivos do País na área de abertura de capital (IPOs, na sigla em inglês), ele lembra que, apesar do cenário mais nublado, janeiro teve o maior volume de IPOs para o mês desde 2007.

"Pode ser que, no curto prazo, a tendência de migração para desenvolvidos seja dominante. Mas, considerando que os fundamentos de médio e longo prazo dos emergentes são melhores, a situação pode se inverter", completa o diretor de Estratégia para América Latina do Deutsche Bank, Frederick Searby.

Desempenho ruim. Do início do ano até quinta-feira, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) apresentava um dos piores desempenhos do mundo. Em dólares, perdia pouco mais de 7%, à frente apenas dos mercados das Filipinas, da Tailândia, da Índia e do Chile. Na ponta oposta, encontravam-se indicadores de países desenvolvidos. O índice S&P 500, da Bolsa de Nova York, avançava pouco mais de 5%, porcentual semelhante ao da bolsa eletrônica americana Nasdaq.

Nos nove primeiros dias de fevereiro, o saldo de investimento estrangeiro na Bovespa estava negativo em R$ 1,4 bilhão. No ano, as saídas superavam as entradas em R$ 976 milhões.

Nas últimas quatro semanas, US$ 11,5 bilhões deixaram fundos de investimentos de países emergentes - do Brasil, saíram US$ 390 milhões e da China, US$ 1,4 bilhão. A maior parte da sangria ocorreu nos chamados fundos globais de emergentes, que mesclam ativos de todos os países inseridos nesse conceito.

No mesmo período, os países desenvolvidos acumularam entrada líquida de US$ 21,4 bilhões - os EUA lideram o movimento, com aportes US$ 14,3 bilhões superiores aos saques.
Postar um comentário