O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Educacao: o talao de Aquiles do Brasil (IDHM)

Estudo da Pnud

Mais de 60% das cidades têm baixo índice de desenvolvimento em educação

Apenas cinco cidades obtiveram notas "muito altas". Ciclo final é o maior gargalo

Veja.com, 29/07/2013
Sala de aula de escola estadual do Rio de Janeiro
Educação puxa desempenho do país no IDHM para baixo (Eduardo Martino/Documentography)
Mais de 60% dos 5.566 municípios brasileiros apresentam índices de desenvolvimento em educação considerados 'baixo' ou 'muito baixo', de acordo com dados do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013, divulgado nesta segunda-feira pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Na outra ponta, apenas cinco cidades são enquadradas com desempenho educacional 'muito alto'. 
O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) é calculado com base em três indicadores: renda, educação e longevidade. Educação foi o que apresentou o pior desempenho, com taxa média de 0,637. Renda e longevidade alcançaram, respectivamente, índices de 0,739 ('alto') e 0,816 ('muito alto'). A pontuação geral do Brasil foi de 0,727 (dentro da faixa considerado 'alta').
O IDHM é dividido em cinco faixas: de zero a 0,499 ('muito baixa'); de 0,500 a 0,599 ('baixa'); de 0,600 a 0,699 ('média'); de 0,700 a 0,799 ('alta') e, por fim, de 800 até um ('muito alta').
Para compor o IDHM de educação, a Pnud considera o nível de escolaridade da população adulta e o fluxo escolar da população jovem, ou seja, o porcentual de estudantes que estão na série adequada à sua faixa etária.  
Com 0,207 ponto, o município de Melgaço, no Pará, obteve o pior índice. Na cidade, apenas 58,7% das crianças de 5 e 6 anos estão matriculas na escola. Nos anos finais da escolarização básica, a situação é ainda pior: menos de 6% dos jovens de 18 a 20 anos concluíram o ensino médio.
O município, no entanto, não é um caso isolado: mais de uma em cada quatro cidades do país têm pontuação 'muito baixa'. Outras 36,1% estão na faixa tida como 'baixa'.
Os cinco destaques do ranking, com desempenho superior a 800, foram os municípios de Águas de São Pedro (SP), São Caetano do Sul e Santos (SP), Vitória e Florianópolis.
Menos pior  — Apesar de ser o componente com o pior desempenho do IDHM, a educação foi o que registrou o maior avanço nos últimos vinte anos. O índice saiu de um patamar de 0,279, em 1991, para 0,637, em 2010, um crescimento de 128%. 
Em 20 anos, houve evolução da proporção de adultos com ensino fundamental concluído, de 30,1% para 54,9%. A porcentagem de crianças de 5 a 6 anos na escola, por sua vez, saltou de 37,3% para 91,1%. A quantidade de jovens de 11 a 13 anos nas séries finais do ensino fundamental alcançou 84,9%  — era de 36,8% em 1991.
O maior gargalo continua no ciclo final da educação básica: a porcentagem de jovens de 18 a 20 anos com ensino médio completo passou de 13%, em 1991, para 41%.
(Com Estadão Conteúdo)
Postar um comentário