O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sábado, 22 de novembro de 2014

Financiamento publico: o argumento mais calhorda que já li em sua defesa - Andre Singer

Os companheiros nunca deixarão de surpreender em sua inacreditável capacidade de justificar o crime ou em aproveitá-lo para ainda aprofundar a sua ditadura tentativa. 
Não esperava que um professor da USP -- que já virou o que sabemos em sua Fefelech -- descesse a tanto na calhordice intelectual, ou que ousasse tanto desafiar a nossa inteligência, de fato achando que somos todos idiotas. 
Quer dizer que toda a Lava Jato pode servir para colocar um direitista fascista, como o Berlusconi na Itália, no poder no Brasil, seria isso professor?
Tomou algum remédio ou fumou algo que afetou os seus neurônios?
Paulo Roberto de Almeida
(PS.: não foi ex-ministro, foi mero porta-voz)

Operação à italiana

André Singer
ex-ministro do Governo Lula PT
Folha de S.Paulo, 22/11/2014 

Antes de mais nada, convém fixar duas premissas que, embora óbvias, devem ser explicitadas desde logo.

1) O presente escândalo da Petrobras, em volume de dinheiro movimentado, parece superar a longa série dos até aqui expostos ao conhecimento público no Brasil.

2) Nada justificaria obstaculizar, nem mesmo as possíveis motivações eleitorais que tenham estado por trás do seu timing, a investigação criminal e o devido julgamento, com amplo direito de defesa, dos implicados no esquema.

Isto posto, convém guardar algumas cautelas com relação aos desdobramentos especificamente políticos do episódio. De acordo com o reportado pelo jornalista Mario Cesar Carvalho (Folha, 15/11), o modelo dos investigadores é a Mãos Limpas, realizada na Itália no começo dos anos 1990. Como se recorda, naquele país o sucesso da operação acabou por destruir o cerne do sistema partidário, provocando a ascensão de Silvio Berlusconi.

Se os velhos e enraizados partidos italianos pulverizados pela Mani Pulite tivessem sido substituídos por agremiações menos corruptas e mais representativas, a Itália teria se convertido no farol das democracias ocidentais. Mas aconteceu o contrário.

Meses atrás, o historiador Perry Anderson escreveu que hoje "a Itália [...] oferece o espetáculo mais conhecido de todos os teatros de corrupção do continente, e sua personificação mais celebrada: Silvio Berlusconi" ("Piauí", agosto/2014).

Por que uma investida profunda, generalizada e bem-sucedida contra corrompidos e corruptores acabou por gerar o oposto do esperado? O assunto é complexo, mas um dos elementos a ser levado em conta é o descrédito que atinge o conjunto das instituições quando às revelações de corrupção sistêmica não se seguem reformas capazes de aprofundar e ampliar a democracia.

Dou exemplo para tornar o ponto mais claro. Não adianta desbaratar esta ou aquela rede de propinas, por mais vasta que seja, e não mexer nos custos de campanha. Enquanto os comitês eleitorais usarem verdadeiras fortunas para produzir filmes publicitários em quantidade e qualidade suficiente de modo a preencher o horário eleitoral com padrão hollywoodiano, o dinheiro vai sair de algum lugar.

Outras fontes suspeitas de financiamento terão que se formar. O resultado, então, é um rápido aumento do cinismo no eleitorado. Convicto de que a política seria na essência desonesta, o cidadão opta por votar em candidatos que, de algum modo, expressam o seu próprio desprezo pelas instituições.

A Lava Jato precisa seguir. Mas se não formos capazes de agenciar uma reforma política racional, objetiva e consistente para responder ao que ela expõe, temo pelas consequências a longo prazo.

Postar um comentário