O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Football, or rather, soccer: the beautifull game comes to America - Steven Malanga (City Journal)

STEVEN MALANGA
Grassroots Soccer Mania
American soccer skeptics are missing the big picture.
The City Journal, 30 June 2014


Every four years, as World Cup fever grips the United States, Americans ask whether this will be the year that soccer begins to rival our major professional sports—basketball, baseball, and especially football—in popularity. Just as predictably, a host of voices quickly reject that notion, arguing that the game known to the rest of the world as football will never approach comparable popularity here. Soccer’s just not interesting enough for Americans, they say. It lacks the “individual beau geste that marks truly American games,” as one former sportswriter recently put it in the Wall Street Journal. Statisticians pipe in, comparing the TV ratings and merchandise sales of professional soccer with those of the NFL—as ESPN’s FiveThirtyEight.com did before the tournament—to remind us how far soccer still has to go. And late-night comics have their say, as when Conan O’Brien observed that he couldn’t wait for the World Cup to be over, so that Americans could go back to hating soccer.
All this, however, vastly underestimates how popular soccer has become in the United States. More broadly, it misunderstands how cultural trends emerge and reshape society. A sport doesn’t grab the public from the top down, reflected first in TV ratings for those playing at elite levels. Like a political movement, a game gathers adherents from the bottom up, as a grassroots crusade. And at the grassroots level, soccer has sown impressive seeds in the last few decades.
Measured by participation, soccer is already among the big four sports in America. Today, nearly 7 million kids under 18 are playing organized soccer in the United States, according to surveys by the Sports & Fitness Industry Association. In this regard, soccer is running neck and neck with basketball as America’s most popular sport. Baseball, with its long and glorious history, trails, with about 5.6 million organized players. Football lags well behind these three, with 3 million participants.
Soccer and basketball do so well, in part, because both appeal to girls in great numbers. Soccer, in particular, benefits from being a latecomer. It didn’t begin to approach the participation rates of the other major American sports until the mid-1990s—just as youth programs began reaching out to girls. Nearly as many girls play organized soccer today as boys. Meanwhile, football suffers from the opposite problem—few girls play it and now, with the sport’s well-chronicled concussion problems, the NFL is struggling to stem a decline in boys’ participation, too. And while involvement in youth sports today has leveled out in the U.S. and is declining among many sports (thanks to the rise of computer games and a general dwindling in physical activity among kids), soccer can still boast some recent gains, including a more than 7 percent increase in high school participation over the last five years. The sport’s growth potential remains strong.
None of this should be surprising to anyone who gets out to have a look. On any given Saturday and Sunday morning in the fall or spring, you’ll have little trouble finding youth soccer matches, whether you’re wandering the lots of urban immigrant communities or the tailored green fields of well-to-do suburbs. Many communities boast both recreational leagues—where local boys and girls compete against one another—and more serious teams, where players take on rivals from other towns.
But the numbers, charted over the decades, also tell us why this participation hasn’t yet produced the blockbuster TV ratings we see for the NFL. We are essentially only one generation into the emergence of soccer as a significant participatory sport in America. How long does it take for that to translate into rich media contracts and endorsement deals for players? Well, for one thing, learning to be loyal to a professional sports franchise filled with players with whom you have no personal connection isn’t easy. American football, for instance, was popular at the college and inter-scholastic levels long before the NFL broke through. The league, formed in 1922 with 18 franchises, most of which have since disappeared, struggled for decades to gain a popular foothold. Today, the NFL’s Hall of Fame, in Canton, Ohio, is a reminder of the league’s unstable birth—Canton was the site of one of the early NFL’s failed franchises.
Major League Soccer teams face a similar challenge: staying afloat long enough to create a tradition that kids playing the game today will embrace as adults. Talk to a fan of a pro baseball or football franchise, and they will probably tell you how they developed their rooting interest when a relative introduced them to the game. Something similar happens with soccer around the world. Listen to the opening words of English writer Nick Hornsby’s famous soccer (football) novel, Fever Pitch, and you’ll hear a familiar story: “I fell in love with football as I was later to fall in love with women: suddenly, inexplicably, uncritically . . . just after my eleventh birthday, [when] my father asked me if I’d like to go with him to the FA Cup Final.” That generational dynamic hasn’t played out for soccer in the U.S.—not yet.
After several false starts at the professional level in the United States, soccer is making gains that reflect its grassroots popularity. Average match attendance in the MLS—founded in 1993 to fulfill an American commitment to create a professional league in exchange for hosting the 1994 World Cup—is now nearly 19,000, up from about 13,000 a decade ago. That might not sound like much compared with the NFL, but it’s more than the NBA and the NHL average per game and more than what a handful of major league baseball teams drew last year, too. The MLS Seattle Sounders, in fact, draw nearly twice as many fans per match as baseball’s Seattle Mariners. The MLS also sports a brand-new $600 million multiyear TV package with ESPN and Fox. Some 40 percent of MLS TV viewers are under 34, young by comparison with sports like baseball.
But charting soccer’s popularity by media deals and professional stadiums misses the point. The Nobel Prize-winning economist F. A. Hayek once wrote that man’s fatal conceit was to imagine he can discern and understand all the currents of society and organize them from the top down. But whether we’re talking policy, politics, or cultural trends, it’s still a bottom-up world—as the rise of soccer in America shows.

Na Copa da economia, Brasil ja entrou perdendo - Ilan Goldfajn


Tem de querer
Ilan Goldfajn
O Globo - O Estado de São Paulo, 1/07/2014

Não foi nos últimos seis minutos da virada espetacular da Holanda que o México começou a perder o jogo. Começou quando o treinador mexicano Miguel Herrera substituiu o atacante Giovani dos Santos e recuou exageradamente o time. Ele deixou de querer mais e perdeu a vantagem no placar. Acabou perdendo também a chance histórica de classificar o México para as quartas de final da Copa do Mundo.
Na economia deixamos de querer mais já há algum tempo. Os jornais do fim de semana comemoraram os 20 anos do Plano Real. O plano foi um marco, saímos da inflação alta e começamos a enxergar o futuro. Mas anos depois, faltou dar-lhe sequência. Alguns mecanismos de indexação persistiram, o gasto público nunca parou de crescer, e nos contentamos em manter o centro da meta de inflação em 4,5% (para que baixar mais?). O tempo foi passando e fomos recuando. Introduzimos novos mecanismos de indexação, nos acomodamos no teto da meta de inflação (6,5%) e reintroduzimos controles de preços que nunca funcionaram no combate à inflação (na verdade, só pioraram). 
Com o time recuado, começamos a duvidar da sua qualidade. A inflação ainda é alta... deve ser algum problema estrutural. Os juros sobem e a inflação permanece alta... deve ser a falta de eficácia da política monetária. Afinal, vivemos um paradoxo: a inflação hoje é alta e a atividade fraca (como pode haver inflação numa economia fraca?).
De fato, a inflação ronda o teto da meta de 6,5%, apesar do controle de preços administrados, cuja inflação é de apenas 4,1%. No mês de junho a inflação nos últimos doze meses atinge 6,5% e deve ficar acima do teto da banda até dezembro. Para os próximos anos, as expectativas são de inflação ainda alta. A inflação esperada calculada a partir dos títulos indexados encontra-se em 5,9% para os próximos anos. A pesquisa Focus mostra que as expectativas para 2015 estão em 6,1%.
E a atividade vai na direção contrária. O sinal é inequívoco. Um conjunto amplo de indicadores coincidentes para o segundo trimestre — incluindo, entre outros, indicadores para a produção industrial, setor de serviços, demanda por crédito e confiança de empresários e consumidores — aponta para uma retração da atividade econômica (projetamos queda de 0,2%). Assim, no primeiro semestre a economia deve ter estagnado. Os índices de confiança de empresários e consumidores atingiram os menores níveis desde a crise financeira internacional.
O Banco Central (BC) baixou a projeção de crescimento para 1,6% em 2014 no último Relatório de Inflação. Mas com o resultado mais fraco do PIB no primeiro trimestre, bem como esta perspectiva para o segundo trimestre e a análise dos fundamentos econômicos, vai ser difícil a economia conseguir crescer acima de 1% em 2014. É necessária uma recuperação vigorosa no segundo semestre para alcançar essas projeção (uma queda da atividade de -0,2% no segundo trimestre requer uma recuperação de 0,5% por trimestre para a economia ainda crescer 1% neste ano).
A verdade é que não há paradoxo. A princípio, qualquer fenômeno que venha a reduzir a oferta tende a diminuir a produção enquanto eleva os preços. Uma queda da produtividade da economia leva à atividade fraca e inflação alta. O mesmo ocorre quando há uma queda dos termos de troca (preços de exportação sobre importações). Ambos parecem ter afetado a economia brasileira nos últimos anos.
Mas mesmo sem choques de oferta, seria difícil espantar-se com a resistência da inflação. A subida recente de juros ocorreu após uma forte queda nos últimos anos, uma parte é apenas correção de rumos. E, quando vista em conjunto, a política econômica não tem contribuído plenamente para a queda da inflação.
O problema é que apenas um jogador ficou na frente: o Banco Central. O combate à inflação é um jogo de equipe. O aumento de gastos e a queda do superávit primário do governo, associados a incentivos ao consumo privado, têm prolongado o descompasso entre a demanda e a oferta no País.
Nos últimos anos, o superávit primário caiu de 3 a 4% do PIB para 1 a 2%. Em maio, o déficit primário atingiu 11 bilhões (2,5% do PIB), e o acumulado em 12 meses, 1,5%. Estimamos que o superávit recorrente - aquele que é sustentável - atingiu apenas 0,5% do PIB. Neste ano, com a queda da arrecadação devido à atividade mais fraca, será muito difícil atingir a meta fiscal de 1,9%.
 O uso de controles de preços para combater a inflação tem sido um verdadeiro gol contra. Controles mantêm acesa a perspectiva de reajustes de preços administrados no futuro. Não se acredita na queda futura da inflação, apesar da atividade fraca. Com expectativas de inflação em alta, é mais difícil reduzir a inflação corrente (quem quer abdicar de reajuste com perspectiva de inflação em alta?). 
Mas o jogo não está perdido. Longe disso. Estamos distantes das ameaças hiperinflacionárias de décadas atrás. E a sociedade fica incomodada com as altas de inflação que reduzem o seu poder de compra, atuando como um verdadeiro imposto regressivo.
Para a frente, apesar de teoricamente possível, não acredito na persistência prolongada da inflação alta, com queda da atividade. Os preços livres vão acabar cedendo e afetando a inflação. Mas a política econômica tem de atuar em conjunto com um objetivo bem definido. E é importante atuar nas expectativas para reduzir o custo da desinflação. Para isso é necessário desembaraçar a questão dos preços administrados para evitar manter as altas expectativas de inflação. Afinal, tem de querer para avançar.

Ilan Goldfajn é economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco.

Eleicoes 2014: chapa de oposicao completa, Aecio Neves + Aloysio Nunes

Dizendo com clareza: Dudu Campos e a beata da selva Marina Silva não são oposição ao PT: ambos foram ministros de Lula, e não torceram o nariz nem com o mensalão, o maior escândalo de corrupção da história brasileira. Portanto, chega de conversa mole: Aécio e Aloysio são a oposição. Realismo nunca fez mal a ninguém, ao contrário do utopismo idealista, que só deixou desgraças (com abundantes exemplos históricos):

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, anunciou nesta segunda-feira, 30, o nome do senador Aloysio Nunes (PSDB) para compor a chapa na vice.
A escolha do senador ocorre no prazo limite determinado pela Lei Eleitoral e foi baseada na possibilidade de Nunes conquistar votos para a campanha presidencial do PSDB em São Paulo, maior colégio eleitoral do País. O senador paulista tem como legado uma votação histórica nas últimas eleições, quando conquistou 11,1 milhões de votos no Estado.
A indicação passou pelo crivo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Aécio foi o último candidato a definir quem ficaria com a vice. Seus principais adversários, a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-governador Eduardo Campos (PSB), terão na chapa o vice-presidente Michel Temer (PMDB) e a ex-ministra Marina Silva (PSB), respectivamente.
Além da votação expressiva para o Senado em 2010, Aloysio Nunes carrega em seu currículo atuação como deputado estadual pelo PMDB em duas ocasiões: de 1983 a 1987, quando foi líder do governador Franco Montoro na Assembleia Legislativa e; de 1987 a 1991. Também foi eleito deputado federal pelo PMDB de 1995 a 1999. Já pelo PSDB, teve mandatos de 1999 a 2003 e de 2003 a 2007.
No Executivo, o tucano ocupou entre 1991 a 1994 o cargo de vice-governador de São Paulo, no período em que o Estado foi governado por Luiz Antônio Fleury (PMDB). Na ocasião, ele também comandou a secretaria estadual dos Transportes.
Na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Aloysio Nunes atuou como ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República de 1999 a 2001 e o Ministro da Justiça, em 2001 e 2002. Três anos depois voltou para São Paulo, onde foi secretário de governo da prefeitura em 2005 e 2006.
Considerado como uma pessoa próxima a José Serra, em 2010, o senador também ocupou o cargo de Secretário Chefe da Casa Civil do Governo do Estado de São Paulo.
Aécio também afirmou ter convidado o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), para ser o coordenador da sua campanha. O DEM realiza também nesta segunda-feira convenção em que será anunciada a adesão à chapa tucana. (Estadão).

Partido McCarthysta dos Apparatchiks: totalitario, como sempre - Demetrio Magnoli

Parece que os companheiros estão começando a aplicar todo o manual do Inquisidor. Eles levam jeito para a coisa. O país, no entanto, já mudou e eles não perceberam...
Paulo Roberto de Almeida 

Pátria e partido

Doze dias atrás, pela primeira vez na democracia, o Brasil ganhou uma “lista negra” semioficial de críticos do governo. A nota, publicada no site do PT pelo vice-presidente do partido, Alberto Cantalice, enumera nove nomes malditos entre eles, o deste colunista e, nesse passo, desvela a alma política de uma parcela de nossa elite dirigente. Substancialmente, o que existe ali é a pretensão autoritária de identificar a pátria ao partido.

Separemos o que é irrelevante. Ao responsabilizar os nove malditos pela recepção hostil do Itaquerão a Dilma Rousseff, o PT pratica uma inofensiva modalidade de terrorismo: tenta matar o país de tanto rir.

Isolemos o que é secundário. A afirmação de que os nove “estimulam a maldizer os pobres e sua presença nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes” não passa de uma calúnia primária destinada a aquecer militantes e pautar blogueiros palacianos.

O “controle social da mídia” não começará por um decreto governamental, mas pela prática da autocensura

O principal está alhures. A nota acusa os nove de “desgastar a imagem do país no exterior” ou seja, de trair a pátria. Por ridícula que seja, tal acusação traz uma marca inconfundível. Nos EUA, o macarthismo produziu suas “listas negras” por meio de um órgão parlamentar denominado Comitê de Atividades Antiamericanas. Desde a eleição de Obama, a ultradireita americana sugere que o presidente não nasceu nos EUA e/ou é muçulmano. A “pátria” torna-se, aí como no macarthismo, um pseudônimo da elite dirigente, não uma expressão do contrato nacional entre cidadãos livres e politicamente diversos. O PT ultrapassa uma barreira política e ética ao reclamar para si a propriedade da pátria.

A “lista negra” do macarthismo tupiniquim surgiu no dia 16, mas só chegou ao noticiário político dos grandes jornais brasileiros após a divulgação do protesto da respeitada entidade internacional Repórteres Sem Fronteiras, no dia 20. O pesado silêncio de quatro dias dos jornais, rompido aqui e ali por colunas de opinião, é uma notícia tão relevante quanto a própria “lista negra”. O “controle social da mídia” não começará por um decreto governamental, mas pela prática da autocensura.

O que aconteceria nos EUA se o Partido Democrata divulgasse uma “lista negra” de críticos do governo Obama, acusando-os de “desgastar a imagem do país no exterior”? O PT, como registrou a Repórteres Sem Fronteiras, é o partido governante. A “lista negra” do PT surgiu logo que Lula atribuiu à “mídia” e à “elite branca” a culpa pela hostilidade de torcedores à presidente. A nota de Cantalice não é um ato oficial de governo, mas fica perto disso. Significativamente, nenhuma voz do Planalto veio a público informar que o governo não compactua com listas de “inimigos da pátria”.

“Os integrantes dessa lista estão exultantes de serem chamados assim”, especulou um leitor que aprecia “listas negras” semioficiais (com a condição, suponho, de que seu nome não esteja nelas). Tudo é possível debaixo do sol, mas seria uma rematada tolice. Os nove “blacklisted” não partilham um credo político ou ideológico: aparecem juntos apenas por obra dos fabricantes de “listas negras”. Além disso, os nomes são circunstanciais: listas dessa natureza mudam ao sabor das conveniências, como admitiu certa vez o próprio Joseph McCarthy.

Joseph Cantalice McCarthy vive no tempo errado ou no país errado. Décadas atrás, no Brasil da ditadura, ele teria emprego assegurado na polícia política. Hoje mesmo, pode se candidatar com sucesso a um cargo de juiz no Egito, onde três jornalistas da Al-Jazeera foram condenados à prisão por “difundir notícias falsas” e –atenção à coincidência!– “manchar a imagem do país no exterior”. O problema é que, neste país e neste tempo, ele opera no almoxarifado do governo.

Tenho dois recados ao pequeno macarthista do PT: 1) Sua “lista negra” só incrimina o seu próprio partido; 2) A pátria é de todos.

Fonte: 28/06/2014, Folha de S.Paulo.

SOBRE DEMÉTRIO MAGNOLI

Demétrio Magnoli
Sociólogo, colunista dos jornais “O Estado de S. Paulo” e “O Globo”. Magnoli foi colunista da rádio “BandNews FM” e comentarista do “Jornal da Cultura”. Atualmente, é comentarista de política internacional do "Jornal das Dez" da Globo News. É autor de diversos livros como ”Uma gota de sangue” (Contexto) e “Liberdade versus Igualdade” (Record). Integra o Grupo de Análises de Conjuntura Internacional (Gacint) da USP. Magnoli tem doutorado em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP).

Eleicoes 2014: a cristianizacao de um companheiro pelos companheiros

Tal é o ódio que os companheiros totalitários têm contra os companheiros social-democratas que eles estão dispostos a qualquer coisa, até a cristianizar um companheiro menos feliz (ou mais corrupto) para realizar seu objetivo odiento.
Eles são assim.
Paulo Roberto de Almeida 

Eleições 2014

Na última hora, PP abandona Padilha e apoia Skaf

Com a debandada, Alexandre Padilha perde 1 minuto e 30 segundos de exposição na propaganda eleitoral. Pesquisas mostram que o petista patina na casa dos 3% de intenção de voto

Felipe Frazão
Veja.com, 30/06/2014

Foto 1 / 6

AMPLIAR FOTOS
Maluf e Padilha conversam na cerimônia em que o deputado anunciou apoio do PP à candidatura do petista em SP

Maluf e Padilha conversam na cerimônia em que o deputado anunciou apoio do PP à candidatura do petista em SP - Alice Vergueiro/FuturaPress

O abraço do ex-prefeito Paulo Maluf, do PP, com o candidato do PT ao governo de São Paulo,Alexandre Padilha, não durou sequer até o início da campanha eleitoral. Nesta segunda-feira, último dia fixado pela Justiça Eleitoral para a realização das convenções partidárias, a seção paulista do PP oficializou seu desembarque da chapa petista para apoiar a candidatura rival de Paulo Skaf, do PMDB.

“A Executiva Estadual do Partido Progressista em São Paulo, presidida pelo deputado federal Paulo Maluf, decidiu hoje, dia 30 de junho, por maioria absoluta, apoiar a candidatura de Paulo Skaf ao Governo de São Paulo", diz a nota do partido.

Reinaldo Azevedo: Foi obra de Lula

Apesar de ter anunciado a aliança com Padilha, o PP de Maluf cobrava que o PT cedesse espaço em uma chapa conjunta para as eleições ao Legislativo. O PP chegou a estipular prazo até as 17 horas desta segunda-feira para que o PT decidisse se aceitaria ou não uma coligação proporcional com os candidatos a deputado pela legenda. Mas não houve acordo. A direção nacional do PP, que comanda o Ministério das Cidades, já foi informada sobre a adesão à candidatura de Paulo Skaf.

Com a debandada, Padilha perde precisoso 1 minuto e 30 segundos de exposição na TV durante o horário eleitoral gratuito. Ele deve ficar com apoio apenas do PR e do PCdoB. A saída do PP frustra uma das principais estratégias do ex-presidente Lula para ver a candidatura de seu "terceiro poste" decolar em São Paulo. Lula tentava repetir a engenharia de 2012, quando Maluf fechou com seu candidato à época, o prefeito eleito Fernando Haddad. O PT também avalia que o tempo maior de exposição na TV é crucial para tentar promover a imagem de Padilha no interior paulista, que tem histórica resistência ao partido.

Leia também:
Em SP, PT defende Dilma e esquece candidatura de Padilha
Não sei quem é a terceira via', diz Skaf sobre Padilha
Em SP, Pros e PDT deixam um pé em cada canoa

Segundo a última rodada de pesquisa do instituto Datafolha, Padilha tem apenas 3% das intenções de voto, ante 21% de Skaf. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tentará a reeleição, marca 44%. Mais cedo, Skaf já havia comemorado a adesão do PP: "Foi uma surpresa. Desde sexta-feira eu ouvia falar de movimentos do PP, mas não estava acreditando. Agora me avisaram que o senador Ciro Nogueira [presidente nacional do PP] havia anunciado que, quase por unanimidade, a base do PP manifestou apoio à nossa candidatura", disse Skaf, na convenção do PSD em São Paulo, que formalizou a aliança com o partido e a candidatura ao Senado de Gilberto Kassab.

Leia na íntegra a nota da Executiva Estadual do PP:

A Executiva Estadual do Partido Progressista em São Paulo, presidida pelo deputado federal Paulo Maluf, decidiu hoje, 30 de junho, por maioria absoluta, apoiar a candidatura de Paulo Skaf ao Governo de São Paulo. A coligação será feita tanto na chapa majoritária como na proporcional para deputado federal e estadual. Também participaram do encontro o 1.º vice-presidente do PP, deputado federal Missionário José Olímpio, o secretário geral, Jesse Ribeiro, o 2.º secretário Fauze Hamuch, e demais integrantes da Executiva Estadual.

O bolivarianismo soft dos companheiros descambou na politica externa? - Paulo Roberto de Almeida

Novos atores na diplomacia brasileira: o Itamaraty passará a ser “assessorado” por um Conselho Nacional de Política Externa?

Paulo Roberto de Almeida

Uma das características do aparelhamento do Estado brasileiro pelo Partido dos Trabalhadores, hegemônico na atual conjuntura política brasileira, tem sido a penetração das diversas instâncias decisórias e consultivas do governo federal por meio de organizações políticas que se proclamam participantes interessados em determinadas políticas setoriais. Essa infiltração se dá mediante organizações que são aparentemente autônomas, ou seja, consideradas como sendo da “sociedade civil”, mas que são, de fato, controladas pelo PT ou por grupos que se movimentam no mesmo espectro ideológico.
O objetivo, obviamente, é o de controlar, ou pelo menos constranger, os decisores políticos e a própria burocracia profissional de cada um dos setores visados, preferencialmente aqueles com maior interface social. Aqueles setores de maior relevância social são objeto da criação de “conselhos nacionais”, cuja institucionalidade foi estimulada desde o início do governo do PT, em 2003. A metodologia é conhecida: o governo já aparelhado pelos companheiros do PT estimula a formação de Conselhos Nacionais, e depois passa a convocar encontros nacionais, organizados cuidadosamente pelo próprio governo, aos quais, sem surpresas, são convidados preferencialmente – ou exclusivamente? – órgãos e movimentos controlados pelo próprio partido hegemônico.
Trata-se aqui de uma típica tática gramsciana – que os franceses chamariam de noyautage –, como várias outras utilizadas pelo partido hegemônico, que já domina uma fração substancial do movimento sindical: por meio de decisões aprovadas de forma aparentemente “consensual” nesses encontros nacionais dos “conselhos” que o próprio partido hegemônico criou dentro da máquina governamental, os companheiros gramscianos pretendem guiar e controlar a adoção de políticas que confirmariam justamente sua hegemonia, não mais apenas sobre o governo, mas sobre toda a sociedade brasileira. Recorrendo não apenas ao velho Gramsci – que poucos dos companheiros leram de fato – mas sobretudo a recomendações dos companheiros cubanos – eles, sim, presentes, direta e indiretamente, via Foro de São Paulo e outros canais menos transparentes –, os seus companheiros tupiniquins cercam todas as possibilidades de ter a sociedade brasileira sob seu controle. Não que eles pretendam fazer o Brasil adotar um modelo de organização social e política baseado no socialismo à la cubana, pois eles não seriam estúpidos a esse ponto: a intenção é a de “apenas” controlar o capitalismo brasileiro, fazendo com que este alimente, sustente e subsidie o seu próprio poder monopólico, se possível por prazo indefinido.
Não existe, até o momento, nenhum Conselho Nacional de Política Externa, mas se depender do partido dos companheiros poderá existir algum dentro de breve tempo, pelo menos no que depender da continuidade das tentativas bolivarianas e da possível implementação do famoso decreto n. 8.243, que instituiu uma “política nacional de participação social”. As pressões para a criação de um conselho desse tipo existem e devem ser reforçadas, independentemente do destino final que tenha tal decreto, e elas são exercidas em diversas instâncias. Pode-se ler, por exemplo, numa declaração emitida ao final da IV Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional”, realizada em Brasília, de 18 a 20 de março de 2014, o seguinte trecho, que interessa de perto às atividades da diplomacia brasileira (ênfase acrescida):
“Na área internacional, faz-se necessário que o direito humano à alimentação adequada (DHAA) e à soberania e a segurança alimentar e nutricional (SSAN) orientem as relações transfronteiriças e as obrigações extraterritoriais, as negociações internacionais de clima comércio e tratados bilaterais, bem como projetos de investimentos de empresas estrangeiras no Brasil e de empresas brasileiras realizadas em outros países, nas áreas de mineração, agronegócio e construção civil, que contam com o apoio do governo brasileiro. A política externa brasileira no que se refere à segurança alimentar e nutricional precisa ser mediada em instâncias plurais e representativas, como o CONSEA. Requer, sobretudo, a criação de um espaço institucionalizado de participação social, voltado para a inserção externa do país. Nesse sentido, apoiamos a criação de um Conselho Nacional de Política Externa onde as distintas visões, interesses e propostas em disputa sejam apresentados  e processados.”
George Orwell e sua novilíngua estão claramente presentes nesse comunicado. Através de expedientes como estes os companheiros prosseguem em sua obra de penetração, de controle e de dominação das diversas instâncias da governança no Brasil. Pode-se dizer que se trata de um bolivarianismo soft, adaptado às circunstâncias nacionais. Não por isso menos nocivo à democracia e às liberdades em nosso país.


Hartford, 30 de junho de 2014.