O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Quem seria capaz de assinar um manifesto a favor de um criminoso?

Infelizmente, para minha constatação lamentável, centenas, milhares de cidadãos alfabetizados, medianamente educados, portanto, a maioria até com curso superior, muitos com doutorado, vários exercendo cargos públicos na JUSTIÇA, mas que não se pejam, não sentem nenhuma vergonha, não encontram nenhuma restrição moral, sequer mental, em assinar um manifesto EM FAVOR de um criminoso identificado.
Será que sou eu a ter de sentir vergonha por viver num país em que tantos cidadãos aparentemente normais se mobilizam para apoiar um bandido declarado, um mafioso reconhecido?
Paulo Roberto de Almeida 

quarta-feira, 8 de março de 2017

O amigo é Lula 

 
- O Estado de S. Paulo
 
Marcelo Odebrecht confirmou identidade do ‘amigo'
 
Marcelo Odebrecht confirmou nos depoimentos que integram sua delação premiada que o “amigo” ou “amigo de EO” que aparece em trocas de e-mails e planilhas do grupo é mesmo Luiz Inácio Lula da Silva. Procuradores que acompanharam a colaboração atestam: as revelações de Odebrecht são “arrasadoras” para o petista – o que ajuda a explicar a pressa em lançar sua candidatura à Presidência em 2018.
 
Apesar do extraordinário crescimento que o grupo experimentou nos governos do PT, Odebrecht descreve a amizade entre o pai, Emílio, e o ex-presidente como um estorvo. Se queixa de que o pai cedia demais aos pedidos de Lula, o que obrigava a empresa a fazer investimentos desvantajosos.
 
A delação do herdeiro é fulminante também para duas outras figuras de proa do petismo: Antonio Palocci e Guido Mantega. “Os dois morrem”, resume um integrante do Ministério Público, segundo o qual “não restará outra possibilidade de defesa” para o “Italiano” que não seja propor colaboração judicial para entregar a cadeia de comando dos favores que prestou e do dinheiro que distribuiu.
 
(coluna de Vera Magalhães)

quarta-feira, 8 de março de 2017

Delator: Lula é o ‘amigo’ em planilha da corrupção 

 
Na lista de codinomes que aparecem nas planilhas de propina da Odebrecht, o ex-presidente Lula é o “amigo”, informou o ex-diretor da empreiteira Hilberto Mascarenhas ao TSE. Na planilha, consta que o “amigo” recebeu R$ 23 milhões. Segundo o delator, o setor de propinas da empreiteira movimentou US$ 3,4 bi em 8 anos.
 
‘Amigo’ em planilha da propina é Lula, diz delator
 
Hilberto Mascarenhas afirma que pagamentos ilegais da Odebrecht somaram US$ 3,4 bi, em oito anos
 
Jailton de Carvalho e Simone Iglesias | O Globo
 
-BRASÍLIA- O executivo Hilberto Mascarenhas disse que o Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, o chamado banco da propina da empreiteira, movimentou US$ 3,4 bilhões entre 2006 e 2014 para abastecer caixa 2 de campanhas eleitorais no Brasil e pagar propinas no país e no exterior. O executivo disse ainda que desse total, aproximadamente US$ 500 milhões foram despejados em acertos com políticos no Brasil, segundo disse ao GLOBO uma fonte vinculada ao caso.

Em depoimento ao ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, Mascarenhas citou que, entre os nomes listados em planilha de pagamentos da Odebrecht, a indicação “amigo” se referia ao ex-presidente Lula. Mascarenhas fez as declarações na noite de segunda-feira. Ele foi interrogado numa ação que pode resultar na cassação da chapa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e do presidente Michel Temer (PMDB). Ele fez a revelação quando explicava a quem e como eram repassados recursos de propina a políticos e partidos. Ao dizer que não lembrava o codinome de todos os políticos listados nas planilhas, Hilberto observou que Lula era chamado de amigo pela relação próxima com Emílio Odebrecht, pai de Marcelo.
 
O executivo disse que o volume de desembolso para pagamentos supostamente ilegais cresceram ao longo do segundo mandato do ex-presidente Lula e do primeiro governo da ex-presidente Dilma. Foram pagamentos da ordem US$ 60 milhões, em 2006; de US$ 80 milhões, em 2007; de US$ 120 milhões, em 2008; e de US$ 260 milhões, em 2009. Ainda em escalada, o setor liberou mais US$ 420 milhões, em 2010, US$ 520 milhões, em 2011; US$ 730 milhões, em 2012. Em 2013, nada menos que US$ 750 milhões. Em 2014, em pleno curso da Operação Lava-Jato, o departamento fez pagamentos de mais US$ 450 milhões.
 
TEMER: APOIO FINANCEIRO
O ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que também prestou depoimento, confirmou que participou de um jantar com o presidente Michel Temer, em 2014, no qual o peemedebista pediu apoio financeiro às campanhas do partido nas eleições daquele ano. Em sua oitava, que durou cerca de 40 minutos, o ex-executivo disse que o encontro ocorreu no Palácio do Jaburu. Além dele e de Temer, participaram o então presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, o ministro Eliseu Padilha, entre outros peemedebistas. A assessoria da Presidência da República afirmou que o presidente não tratou de valores com ninguém durante o jantar. Temer informou ontem à noite que Padilha volta ao governo dentro de uma semana.
 
Em nota, Lula disse que já teve seus sigilos fiscais e telefônicos quebrados, foi alvo de busca e apreensão e 68 testemunhas foram ouvidas “e não foi encontrado nenhum recurso indevido”. “Lula jamais solicitou qualquer recurso indevido para a Odebrecht ou qualquer outra empresa. O ex-presidente jamais teve o apelido de “amigo”, informou a nota.
 
O codinome “Amigo”, que consta na planilha da Odebrecht, é dono de um saldo de 23.000, que corresponderia a R$ 23 milhões na contabilidade paralela da empreiteira. Deste total, R$ 8 milhões teriam sido pagos entre novembro de 2012 e setembro de 2013, restando ainda na planilha R$ 15 milhões de saldo.
 
Anteontem, “Italiano” foi identificado por Fernando Barbosa, executivo da Odebrecht, como sendo o ex-ministro Antonio Palocci. A defesa de Palocci nega. Na semana passada, em depoimento ao TSE, Marcelo Odebrecht teria confirmado também que “pós-Itália” era o ex-ministro Guido Mantega. O empresário teria dito que, juntos, Itália e pos-Itália teriam recebido R$ 300 milhões.
Postar um comentário