O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Joao Carlos Espada: O Ocidente em Questão

SEGUNDA-FEIRA, 19 DE JUNHO DE 2017

O Ocidente em questão

O professor João Carlos Espada observa que a democracia liberal ocidental enfrenta a crise mais grave desde a II Guerra Mundial:


Depois das eleições francesas de ontem e do caos que se instalou na política britânica após as eleições de 8 de Junho, a capa da mais recente edição de The Economist resume tudo: Emmanuel Macron caminhando sobre o mar, ao lado da afundada Theresa May (só com os tornozelos e os inconfundíveis sapatos à superfície).

Em editorial, a revista argumenta que Macron, em França, e Merkel, na Alemanha, (a chamada “dupla Merkron”) reúnem agora as esperanças dos “centristas” europeus. Mas a capa da revista emite uma dupla mensagem. Caminhar sobre as ondas não é propriamente uma faculdade humana. Se as retumbantes vitórias de Macron e do seu novíssimo partido fizerem esquecer os sérios problemas que a França, a Europa e o Ocidente enfrentam, esses mesmos problemas irão reaparecer em breve com maior intensidade.

Este é certamente um alerta contra o triunfalismo e a complacência. Mas é sobretudo um apelo para que os problemas euro-atlânticos sejam seriamente analisados e discutidos pelos euro-atlantistas — incluindo nesse diálogo as suas diversas disposições políticas, mais ao centro-direita e mais ao centro-esquerda.

Há duas semanas, dei aqui conta do chamado Apelo de Praga para a Renovação Democrática, que apelava exactamente nesse sentido. Vários dos subscritores — Marc Plattner, Larry Diamond, Christopher Walker, entre outros — estarão presentes na próxima semana no Estoril Political Forum, dedicado precisamente à defesa da “tradição ocidental da liberdade sob a lei”. Tratar-se-á de uma primeira concretização do Apelo de Praga para a re-união de diferentes sensibilidades dos defensores do Ocidente.

O tema tem também estado no centro de vários livros recentes que serão certamente citados no Estoril. Bill Emmot, ex-director de The Economist, acaba de publicar The Fate of the West: The Battle to Save the World’s Most Successful Idea(Economist Books). Edward Luce, cronista do Financial Times, publicou The Retreat of Western Liberalism(Atlantic Monthly Press). Os dois autores convergem no diagnóstico: a democracia liberal ocidental enfrenta a crise mais grave desde a II Guerra.

Opinião talvez ainda mais drástica é defendida por Douglas Murray, colaborador da revista The Spectator, no seu livro mais recente: The Strange Death of Europe: Immigration, Identity, Islam(Bloomsbury). O diagnóstico é aqui centrado no declínio demográfico europeu, nas vagas crescentes de imigração, sobretudo de origem muçulmana, e no estranho fenómeno que parece incapacitar os europeus para a defesa das suas próprias instituições e dos seus valores ocidentais.

Não é provável que estes três autores e os mais de 60 subscritores do Apelo de Praga concordem entre si no diagnóstico e, sobretudo, na terapêutica. Mas é visível que todos concordam com a gravidade dos desafios que a ideia ocidental hoje enfrenta. Reconhecer essa gravidade é o primeiro passo para a defesa da tradição ocidental da liberdade sob a lei.

*A tragédia do incêndio de Pedrógão Grande enlutou todos os Portugueses. Será certamente necessário vir a esclarecer as condições que terão permitido tão elevado número de vítimas. Mas a tragédia não deve agora dar lugar a recriminações. O momento é de luto, solidariedade e compaixão.(Observador).
Postar um comentário