O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Economia brasileira: finalmente uma luz no fim do tunel? - IEDI

Será que depois da GRANDE DESTRUIÇÃO lulopetista na economia, que foi a MAIOR de toda a nossa HISTÓRIA, vamos finalmente começar a remontar a curva do crescimento?
Assim parece, segundo os relatórios, mas o processo é ainda muito desigual, como revelado neste mais recente boletim conjuntural do IEDI.
Paulo Roberto de Almeida

Em diferentes velocidades

Sumário 
A economia brasileira ensaia seus primeiros passos rumo à compensação de tudo aquilo perdeu nos últimos anos. Entretanto, ao que parece, este processo não será fácil nem rápido. Os dados conhecidos até o momento, que cobrem os cinco primeiros meses do ano, mostram os principais setores da economia operando em velocidades bastante distintas, o que pode ser visto como um elemento de fragilidade do presente momento econômico.
O quadro menos adverso dos últimos meses tem origem, em primeiro lugar, em uma extraordinária evolução do agronegócio que resultou em aumento do PIB setorial para o primeiro trimestre de 2017 de 15,2% ante 1º trim./16. Segundo dados mais atuais, a estimativa para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2017, realizada pelo IBGE no mês de junho, representava um aumento de nada menos que 30,1% em relação à safra de 2016.
Em segundo lugar, o comércio exterior tem funcionado como uma forma de contornar parcialmente a crise dos mercados domésticos para muitas empresas e setores. A expansão das exportações poderia contribuir muito mais não fossem aspectos sistêmicos que, de longa data, corroem nossa competitividade. Também desfavoreceu nossas exportações a apreciação da taxa de câmbio ao longo do ano passado. O destaque, neste caso, cabe à indústria automobilística, cujas exportações de 2017 em quantum avançaram 32,1% frente a jan-mai/16, segundo a Funcex.
Essa evolução da agricultura e das exportações geraram efeitos dinamizadores sobre outras áreas. Podemos citar, como exemplo, o avanço da produção industrial nos segmentos de bens de capital para a agricultura e de automóveis, bem como a elevação do faturamento real de serviços de transportes e de armazenagem.
Mas estes não são os únicos fatores em operação. Há também estímulos vindos da desaceleração da inflação, que tem permitido uma relativa recomposição do rendimento real das famílias, assim como uma redução mais acentuada da taxa básica de juros (Selic). A isso somam-se condições menos adversas no crédito às pessoas físicas (cujas concessões reais voltaram a crescer) e fatores pontuais, como a liberação das contas inativas do FGTS.
Assim, a demanda restringida nos últimos anos tem visto nestes fatores uma oportunidade toda especial de se efetivar. Com isso, as vendas de alguns ramos do comércio varejista vêm se recuperando – principalmente em tecidos, vestuário e calçados, eletrodomésticos e material de construção –, puxando a produção industrial de bens equivalentes – com destaque para eletrodomésticos da linha marrom, calçados, vestuário e têxteis.
Como a reação não é uma realidade para todos os segmentos industriais, ocorrendo em apenas 12 dos 25 segmentos acompanhados pelos IBGE no acumulado de 2017, a indústria de São Paulo, que é sabidamente a mais diversificada do país, além da mais moderna, encontra dificuldades para sair do vermelho (-0,6% ante jan-mai/16), contrastando com o resultado de outros estados, como Rio de Janeiro (+4,6%), Santa Catarina (+4,3%), Minas Gerais (+2,1%), etc. Ao todo, 10 das 15 localidades pesquisadas pelo IBGE já mostram alta na produção industrial no acumulado do ano até maio.
Apesar do aquecimento em alguns segmentos e localidades, o desempenho geral dos grandes setores da economia continua muito fraco. Na série com ajuste sazonal, as vendas reais do varejo e serviços ficaram praticamente estagnadas em maio (-0,1% e +0,1% ante abr/17, respectivamente). A indústria cresceu um pouco mais (+0,8%), mas menos que no mês anterior. O indicador IBC-Br do Banco Central, que funciona como uma proxy do PIB, apontou declínio de 0,5% frente a abril, já descontados os efeitos sazonais.
Em relação ao mesmo período do ano passado, baixas bases de comparação têm ajudado na obtenção de variações positivas na indústria (+4,0% frente a mai/16) e no varejo restrito e ampliado (+2,4% e +4,5%, respetivamente) – que inclui as vendas de veículos autopeças e material de construção –, mas não no caso do setor de serviços (-1,9%), 
A situação a que esses dados endereçam fica mais clara ao se tomar o resultado acumulado nos cinco primeiros meses de 2017. A incipiente recuperação da economia brasileira tem sido marcada por velocidades distintas: em primeiro lugar a indústria (+0,6%), cuja crise foi mais longa e aguda do que nos demais setores, seguida pelo comércio varejista (-0,8%) e pelos serviços (-4,4%). Mais dependente da evolução do emprego e da renda, o setor de serviços, que foi o último a entrar em crise, parece que também será o último a sair dela.

Indústria

O desempenho da indústria, depois de um longo período de retração aguda, entrou em uma nova fase em 2017. Nos últimos meses, voltaram em cena resultados positivos, embora muito fracos e, em geral, entremeados por novas quedas. No acumulado do ano até maio, o crescimento do setor como um todo chegou a apenas 0,5%, devido ao resultado muito favorável de não muitos setores.
Vale notar que a indústria de transformação continua no vermelho no acumulado do ano (-0,2% frente a jan-mai/16) e seu placar setorial continua muito dividido: 12 setores já passaram da estabilidade e começaram a recuperar perdas, enquanto outros 13 permanecem no negativo. A situação não é muito diferente para cada um dos macrossetores industriais.

Comércio

Em 2017, enquanto a produção industrial mostra alguma reação, mesmo que muito incipiente, as vendas do comércio varejista continuam apenas registrando uma moderação do ritmo de suas perdas. Em outras palavras, o comércio está hoje onde a indústria estava no ano passado. Uma pedra no caminho do varejo tem sido claramente o nível elevado de desemprego ainda vigente no país.
Segundo o IBGE, as vendas reais do varejo ficaram praticamente estáveis em maio deste ano (-0,1%) frente abril, já descontados os efeitos sazonais. Em seu conceito ampliado, que inclui veículos, autopeças e material de construção, houve retração de 0,7% nesta mesma comparação.

Serviços

O setor de serviços, em comparação com a indústria e o comércio varejista, é quem pior tem se saído ao longo desses cinco primeiros meses de 2017. No ano, seu faturamento real acumula perdas de 4,4% e não registra nenhuma variação interanual positiva desde março de 2015, muito embora o resultado de maio de 2017 frente a maio de 2016 (-1,9%) tenha sido a queda mais branda desde o início da crise do setor.
Considerada a trajetória na margem, isto é, frente ao mês imediatamente anterior já descontados os efeitos sazonais, o quadro tampouco sugere um progresso. Dos cinco meses de 2017 dos quais já temos informação, três apresentaram crescimento desprezível de +0,1%, inclusive em maio último. Apenas abril teve uma alta considerável (+1,0%), mas isso porque a base de comparação foi baixa, com março caindo mais intensamente (-2,6%).
Postar um comentário