O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

domingo, 3 de setembro de 2017

Diplomatizzando: um quilombo de resistencia intelectual: 18 mil postagens, 5 milhoes de visualizacoes

Este blog, que é apenas o de maior constância e longevidade entre dez outros que iniciei, mantive ou administrei (alguns a título temporário), já tem mais de dez anos de existência, e, se as estatísticas de postagens são confiáveis, já elaborei 17.844 postagens de todos os tipos, sendo 17.790 publicadas (e 54 ainda em formato de rascunho).
Segundo outras estatísticas de visualização, minhas postagens já perfizeram 5 milhões e 650 mil visualizações, sendo que o blog é seguido por exatamente 777 pessoas (mas creio que sua disseminação alcança uma audiência maior, em função das ferramentas de comunicação social, como Twitter e Facebook).
Uma consulta às estatísticas de acesso revela que minha principal audiência se encontra mesmo no Brasil, com mais de três milhões de visitantes, mas outros países também comparecem em número significativo:
EntryPageviews
Brazil
3.018.786
United States
821.289
Germany
676.975
Russia
180.191
France
104.986
China
72.041
Portugal
51.186
Ukraine
47.445
United Kingdom
27.549
India
23.981
 
Esta imagem confirma o crescimento constante dos acessos, em diminuição relativa no período recente devido a uma maior utilização de um concorrente: o Facebook: 

O público universitário brasileiro predomina, sem qualquer dúvida, o que é aliás confirmado pela natureza das postagens mais vistas.
 
Pode-se dizer, portanto, que em termos exclusivamente volumétricos, ele representa um sucesso relativo, para um blogueiro totalmente isolado, trabalhando em perfeita autonomia, sem obedecer a qualquer outro critério de postagem que não minhas próprias preferências intelectuais. Sou totalmente independente, e não peço licença a ninguém para postar coisas que me interessam, mas tampouco remeto sistematicamente a qualquer lista de recipiendários as postagens que aqui efetuo.
Como diria um cantor anarquista francês, Leo Ferré, "Ni Dieu, ni maître".

Mas isto não é o mais importante, que considero ser a função educativa, ou didática, deste blog.
Como indicado em seu cabeçalho, ele pretende ser: 
"Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org."

Resumindo, o blog se ocupa de: 
"Temas de relações internacionais e de política externa do Brasil, políticas econômicas, viagens, livros, cultura em geral."

Ou seja, um blog puramente informativo, uma espécie de "gabinete de curiosidades", nos temas que mais mobilizam minha atenção, e eles são muitos, como confirmado acima.
Durante algum tempo, porém, que coincidiu com o regime companheiro no Brasil (2003-2016), este blog se converteu -- não apenas ele, mas principalmente ele -- em uma espécie de quilombo de resistência intelectual, contra o que me pareceu ser um "assalto de bárbaros" contra a democracia e as instituições no país, por um grupo organizado de militantes políticos animados das piores intenções com respeito à construção de um país livre (de influências externas), democrático (no sentido mais formal e completo da palavra, sem qualquer adjetivo), dotado de uma economia de mercado aberta às iniciativas privadas e à interdependência global e propenso a valorizar a responsabilidade individual, contra qualquer espírito coletivista mesquinho e intelectualmente medíocre, como era o dos companheiros.
O fato de resistir ao assalto dos "bárbaros" às instituições democráticas do Brasil trouxe-me um imenso desgaste profissional e funcional, com um isolamento administrativo durante todo o período companheiro, numa espécie de longa travessia do deserto, na qual todavia persisti, não apenas para ficar em paz com minha própria consciência, como também para lutar contra o rebaixamento de padrões e contra a mediocridade intelectual na qual o país viveu nesse grande período.

Pretendo reunir os meus mais significativos exemplos de resistência intelectual à barbárie companheira -- nem todos aqui postados, et pour cause -- e fazer um balanço desses anos duros, nos quais estive praticamente isolado na minha atitude de desafio à indigência política, à corrupção nos costumes, à fraude acadêmica, quando não à delinquência pura e simples.

Paulo Roberto de Almeida 
Brasília, 3 de setembro de 2017
Postar um comentário