O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Antonio Houaiss: um intelectual diplomata (projeto)

Em 1953, com base em denúncia de colega de carreira, Amaury Banhos Porto de Oliveira, Paulo Augusto Cotrim Rodrigues Pereira, Jatyr de Almeida Rodrigues e Antonio Houaiss foram submetidos a processo administrativo no Itamaraty. Eles foram afastados do Itamaraty, sem qualquer defesa, pelo presidente Getúlio Vargas, que os colocou em disponibilidade inativa, não remunerada, com base em sumária “exposição de motivos” do Conselho de Segurança Nacional. A condenação dos quatro foi anulada em 1954 pelo Supremo Tribunal Federal, por vício de forma e cerceamento da defesa.
Em 1964, Antonio Houaiss, então ministro de segunda classe, foi aposentado compulsoriamente pelo novo regime. O inquérito de 1964, que o afastou do Itamaraty, bem como sua própria defesa, “inútil” como ele antecipava, figuram no livro de Antonio Houaiss, A Defesa (Rio de Janeiro: Avenir, 1979).
Paulo Roberto de Almeida

ACERVO MEMORIAL DIGITAL ANTONIO HOUAISS


Antonio Houaiss (15 de outubro de 1915 – 7 de março de 1999) foi um intelectual brasileiro, era o quinto de sete filhos de um casal de imigrantes libaneses, Habib Assad Houaiss e Malvina Farjalla, radicados no Rio de Janeiro. Com dezesseis anos, começou a lecionar português. Foi professor, filólogo, diplomata de carreira, acadêmico, ecdota, lexicógrafo, tradutor, orador, conferencista, crítico literário, ensaísta, político, teórico do socialismo, ministro de Estado, foi presidente da Academia Brasileira de Letras, Ministro da Cultura e membro da Academia das Ciências de Lisboa. Autor de livros, organizou e elaborou duas enciclopédias. Publicou dois dicionários bilíngues inglês- português, organizou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, traduziu o romance Ulisses de James Joyce. Antonio Houaiss ingressou no Ministério das Relações Exteriores em 1945, enquanto Conselheiro – Ministro de 2a. Classe foi cassado pelo Regime Militar em 1964.

A primeira fase do projeto: 

Dispersos de Antônio Houaiss (2012-2015) 
Instituições envolvidas: PPGF UFRJ, CEBELA e PUC RJ

O projeto, dispersos de Antônio Houaiss, consistiu no levantamento, classificação, organização e arquivamento de material localizado, criando uma base de dados que consta de documentações referentes à vida política, da atuação cultural e científica de Antônio Houaiss. Acervo digital sobre curadoria do Centro Brasileiro de Estudos Latino Americanos – CEBELA, feita a localização de escritos e registros audiovisuais, e dos produtos culturais e intelectuais. Coletado e digitalizado em banco de dados e disponível no site do acervo digital

A segunda fase do projeto: 

Consolidação, construção do blog e conclusão (2015-2016)
Instituições envolvidas: Instituto de Medicina Social – UERJ, CEBELA e PUC RJ

Por consolidação, entende-se o retorno às fontes, para o aprofundamento, na localização de material cultural, diplomático e político, processo esse iniciado no ‘Projeto Dispersos de Antonio Houaiss.Considera-se Consolidação todo material que venha somar ao já existente, a localizado, como texto ou depoimento oral de autoria de Antônio Houaiss não publicado em obra (livro) de sua assinatura exclusiva, incluídos artigos de imprensa e entrevistas a meios gráficos e eletrônicos e discursos 

Desenvolvimento do Site e Conclusão do projeto

Abertura


O segundo acesso, consta do material relacionado a Vida Cultural de Antônio Houaiss: Filologia, Literatura e Cultura:


Biografia de Antônio na Academia Brasileira de Letras, Teses e Dissertações sobre a Tradução de Ulisses de James Joyce, Artigos sobre as Traduções de Ulisses de James Joyce, Apresentação dos Tradutores para língua portuguesa de Ulisses  de James Joyce, Teses e Dissertações sobre o Dicionário Antônio Houaiss, Artigos sobre a Comissão Machado de Assis e a Participação de Antônio Houaiss e Textos sobre a atuação de Antônio Houaiss como membro da Academia Brasileira de Letras (1971 até a sua morte em 1999). Foi presidente da Academia Brasileira de Letras de 1995-1996.
O terceiro acesso, Diplomacia, Política e Sociedade.


Biografia de Antônio no Ministério de Relações Exteriores, acesso a processo de cassação, documentações que fazem parte do Maço diplomático (disponível no blog matriz, fotos, artigos de amigos próximos sobre a sua carreira diplomática, homenagem de seu médico em discurso na Academia Brasileira de Letras, imagem de documentos do Dops, artigos sobre diplomacia. Um pequeno histórico sobre Ruanda no início dos anos de 1960, tabela cronológica das atividades diplomáticas de Antônio Houaiss e imagens que registram a sua vida social, correspondência aos seus amigos próximos e duas correspondências de conteúdo diplomático, constando de seleções de material, que estão no blog matriz em sua totalidade.

O quarto acesso 

COMENTÁRIOS E COLABORAÇÕES. 

Destina-se a colaborações, comentários e perguntas, buscando atender a demanda do usuário.


Toda colaboração deve ser enviada para o depositotabletgsar@gmail.com para ser postado. Está dividida em campos temáticos. Traduções de Ulysses de James Joyce, Machado de Assis e o estabelecimento do seu texto submetidas as regras criadas por Antônio Houaiss e por último Diplomacia e Cultura.

O quinto acesso

MATRIZ / BANCO DE DADOS 

Tem a função de ser o Banco de Dados que concentra o que foi localizado e digitalizado, e informações adicionais como referências e localizações de fontes.



Gustavo Saboia de Andrade Reis
Mestre em Filosofia – PPGF – UFRJ, Psicólogo – USU.
 Pesquisador Bolsista Faperj – Instituto de Medicina Social – UERJ


Professor Dr. André Rangel Rios 
Coordenador de Pesquisa 
Instituto de Medicina Social - UERJ

Nenhum comentário: