O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Um Quilombo de resistencia intelectual - Paulo Roberto de Almeida


Em 2010, depois de alguns anos de travessia do deserto, e aproximando-ser mais um escrutínio eleitoral, durante o qual todas as mentiras seriam mobilizadas pelos mesmos mentirosos que ocupavam o poder desde o início da década, eu resolvi, parcialmente estimulado por meu amigo Vinicius Portela, criar um espaço de livre posicionamento, mais incisivo do que este meu blog habitual, considerado sempre um mero divertissement intelectual.
O blog deveria ser mais combativo no afrontamento às ideias perversas, deliberadamente mentirosas, e também deveria representar, como o nome indicava, um bastião de resistência aos descaminhos que eu observava desde o início do governo celerado dos companheiros, que eu tinha certeza de que iria destruir o país (como de fato ocorreu, embora um pouco mais tarde).
Por diferentes razões, inclusive e principalmente por falta de tempo, o blog não foi continuado, mas algumas postagens iniciais evidenciavam seu propósito e seu comprometimento.
Reproduzo aqui algumas poucas postagens desse fase inicial, e final...
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 11 de junho de 2018


Minha visao sobre o Quilombo da Razao - Paulo R Almeida

Quilombo de resistência intelectual
Paulo Roberto de Almeida (6.09.2010)

Em situações de quase completa unanimidade, torna-se difícil, praticamente impossível, manter uma posição dissidente, discordante da maioria. Somos olhados como pessoas estranhas, suspeitos de alguma arrogância intelectual ou de elitismo social, o que aos olhos da maioria aparece como um pecado capital.
No entanto, esparsos na comunidade, existem muitos outros indivíduos que também mantêm as mesmas reservas e restrições à ordem dominante, pessoas que se ressentem dos consensos impostos e que gostariam de contribuir para um ambiente de pluralidade e, sobretudo, de respeito à livre expressão de suas discordâncias e propostas alternativas. 
É o momento, talvez, de se congregarem esforços na resistência intelectual, de agrupar as forças contrárias atualmente existentes naquele conjunto que foi chamado, em conformidade ao título desta nota, de quilombo, um espaço de racionalidade, de defesa da razão, de não conformismo ou de não conformidade com a aparente unanimidade (que pode ter sido construída por meios de instrumentos espúrios). Trata-se, como alertado, de um foco de resistência, de preservação da racionalidade em meio ao oceano de aprovação, de aparente contentamento com a situação existente, de falsas utopias e de soluções enganosas. 
Um quilombo é isso: uma fuga da ditadura dominante, uma pequena ilha de liberdade nas trevas das paixões desatadas, uma centelha de esperança na libertação futura, a preservação da autonomia em momentos de opressão, mesmo virtual ou potencial. Todos os fascismos – e os socialismos não deixam de ser modalidades dessa grande espécie – requerem a unanimidade. O quilombo da razão recusa a unanimidade. Por enquanto é apenas isso...

Paulo Roberto de Almeida
(Shanghai, 6.09.2010)

PS.: A ideia do Quilombo da Razão é inteiramente devida ao amigo Vinicius Portella, mas desde o início concordei com o projeto e me coloquei à disposição para colaborar. Pretendo elaborar, oportunamente, o que poderia servir de "carta de princípios" do "QR".

==============



Existem momentos na vida de uma nação...

...em que ocorre aos mais lúcidos a nítida noção de que a vaca foi para o brejo...
Desculpem a expressão corriqueira, mas eu queria me referir a algo mais profundo, um processo histórico de dimensões toynbeeanas...
Bem, talvez não seja para tanto, tanto porque não conformamos, exatamente, uma "civilização" no sentido pleno da expressão.
Mas a sensação é a mesma se vocês querem saber.

São momentos em que...

1. O sentimento de mal-estar se torna generalizado na sociedade, ainda que possa ser difuso.
2. Os avanços econômicos são lentos, ou menores, em relação a outros povos e sociedades.
3. Os progressos sociais são igualmente lentos ou repartidos de maneira desigual.
4. A lei passa a não ser mais respeitada pelos cidadãos ou pelos próprios agentes públicos.
5. As elites se tornam autocentradas, focadas exclusivamente no seu benefício próprio.
6. A corrupção é disseminada nos diversos canais de intermediação dos intercâmbios sociais.
7. Há uma desafeição pelas causas nacionais, com ascensão de corporatismos e particularismos.
8. A cultura da integração na corrente nacional é substituída por reivindicações exclusivistas.
9. A geração corrente não se preocupa com a seguinte, nos planos fiscal, ambiental ou outros.
10. Ocorre a degradação moral ou ética nos costumes, a despeito mesmo de “avanços” materiais.


OK, fiz essa pequena seleção a partir de um trabalho mais amplo que redigi em 2007, sem no entanto me referir uma única vez ao Brasil.
Mas é claro que eu pensava obsessivamente no Brasil.
Estas são as referências de meu trabalho, para quem desejar lê-lo:

Pequeno manual prático da decadência (recomendável em caráter preventivo...)
Brasília, 31 janeiro 2007, 11 p.
Digressões sobre formas e modalidades de declínio econômico e social, sem qualquer referência ao Brasil.
Colaboração a número especial sobre “O Brasil que saiu das urnas”, da revista Digesto Econômico, revista da Associação Comercial de São Paulo (ano 62, n. 441, jan-fev 2007, p. 38-47; ISSN: 0101-4218; disponível na Revista Espaço Acadêmico (ano 6, n. 71, abril 2007).
Feita versão resumida em 14.04.07, para o boletim Via Política (15.04.2007).
Lista de originais: 1717.
Paulo Roberto de Almeida

========================


Uma colaboração bem vinda, do amigo Vinicius Portela, em meu "quilombo". 



Algumas palavras sobre o Quilombo da Razão

Um quilombo é, por excelência, um lugar de inconformados. Este não é exceção. À época da escravidão, muitos escravos fugidos reuniam-se em lugares que lhes permitiam livrarem-se do jugo de seus senhores e dos maus tratos a que estavam submetidos. Não se conformavam àquela ordem e lutaram para escapar de sua esfera. Para esses locais dirigiam-se não só negros, mas brancos, índios, mestiços que também não se enquadravam na ordem vigente. Dada a atual flexibilidade quanto à "autodeclaração de coisas sobre si próprio incontestavelmente  verdadeiras ", quanto à criação de quilombos ou de outros entes sem lastro histórico ou real, resolvi também arriscar um novo significado ao termo "quilombola". Defini-o da seguinte maneira: "sujeito refugiado no quilombo da razão a resistir aos assaltos dos irracionalismos". Meu amigo Paulo Roberto de Almeida, para quem eu escrevera tais palavras, julgou a expressão "quilombo da razão" boa como metáfora, mas  deficiente como prática ao pensar que ela implicava uma atitude defensiva e renunciadora do bom combate de ideias. Em esclarecimento,   afirmei-lhe: "Nada de renúncias e se assim pareceu complemento: nosso quilombo da razão é apenas uma posição fortificada, uma base de operações para incursões contra os irracionalismos, seja lá a cor que tiverem". E foi com esse espirito que, enfim, resolvemos empreender este quilombo. Um local a salvo do politicamente correto, esse "moralismo descolado" que nos tem sido posto goela abaixo e que busca intimidar e sufocar qualquer crítica pelas mais diversas "condenações". Daqui partiremos em muitas incursões. Como dizia Goya: "o sono da razão produz monstros". Não esqueçamos disto. 

Vinícius Portella 

Porto Alegre, 11 set 2010.

Postar um comentário