O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

domingo, 8 de julho de 2018

Guerrilha do Araguaia: novo livro de Hugo Studart; Brasilia, 17/07, 19hs

Hugo Studart lança livro com revelações sobre a Guerrilha do Araguaia

Hugo Studart, ex-repórter da revista “Veja” e doutor pela UnB, lança mais uma obra sobre a Guerrilha do Araguaia
Divulgação
O jornalista e doutor em História Hugo Studart lança o livro “Borboletas e Lobisomens — Vidas, Sonhos e Mortes de Guerrilheiros do Araguaia” (Francisco Alves), na terça-feira, 17, às 18h30, no restaurante Carpe Diem, CLS 104, Asa Sul, Brasília.
Studart relata que, na sua pesquisa de nove anos, consultou mais de 15 mil páginas de documentos secretos das Forças Armadas e registrou as memórias de guerrilheiros sobreviventes, de militares e de camponeses.
“É uma obra ideologicamente equilibrada e intelectualmente honesta, mas também historicamente incômoda e polêmica, pois descortina segredos que tanto os militares quanto os comunistas vêm tentando manter ocultos”, anota o editor Carlos Leal.
No prefácio do livro, o professor José Geraldo de Sousa enfatiza: “Hugo Studart colabora para pôr em relevo a exigência de memória e verdade como um caminho a ser percorrido na senda da construção democrática. Ele levanta, com seu trabalho artesão, de pesquisador diligente, fragmentos de registros de um enorme baú de ossadas. É obra enciclopédica”.
O embaixador Paulo Roberto de Almeida, no posfácio, sublinha: “Este livro, além de ser um relato intelectualmente honesto, tão objetivo quanto permitem os documentos remanescentes, foi magnificamente construído segundo as melhores técnicas da história oral e documental. Vale ler, refletir sobre seus dados e meditar sobre o futuro da política no Brasil”.
O jornalista e historiador mostra que um livro de História pode conter furos de reportagem. Sua pesquisa sobre as mortes de camponeses — quase sempre ignoradas pelo próprio PC do B — incursiona por campos inexplorados. Studart nota que é possível que alguns guerrilheiros, para sobreviver, aceitaram um pacto com militares. Um deles seria Hélio Navarro, o Edinho, filho de um oficial das Forças Armadas.
Mestre e doutor em História pela Universidade de Brasília, Studart é autor do livro “A Lei da Selva — Estratégias, Imaginário e Discurso dos Militares Sobre a Guerrilha do Araguaia”. Trata-se de sua dissertação de mestrado.



Postar um comentário