O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Why West often overlooks China’s WWII effort - Shanghai Daily

Entrevista com o historiador inglês Rana Mitter, especializado na história da China (tenho um livro dele, em italiano), sobre o papel tremendamente subestimado da China na II Guerra Mundial. Isto  ocorreu, em parte, por culpa dos ocidentais, que consideram importantes apenas as frentes de batalha no Ocidente e no Pacífico (EUA vs Japão), mas também por culpa de chineses, que mantiveram seus arquivos fechados desde os anos 1950, até pelo menos os anos 1980. O historiador inglês publicou um livro sobre o tema.
Paulo Roberto de Almeida

Why West often overlooks China’s WWII effort

EDITOR’S Note: There is a wealth of literature documenting WWII from a Western perspective but less is known in the West about China’s epic struggles against Japanese invasion. One of the few books that does justice to China’s war effort is the bestseller “Forgotten Ally: China’s World War II, 1937-1945” published in 2013. Its author, Rana Mitter, Director of University China Center and Professor of the History and Politics of Modern China at the University of Oxford, spoke to Shanghai Daily reporter Ni Tao at this year’s Shanghai Forum about his research on China’s wartime history and how it taught him about the dangers of being doctrinaire while understanding the country’s political future.
SD: Early this year, the Chinese authorities updated the War of Resistance Against Japanese Aggression from eight years to 14 years. What is behind this change?
Mitter: I think a reason that there has been an official decision to change the length of the war from eight to 14 years is to change the historical understanding of the war itself.
If you look at the way in which Chinese scholars have been writing about the war in academic journals, they have been using the 14-year-long definition for quite a number of years.
The reason of course is because it dates the war from the invasion and occupation of Manchuria in 1931 as the starting point.
In a way, it also matches the definition of the war, which has been used in Japan, particularly by the Left, for many years. And I think that part of the reasoning has been to try and create an idea in the public mind of the different aspects of the build-up to the war.
Personally, I still think the eight-year definition is valuable, because it marks a particular time when the outbreak of the war, the Lugouqiao Incident of July 7, 1937, significantly changed the way in which the relationship between China and Japan operated.
After 1937, it would have been very dif­ficult to arrange any kind of compromise agreement between the two sides. People within the Nationalist government who had perhaps more sympathy toward Japan were no longer able to operate on the basis of getting closer to Japan.
SD: Why are China’s struggles during WWII largely forgotten in the West?
Mitter: I think there are two reasons: one to do with the West, one to do with China.
On the Western side, the major problem has been that the war in China was not taken very seriously.
Despite the fact that it caused millions of deaths and tens of millions of refugees, and despite (China’s) important role of holding down the Japanese army in China for many years, these achievements and suffering were regarded secondary to what was considered as the real war in Europe and then in the Pacific.
I would argue quite strongly that actually some of the decisions China made were really fundamental.
The best example of this was in 1938, a time when the Nationalist government under Chiang Kai-shek could have surrendered to the Japanese and in fact his former ally Wang Jingwei did form an alliance with the Japanese.
But by making the decision not to surrender to Japan, even when China was very weak and had little outside assistance, it actually set a very important turning point for the eventual victory in Asia many years later.
However, we also have to remember that it was very difficult, or actually impossible, for a long time for Western scholars to come to China and use archives for most of the period from the 1950s up until the 1980s and 1990s.
SD: How would you judge China’s contributions and sacrifices in WWII?
Mitter: I think that China’s contributions and sacrifices during WWII were immensely important and under-appreciated in the wider world.
The example I often give when asked where did China make a difference in World War II is to point to 1937.
You have to look at that year as it was seen then, not as what we know now.
Now we know that Japan and Germany were eventually defeated. The Americans would eventually come into the war.
But this was not at all clear in 1938. At that time China’s national government had retreated to Chongqing (the wartime capital); the Communists were restricted to some areas in northern and central China; a large part of China fell under Japanese occupation.
Many observers including some British diplomats thought that the most sensible thing to do would be for China’s government to compromise, surrender, or at least come to an agreement with the Japanese.
The decision both by the Kuomintang, and by the Chinese Communist Party, to continue resistance at a time when China had very little outside support or few alliances was not an obvious and easy one to make.
By deciding in 1938 that they would continue to fight against Japan, the Chinese managed to hold the situation for long enough for the situation to eventually change and for the eventual entry of the United States and Britain into the global war after 1941.
I f it weren’t for the Chinese contributions, it would have been much harder to achieve an allied victory in Asia.
But without the Allied contributions, China would not have been on the victorious side. So both sides needed each other.
SD: In researching the book, you rely on the diaries of personalities like Chiang Kai-shek. But could referencing these diaries come at the expense of more important archives?
Mitter: It is an important question to ask, because when writing history, we have to be aware of the danger of getting too trapped in personalities.
This is what the famous 19th century English historian Thomas Carlyle meant by the “Great Man” theory of history.
And we have to avoid that, partly because history is not just about men, and certainly not just about great men.
But the reason that I think these diaries are important is that they reveal not just the personality of the individuals, but also their particular mindset and viewpoints about much bigger questions, which is what was China going to achieve if it got through with the war with Japan.
For example, if you read Chiang’s diary, you’ll find he was constructing a different vision, not just of China, but also of Asia, one in which China would play a bigger role.
But understanding how he viewed China’s role in the post-war period tells you a lot about the relationship between America and China, as well as the emergence of new post-colonial and post-imperial nationalism in many Asian nations.
Moreover, one of the areas where I looked quite extensively was the way in which social change happened on the ground.
For instance, reforms in areas like health care, hygiene, and social welfare provision, refugee provision, in large parts of China during the war.
Most of that has nothing to do with specific individuals at all, but has to do with policies and social change in government as a whole.
And I think the important thing is to combine these materials with very personal views that you get from diaries.
SD: Have your perspectives changed over the course of researching China’s past?
Mitter: I think over maybe 16 or 20 years of writing about China, my views basically haven’t changed, but developed, and I hope deepened over that time.
Probably the single change is that it becomes much harder for me to argue that there is any fixed or definite political path for China during that time.
Sometimes if you look at the present day, you hear people from the West say China should be this way, while some say China definitely should be that way.
I think looking at 20th century Chinese history shows that actually there are a whole variety of different paths. And it’s not always possible to tell which one is the best at one time.
The one thing I learned from studying that period is that in the end it has to be up to the Chinese people to decide what their political path is going to be.

domingo, 28 de maio de 2017

China: ainda estao construindo o socialismo? Deve ser piada...

Acabo de ler esta matéria, que me provocou risos piedosos...
Paulo Roberto de Almeida

China destaca papel de filosofía y ciencias sociales en desarrollo de socialismo

26/05/2017
BEIJING, 25 may (Xinhua) -- China ha destacado la importancia de la filosofía y las ciencias sociales en el desarrollo del socialismo con características chinas.
China destaca papel de filosofía y ciencias sociales en desarrollo de socialismo
BEIJING, 25 may (Xinhua) -- China ha destacado la importancia de la filosofía y las ciencias sociales en el desarrollo del socialismo con características chinas.
La filosofía y las ciencias sociales con características chinas son un requisito necesario en la nueva era, dijo Wang Weiguang, presidente de la Academia de Ciencias Sociales de China.
"La filosofía y las ciencias sociales desempeñan un papel crítico en el desarrollo del socialismo con características chinas", dijo Wang.
El Comité Central del Partido Comunista de China está acelerando la construcción de una "filosofía y ciencias sociales con características chinas", un sistema que incluya diferentes ámbitos como historia, economía, política, cultura, sociedad y ecología.
Es necesario que la filosofía y las ciencias sociales desempeñen mejor su papel en la complicada situación internacional cuando diferentes pensamientos y culturas se entrelazan, dijo Wang.
Con más de 30 años de reforma y apertura, China ha logrado un progreso económico y social notable, pero siguen surgiendo diferentes ideologías y pensamientos.
Construir consensos sigue siendo una tarea compleja. Tenemos la urgente necesidad de resolver estos importantes problemas teóricos y prácticos a través de la filosofía y las ciencias sociales con características chinas, dijo Wang.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

O Grande Salto para a Fome, na China: 45 milhoes de vitimas - resenha de Frank Dikotter, por Daniel Lopes


Escravidão e fome no comunismo chinês
Revista Amálgama, 15/05/2017
Um estudo indispensável de Frank Dikötter sobre as muitas formas de destruição e morte durante o Grande Salto Adiante.

“A Grande Fome de Mao: A história da catástrofe mais devastadora da China, 1958-1962”, de Frank Dikötter (Record, 2017, 532 páginas)
1.
A razão principal para os recentes trabalhos do historiador holandês Frank Dikötter terem sido tão louvados é que ele, perito na língua e cultura da China, teve acesso a uma massa de arquivos chineses apenas recentemente abertos a um público menos restrito – antes disponível apenas para poucos historiadores ligados ao Partido Comunista – e entrevistou pessoalmente diversos indivíduos do povo comum que viveram os horrores de eventos como o Grande Salto Adiante, a Revolução Cultural e a própria revolução comunista. Ao acessar essas pessoas e documentos, Dikötter escreve uma história que revisa, no bom sentido, muito da visão que o senso comum tinha dessas tragédias chinesas.
Tome o Grande Salto Adiante, objeto deste A Grande Fome de Mao. Nome oficial para as políticas ditadas por Mao Tsé-Tung entre os anos de 1958 e 1962, o Grande Salto ficaria associado nas décadas seguintes quase que exclusivamente a mortes pela fome. Assim, por muito tempo, o número de mortos nesse período rondou cifras que iam dos 15 milhões reconhecidos pelo governo chinês como vítimas de “desastres naturais”, até os 30 milhões da maioria dos historiadores. Frank Dikötter, por sua vez, levou a cifra para cerca de 45 milhões de mortos.
Por quê? Porque o Grande Salto causou principalmente, mas não somente, mortes pela fome. As políticas dos planejadores chineses produziu uma gama incrível de tipos de morte, relacionados mais ou menos com as políticas para a agricultura que causaram o grosso das mortes no período.
Não apenas isso. A pesquisa de Dikötter vai além dos custos do Grande Salto em termos de vida humana, e pormenoriza uma série de desastres para a natureza e para propriedades públicas e privadas na China. O retrato total da destruição, pintado em A Grande Fome de Mao, é nada menos do que apocalíptico.
A marca principal do Grande Salto Adiante, é verdade, foi a fome em massa. E o esqueleto do Grande Salto foi a planificação econômica. É um dos grandes méritos de Dikötter dar uma ótima noção desta estrutura, começando pela própria origem do termo “economia planificada” – que vem do alemão “Befehlswirtschaft”, originalmente aplicado à economia nazista, depois servindo para caracterizar a economia soviética, até criar raízes próprias em solo chinês. Sim, é isso mesmo: a planificação econômica esteve umbilical e naturalmente associada aos três totalitarismos mais assassinos da história.
Em tal sistema, os oficiais alocados para cuidar de fazendas ou indústrias coletivizadas não raro tomam medidas sem qualquer sentido em termos de efetividade, apenas por sabujismo a superiores hierárquicos, preocupando-se apenas, de tempos em tempos, em maquiar números de produtividade e comandar assassinatos de alguns trabalhadores para manter um nível mínimo de trabalho. Na China, a economia planejada contribuiu, entre outras coisas, para o apodrecimento de grãos armazenados e esquecidos; colapso de um sistema ferroviário que não suportou a carga de bens que teve que transportar de um lado a outro do país; infinita produção de bens de segunda categoria, de móveis a fiações elétricas, que se desmanchavam com pouco tempo de uso e haviam saído de fábricas apenas pelo esforço de se cumprir metas de produção; corrupção e roubo, por parte de oficiais de vários níveis, de bens que deveriam ser distribuídos para o populacho; erosão contínua do poder de compra dos mais pobres, que o planejamento econômico ditava que deviam ter acesso a vários bens por um baixo preço, quando na prática ocorria o contrário.
Antes da revolução de 1949, a China possuía uma forte tradição de pequeno comércio e valorização da propriedade privada. O capítulo 19 de A Grande Fome de Mao traz descrições, emocionantes mesmo, de parte dessa realidade pré-comunismo. Mesmo após a chegada do Partido Comunista ao poder, muito dessa tradição chinesa persistiu, mas com o início do Grande Santo ela seria sufocada. Na província de Yunnan, por exemplo, os 200 mil burros e mulas que levavam comidas e outros bens para aldeias distantes foram substituídos por um sistema centralmente administrado de carretas puxadas por cavalos, cavalos que custavam muito em ração, ração que era incompetentemente administrada pelo Estado, o que levou os cavalos à fome e as aldeias a ficarem privadas de bens essenciais.
Em um verdadeiro pesadelo estatista,
À medida que gigantes estatais substituíam lojas pequenas, a responsabilidade por bens defeituosos afastou-se da rua em direção a remotas e impenetráveis burocracias. O plano [econômico], naturalmente, tinha uma resposta para esse problema, instalando “estações de serviços” (fuwuzu) para o benefício das grandes massas. Mas elas eram poucas e muito afastadas umas das outras, incapazes de dar conta do dilúvio de bens malfeitos e, acima de tudo, profundamente desinteressadas em prestar serviço ao povo. Então, em um país pobre, o custo de consertar um objeto com frequência superava o custo de substituí-lo.
Os indivíduos eram na prática propriedades do Estado. Se este passava, como passou, por uma “febre do aço”, em que qualquer material do tipo era requerido para ser derretido e regredir à sua matéria-prima, então o povão chinês era “convidado” a doar para o poder central até mesmo utensílios domésticos e ferramentas agrícolas. Para os moradores do campo, isso foi mais um passo rumo à fome, pois mesmo nos raros casos em que conseguiam uma brecha para escapar do trabalho escravo em fazendas coletivizadas, não tinham muitos meios técnicos para fazer um plantio próprio, de subsistência.
À medida que a coletivização se aprofundava, os oficiais na chefia das comunas usavam os poucos alimentos reservados para os escravos como forma de recompensa ou punição. Na prática, era uma forma de deixar morrer os que não poderiam ser escravizados por muito tempo, devido a doenças ou idade avançada, por exemplo. Como disse o próprio Mao para líderes do partido em 1959, “quando não há o bastante para comer, as pessoas morrem de fome. É melhor deixar metade das pessoas morrerem para que a outra metade possa se saciar”.


Uma mulher moribunda e sua família. (foto: Getty Images)
2.
Na China, os grãos e outros bens primários eram armas em uma guerra geopolítica, e, como tais, deveriam ser rigorosamente controlados pelo Estado.
Indivíduo de ambições desmedidas, Mao instituiu, pelo menos em sua cabeça, uma corrida páreo a páreo com a União Soviética pela liderança do mundo socialista. Quando Kruschev anunciou em 1957 que em poucos anos seu país alcançaria os Estados Unidos na produção de carne, leite e manteiga, Mao não perdeu tempo em “sugerir” aos inferiores que a China deveria ultrapassar tanto URSS quanto EUA nesse aspecto econômico, e talvez em outras áreas. A liderança chinesa poderia ser alcançada mesmo em curto prazo – com muito esforço, em curtíssimo prazo. Seus vassalos no Partido logo acharam esse um projeto razoável.
Nessa batalha rumo ao topo, caberia aos camponeses, por meio do trabalho em terras coletivizadas, o papel de alimentar as cidades e prover bens de exportação. Sua própria sobrevivência vinha apenas em um distante terceiro lugar. Quantidade assombrosa de alimentos foi vendida no período do Grande Salto, e o dinheiro convertido na importação de equipamentos industriais e militares.
No sistema planificado chinês, funcionava assim: os líderes do país pariam no papel estimativas delirantes de produção interna, a fim de firmarem acordos comerciais indispensáveis para colocar a China no topo. Para tais acordos serem cumpridos, as estimativas teriam que se concretizar, e essa era a ordem dada às lideranças locais. Se as projeções tivessem sido realistas e concretizadas, daria para o país exportar e se alimentar. Como não foram, acabou dando apenas para se alimentar ou exportar, e a escolha pela exportação já havia sido feita. Durante todo o período do Grande Salto, quanto mais a fome se aprofundava, mais as quotas de exportação aumentavam. Daí as 45 milhões de “mortes desnecessárias” calculadas por Frank Dikötter.
Nos anos iniciais do Grande Salto, Mao e seus esbirros não aceitavam sequer críticas em privado das políticas chinesas – que dizer em público. Repressões em aldeias e expurgos nos quadros do Partido foram características da época. A culpa pela média de milhares de mortos por dia era posta nos “desastres naturais”, quando não, claro, nos “inimigos do povo”.
Quando a realidade da fome em massa começou a se impor entre a liderança, outro problema concorreu para que as mortes continuassem a varrer os campos: o orgulho da elite comunista. Foi por orgulho que ela recusou ajuda em alimentos de países do bloco socialista – a fome no gigante asiático já era do conhecimento de meio mundo. A oferta de ajuda da Cruz Vermelha também foi rejeitada. Mesmo os grãos que a China comprou durante o período foram em grande parte exportados – ou seja, não tinham o objetivo de matar a fome dos chineses, mas de fazer a roda da política de exportações continuar a rodar. O país também nunca parou de doar grãos para países como Cuba, para manter a imagem de farol do socialismo bem sucedido.
Apenas a partir do final de 1960, quando o planejamento econômico foi em pequena parte reduzido e aldeões puderam cultivar suas próprias hortas e o comércio local deixou de ser crime, é que a fome começou em diminuir.
Crianças de rua agonizantes. (foto: Life Magazine)
3.
As “mortes desnecessárias” de Frank Dikötter incluem, além da maioria por fome, mortes por acidentes, doenças, violência (inclusive no laogai, o gulag chinês) e por canibalismo (um número comparativamente insignificante, mas ainda assim simbólico das realizações do comunismo).
Como era de se esperar, os sete capítulos que compõem a sexta parte de A Grande Fome de Mao, intitulada “Modos de morrer”, trazem as páginas mais fortes da obra. Por exemplo: Um camponês de Guangdong, chamado Wang Ziyou cometeu o crime de desenterrar uma batata para matar a fome e foi punido pela administração local com o corte de uma orelha, pernas amarradas com arame farpado, uma pedra de 10 quilos atirada sobre as costas e marcação na pele com ferro em brasa. Em parágrafo que lembra o totalitarismo islamista de nossos dias, Dikötter narra que pessoas eram trancadas em porões e deixadas lá até a morte, em meio a gritos atrozes de desespero. Outras eram queimadas vivas. Enquanto isso, idosos eram empilhados em asilos, e crianças muitas vezes iam parar em instituições que fariam qualquer Febem paulista parecer uma utopia.
Como ocorre em todo tempo e lugar em que se tenta fundar o paraíso socialista e o “novo homem socialista”, também na China a espécie humana foi reduzida a seus aspectos mais degradantes. No sistema de comunas, os laços familiares eram apagados, com crianças sem mães, mulheres sem maridos e idosos sem parentes. Nas fábricas, os escravos não podiam abandonar seus postos facilmente, e urinavam e defecavam no próprio chão em que estavam trabalhando. Mulheres eram comumente humilhadas e abusadas por chefes locais (“o estupro se espalhou como um contágio em uma paisagem moral angustiada”, escreve Dikötter), e tinham muitas vezes que trabalhar nuas, para “quebrar tabus feudais”.
A mentira, o roubo, o contrabando, a trapaça, a manipulação, eram formas não apenas de camponeses se voltarem contra o Estado, mas também uns contra os outros. “No campo”, pontua o autor, “a feroz competição pela sobrevivência gradualmente corroeu qualquer sentido de coesão social”.
É por ligar esses diversos aspectos da tragédia do Grande Salto – a Grande Fome, sim, mas também toda uma gama de mortes no campo e nas cidades; a destruição de propriedades privadas; a destruição da natureza; as decisões da cúpula do Partido e os modos de sobrevivência das massas – que o livro de Dikötter é leitura básica para quem deseja compreender a China moderna.
Não só este livro, aliás, mas também seus volumes sobre a revolução comunista e a Revolução Cultural – duas obras que também deverão sair no Brasil, pela mesma editora que nos trouxe este A Grande Fome de Mao.

Cartaz de propaganda chinês da época do Grande Salto Adiante
 
Editor da Amálgama

==============

Agora, entre nós: o preço deste livro é extorsivo. Por isso recomendo comprar uma edição em inglês, em qualquer sebo da rede Abebooks: vejam abaixo, mesmo na Amazon fica mais barato, ainda pagando 10 ou 15 dólares de frete.
 
Ver todos os 2 formatos e edições


Amazon.com:
$ 8 38 $20.00Prime
Get it by Friday, May 19
FREE Shipping on eligible orders
More Buying Choices


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Rebeliao Taiping: a mais terrivel guerra civil da historia - Stephen R. Platt

Today's selection -- from Autumn in the Heavenly Kingdom by Stephen R. Platt. Taking place at the same time as the American Civil War, the Sepoy Mutiny in India, and the Italian Risorgimento, the Chinese civil war known as the Taiping Rebellion was the bloodiest and most horrifying war of that era. It stemmed, ultimately, from the desperate poverty of millions of Chinese under the rule of the Qing dynasty Manchus, and dwarfed those other conflicts with over twenty million deaths:

"The war that engulfed China from 1851 to 1864 was not only the most destructive war of the nineteenth century, but likely the bloodiest civil war of all time. Known in English as the Taiping Rebellion, it pitted the Chinese rebels of the Taiping Heavenly Kingdom against the waning authority of the two-hundred-year-old Qing dynasty of the Manchus, and in its brutal fourteen-year course at least twenty million people lost their lives to war­fare and its attendant horrors of famine and pestilence. In terms of the U.S. Civil War, with which it coincided in its final years, the death toll of the Chinese civil war was at least thirty times as high. ...


Battle of Anqing (1861)
"These characters [in this war] range from a Taiping prime minister who spoke En­glish, preached Christianity, and dreamed of a China with free trade and railroads and newspapers; to the American mercenaries lured to Shanghai by the rewards of fighting in the Chinese war; to the Western diplomats and missionaries whose attempts to make sense of the strange foreign world around them wound up shaping that world in permanent ways. On the dynasty's side, the [main] character is Zeng Guofan, the general who rose from a poor farm­ing background to command a personal army every bit as vast, loyal, and ruthless as the army commanded by his counterpart, Ulysses S. Grant, in the United States, and whose power by the end of the war made even Grant look like a lieutenant in comparison. He is one of the most popular historical figures in China today, with dozens of books on his life and let­ters readily available. ...


Zeng Guofan
 
"[As just one example of the horrors, in] 
1860, ["the Loyal King"] Li Xiucheng arriving at Hangzhou without warning on March 11. The attack [on Hangzhou] would have been a complete surprise if Li's goal had been simply to invade the city, but he intended instead to terrorize it. ... Hell unleashed itself in the besieged city as its untrained militia defend­ers broke ranks and desperately looted the homes of their neighbors before running from the Loyal King's onslaught. The leaders of the civil gov­ernment abandoned their offices, some leading their bodyguard detach­ments in ransacking the city's richest homes before making their escape as well, leaving no command in place whatsoever. As Li Xiucheng's small force fought its way through the breach in the city wall, local citizens did battle in the streets with the looters who were supposed to be defending them, compounding the war dead with the lynched, the mangled, and the burned. Fires raged. The city's women, following generations of moral instruction on how to behave in times of chaos, began putting themselves to death -- tens of thousands of them by the end. Like other Confucian governments before it, the Qing dynasty had celebrated female suicide as the pinnacle of virtue, and it ramped up its honors for women's suicide in the course of the civil war, Female suicide became a kind of perverse defensive measure against the rebels. Fearing rape and murder when the Taiping entered the city, the women of Hangzhou acted as they had been taught: they hanged themselves, poisoned themselves, stabbed themselves with knives, and threw themselves into wells to drown. ...


"[In another example, British missionaries were dispatched from Shanghai to seek an audience with the Taiping leaders in Nanjing]. These missionaries had long welcomed the destruction of the civil war, because they saw God's hand at work in the Taiping armies. 'Prophecy has said, "I will shake the nations,"' wrote [missionary Joseph] Edkins a few months before his trip to Suzhou, 'and in China there has commenced an era of change, when multitudes are suffering present calamities for the ultimate good of the whole nation?' But it was one thing to reflect on such calamities from the relative safety of Shanghai, another to enter their midst. As the boat edged deeper into the war zone, the heady optimism of the missionaries ran up against countercurrents of horror. It was their fourth night, finally approaching the conquered city of Suzhou, that they would have forgot­ten if they could. For that was the night that their little boat slowed in its progress, the putrid smell of rot grew and thickened, and finally they came to a stop. Peering out into the twilight by the soft glow of their lanterns, all they could make out on the still surface of the dark water, for hundreds of yards in front of them, were the bodies of the dead -- cold, nameless, and uncountable -- that jammed the canal like so many logs. But there was no turning back. The missionaries pushed their boat forward into the grim mass, oars thudding dully in the blackness, until exhaustion finally over­came them and they had to sleep, there, in the unforgiving embrace of the multitudes."

To subscribe, please click here or text "nonfiction" to 22828.

Autumn in the Heavenly Kingdom: China, the West, and the Epic Story of the Taiping Civil War
Publisher: Vintage
Copyright 2012 by Stephen R. Platt
Pages: xxiii-xxv, 66-67, 79-80

I 
f you wish to read further: Buy Now