O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Comércio internacional. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Comércio internacional. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 19 de junho de 2018

Sistema comercial multilateral e regional: artigos de imprensa

Referências recebidas do Google Alert, em 18/06/2018:

comércio internacional do Brasil
Atualização semanal  19 de junho de 2018
NOTÍCIAS 
A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou no dia 12 de junho de 2018 de audiência pública na Câmara dos Deputados ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
O Mercosul quer lançar uma ofensiva pelo livre comércio no próximo semestre para chegar a acordos comerciais com os grandes blocos mundiais ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
Para analistas, o Brasil sairá perdendo com a guerra comercial, em ... a taxar em 25% esses produtos americanos, o resultado global será negativo. ... de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
Busca-se retomar a prioridade de liberalização comercial e de consolidação do Mercosul, formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, disse ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
Morar nos Estados Unidos era um sonho antigo para Brenda Nadal, que no Brasil estudava Comércio Internacional e trabalhava em uma empresa do ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
Se dentro dos estádios da Copa do Mundo de 2018 é só festa, fora deles os turistas estão encontrando dificuldades nos altos preços de hotéis, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
O secretário americano de Comércio, Wilbur Ross, que negocia com os parceiros comerciais dos Estados Unidos, ainda mantém laços com ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
O Canadá quer ratificar rapidamente o acordo de livre-comércio ... (11) o ministro de Comércio Internacional, Francois-Philippe Champagne.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
Brasil é eleito para conselho econômico e social da ONU ... formular recomendações sobre desenvolvimento, comércio internacional, industrialização ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante 
... o aumento da tensão internacional pode reduzir os preços das commodities, ... O primeiro impacto das barreiras levantadas pelo governo Trump no Brasil se ... Para José Augusto de Castro, da Associação Brasileira de Comércio ...

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Trump e o seu conceito primitivo sobre o sistema comercial multilateral - Cato

Tough Tariff Talk at the 2018 G7 Summit

Share this graphic on FacebookTwitter, and Tumblr...
Cato Institute, June 14, 2018
The G7 summit, which groups Canada, the US, the UK, France, Italy, Japan and Germany, was held Canada this past week. As expected, much of the talk was on the Trump administration’s subverting the rules of international trade with a wrecking ball of tariff indiscretions.

As has been the case every day for the past 16+ months, the U.S. and global economies remain exposed to the whims of an unorthodox president who precariously steers policy from one extreme to the other, keeping us in a perpetual state of uncertainty.

President Trump’s ideas on trade often seem paradoxical, and at the G-7 summit, he floated both abolition of all tariffs worldwide and banning trade with certain countries entirely over the course of just 24 hours.

Unfortunately, rather than seeing free trade as a means of promoting mutually beneficial exchange between buyers and sellers, President Trump thinks of trade as a zero-sum game that sees nations “winning” if they export more than they import.
The Herbert A. Stiefel Center for Trade Policy Studies is focused on issues and policies that expand the freedom of Americans to participate in global market. Follow the Center on Facebook and Twitter for the latest Cato research and commentary on trade policy...

sábado, 28 de abril de 2018

Marcos Jank: o conflito do frango com a Europa

O conflito do frango com a Europa

Jornal “Folha de São Paulo”, Caderno Mercado, 28/04/2018

Marcos Sawaya Jank (*)
Marília Rangel Campos (**)

Crise de imagem é arma dos produtores europeus de carne para tentar banir o Brasil. 

A União Europeia acaba de embargar as exportações de carne de frango de vinte plantas brasileiras, alegando falta de confiança nos controles oficiais.

O Brasil é o maior exportador de frango para a Europa (quase metade do total importado), suprindo a grande demanda do bloco por peito de frango, que gera quase US$ 800 milhões. 

Apesar de representarem só 3% do consumo, essas exportações sempre foram uma pedra no sapato dos produtores europeus, que há décadas buscam motivos para bloqueá-las.

Até 2000 as exportações de peito desossado ocorriam numa classificação aduaneira sobre a qual incidia uma tarifa de importação de € 1.024/ton, equivalente a 75% do valor do produto na época.

Essa tarifa proibitiva fez com que as empresas optassem por exportar peito de frango congelado com adição de 1,2% de sal, o chamado “peito salgado”, gravado com tarifa bem menor, de 15,4% e sem a limitação de cotas. Com essa manobra, o Brasil passou a responder por 6% do consumo europeu.

A reação dos produtores europeus foi imediata: determinaram que o peito salgado deveria ser reclassificado como frango congelado in natura, ainda que o produto fosse outro. Em 2002, o Brasil recorreu à OMC (Organização Mundial do Comércio). E saiu vitorioso.

Mas, como tudo é complicado nas relações comerciais com a Europa, o bloco aplicou um velho dispositivo que permitia renegociar concessões sobre tarifas consolidadas e impor cotas tarifárias restritivas sobre o peito salgado. Foi nesse momento, em 2007, que nasceu o problema que estamos vivendo hoje e que já está afetando a rentabilidade de toda a cadeia avícola no Brasil, que tem 130 mil avicultores e gera 3,6 milhões de empregos.

A legislação europeia de carne de aves adota critérios microbiológicos que claramente beneficiam o produto local. No frango in natura, sem adição de sal, só dois tipos mais graves de salmonela levam à recusa sumária dos produtos.

Mas no caso do frango salgado a legislação determina a recusa imediata de produtos que contenham qualquer um dos mais de 2.600 tipos de salmonela, inclusive os que não são de preocupação para a saúde pública. Lembramos que esse patógeno é virtualmente eliminado com o cozimento da carne de frango. Ou seja, trata-se de exigência incabível e desmedida que atinge apenas o produto importado.

Foi a aplicação desse sistema de dois pesos e duas medidas que resultou na suspensão das 20 unidades brasileiras. Uma barreira que não visa a proteção do consumidor local, mas a redução drástica do volume importado do Brasil, causando forte impacto negativo dentro do Brasil e no resto do mundo.

Basicamente a UE se aproveitou da crise de imagem que abalou o setor avícola brasileiro após as operações Carne Fraca e Trapaça para impor sanções comerciais arbitrárias sob pretexto técnico. Os lobbies europeus mais radicais querem banir o país como um todo e até retirar as carnes das negociações EU-Mercosul.

O ministro Blairo Maggi anunciou que o Brasil vai à OMC contra essa arbitrariedade, mas sabemos que o resultado final pode levar até três anos. E, mesmo assim, uma vitória no painel nem sempre leva a um resultado final exitoso. Ganhamos o contencioso do frango salgado em 2005, mas perdemos com a limitação do mercado com cotas e, depois, com a discriminação sanitária que se seguiu.

Infelizmente a cadeia de aves e suínos enfrenta hoje crescentes dificuldades na Europa, na Rússia, na China e na Arábia Saudita. É hora de melhor organizar a articulação público-privada, com estratégia sólida, engajamento efetivo de aliados locais nos países, diálogo construtivo e firmeza na contestação.

(*) Marcos Sawaya Jank é engenheiro-agrônomo e especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas.
(**) Marília Rangel Campos é especialista em comércio internacional. Email: marilia.rangel@gmail.com

sábado, 16 de setembro de 2017

Uma outra China fora da China: Sudeste Asiatico - Marcos Jank

O Sudeste Asiático como rota alternativa à China

Jornal “Folha de São Paulo”, Caderno Mercado, 16/09/2017

Marcos Sawaya Jank (*)

O Sudeste Asiático é ótima alternativa para reduzir nossa dependência da China em comércio e investimentos.

Marcos Sawaya Jank[1]

Aproveitando a visita do presidente Temer à China, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, realizou uma missão a Malásia, Singapura e Vietnã, no Sudeste Asiático. Há um ano o ministro Blairo Maggi também esteve em quatro países da região.

Quando se fala em Ásia no Brasil, todo o mundo pensa em China, tamanha a influência que esse gigante exerce hoje na geopolítica, no comércio e nos investimentos globais. Quando não é a China, as nações asiáticas mais presentes no imaginário brasileiro são a Índia e o Japão.

Mas no campo do comércio quem, de fato, rivaliza com a China é a desconhecida Asean (Associação das Nações do Sudeste Asiático), um bloco formado por países que somam 640 milhões de habitantes e um PIB de US$ 2,6 trilhões que cresce 6% ao ano: Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia, Brunei, Camboja, Laos, Vietnã e Mianmar.

Basta dizer que hoje exportamos US$ 35 bilhões ao ano para a China, mas 75% da pauta é composta por só duas commodities: soja em grãos e minério de ferro. Já a Asean compra US$ 11 bilhões do Brasil, mas a pauta é bem mais diversificada, ainda que fortemente concentrada no agronegócio: soja e derivados, milho, açúcar, algodão, carnes, celulose e outros.

O potencial dos países da Asean para comércio e investimentos do Brasil é evidentemente inferior ao da China, mas é mais fácil fazer negócios naquela região. 

As oportunidades são imensas. Por exemplo, as importações totais de produtos agropecuários e alimentos da Asean passaram de US$ 30 bilhões para US$ 90 bilhões ao ano nos últimos dez anos, superando o Japão e perdendo apenas para a China, que importou US$ 120 bilhões.

O Brasil responde por apenas US$ 6 bilhões anuais, valor muito pequeno que nos posiciona atrás de EUA, China e Austrália como supridor.

Trata-se de região com alto potencial para diversificar produtos e mercados-destino, adicionar valor e marcas aos produtos exportadores e realizar ou receber grandes investimentos. Singapura, por exemplo, tem dois fundos soberanos com presença e imenso interesse de investimento no Brasil: GIC e Temasek.

Vejo o Sudeste Asiático como ótima alternativa para reduzir nossa crescente dependência da China em comércio e investimentos. 

Talvez não consigamos construir acordos comerciais mais ambiciosos na região, mas claramente esses países buscam alternativas de parceria após a retração dos EUA de Trump e da União Europeia do "brexit". Basta dizer que a Asean já é o segundo bloco econômico do planeta e que os 11 países da TPP (Parceria Transpacífica) querem seguir com o bloco sem os EUA.

Mesmo que não consigamos fechar acordos comerciais ambiciosos, deveríamos ao menos tentar construir parcerias estratégias com todo país asiático que conta com população superior a 50 milhões. Só no Sudeste Asiático são cinco países.

Os portugueses foram visionários quando se lançaram ao mar nas grandes navegações, por volta de 1500. Vasco da Gama descobriu a rota marítima para a Índia, chegando a Calicute em 1498.

Em 1510, Afonso de Albuquerque conquista Goa e logo depois a cidade de Malaca (na atual Malásia), situada no centro de um dos estreitos de mar mais estratégicos do planeta, rota obrigatória dos navios que vão do Índico para o Pacífico e a China

De Malaca eles foram para o reino do Sião (Tailândia), Java (Indonésia) e Angkor (Camboja), sempre em busca das famosas especiarias asiáticas.

A China é importante, mas agir além dela na Ásia é absolutamente crucial. Há mais de cinco séculos os portugueses foram pioneiros nas suas incursões pelo Sudeste Asiático. É hora de o Brasil fazer o mesmo, mas desta vez não para buscar, mas sim para levar nossas especiarias tropicais.

(*) Marcos Sawaya Jank é especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas.
 

[1]. Marcos S. Jank é especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas. Email: marcos@jank.com.br

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Comercio internacional e serguranca na Asia: perspectivas japonesas - palestras no IPRI

Gostaria de lembrar a todos os interessados sobre as duas palestras programadas para esta terça-feira à tarde, no Bolo de Noiva, do Itamaraty



Palestras no IPRI-Funag: Japão, comércio e segurança

O presidente da Funag, embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima, e o diretor do IPRI-Funag, ministro Paulo Roberto de Almeida, convidam para as palestras sobre "International Trade and Security in Asia: Japanese Perspectives", a serem proferidas no dia 1º de novembro, às 16h, no Auditório Paulo Nogueira Batista (Anexo II), respectivamente pelo professor de Economia Política Internacional da Keio University, Yorizumi Watanabe, e pelo Diretor Geral do Japanese Institute of International Affairs, Shingo Yamagami. Ambos, enviados especiais pelo gabinete do primeiro ministro do Japão, são eminentes especialistas em suas esferas de estudo e de atividades, tendo participado de inúmeras negociações diplomáticas a serviço do Japão. Dois diplomatas da Casa comentarão suas palestras, feitas em inglês (sem tradução simultânea), após o que haverá um debate aberto a todos os participantes do evento.

Mr. Yorizumi WATANABE is Professor of International Political Economy, Faculty of Policy Management of Keio University. Prof. Watanabe’s distinguished career has featured significant engagement in all the major bilateral and multilateral trade negotiations in which Japan has been involved in the past two decades. This included the role of policy advisor to relevant Ministers, and postings to Japan's foreign service such as Deputy Director-General of the Economic Affairs Bureau and Chief Negotiator for the Japan-Mexico Economic Partnership Agreement (EPA).

Ambassador Shingo Yamagami is Director General (Acting) of the Japan Institute of International Affairs which is a private, nonpartisan policy think-tank focused on foreign affairs and security issues in Japan, founded in 1959. He was Ambassador for Policy Planning and International Security Policy, and Deputy Director-General of Foreign Policy Bureau at the Ministry of Foreign Affairs, Japan (MOFA). He has great expertise in international politics and security from his experience including working as Political Minister at the Embassy in London (2009-12).

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Palestras no IPRI-Funag: Japao, comercio e seguranca - 1/11/2016, 16:00hs (MRE)

Palestras no IPRI-Funag: comércio internacional e segurança na Ásia

O presidente da Funag, embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima, e o diretor do IPRI-Funag, ministro Paulo Roberto de Almeida, convidam para as palestras sobre:

International Trade and Security in Asia: Japanese Perspectives

a serem proferidas no dia 1º de novembro, às 16h, no Auditório Paulo Nogueira Batista (Anexo II do Itamaraty), respectivamente pelo:

professor de Economia Política Internacional da Keio University, 
Yorizumi Watanabe,

e pelo Diretor Geral do Japanese Institute of International Affairs, 
Shingo Yamagami.

      Ambos, enviados especiais pelo gabinete do primeiro ministro do Japão, são eminentes especialistas em suas esferas de estudo e de atividades, tendo participado de inúmeras negociações diplomáticas a serviço do Japão.


Diplomatas da Casa comentarão suas palestras, feitas em inglês (sem tradução simultânea), após o que haverá um debate aberto a todos os participantes do evento.

Mini CVs dos palestrantes: 


Mr. Yorizumi WATANABE is Professor of International Political Economy, Faculty of Policy Management of Keio University. Prof. Watanabe’s distinguished career has featured significant engagement in all the major bilateral and multilateral trade negotiations in which Japan has been involved in the past two decades. This included the role of policy advisor to relevant Ministers, and postings to Japan's foreign service such as Deputy Director-General of the Economic Affairs Bureau and Chief Negotiator for the Japan-Mexico Economic Partnership Agreement (EPA).

Ambassador Shingo Yamagami is Director General (Acting) of the Japan Institute of International Affairs which is a private, nonpartisan policy think-tank focused on foreign affairs and security issues in Japan, founded in 1959. He was Ambassador for Policy Planning and International Security Policy, and Deputy Director-General of Foreign Policy Bureau at the Ministry of Foreign Affairs, Japan (MOFA). He has great expertise in international politics and security from his experience including working as Political Minister at the Embassy in London (2009-12).