O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Coreia do Norte. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coreia do Norte. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

USA-RPDC: bye-bye Premio Nobel da Paz? - Washington Post

Trump’s North Korea diplomacy quietly stalls


Rapprochement with North Korea has been perhaps the biggest foreign-policy achievement of President Trump’s tenure. But a number of quiet developments over the past few days suggest that there are major problems in the diplomatic process. Indeed, the United States and North Korea may have grown further apart since Trump’s historic summit with Kim Jong Un on June 12.
Secretary of State Mike Pompeo was scheduled to meet North Korea’s nuclear negotiator, Kim Yong Chol, in New York on Thursday. According to the State Department, Pompeo and his North Korean counterpart were to “discuss making progress on all four pillars of the Singapore Summit joint statement, including achieving the final, fully verified denuclearization of [North Korea]."
Pompeo said he expected to make “some real progress” at the meeting, which would be used to plan for a second Trump-Kim summit tentatively scheduled for early next year. “I’m confident that we’ll advance the ball again this week when I’m in New York City,” he told CBS News' Face the Nation.
Instead, just minutes after midnight on Wednesday, State Department spokeswoman Heather Nauert announced that the Thursday meeting would not take place. “We will reconvene when our respective schedules permit,” she said.
It was yet another sign of how diplomacy has stagnated in the months since the summit. Pompeo has traveled to North Korea and held high-level meetings with his counterparts, much like the one coming up in New York. But at the working level, where the details are actually hammered out, progress has been slow at best.
The Trump administration had hoped to move things along by appointing a dedicated special envoy, Stephen Biegun, to lead negotiations. But Biegun has not yet been able to secure a meeting with North Korean Vice Foreign Minister Choe Son Hui, who is supposed to be leading North Korea’s working-level delegation.
Many U.S. observers had chided the Trump administration for starting with high-level talks rather than with working-level meetings. Now, it seems that North Korea is the one dragging its feet on the more detailed negotiations. “My own concern is the leaders are so way out in front,” Joseph Yun, a former U.S. envoy on North Korea policy, said at a forum in Seoul last month.
The issues with this approach were reinforced last Friday, when North Korean state media suggested that the “arrogant” behavior of the United States could lead Pyongyang to restart its “byungjin” policy — simultaneously focusing on economic development and its nuclear program. It was effectively a warning that North Korea could soon resume the weapons and missile tests that led to so much tension in 2017.
Robert Carlin, a former CIA analyst and State Department specialist on Korea, wrote that the commentary was a new level of warning from North Korea. It “goes to the heart of Pyongyang’s concern that the US has been moving backwards, away from the agenda the two leaders laid out in the Singapore Summit joint statement,” Carlin wrote in a post for the North Korea-focused website 38 North.
The latest warning followed a number of other jibes from North Korean state media, including one that took the unprecedented step of criticizing Trump by name. As NK News noted, it was the “first negative casting of the American president on U.S.-DPRK diplomacy since the Singapore summit took place,” suggesting that even the high-level goodwill between Trump and Kim could be falling short.
For Trump, the breakdown in North Korean diplomacy would be a personal failure. The U.S. leader long suggested that he could solve the North Korea problem if he met with Kim himself — and he had a point. His willingness to meet the North Korean leader face-to-face this year set things in motion in a way previous U.S.-North Korea meetings, which involved officials at a lower levels, did not.
But as the Singapore summit recedes further into the past, its flaws are becoming more apparent. The brief, vague statement that Trump and Kim signed — just 400 words — did not provide a clear path for resolving the key issues in the standoff between the United States and North Korea. Both sides are still arguing over what “denuclearization” means and when it will happen, just as they were before the summit.
North Korean leader Kim Jong Un and Secretary of State Mike Pompeo before their meeting in Pyongyang on Oct. 7.
North Korean leader Kim Jong Un and Secretary of State Mike Pompeo before their meeting in Pyongyang on Oct. 7.
The U.S. president, always an unpredictable speaker, is also reported to have raised North Korean hopes about declaring an official end to the Korean War. That would grant Pyongyang some legitimacy, but many in Washington oppose such a move because of its implications for the U.S. military presence in South Korea. A Korean Peninsula formally at peace might be one on which U.S. troops would no longer be welcome.
For Pyongyang, the most important issue right now appears to be sanctions relief. But that is fundamentally at odds with the U.S. position, which says that Washington cannot ease economic pressure on North Korea because it would lose its greatest leverage over Pyongyang. Just this weekend, Pompeo emphasized that the United States would not lift sanctions until it could verify that North Korea had given up its weapons. North Korea, though, is hoping for sanctions first to be lifted.
The larger problem is that both sides are divided not only over what happens next, but also what has happened so far. The Trump administration viewed the Singapore Summit as a triumph of its “maximum pressure” sanctions policy and portrayed North Korean denuclearization as a fait accompli. But North Korea believes it forced Trump into a meeting with the success of its ramped-up nuclear capabilities, an advantage it is unlikely to give up.
Can such different views of negotiations be reconciled? Perhaps, especially given Trump’s own personal investment in talks. With the political test of the midterms over, Trump is likely to turn toward foreign policy again — and any big moves will ultimately come down to his choices.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Guerra nuclear EUA-RPDC? Possivel mas improvavel - Belfer Center, Harvard

O pessoal responsável, ou seja, todo mundo menos dois malucos nas antípodas, anda preocupado com a guerra verbal entre o gigante estratégico e o rato que ruge.
Vamos ler o que eles têm a nos dizer:

North Korea and Nuclear War
Belfer Center of Science and International Affairs, Harvard University

Lightning strikes behind a B-52 bomber at Minot Air Force Base in North Dakota. Bombers like this are one of a variety of delivery methods for nuclear weapons. (J.T. Armstrong/U.S. Air Force)

Here’s What Happens When the President Orders a Nuclear Strike

Fortune
Tensions on the Korean Peninsula have risen quickly this week on the heels of another long-range missile test, combined with public revelations that the Kim Jong-un regime may have miniaturized a nuclear weapon that can be mated to such a missile....We knew this was coming. Yet now that the rhetoric is running high, many are concerned that we are on the brink of nuclear war. Even though the possibility of such a war is remote, it has evoked understandable curiosity among the public regarding how the U.S. chain of command would function for ordering a nuclear strike, and whether or not sufficient checks and balances exist to prevent a costly mistake.
North Korea:

Nuclear Threats and Consequences

NECN The Take with Sue O'Connell

North Korea Stakes Include Massive Loss of Civilian Life

USA Today

  • TV interview on Bloomberg ›


  • Trump's Language 'Increases the Capacity for Mistakes'

    CNN Erin Burnett OutFront

  • Radio interview on Boston Public Radio 


  • Harvard's Park Troubled by Trump's N. Korea Statements

    Bloomberg

  • The Economist 
  • The Wall Street Journal 


  • Thursday, August 17, 2017 at 2:00PM EDT ›


  • The Real Nuclear Option

    Slate

    Is the Use of Nuclear Weapons Becoming More Thinkable?

    BBC Newsnight

  • Q & A with Russia Matters 
  • U.S. News and World Report 
  • Reuters (also quotes Jon Wolfsthal) ›


  • Obama-era Nuclear Expert Says Trump Has Not Modernized U.S. Nuclear Arsenal

    MSNBC Andrea Mitchell Reports

    North Korea Threat

    Michigan's Big Show

    Where Will Trump and Kim's Nuclear Brinkmanship Lead?

    CBS Sunday Morning

    What's Next For The U.S. And North Korea (at 19:43)

    NPR On Point

    sábado, 29 de abril de 2017

    Coreia do Norte: os Kim, do regime mais surrealista possivel - Jose Carlos Fernandes

    Meu amigo Mauricio David me envia um interessante artigo do jornalista português José Carlos Fernandes sobre a enigmática dinastia Kim que impera na Coréia do Norte... 
    Paulo Roberto de Almeida
     
    .-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

    A Dinastia Kim: fatos, propaganda e rumores

    Os Kim governam a Coreia do Norte desde o fim da última guerra mundial e parecem crer que sobreviverão à próxima. Folhear o álbum de família ajuda a compreender o enigmático regime de Pyongyang. 
    Nem sempre é fácil separar fatos de propaganda, mas quando esta atinge proporções maciças, os líderes são elevados a um estatuto semi-divino e o país vive sob um regime totalitário, fechado e paranóico há mais de 70 anos, torna-se numa tarefa quase impossível. Isto é inevitável no que respeita ao princípio da vida de Kim Il-sung, pois as pessoas que o teriam conhecido pessoalmente durante a juventude já desapareceram, mas também é válido para muitos aspectos da vida dos seus netos.
    Seja como for, é possível ir cruzando a informação, nem sempre fidedigna, que é transmitida por dissidentes que fogem da Coreia do Norte ou estrangeiros com informação privilegiada sobre os bastidores do regime – como Kenji Fujimoto, que alega ter sido sushiman pessoal de Kim Jong-Il – e tentar perceber que parte da propaganda oficial é real e qual é fantasia.
    Quando a tensão entre o regime de Kim Jong-un e os EUA, a Coreia do Sul e a comunidade internacional atinge um dos pontos mais altos de sempre ( “A ameaça é real? Até onde irá o conflito na Coreia?“), vale a pena recuar até ao início do século XX.

    Kim Hyong-jik (1894-1926)

    Pai de Kim Il-Sung e bisavô do atual líder, Kim Jong-un. Natural da aldeia de Mungyungbong, casou-se com Kang Pan-sok (1892-1932) em 1899, quando tinha apenas 15 anos: Kim Il-sung, o primeiro filho, nasceria em 1912; o segundo filho, Kim Yong-jun nasceria oito anos depois. Kim Hyong-jik e Kang Pan-sok eram cristãos protestantes (presbiterianos), culto que florescera na Coreia após um tratado firmado com os EUA em 1882, e Kim Hyong-jik, embora tenha nascido numa família de camponeses, foi educado numa escola de missionários americanos e chegou a trabalhar ele próprio durante algum tempo como missionário. Uma vez que o regime coreano é de natureza ateísta, Kim Il-sung tentou, posteriormente, minimizar a devoção religiosa dos pais, alegando que esta era meramente utilitária e superficial.
    A Kim Hyong-jik e Kang Pan-sok a propaganda oficial atribui o papel de líderes independentistas, com atos de bravura contra o ocupante japonês – o reino da Coreia fora transformado num protetorado do Japão em 1905 e fora anexado em 1910.
    A família mudou-se para a Manchúria quando Kim Il-sung tinha sete anos, o que a propaganda explica pela necessidade de fugir à repressão japonesa, mas que teve provavelmente por objetivo encontrar melhores condições de vida.
    Após estudo de alguns livros sobre medicina tradicional, Kim Hyong-jik dedicou-se à ervanária e fez disso a sua principal fonte de rendimento, mas, a dar crédito a Kim Il-sung, a família nunca teve vida desafogada: a dieta estava limitada aos produtos mais elementares e baratos e o espectro da fome nunca andou longe.

    Kim Il-sung (1912-1994)

    Kim Il-sung é um “nome de guerra” – o nome de batismo foi Kim Song-ju. Após quatro anos na Manchúria com os pais, o jovem Kim foi enviado, aos 11 anos, de volta para a Coreia, para viver com os avós maternos e frequentar uma escola coreana (mas onde o ocupante impunha o ensino em língua japonesa). Regressou à Manchúria passados dois anos e, revelando extraordinária precocidade, aos 14 anos terá, alegadamente, fundado a União Abaixo o Imperialismo, com o propósito de combater o ocupante japonês e promover o marxismo-leninismo. Do que não há dúvida é do seu envolvimento com ativistas independentistas de pendor marxista, o que o levou a ser preso pela polícia chinesa em 1929. Ele os seus camaradas foram libertados em 1930 após uma greve de fome, mas Kim Il-sung já não regressaria à escola: a carreira que pretendia abraçar era a de revolucionário. Aderiu ao Partido Comunista Chinês e, pouco depois, o imperialismo japonês estendeu-se à Manchúria, que foi convertida num estado-fantoche designado Manchukuo, contra o qual Kim começou a desenvolver acções de guerrilha, integrado no Exército Unido Anti-Japonês do Noroeste.
    Kim – que entretanto adoptara em 1935 o nome pelo qual é conhecido – foi lutando contra o ocupante japonês e subindo na hierarquia do exército guerrilheiro, em parte por mérito próprio e em parte como resultado da morte dos outros líderes.
    Quando, em 1940, era perseguido pelas forças japonesas, atravessou o Rio Amur para o lado soviético. Foi levado para a cidade de Vyatskoye, onde os soviéticos treinavam a guerrilha coreana e incorporado no Exército Vermelho, onde lhe foi atribuído o comando de um batalhão formado por exilados coreanos e chineses e a patente de major.
    Entretanto, conhecera, em 1937, a sua primeira esposa, Kim Jong-suk, que, conta-se na biografia oficial, terá salvado a vida do futuro Querido Líder numa emboscada japonesa. Casaram-se em 1941 e, pela mesma altura, nasceu Kim Jong-Il, embora a biografia oficial pretenda que este viu a luz do dia numa base secreta no Monte Paektu, na Coreia, em 1942. Compreende-se a necessidade de apimentar a vida dos Kim nesta fase em que viveram em passividade e segurança do lado de lá da fronteira durante cinco anos (ao contrário do que seria previsível, a URSS e o Japão limitaram-se a vigiar-se mutuamente), enquanto a II Guerra Mundial devastava boa parte do mundo e outros independentistas arriscavam as suas vidas na Coreia, lutando contra o ocupante.
    Só a 8 de Agosto de 1945, três meses após o colapso do III Reich e dois dias depois do ataque nuclear contra Hiroshima é que a URSS se decidiu a declarar guerra a um Japão que estava praticamente de rastos, com o fito de obter ganhos territoriais e dilatar a sua esfera de influência. As tropas soviéticas derrotaram as forças japoneses na Manchúria e Coreia com grande facilidade, entraram em Pyongyang a 24 de Agosto e detiveram-se no paralelo 38, ficando a ocupação da parte sul do país a cargo dos americanos.
    Kim Il-sung desembarcou a 19 de Setembro de 1945, na Coreia sem ter intervindo na sua libertação e, pior do que isso, nem sequer falando correctamente a língua do país em que não punha os pés há mais de 20 anos. Tal não impediu que os soviéticos lhe atribuíssem o cargo de secretário-geral do ramo norte do Partido Comunista Coreano. Kim deixou de se apresentar como nacionalista fervoroso a passou a ser um “patriota socialista”, refletindo a sua subalternidade em relação aos soviéticos. Foi necessário algum esforço de propaganda para impor Kim Il-sung, que, além de ser jovem, aparentava ser mais novo do que era e ficara a meio do ensino secundário (duas desvantagens de monta numa sociedade que associava idade a sabedoria e que, na tradição confucionista, prezava a educação formal) e parecia ser uma marioneta dos soviéticos. Pode ver-se nesta campanha o embrião daquilo que viria a ser o desmesurado culto da personalidade em torno de Kim Il-sung.
    O outro candidato que os soviéticos consideraram para liderar os destinos da Coreia era o independentista Cho Man-sik, mas este revelou possuir pensamento autônomo e não parecia disposto a aceitar que ao jugo japonês se seguisse o jugo soviético. Foi assim que, no início de 1946, Kim foi colocado à frente do governo provisório e, com a proclamação, a 9 de Setembro de 1948, da República Popular Democrática da Coreia do Norte, assumiu definitivamente os destinos do país – só a morte o faria deixar o cargo, 46 anos depois.
    A partir de 1949 Kim começou a assediar Stalin para que este o autorizasse a invadir a Coreia do Sul. O líder soviético começou por considerar a conjuntura desfavorável (ainda havia forças americanas na Coreia do Sul e Mao Tse Tung ainda não consolidara o seu poder na China) e recusou, mas o contexto evoluiu favoravelmente e Kim foi manobrando até que conseguiu que a URSS e a República Popular da China lhe dessem aval ao seu plano para a unificação da península. A invasão começou a 25 de Junho de 1950, mas, após um rápido avanço inicial, os norte-coreanos foram repelidos pela força conjunta da Coreia do Sul, EUA e Nações Unidas, que entraram em Pyongyang a 19 de Outubro. A vida política de Kim poderia ter chegado ao fim, não fosse a China ter respondido aos seus pedidos de socorro. A guerra acabou por durar três anos, causar 2.5 milhões de vítimas civis (1.5 no Norte, um milhão no Sul) e deixar a península devastada – e tudo isto para que, no fim, a fronteira entre as duas Coreias regressasse, com pequenas alterações, ao ponto de partida.
    A morte de Stalin, em 1953, e a subida de Khrushchev ao poder arrefeceram as relações entre a Coreia do Norte e a URSS e a governação errática de Mao Tse Tung também causou algum afastamento entre os dois países (embora nunca tenha havido um corte de relações nem com a URSS nem com a república Popular da China). Em compensação, a Coreia do Norte estreitou laços com regimes comunistas da Europa de Leste, sobretudo com a República Democrática Alemã e a Romenia, cujo presidente, Nicolae Ceaușescu, ficou fascinado com o culto da personalidade em torno de Kim Il-sung e tentou emulá-lo no seu país.

    Para afirmar a sua independência da URSS e da República Popular da China, em 1965 Kim Il-sung expôs os princípios fundamentais da Juche, um misto de ideologia política, misticismo religioso e nacionalismo, a que já aludira num discurso de 1955. Embora tenha por ponto de partida algumas ideias do marxismo-leninismo, representa a “ideia-mestra da revolução Coreana”, assenta nos princípios da “independência política”, “auto-sustentação económica” e “autonomia na defesa” e promete “uma nova era de desenvolvimento na História da Humanidade” (embora os norte-coreanos esfomeados que se têm visto obrigados a desenterrar e comer raízes tenham provavelmente uma perspectiva pouco entusiástica sobre a “nova era de desenvolvimento”).
    Descontando a retórica, a Juche acaba, na prática, por servir para justificar o isolacionismo e repressão do regime e a perpetuação dos Kim no poder: “As massas populares estão no centro de tudo e o líder é o centro das massas”. Todos os anseios e aspirações das massas, bem como a luta de classes, só poderão ser alcançados através de um Grande Líder, um ser semi-divino, de superiores capacidades intelectuais, infalível, incorruptível, benévolo e que age exclusivamente em prol das massas.
     
    Não se fiando apenas no poder espiritual da Juche, Kim Il-sung afadigou-se a tentar obter argumentos mais prosaicos e sonantes em que fundamentar a afirmação da Coreia do Norte no concerto das nações e logo em 1963, solicitou ajuda à URSS para o desenvolvimento de armas nucleares; perante a resposta negativa, reendereçou-o à China, que também a recusou. A Coreia do Norte começou então a construir um reator de pesquisa em Yongbyon, mas só foi obtido progresso significativo com a ajuda do Paquistão. Em 1993, o Paquistão terá fornecido informação à Coreia do Norte sobre enriquecimento de urânio, em troca de know-how sobre mísseis balísticos e os desenvolvimentos do programa nuclear coreano levaram os EUA a exercer pressão, que parece ter convencido Kim Il-sung a renunciar ao programa nuclear e a manifestar intenção de aproximar-se do Ocidente.
    A 8 de Julho de 1994, a Rádio Pyongyang anunciou, em tom lúgubre. “O Grande Coração parou de bater”. Kim Il-sung sucumbira a um ataque cardíaco, aos 82 anos.

    Kim Man-il (1944-47/8)

    Segundo filho de Kim Il-sung e Kim Jong-suk, nascido, como o primogénito, em Vyatskoye, na URSS. Terá morrido afogado em Pyongyang, possivelmente na piscina da casa da família, em circunstâncias não esclarecidas.

    Kim Jong-Il (1941-2011)

    As informações sobre os primeiros anos da sua educação são contraditórias e vagas – a versão oficial afirma que estudou em Pyongyang, outras fontes apontam para a República Popular da China. Em 1960, matriculou-se na Universidade Kim Il-sung de Pyongyang e licenciou-se em política económica marxista.
    Ainda antes de terminar os estudos já acompanhava o pai em digressões pelo país, mas só ganhou relevo na política norte-coreana em 1980, ao ser anunciado formalmente como sucessor de Kim Il-sung, e foi consolidando a sua posição através de através da atribuição de cargos e títulos honoríficos e através de cerimónias cada vez mais extravagantes a assinalar o seu aniversário.
    Porém, antes, teve de livrar-se do vice-presidente Kim Dong-kyu, que era o segundo na hierarquia do Estado, tinha um passado heróico na luta independentista contra os japoneses (onde perdera um braço) e se opunha a que Kim Jong-Il sucedesse ao pai. Mas Kim Jong-Il terá conseguido convencer o pai, mediante documentos forjados, de que o vice-presidente tivera um comportamento traiçoeiro e, em 1977, este foi destituído e exilado e, posteriormente, internado num “campo de reeducação”, onde morreu de fome em 1984.
    Com a morte do pai, em Julho de 1994, Kim Jong-Il herdou boa parte dos cargos em este que ainda estava investido, nomeadamente o de Secretário-Geral do Partido dos Trabalhadores Coreanos, e prosseguiu a política de centralização e micro-gestão a que já dera início quando o pai ainda estava no poder. Mas, talvez por ainda não sentir o seu poder completamente consolidado, foi fazendo concessões à comunidade internacional quanto ao programa nuclear, que em acordos de Outubro de 1994 e Junho de 1995, se comprometeu a suspender.

    A verdade é que em meados da década de 1990, Kim Jong-Il estava também crescentemente dependente da ajuda alimentar externa, pois o país atravessava uma grave crise económica, em resultado de décadas de gestão inepta, de técnicas agrícolas inadequadas, de uma alocação desproporcionada de recursos às Forças Armadas e do crescimento demográfico, resultando em fome generalizada, cortes de energia e proliferação do mercado negro. Em finais da década, Kim Jong-Il implementou uma política de aproximação à Coreia do Sul, que resultou na criação, em 2003, do parque industrial de Kaesong, na zona desmilitarizada entre as duas Coreias.
    No domínio do programa nuclear, a atitude cumpridora da década de 1990 deu lugar a uma política ambígua e errática, com anúncios de suspensão do programa a alternarem com bravatas e a ameaças, mas evoluindo, na prática, para a criação de um arsenal nuclear. Em 2003, o país retirou-se do Tratado de Proliferação Nuclear, em 2005 reconheceu a posse de armas nucleares e desde então já conduziu pelo menos cinco testes nucleares subterrâneos e tem vindo a ensaiar mísseis capazes de transportar ogivas nucleares, apesar das sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU e das pressões da comunidade internacional.
    Em 2008 começaram a multiplicar-se rumores sobre o estado de saúde de Kim Jong-Il, baseados na sua ausência em importantes cerimónias de Estado (nomeadamente a parada militar que assinalou os 60 anos da Coreia do Norte), e começou a especular-se que a atitude mais dura e intransigente da Coreia do Norte no domínio nuclear resultava de Kim Jong-Il já não deter o poder efetivo e de este ter passado para as mãos dos generais. A proliferação de boatos foi tal que a agência noticiosa oficial da Coreia do Norte se sentiu obrigada a divulgar fotografias que, supostamente atestariam que o Grande Líder estava de saúde e visitava quintas e fábricas, mas que foram suficientemente ambíguas para suscitar suspeitas de falsificação e o reacender dos rumores.
    Em Abril de 2009, após oito meses sem ser visto em público, Kim Jong-Il surgiu na Assembleia Popular Suprema, ficando por esclarecer quanto haveria de verdadeiro nas notícias sobre os seus problemas de saúde. Fez viagens à China e à Rússia, em 2010 e 2011, e sucumbiu a um ataque cardíaco a 17 de Dezembro de 2011.
    A vida amorosa de Kim Jong-Il foi complexa e obscura, até para os padrões do regime norte-coreano, pois sabendo que algumas das mulheres com que se relacionou não mereciam aprovação do pai, Kim Jong-Il fez os possíveis por ocultá-las. Terá tido (pelo menos) três filhos: Kim Jong-nam, nascido em 1971, filho da atriz de cinema Song Hye-rim; Kim Jong-chul, nascido em 1981, filho da bailarina Ko Yong-hui, que nascera no Japão, de pai coreano e mãe japonesa; três anos depois, Ko Yong-hui deu à luz o terceiro filho de Kim Jong-Il, Kim Jong-un.
    Esperar-se-ia que fosse o primogénito a ser designado como sucessor de Kim Jong-Il e assim foi até 2001, até que Kim Jong-nam foi detido no aeroporto de Narita, em Tóquio acompanhado de uma mulher e uma por viajar sob nome (chinês) falso e com um passaporte forjado da República Dominicana. Acabou por confessar ser filho de Kim Jong-Il e alegou que apenas pretendia visitar a Disneylândia de Tóquio, com duas mulheres e uma criança de criança de quatro anos (apresentado como seu filho).
    As autoridades japonesas deportaram-no para a China e a situação parece ter criado embaraço em Pyongyang e, pouco depois, a propaganda oficial começou a enaltecer Ko Yong-hui como “Mais Fiel e Dedicada Súbdita do Querido Líder Camarada Comandante Supremo”, o que levou a que se suspeitasse que a sucessão tinha sido transferida para o filho do meio, Kim Jong-chul. Porém, consta que Kim Jong-Il achava o filho do meio demasiado efeminado e destituído de iniciativa e que preferia o feroz e turbulento filho mais novo. E, com efeito, a 1 de Julho de 2009, Kim Jong-un foi eleito Secretário-Geral do Partido dos Trabalhadores Coreanos e, após a morte do pai, assumiu a chefia da Coreia do Norte.

    Kim Jong-nam (1971-2017)

    Kim Jong-nam não teve sorte com aeroportos: perdeu a corrida para a sucessão devido ao incidente do aeroporto de Tóquio e perdeu a vida no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia, quando regressava de Macau, a 13 de Fevereiro de 2017. Aparentemente foi borrifado no rosto com um spray contendo gás de nervos VX, no que parece ter sido um homicídio planeado, de forma rocambolesca e trapalhona, pelos serviços secretos da Coreia do Norte, presumivelmente a mando do seu meio-irmão Kim Jong-un. As autoridades norte-coreanas têm insistido que Kim Hong-un sucumbiu a um ataque cardíaco e pressionaram as autoridades malaias para não realizar autópsia, suspender a investigação e libertar os suspeitos.
    Se se recuar um pouco na vida de Kim Jong-nam, surgem indícios de que o incidente no aeroporto de Tóquio em 2001 não terá sido a única razão para o seu afastamento da sucessão. Kim Jong-nam tinha um comportamento indisciplinado e inconstante, viajava frequentemente para o estrangeiro (sob pseudónimo), frequentava estabelecimentos de vida noturna, onde terá tido comportamentos desordeiros (há testemunhas que referem que terá começado a disparar tiros para o ar no átrio de um hotel, em 1993, e que terá repetido a proeza num nightclub, no ano seguinte). A família materna de Kim Jong-nam também não ajudava, pois vários dos seus membros fugiram para a Coreia do Sul ou para países ocidentais e seria malvisto que um líder da Coreia do Norte tivesse ligações familiares a traidores.
    Um desses fugitivos foi Li Il-nam, primo de Kim Jong-nam, que se escapuliu em 1982, durante uma viagem à Suíça e se estabeleceu em Seul, cidade onde acabaria por ser morto a tiro, por assassinos a soldo da Coreia do Norte, segundo as autoridades sul-coreanas. Há mesmo quem sugira que quem ordenou o assassinato do “renegado” Li Il-nam terá sido o seu primo Kim Jong-nam, que, na altura desempenhava altos cargos nos Ministérios das Forças Armadas e da Segurança de Estado. A ser verdade, a sua eliminação em Kuala Lumpur reveste-se de uma perversa ironia.

    Kim Jong-chul (n. 1981)

    Filho do meio de Kim Jong-Il e o primeiro dos dois filhos que este teve da sua companheira Ko Yong-hui. Consta que terá estudado em colégios privados na Europa, em França ou na Suíça (fazendo-se passar por filho do embaixador norte-coreano), tal como o irmão mais novo, Kim Jong-un. O seu perfil tem-se mantido discreto e, nos últimos anos, as poucas vezes que foi avistado fora da Coreia do Norte foi em concertos de Eric Clapton, em Singapura e Londres, e terá sido ele a mexer os cordelinhos para que o guitarrista fosse convidado a atuar na Coreia do Norte (a visita não se concretizou), apesar de a posição oficial ser de rejeição do rock ocidental.

    Kim Jong-un (n. 1984)

    Embora sendo o terceiro na linha sucessória da dinastia Kim, que exclui as mulheres e privilegia os filhos mais velhos, foi reconhecido como sucessor de Kim Jong-Il em 2009 e foram-lhe atribuídos cargos e títulos correspondentes a essa condição. Subiu ao poder após a morte do pai, em Dezembro de 2011.
    Alguns analistas previram que, dada a sua juventude e inexperiência política, o tio Jang Song-thaek (n. 1946) poderia desempenhar temporariamente funções de regente.
    Jang Song-thaek casara-se no início dos anos 70 com a única filha do Querido Líder, Kim Kyong-hui e foi subindo lenta e custosamente na hierarquia – purgas e outros “contratempos” alternaram com reabilitações – até que, por volta de 2006, chegou a vice-secretário da Comissão Nacional de Defesa e do Partido dos Trabalhadores Coreanos, o que faria dele a figura n.º 2 do Estado, de forma que, quando em 2008 circularam rumores de que Kim Jong-Il estaria gravemente doente, foi aventado que o poder teria passado para as mãos do seu genro.
    Mas, a partir de 2011, Kim Jong-un não perdeu tempo a assumir, pelo menos publicamente, as rédeas da governação e a máquina da propaganda oficial passou a referir-se a ele com os ditirambos e hipérboles que caracterizam o culto dos líderes na Coreia do Norte. E em Dezembro de 2013, sem que nada o fizesse prever, ordenou a prisão e execução, por traição, do tio Jang Song-taek, a que se seguiu a supressão de todas as menções à sua existência e o apagamento da sua presença nas fotos, ao bom estilo stalinista. A queda de Jang Song-thaek arrastou outros “traidores” e algumas fontes indicam que a sua família próxima terá sido igualmente eliminada.
    Num país em que as companheiras do Líder Supremo têm, usualmente, vivido na sombra, foi inesperado ver, a partir de 2012, Kim Jong-un surgir em público acompanhado pela “esposa e camarada” Ri Soi-ju (n. 1989). Ri Soi-ju destaca-se também pelo uso de roupas de famosos costureiros ocidentais e malas Dior e fontes sul-coreanas sugerem que ela tenha sido uma das muitas cantoras – dantes conhecida como Hyon Song-woi – do Ensemble Electrónico Pochonbo, um grupo de formação flutuante que toca versões pop de canções tradicionais e revolucionárias e tem a aprovação oficial do Estado norte-coreano (sem a qual, aliás, não é possível gravar ou difundir música no país).
    A primeira aparição oficial de Ri Soi-ju como Primeira Dama teve lugar num concerto das Moranbong, um grupo concebido para dar resposta ao apetite da juventude norte-coreana por pop moderna e cujos elementos terão sido escolhidos por Kim Jong-un. Segundo a agência noticiosa oficial do país, “Kim Jong-un formou a banda Moranbong de acordo com os imperativos do novo século e de acordo com um grandioso plano para operar uma reviravolta dramática na literatura e nas artes”.
    Além da música, Kim Jong-un também nutre forte paixão pelo basquetebol e, em 2014, surgiu em público ao lado do ex-basquetebolista norte-americano Dennis Rodman (que foi incumbido de promover o basquetebol no país), num jogo/exibição entre jogadores americanos e norte-coreanos.
    Nestes momentos de tensão, resta esperar que o apreço de Kim Jong-un por basquetebolistas norte-americanos, da sua esposa por vestidos Chanel e malas Dior e da nomenklatura norte-coreana em geral por luxos ocidentais, pese mais do que a vontade, tantas vezes reiterada, de reduzir o mundo capitalista e imperialista a poeira radioativa.

    quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

    Coreia do Norte: so existe UM unico Kim Jong Un; todos os outros devem mudar de nome...

    Nem Eric Blair, aliás George Orwell, poderia ter imaginado uma coisa desse tipo...
    Paulo Roberto de Almeida

    North Korea ordered citizens named Kim Jong Un to change their names, says new report

    The Washington Post, December 3 at 11:26 AM
    Kim Jong Un, North Korea's young dictator, sits at the top of a nation that for decades has enshrined the ruling Kim dynasty as demigods. The personality cult that surrounds the hermit kingdom's leadership is one of the strange realities of this pariah state, spawning eerie totalitarian spectacles and the most vigorous displays of clapping the world has ever seen.
    It also leads to whole ranks of the population having to surrender their names.
    According to a new report on a South Korean TV station, North Korean authorities issued a directive in 2011 — when Kim Jong Un came to power after the death of his father, Kim Jong Il — to reject birth certificates of newborns named Kim Jong Un and to revise the official documentation and identity cards of those who still had that name.
    “All party organs and public security authorities should make a list of residents named Kim Jong Un … and train them to voluntarily change their names,” read the document, which was revealed by the KBS TV station on Tuesday.
    “Authorities should make sure that there is no one making unnecessary complaints or spreading gossip … regarding this project,” it said.
    The document had been obtained by a North Korean defector who reached South Korea in 2008. As is often the case with these sorts of revelations, its authenticity cannot be independently confirmed.
    But the order, if true, should not come as a surprise. Both Kim's father and grandfather Kim Il Sung instituted the same vanity project, insisting on being the first and last holders of their names. The practice has echoes in the deep history of East Asian kingdoms but, like much else in North Korea, really ought not have a place in the 21st century.
    Ishaan Tharoor writes about foreign affairs for The Washington Post. He previously was a senior editor at TIME, based first in Hong Kong and later in New York.

    terça-feira, 22 de julho de 2014

    Atencao pessoal: sem sorrisos no dia 8 de julho: Kim Jong-un ordenou

    Só a simples ideia de proibir o riso num dia determinado já incita ao riso, desopilante em alguns casis.
    Mas atenção, se vc for visitar a RPDC nesse dia não tente sorrir ou fazer piada com essa ideia, pois vc pode ir parar num dos muitos Gulags desse ditadorzinho ridículo, o que não seria piada...
    Paulo Roberto de Almeida 

    O dia em que é proibido dar risada

    Ditador norte-coreano Kim Jong-un visita um centro de cultivo de cogumelos e sorri
    No dia 8 de julho é proibido sorrir na Coreia do Norte. Isso mesmo, por mais surreal que possa soar, a risada é vetada neste dia. O motivo é que este dia marca a morte de Kim Il-sung, o fundador do país, avô do atual ditador Kim Jong-un. O decreto existe desde 1994 e proíbe sorrir, levantar a voz na rua, beber álcool e dançar porque todo o país está de luto. Neste dia, a rede de televisão estatal norte-coreana dedica o dia transmitindo a solene – e chata – cerimônia oficial em homenagem ao 'presidente eterno'.



    segunda-feira, 16 de junho de 2014

    Cuba-Coreia do Norte: dois regimes companheiros (e amigos doscompanheiros) - Mac Margolis

    Sem comentários, pois do contrário seria cáustico para certa diplomacia..
    Paulo Roberto de Almeida 

     Conexão Havana-Pyongyang

    Coluna / Mac Margolis


    São 12,5 mil quilômetros de Cuba à Coreia do Norte, mas as afinidades encurtam as distâncias. Regidos por dinastias em vias de extinção, os dois países também têm em comum um pacto natural de Estados párias. Foi assim em julho de 2013, quando o regime de Raúl Castro resolveu ajudar os irmãos norte-coreanos com um navio carregado de surpresas. No manifesto do cargueiro Chong Chon Gang constava apenas açúcar. Quando os fiscais no Canal do Panamá foram checar, acharam bem mais.
    Debaixo de mais de 200 mil sacos de açúcar refinado cubano havia não drogas, como imaginavam, mas um arsenal para alegrar qualquer ditador: dois caças MiG desmontados, 15 motores de avião, nove mísseis e duas plataformas antiaéreas completas.
    Os panamenhos apreenderam o navio, prenderam a tripulação e reportaram o contrabando à ONU, que desde 2006 veta o envio de armamentos pesados ao regime norte-coreano, que nutre sonhos nucleares. Foi o início de uma tortuosa dança diplomática, ao estilo de Pyongyang e à moda bolivariana.
    Na semana passada, Cingapura apresentou queixa-crime contra uma companhia de navegação local que teria bancado a operação com um operador panamenho. Todos aguardam a decisão do Conselho de Segurança da ONU, que recebeu um relatório detalhado sobre o caso, mas ainda não determinou sanções aos dois países.
    Se depender da complexa tradição da corporação, onde China e Rússia, aliadas de conveniência de Pyongyang, têm poder de veto, o resultado da maior apreensão de armas ilegais enviadas para uma das piores tiranias do planeta pode acabar em pizza habanera.
    Desde cedo, vários países latino-americanos trabalharam para garantir exatamente isso. São os aliados do falecido líder venezuelano Hugo Chávez, que ergueram uma cerca companheira. Acusaram o Panamá, nação “lambe botas” dos gringos, de ingerência em assuntos entre duas nações soberanas, Cuba e Coreia do Norte.
    Se não fosse criminosa, a versão seria risível. Em primeiro lugar, os cubanos jamais admitiram enviar armas, apenas açúcar. Flagrados, disseram que o material era obsoleto e se destinava à manutenção na Coreia do Norte, para depois ser devolvido. Portanto, ele estaria isento do boicote da ONU.
    Balela. Segundo o comandante Belsio González, diretor do Serviço Aeronaval do Panamá, os caças russos, assim como os motores, estavam em "excelente" estado. O Panamá libertou parte da tripulação do Chong Chon Gang sob fiança de US$ 700 mil, mas ainda mantém detidos três oficiais do navio. No seu relatório anual, um painel de especialistas da ONU concluiu que é a diplomacia norte-coreana que articula envios clandestinos de armas para Pyongyang por meio de complexos artifícios financeiros. A conexão com Havana faz parte do embuste.
    A ditadura asiática encobriu o rastro da operação desastrosa. Trocou seu embaixador em Havana e abafou a história. Na bizantina política norte-coreana, o diplomata era ligado ao poderoso Jang Song-thaek, inimigo mortal do novo líder supremo, Kim Jong-un. Especula-se se que ambos, Jang e o ex-embaixador, tenham sido executados.
    Chama a atenção que a desventura do Chong Chon Gang começou no Porto de Mariel, cuja reforma o governo brasileiro banca para consolidar laços companheiros e dinamizar o comércio do país amigo. Ao que parece, de olhos bem fechados.

    quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

    Coreia do Norte: muito pior do que se poderia imaginar; o que diria o PCdoB?

    O PCdoB e vários outros partidos de esquerda no Brasil eram muito amigos dos ditadores da Coreia do Norte. Não sei se ainda continuam, mas seria o caso de perguntar...
    Paulo Roberto de Almeida

    Crianças eram dadas como 'prêmio' para cães na Coreia do Norte
    Terra, 27/02/2014

    As denúncias de violação aos direitos humanos foram reveladas por um ex-guarda de campo de prisão entre 1987 e 1994, durante Comissão de Inquérito, em Genebra, para rever abusos do governo norte-coreano em campos que existiriam até hoje
    O ex-guarda de um campo de prisão da Coreia do Norte, Ahn Myong-Chol, deu um depoimento emocionado em Genebra, durante a Inquérito de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre a Coreia do Norte, sobre todas as experiências de maus tratos que presenciou quando era guarda no campo de prisão 14, entre os anos 1987 e 1994. Entre as histórias, Myong-Chol relembra de como os guardas “premiavam” os cachorros quando atacavam crianças, matando-as.
    Certa vez, vi cinco crianças sendo atacadas pelos cães dos guardas. Três delas ficaram em pedaços e as outras duas, apesar de muito feridas, sobreviveram, mas foram enterradas vivas junto das outras”, contou o homem de 45 anos.

    Segundo ele, os campos “se parecem com os campos de concentração nazistas, mas os da Coreia ainda existem por lá". 

    O ex-guarda conta que os soldados eram premiados quando matavam algum prisioneiro podendo “ir à escola”. Apesar disso, ele afirma que nunca matou ninguém.

    Myong-Chol disse que só desconfiou de que os encarcerados não mereciam o tratamento desumano quando se tornou motorista, levando prisioneiros que diziam “não fazer ideia do motivo pelo qual estavam sendo presos”. Ele também contou que famílias inteiras, várias gerações, eram presas.
    O pai de Myong-Chol tinha alta patente no exército do país e, por isso, ele começou a trabalhar cedo nos campos de prisão, em 1987. Depois de alguns anos trabalhando para o governo, a família de Ahn Myong-Chol foi perseguida e ele fugiu da Coreia do Norte para a Coreia do Sul. Ele trabalhou por anos em um banco e, hoje, trabalha em uma ONG que luta contra os abusos na Coreia do Norte, que ferem os direitos humanos.

    O ex-guarda já encontrou ex-prisioneiros, como Chol Hwan Kang, que o perdoou. “Ele me perdoou porque, assim como outros ex-prisioneiros, entendeu que eu não tinha escolha”, contou.

    Estima-se que entre 80 e 120 mil pessoas sejam prisioneiros políticos nos campos da Coreia do Norte, que tem uma população de 24 milhões de habitantes.
    O Inquérito das Nações Unidas conclui que há abuso aos direitos humanos em relatório de 400 páginas na Coreia do Norte desde 1950 e encaminhou um apelo para medidas urgentes para resolver a situação no país, incluindo o recurso ao Tribunal Penal Internacional (TPI), além de recomendações para a Coreia do Norte , a China e outros Estados e à comunidade internacional para adotar sanções contra responsáveis por crimes contra a humanidade.
    À luz da informação recolhida, a Amnistia Internacional (AI) exigiu que a Coreia do Norte admita a existência destes campos para prisioneiros políticos, os encerre imediatamente, liberte todos os detidos que lá se encontram, bem como os seus familiares. A AI exige também que o regime de Pyongyang garanta o acesso imediato de organizações independentes aos campos, entre elas a Amnistia Internacional e as Nações Unidas.

    A Comissão deverá apresentar formalmente as suas conclusões ao Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, em 17 de março de 2014.
    ver em 

    sábado, 22 de fevereiro de 2014

    Coreia do Norte desmente relatorio da ONU: vai receber o apoio do PCdoB?

    E de quem mais?
    Paulo Roberto de Almeida 

    Photo du leader nord-coréen Kim Jong-un à l'académie des sciences à Pyongsong, diffusée par l'agence officielle KCNA le 15 janvier. AFP/KCNA VIA KNS

    Rapport de l'ONU : la Corée du Nord évoque des « mensonges » conçus « par des racailles »

    Le Monde, 22 janvier 2014

    « Mensonges », « inventions de forces hostiles », « provocation »… Samedi 22 février, le régime nord-coréen a réagi avec des mots extrêmement violents au rapport des enquêteurs de l'ONU qui l'accuse de « crimes contre l'humanité ». Pour le ministère nord-coréen des affaires étrangères, cité par l'agence de presse officielle KCNA, le document des Nations unies est un tissu de « mensonges et d'inventions émanant de forces hostiles et de racailles ».
    >> Lire : « Des crimes contre l'humanité sont actuellement commis » en Corée du Nord
    Dans ce rapport rendu public lundi, les enquêteurs de l'ONU ont estimé que les chefs des services de sécurité nord-coréens et le numéro un, Kim Jong-un, devraient être traduits devant la Cour pénale internationale (CPI) pour avoir ordonné des tortures et des tueries, et provoqué des famines parmi la population. Les auteurs comparent ainsi la violence du régime aux atrocités commises par les nazis.
    « UNE PROVOCATION EXTRÊMEMENT DANGEREUSE DESTINÉE À ENTACHER L'IMAGE DE LA CORÉE DU NORD »
    Samedi, le ministère nord-coréen des affaires étrangères a déclaré qu'il rejetait catégoriquement les résultats de la commission d'enquête de l'ONU « mise sur pied par les Etats-Unis et leurs vassaux par répugnance invétérée pour la Corée du Nord ». Le rapport de l'ONU est, selon lui, « parsemé de purs mensonges et d'inventions délibérément conçues par des forces hostiles et des racailles, tels que “certains éléments à l'identité ambiguë qui ont fui le Nord”, des criminels échappés après avoir commis des crimes contre le pays afin d'amasser de l'argent ».
    >> Lire aussi : Corée du Nord : des crimes qui rappellent ceux des nazis, pour l'ONU
    Peu avant la publication officielle de ce rapport très détaillé, qui compte 372 pages, la Corée du Nord avait déjà qualifié le document de « produit de la politisation des droits de l'homme menée par l'Union européenne et le Japon, en accord avec la politique hostile des Etats-Unis ».
    Le rejet du rapport par le régime nord-coréen intervient alors que les enquêteurs de l'ONU ont déclaré dans une lettre qu'ils recommandaient à l'ONU de traduire la Corée du Nord devant la CPI afin que les coupables, y compris, peut-être, le numéro un nord-coréen, Kim Jong-un, en personne, rendent des comptes. Une telle saisine, a déclaré le ministère nord-coréen des affaires étrangères, serait « une provocation extrêmement dangereuse, motivée par des raisons politiques, destinée à entacher l'image de la Corée du Nord et de faire pression sur elle afin de miner son système social ».