O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Diplomacia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Diplomacia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Diplomats Are Made, Not Born - Nicholas Kralev (NYT)

Opinion | OP-ED CONTRIBUTOR

Diplomats Are Made, Not Born



Angelina Jolie, a filmmaker and special envoy of the United Nations High Commissioner for Refugees, with NATO Secretary General Jens Stoltenberg in Brussels, on Wednesday.CreditEmmanuel Dunand/Agence France-Presse — Getty Images

 

Diplomacy and politics may go hand in hand, but their partnership isn’t one of equals. It is logical — especially in a democracy — for a country’s diplomacy to serve its political leaders. Sometimes, however, smart leaders allow diplomacy to influence politics.
For that influence to be truly worthwhile, governments around the world must solve an acute problem: Global diplomacy today is not very effective, in part because it is misunderstood and starved of resources. The best diplomacy carries out foreign policy professionally, yet most countries let amateurs practice it.
I’m talking about appointees who receive diplomatic posts thanks only to political connections. To resolve at least some of the many conflicts, disputes and other problems around the world, governments must start building or strengthening professional diplomatic services, providing them with proper training and career development, and giving them all the tools, resources and authority necessary to get the job done.
Few countries come close to this standard today. No one is born with the ability to practice international diplomacy — to manage a country’s relations with other states, understand and engage foreign societies, influence governments and publics, conduct difficult and consequential negotiations, anticipate threats and take advantage of opportunities. These are skills that have to be acquired.
The mantra among career diplomats has long held that on-the-job training — not lessons in a classroom — is the only way to learn how to practice diplomacy. As a result, many countries’ official representatives don’t get anything that resembles proper training before they are posted abroad. They are left to figure things out as they go along, taking months or even years to get a decent grasp of what exactly their job entails.
Some governments have outsourced a big part of diplomats’ work to lobbyists and consultants. Many embassies in Washington use the costly services of public relations firms to do their bidding. At the same time, some of their own employees arrive with barely any knowledge about how Washington works and how to navigate the government bureaucracy. Another recent trend — no doubt following an example of a regrettable American practice — has been to increase political appointments in ambassadorial and other diplomatic posts.
That is a misguided response to the challenges that diplomats are facing. Countries would be much better served in the long run by having an embassy staff that is well prepared and has all necessary tools, and that benefits from continuity and an institutional memory as diplomats pass the torch to their successors.
Some Western officials say that if Ukraine had better-trained and more-effective diplomats, the international community might have inflicted a harsher punishment on Russia for its 2014 annexation of Crimea and its interference in eastern Ukraine. If India, the world’s second most populous country, had a diplomatic service that was more effective, perhaps it could have achieved its goal of winning a permanent seat on the United Nations Security Council.
The German diplomatic service, while one of the best in the world, has suffered from being led by foreign ministers who have doubled as party leaders of the junior partners in successive governing coalitions. The French service, a historical example of excellence, has made significant progress in addressing the lack of diversity in its ranks, but a majority of its most senior diplomats remain white men.
The United States Foreign Service is under assault by the Trump administration, which is driving out dozens of its members and seeking to cut about a third of its budget, resulting in the lowest morale in recent history. The British Foreign Office neglected formal training for its diplomats for decades; it finally established a dedicated center in 2015, but it hasn’t instituted mandatory professional development.
With all the history and professionalism of Western European diplomatic services, why were those countries so shocked by and unprepared for the influx of refugees in 2015? Being intimately familiar with conditions, events and trends in foreign countries is an essential part of a diplomat’s job. Most refugees came from conflict zones. Good diplomats should have anticipated those developments and prepared policy analyses and recommendations for their leaders back home.
And why has it been so difficult for the West to exert meaningful influence with Turkey, a NATO member, to prevent what Western officials view as destabilizing actions, such as its current attack on Syrian Kurds? There are certainly many reasons, but insufficient diplomatic skill and creativity are part of the problem.
Chronic underfunding is also crippling the diplomatic services of rising powers, including those of India and Brazil, which are grossly overextended. India, for example, is struggling to run more than 160 missions with 600 diplomats.
Even China has failed to make a sufficient investment in diplomacy, choosing instead to focus almost exclusively on its military, whose budget is almost 20 times bigger than what it spends on foreign affairs. Not surprisingly, the Chinese Ministry of Foreign Affairs has much less clout in policymaking than its counterparts in other countries.
But most countries do not have proper professional diplomatic services, particularly in Africa, Latin America and the Middle East, and even in some parts of Europe and Asia. True, they do have civil servants in their ministries of foreign affairs, some of whom are sent to work in embassies and consulates from time to time. Many of these officials have degrees in international affairs or a related field, and that’s enough for many governments to assume that they can excel in diplomacy.
Some countries offer only initial training to new recruits, and it tends to focus on area studies, such as the politics and economics of geographic regions, as well as foreign languages. Others put a big emphasis on humanities courses, forgetting that the ability to converse at cocktail parties is not as important today as it was in previous decades — and that there are plenty of other places to get that knowledge.
Skills-based training in specific aspects of diplomatic practice that cannot be obtained elsewhere is largely absent. In addition, instead of having their experienced diplomats pass on their expertise to more junior colleagues, countries hire academics or send their employees to take a university course. Of course, many countries don’t even do that.
Only a handful of countries, such as the United States and Germany, have dedicated centers that provide training in skills, though most of it is voluntary and few diplomats take advantage of it. At a time when the White House doesn’t hide its disdain for diplomacy, the State Department’s Foreign Service Institute is hardly a high priority — as with many parts of the department, it doesn’t have a director.
Governments must end the decades-long culture that views diplomacy training and professional development as a luxury — or worse, as unnecessary. On-the-job training should not be overestimated — it works great if one is lucky to have good mentors, but that’s not a given — and formal preparation should not be undervalued. It can save time and money, and more important, with more professional diplomacy, the world might just become less of a mess.




terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Seminario sobre Diplomacia e Inovacao Cientifica - Itamaraty, 8/12/2017


Itamaraty e MCTIC promovem o “2º Seminário sobre Diplomacia e Inovação Científica e Tecnológica” com o apoio da FUNAG
O ministro das Relações Exteriores (MRE), Aloysio Nunes Ferreira, abrirá o “2º Seminário sobre Diplomacia e Inovação Científica e Tecnológica: Ação Internacional no Brasil”, ao lado do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, em 8 de dezembro de 2017, às 9h, no Auditório Embaixador Wladimir Murtinho, Palácio Itamaraty, Brasília.
O seminário está dividido em quatro painéis: I) Ação Internacional no Brasil: Argentina e Suécia; II) Ação Internacional no Brasil: China e Canadá; III) Ação Internacional no Brasil: a dimensão multilateral (UNESCO e Banco Mundial); e IV) Ação Internacional no Brasil: O universo das startups e os Centros de Inovação da Dinamarca.
Cada painel contará com apresentações de representantes dos dois ministérios, de governos estrangeiros, e organismos internacionais. Confira a programação completa.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Seminario sobre Diplomacia e Inovacao Cientifica - Itamaraty, 8/12/2017


Itamaraty e MCTIC promovem o “2º Seminário sobre Diplomacia e Inovação Científica e Tecnológica” com o apoio da FUNAG

O ministro das Relações Exteriores (MRE), Aloysio Nunes Ferreira, abrirá o “2º Seminário sobre Diplomacia e Inovação Científica e Tecnológica: Ação Internacional no Brasil”, ao lado do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, em 8 de dezembro de 2017, às 9h, no Auditório Embaixador Wladimir Murtinho, Palácio Itamaraty, Brasília. 
O seminário está dividido em quatro painéis: I) Ação Internacional no Brasil: Argentina e Suécia; II) Ação Internacional no Brasil: China e Canadá; III) Ação Internacional no Brasil: a dimensão multilateral (UNESCO e Banco Mundial); e IV) Ação Internacional no Brasil: O universo das startups e os Centros de Inovação da Dinamarca. 
Cada painel contará com apresentações de representantes dos dois ministérios, de governos estrangeiros, e organismos internacionais. Confira a programação completa. Inscreva-se.

II Seminário sobre Diplomacia e Inovação Científica e Tecnológica:
Ação Internacional no Brasil

Brasília, 08 de dezembro de 2017
Palácio Itamaraty, Auditório Embaixador Wladimir Murtinho
Esplanada dos Ministérios, Bloco H
8h30-9h00
Credenciamento e recepção

9h00-9h10
9h10-9h20
Sessão de Abertura
- Aloysio Nunes Ferreira, Ministro das Relações Exteriores
- Gilberto Kassab, Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
9h20-10h00
- Keynote speaker: Professor Mário Neto Borges, Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Intervalo
10h15-11h15
 Painel 1 – Ação Internacional no Brasil: Argentina e Suécia
10h15-10h35


10h35-10h55
10h55-11h15
- Argentina: Ministro Jorge Mariano Jordán, Diretor Nacional de Cooperação e Integração Institucional, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina
- Suécia: Per-Arne Hjelmborn, Embaixador do Reino da Suécia no Brasil
- Debate: (moderador) Alvaro Prata, Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

 Intervalo
 11h30-12h30
Painel 2 – Ação Internacional no Brasil: China e Canadá
11h30-11h50
11h50-12h10

12h10-12h30


- China: Li Jinzhang, Embaixador da República Popular da China no Brasil 
- Canadá: Riccardo Savone, Embaixador do Canadá no Brasil (tbc)
- Debate: (moderador) Embaixador José Antonio Marcondes de Carvalho, Subsecretário-Geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores.

Pausa para almoço
 14h30-15h30
 Painel 3 – Ação Internacional no Brasil: a dimensão multilateral
14h30-14h50

14h50-15h10
15h10-15h30

- UNESCO: Fábio Eon, Coordenador de Ciências da Representação da UNESCO no Brasil
- ENRICH-Brazil: Markus Will, Coordenador do Projeto “ENRICH-Brazil”
- Debate: (moderador) Embaixador Benedicto Fonseca Filho, Diretor do Departamento de Temas Científicos e Tecnológicos do Ministério das Relações Exteriores.

Intervalo
 15h45-17h00
 Painel 4 – Ação Internacional no Brasil: os Centros de Inovação da Dinamarca e o universo das startups
15h45-16h00

16h00-16h40



16h40-17h00
- Dinamarca: Stina Nordsborg, Vice-Presidente do “Innovation Center Denmark”, do Consulado-Geral do Reino da Dinamarca em São Paulo
- “A internet das vacas”: Danilo Leão, CEO da BovControl
- “Movile: food, ticket, education & care”: Vitor Magnani, Vice-Presidente de Políticas Públicas do iFood e Presidente da Associação Brasileira Online to Offline (ABO2O).
- Debate: (moderador) Ministro Manuel Montenegro, Subchefe do Gabinete do Ministro de Estado das Relações Exteriores.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Macro e microeconomia da diplomacia - Paulo Roberto de Almeida

Um trabalho antigo, mas do qual recebo, agora, o novo link, restaurado, pela editoria da revista.


308. “Macro e microeconomia da diplomacia”, Espaço Acadêmico (Maringá: UEM, Ano I, nº 8, ISSN: 1519.6186; janeiro de 2002; links: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/35903; pdf para o artigo: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/35903/20992). Relação de trabalhos nº 839.


Macro e microeconomia da diplomacia

Paulo Roberto de Almeida
Autor de Formação da Diplomacia Econômica no Brasil

A política externa possui a sua própria economia, que poderia ser definida como a forma pela qual os diplomatas organizam seus recursos escassos (talentos, discursos, missões de representação, reuniões bilaterais, participação em foros multilaterais, enfim coqueteis e recepções), que poderiam ter usos alternativos, na produção de determinados “bens” diplomáticos (tratados, acordos, convênios de cooperação), em função de custos e benefícios percebidos no processo diplomático, segundo uma alocação “ótima” desses recursos. Esses bens ou “mercadorias” serão depois distribuídos para o consumo da sociedade que emprega esses diplomatas, sob a forma de melhores oportunidades de exportação, maior segurança externa, novas possibilidades de usufruir e de conceder cooperação externa, captura de talentos externos, fontes adicionais de financiamento, bref, qualquer resultado suscetível de maximizar o bem estar nacional.
Em função dessa definição ampla, pode-se ter uma macroeconomia da diplomacia – que trataria, mais bem, do produto bruto diplomático, do pleno emprego e da renda diplomática, sua distribuição entre os próprios, bem como das questões de concorrência entre diplomatas, ou do monopólio que alguns exercem sobre determinadas atividades – ou uma microeconomia, voltada, por exemplo, para a produtividade marginal do diplomata (ou seus rendimentos decrescentes), a economia de escala numa Secretaria de Estado, a especialização, a divisão do trabalho e a interdependência nas lides diplomáticas, bem como os fatores de depreciação de um diplomata, que só deveria normalmente intervir depois de uma análise atuarial sobre sua função de lucros e perdas (sem qualquer abuso contábil, entenda-se), embora em alguns casos se recomende uma forte injeção fiscal.
No plano internacional igualmente, o que aliás é o próprio da diplomacia, deve-se considerar as vantagens comparativas dos diversos serviços diplomáticos, os fluxos de capital diplomático de um país a outro, os mecanismos de câmbio diplomático (que podem implicar a desvalorização de alguns e a valorização de outros), as assimetrias existentes entre os diversos serviços, bem como a atuação dos governos, que influenciam o desempenho do produto diplomático ou seu posicionamento no cenário internacional (através de subsídios maciços, por exemplo). Nos tempos que correm, de globalização das relações exteriores e de neoliberalismo diplomático, já não são mais operacionais as antigas doutrinas socialistas da diplomacia, muito embora muitos ainda acreditem no caráter de classe da política externa, tanto que continuam a achar que os diplomatas são todos uns “punhos de renda”, que vivem de salto alto pulando de uma recepção para outra. Poucos se dão conta, entretanto, que com a depreciação das línguas e o acesso disseminado a recursos externos via Internet – afinal de contas, hoje em dia qualquer um fala inglês e até cachorro de madame já tem correio eletrônico –, o diplomata perdeu seu antigo monopólio (e fonte de lucros?), tendo seus salários tão depreciados que formou-se, nos estratos inferiores ou iniciais da carreira, um verdadeiro lumpesinato diplomático, verdadeiro exército industrial de reserva diplomático que moureja em condições pouco condizentes com sua antiga aura de fama e brilho.
Os exercícios que se seguem ostentam a preocupação de determinar como os fatores de produção da atividade diplomática têm seus preços fixados no mercado, o que conformaria, idealmente, uma teoria da distribuição diplomática. Na prática, porém, as relações de poder são tão ou mais importantes, na vida diplomática, que as relações de mercado, que são fortemente condicionadas pela intervenção dos governos, os patronos por excelência dos diplomatas, que não podem assim exercer livremente seus talentos (tanto porque o mercado para eles é imperfeito, com vários monopólios “naturais”). Tentaremos, sem embargo, examinar os modelos alternativos de distribuição diplomática, sabendo que alguns elementos – vaidade, compadrio, pistolões – terão de ser deixados de lado, uma vez que dificilmente são mensuráveis a ponto de permitir sua integração numa equação matemática ou numa curva de regressão. O autor espera contribuir mediante este esforço para a conformação de uma verdadeira teoria econômica da diplomacia, vertente pouco explorada da ciência econômica que ainda aguarda o seu Marx, o seu Keynes, o seu Hayek ou o seu Friedman (muito embora ela tenha tido entre nós essa figura híbrida que foi Roberto Campos). Essa teoria da economia diplomática deveria compreender, ademais das funções conhecidas em economia – basicamente derivadas das leis da oferta e da procura diplomática – uma teoria do crescimento diplomático, que enfocaria também os problemas de desenvolvimento dessa profissão hoje banalizada (com tratamento de itens específicos como a pobreza a qualidade de vida do diplomata, a discriminação de gêneros nos padrões ocupacionais e, eventualmente, no plano externo, a questão do tratamento preferencial e mais favorável para os diplomatas de menor desenvolvimento relativo).
Aqueles que discordarem dos cálculos econométricos do autor, podem contatá-lo no seguinte endereço: pralmeida@mac.com. Para maiores esclarecimentos sobre os fundamentos da teoria econômica aqui desenvolvida, recomendo consultar os manuais disponíveis no mercado, sendo que o “velho” livro introdutório de Paul A. Samuelson permanece supreendentemente atual (pelo menos para os padrões dos diplomatas), mas ele poderia ser utilmente complementado pela teoria do comércio diplomático estratégico de Paul Krugman.

     Algumas questões de economia diplomática (tratamento sucessivo em capítulos).
1) O Itamaraty dispõe de um “monopólio natural” no terreno da política externa; não tem concorrentes no País, ou muito poucos;
2) Ele tem inegáveis “vantagens comparativas estáticas” para tratar dos assuntos que são os seus, mas outros serviços estão criando vantagens comparativas dinâmicas;
3) Ele apresenta “economias de escala”, que podem ser ainda mais otimizadas com a modernização de seus métodos de trabalho: ele faz bom faz uso de seus recursos escassos?
4) Quais “externalidades” influenciam o trabalho do Itamaraty?
5) Pode-se medir a “produtividade marginal” de um diplomata?
6) Quais seria a relação de “custo-benefício” do diplomata: a estabilidade é um asset ou uma liability?
7) Como poderia ser operado o “controle do fluxo produtivo” e o “ciclo dos produtos” no Itamaraty?; pode-se obter maiores ganhos com uma nova estrutura organizacional e nova apresentação dos produtos?; uma estratégia de marketing é aconselhável?
8) Como colocar em funcionamento a “defesa da concorrência” no Itamaraty?; ele pode operar segundo os princípios da “market contestability”?; havendo maior osmose/abertura em relação à sociedade civil sua relação capital-produto seria melhor?
9) Como apresentar a “contabilidade” do Itamaraty?: nos tempos dos velhos Relatórios do Império isso era mais fácil, agora é difícil obter-se até mesmo um “relatório aos credores”;
10) Crescimento zero da diplomacia?; como enfrentar a obsolecência das técnicas produtivas e a depreciação do capital diplomático?

Respostas tentativas a estas questões (por certo não exaustivas) nos próximos capítulos deste folhetim.

Paulo Roberto de Almeida
Washington, 14/12/2001; Relação de Originais n. 839; Relação de Publicados n. 308.
Espaço Acadêmico (Maringá: UEM, Ano I, nº 8, ISSN: 1519-6186; janeiro de 2002; links: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/35903; pdf para o artigo: http://periodicos.uem.ßbr/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/35903/20992).