O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador ONU. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ONU. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Bertha Lutz e o papel das mulheres na ONU - seminario-debate no IPRI, 20/11, 9:00hs

CONVITE / INVITATION:

"Bertha Lutz and Women's Rights in the UN Charter: How a Brazilian delegate successfully championed gender-equality in the San Francisco Conference"

Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) and its Institute for Research on International Relations (IPRI) are honoured to invite you to the lecture "Bertha Lutz and Women's Rights in the UN Charter: How a Brazilian delegate successfully championed gender-equality in the San Francisco Conference". The presentation by researchers Elise Dietrichson and Fatima Sator, from the University of London, will be followed by comments from Minister Eugenio Garcia, head of the Division of the United Nations, Counsellor Marise Nogueira, head of the Division on Social Issues, and Counsellor Viviane Balbino, head of the Division of Southern Europe and the European Union. The lecture, which will be in English, will be held on 20 November 9h00 at Paulo Nogueira Batista Auditorium, Annex II of the Ministry of Foreign Affairs. Register here.

A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) e seu Instituto de Pesquisa em Relações Internacionais (IPRI) têm a honra de convidar para a palestra "Bertha Lutz e os Direitos das Mulheres na Carta da ONU: Como uma delegada brasileira promoveu com sucesso a igualdade de gênero na Conferência de São Francisco". A apresentação das pesquisadoras Elise Dietrichson e Fatima Sator, da Universidade de Londres, será seguida de comentários do ministro Eugenio Garcia, chefe da Divisão das Nações Unidas, da conselheira Marise Nogueira, chefe da Divisão de Temas Sociais, e da conselheira Viviane Balbino, chefe da Divisão da Europa Meridional e União Europeia. A palestra, em inglês, será realizada em 20 de novembro às 9h00 no auditório Paulo Nogueira Batista, Anexo II do Ministério das Relações Exteriores. 


The idea is to have quick lectures by Elise and Fatima of about 20 minutes each, followed by comments from three Brazilian diplomats: Eugenio Garcia, head of the United Nations Division and historian by training; Marise Nogueira, head of the Division of Social Issues - in charge of women's issues; and Viviane Balbino, head of the Division of Southern Europe and the European Union, who did her Masters' Dissertation about women in the Brazilian diplomatic career. After their interventions, we will open the debate to the floor.

domingo, 29 de novembro de 2015

This Day in History: Palestina Partition, Oswaldo Aranha (NYT)

ON THIS DAY

On Nov. 29, 1947, the U.N. General Assembly passed a resolution calling for Palestine to be partitioned between Arabs and Jews.
Front Page Image

ASSEMBLY VOTES PALESTINE PARTITION; MARGIN IS 33 TO 13; ARABS WALK OUT; ARANHA HAILS WORK AS SESSION ENDS



U.N. REJECTS DELAY
Proposal Driven Through by U.S. and Soviet Will Set Up Two Sates
COMMISSION IS APPOINTED
Britain Holds Out Hand to It - Arabs Fail in Last-Minute Resort to Federal Plan
By THOMAS J. HAMILTON
RELATED HEADLINES Arabs See U.N. 'Murdered,' Disavow Any Partition Role: Angry Delegates Stalk From Assembly Hall Before Formal Closing -- Silver Voices Gratification, Offers Friendship
Peace Gains Noted: Brazilian Says Contacts Inspired No Forecast of Imminent War: Cites Role of Minority: Lie Regrets That Economic Issues Were Sidetracked -- Others Hail Aranha
Zioninst Audience Joyful After Vote: Tears, Excited Laughter Mark Tension -- Aranha Commends Public's Good Behavior
OTHER HEADLINES Schuman Bars Discussion of French Labor Overture; Communist Papers Seized: Premier Adamant: Strikers Must Go Back on Regime's Terms -- Labor Curbs Urged: Assembly Split on Code: 324 Saboteurs Are Arrested -- Paris to Expel Aliens Who Help Ruin Economy
U.S. Troops to Stay in Italy Beyond Dec. 3 Sailing Date: Change in Plans Is Linked to Disturbances Led by Communists -- Milan Is Calm Following Compromise on Prefect
No Parking Area Is Created From City Hall to Canal St.
War Pay Racket Hunted by Truman: Gen. Vaughan Says President Wants Army, Navy, Air House-Cleaning on Disability Cases
Congress Action Lags on Aid Bill Despite Warnings Need Is Urgent
Vast G.I. Housing to Rise Near Site of World's Fair: 21 14-Story Apartment Units to Form Nation's Largest Veterans' Cooperative: Cost Put at $58,000,000: Occupancy on Tenant-Owner Basis -- Work Will Start Before End of Year
Molotov Insists on Regime Before Treaty on Germany
Company Asks Rise in Gas Rate From $1.15 to $2 Sliding Scale
The United Nations General Assembly approved yesterday a proposal to partition Palestine into two states, one Arab and the other Jewish, that are to become fully independent by Oct.1. The vote was 33 to 13 with two abstentions and one delegation, the Siamese, absent.
The decision was primarily a result of the fact that the delegations of the United States and the Soviet Union, which were at loggerheads on every other important issue before the Assembly, stood together on partition. Andrei A. Gromyko and Herschel V. Johnson both urged the Assembly yesterday not to agree to further delay but to vote for partition at once.
The Assembly disregarded last minute Arab efforts to effect a compromise. Although the votes of a dozen or more delegations see-sawed to the last, supporters of partition had two votes more than the required two-thirds majority, or a margin of three.
How Members Voted
The roll-call vote was as follows: For (33) - Australia, Belgium, Bolivia, Brazil, Canada, Costa Rica, Czechoslovakia, Denmark, Dominican Republic, Ecuador, France, Guatemala, Haiti, Iceland, Liberia, Luxembourg, the Netherlands, New Zealand, Nicaragua, Norway, Panama, Paraguay, Peru Philippines, Poland, Sweden, Ukraine, South Africa, Uruguay, the Soviet Union, the United States, Venezuela, White Russia.
Against (13) - Afghanistan, Cuba, Egypt, Greece, India, Iran, Iraq, Lebanon, Pakistan, Saudi Arabia, Syria, Turkey, Yemen.
Abstentions (10) - Argentina, Chile, China, Colombia, El Salvador, Ethiopia, Honduras, Mexico, United Kingdom, Yugoslavia.
Absent (1) - Siam.
All other questions before the Assembly were disposed of a week ago, and it ended its second regular session at 6:57 P.M. after farewell speeches by Dr. Oswaldo Aranha, its President, and Trygve Lie, the Secretary General. The Assembly's third regular session is to open in a European capital on Sept. 21.
The vote on partition was taken at 5:35 P. M. Representatives of Iraq, Saudi Arabia, Syria, and Yemen, four of the six Arab member states, announced that they would not be bound by the Assembly's decision and walked determinedly out of the Assembly Hall at Flushing Meadow. The Egyptian and Lebanese delegates were silent but walked out, too.
Briton Seeks Contact
Sir Alexander Cadogan, representative of Britain, which is to terminate the League of Nations mandate over Palestine and withdraw all British troops by Aug. 1, made a brief statement after the vote. He requested the United Nations Palestine Commission to establish contact with the British Government about the date of its arrival in Palestine and the coordination of its plans with the withdrawal of British troops.
The United Nations commission which will be responsible to the Security Council in the event that the Arabs carry out their threats to fight rather than agree to partition, will be composed of representatives of Bolivia, Czechoslovakia, Denmark, Panama and the Philippines.
This state, which is understood to have the backing of the United States, was proposed by Dr. Aranha and approved without opposition after the Arab delegates had walked out.
The commission, as proposed by the partition subcommittee, of the Assembly's Ad Hoc Committee on Palestine, was to have been composed of Denmark, Guatemala, Iceland, Poland, and Uruguay, but the question was left to the Assembly because of United States opposition.
The Assembly, without discussion, also approved an appropriation of $2,000,000 for the expenses of the commission, which will take over authority in Palestine after the British terminate the mandate and will then transfer it to the "shadow governments" of the two states.
The walkout of the Arab delegates was taken as a clear indication that the Palestinian Arabs would have nothing to do with the Assembly's decision. The British have emphasized repeatedly that British troops could not be used to impose a settlement not acceptable to both Jews and Arabs, and the partition plan does not provide outside military force to keep order.
Instead, it provides for the establishment of armed militia by the two nascent states to keep internal order and that any threats to peace by the neighboring Arab states are to be referred to the Security Council.
The Assembly decided Friday to take a recess of twenty-four hours to give the Arabs time to submit a comprise proposal, but this turned out to be what Mr. Johnson called a mere resurrection of the proposal for a federal Palestine, which had been recommended by a minority of the United Nations Special Committee on Palestine.
The resolution to return the entire question to the Ad Hoc Committee on Palestine, introduced by Mostafa Adl, the representative of Iran, would furthermore have directed the committee to take into account the last-minute Arab proposal.
A simple procedural resolution returning the question to the committee would have had precedence over the partition proposal, but Dr. Aranha, after considerable reflection, ruled that the extraneous provisions barred it from being treated as a procedural motion and that it could not be voted on until after the Assembly's decision on partition.
Vote on Principles Sought
Camille Chamoun, the Lebanese representative, tried to meet Dr. Aranha's ruling by demanding that the committee vote first on the eleven principles on the future government of Palestine, which had been approved unanimously by the Special Committee on Palestine last summer.
Mr. Chamoun remarked that the resolution before the Assembly did not mention these principles, but Dr. Aranha replied that they were covered by the plan substituted by the Palestine committee, to which the Assembly's resolution will give effect, and rejected the final Arab attempt to postpone a decision.
Dr. Alfonso Lopez, the Colombian representative, who on Friday had submitted a complicated proposal that, among other things, would have returned the question to the committee, had arranged with another delegate to make a simple proposal to recommit. However, the delegate, sensing the mood of the Assembly, remained silent and Dr. Aranha called for the decisive vote.
U.S. Efforts Praised
The United States delegation played its part in persuading the delegate in question not to present the motion for recommittal, and supporters of partition agreed that, after long hesitation, it had sincerely done its best to obtain Assembly approval of partition.
It was still difficult to account for the fact that Greece, which otherwise followed United States leadership throughout the long Assembly, voted against partition and that some Latin American countries abstained.
Britain, which brought the Palestine question before the Assembly last March, abstained on all votes in the Palestine committee and in poling on the issue in the Assembly.
It was expected that had the Assembly failed to reach a decision the United States would have asked Britain to stay on in Palestine. Sir Alexander's statement after the decision was taken was welcomed as being more cooperative than previous ones. It was generally expected that the United States and Britain would now agree on a working arrangement to facilitate the commission's work.
The Arab delegates, particularly after the vote, referred bitterly to the "heavy pressure" exerted on other delegations. Other delegates interpreted these complaints as attacks on the United States.
The Syrian representatives led this attack. Faris el-Khoury, in a statement before the vote, charged that the proportion of Jews to the rest of the population in the United States was 1 to 30. Jews were trying to "intimidate the United Nations ... and hiss the speakers here," which, he said was "proof that they are dominating here."
This assertion drew hisses from the gallery, and Dr. Aranha pounded his gavel for order.
A few minutes before the Assembly convened Arab spokesmen announced that they had drawn up a new six-point program in twenty-four hours of conferences. The program involved this formula:
(1) A federal independent state of Palestine shall be created not later than Aug. 1, 1949.
(2) The Government of Palestine shall be constituted on a federal basis and shall include a federal government and governments for Arab and Jewish countries.
(3) Boundaries of the cantons will be fixed so as to include a federal basis and shall include a federal government and governments for Arab and Jewish countries.
(4) The population of Palestine shall elect by universal, direct suffrage a Constituent Assembly, which shall draft the Constitution of the future federated state of Palestine. The Constituent Assembly shall be composed of all elements of the population in proportion to the number of their respective citizens.
(5) The Constituent Assembly, in defining the attributes of the federated government of Palestine as well as of its legislative and judiciary organs and the attributes of the governments of the cantons and of the relation of the governments of these cantons with the federal government, shall draw its inspiration chiefly from the principles of the Constitution of the United States as well as from the organization of laws in the states of the United States.
(6) The Constitution will provide, among other things, for protection of the holy places, liberty of access to visit the holy places and freedom of religion as well as safeguarding of the rights of religious establishments of all nationalities in Palestine. >

domingo, 25 de outubro de 2015

A ONU nas paginas da RBPI - Antonio Carlos Lessa


A ONU nas páginas da RBPI, por Antônio Carlos Lessa

ONU70_2
 
 
 
 
 
 
Rate This


O debate sobre a vitalidade ou o esgotamento da Organização das Nações Unidas certamente mal se iniciou. Porquanto se trate de referência fundamentalmente importante da política internacional desde as suas origens,  as avaliações mais amplas sobre os desafios da ordem internacional contemporânea publicadas na forma de artigos e livros  dedicam pelo menos parágrafos e seções ao papel da Organização em cada momento da vida internacional dos últimos 70 anos.
A Revista Brasileira de Política Internacional tem repercutido, desde as suas origens, o papel central da ONU na política internacional. Eu selecionei alguns dos artigos mais recentes sobre a Organização, em um levantamento que está longe de ser exaustivo. A escolha desses trabalhos foi feita nas edições publicadas desde 1998, e disponíveis na página da RBPI no Scielo.
É claro que é possível recuar bastante mais, lá para 1958, quando a RBPI foi fundada, e a ONU era ainda uma jovem instituição, para saber mais sobre o que foi publicado nas nossas páginas sobre esse tema fascinante. A coleção completa da RBPI, digitalizada desde 1958, se acessaaqui.
Abaixo, a seleção para a ONU aos 70:
  1. GARCIA, Eugênio V.. De como o Brasil quase se tornou membro permanente do Conselho de Segurança da ONU em 1945. Rev. bras. polít. int. [online]. 2011, vol.54, n.1 [cited  2015-10-24], pp. 159-177 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292011000100010&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 0034-7329.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292011000100010.
  2. ARRAES, Virgílio Caixeta. O Brasil e o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas: dos anos 90 a 2002. Rev. bras. polít. int. [online]. 2005, vol.48, n.2 [cited  2015-10-24], pp. 152-168 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292005000200008&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292005000200008.
  3. SILVA, Alexandra de Mello e. Idéias e política externa: a atuação brasileira na Liga das Nações e na ONU. Rev. bras. polít. int. [online]. 1998, vol.41, n.2 [cited  2015-10-24], pp. 139-158 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291998000200008&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73291998000200008.
  4. CAVALCANTE, Fernando. Rendering peacekeeping instrumental? The Brazilian approach to United Nations peacekeeping during the Lula da Silva years (2003-2010).Rev. bras. polít. int. [online]. 2010, vol.53, n.2 [cited  2015-10-24], pp. 142-159 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292010000200008&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 0034-7329.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292010000200008.
  5. PENNA FILHO, Pio. Segurança seletiva no pós-Guerra Fria: uma análise da política e dos instrumentos de segurança das Nações Unidas para os países periféricos – o caso africano. Rev. bras. polít. int. [online]. 2004, vol.47, n.1 [cited  2015-10-24], pp. 31-50 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292004000100003&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292004000100003.
  6. COSTA, Eugenio Pacelli Lazzarotti Diniz  and  BACCARINI, Mariana. UN Security Council decision-making: testing the bribery hypothesis. Rev. bras. polít. int. [online]. 2014, vol.57, n.2 [cited  2015-10-24], pp. 29-57 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292014000200029&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/0034-7329201400303.
  7. BARROS PLATIAU, Ana Flávia Granja e  and  VIEIRA, Priscilla Brito Silva. A legalidade da intervenção preventiva e a Carta das Nações Unidas. Rev. bras. polít. int. [online]. 2006, vol.49, n.1 [cited  2015-10-24], pp. 179-193 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292006000100010&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292006000100010.
  8. BLANCO, Ramon. The UN peacebuilding process: an analysis of its shortcomings in Timor-Leste. Rev. bras. polít. int. [online]. 2015, vol.58, n.1 [cited  2015-10-24], pp. 42-62 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292015000100042&lng=en&nrm=iso&gt;. ISSN 1983-3121.  http://dx.doi.org/10.1590/0034-7329201500103.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Neste dia em 1946; primeira Assembleia da ONU abre em Londres (NYT)


Interessante esta passagem, assinada por James Reston, um dos grandes jornalistas de assuntos internacionais do NYT durante décadas: 

Incidentally, the role of France today was more obscure. Overrun in this war, she was allowed to sit in on the major powers over the elections of the officers, but her role was definitely secondary.

No ano seguinte, a AGNU se reuniria em Flushing Meadows, em Nova York, quando Oswaldo Aranha seria eleito presidente da Assembleia, e presidiria a sessão que votaria a partilha da Palestina desocupada pelos britânicos

Paulo Roberto de Almeida 

 On This Day: January 10, 1946


Updated January 10, 2014, 1:28 pm

On Jan. 10, 1946, the first General Assembly of the United Nations convened in London. 
Front Page Image

UNO Opened; Attlee Asks World Unity



SPAAK IS ELECTED

Belgian Is President Of The General Assembly After Floor Fight

SOVIET LEADS OPPOSITION

U.S. Votes on Russian Side for Norwegian -- Session Contrasts With League Meeting in 1920

By James B. Reston
By Cable to The New York Times

RELATED HEADLINES Delegates Welcome Copies Of The Times
OTHER HEADLINES 17.5% GM Pay Rise Urged By Board; Phone Tie-Up Off Until Monday; Steel And Union: Report To Truman: UAW To Consider Report During Week-End In Detroit: Picketing Delayed: Appeal To Strikers By Union Leaders: Averting Of Steel Strike Expected To Parley Here
Senators To Inquire Into All Phases Of Demobilization Of Armed Forces
Wire Strike Stops Messages To GI's
Government To Use Aluminum Patents
Chiang Proclaims Truce And Reform As Council Begins: Marshall Ends Deadlock With Early Meeting, Sends Word to Delegates' Session: Troop Movement Frozen: Civil Liberties, End of Police Abuses, Amnesty, New Voting Basis Promised China
Press Still Beset In 'Free' Rumania: Russian and Union Censors Bar Liberal Chief's Effort to Use Grant Given by Moscow
Japanese Cabinet Has Resigned; Interest Of Emperor Is Indicated
London, Jan. 10 -- The fifty-one nations of the greatest war-time coalition in history, representing four-fifths of the people in the world, started today another chapter in man's melancholy search for peace and security.
One hundred and forty-seven days after the close of the war that cost more than 20,000,000 casualties and left countless millions homeless, and on the twenty-sixth anniversary of the ratification of the ill-fated League of Nations Covenant, the nations met this afternoon in the blue and gold auditorium of the Central Hall of Westminster for the first meeting of the United Nations General Assembly.
Greeting them on behalf of Britain, which served as the spring-board for the final conquest of Germany, Prime Minister Attlee told them frankly that they would succeed in their new venture only if they brought "the same sense of urgency, the same self-sacrifice and the same willingness to subordinate sectional interests" with which they fought the war.
Spaak Elected President
Then, with a little less dignity than marks the balloting at a political convention at home, they proceeded to elect Paul-Henri Spaak, Belgian Foreign Minister, as President of the first General Assembly, despite a determined effort by the Soviet Union to replace him with the Norwegian Foreign Minister, Trygve Lie.
This election produced the only extraordinary incident of the day. When Dr. Eduardo Zuleta Angel of Columbia, chairman of the UNO Preparatory Commission and temporary president of the General Assembly, announced the balloting for the Presidency; the deputy chairman of the Soviet delegation, Andrei Gromyko, Russia Ambassador to Washington, asked to be recognized and strode to the microphone on the improvised modernistic blue and gold stage.
It was known at this point that the candidacy of Mr. Spaak would win, but Mr. Gromyko assured that he was supported by the United States, told the General Assembly that his delegation attached great importance to the election and favored the Norwegian Foreign Minister because of his personal capacities and the active movements of his country in the war.
Pole and Ukrainian Back Lie
As soon as Mr. Gromyko had left the rostrum, Foreign Minister Wincenty Rzymowski of Poland asked to be recognized and he then seconded the Russian nomination. When he had finished, D.Z. Manuilsky, the Ukrainian People's Commissar for Foreign Affairs, striking, white-maned figure with a booming voice, moved that Dr. Lie be elected by acclamation despite the fact that the rules of the Assembly call for elections by secret ballot.
After another short speech for Dr. Lie by Gustav Rasmussen, Danish Foreign Minister, the temporary-president called for a vote on whether to decide the issue by secret ballot, but immediately Mr. Gromyko rose again and asked for a vote on the motion to elect Dr. Lie by acclamation.
Some confusion attended those motions during which Mr. Manuilsky voted both for the secret ballot and for the election of Dr. Lie by acclamation, but finally fifteen delegations voted for a secret ballot and only nine voted in favor of putting Dr. Lie in by acclaim. The United States abstained on both those votes.
In the second balloting that followed, although M. Spaak had never been formally nominated on the floor, he received twenty-eight votes to twenty-three for Dr. Lie, the United States voting with the Russians for the Norwegian.
Thus the Assembly started with a show of strength by the Soviet Union, which is known to oppose Mr. Spaak because of his close friendship with Britain and his adherence to closer political ties among the Western European democracies- a movement that the Soviet Union has deprecated.
In reviewing this incident afterward some delegates showed interest in the silence of the United States. In the private preliminary discussions that preceded the session the United States had strongly supported Dr. Lie, but when delegates of the Soviet Union and her neighbors demonstrated for the Norwegian, Mr. Byrnes remained in his seat.
The incident, nevertheless, served to emphasize the great contrast between the opening of this General Assembly and the first meeting of the League of Nations General Assembly in Geneva in November, 1920.
Twenty-five years ago, in a peaceful neutral country, untouched by war, the theme was one of confidence in the power of moral force, and the only note of concern was over the absence of the United States and Russia.
In that opening speech twenty-five years ago, Giuseppe Motta, speaking for Switzerland, was certain that the idea of country and the idea of humanity could be fused; that the United States would join the League; and that Russia, "cured of her madness and delivered of her misery," as he said, would come back to the fold.
There were other striking contrasts that indicated the changes of history and illustrated the form and structure of the new security organization. Twenty-five years ago Italy, Japan and Rumania were present because they guessed right about the outcome of the first German war, but today they were absent because they guessed wrong about the second German war.
Two Nations Watched
Today in this grim capital, bleak and scarred by the explosions of German aerial intruders, it was two young and powerful nations, the United States and the Soviet Union, that held the stage, one by its speech and the other by its silence.
Then, too late, the neutrals, Sweden and Portugal, were present because the League of Nations accepted the right of nations to remain neutral in war, but today they were absent because they were not invited and because they are not prepared to abandon their neutrality whenever the Security Council votes the UNO powers into action against an aggressor.
There were a few familiar Geneva faces in the Central Hall today- Viscount Cecil of Chelwood, who played so important a part in the drafting of the League Covenant, and Dr. V. K. Wellington Koo, Chinese Ambassador to London, who was the only delegate in the hall who played an important role in that first General Assembly meeting in Geneva.
But the differences were vastly greater than the similarities. The leading place on today's program was reserved for a Socialist Prime Minister of Britain- symbolical not only of the rise of the Socialists in Britain but of the swing to the left in many parts of the Allied world.
Incidentally, the role of France today was more obscure. Overrun in this war, she was allowed to sit in on the major powers over the elections of the officers, but her role was definitely secondary.
Even the speeches today were different in tone and structure. The League opened with much talk about governments and the morals of disarmament of the sense of right and the virtue of pity. But today the British Prime Minister talked of the economic causes of war and he did not mention disarmament.
Tomorrow and Saturday the Assembly will get down to routine the work of electing chairmen of the six main Assembly committees, two vice presidents, the non-permanent members of the Security Council and thirteen of the eighteen members of the Economic and Social Council.
The election for the important post of secretary general will not take place until later. The Soviet Union favors Stanoje Simitch, Yugoslav Ambassador in Washington, for this post, but while some of the British Conservatives are beginning to talk about Anthony Eden and even Winston Churchill for the job, the trend still favors the election of Lester Pearson, Canadian Ambassador in Washington.
The Soviet Embassy said tonight that Andrei Y. Vishinsky, leader of the Russian delegation to the UNO Assembly, probably would remain in Sofia, Bulgaria, for two days and that it had no definite information as to when he would arrive in London. While he is absent from the sessions, Mr. Gromyko, the Russian's UNO expert with experience at Dumbarton Oaks, San Francisco and the executive committee and Preparatory Commission conferences here, is head of the Soviet Delegation.
With Foreign Commissar Molotoff absent, other delegates have made no secret of the fact that they would be encouraged by Mr. Vishinsky's presence.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

ONU condena fundos abutre: oh, que tragedia!; os especuladores vao arrancar os cabelos...

Esse pessoal, inclusive o Brasil, não percebe que os abutres, como os abutres do mundo real, cumprem uma função útil num campo cheio de carniça, como são os processos de endividamento excessivo de governos irresponsáveis: eles obrigam os governos a se conterem, e a não comprometer o futuro de seus cidadãos com endividamento exagerado e depois calote, num ciclo infernal.
Todos os abutres, e os especuladores, desempenham um papel positivo, no sentido de conter as políticas erradas dos governos. Se especuladores pudessem especular com contas equilibradas, câmbio formado pelo mercado (e não como resultado da manipulação dos governos) e situações monetárias conformes à realidade das forças econômicas, não distorcidas pelos governos.
Abutres cumprem um papel profilático na natureza; o mesmo acontece com os dos mercados financeiros. Eles limpam os campos de governos apodrecidos, como era a Argentina, aliás...
Paulo Roberto de Almeida

 ONU adota resolução que condena fundos abutres
Agência Brasil, 29/09/2014

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU)  adotou hoje (26), em Genebra, uma resolução que condena os chamados fundos abutres - como são chamados os fundos especulativos que compraram títulos da Argentina. O texto aprovado por 33 votos a favor, 5 contra (incluindo o voto dos Estados Unidos) e 9 abstenções.
O texto "condena as atividades dos fundos abutres pelos efeitos negativos diretos que exercem sobre a capacidade dos governos de cumprir suas obrigações em matéria de direitos humanos - sobretudo os direitos econômicos, sociais e culturais e o direito ao desenvolvimento - e o pagamento da dívida a esses fundos em condições predatórias".
O chanceler argentino, Héctor Timerman, disse, em coletiva de imprensa, que "a Argentina está muito orgulhosa de ter conseguido uma extraordinária vitória a favor dos direitos humanos". Ele acrescentou que os fundos abutres não vão parar até que sejam impedidos de continuar. "Os bilhões que os fundos abutres levam do Sul, traduzem-se em fechamento de escolas, em hospitais sem medicamentos, em famílias revirando o lixo para comer", acrescentou.
Brasil, Chile, Cuba, Rússia, Venezuela, Peru, Uruguai, Paraguai, El Salvador e Bolívia acompanharam a Argentina na apresentação da resolução. Os Estados Unidos justificaram o voto negativo com o argumento de que a discussão deveria ser técnica. "Se  esse debate não for feito adequadamente, isso pode criar incertezas e elevar o custos dos empréstimos, levando inclusive ao corte de financiamento aos países em desenvolvimento".
A resolução também convoca os países a "participar nas negociações encaminhadas para estabelecer um marco jurídico multilateral para os processos de reestruturação da dívida soberana", previstas na Resolução 68/304 da Assembléia Geral da ONU.
A resolução, proposta por Argentina e G77+China, foi adotada pela Assembléia Geral da ONU no dia 9 de setembro com o objetivo de "elaborar e adotar, por meio de um processo de negociações intergovernamentais, um marco legal multilateral que permita reestruturações da dívida soberana". Segundo o texto, o marco legal será votado antes do fim do ano.
Buenos Aires mantém uma disputa legal com fundos especulativos, que classifica de "abutres", porque compraram os títulos da dívida desde 2001 e agora exigem 100% de seu valor, apesar de 93% dos credores da dívida argentina terem aderido à renegociação.
Os fundos conseguiram nos tribunais dos Estados Unidos o bloqueio dos pagamentos de 93% dos credores que aderiram à reestruturação em 2005 e 2010, o que levou a Argentina à moratória parcial em junho.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Diplomacia companheira: um inedito na historia do Brasil - Reinaldo Azevedo

Dilma na ONU: nada comparável desde o sapato de Krushev. Ou: A estupidez como categoria de pensamento
Por Reinaldo Azevedo, 24/09/2014

A presidente Dilma Rousseff certamente considerou que o ridículo a que submeteu nesta terça o país não era o suficiente. Resolveu então dobrar a dose. Como sabem, a nossa governanta censurou ontem, em entrevista à imprensa, os EUA e países aliados pelos ataques às bases terroristas do Estado Islâmico.
Dilma, este gênio da raça, pediu diálogo. Dilma, este portento da política externa, quer conversar com quem estupra, degola, crucifica, massacra. Dilma, este novo umbral das relações internacionais, defende que representantes da ONU se sentem à mesa com mascarados armados com fuzis e lâminas afiadas. Nunca fomos submetidos a um vexame desses. Nunca!
Nesta quarta, no discurso que abre a Assembleia Geral das Nações Unidas, uma tradição inaugurada em 1947 por Oswaldo Aranha, Dilma insistiu nesse ponto, para espanto dos presentes. Os que a ouviam certamente se perguntavam: “Quem é essa que vem pregar o entendimento e o diálogo com facinorosos que só reconhecem a língua da morte e da eliminação do outro?”.
Houvesse uma lei que proibisse o uso de aparelhos públicos internacionais para fazer campanha eleitoral, Dilma teria, agora, de ser punida. Sua fala na ONU foi a de uma candidata — mas candidata a quê, santo Deus? A presidente do Brasil desfiou elogios em boca própria, exaltando, acreditem, suas conquistas na economia, no combate à corrupção e na solidez fiscal — tudo aquilo, em suma, que a realidade interna insiste em desmentir.
Não falava para os que a ouviam; falava para a equipe do marqueteiro João Santana, que agora vai editar o seu pronunciamento de sorte a fazer com que os brasucas creiam que o mundo inteiro se quedou paralisado diante de tal portento, diante daquele impávido colosso que insistia em dar ao mundo uma aula de boa governança. Justo ela, que preside o país que tem a pior relação crescimento-inflação-juros entre as dez maiores economias do mundo.
De tal sorte fazia um pronunciamento de caráter eleitoral e eleitoreiro que, numa peroração em que misturou dados da economia nativa com um suposto novo ordenamento das relações internacionais, sobrou tempo para tentar faturar com o casamento gay. Afirmou: “A Suprema Corte do meu país reconheceu a união estável entre pessoas do mesmo sexo, assegurando-lhes todos os direitos civis daí decorrentes”. É claro que queria dar uma cutucadinha em Marina Silva, candidata do PSB à Presidência, que o sindicalismo gay petista tentou transformar em homofóbica numa das vertentes sujas da campanha.
Sem ter mais o que pregar aos nativos; temerosa de que o eleitorado cobre nas urnas os muitos insucessos de sua gestão; sabedora de que boa parte da elite política que a cerca pode ser engolfada por duas delações premiadas — a de Paulo Roberto Costa e da Alberto Youssef —, Dilma elegeu a sede da ONU como um palanque.
Na tribuna, bateu no peito e elogiou as próprias e supostas grandezas, como fazem os inseguros e os mesquinhos. No discurso que abre a Assembleia Geral das Nações Unidas, tratou de uma pauta bisonhamente doméstica — e, ainda assim, massacrando os números. Quando lhe coube, então, cuidar da ordem internacional, pediu, na prática, que terroristas sejam considerados atores respeitáveis.
Desde 12 de outubro de 1960, quando o líder soviético Nikita Krushev bateu com o próprio sapato na mesa em que estava sentado — e não na tribuna, como se noticia às vezes — para se fazer ouvir, a ONU não presencia cena tão patética. Nesta quarta, Dilma submeteu o Brasil a um ridículo inédito.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Conselho de Direitos Humanos da ONU: membros estupendos...

Acabo de ser informado por uma dessas chamadas do New York Times:

World Briefing | United Nations
By RICK GLADSTONE

The United Nations General Assembly elected China, Russia, Saudi Arabia, Vietnam, Cuba and nine others to fill seats on the Human Rights Council.

Realmente, se eu não lesse não acreditaria, mas enfim, isso ocorre o tempo todo, em todos os foros, mas fica particularmente bizarro numa coisa que se chama Conselho de Direitos Humanos.
A Humanidade, com H maiúsculo ou ,minúsculo?, parece rir de si própria.
Ou seria para chorar?
Quando pensamos que já vimos tudo, ainda não vimos nada.
Certa diplomacia votou entusiasmada pelos novos membros, companheiros plenos, estratégicos, amigos do peito.

Um leitor do NYTimes já reclamou:

LETTER
U.N. Rights Hypocrisy
The New York Times, November 13, 2013

To the Editor:
Re “New Rights Council Members Elected” (World Briefing, Nov. 13):
The fact that the United Nations General Assembly elected China, Russia, Saudi Arabia and Cuba — among others — for three-year terms on the Human Rights Council is too ironic to be believable.
These new members have refused to allow the council’s investigators to examine abuse complaints in their own countries, yet they have been elected to a council that investigates such records of members of the United Nations. What is the message?

MARY SCHWARZ
Long Beach, N.Y., Nov. 13, 2013

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Jose Mujica na ONU: um duscurso economicamente ingenuo, mas sincero

Comentário inicial de Mauricio David:

O discurso do presidente do Uruguai, José (Pepe) Mujica na Assembléia da ONU: “Sim, é possível uma humanidade melhor” - deixa os brasileiros morrendo de inveja...
José Mujica é um presidente sui-generis na nossa América Latina, quiçá no mundo. Homem modesto, preferiu deixar de viver no Palácio Presidencial, em Montevidéu, para continuar a viver em sua pequena e modesta chácara nas cercanias de Montevidéu, junto da sua companheira de décadas, atualmente Senadora da República.  Guarda presidencial ? Dois ou três policiais apenas... Enquanto isto, no Brasil... Os presidentes circulam com um imenso séquito de carros de segurança, carro de bombeiros, ambulância, helicópteros sobrevoando o cortejo... Quando eu trabalhava no BNDES, vi diversas vezes a chegada destes cortejos quando o Lula ou a Dilma vinham a alguma cerimônia no Banco. Parecia o Palácio de Buckinghan circulando sobre rodas...E até o Vice José Alencar ( embora apenas Vice...) circulava com um cortejo assim... Que desperdício de recursos públicos, quanta ostentação...
Enquanto o presidente Mujica abandona os palácios e vai viver em sua modesta casa de campo, aqui no Brasil a nossa Presidenta convida uma tia para viver no Alvorada... A nossas custas...Sem contar a sua filha Paula que pega uma carona em suas viagens presidenciais, especialmente quando são para Roma, Nova York e outros lugares interessantes... Quem fica tomando conta do pequeno Gabriel ? Certamente não o avô Carlos Araújo...
Depois do vexaminoso discurso da Dilma na Assembléia Geral da ONU, lendo com gestos de atriz de teatro mambembe um discurso mal alinhavado, que inveja nos dá poder ler o belo discurso do Pepe Mujica na mesma reunião... Ter um bom Presidente faz toda a diferença...
Transcrição do discurso do presidente Pepe Mujica na ONU :

Amigos, sou do sul, venho do sul. Esquina do Atlântico e do Prata, meu país é uma planície suave, temperada, uma história de portos, couros, charque, lãs e carne. Houve décadas púrpuras, de lanças e cavalos, até que, por fim, no arrancar do século 20, passou a ser vanguarda no social, no Estado, no Ensino. Diria que a social-democracia foi inventada no Uruguai.
Durante quase 50 anos, o mundo nos viu como uma espécie de Suíça. Na realidade, na economia, fomos bastardos do império britânico e, quando ele sucumbiu, vivemos o amargo mel do fim de intercâmbios funestos, e ficamos estancados, sentindo falta do passado.
Quase 50 anos recordando o Maracanã, nossa façanha esportiva. Hoje, ressurgimos no mundo globalizado, talvez aprendendo de nossa dor. Minha história pessoal, a de um rapaz — por que, uma vez, fui um rapaz — que, como outros, quis mudar seu tempo, seu mundo, o sonho de uma sociedade libertária e sem classes. Meus erros são, em parte, filhos de meu tempo. Obviamente, os assumo, mas há vezes que medito com nostalgia.
Quem tivera a força de quando éramos capazes de abrigar tanta utopia! No entanto, não olho para trás, porque o hoje real nasceu das cinzas férteis do ontem. Pelo contrário, não vivo para cobrar contas ou para reverberar memórias.
Me angustia, e como, o amanhã que não verei, e pelo qual me comprometo. Sim, é possível um mundo com uma humanidade melhor, mas talvez, hoje, a primeira tarefa seja cuidar da vida.
Mas sou do sul e venho do sul, a esta Assembleia, carrego inequivocamente os milhões de compatriotas pobres, nas cidades, nos desertos, nas selvas, nos pampas, nas depressões da América Latina pátria de todos que está se formando.
Carrego as culturas originais esmagadas, com os restos de colonialismo nas Malvinas, com bloqueios inúteis a este jacaré sob o sol do Caribe que se chama Cuba. Carrego as consequências da vigilância eletrônica, que não faz outra coisa que não despertar desconfiança. Desconfiança que nos envenena inutilmente. Carrego uma gigantesca dívida social, com a necessidade de defender a Amazônia, os mares, nossos grandes rios na América.
Carrego o dever de lutar por pátria para todos.
Para que a Colômbia possa encontrar o caminho da paz, e carrego o dever de lutar por tolerância, a tolerância é necessária para com aqueles que são diferentes, e com os que temos diferências e discrepâncias. Não se precisa de tolerância com aqueles com quem estamos de acordo.
A tolerância é o fundamento de poder conviver em paz, e entendendo que, no mundo, somos diferentes.
O combate à economia suja, ao narcotráfico, ao roubo, à fraude e à corrupção, pragas contemporâneas, procriadas por esse antivalor, esse que sustenta que somos felizes se enriquecemos, seja como seja. Sacrificamos os velhos deuses imateriais. Ocupamos o templo com o deus mercado, que nos organiza a economia, a política, os hábitos, a vida e até nos financia em parcelas e cartões a aparência de felicidade.
Parece que nascemos apenas para consumir e consumir e, quando não podemos, nos enchemos de frustração, pobreza e até autoexclusão.
O certo, hoje, é que, para gastar e enterrar os detritos nisso que se chama pela ciência de poeira de carbono, se aspirarmos nesta humanidade a consumir como um americano médio, seriam imprescindíveis três planetas para poder viver.
Nossa civilização montou um desafio mentiroso e, assim como vamos, não é possível satisfazer esse sentido de esbanjamento que se deu à vida. Isso se massifica como uma cultura de nossa época, sempre dirigida pela acumulação e pelo mercado.
Prometemos uma vida de esbanjamento, e, no fundo, constitui uma conta regressiva contra a natureza, contra a humanidade no futuro. Civilização contra a simplicidade, contra a sobriedade, contra todos os ciclos naturais.
O pior: civilização contra a liberdade que supõe ter tempo para viver as relações humanas, as únicas que transcendem: o amor, a amizade, aventura, solidariedade, família.
Civilização contra tempo livre que não é pago, que não se pode comprar, e que nos permite contemplar e esquadrinhar o cenário da natureza.
Arrasamos a selva, as selvas verdadeiras, e implantamos selvas anônimas de cimento. Enfrentamos o sedentarismo com esteiras, a insônia com comprimidos, a solidão com eletrônicos, porque somos felizes longe da convivência humana.
Cabe se fazer esta pergunta, ouvimos da biologia que defende a vida pela vida, como causa superior, e a suplantamos com o consumismo funcional à acumulação.
A política, eterna mãe do acontecer humano, ficou limitada à economia e ao mercado. De salto em salto, a política não pode mais que se perpetuar, e, como tal, delegou o poder, e se entretém, aturdida, lutando pelo governo. Debochada marcha de historieta humana, comprando e vendendo tudo, e inovando para poder negociar de alguma forma o que é inegociável. Há marketing para tudo, para os cemitérios, os serviços fúnebres, as maternidades, para pais, para mães, passando pelas secretárias, pelos automóveis e pelas férias. Tudo, tudo é negócio.
Todavia, as campanhas de marketing caem deliberadamente sobre as crianças, e sua psicologia para influir sobre os adultos e ter, assim, um território assegurado no futuro. Sobram provas de essas tecnologias bastante abomináveis que, por vezes, conduzem a frustrações e mais.
O homenzinho médio de nossas grandes cidades perambula entre os bancos e o tédio rotineiro dos escritórios, às vezes temperados com ar condicionado. Sempre sonha com as férias e com a liberdade, sempre sonha com pagar as contas, até que, um dia, o coração para, e adeus. Haverá outro soldado abocanhado pelas presas do mercado, assegurando a acumulação. A crise é a impotência, a impotência da política, incapaz de entender que a humanidade não escapa nem escapará do sentimento de nação. Sentimento que está quase incrustado em nosso código genético.
Hoje é tempo de começar a talhar para preparar um mundo sem fronteiras. A economia globalizada não tem mais condução que o interesse privado, de muitos poucos, e cada Estado Nacional mira sua estabilidade continuísta, e hoje a grande tarefa para nossos povos, em minha humilde visão, é o todo.
Como se isto fosse pouco, o capitalismo produtivo, francamente produtivo, está meio prisioneiro na caixa dos grandes bancos. No fundo, são o vértice do poder mundial. Mais claro, cremos que o mundo requer a gritos regras globais que respeitem os avanços da ciência, que abunda. Mas não é a ciência que governa o mundo. Se precisa, por exemplo, uma larga agenda de definições, quantas horas de trabalho e toda a terra, como convergem as moedas, como se financia a luta global pela água e contra os desertos.
Como se recicla e se pressiona contra o aquecimento global. Quais são os limites de cada grande questão humana. Seria imperioso conseguir consenso planetário para desatar a solidariedade com os mais oprimidos, castigar impositivamente o esbanjamento e a especulação. Mobilizar as grandes economias não para criar descartáveis com obsolescência calculada, mas bens úteis, sem fidelidade, para ajudar a levantar os pobres do mundo. Bens úteis contra a pobreza mundial. Mil vezes mais rentável que fazer guerras. Virar um neo-keynesianismo útil, de escala planetária, para abolir as vergonhas mais flagrantes deste mundo.
Talvez nosso mundo necessite menos de organismos mundiais, desses que organizam fórums e conferências, que servem muito às cadeias hoteleiras e às companhias aéreas e, no melhor dos casos, não reúne ninguém e transforma em decisões…
Precisamos sim mascar muito o velho e o eterno da vida humana junto da ciência, essa ciência que se empenha pela humanidade não para enriquecer; com eles, com os homens de ciência da mão, primeiros conselheiros da humanidade, estabelecer acordos para o mundo inteiro. Nem os Estados nacionais grandes, nem as transnacionais e muito menos o sistema financeiro deveriam governar o mundo humano. Sim, a alta política entrelaçada com a sabedoria científica, ali está a fonte. Essa ciência que não apetece o lucro, mas que mira o por vir e nos diz coisas que não escutamos. Quantos anos faz que nos disseram coisas que não entendemos? Creio que se deve convocar a inteligência ao comando da nave acima da terra, coisas assim e coisas que não posso desenvolver nos parecem impossíveis, mas requeririam que o determinante fosse a vida, não a acumulação.
Obviamente, não somos tão iludidos, nada disso acontecerá, nem coisas parecidas. Nos restam muitos sacrifícios inúteis daqui para diante, muitos remendos de consciência sem enfrentar as causas. Hoje, o mundo é incapaz de criar regras planetárias para a globalização e isso é pela enfraquecimento da alta política, isso que se ocupa de todo. Por último, vamos assistir ao refúgio de acordos mais ou menos “reclamáveis”, que vão plantear um comércio interno livre, mas que, no fundo, terminarão construindo parapeitos protecionistas, supranacionais em algumas regiões do planeta. A sua vez, crescerão ramos industriais importantes e serviços, todos dedicados a salvar e a melhorar o meio ambiente. Assim vamos nos consolar por um tempo, estaremos entretidos e, naturalmente, continuará a parecer que a acumulação é boa, para a alegria do sistema financeiro.
Continuarão as guerras e, portanto, os fanatismos, até que, talvez, a mesma natureza faça um chamado à ordem e torne inviáveis nossas civilizações. Talvez nossa visão seja demasiado crua, sem piedade, e vemos ao homem como uma criatura única, a única que há acima da terra capaz de ir contra sua própria espécie. Volto a repetir, porque alguns chamam a crise ecológica do planeta de consequência do triunfo avassalador da ambição humana. Esse é nosso triunfo e também nossa derrota, porque temos impotência política de nos enquadrarmos em uma nova época. E temos contribuído para sua construção sem nos dar conta.
Por que digo isto? São dados, nada mais. O certo é que a população quadruplicou e o PIB cresceu pelo menos vinte vezes no último século. Desde 1990, aproximadamente a cada seis anos o comércio mundial duplica. Poderíamos seguir anotando dados que estabelecem a marcha da globalização. O que está acontecendo conosco? Entramos em outra época aceleradamente, mas com políticos, enfeites culturais, partidos e jovens, todos velhos ante a pavorosa acumulação de mudanças que nem sequer podemos registrar. Não podemos manejar a globalização porque nosso pensamento não é global. Não sabemos se é uma limitação cultural ou se estamos chegano a nossos limites biológicos.
Nossa época é portentosamente revolucionária como não conheceu a história da humanidade. Mas não tem condução consciente, ou ao menos condução simplesmente instintiva. Muito menos, todavia, condução política organizada, porque nem se quer tivemos filosofia precursora ante a velocidade das mudanças que se acumularam.
A cobiça, tão negatica e tão motor da história, essa que impulsionou o progresso material técnico e científico, que fez o que é nossa época e nosso tempo e um fenomenal avanço em muitas frentes, paradoxalmente, essa mesma ferramenta, a cobiça que nos impulsionou a domesticar a ciência e transformá-la em tecnologia nos precipita a um abismo nebuloso. A uma história que não conhecemos, a uma época sem história, e estamos ficando sem olhos nem inteligência coletiva para seguir colonizando e para continuar nos transformando.
Porque se há uma característica deste bichinho humano é a de que é um conquistador antropológico.
Parece que as coisas tomam autonomia e essas coisas subjugam os homens. De um lado a outro, sobram ativos para vislumbrar tudo isso e para vislumbrar o rombo. Mas é impossível para nós coletivizar decisões globais por esse todo. A cobiça individual triunfou grandemente sobre a cobiça superior da espécie. Aclaremos: o que é “tudo”, essa palavra simples, menos opinável e mais evidente? Em nosso Ocidente, particularmente, porque daqui viemos, embora tenhamos vindo do sul, as repúblicas que nasceram para afirmas que os homens são iguais, que ninguém é mais que ninguém, que os governos deveriam representar o bem comum, a justiça e a igualdade. Muitas vezes, as repúblicas se deformam e caem no esquecimento da gente que anda pelas ruas, do povo comum.
Não foram as repúblicas criadas para vegetar, mas ao contrário, para serem um grito na história, para fazer funcionais as vidas dos próprios povos e, por tanto, as repúblicas que devem às maiorias e devem lutar pela promoção das maiorias.
Seja o que for, por reminiscências feudais que estão em nossa cultura, por classismo dominador, talvez pela cultura consumista que rodeia a todos, as repúblicas frequentemente em suas direções adotam um viver diário que exclui, que se distância do homem da rua.
Esse homem da rua deveria ser a causa central da luta política na vida das repúblicas. Os gobernos republicanos deveriam se parecer cada vez mais com seus respectivos povos na forma de viver e na forma de se comprometer com a vida.
A verdade é que cultivamos arcaísmos feudais, cortesias consentidas, fazemos diferenciações hierárquicas que, no fundo, amassam o que têm de melhor as repúblicas: que ninguém é mais que ninguém. O jogo desse e de outros fatores nos retém na pré-história. E, hoje, é impossível renunciar à guerra cuando a política fracassa. Assim, se estrangula a economia, esbanjamos recursos.
Ouçam bem, queridos amigos: em cada minuto no mundo se gastam US$ 2 milhões em ações militares nesta terra. Dois milhões de dólares por minuto em inteligência militar!! Em investigação médica, de todas as enfermidades que avançaram enormemente, cuja cura dá às pessoas uns anos a mais de vida, a investigação cobre apenas a quinta parte da investigação militar.
Este processo, do qual não podemos sair, é cego. Assegura ódio e fanatismo, desconfiança, fonte de novas guerras e, isso também, esbanjamento de fortunas. Eu sei que é muito fácil, poeticamente, autocriticarmo-nos pessoalmente. E creio que seria uma inocência neste mundo plantear que há recursos para economizar e gastar em outras coisas úteis. Isso seria possível, novamente, se fôssemos capazes de exercitar acordos mundiais e prevenções mundiais de políticas planetárias que nos garantissem a paz e que a dessem para os mais fracos, garantia que não temos. Aí haveria enormes recursos para deslocar e solucionar as maiores vergonhas que pairam sobre a Terra. Mas basta uma pergunta: nesta humanidade, hoje, onde se iria sem a existência dessas garantias planetárias? Então cada qual esconde armas de acordo com sua magnitude, e aqui estamos, porque não podemos raciocinar como espécie, apenas como indivíduos.
As instituições mundiais, particularmente hoje, vegetam à sombra consentida das dissidências das grandes nações que, obviamente, querem reter sua cota de poder.
Bloqueiam esta ONU que foi criada com uma esperança e como um sonho de paz para a humanidade. Mas, pior ainda, desarraigam-na da democracia no sentido planetário porque não somos iguais. Não podemos ser iguais nesse mundo onde há mais fortes e mais fracos. Portanto, é uma democracia ferida e está cerceando a história de um possível acordo mundial de paz, militante, combativo e verdadeiramente existente. E, então, remendamos doenças ali onde há eclosão, tudo como agrada a algumas das grandes potências. Os demais olham de longe. Não existimos.
Amigos, creio que é muito difícil inventar uma força pior que nacionalismo chovinista das grandes potências. A força é que liberta os fracos. O nacionalismo, tão pai dos processos de descolonização, formidável para os fracos, se transforma em uma ferramenta opressora nas mãos dos fortes e, nos últimos 200 anos, tivemos exemplos disso por toda a parte.
A ONU, nossa ONU, enlanguece, se burocratiza por falta de poder e de autonomia, de reconhecimento e, sobretudo, de democracia para o mundo mais fraco que constitui a maioria esmagadora do planeta. Mostro um pequeno exemplo, pequenino. Nosso pequeno país tem, em termos absolutos, a maior quantidade de soldados em missões de paz em todos os países da América Latina. E ali estamos, onde nos pedem que estejamos. Mas somos pequenos, fracos. Onde se repartem os recursos e se tomam as decisões, não entramos nem para servir o café. No mais profundo de nosso coração, existe um enorme anseio de ajudar para que o homem saia da pré-história. Eu defino que o homem, enquanto viver em clima de guerra, está na pré-história, apesar dos muitos artefatos que possa construir.
Até que o homem não saia dessa pré-história e arquive a guerra como recurso quando a política fracassa, essa é a larga marcha e o desafio que temos daqui adiante. E o dizemos com conhecimento de causa. Conhecemos a solidão da guerra. No entanto, esses sonhos, esses desafios que estão no horizonte implicam lutar por uma agenda de acordos mundiais que comecem a governar nossa história e superar, passo a passo, as ameaças à vida. A espécie como tal deveria ter um governo para a humanidade que superasse o individualismo e primasse por recriar cabeças políticas que acudam ao caminho da ciência, e não apenas aos interesses imediatos que nos governam e nos afogam.
Paralelamente, devemos entender que os indigentes do mundo não são da África ou da América Latina, mas da humanidade toda, e esta deve, como tal, globalizada, empenhar-se em seu desenvolvimento, para que possam viver com decência de maneira autônoma. Os recursos necessários existem, estão neste depredador esbanjamento de nossa civilização.
Há poucos dias, fizeram na Califórnia, em um corpo de bombeiros, uma homenagem a uma lâmpada elétrica que está acesa há cem anos. Cem anos que está acesa, amigo! Quantos milhões de dólares nos tiraram dos bolsos fazendo deliberadamente porcarias para que as pessoas comprem, comprem, comprem e comprem.
Mas esta globalização de olhar para todo o planeta e para toda a vida significa uma mudança cultural brutal. É o que nos requer a história. Toda a base material mudou e cambaleou, e os homens, com nossa cultura, permanecem como se não houvesse acontecido nada e, em vez de governarem a civilização, deixam que ela nos governe. Há mais de 20 anos que discutimos a humilde taxa Tobin. Impossível aplicá-la no tocante ao planeta. Todos os bancos do poder financeiro se irrompem feridos em sua propriedade privada e sei lá quantas coisas mais. Mas isso é paradoxal. Mas, com talento, com trabalho coletivo, com ciência, o homem, passo a passo, é capaz de transformar o deserto em verde.
O homem pode levar a agricultura ao mar. O homem pode criar vegetais que vivam na água salgada. A força da humanidade se concentra no essencial. É incomensurável. Ali estão as mais portentosas fontes de energia. O que sabemos da fotossíntese? Quase nada. A energia no mundo sobra, se trabalharmos para usá-la bem. É possível arrancar tranquilamente toda a indigência do planeta. É possível criar estabilidade e será possível para as gerações vindouras, se conseguirem raciocinar como espécie e não só como indivíduos, levar a vida à galáxia e seguir com esse sonho conquistador que carregamos em nossa genética.
Mas, para que todos esses sonhos sejam possíveis, precisamos governar a nos mesmos, ou sucumbiremos porque não somos capazes de estar à altura da civilização em que fomos desenvolvendo.
Este é nosso dilema. Não nos entretenhamos apenas remendando consequências. Pensemos na causa profundas, na civilização do esbanjamento, na civilização do usa-tira que rouba tempo mal gasto de vida humana, esbanjando questões inúteis. Pensem que a vida humana é um milagre. Que estamos vivos por um milagre e nada vale mais que a vida. E que nosso dever biológico, acima de todas as coisas, é respeitar a vida e impulsioná-la, cuidá-la, procriá-la e entender que a espécie é nosso “nós”.
Gracias.

O besteirol da semana: ONU reitera que o homem aquece o planeta

ONU reitera que o homem aquece o planeta 

O novo estudo que o IPCC, o braço científico das Nações Unidas, divulga hoje mundialmente irá confirmar que o planeta está se aquecendo, que o nível do mar está subindo e subirá mais ao longo deste século, que as geleiras continuam diminuindo, que as secas e grandes chuvas serão mais frequentes - e que os cientistas têm ainda mais convicção que a responsabilidade por tudo isso é do homem. Os céticos a este argumento, porém, mal esperaram o documento ser lançado para criticar o trabalho do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, mais conhecido pela sigla em inglês IPCC. 

Comentário PRA: 
A solução é simplérrima: elimine-se o homem...
Pela sugestão: 
Paulo Roberto de Almeida 

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

ONU, um parque de dinossauros? - Fernando Rodrigues (Folha SP)

A baboseira na ONU
Fernando Rodrigues
Folha de S.Paulo, 25/09/2013

Adolescente e trotskista, um dia já enxerguei beleza na Declaração Universal dos Direitos Humanos, um dos pilares da ONU. Foi quando um amigo mais velho do partidão, cheio de sarcasmo, disse: "Não seja ingênuo. A ONU é uma ficção. Não serve para nada. Quem manda lá são os EUA e seus satélites".

Anos depois, já como correspondente da Folha em Nova York, em 1988, trabalhei em uma pequena sala que servia de escritório para o jornal dentro do prédio principal da ONU. Convivi com diplomatas e funcionários públicos mundiais por algum tempo. Ineficiência e inutilidade são as duas palavras que me ocorrem para definir o que presenciei de perto.

Paulo Francis, meu chefe à época em Nova York, desdenhava a ONU de maneira ferina. "É um cabide de empregos para vagabundos desfilarem de sarongue para cima e para baixo", dizia ele. Descontado o preconceito, Francis tinha uma certa razão.

Lembrei-me disso ontem ao assistir ao discurso da presidente Dilma Rousseff na ONU. Ela falou contra a espionagem dos EUA no Brasil. Anunciou "propostas para o estabelecimento de um marco civil multilateral para a governança e uso da internet" em nível mundial visando a "uma efetiva proteção dos dados".

Quase tive um ataque de narcolepsia só de pensar em como tramitaria tal ideia dentro da ONU. A chance de algo efetivo prosperar ali dentro é menor do que zero.

Dilma faria melhor se buscasse equipar o Brasil contra ataques cibernéticos. A presidente faz o oposto. Engavetou um projeto de Política Nacional de Inteligência, que cria diretrizes para o Estado brasileiro se prevenir contra ações de espionagem. O texto está pronto e parado, no Planalto, desde novembro de 2010.

É mais fácil ler um discurso feito pelo marqueteiro no teleprompter na ONU do que trabalhar duro em casa. Para azar de Dilma, é possível perceber a distância entre o que ela fala e o que, de fato, faz.

Nossos amigos bolivarianos: tirar a ONU dos EUA: colocar onde? - Le Monde

Bem, a Bolívia sempre pode se oferecer para abrigar o novo Secretariado, e seus milhares de funcionários.
Os diplomatas amigos ficariam contentes: a vida é mais barata na Bolívia, e o ar menos poluído...
Paulo Roberto de Almeida

Morales propose de déplacer le siège des Nations unies
Le Monde.fr avec AFP | 26.09.2013 à 05h45 • Mis à jour le 26.09.2013 à 07h35

Le président bolivien, Evo Morales, a suggéré mercredi de changer le siège des Nations unies pour éviter un "chantage" des Etats-Unis, pays hôte de l'ONU, pour la délivrance de visas ou le survol de leur territoire.
"Il est important d'envisager de changer le siège des Nations unies", a-t-il déclaré dans un discours devant l'assemblée générale à New York. "Ce siège devrait setrouver dans un territoire, un Etat qui a ratifié tous les traités des Nations unies".
M. Morales s'est déclaré "solidaire" de son homologue vénézuélien, Nicolas Maduro, qui a accusé les Etats-Unis d'avoir mis des obstacles à sa venue au siège de l'ONU pour l'assemblée générale. "Comment pouvons-nous être en sécurité dans une réunion à l'ONU à New York ?", s'est-il exclamé. "Ici on ne nous garantit pas des visas ou des autorisations de survol, nous sommes menacés et soumis à des chantages au visa".
"INSULTE" À MADURO
Il n'a pas indiqué où il souhaitait transférer le siège de l'ONU mais a précisé qu'il ne pensait pas à la Bolivie ni à aucun pays d'Amérique latine.
La semaine dernière, les autorités vénézuéliennes avaient accusé les Etats-Unis d'avoir refusé à Nicolas Maduro le survol de leur territoire durant son voyage vers Pékin, une décision qualifiée d'"insulte" et de "faute grave" par le Venezuela.
Les Etats-Unis avaient démenti ces accusations, en assurant avoir autorisé ce survol et en niant par ailleurs tout refus de visa à une délégation de Caracas à l'ONU, un autre motif de mécontentement du pouvoir vénézuélien. M. Maduro est finalement arrivé mercredi au Venezuela après un voyage officiel en Chine sansfaire étape à New York.
Maduro assure que sa vie était en danger à New York
Le président vénézuélien, Nicolas Maduro, affirmé jeudi qu'il avait renoncé à venir à New York, où il espérait participer à l'Assemblée générale des Nations unies, "pour préserver son intégrité physique" et "sa vie".

"Le gouvernement américain sait que ces gens sont derrière une activité très dangereuse qui était en préparation à New York. La mafia de Roger Noriega et Otto Reich (...). Ce clan préparait une provocation folle, on ne peut pas la qualifier autrement, terrible", a-t-il assuré sans donner toutefois d'autres détails.