O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Oliver Stuenkel. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Oliver Stuenkel. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Post Western World, de Oliver Stuenkel, em chinês

Não sabia como se escreve o nome do professor Oliver Stuenkel em chinês?
Pois agora já sabe. É só olhar a capa do livro aqui reproduzida...



1. 'Post-Western World' is now available in Chinese, published by Beijing Mediatime
'Post-Western World' in Chinese (中国之治终结西方时代) was launched on October 1st and is now available on amazon.cn, along with the recently launched Chinese version of 'BRICS and the Future of Global Order' (金砖国家与全球秩序的未来), published by Shanghai People's Press. The Chinese version of 'Post-Western World', which includes an extra chapter on China's role in global order, has been reviewed by QiuShi, the political theory magazine published by the Central Party School and the Central Committee of the Communist Party of China (available here) and China Xioakang (available here). Both books will be presented at universities in Beijing, Tianjin, Shanghai and Guangzhou in December.

2. ‘Post-Western World’ reviewed in the New York Review of Books (NYRB)
Andrew J. Nathan of Columbia University reviewed 'Post-Western World' for the New York Review of Books (NYRB), available here. The book has previously been reviewed by International Affairs, Foreign Affairs and Foreign Affairs Latinoamerica. All reviews available hereREAD MORE

3. 'Brazil on the Global Stage: Power, Ideas and the Liberal International Order' reviewed in the Journal of Latin American Studies
Felipe Loureiro, professor at the University of São Paulo (USP), has written a critique in the Journal of Latin American Studies of "Brazil on the Global Stage: Power, Ideas and the Liberal International Order", a volume edited by Matthew M. Taylor and Oliver Stuenkel. READ MORE

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

The Chinese World Order - Andrew J. Nathan (NYRBooks)

The Chinese World Order
Andrew J. Nathan
The New York Review of Books, October 12, 201

The End of the Asian Century: War, Stagnation, and the Risks to the World’s Most Dynamic Region
by Michael R. Auslin
Yale University Press, 279 pp., $30.00

Post-Western World: How Emerging Powers Are Remaking Global Order
by Oliver Stuenkel
Polity, 251 pp., $64.95; $22.95 (paper)

Destined for War: Can America and China Escape Thucydides’s Trap?
by Graham Allison
Houghton Mifflin Harcourt, 364 pp., $28.00

Xi Jinping; drawing by Siegfried Woldhek

Ten years ago the journalist James Mann published a book called The China Fantasy, in which he criticized American policymakers for using something he called “the Soothing Scenario” to justify the policy of diplomatic and economic engagement with China. According to this view, China’s exposure to the benefits of globalization would lead the country to embrace democratic institutions and support the American-led world order. Instead, Mann predicted, China would remain an authoritarian country, and its success would encourage other authoritarian regimes to resist pressures to change.1
Mann’s prediction turned out to be true. China took advantage of the growing potential of unrestricted global commerce to emerge as the number one trading nation and the second-largest economy in the world. It is the top trading partner of every other country in Asia, not least because of its crucial position assembling parts that have been produced elsewhere in the region. Sixty-four countries have joined China’s One Belt One Road (OBOR) infrastructure initiative, which was announced in 2013 and consists of ports, railways, roads, and airfields linking China to Southeast Asia, Central Asia, the Middle East, and Europe—a “New Silk Road” that, if it succeeds, will greatly expand China’s economic and diplomatic influence. Twenty-nine heads of state attended Beijing’s OBOR conference in mid-May.
Meanwhile, China has remained an authoritarian, one-party state that is backed by an increasingly powerful military. China’s military budget has risen at the same rate as its GDP for the past quarter-century, from $17 billion in 1990 to $152 billion in 2017—a 900 percent increase. This has allowed China to acquire aircraft carriers, sophisticated missiles, advanced submarines, and cyberwar capabilities that challenge American military dominance in Asia. It has vastly expanded its naval presence in what it calls the “near seas” around its coast, and even into the Pacific and Indian Oceans.
China has attained this new position of power while mostly complying with the rules of the World Trade Organization, which it joined in 2001. Still, in 2016 Western governments found it necessary to renege on a commitment they made when China joined to give it full “market economy status” after fifteen years of membership. This status would have made it harder for other WTO members to sue China for “dumping”—selling products at less than market-price production cost to drive out competitors—but the promise to accord that status had been based on the expectation that China would turn into a Western-style market economy.
That has not happened. Instead, the state has continued to control the Chinese economy in its effort to expand the market share of Chinese enterprises both in China and abroad. Beijing has carried out industrial espionage to acquire advanced Western technology, forced the transfer of technology from Western to Chinese enterprises through joint ventures and merger agreements, and, for a time (although not now), suppressed the exchange value of its currency in order to stimulate exports. Since 2006, Beijing has used various forms of regulation that are not banned by the WTO to make it difficult for foreign businesses to enter and compete in its domestic market, and to give an advantage to Chinese enterprises—especially in cutting-edge fields like semiconductors, advanced manufacturing, and information and communications technology.
China’s increasingly pervasive economic influence has contributed to the populist and antiglobalization movements that are now taking hold in many countries in the West, including in the US with Donald Trump. In a striking reversal, it was Chinese President Xi Jinping rather than a European or American leader who delivered a strong defense of globalization at the January 2017 meeting of the World Economic Forum in Davos.
President Barack Obama sought to strengthen US alliances in Asia in the hope of keeping China’s rise in check. By contrast, President Trump has questioned the value of alliances with Japan and South Korea, withdrawn from the Trans-Pacific Partnership, and for a time put a hold on American Freedom of Navigation Operations (FONOPS) in the South China Sea. At the Mar-a-Lago summit in April, Trump embarrassingly acted like Xi Jinping’s pupil on the question of North Korea’s growing nuclear menace, stating, “After listening [to Xi] for ten minutes, I realized it’s not so easy.” He then cast aside his campaign commitments to raise tariffs on China and challenge China on currency manipulation in what turned out to be the vain hope that China would solve the North Korea problem for him. To the contrary, the threat has only grown, with Pyongyang’s successful July 4 test of a long-range missile that may be capable of reaching Alaska.
To make matters worse, the Trump family have placed themselves conspicuously on China’s payroll, accepting future profits in the form of trademarks for both the Trump and Ivanka brands, and seeking Chinese investment in Kushner real estate projects. When China Labor Watch, a New York–based labor rights organization, published information on poor conditions in a factory where Ivanka’s brand-name shoes had recently been produced, China detained the group’s three field investigators, the only time CLW’s investigators have been detained for exposing the abuse of Chinese workers.2
These signs of confusion in American policy have accelerated the growth of China’s economic and political influence. In Asia, Philippine president Rodrigo Duterte softened the previous Filipino administration’s position on its South China Sea territorial dispute with China and accepted a large Chinese trade and investment package; Malaysian leader Najib Razak agreed to the first purchase of Chinese vessels for his navy; Korean voters selected a new president, Moon Jae-in, who has promised closer relations with Beijing; and Vietnam has stepped up diplomatic and military relations with China.
Japanese Prime Minister Shinzo Abe has stuck to the American alliance, but if US policy continues to show weakness, Japan will ultimately face a choice either of compromising with China’s territorial claims in the East China Sea or of rearming itself more heavily, perhaps even with nuclear weapons. According to Graham Allison, director of Harvard Kennedy School’s Belfer Center for Science and International Affairs, in his new book Destined for War, “As far ahead as the eye can see, the defining question about global order is whether China and the US can escape Thucydides’s Trap,” which he defines as a likely war between a dominant power and a rising power.
Two other recent books, however, while approaching the subject in very different ways, suggest that China is not as threatening as many commentators would have us believe. Michael Auslin, a research fellow at the conservative Hoover Institute, declares the end of the Asian Century before it has much begun, because leading Asian countries, including China, have not adopted the business-friendly economic practices, pro-democracy political reforms, and cooperative regional institutions that would enable them effectively to rival the West. Oliver Stuenkel, a Brazilian academic more on the left, argues instead that the emergence of China and other Asian powers is an accomplished fact that cannot be reversed, but that the power shift does not present a serious threat to Western interests. Although both books discuss all of Asia, China is central to their arguments.
Auslin’s analysis is grounded in the contested set of ideas that used to be called the Washington Consensus—the belief that free markets, free trade, and political democracy are necessary for economies to grow and political systems to be stable. Since the Chinese approach disregards this theory, Auslin thinks the country will stumble before it seriously challenges American preeminence. He sees many problems in the Chinese economy, including the excessive number and size of state-owned enterprises, opaque corporate governance, huge government debt (200 percent of GDP by some estimates), a property bubble, and overdependence on exports. But this adds up simply to a description of how the economy is run, not to an argument that this way of running it will not work.
In fact, the Chinese economy is not as vulnerable as Auslin thinks. First, because the Chinese currency, the yuan, is not freely convertible, it is difficult for yuan holders to invest on a large scale anywhere but China without government permission. To be sure, there is a dribble of capital abroad sufficient to allow the purchase of high-end real estate in Vancouver, Los Angeles, and New York, but this is hardly enough to starve investment in China or subject the yuan to currency speculation. Second, just as the US dollar enjoys the “exorbitant privilege” of being accepted everywhere as a bearer of value even though it is not backed by any tangible asset, so too the Chinese yuan is accepted by participants in the Chinese economy and even to a limited extent overseas as a bearer of value, which gives the government the ability to print money at will in order to stimulate economic growth, with limited risk of inflation.
Third, both the debtors and the creditors in the Chinese economy are mostly government entities, so the government can adjust their debt relationships without causing a financial crisis. Beijing worked its way out of previous debt overhangs by creating “asset management companies” (or “bad banks”) to take bad loans off the books of state banks, and it worked. Such tactics can be used again if necessary.
Auslin is more persuasive in suggesting the extent to which high-level corruption has damaged the legitimacy of China’s one-party rule, and how ineffective the regime’s heavy-handed propaganda is in its aim of reinforcing that legitimacy. Even so, surveys show that the Chinese public gives the regime credit for sustained economic growth and for carrying out a serious battle against corruption. Auslin agrees with an unnamed China specialist—apparently the well-respected George Washington University scholar David Shambaugh—that the Chinese regime has entered its “endgame.”3 This may be true, but the same prediction has been made so often for decades that it is hard to be convinced by it now. By seeing the Chinese regime and other Asian political systems like Thailand, Myanmar, and Malaysia that haven’t developed Western-style governments as examples of “unfinished revolutions,” Auslin commits the fallacy of conflating political stability with democratization.
Unlike Auslin, Stuenkel does not believe that Chinese power will fade, but he sees China’s ambitions as more economic than military. It is true that China has built and fortified sand islands in the South China Sea, increased its allocation of troops to UN peacekeeping operations in Africa, established a small naval base in Djibouti, used Chinese naval forces to evacuate some 36,000 Chinese workers from Libya, and dispatched ships to participate in the multilateral anti-piracy patrol in the Gulf of Aden.

But in Stuenkel’s view, these efforts are not likely to lead to the creation of a US-style global military empire. It would be difficult for China to defend its far-flung, fragile network of economic interests by chiefly military power. China’s enormous investments in resources and infrastructure abroad can pay off only if peace is maintained across these turbulent regions by political means, including respect for international law. According to Stuenkel, China wants nothing more than to preserve the main elements of the world trading order from which it has benefited so much, while gaining greater influence in the institutions that enforce and develop this order.


Donald Trump; drawing by James Ferguson

Because the US Congress refused until recently to authorize increased voting rights for China in the World Bank and the International Monetary Fund—and, one might add, because China accumulated a huge stock of foreign exchange that it needed to invest—Beijing set out to create what Stuenkel calls a “parallel order” of international economic institutions. He identifies twenty-two newly created multilateral institutions, ranging from the Asian Infrastructure Investment Bank to the Shanghai Cooperation Organization to the Free Trade Area of the Asia Pacific, in which China is a participant and usually the leading member.
Stuenkel argues these are “parallel” rather than “alternative” institutions: they provide infrastructure investment, regulate trade, facilitate international payments, and carry out security and diplomatic dialogues in much the same way as similar Western-dominated institutions that they parallel. They operate according to rules that are consistent with existing institutions in the same fields, and their participants continue simultaneously as members of the older institutions. In Stuenkel’s view, their creation is a good thing:
[They] will provide additional platforms for cooperation (among both non-Western and between non-Western and Western powers), and spread the burden of contributing global public goods [such as UN peacekeeping operations, anti-piracy patrols, and the control of climate change] more evenly…. All these institutions will deepen China’s integration into the global economy, possibly reducing the risk of conflict, and lifting all boats.
Auslin and Stuenkel both present, to use James Mann’s phrase, “soothing scenarios”: either China’s rise will stall before it poses a serious threat to American interests, or it will bring new vitality to the existing international order. But both are too optimistic. Although China’s rate of growth has slowed from double digits to an official annual rate (which some economists think is exaggerated) of 6.7 percent in 2016, and will slow further as the economy matures, few believe it will fall below 3 percent in the foreseeable future.
As Stuenkel points out, at that rate it will inevitably overtake the US economy, even if the US were to accelerate its own rate of growth, simply because China’s population is four times as big as America’s. In a few more decades, China’s economy will be twice as big as that of the US. An economic or political crisis, if it occurs, can slow China’s rise, but China is not going back to the poverty of the pre-reform era.
Stuenkel is persuasive in arguing that Beijing cares chiefly about political stability at home and economic access abroad, and not about promoting its authoritarian political model to the rest of the world. Nor do China’s leaders seek, as some have suggested, to expel the United States from Asia, or to “rule the world.” They are, however, pursuing two goals that clash fundamentally with important American interests (leaving aside China’s abuse of the US–China economic relationship, which is a problem that can be gradually resolved through negotiations).
The first is its effort to alter the military balance in Asia. Along its long, exposed coastline, China is confronted with a string of American allies and partners: South Korea, Japan, Taiwan, the Philippines, Singapore, and Vietnam. There are some 60,000 American troops deployed in the area, and American bases in Guam and Pearl Harbor command the Pacific. Just beyond the line twelve nautical miles from the Chinese coast that defines its sovereign “territorial waters,” the US Seventh Fleet conducts regular intelligence-gathering and surveillance operations. Along its land borders China likewise confronts American deployments, alliances, and military cooperation arrangements—in Afghanistan, Pakistan, Central Asia, Mongolia, and India.
With China’s power rising, its rulers no longer accept being so tightly hemmed in. They are now in a position to press South Korea to reverse the deployment of an American Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) missile system; to move Chinese military ships and submarines through strategic straits between the Japanese islands; to challenge the Japanese claim to the Senkakus, the disputed islands in the East China Sea; to pressure Taiwan to accept unification with China; and to harass US ships and planes in the South China Sea. These moves challenge the established American position in Asia.
The second serious clash of interests has to do with the freedoms of thought and speech. The regime is hypersensitive about its image because of its shallow legitimacy at home. This has led it not only to engage in standard public relations and media work around the world, but also to use diplomatic pressure, visa denials, financial influence, surveillance, and threats to try to control what journalists, scholars, and Chinese students and scholars abroad say about China. The effort to silence critics extends to human rights institutions like the United Nations Human Rights Council in Geneva, where China works to assure that it and other authoritarian regimes are not criticized; it even reaches Hollywood, where studios eager to gain access to the Chinese market increasingly avoid unfavorable portrayals of China. This offensive poses a special challenge to the West, one in which the usual cliché about balancing values and interests in foreign policy does not apply. As China extends its efforts at thought control beyond its own borders, our values are our interests.
Some have suggested that the US scale back its position in Asia to accommodate China’s desire for greater military influence in its own region. In his 2011 book On China, Henry Kissinger proposed that the two sides agree on a “Pacific Community”—“a region to which the United States, China, and other states all belong and in whose peaceful development all participate.” Graham Allison’s ideas for how to avoid war are equally anodyne: “Understand what China is trying to do,” “Do strategy,” and “Make domestic challenges central.”
Other strategists have been more specific, proposing that the US and China establish a mutually acceptable security balance by making concessions to each other over Taiwan, the Senkakus, military deployments, and offensive and defensive missile systems. Through such an approach, Washington and Beijing could demonstrate that each does not seek to threaten the other’s core security interests.4
The difficulty with such proposals is that Beijing is likely to interpret them as asking it to accept an intrusive American presence just when the shifting power balance should allow that situation to be corrected. And on the US side, yielding preemptively to Chinese ambitions would destroy its credibility with all of its allies, not only in Asia but elsewhere as well. The resulting destabilization would not serve American or Chinese interests.
Auslin’s recommendations for managing the rise of China are for the US to strengthen its military presence in the region; build additional links—such as with India and Indonesia—on top of its existing alliance system; and intensify American pressures for democratic transformation. It should stick to these policies, he says, until “China’s leaders…come to appreciate the benefits of constructive engagement.” This is a grand vision that faces three obstacles—the lack of consistency across administrations in Washington needed to implement such a strategy; the unwillingness of countries like India, Indonesia, and even our formal allies South Korea and Japan to tilt so conspicuously against the largest and still-growing regional power; and the unlikelihood that China would come to accept this American posture as beneficial.
For his part, Stuenkel recommends that the United States enlarge the participation of the rising powers in existing institutions so they have a fair share of influence, encourage China and other rising powers to contribute even more to global public goods such as UN peacekeeping operations, anti-piracy patrols, and the control of climate change, and “fully embrace, rather than criticize or try to isolate” the new parallel economic institutions that China is creating. These are constructive ideas, but they do not address the core problems of regional security and human rights.
The US should cooperate with China in those areas where common interests exist, such as nonproliferation and climate change (the position of the Trump administration notwithstanding). And the US must push steadily to open the Chinese economy on a reciprocal basis—an effort that would have been greatly aided by staying in the TPP. But in order to respond successfully to China’s growing military power, the US must hold the line firmly where strategic interests clash, such as over Taiwan and the US naval presence in the South China Sea. Above all, the US must defend international standards of human rights and freedoms more strongly than it has in recent years; it makes no sense to defer to the loudly voiced sensitivities of the Chinese regime even as China interferes more and more often in our freedoms. Competition, friction, and testing between the United States and China are unavoidable, probably for decades. To navigate this process, the US needs an accurate assessment of China’s interests, but even more of its own.

Notes:
1 James Mann, The China Fantasy: How Our Leaders Explain Away Chinese Repression (Viking, 2007). ↩
2 John Ruwitch, “Activist Probing Factories Making Ivanka Trump Shoes in China Arrested: Group,” Reuters, May 31, 2017. ↩
3 David Shambaugh, China’s Future (Polity, 2016). ↩
4 For example, James Steinberg and Michael E. O’Hanlon, Strategic Reassurance and Resolve: US–China Relations in the Twenty-First Century (Princeton University Press, 2014), and Lyle J. Goldstein, Meeting China Halfway: How to Defuse the Emerging US–China Rivalry (Georgetown University Press, 2015). ↩

terça-feira, 9 de maio de 2017

Por que o Brasil esta certo ao buscar adesao 'a OCDE - Oliver Stuenkel (El Pais)


 Por que o Brasil está certo ao buscar adesão à OCDE

A adesão teria um relevante valor simbólico na emergente ordem multipolar do século 21


El País, 8 MAI 2017


Palácio do Itamaraty FERNANDO BIZERRA JR. EFE


Quando o Governo brasileiro formalizar, em breve, seu pedido de adesão à Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), haverá críticos que acusarão o Governo de entreguismo e de, ao querer se juntar ao “clube dos ricos”, limitar desnecessariamente a autonomia do Brasil no sistema internacional.
Tais argumentos aumentarão o custo político do processo de adesão, mas são em grande parte ideológicos e dificilmente apoiados por fatos. Vale lembrar que, depois dos primeiros acordos feitos no segundo mandato de FHC, foi durante a presidência de Lula que o Brasil e a OCDE se aproximaram por meio do “engajamento ampliado” – o que podia ser visto como um primeiro passo em direção à adesão. Dilma assinou um acordo para aprofundar, ainda mais, a relação entre o Brasil e essa entidade.
No contexto atual, em que o Brasil se recupera de uma crise profunda, juntar-se à OCDE traria ao menos três benefícios tangíveis para o país. A adesão proporcionaria aos futuros Governos instrumentos adicionais para modernizar o país; tornaria o Brasil mais atraente para os investidores estrangeiros; e, ainda, representaria importantes ganhos estratégicos no mundo multipolar do século 21.
Primeiramente, a adesão à OCDE obrigaria o Brasil a implementar mudanças legislativas para cumprir regras mais sofisticadas em termos de concorrência, transparência e tributação. Permitiria ao Governo participar da elaboração de pesquisas sobre políticas públicas no marco da OCDE, ampliar a troca de experiências e a divulgação de práticas brasileiras bem-sucedidas. Por meio da revisão periódica (o chamado peer review), fortaleceria segmentos políticos que querem modernizar o país.
Fazer parte da OCDE também facilitaria a entrada de mais investimento estrangeiro no Brasil e ajudaria a reverter o imenso estrago que a recente crise econômica e política causou na imagem internacional do país – inclusive em países como Peru, onde o escândalo da Odebrecht domina o debate público. Para investidores estrangeiros, a adesão ao grupo significaria um selo de qualidade nas políticas públicas brasileiras, constituindo um passo importante para dar credibilidade à narrativa de que o Brasil está no rumo certo. É possível imaginar um futuro Ministro da Fazenda dirigindo-se a delegações estrangeiras e retratando o Brasil como o maior mercado emergente do mundo que cumpre os rigorosos padrões da OCDE. Não seria só retórica: tentativas de adaptar o marco regulatório e o sistema tributário enfrentarão forte resistência, mas, no final das contas, ajudariam a modernizar uma burocracia anacrônica e que muitas vezes atrapalha o crescimento econômico.
Finalmente, a adesão à OCDE, somada ao contínuo compromisso com o grupo BRICS, teria um relevante valor simbólico na emergente ordem multipolar do século 21. Se aprovado pelo conselho da OCDE, o Brasil seria o único país a fazer parte do grupo BRICS e dessa organização simultaneamente (a Rússia tentou aderir à OCDE, mas desistiu quando invadiu a Crimeia). A adesão daria ao Brasil o privilégio de participar da formulação de temas e conceitos em ambos os grupos, que muitas vezes prenunciam futuras negociações internacionais.
A ordem mundial emergente é moldada, de um lado, por antigas estruturas dominadas pelo Ocidente (como a OCDE, o Banco Mundial e o FMI), e, de outro, por novas instituições centradas na Ásia. A nova ordem inclui organizações como o Novo Banco de Desenvolvimento, liderado pelos BRICS, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura ou AIIB, na sigla em inglês (comparável ao Banco Mundial), o Universal Credit Rating Group (o equivalente à Moody’s e à S&P), a China Union Pay (comparável às empresas Mastercard e Visa), o CIPS (equivalente ao SWIFT) e os BRICS (comparável ao G7). O Brasil, único membro fundador da AIIB das Américas, está singularmente posicionado para ter uma atuação visível e influente tanto nas instituições antigas quanto nas novas. Nenhum outro país está tão bem colocado para desempenhar um papel-chave em ambos os sistemas.
É preciso evitar que o Fla-Flu da política doméstica prejudique a discussão sobre a estratégia brasileira nesse novo contexto global. Ainda há quem acredite que Governos de centro-direita costumam dar prioridade às relações com o mundo rico e Governos de centro-esquerda preferem boas relações com o mundo em desenvolvimento. Tais considerações simplistas não fazem mais sentido na realidade do século 21. Afinal, a política externa tem sido bem mais pragmática do que isso. Por exemplo, foi FHC (e não Lula) quem articulou a política externa mais revisionista das últimas décadas (com a quebra de patentes de medicamentos contra a AIDS), passo importante no fortalecimento das relações Sul-Sul. Foi Lula (e não FHC) que teve a melhor relação com os EUA nas últimas décadas. Finalmente, foi Temer que, ao fazer suas primeiras duas grandes viagens presidenciais à Ásia, sinalizou que uma mudança de Governo não alteraria o compromisso brasileiro de fortalecer sua relação com a China e os BRICS. Seguido esse histórico de pragmatismo, seria uma grande perda termos a discussão sobre a OCDE capturada pela polarização ideológica doméstica.
A adesão à organização é um processo árduo e pode demorar anos, mas trará benefícios múltiplos. O próximo Governo deve, portanto, dar seguimento aos passos de FHC, Lula, Dilma e Temer
Oliver Stuenkel é professor adjunto de Relações Internacionais na FGV em São Paulo, onde coordena a Escola de Ciências Sociais em São Paulo e o MBA em Relações Internacionais. Também é non-resident fellow no Global Public Policy Institute (GPPi) em Berlim, membro do Carnegie Rising Democracies Network.

MAIS INFORMAÇÕES
·       FMI alerta sobre a dívida das empresas dos países emergentes

segunda-feira, 6 de março de 2017

Dez desafios da politica externa brasileira: livro do Cebri-Konrad Adenauer

Já postado anteriormente aqui, posto novamente com pequenas correções de digitação.


Dez desafios da politica externa brasileira - CEBRI

Resumo de livro por:
Paulo Roberto de Almeida

Spektor, Matias (editor executivo):
10 Desafios da Política Externa Brasileira
(Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Relações Internacionais; Fundação Konrad Adenauer, 2016, 144p.; ISBN: 978-85-89534-11-6)

O Cebri possui diferentes grupos de trabalho para pesquisar e debater assuntos relevantes da política internacional e das relações internacionais do Brasil. Um deles é especificamente voltado para a política externa e a diplomacia brasileira, coordenado pelo historiador Matias Spektor. Ele foi o editor executivo desta publicação, que reuniu colaborações de diferentes grupos de trabalho, reunidos sob o conceito que empresta seu título à publicação: desafios à política externa brasileira, que eles limitaram a dez (mas num sentido amplo).
Em sua “carta de Editor Executivo”, Spektor acredita que a política externa assume um papel central na recuperação econômica brasileira: “Se há uma tese central a unir os capítulos que seguem é esta: a política externa é um instrumento essencial para a recuperação do crescimento econômico com justiça social, pois o sistema internacional afeta em cheio a capacidade que as autoridades nacionais tem para conduzir políticas efetivas.”
A seguir uma apresentação sumária de seu conteúdo.

1. Por uma nova doutrina de política externa brasileira, Matias Spektor
            Spektor abre o volume com uma análise sobre as ideias e conceitos que guiam a política externa brasileira. Ele argumenta que a doutrina herdada dos 20 anos de condomínio entre PT e PSDB caducou, e tenta conceber uma nova doutrina. FHC teria aderido às teses da globalização, ao passo que Lula teria tentado aproveitar as brechas do sistema para projetar o Brasil. A nova doutrina precisaria emergir de um consenso suprapartidário, sem estar concentrada num ministério ou grupo particular. Para tal se necessitam estudos empiricamente embasados e debates em todos os setores da opinião pública, levando-se em conta os impactos redistributivos da política externa, dadas as enormes carências da sociedade brasileira.

2. Uma política externa para a atração de investimentos estrangeiros, Carlos Góes
            Analisa as reformas necessárias para que o Brasil possa atrair mais investimentos, sendo que o fator crucial é o aumento da produtividade do trabalhador brasileiro. A governança global dos investimentos é indissociável da regulação sobre o comércio internacional, e os fluxos globais de IED para países em desenvolvimento aumentam muito com sua participação em tratados de livre comércio, assim como com a qualidade de suas instituições. “Nesse aspecto, a política exterior brasileira parece estar defasada” (p. 33). O Brasil nunca aderiu, por exemplo, à Convenção 87, da OIT, e jamais considerou ingressar no ICSID.

3. O problema do comércio exterior, Diego Bonomo
            O Brasil é a economia mais fechada do G20, e os seus dirigentes impuseram ao país um fechamento incompatível com as necessidades de sua inserção global. O “custo Brasil” é um entrave a um maior crescimento econômico no país. A política comercial, por sua vez, padece de conflitos de competência entre diferentes órgãos nacionais. A recente onda de corrupção, evidenciada pela Operação Lava Jato também refreou a expansão dos interesses econômicos brasileiros no exterior. O Brasil precisar desonerar completamente suas exportações e melhorar as condições de logística e de infraestrutura. A burocracia e a legislação laboral também constituem grandes entraves a progressos nessa área. A prevalência do multilateralismo na diplomacia comercial também tornou mais lenta a negociação de acordos bilaterais de comércio.

4. Diplomacia anticorrupção, Marcos Tourinho
Por ter importantes componentes transnacionais, o combate à corrupção, ao desvio de recursos e à evasão fiscal é âmbito onde a política externa tem o potencial de oferecer contribuição concreta para o desenvolvimento e a democracia no país. Recomenda-se: 1) atuação concertada do Itamaraty com Ministérios da Fazenda, da Justiça, Polícia Federal, Judiciário e Ministério Público; 2) elaboração de guia de conduta de autoridades na promoção e proteção de interesses de empresas brasileiras no exterior; 3) recuperação da imagem de empresas brasileiras envolvidas em corrupção por meio de adesão a mecanismos como o Pacto Global da ONU; 4) adesão a mecanismos internacionais existentes e liderança na criação de novos regimes; 5) celebração de acordos bilaterais de combate à corrupção.

5. Segurança e defesa, Érico Esteves Duarte
            Depois de dez anos de ter elaborado uma estratégia nacional de defesa, é preciso revisar a estrutura atual do setor, com base em crédito público à indústria nacional, mas também com base nas novas ameaças emergentes. O mais grave problema é o tráfico internacional de cocaína. A articulação entre o MD e o MRE é insuficiente. “Recomenda-se que a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) ganhe um corpo mais efetivo e estruturado no âmbito da Casa Civil” (p. 83). Ela deveria amparar e subsidiar um Conselho de Planejamento Nacional, incluindo um setor de inovação, incorporando quadros do Itamaraty e das FFAA.

6. Política externa brasileira e a nova geopolítica da energia, João Augusto de Castro Neves
            A diplomacia energética mudou bastante na era Lula, passando da tentativa de transformar o etanol e commodity global até a reversão para os combustíveis fósseis no pré-sal e novas incursões na energia nuclear, ambas iniciativas tingidas por forte corrupção. Está em curso uma reestruturação do setor elétrico que pode aumentar a participação do capital estrangeiro na provisão de energia. A decisão de alterar o marco regulatório no petróleo causou uma virtual paralisia no setor, a que se soma o protecionismo exacerbado, que diminuiu o fluxo de investimentos. A diplomacia brasileira pode atuar de forma relevante na captação de recursos para investimentos em energia no país.

7. Bens públicos, grupos de interesse e política externa, Eduardo Mello
            De que forma as opções de diplomacia acarretam ganhos e perdas para diferentes grupos sociais no Brasil? O autor sugere mensurar os efeitos domésticos das opções externas adotadas pelos diferentes governos.

8. Diplomacia da saúde global, Umberto Mignozzetti
            As epidemias do subdesenvolvimento colocaram novamente o Brasil no centro do debate internacional sobre doenças globais. As práticas nacionais podem dificultar a aplicação de normas internacionais de combate a essas epidemias. Seria preciso aumentar a cooperação regional para melhor combater epidemias.

9. Promoção da democracia e dos direitos humanos, Oliver Stuenkel
            Novas dúvidas surgiram sobre a resiliência da democracia na região, a partir de um aparente esgotamento do ciclo da esquerda nas políticas da região. A proteção dos direitos humanos apresenta implicações para as questões da não-intervenção e da soberania nacional. Mas o silêncio brasileiro em relação às crescentes violações à democracia e aos direitos humanos na Venezuela “criou uma fissura na imagem do Brasil como líder regional” (p. 125). Empréstimos do BNDES deveriam levar em conta esses aspectos na concessão de créditos subsidiados.

10. Análise estratégica para as relações internacionais do Brasil, Matias Spektor
            Qual seria o papel da análise estratégica em política externa? “Não existe hoje uma instância com poderes delegados da presidência da República para coordenar o trabalho de reflexão prospectiva dos numerosos órgãos governamentais que conduzem algum tipo de atividade internacional. Ou seja, não há uma estrutura análoga ao National Security Council (Estados Unidos), ao Prime Minister’s Strategy Unit (Reino Unido) ou aos conselhos mais ou menos informais que alimentam com análises estratégicas o processo decisório dos chefes de governo em países como Rússia, Índia e China” (p. 135). Ou seja, o trabalho de análise estratégica é pulverizado em diversas agências.
            “A cultura diplomática é rica e fonte de enorme vantagem comparativa para o Brasil no sistema internacional. No entanto, cinco de suas principais características distintivas dificultam o nascimento de uma cultura arraigada em análise estratégica” (p. 136). 1) valoriza a ação prática em detrimento do trabalho analítico; 2) existe um culto das gerações mais antigas e pouca interação com instituições de fora do país; 3) existe aversão ao dissenso e adesão ao pensamento grupal; 4) existe mais burocracia administrativa do que reflexão estratégica no dia a dia do diplomata; 5) a hierarquia estrita traz coerência mas também enormes custos: “Existem barreiras tácitas e explícitas à cultura de questionamento e criatividade que é essencial a qualquer trabalho sério de análise estratégica” (p. 137).
  
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 10 de fevereiro de 2017

sábado, 7 de janeiro de 2017

Desafios da politica externa brasileira na proxima decada: propostas de Oliver Stuenkel - comentarios PRAlmeida

Sob esse título pretendo organizar no IPRI, em Brasília (anunciarei oportunamente), um seminário-debate com boa parte dos autores da publicação 10 Desafios da Política Externa Brasileira (disponível neste link), organizada por Matias Spektor e editada recentemente pelo CEBRI e pela Fundação Konrad Adenauer.

Um dos autores, Oliver Stuenkel, possui livro e site próprios, sob o signo do Post Western World (sobre os quais também já efetuei apresentação com o próprio autor no IPRI em dezembro último (ver aqui).
Oliver apresentou numa de suas últimas postagens os dez desafios que ele acha que a diplomacia brasileira precisa enfrentar no futuro imediato e de médio prazo. Eles estão expressos aqui, e não vou debatê-los todos, em detalhe, neste momento, mas apenas referir-me a eles e fazer um rápido comentário sobre cada um genericamente.
Ao final desta postagem transcrevo a síntese de Daniel Buarque, do blog do Brasilianismo, sobre um desses desafios, o de explicar o Brasil ao mundo.

Quais são os dez desafios de política externa identificados por Oliver Stuenkel?

1. Help accelerate Brazil's economic recovery
2. Develop a regional long-term strategy vis-à-vis Venezuela
3. Manage the global corruption fallout
4. Explain Brazil's unique moment to the world 
5. Prepare for a more Asia-centric world
6. Design a strategy to address domestic violence
7. Recover Brazil's voice in global security matters — by starting at home
8. Tackle growing challenges in cyberspace
9. Strengthen BRICS, revive IBSA
10. Continue to work towards reforming international institutions        

Eu (PRA) diria, rapidamente o seguinte: 
Concordo, basicamente com quase todos esses "objetivos", ou desafios, mas descarto completamente o de número 9 -- por razões objetivas e de ordem subjetiva, minhas, de acordo com concepções de política externa que mantenho pessoalmente, mas que não vou explicar agora -- e diria que TODOS esses desafios não são exatamente de política externa, e sim de política doméstica, de interesse nacional brasileiro, desafios que temos como nação para o nosso próprio povo.
1) Acelerar o crescimento econômico é o básico de qualquer governança responsável num país atrasado relativa e absolutamente, e portanto a recuperação da GRANDE DESTRUIÇÃO causada pelos lulopetistas é absolutamente essencial para nossa própria sobrevivência. Talvez a política externa (ou mais exatamente a diplomacia) possa ajudar nessa tarefa, mas creio que existem limitações estruturais a isso, que têm a ver com as próprias concepções da diplomacia profissional. Vou me estender sobre isso mais adiante.
2) A Venezuela é certamente um problema para o Brasil, mas nenhuma solução pode ser externa e acho que o Brasil dos lulopetistas foi em grande medida responsável pelo que aconteceu naquele país. Mas não creio que precisamos ter uma estratégia de longo prazo para aquele país exclusivamente, e sim uma estratégia para a região como um todo, e ela passa pela formação, totalmente unilateral, de um espaço econômico aberto na região, bastando ao Brasil abrir-se aos demais, sem nenhuma negociação, apenas dando as regras pelas quais podemos favorecer a criação de uma zona de livre comércio regional.
3) e 4) A corrupção é coisa nossa, e eu não gastaria um centavo sequer tentando explicar o Brasil ao mundo: eu simplesmente faria um ENORME processo de reformas internas, abrindo o país, acabando com monopólios (estatais e privados), rebaixando o Estado ao mínimo indispensável, liberando as forças produtivas do país, da nação, ou seja, criando uma economia baseada nas liberdades e privatização geral de atividades econômicas e mesmo na prestação de serviços públicos. Ou seja, eu investiria TUDO num processo interno de reformas, e deixaria que isso produzisse efeitos primeiro para nós, que depois o mundo vai se dar conta de que, finalmente, ficamos grandes e responsáveis.
5), 7) e 8) Que o mundo esteja se tornando mais "Ásia-cêntrico" (o que é possível), não depende do Brasil, nem da política externa; são dinâmicas econômicas que escapam inclusive do controle dos próprios asiáticos em seus conjunto: apenas ocorre que esses países, por políticas domésticas e esquemas de interdependência regional e global, se tornaram propulsores da economia mundial e isso é bom para todos, para os que lideram o processo e mesmo para os atrasados como nós. Questões de segurança internacional e desafios do ciberespaço também dependem de reformas internas, que nos habilitem a participar da cooperação internacional nessas áreas de maneira útil, não de forma passiva como hoje. Continuo achando que são questões dependentes de reformas internas.
6) Violência doméstica é um assunto de foro íntimo, digamos assim, ou seja, uma tarefa absolutamente interna, que tem pouco a ver com a política externa. Um assunto de polícia e de políticas domésticas de segurança, e basicamente de revolução educacional, o que infelizmente não vai ocorrer tão cedo.
9) Como já disse, não dou nenhuma importância a isso, e apenas lamento que se perca tempo e dinheiro com coisas absolutamente inúteis para nossos grandes objetivos de desenvolvimento.
10) Não ligo tanto para as instituições internacionais, pois acho que elas têm muito pouco a contribuir para as reformas internas -- que são as que reputo mais relevantes -- e podem até influenciar negativamente na consecução de várias delas. O Brasil continua, infelizmente, a disputar os primeiros lugares dentre os "coitadinhos do mundo", e não acho que seja uma boa atitude para ajudar nas reformas internas.

Enfim, essas são considerações muito rápidas que faço sobre essas "teses" de política externa, que terei oportunidade de discutir mais extensamente com o próprio autor.
Paulo Roberto de Almeida

Agora:

Explicar o Brasil ao mundo é um dos 10 desafios de política externa do país
Daniel Buarque
Blog Brasilianismo, 6/01/2017

Explicar o Brasil ao mundo é um dos desafios de política externa do país, diz analista

O momento histórico vivido pelo Brasil em meio às crises política e econômica que assolam o país é único, muda a realidade dos objetivos da diplomacia nacional e precisa ser traduzido para o mundo. Fazer com que estrangeiros entendam o que se passa no país é um dos maiores desafios da política externa brasileira em 2017, segundo o cientista político Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da FGV e membro não residente do Instituto Global de Política Pública (GPPi), em Berlim.

Em um artigo publicado no seu site ''Post Western World'', Stuenkel listou os 10 principais desafios da diplomacia brasileira neste momento de crise, em que evitar o declínio do país se tornou prioridade. Ele inclui esta questão da imagem do país como 4º ponto da lista.

Segundo ele, a Lava Jato alterou a forma como a política e os negócios funcionam no Brasil, ''possivelmente mudando para sempre a tolerância com a corrupção''. Apesar de ser algo importante, isso ''paralisou temporariamente alguns atores-chave, que precisam aprender como se envolver de forma apropriada, com consequências de curto prazo negativas'', avalia.

''A política externa brasileira precisa mostrar a observadores internacionais que isso é, acima de tudo, um desenvolvimento positivo, já que vai fazer com que o Brasil se torne mais moderno, transparente e democrático. Apenas se isso for comunicado de forma bem-sucedida, investidores de todo o mundo vão ajudar o Brasil a se recuperar da sua pior recessão na história'', explica.

Além de explicar o Brasil atual aos estrangeiros, Stuenkel diz que a diplomacia brasileira tem como desafios: Ajudar a acelerar a recuperação econômica do Brasil; desenvolver uma estratégia regional de longo prazo em relação à Venezuela; administrar as consequências da corrupção em escala global; preparar o país para um mundo mais centrado na Ásia; desenvolver uma estratégia para lidar com a violência doméstica; recuperar a voz do Brasil em questões globais de segurança; lidar com desafios crescentes no ciberespaço; fortalecer os Bric; e continuar trabalhando para reformar as instituições internacionais.

''A política externa do Brasil sob seus três presidentes anteriores — Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff — foi formada, apesar de alguns passos atrás e acima de tudo, por desafios na administração da ascensão do Brasil e sua transformação em um ator moderno e visível globalmente. O governo interino de Michel Temer, ao contrário, busca impedir o declínio do Brasil enquanto a maior economia da América Latina entra o que pode se tornar o quarto ano seguido com crescimento negativo ou próximo de zero", explica.