O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador biografia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador biografia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Biografia do diplomata Edmundo Penna Barbosa da Silva - Rogerio SouzaFarias

Biografia excepcionalmente bem elaborada, posso garantir, preparada por um pesquisador confirmado, que fez uma obra equivalente, em importância para a historiografia econômica da diplomacia brasileira, às memórias de Roberto Campos.
Paulo Roberto de Almeida

FUNAG lança biografia do diplomata Edmundo Penna Barbosa da Silva


A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) publica a obra “Edmundo P. Barbosa da Silva e a construção da diplomacia econômica brasileira”, do doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, Rogério de Souza Farias. Diplomata de carreira, Edmundo Penna Barbosa da Silva (1917-2012) exerceu papel crucial nas negociações em favor do comércio externo brasileiro, sendo personalidade central do desenvolvimentismo da década de 1950. Foi articulador da diplomacia econômica na busca de capital estrangeiro, na elevação das tarifas aduaneiras, no aumento de laços com os vizinhos, bem como na reabertura das relações comerciais com a União Soviética. A obra tem o prefácio assinado pelo embaixador Marcilio Marques Moreira.

O livro está disponível para download gratuito na biblioteca digital da FUNAG.

O próprio autor disponibilizou o seu livro na plataforma Academia.edu, neste link:
https://www.academia.edu/33793852/Edmundo_P._Barbosa_da_Silva_e_a_constru%C3%A7%C3%A3o_da_diplomacia_econ%C3%B4mica_brasileira


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Historia economica brasileira: biografia de Edmundo P. Barbosa da Silva - Rogerio S. Farias

Recomendo vivamente. Podem downloadar neste link: 
 http://funag.gov.br/index.php/pt-br/component/content/article?id=1986


Rogério de Souza Farias:
       Edmundo P. Barbosa da Silva e a construção da diplomacia econômica brasileira
       (Brasília: Funag, 2017, 589 p.; ISBN: 978-85-7631-682-4)

Assim como as memórias de Roberto Campos, Lanterna na Popa, constituem, bem mais que mera autobiografia, uma verdadeira história econômica do Brasil, esta densa biografia de um dos grandes construtores da diplomacia econômica no Itamaraty representa, igualmente, uma verdadeira reconstrução historiográfica de toda a história econômica do Brasil na segunda metade do século XX, sendo, como a obra de Campos, de leitura obrigatória por todos aqueles que pretendem abordar, doravante, as relações econômicas internacionais do Brasil, e as políticas econômicas, em especial a comercial e a industrial no período. Enriquecida por um belo e substantivo prefácio do colega de Edmundo, embaixador Marcílio Marques Moreira, a biografia se estende do século XIX ao XXI, e representa um monumento à inteligência econômica, como feita no Itamaraty.
Paulo Roberto de Almeida 


A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) publica a obra “Edmundo P. Barbosa da Silva e a construção da diplomacia econômica brasileira”, do doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, Rogério de Souza Farias. Diplomata de carreira, Edmundo Penna Barbosa da Silva (1917-2012) exerceu papel crucial nas negociações em favor do comércio externo brasileiro, sendo personalidade central do desenvolvimentismo da década de 1950. Foi articulador da diplomacia econômica na busca de capital estrangeiro, na elevação das tarifas aduaneiras, no aumento de laços com os vizinhos, bem como na reabertura das relações comerciais com a União Soviética. A obra tem o prefácio assinado pelo embaixador Marcilio Marques Moreira.
O livro está disponível para download gratuito na biblioteca digital da FUNAG.


sexta-feira, 17 de março de 2017

Macchiavelli: ecce homo, ou ecco l'uomo, o patriota, numa nova biografia




Be Like a Fox by Erica Benner review – was Machiavelli really not Machiavellian?


The Prince was meant ironically, and its author was really a nice guy, argues this compulsively readable study

The Guardian, Wednesday 15 March 2017 

One has grown used to reading the kind of revisionist history in which the Renaissance was a myth, the Reformation never happened and the great Irish famine was a spot of food shortage. Britain blundered into ruling India by a series of unfortunate oversights, and Attila the Hun was by no means as bad as he has been painted.

It was inevitable, then, that someone would come up with a book arguing that Machiavelli was not Machiavellian. In one sense, to be sure, we have known this all along. The renowned 16th-century diplomat and politician was a staunch republican and reformer who denounced corruption in high places and detested tyrants, which was not the best recipe for a quiet life in the Florence of the Medici family. As a humanist in the mould of Livy and Cicero, he urged his fellow citizens to question conventional wisdom and take nothing on authority. Rulers were not to be deceived by false glory, and high birth was by no means a guarantee of virtue. The public good took precedence over private interests and political sectarianism. You should treat your enemies justly, uphold the rule of law and show respect to others, if only to win them over to your side.
Yet Machiavelli was writing at a time when this ancient humanist heritage was running up against the more sceptical vision of the modern age. If he thought despots were despicable, it was not because he believed that people could be trusted to run their own lives. On the contrary, his drastically low estimate of their abilities is typical of political conservatism. Conservatives tend to believe that human beings are flawed, limited creatures who need to be strictly disciplined if anything useful is to be squeezed out of them. Liberals, by contrast, place their faith in the more generous instincts of humanity, which will flourish if only they are allowed free rein.
There is no doubt about which camp the author of The Prince belongs to. We are entering an era of realpolitik, suspicious of grand ideals and noble motives; and what is striking about Machiavelli’s work is that this disenchanted view of politics is now becoming part of political philosophy itself. Thinking should be based on how men and women are, not how one would wish them to be. Princes should govern virtuously if they can, but if they can achieve their ends only by fraud, treachery and cruelty, then so be it. If necessary they should break their oaths, cheat their allies and assassinate their rivals. It is a stunning deviation from the classical tradition.
Erica Benner’s lively, compulsively readable biography finds this kind of stuff a problem. She sees Machiavelli not only as non-Machiavellian but as a good-hearted, Gary Lineker-type guy. This is revisionism with a vengeance. Hardly a word of rebuke for this admirer of the bloodstained Cesare Borgia passes Benner’s lips. She adopts a now-fashionable biographical mode, in which it is obligatory to refer to your subject by his or her first name and invent gestures or snatches of dialogue that make them seem more human. The mildly patronising assumption that the reader will be bored by history unless it is brought alive in this pseudo-fictional way lurks behind many a recent piece of life-writing. As a result, criticism gives way to empathy.
Despite her remarkably charitable treatment of “Niccolo”, Benner does not overdo the fake dialogue and dreamed-up scenarios. There are a few clunky moments in this respect – “‘I think,’ [his mother] Bartolommea says in low tones so their children can’t hear, ‘that Nencia might be pregnant.’” On the whole, though, the book avoids too much fictional embroidery, not least because 16th-century Florentine history is dramatic enough in its own right. There are some fascinating accounts of conspiracies and intrigues, political trouble-making and diplomatic trouble-shooting, fanatical friars and military disasters.
So what of the Machiavelli who advocates force and fraud? Most of this inconvenient stuff is to be found in The Prince, and in Benner’s view is meant to be ironic. The book is dedicated to Lorenzo de’ Medici, and commends, tongue in cheek, just the kind of unsavoury conduct that is likely to bring him and his kind low. There are problems with this explanation. For one thing, the biography has been seen as a kind of job application by its author for a post as political counsellor to the Medici, and even Benner has to admit that the family could hardly be expected to look benevolently on a man who advised them to act as villains, however much they did so anyway. For another thing, some of the discreditable attitudes of The Prince can be found elsewhere in Machiavelli’s writing, not least the view that the end justifies the means.
Demonising Machiavelli does no justice to the complexity of his life and work, though idealising him isn’t the answer either. Even so, Be Like a Fox is a valuable demolition-and-salvage job, fluently written and unshowily erudite. One awaits Martin Luther: Servant of the Pope with a certain sense of fatality.
 Terry Eagleton’s Materialism is published by Yale. Be Like a Fox is published by Allen Lane. To order a copy for £17 (RRP £20) go to bookshop.theguardian.com or call 0330 333 6846. Free UK p&p over £10, online orders only. Phone orders min p&p of £1.99
Sobre o livro:

One needs to be a fox to recognize snares, and a lion to frighten the wolves Niccolo Machiavelli lived in a fiercely competitive world, one where brute wealth, brazen liars and ruthless self-promoters seemed to carry off all the prizes; where the wealthy elite grew richer at the expense of their fellow citizens. In times like these, many looked to crusading religion to solve their problems, or they turned to a new breed of leaders - super-rich dynasties like the Medici or military strongmen like Cesare Borgia; upstarts from outside the old ruling classes. In the republic of Florence, Machiavelli and his contemporaries faced a choice: should they capitulate to these new princes, or fight to save the city s democratic freedoms? Be Like the Fox follows Machiavelli s dramatic quest for political and human freedom through his own eyes. Masterfully interweaving his words with those of his friends and enemies, Erica Benner breathes life into his penetrating, comical, often surprising comments on events. Far from the cynical henchman people think he was, Machiavelli emerges as his era s staunchest champion of liberty, a profound ethical thinker who refused to compromise his ideals to fit corrupt times. But he did sometimes have to mask his true convictions, becoming a great artist of fox-like dissimulation: a master of disguise in dangerous times. 



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Stefan Zweig: o escritor que sonhava de um mundo sem fronteiras - BBC

Vou fazer, como Diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, IPRI-Funag-MRE, um encontro, "Stefan Zweig e o Brasil", com a apresentação de seus livros, ideias, inspirações e sentimentos, com a participação do ex-chanceler Celso Lafer, que introduziu um dos livros publicados, "A Unidade Espiritual do Mundo" (uma conferência que Zweig fez no Rio de Janeiro, em 1936, quando de sua primeira passagem pelo Brasil), de Israel Beloch, o organizador da obra, e de Kristina Michahelles, tradutora de Zweig e diretora da Casa Stefan Zweig de Petrópolis. Será feito no Instituto Rio Branco, em Brasília, no dia 21 de março, às 15hs, com o patrocínio da Embaixada da Áustria. Sejam todos bem-vindos...
Eu me permitiria agregar, em relação à matéria abaixo, que a melhor biografia de Stefan Zweig, NO PLANO UNIVERSAL, é, sem dúvida alguma, a de Alberto Dines: Morte no Paraíso. Busquem nos sebos...
Paulo Roberto de Almeida

http://www.bbc.com/culture/story/20170221-zweig-the-writer-who-dreamed-of-a-world-without-borders?ocid=ww.social.link.email

 Zweig: the writer who dreamed of a world without borders
The exiled author killed himself in despair over Nazism. But before he did, he said Brazil had become what he hoped Europe could be, writes Benjamin Ramm.

Seventy-five years ago, in February 1942, Europe’s most popular author committed suicide in a bungalow in the Brazilian town of Petrópolis, 10,000 km (6,200 miles) from his birthplace in Vienna. In the year before his death, Stefan Zweig completed two contrasting studies – The World of Yesterday: Memoirs of a European, an elegy for a civilisation now consumed by war, and Brazil: Land of the Future, an optimistic portrait of a new world. The story of these two books, and of the refugee who wrote them, offers a guide to the trap of nationalism and the trauma of exile.
Austria-Hungry provided Zweig with a template of cultural plurality in the face of nationalism
Zweig was born in 1881 into a prosperous and cultured Jewish family in Vienna, capital of the multi-ethnic Habsburg empire, where Austrians, Hungarians, Slavs and Jews, among many others, co-existed. Their ruler was the polyglot Franz-Joseph I, who decreed at the start of his reign in 1867 that “All races of the empire have equal rights, and every race has an inviolable right to the preservation and use of its own nationality and language”.
Franz-Joseph was a stiff-necked autocrat, and his reign should not be romanticised, but it provided Zweig with a template of cultural plurality at a time when Europe was consuming itself in nationalism. His biographer George Prochnik notes that Zweig called for the foundation of an international university, with branches in every major European capital and a rotating exchange programme that would expose young people to other ethnicities and religions.
(Credit: Alamy)
Before settling in Brazil, Zweig lived for a while in Ossining, New York – where he was photographed in 1941 (Credit: Alamy)
Zweig began to write The World of Yesterday after leaving Austria in 1934, anticipating the Nazification of his homeland. He completed the first draft in New York in summer 1941, and posted the final version, typed by his second wife Lotte Altmann, to his publisher the day before their joint suicide. By then, the Habsburg empire had “vanished without trace”, he writes, and Vienna was “demoted to the status of a German provincial town”. Zweig became stateless: “So I belong nowhere now, I am a stranger or at the most a guest everywhere”.
(Credit: Emma Bridget Byrne)
Zweig settled in Petrópolis, just north of Rio de Janeiro – the town was named after Pedro II, the last emperor of Brazil (Credit: Emma Bridget Byrne)
Zweig’s memoir is illuminating in its portrait of the disorienting nature of exile. In the cities in which Zweig had been celebrated, his books were now burnt; the golden era of “security and prosperity and comfort” had given way to revolution, economic instability and nationalism, “the ultimate pestilence that has poisoned the flower of our European culture”. Time itself was ruptured: “all the bridges are broken between today, yesterday and the day before yesterday”.
Without a trace
One of Zweig’s greatest anxieties was the loss of his linguistic home. He expressed “a secret and tormenting shame” that Nazi ideology was “conceived and drafted in the German language”. Like the poet Paul Celan, who committed suicide in Paris, Zweig felt that the language of Schiller, Goethe and Rilke had been occupied by Nazism, and irredeemably deformed. After moving to England, he felt “imprisoned in a language, which I cannot use”.
Zweig writes of a time you could visit India and the US without a passport or visa
In The World of Yesterday, Zweig describes the ease of borderless travel prior to 1914 – of visiting India and the US without the need for a passport or visa – a situation inconceivable to the interwar generation. Now he, like all refugees, faced the humiliation of negotiating an unwieldy bureaucracy. Zweig described his intense “Bureauphobia” as immigration officials demanded ever more proof of identity, and he joked to a fellow refugee that his job description was “Formerly writer, now expert in visas”.
(Credit: Alamy)
Zweig was among Europe’s most popular writers during the 1920s and ‘30s and film-makers adapted his works – his novel Fear became Roberto Rossellini’s La Paura (Credit: Alamy)
As Hitler’s forces spread across Europe, Zweig moved from his lodging in Bath in the UK to Ossining, New York. There he was almost unknown to all but his fellow refugees, who lacked his connections and material comforts, and frequently appealed to his legendary generosity. Zweig never felt at home in the US – he regarded Americanisation as the second destruction of European culture, after World War One – and hoped to return to Brazil, which enchanted him during a lecture tour in 1936.
(Credit: Alamy)
Perhaps Zweig’s best-known novel was Letter from an Unknown Woman, which became a film by Max Ophüls in 1948, starring Joan Fontaine and Louis Jourdan (Credit: Alamy)
Brazil: Land of the Future is a lyrical celebration of a nation whose beauty and generosity profoundly impressed Zweig. He was surprised and humbled by the country, and admonished himself for his ignorance and “European arrogance”. Zweig outlines Brazil’s history, economy, culture and geography, but the real insight of the book comes from the perspective he gains about his own continent.
There is no colour-bar, no segregation, no arrogant classification – Zweig
Brazil becomes, in Zweig’s description, everything he would like Europe to be: sensual, intellectual, tranquil and averse to militarism and materialism. (He even claims that Brazilians lack the European passion for sport – a bizarre assertion, even in 1941). Brazil is free of Europe’s “race fanatics”, its “frenzied scenes and mad ecstasies of hero-worship”, its “foolish nationalism and imperialism”, its “suicidal fury”.
(Credit: Fox Searchlight)
Wes Anderson paid tribute to Zweig in the end credits of The Grand Budapest Hotel, a film which Anderson says the writer inspired (Credit: Fox Searchlight)
In its cadences and colours, Brazil was radically different from Zweig’s repressed image of Habsburg Vienna, but the beauty of its hybrid identity seemed to vindicate his outlook. In Brazil, the descendants of African, Portuguese, German, Italian, Syrian and Japanese immigrants mixed freely: “all these different races live in fullest harmony with each other”. Brazil teaches ‘civilised’ Europe how to be civilised: “Whereas our old world is more than ever ruled by the insane attempt to breed people racially pure, like race-horses and dogs, the Brazilian nation for centuries has been built upon the principle of a free and unsuppressed miscegenation... It is moving to see children of all colours – chocolate, milk, and coffee – come out of their schools arm-in-arm… There is no colour-bar, no segregation, no arrogant classification... for who here would boast of absolute racial purity?”
‘Paradise’
This paean proved hugely popular with the public, and thousands of Brazilians attended Zweig’s lectures, while his daily itinerary was printed in every major newspaper. But the book was lambasted by critics: Prochnik notes that, for three days in a row, Brazil’s leading newspaper published withering reviews, accusing Zweig of ignoring the country’s industrial and modernist innovations.
(Credit: Wikipedia/Eduardo P)
Zweig’s writing in praise of Brazil made him popular there – several locations are even named after him (Credit: Wikipedia/Eduardo P)
More controversial was Zweig’s fulsome praise for Brazil’s dictator, Getúlio Vargas. In 1937, Vargas had declared the Estado Novo (New State), inspired by authoritarian rule in Portugal and Italy. Vargas shut down Brazil’s congress and imprisoned left-wing intellectuals, some of whom assumed that Zweig had been paid for his praise, or at least offered a visa. Vargas’ government had curtailed Jewish immigration on racial grounds – but made an exception for Zweig, due to his fame.
This troubling episode reveals Zweig’s political naivety. A pacifist and conciliator by nature, Zweig feared inciting hostility at a crucial moment (Vargas finally sided with the Allies in January 1942). Seeking seclusion, Stefan and Lotte ensconced themselves in the elegant former German settlement of Petrópolis, 40 miles (64 km) outside Rio.
Zweig believed in a world beyond borders, but he became defined by them
“It is Paradise”, wrote Zweig of the lush Alpine landscape, which “seems to be translated from the Austrian into a tropical language”. Zweig sought to forget his old books and friendships, and seek “inner freedom”. But at Carnival in Rio, he learned of Nazi advances in the Middle East and Asia, and a sense of doom descended. Zweig felt he could never be free, or free from fear. “Do you honestly believe that the Nazis will not come here?” he wrote. “Nothing can stop them now.”
Zweig believed in a world beyond borders, but he became defined by them: “My inner crisis consists in that I am not able to identify myself with the me of my passport, the self of exile”. This haunted Zweig (“We are just ghosts – or memories”), and he wrote in his suicide note of being “exhausted by long years of homeless wandering”. Stefan and Lotte shared this resignation: “We have no present and no future… We decided, bound in love, not to leave each other”.
In Petrópolis, I visited Zweig’s bungalow, which now serves as an “active museum”, according to Tristan Strobl, who works there on national service as an Austrian Holocaust Memorial Servant. He showed me an interactive display of all the refugees that came to Brazil between 1933 and 1945, highlighting their contributions. “This period was such a loss for the intellectual life of Europe”, says Tristan, “but for Brazil and the other countries that received these exiles, it was hugely positive”. The darkest decade of the old world brought light to the new.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Pedro Dutra: biografia de San Tiago Dantas (resenha-apresentação, 2014)

Livros


San Tiago Dantas - a razão vencida.

Resenhas
Valor Econômico de 30.09.2014
As variadas cores da vida política de San Tiago Dantas
 
Por Oscar Pilagallo
 
Revista Veja
          Carlos Graieb
“...Não por descuido, mas por falta de evidências, o livro é menos rico na descrição das atitudes e dos sentimentos do jovem Dantas do que na descrição de seu trabalho intelectual. Nesse ponto, contudo, é uma obra notável. ...”
Revista Veja Edição 2410 – 28 de janeiro de 2015


Editora Singular. 

Apresentação:


O homem, que muitos dizem ser o mais inteligente do Brasil, tem pressa. Assim uma reportagem na revista O Cruzeiro, a maior do País, se referia a San Tiago Dantas em 1960. Mas quem foi, ou melhor, quem é San Tiago Dantas?

Brilhante e precoce, sem dúvida. Líder estudantil aos dezessete anos, aos vinte editor de jornal e teórico fascista, um ano depois professor de Direito, a seguir prócer integralista e crítico do nazismo; catedrático aos vinte e cinco, fundador de duas faculdades e titular de três cátedras antes dos trinta anos e ainda diretor da Faculdade de Filosofia, no Rio de Janeiro. Um ano depois, em 1942, repudia publicamente o Integralismo, defende a declaração de guerra ao Eixo, propõe a união nacional das forças políticas, reunindo os comunistas inclusive, para afirmação de um regime democrático, e em 1945 elabora parecer firmado por seus colegas professores que nega fundamento jurídico à proposta continuísta do ditador Getúlio Vargas. E, explicitamente, defende substituir a propriedade privada pelo trabalho como núcleo de uma ampla reforma social.

A acusação de oportunista não demorou a lhe ser lançada, e será renovada e ampliada dez anos depois. Então, o alvo será o jovem jurisconsulto procurado por grandes empresas nacionais e estrangeiras convertido em banqueiro, que se alia aos trabalhadores ao ingressar no partido que Getúlio criara para abrigá-los; e, no início da década de 1960, ministro do Exterior, recusa-se a sancionar o novo regime cubano e reata relações diplomáticas com a União Soviética. No começo de 1964, depois de no ano anterior tentar controlar, sem êxito, a espiral inflacionária à frente do Ministério da Fazenda, já mortalmente doente, e agônica a República de 1946, tenta sensibilizar as forças partidárias e articulá-las em uma frente ampla de apoio às reformas democráticas para resgatá-las da polarização que já engolfara a política nacional. Em vão: a direita o vê como um trânsfuga, os conservadores como um ingênuo, e a esquerda desacredita os seus propósitos.

E quase todos o veem como o manipulador, senão o malversador de seus dotes intelectuais, que, diziam seus críticos, derramavam uma luz fria, que iluminava mas não aquecia, e justificavam todas as capitulações necessárias a satisfazer a sua premente ambição política. Entre essas capitulações, servir o seu talento à causa populista de líderes sindicais cevados nos cofres públicos e a um vice-presidente, depois presidente da República, cuja inépcia e tolerância com a agitação promovida pelo seu próprio partido teriam precipitado o País no descalabro administrativo e na convulsão política que teriam fermentado o golpe militar de abril de 1964.

Mas a trajetória política de San Tiago, que ele confundiu com a sua vida, autoriza ou desmente essa afirmação? Não teria ele senão buscado imprimir racionalidade e consistência ideológica ao debate político de seu tempo, nele intervindo e empenhando desassombradamente o vigor de sua inteligência, dos dezoito anos até a véspera da sua morte, há exatos cinquenta anos?

A resposta a essa questão está na história de sua vida, encerrada, precocemente também, aos cinquenta e três anos incompletos, em plena maturidade intelectual, quando já descera, em abril daquele ano de 1964, uma vez mais, a noite das liberdades públicas no País.

Este primeiro volume da biografia de Francisco Clementino de San Tiago Dantas, nascido no Rio de Janeiro em 1911, estende-se até 1945, um ano divisor em sua trajetória e também no curto século XX. Então, o jovem ideólogo da direita radical, nutrido pela reação ao legado da Revolução Francesa acrescido pela Igreja Católica e reafirmada pelo fascismo italiano, cedera lugar ao defensor de uma social-democracia nascida da dramática experiência da Segunda Guerra Mundial. O “catedrático menino” tornara-se o mestre consumado que desprezava os títulos professorais e amava os alunos e era por eles amado. E o jurisconsulto notável, que via na ciência jurídica nativa o maior entrave à realização do Direito entre nós, já encontrara na advocacia a retribuição material ao seu tenaz aprendizado, em medida raramente alcançada entre os seus pares.

Saber, ter e poder. Dessa tríade que San Tiago tomou para si como metro de sua trajetória, apenas o último elemento – o poder político – ele não alcançaria plenamente. Mas nesses primeiros trinta e quatro anos de vida ele se habilitou, como poucos antes ou depois, a buscar o fugidio poder político que o fascinara já ao pisar no pátio da Faculdade de Direito, aos dezesseis anos.

O aprendizado que lhe permitisse formular um projeto político consistente de reformas estruturais para o País – o saber; e o ter – a conquista dos meios que lhe possibilitassem cursar uma carreira política desembaraçada de sujeições materiais: reviver para o leitor de hoje essa saga invulgar na história da inteligência brasileira é o propósito e o desafio desta biografia que o Autor procura cumprir, com o lançamento deste primeiro de seus dois volumes.

Dar voz a San Tiago inscrevendo seus textos elegantes e precisos na narrativa e situando-o em seu contexto histórico mostrou-se o método indicado a descrever, com a fidelidade possível, a sua espantosa atividade intelectual. Nesse sentido, o recuo no tempo se impôs para identificar as suas origens familiares, cujo exemplo ele exaltava, e para mapear as matrizes ideológicas que cedo San Tiago se esforçou por dominar e o inspiraram a primeiro defender a “moderna obra da reação”: a Revolução Francesa e a reação às suas conquistas; o surgimento da nova direita no começo do século XX, precedendo as revoluções bolchevista, fascista e nazista; e, no rastro sangrento da Primeira Guerra Mundial, o embate ideológico que levaria à Segunda em 1939.

Ao jovem ideólogo somou-se o “catedrático menino” que não frequentou regularmente o ginásio e pouco frequentou a Faculdade de Direito, porém desde cedo acumulou espantosos e sucessivos “tempos de estudo” mais tarde desdobrados inclusive em aulas célebres transcritas em apostilas e ainda hoje, oito décadas depois, editadas em livro.

E sobre essas qualidades inegáveis, sobre a admiração e as controvérsias que se acenderam à sua trajetória, esse homem naturalmente grave e professoral difundia um afeto generoso e franco pela família, vendo nos sobrinhos, sempre próximos, os filhos que não pôde ter, e tendo nos amigos da escola os companheiros inseparáveis de toda a vida.

“De muitos, um”, dizia o sinete que San Tiago estampava em seus livros. Essa síntese ele procurou retirar das ideias e viveu plenamente essa busca, aprendendo para ensinar, ensinando para esclarecer, esclarecendo para transformar. E, no entanto, o poder político não foi alcançado. Mas San Tiago deixou a sua saga intelectual a crédito da história de seu País.


Pedro Dutra: premio da Academia Brasileira de Letras pela biografia de San Tiago Dantas (2015)

Transcrevo do blog do advogado do advogado Pedro Dutra, com data de 2/10/2015:

Agradecimento na recepção do prêmio Senador José Ermírio de Moraes




Excelentíssimo Senhor Presidente da Academia Brasileira de Letras, Acadêmico Geraldo Holanda Cavalcanti.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Comissão do Prêmio Senador José Ermírio de Moraes – Acadêmico Marcos Vilaça.

Excelentíssimo Senhor Relator da Comissão do Prêmio Senador José Ermírio de Moraes – Acadêmico Alberto Venâncio Filho.

Excelentíssimas Senhoras Acadêmicas.

Excelentíssimos Senhores Acadêmicos.

Excelentíssimo Senhor Professor José Pastore, digno representante do Instituto Votorantim.

Senhoras e Senhores.

O prêmio Senador José Ermírio de Moraes, que essa Academia vem de outorgar àA Razão Vencida, é uma generosa retribuição ao esforço de seu Autor.

Mas este prêmio tem um outro – e maior – destinatário: Francisco Clementino de San Tiago Dantas.

1.0. Cumprindo mandato de deputado federal, no início de 1964 San Tiago tentou unir, em uma frente parlamentar, as forças políticas de sustentação do presidente da república, João Goulart. Estava San Tiago advertido de que a extremação ideológica em curso, aprofundando o dissídio entre as correntes de direita e de esquerda, iria ter o seu desfecho, como veio a ter, na ruptura da ordem democrática.

Então, a doença já o visitara, e ele sabia contados os seus dias, assim como vencidos estavam os seus dias no poder, breves, mas superiormente exercidos, em meio a maior crise política vivida na frágil república de 1946.

Por essa altura, San Tiago buscou a Academia, onde contava com inúmeros amigos de mocidade, entre eles, Alceu Amoroso Lima e Afonso Arinos; e, ainda hoje, conta nessa Casa com seus jovens amigos, o crítico literário Eduardo Portella e o advogado Alberto Venâncio Filho.

San Tiago formalizou a sua postulação e cumpriu os procedimentos de praxe. Mas a eleição realizou-se a dois de abril de 1964, já vitorioso o golpe militar e deposto o governo João Goulart.

E o nome de San Tiago não alcançou a maioria necessária à sua admissão a essa Casa. Meses depois, a 6 de setembro, morria, aos 53 anos incompletos.

2.0. Não foi a Academia Brasileira de Letras a única Casa a lhe recusar ingresso. Em junho de 1962, os seus pares na Câmara de Deputados lhe haviam negado a chefia do gabinete, no curto interregno parlamentar então aberto na vida política nacional.

O regime parlamentar surdira de um golpe: os militares, estimulados por radicais da UDN, negavam posse ao vice-presidente João Goulart, alegando a sua simpatia e leniência às forças de esquerda, em sequência à renúncia de Jânio Quadros.

Ao aceitar a implantação do regime parlamentarista em troca de sua posse na presidência da república, Jango começou a trabalhar contra a sobrevivência desse regime. E nesse ofício contou com apoio de candidatos que já abertamente postulavam a sua sucessão.

No turbilhão em que a vida política do país se transformou, San Tiago distinguia-se: era um homem de Estado.

3.0. Tinha ele a noção moderna da democracia renovada pelos valores apurados pela experiência dramática da Segunda Guerra.  E entre esses valores renovados, San Tiago reclamava fosse assegurada ao trabalho a mesma ordem de garantias jurídicas havia muito o nosso Direito já assegurava ao capital.

Essa reforma seria a nutriz de outras reformas estruturais, mas estas reformas não poderiam ser, como observou, “ocasionadas pela avulsão de certos valores, pela eclosão revolucionária”; ao contrário, elas deveriam ser, todas elas, debatidas com a sociedade e aprovadas pelo Congresso.

San Tiago mirava as reformas das principais instituições político-jurídicas do país, e estava ciente das palavras de Rui Barbosa, a quem votava justa admiração: a República “não é uma série de fórmulas, mas um conjunto de instituições, cuja realidade se afirma pela sua sinceridade no respeito às leis e na obediência à justiça”.

O homem de Estado era, e é, uma figura estranha à política nacional. Esta, mesmo quando contou com razoável número de parlamentares talentosos, o que certamente não é o caso hoje a ocorrer, não conseguiu afirmar linhas ideológicas, que reclamassem aos partidos a elaboração e a defesa de programas de governo consistentes, a serem oferecidos à consideração do eleitor.

Antes, a política nacional atrai, quando não o celebra, o político que opera distante de temas e de ideias, e sobretudo de procedimentos, que consultem os interesses maiores do Estado brasileiro.

Nesse contexto, em que a ação política é reduzida à destreza em manipular as cordas do governo e o Tesouro Nacional, não surpreende San Tiago ter sido visto como um adversário da cultura política nativa. E, assim, negar-lhe a investidura na chefia do gabinete afigurou-se um imperativo inafastável à maioria dos deputados, para ser evitado o risco de ele conduzir a nação ao regime parlamentar.

San Tiago estava ciente da desconfiança que o seu nome suscitava, ainda que publicamente exibisse a crença em sua aprovação. Defendeu a sua indicação, apresentando, em um dos mais notáveis discursos feitos ao plenário da Câmara dos Deputados, o seu programa de governo, cujo núcleo seria as reformas de estrutura do Estado brasileiro, muitas delas até hoje reclamadas.

A derrota sofrida na Câmara dos Deputados não o desencantou. Já muito doente, serviu ao país à frente do Ministério da Fazenda no primeiro semestre de 1963, buscando a um só tempo combater a inflação e reanimar a economia.

Mas não achou o apoio da classe política; o seu próprio partido, então liderado por Leonel Brizola, somou-se à oposição tradicional da UDN ao governo e promoveu uma agitação social sem precedentes, precipitando o país em uma crise cujo desfecho, dali a pouco, poria termo à ordem democrática.

4.0. Qual o legado desse fidalgo da inteligência, do mestre da sua geração, do advogado excepcional? Qual o legado desse raro homem de Estado, talhado para o exercício superior do poder, mas que acumulou sucessivas derrotas políticas? Qual o legado desse escritor extraordinário, de um estilo de uma severa simplicidade, onde não sobram adjetivos, não se acha o verbo mais exato e não se tem a síntese mais justa?

Não há uma resposta única e precisa, ao se lidar com uma personalidade tão rica e complexa, mas a sua obra pode nos indicar caminhos. Ela é uma obra de circunstância, produto da sua ação múltipla, de professor, de advogado, de jurista, de político, de ensaísta, atividades exercidas simultaneamente, incansavelmente, excelentemente.

A maior parte dessa obra notável está por publicar, e deve compor, como esperamos, os escritos já conhecidos. A esses trabalhos soma-se a sua correspondência, extraordinária pela sua riqueza documental, e é sem dúvida uma obra literária superior.

Nela surge o homem austero e grave, que amava a família e via nos sobrinhos os filhos que não pode ter, e era o companheiro fiel cujos amigos de mocidade com ele estiveram até a última hora.

5.0. O percurso ideológico de San Tiago é riquíssimo, e traz o selo da coerência e do desassombro, como mostram os seus escritos.

Defendeu suas ideias energicamente, publicamente. Foi capaz de rejeitar aquela que primeiro abraçou ao vê-la infiel aos propósitos que ele, como tantos outros, aspirou ver realizados.

Passou a defender uma ordem social democrática, onde o trabalho e o capital se alinhassem em um mesmo plano de direitos e deveres.

Um dos maiores advogados do país e um intelectual justamente respeitado, não hesitou em buscar infundir ao trabalhismo brasileiro – atrelado ao Estado e cevado por suas verbas – as ideias reformistas do trabalhismo britânico, que no poder transformara a vida social e econômica daquele país.

Ao ver de San Tiago, a política não é um conjunto de ações mecanicamente executadas. Ela deve desdobrar, congruentemente, ideias nascidas pela consulta à realidade e aos valores de cada país.

Em um de seus notáveis ensaios, San Tiago desenhou o seu perfil político, ao traçar o de Rui Barbosa: “todo o verdadeiro grande homem, observou, é um ideólogo: seus pensamentos, sua vida pública, vestiram certos imperativos da existência brasileira, deram forma e teoria a impulsos vitais, que se formaram na sociedade de seu tempo”.

Em uma de suas notas pessoais, San Tiago escreveu que sabia ter a inteligência de um grande homem, mas não era um grande homem, pois a sua inteligência ainda não encontrara um norte ao qual deveria concentrar-se.

San Tiago enganou-se, como tantas outras vezes ao falar de si próprio.

A sua luta política, de maior projeção, não durou mais de cinco anos; e, como a de nenhum outro grande politico brasileiro, à exceção de Rui Barbosa, levantou tanta incompreensão, tanta crítica, mesmo daqueles que o admiravam.

San Tiago estaria fora de seu lugar. Aquele homem refinadíssimo, tendo à sua disposição todos os favores materiais que o seu talento reunira, e era uma das máximas expressões da elite do país, assombrava a todos ao defender a causa trabalhista, em meio aqueles que a agitavam com um discurso populista, frenético e irresponsável.

Mas a sua determinação era inabalável. Ali ele deveria estar, pois, como a entendia, “o dever da inteligência é esclarecer”.

San Tiago era um homem só, na política brasileira. Porém ele já se preparara para essa caminhada.

Isso nos disse ainda em 1947 em seu ensaio sobre a obra maior de Cervantes. No cavaleiro manchego, em sua insânia, na entrega delirante a tarefas irrealizáveis, San Tiago viu “o dom de si mesmo”, isto é, o domínio integral sobre a própria existência, subtraindo o cavaleiro ao destino o seu comando.

Contudo, o heroísmo do Quixote é frustro, e ele só pode ser compreendido reversamente, não pelo seu “resultado imediato alcançado, mas pela repercussão do exemplo”. Esse exemplo, diz San Tiago, é o heroísmo qualificado, paradoxalmente, pelo aparente fracasso da empreitada: os atos malogrados do Quixote são recebidos “a crédito, para compensação das injustiças e agravos que ele não soube ver, nem reparar”, nas palavras do próprio San Tiago.

O dom de si mesmo restitui ao homem a sua liberdade suprema, que só a pureza da ação que não busca crédito pode dar, e, por isso, é capaz de frutificar em exemplos transcendentes; o “dom de si mesmo”, conclui San Tiago, “resolve o problema do destino, vence as hesitações que o temor do erro tanto nos infunde, e, fazendo-nos olhar para fora de nós, permite que, um dia, nos reencontremos”.

Estamos certos de que San Tiago reencontra-se a si mesmo nessa Casa, neste dia de hoje.

Muito obrigado.