O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador corrupção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador corrupção. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Brasil na imprensa internacional: corrupcao em destaque

Triste constatar que o Brasil aparece na imprensa internacional apenas pelos inúmeros casos de corrupção política:

Financial Times, May 15, 2018
Sérgio Moro dismisses suggestions corruption inquiry could clear way for authoritarians
Joe Leahy and Andres Schipani

Democracy in Brazil is safe despite a sweeping corruption investigation that has devastated the major political parties in Latin America’s largest country, the judge leading the probe said. 

Federal judge Sérgio Moro, who is heading the “Car Wash” probe that last month jailed the country’s most popular politician, former leftist president Luiz Inácio Lula da Silva, dismissed suggestions it has created a political vacuum that could bring authoritarians to power in elections in October. 

“Someone authoritarian taking power, or someone with authoritarian intentions who is not barred by our institutions, I don’t see that happening in Brazil,” Judge Moro told the Financial Times in an interview at his court in the southern city of Curitiba. 

Car Wash, which has probed bribery at state-owned oil company Petrobras, has been widely praised for ending impunity for the rich and powerful in Brazil. But the collateral damage from the investigation has been to discredit the established centrist political classes who have led Brazil for the past 30 years and to boost the chances of victory in elections in October of far-right politician, Jair Bolsonaro, analysts say. 

A former army captain and admirer of Brazil’s brutal former military dictatorship, Mr Bolsonaro advocates cracking down on crime by arming the population and wants to restore “family values”. His opponents criticise him for making disparaging statements about women, gays and black minority communities. 

Mr Lula da Silva, who is popular among the poor for his social welfare programmes during his eight years in power ending in 2010, has double the voter intentions of Mr Bolsonaro with 31 per cent in a Datafolha poll in April. But his jailing has left Mr Bolsonaro in the lead in polls, with environmentalist Marina Silva close behind.

But Judge Moro said fears that Car Wash was endangering democracy were misplaced, with the investigation in fact strengthening Brazil’s institutions. 

“There is sometimes a slightly imperfect picture of Brazil outside the country that democracy is at risk — no, that threat does not exist,” he said. “At least in my evaluation, the institutions are showing themselves to be firm [but] with occasional possibilities of frustration, of retrogression. But it’s something that is occurring within the democratic regime.” 

Often compared with Italy’s Mani Pulite or “Clean Hands” investigation in the 1990s, which destroyed that country’s established political order, the Car Wash investigation has changed Brazilian politics. 

According to the public prosecutors office, 107 people have been condemned to a total of nearly 1,635 years in prison. But like Mani Pulite, which prepared the ground for the rise of arch-populist Silvio Berlusconi, there are fears Car Wash has left a country sick of corruption and crime and reeling from its worst recession in history more open to populism. 

But Judge Moro said there were many differences between the two investigations. For one, Car Wash had not swept the political scene clean — many of those being investigated in the probe were planning to run in the October elections. Most of the cases against politicians are still stuck in the slow-moving supreme court, which under the constitution has jurisdiction over sitting congressmen. 

“I don’t see in the Brazilian scenario anyone with the profile of Berlusconi who could assume power in the same way . . . at least there doesn’t exist any candidate who is a proprietor of the means of communications,” Judge Moro said, referring to Mr Berlusconi’s control of Italy’s media.

Brazil’s Car Wash scandal puts pressure on companies to obey clean up rules
Andres Schipani

As Brazil’s investigation into its Car Wash (Lava Jato) corruption scandal enters its fifth year, Eduardo Staino, the head of compliance at Andrade Gutierrez, one of the country’s largest construction companies, recalls how the scandal took a toll on him.

“I am not going to say Lava Jato is the only reason for my marriage’s failure,” says Mr Staino, who divorced last year. “[But] I had my head in the job,” he adds, referring to the work hours and stress that he attributes to the scandal.

The continuing criminal investigation into bribery at Petrobras, the state-controlled oil producer, which came to light in 2014, has implicated a sizeable part of Brazil’s business and political establishment. Following the arrest and jailing of some Andrade Gutierrez executives and the imposition of a R$1bn ($290m) fine on the company, Mr Staino was put in charge of strengthening its compliance rules.

In common with managers in a similar position at other companies caught in the Car Wash deluge, much was left to him to protect the organisation from further legal exposure and to repair a sullied reputation. “We cannot make such a mistake again,” says Mr Staino. “We can see clearly today that if we do something wrong again we are finished.”

Such efforts as Mr Staino’s may, in the long term, help clean up the image of Brazil’s politics and business. In the meantime, the probe into graft at Petrobras, which revealed that a considerable number of companies received public contracts in exchange for bribes, has fuelled a regulatory compliance boom in Brazil.

As a result, companies have been compelled to develop codes of conduct and ethics. Such procedures as hotlines for complaints to limit opportunities for illicit payments have also become a feature of the business landscape.

The basis of a stronger legal framework came in the form of Brazil’s Clean Companies Act, in force from 2014. This has forced many companies to take compliance more seriously, not least because those found guilty of graft face potential fines of up to 20 per cent of their previous year’s gross income.

This was followed by a 2016 law that set governance and compliance rules for Brazil’s state companies, or those in which the state has a controlling interest such as Petrobras. Government ministers and members of political parties are banned from being appointed to such companies’ boards of directors.

Lava Jato has turned corruption into a “huge worry for everyone”, says Marcello Hallake, partner at Jones Day, international lawyers. In Brazil, compliance officers, heads of compliance and legal aides for compliance, he adds, are “much in demand these days”.

Mr Staino notes that it is not easy to develop and oversee compliance schemes. “This is not something you learn at school,” he says, and is “super challenging and complex”. A good compliance programme “is not something you can simply buy at a supermarket”.

At Andrade Gutierrez, robots have been brought in to help. Before the company makes a payment to a supplier, Mr Staino explains, a software robot can go through a database to check what links that supplier might have to politicians.

Where once Brazilian companies boasted about profits, now they may be as likely to emphasise how they stick to compliance rules. Fábio Januário, chief executive of construction company Odebrecht, which found itself very much part of the Lava Jato drama, says: “The company is going through a profound moment of transformation, perhaps like no other.”

A 2018 study by Berlin-based Transparency International, a non-governmental organisation, suggests a trend towards anti-corruption compliance and ethics in Brazil.

The 110 companies assessed on the strength and transparency of their anti-corruption programmes scored an average 65 out of 100, compared with 55 two years ago.

Katja Bechtel, Transparency International’s head of business integrity, warns that it is too early to say if “Brazil’s compliance hype” is part of a serious commitment to change things. “Cultural change does not happen overnight, but needs continuous efforts,” she adds.

Adopting anti-corruption and ethics schemes is a necessary but not sufficient measure, suggests Wagner Giovanini, former compliance chief for Latin America for German conglomerate Siemens and now a director of São Paulo-based consultancy Compliance Total.

“The vast majority” of companies in Brazil, says Mr Giovanini, have not yet realised the benefits to their business of having “a well-established compliance system”. Having a complaints hotline as part of a compliance scheme “is not enough to make things right”, he adds.

Brazil’s war on graft replaces costly gifts as the new soft power
John Paul Rathbone

There are few better symbols of Brazil’s influence in Latin America — what it was, is and may become — than Lima’s 37m-high statue of Christ the Redeemer.

Seven years ago, Brazilian construction company Odebrecht donated $800,000 to install the Peruvian version of Rio de Janeiro’s famed statue. Hewn from white stone, and with outstretched arms, it marked a high point of Brazil’s regional influence, global ambition and colour-blind approach to international relations.

This married Brazil’s “soft power” of soccer and samba with hard infrastructure funded by cheap loans from BNDES, the development bank and financial handmaid of Brazilian foreign policy. Diplomatically, this was backed up by Unasur, the union of South American nations that sought to isolate Mexico to the north, sidestep the US and unite South America under Brazilian leadership. Books with titles such as Brazil on the Rise, Brazil as an Economic Superpower and Brazil is the new America proliferated. Brazil, traditionally so inward looking, seemed to bestride the region.

Today, the statue, officially called the “Christ of the Pacific”, is known locally as the “Christ of Theft”. Odebrecht is in disgrace for being at the centre of a web of corruption — the Lava Jato, or “Car Wash” scandal — that the US Department of Justice has called the world’s biggest bribery scheme. Unasur has all but dissolved. Brazil’s worst recession and arguably worst political crisis have cast further doubt on its leadership.

At home, the hidden cost of Brazil’s rainbow policy has also been revealed. Former president Luiz Inácio Lula da Silva is, controversially, in jail on corruption charges. BNDES is stuck with $4bn of bad loans. These include $800m owed by Venezuela and must, reportedly, be incorporated into the budget, implying that Brazilians will ultimately foot the bill.

A remarkable rise and a tragic fall. That said, it would be wrong to think that it marks a dimming of Brazilian influence — the country’s size and $2tn economy see to that. Nevertheless, Brazil’s projection of soft diplomacy may also be expanding. Many hope this remains true whoever is president next and whatever the state of the economy.

That may sound paradoxical, especially as no one knows who will lead the world’s fifth-largest country after October’s presidential vote.

It is already an election like no other. After more than 20 years of power alternating between the Brazilian Social Democracy party and the Workers’ party, it is outsiders who lead the polls. The next president could be Jair Bolsonaro, a far-right congressman who makes Donald Trump seem mild; Marina Silva, a leftist environmentalist with market-friendly policies; or somebody in-between. According to online betting markets PredictIt and Betfair, Geraldo Alckmin, former governor of São Paulo state, has a 35 per cent chance of winning.

Whoever becomes president must contend with the shifting coalitions of Brazil’s fragmented congress. At present, it contains more than two dozen parties, with the largest controlling less than 12 per cent of the seats. That said, “winning the polls might prove to be a lot easier than actually governing the country”, suggests consultancy Stratfor, and against such a backdrop it is near impossible to anticipate what Brazilian foreign policy will be.

There are some constants amid the uncertainties. One of the most important is the constitutionally guaranteed independence of Brazil’s judiciary and prosecutors. These are the men and women who have pursued corruption probes, such as Lava Jato, that have led to the conviction of multiple business leaders and politicians. The investigations have shown that Latin America is not defenceless in the face of corruption, something that Sérgio Moro, the probe’s leading judge, has also emphasised.

While not perfect, the investigations have set a benchmark for fighting corruption — the emerging world’s biggest scourge. The World Bank estimates $1tn of bribes are paid every year, while the World Economic Forum believes that the annual cost of corruption is equivalent to 5 per cent of global economic output, or $2.6tn.

No other Bric country comes close to Brazil’s response. It has been propelled by pressure from civil society and led by an independent judiciary, unlike politically motivated purges in China, Russia or Saudi Arabia. It has also shown up countries that fail to tackle corruption in similarly systematic ways. Many in the region, especially Mexico, rue that such investigations have not happened there.

The approach has also been matched by other measures, especially in politics. Corporate donations are no longer allowed in Brazilian electoral campaigns and politicians are being stripped of their legal immunity. In short, Brazil’s anti-corruption drive is likely to continue.

Such leadership by example, as Marcos Troyjo, a Brazilian academic at Columbia University, has said, is the “very essence of soft power”.

Exporting the rule of law, rather than corruption, is also timely. As Brazil steps back from financing regional infrastructure as part of its foreign policy, China — not known for its transparency — may be stepping in instead.

“A monument should be built to those valiant [Brazilian] judges!” Nobel-prize winning author Mario Vargas Llosa recently told the Financial Times.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Um manifesto de apoio 'as reformas no Brasil - "intelectuais" do PSDB, Paulo Roberto de Almeida



Paulo Roberto de Almeida
Comentários a programa de reformas de intelectuais do PSDB

Eu nunca chamaria um manifesto como esse, reproduzido abaixo, de propostas de reformas das políticas públicas e sobretudo de reformas constitucionais, pelo nome de um político de ocasião ou de oportunidade, ainda que ele possa merecer o apoio momentâneo de filiados ao partido. Pela simples razão de que se trata de um conjunto de reformas racionais, necessárias, em qualquer tempo e circunstância, para que o Brasil se converta em um país normal, mormente nesta fase de transição para algo que não sabemos exatamente do que será feito. Por isso mesmo, não se poderia vincular esse conjunto de reformas a um nome, que pode ser passageiro, e não revelar-se como "a" solução para os problemas do país (pois homens públicos podem sempre transigir e conciliar).
Eu não aceitaria conciliação em torno de reformas que, objetivamente, são absolutamente necessárias, indispensáveis, independentemente de quem esteja na presidência de um partido que se contaminou na corrupção, na total indiferenças dos líderes partidários (ou até com a sua conivência).
Dito isto, apoio a maioria, senão a totalidade das reformas propostas, e até acrescentaria várias outras, mas que entendo estejam embutidas nestas descritas genericamente. Mas quando se fala em “privatização radical”, caberia precisar o que significa ser “radical”. Inclui os bancos públicos, a Petrobras, todas as demais estatais de infraestrutura? Eu privatizaria todas as estatais, sem distinção.
Além das reformas políticas, acredito que o Brasil necessite, por exemplo, de uma revolução educacional, com alteração radical das bases sob as quais têm funcionado as diversas instâncias do ensino público (e influenciado, negativamente, o privado) no Brasil. As universidades federais precisam ganhar total autonomia, o que significa não apenas uma alocação básica federal, para pesquisa fundamental, e total liberdade para contratações, pagamentos diferenciados aos professores, fim dessa escolha irracional de reitores por votação do próprio corpo acadêmico – e escolha de profissionais de mercado que sejam gestores especializados nesse tipo de atividade – fim da gratuidade absoluta – com pagamento generalizado, e financiamento e bolsas para os merecedores e providos de renda insuficiente – e associações livres com o setor privado, em quaisquer níveis e setores.
Da mesma forma, o manifesto possui propostas para abertura econômica externa – com as quais eu concordo absolutamente, mas até iria além, no sentido de não se requerer negociações externas para acordos de livre comércio, mas simplesmente abertura unilateral, incondicional e irrestrita, por parte do Brasil, uma vez que somos nós os protecionistas, e os parceiros externos não têm nenhuma culpa nisso, e não se deve obrigá-los a fazer concessão em troca de uma abertura que só beneficia o próprio povo brasileiro – mas não possui nada em relação à política externa stricto sensu. Não vou elaborar agora a esse respeito, mas eu me permitiria simplesmente referir a necessidade de uma revisão completa – eu disse completa – na política externa seguida nos últimos quinze anos, que considero seriamente enviesada por concepções sem qualquer conexão com as necessidades brasileiras de inserção internacional.
Tratarei desse aspecto em documento à parte.
Finalizo dizendo que se trata de um bom começo.

Paulo Roberto de Almeida  
Recife, 7/11/2017

Manifesto de Apoio a Tasso Jereissati
6/11/2017

Este é um manifesto em apoio à candidatura de Tasso Jereissati à Presidência do PSDB. Mais do que nomes ou correntes partidárias, o que está em jogo é a postura que se requer do partido diante do Governo Temer. O PSDB deve aprovar as reformas que modernizem o Brasil, independentemente de quem as envie ao Congresso ou as proponha. Mas não deve participar de um Governo que não parece ter se comportado de acordo com os preceitos éticos na condução dos assuntos de interesse público.
Além da postura ética, o Brasil precisa de um Governo que entenda as prioridades nacionais e tenha como foco o bem-estar da grande maioria dos brasileiros. O PSDB precisa voltar a ser o PSDB do Plano Real, capaz de formular e implementar a agenda de reformas necessária para que o Brasil volte a crescer de forma sustentável, com justiça social e respeito aos direitos civis.
Caberá ao Presidente do Partido conduzir as discussões que levarão a um novo programa do PSDB e ninguém melhor do que Tasso Jereissati para liderar esse processo de renovação das ideias de que o País tanto precisa.
Oferecemos à reflexão de todos algumas ideias e princípios que deveriam, em nosso entendimento, nortear um novo Programa do PSDB e a atuação do Governo a partir de 2019.

Visão de Brasil

• Uma economia sustentável, moderna, competitiva e aberta ao mundo.
• Um governo ágil, eficiente e capaz de responder aos anseios dos cidadãos.
• Políticas públicas focadas em educação, saúde e segurança pública.
• Uma sociedade democrática, fundada no respeito aos direitos humanos, na liberdade de expressão e respeito aos direitos das minorias.
• Um sistema político que represente seus eleitores de forma efetiva.

Cinco pilares para a atuação do Governo em matéria  econômica

(A) Austeridade Fiscal
• O governo nem deve nem precisa aumentar a carga tributária. Se a alíquota de um imposto aumentar a de outro deve ser reduzida.
• Programa anual de revisão dos gastos. Eliminar estruturas ociosas; aumentar a concorrência nos processos de compra; inovar na contratação de serviços e obras públicas assegurando processos transparentes na licitação, autorizando a entrada de capital estrangeiro e coibindo práticas viciadas como aditivos desprovidos de racionalidade técnica.
• Programa anual de revisão de isenções tarifárias, isenções tributárias e benesses de toda ordem que impactam as finanças públicas. Todo subsídio deve constar da previsão orçamentária, eliminando-se todo e qualquer subsídio implícito.

(B) Redefinição do papel do Estado: do produtor/financiador para o regulador e planejador
• Na economia brasileira de hoje o Estado não precisa nem produzir nem financiar a produção. A meta é liberar o capital hoje alocado nas estatais, bancos e empresas públicas para usos socialmente mais legítimos ou para reduzir o endividamento público.

Programa radical de privatização.
• O Estado precisa sim regular as atividades produtivas do setor privado para assegurar a concorrência e a prestação adequada dos serviços públicos a cargo de concessionárias com controle privado.
Para tal é urgente acabar com a captura política das agências reguladoras.
• O Estado precisa sim planejar a infraestrutura e o desenho dos mecanismos de atração do capital privado.
• O Estado deve também fixar a política de preservação e uso sustentável do meio ambiente, em busca de uma economia de baixo carbono, evitando a dilapidação do nosso patrimônio natural na busca por lucros.

(C) Postura não intervencionista
• Respeitar contratos.
• Aumentar a previsibilidade do quadro legal e regulatório.
• Não intervir na formação de preços através de congelamentos de tarifas ou de preços administrados.
• Evitar regras que criem proteção artificial a determinados setores ou atividades (lei do similar nacional, requisito de competência técnica para ganhar concessões etc.).

(D) Abertura
• Diminuição de barreiras e entraves à importação, com redução gradual de todas as tarifas de importação e eliminação de entraves burocráticos.
• Acordos de livre comércio com os parceiros relevantes abrindo espaço para produtos brasileiros no exterior e reduzindo os custos de importação, em especial dos insumos importados utilizados como insumos na produção e nas exportações.
• Simplificação e eliminação as barreiras burocráticas que limitam o fluxo migratório de estrangeiros ao Brasil.

(E) Reformas para modernizar o ambiente de negócios
• Estimular a livre iniciativa e o empreendedorismo.
• Estimular o investimento estrangeiro.
• Simplificar a vida dos cidadãos e das empresas reduzindo o custo de conformidade com as leis e consequentemente o contencioso.
• Desburocratizar, tratar os iguais como iguais, evitar regulamentação excessivamente minuciosa.

Reformas constitucionais
• A reforma da Previdência é fundamental para o equilíbrio das contas públicas. Ajustar os planos atuariais às tendências da demografia e acabar com os privilégios.
• Desconstitucionalizar impostos e vinculações orçamentárias para assegurar uma gestão mais flexível do Orçamento.
• Acordo federativo substituindo todos os impostos de intermediação (IPI, ICMS, Cofins, ISS, PIS) em favor de um único Imposto sobre Bens e Serviços com alíquota nacional única.


Foco na agenda social
• O Governo não precisa ter escolas nem hospitais. Não precisa contratar professores ou médicos. Mas precisa prover saúde e educação de qualidade. Tem que ter indicadores de eficiência na tomada de decisão de como gerir os recursos das áreas de educação e saúde.
• Além de educação básica, o Governo deve priorizar a superação de nosso atraso tecnológico e científico, apoiando pesquisa e inovação. Integração com os centros de pesquisa avançados do exterior.
• Buscar a igualdade de oportunidades no acesso à educação, ao mercado de trabalho e à Justiça.
• Manter a rede social de apoio (bolsa família e seguro-desemprego) evitando distorções e fraudes.
• Adotar uma política nacional contra a criminalidade.
• Acabar com privilégios de apropriação do dinheiro dos trabalhadores (FGTS, contribuição sindical obrigatória).
• Incluir sistema S no orçamento da Educação.

Transformação estrutural na gestão da máquina pública
• Firmeza para enfrentar as pressões corporativas dos servidores públicos. Introduzir a meritocracia no trato com o funcionalismo público, premiando a competência e penalizando quem não trabalha. Limitar a estabilidade a carreiras de Estado estritamente definidas.
• Ampliar o programa de desestatização para focar a atuação Estado nas atividades essenciais e reduzir o número de servidores e funcionários vinculados à aposentadoria pública.
• Impessoalidade na relação com os grupos empresariais e representações classistas (fim de regras ad hoc, isenções e benesses seletivas etc.).
• Transparência como norma. Ajustar as leis orçamentárias para fazer com que todos os fatores que afetam as finanças públicas estejam incluídos no Orçamento da União e sejam inteligíveis ao público.
• Anunciar as metas de cada programa de governo e dar divulgação a seu cumprimento. Lembrar que a meta não é gastar mas sim atingir objetivos socialmente relevantes como reduzir os índices de criminalidade, diminuir tempo de espera de cirurgias etc.
• Submeter os programas e autarquias do Governo, inclusive Universidades, a avaliação externa independente.
• Implementar o Governo Digital com os objetivos de reduzir custos, aumentar controles e dar mais transparência. O Governo Digital deve ser também a plataforma da cidadania oferecendo um canal de avaliação dos serviços públicos e informando os contribuintes sobre os impostos que pagam.

Bolivar Lamounier, Edmar Bacha, Elena Landau, Luiz Roberto Cunha, Persio Arida

Militar condenado na Lava Jato diz que foi preso por interesse internacional: Angra 3 (FSP)

 Militar condenado na Lava Jato diz que foi preso por interesse internacional
 Folha de S. Paulo, 7/11/2017

 Acusado de receber propina de R$ 4,5 milhões de empreiteiras que tinham obras em Angra 3, o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva ficou preso por dois anos e recebeu uma das maiores condenações da Lava Jato: 43 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa. Considerado um dos mais importantes cientistas brasileiros e o pai do programa nuclear do país, o almirante Othon, 78, como é conhecido, ficou isolado em uma cela e diz que aprendeu a comer com as mãos. Solto no mês passado, ele pouco sai às ruas e chora com frequência.
Folha - Como o senhor se aproximou da empreiteira Andrade Gutierrez?
Almirante Othon - Em 1994, quando fui para a reserva, a primeira coisa que fiz foi prestar um concurso para o Instituto de Pesquisas Nucleares da Cnen (Comissão Nacional de Energia Nuclear). Havia duas vagas para pesquisador. Concorri com 16 doutores e tirei primeiro lugar. Mas nós estávamos em 1994, numa fase de muita globalização. E eu não fui chamado. A minha cara é nacionalista. E eu sou mesmo. Como não deu certo, montei uma empresa de consultoria, a Aratec. No início de 2004, um camarada da Andrade Gutierrez, o senhor Marcos Teixeira, apareceu lá. 
E o que ele queria?
Ele disse: "Nós [construtora] temos um contrato de 1982 [para as obras civis da usina nuclear de Angra 3]. Mal começamos a mexer na fundação e ele foi interrompido". Eles achavam que eu poderia ajudar [na retomada das obras], por ter influência militar. Eu disse "não tenho mais, saí [da Marinha] faz tempo". Aí veio a ideia de fazer um estudo para eles. Eu não estava no governo e nem imaginava que ia voltar [Othon foi convidado para presidir a Eletronuclear um ano depois, em 2005].
O Ministério Público Federal considerou que o estudo assinado pelo senhor para a Andrade Gutierrez era simplório e entendeu que ele é fictício.
É um desconhecimento total ou uma vontade de não querer reconhecer [a importância do trabalho]. São anos de pensamento sobre o Brasil. O que ocorreu no país, e sobre o que falava no meu estudo? O consumo de energia cresceu e o estoque de água das hidrelétricas estacionou na década de 80. Antes disso, o Brasil poderia passar por vários anos "secos" porque tinha estoque de água. Mas isso mudou e veio o apagão. O Brasil agora precisa de energia térmica de base. Termelétricas têm que ser [movidas a] carvão ou [energia] nuclear. E nuclear é melhor para nós porque temos reservas [de urânio] correspondentes a 50% do pré-sal. Nós temos que aproveitar o que a natureza nos dá. Ah, se eu tivesse mais [usinas] nucleares. O custo do investimento é maior mas o do combustível é menor [do que o de outras alternativas]. No caso da hidrelétrica, o custo [do combustível, a água] é quase zero. E no caso da nuclear, é pequeno. Se eu tiver a energia nuclear, eu economizo água e não chego nessa situação [de apagão]. A energia nuclear não compete com a hidrelétrica. Ela complementa. Era isso o que o estudo mostrava. 
Depois o senhor foi para o governo e a obra de Angra 3 foi retomada.
Em julho [de 2005], eu soube que tinha uma lista [no governo Lula] para escolher o presidente da Eletronuclear. Eu não queria. Mas aí eu fiz a grande bobagem da minha vida. Fui convidado. Bateu a vaidade e eu aceitei. Em outubro de 2005, assumi o cargo.
E como passou a receber dinheiro da empreiteira?
Tudo o que eu fazia na época [em que prestava consultoria] era na base do sucesso. E coincidiu que fui para o governo e houve a decisão [de retomar Angra 3]. Quem decidiu foi o Conselho Nacional de Política Energética, do qual eu não fazia parte. Como presidente, eu apenas executei as diretrizes. Mas passei a fazer jus [à remuneração] do trabalho [estudo para a Andrade] que eu fiz antes. 
Quanto passou a receber?
Eu cobrei R$ 3 milhões, em valores de dezembro de 2004 [a Polícia Federal diz que o almirante recebeu R$ 4,5 milhões em valores atualizados]. Comecei a receber depois que houve a decisão da retomada das obras. Como era um troço completamente diferente, eles falaram "vamos pagar através de outras empresas". Aí virou outro crime. Se fosse hoje, eu exigiria deles [Andrade] um contrato de confissão de dívida para que me pagassem só depois que eu saísse. Eu não receberia no cargo. Eu tinha direito, foi um trabalho que eu fiz antes. Não era imoral nem ilegal. Apenas com a experiência de hoje eu teria feito diferente.
O Ministério Público Federal e a Justiça consideraram que era propina.
Não era propina, não foi mesmo. Eu achava que tinha direito de receber. Agora, tive o cuidado de não tomar nenhuma decisão [que beneficiasse a empreiteira], não tem nenhum ato de ofício assinado por mim. Tivemos [ele e a Andrade]inclusive um atrito inicial, porque eu exigi que o TCU aprovasse os detalhes do aditivo [para o pagamento do serviço nas obras de Angra 3]. Eles ficaram irritadíssimos. Fui uma decepção para eles. Houve outras divergências, chegaram a parar as obras. Oras, se eu tivesse ligação com eles, isso teria ocorrido? 
Delatores da empresa afirmaram que o senhor, na verdade, cobrava percentual sobre os contratos de Angra 3.
A Andrade já tinha um ressentimento em relação a mim. E delação premiada é um processo muito danado. O cara acha que agrada [os investigadores] e senta a pua. Ele não tem compromisso.
O senhor diz que sua prisão interessa ao sistema internacional. Que evidência tem disso?
Como começou tudo isso? Num depoimento que o presidente de uma empreiteira fazia sobre um contrato com a Petrobras. Ele mencionou que ouviu dizer algo sobre o presidente da Eletronuclear estar de acordo com um cartel. Isso serviu de pretexto para os camaradas vasculharem a minha vida desde garoto. Havia um direcionamento. 
Mas haveria um comando externo nas investigações?
Não comando, mas influência forte, ideológica. Não posso provar mas tenho um sentimento muito forte. Houve interesse internacional.
E por que haveria interesse internacional em sua prisão?
Porque tudo o que eu fiz [na área nuclear] desagradou. Qual o maior noticiário que tem hoje? A Coreia do Norte e suas atividades nucleares. A parte nuclear gera rejeição na comunidade internacional. E o Brasil ser potência nuclear desagrada. Disso eu não tenho a menor dúvida. 
Há setores que acreditam que o Brasil deveria desenvolver a bomba atômica. O país fez bem em abrir mão dela?
Eu acho que fez. O artefato nuclear é arma de destruição de massa e inibidora de concentração de força. Mas, no nosso caso, se tivéssemos a bomba, desbalancearíamos a América Latina, suscitando apreensões. E a última coisa que a gente precisa na América Latina é de um embate.
O país, no entanto, não abriu mão da tecnologia. Se necessário, em quanto tempo faríamos uma bomba?
Em uns quatro meses. Com a tecnologia de enriquecimento que nós usamos, podemos fazer a bomba com o plutônio, como a de Nagasaki, ou com o urânio, que foi a de Hiroshima. Temos os dois porque quem tem urânio enriquecido pode ter o plutônio também. 
Voltando às investigações, o senhor foi acusado de contribuir para a desvalorização da Eletronuclear.
Quando assumi, ela era chamada de vaga-lume. Em poucos anos, passou a figurar entre as centrais de melhor desempenho do mundo. As ações se valorizaram. Como então eu contribuí para desvalorizar as ações? Nada disso foi levado em conta no meu julgamento. O meu passado serviu como agravante. Eu peguei cinco anos de cadeia a mais porque, se eu tinha aquele passado, eu tinha que ter um comportamento [exemplar]. É a primeira vez que antecedente virou agravante. Vida pregressa ilibada virou agravante. Tá lá, escrito [na sentença]. É só ler. Eu li. Me deu uma revolta tão grande... [levanta da mesa, chora].