O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador direitos humanos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador direitos humanos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Tribunais de direitos humanos - Ian Buruma (NYRBooks)


Fools, Cowards, or Criminals?
The New York Review of Books,

The Memory of Justice

a documentary film directed by Marcel Ophuls, restored by the Academy Film Archive in association with Paramount Pictures and the Film Foundation
available on HBO
AFP/Getty ImagesNazi leaders accused of war crimes during World War II standing to hear the verdict in their trial, Nuremburg, October 2, 1946. Albert Speer is third from right in the back row of defendants; Karl Dönitz is at the far left of the same row.

1.

The main Nuremberg war crimes trials began in November 1945 and continued until October 1946. Rebecca West, who reported on the painfully slow proceedings for The New Yorker, described the courtroom as a “citadel of boredom.” But there were moments of drama: Hermann Göring under cross-examination running rings around the chief US prosecutor Robert H. Jackson, for example. Jackson’s opening statement, however, provided the trial’s most famous words:
We must never forget that the record on which we judge these defendants today is the record on which history will judge us tomorrow. To pass these defendants a poisoned chalice is to put it to our own lips as well. We must summon such detachment and intellectual integrity to our task that this Trial will commend itself to posterity as fulfilling humanity’s aspirations to do justice.
How well humanity lived up to these words, after a good number of bloody conflicts involving some of the same powers that sat in judgment on the Nazi leaders, is the subject of The Memory of Justice, the four-and-a-half-hour documentary that has rarely been seen since 1976 but is considered by its director, Marcel Ophuls, to be his best—even better, perhaps, than his more famous The Sorrow and the Pity (1969), about the Nazi occupation of France, the Vichy government, and the French Resistance.
Near the beginning of The Memory of Justice, the violinist Yehudi Menuhin declares that the barbarism of Nazi Germany can only be seen as a universal moral catastrophe: “I proceed from the assumption that every human being is guilty.” The fact that it happened in Germany, he says, doesn’t mean that it cannot happen elsewhere. This statement comes just after we have seen the Nazi leaders, one after the other, declare their innocence in the Nuremberg courtroom.

We also hear a former French paratrooper recall how the French in Algeria systematically tortured and murdered men, women, and children. There are gruesome images of the Vietnam War. And Telford Taylor, US counsel for the prosecution at Nuremberg, wonders how any of us would cope with the “degeneration of standards under pressures.” Later in the film, Taylor says that his views on Americans and American history have changed more than his views on the Germans whom he once judged.
Such juxtapositions are enough to send some people into a fury. The art critic Harold Rosenberg accused Ophuls in these pages of being “lured…into a near-nihilistic bog in which no one is guilty, because all are guilty and there is no one who is morally qualified to judge.”1 Ophuls, according to Rosenberg, “trivialized” the Nazi crimes and “diluted” the moral awfulness of the death camps.
This is to misunderstand what Ophuls was up to. The film never suggests that Auschwitz and the My Lai massacre, or French torture prisons in Algiers, are equivalent, let alone that the Vietnam War was a criminal enterprise on the same level as the Holocaust. Nor does Ophuls doubt that the judgment on Göring and his gang at Nuremberg was justified. Ophuls himself was a refugee from the Nazis, forced to leave Germany in 1933, and to flee again when France was invaded in 1940. Instead he tries, dispassionately and sometimes with touches of sardonic humor, to complicate the problem of moral judgment. What makes human beings who are normally unexceptional commit atrocities under abnormal circumstances? What if such crimes are committed by our fellow citizens in the name of our own country? How does our commitment to justice appear today in the light of the judgments at Nuremberg? Will the memory of justice, as Plato assumed, make us strive to do better?
Ophuls does not dilute the monstrosity of Nazi crimes at all. But he refuses to simply regard the perpetrators as monsters. “Belief in the Nazis as monsters,” he once said, “is a form of complacency.” This reminds me of something the controversial German novelist Martin Walser once said about the Auschwitz trials held in Frankfurt in the 1960s. He wasn’t against them. But he argued that the daily horror stories in the popular German press about the grotesque tortures inflicted by Nazi butchers made it easier for ordinary Germans to distance themselves from these crimes and the regime that made them happen. Who could possibly identify with such brutes? If only monsters were responsible for the Holocaust and other mass murders, there would never be any need for the rest of us to look in the mirror.
It is true that Ophuls does not interview former Nazis, such as Albert Speer and Admiral Karl Dönitz, as a prosecutor. His role is not to indict, but to understand better what motivates such men, especially men (and women) who seem otherwise quite civilized. For this, too, Rosenberg condemned him, arguing that he should have balanced the views voiced by these criminals with those of their victims, for otherwise viewers might give the old rogues the benefit of the doubt.
There seems to be little danger of that. Consider Dönitz, for example, who makes the bizarre statement that he could not have been anti-Semitic, since he never discriminated against Jews in the German navy, forgetting for a moment that there were no known Jews in Hitler’s Kriegsmarine. When Ophuls asks him whether he really believes that there was no connection between his ferociously anti-Semitic speeches and the fate of the Jews under the government he served, the admiral’s tight little mouth twitches alarmingly before denying everything in the harsh yelp of a cornered dog. This speaks for itself, and needs no “balancing” by another voice.
Ophuls is a superb interviewer, polite, cool, and relentless. His tone is often skeptical, but never moralistic or aggressive. This allows him to get people to say things they may not have divulged to a more confrontational interlocutor. Albert Speer was responsible for, among other things, the ghastly fate of countless slave laborers pulled from concentration camps to work in German armaments factories. Responding to Ophuls’s quiet probing, this most slippery of customers speaks at length about the moral blindness and criminal opportunism that came from his ruthless ambition. Unlike most Germans of his generation, Speer believed that the Nuremberg trials were justified. But then, he could be said to have got off rather lightly with a prison sentence rather than being hanged.
Where Dönitz is shrill and defensive, Speer is smooth, even charming. This almost certainly saved his life. Telford Taylor believed that Speer should have been hanged, according to the evidence and criteria of Nuremberg. Julius Streicher was executed for being a vile anti-Semitic propagandist, even though he never had anything like the power of Speer. But he was an uncouth, bullet-headed ruffian, described by Rebecca West as “a dirty old man of the sort that gives trouble in parks,” a man one could easily regard as a monster. The judges warmed to Speer as a kind of relief. Compared to Streicher, the vulgar, strutting Göring, the pompous martinet General Alfred Jodl, or the hulking SS chief Ernst Kaltenbrunner, Speer was a gentleman. What saved him, Taylor recalls in the film, was his superior class. When Ophuls puts this to him, a ghostly smile flits across Speer’s face: “If that’s the explanation…, then I am only too pleased I made such a good impression.” In the event, Speer got twenty years; Dönitz only got ten.
Ophuls said in an interview that it was easy to like Speer. But there is no suggestion that this mitigated his guilt. The historian Hugh Trevor-Roper, who also interviewed Speer at length, called him “the true criminal of Nazi Germany,” precisely because he was clearly not a sadistic brute but a highly educated, well-mannered, “normal” human being who should have known better than to be part of a murderous regime. This is perhaps the main point of Ophuls’s film as well: there was nothing special about the Germans that predisposed them to become killers or, more often, to look away when the killings were done. There is no such thing as a criminal people. A quiet-spoken young architect can end up with more blood on his hands than a Jew-baiting thug. This, I think, is what Yehudi Menuhin meant by his warning that it could happen anywhere.

2.

Far from being a moral nihilist who trivialized the Nazi crimes, Ophuls was so committed to his examination of guilt and justice that The Memory of Justice had a narrow escape from oblivion. The companies that commissioned it, including the BBC, did not like the rough cut. They thought it was far too long. Since the film was to be based on Telford Taylor’s book Nuremberg and Vietnam: An American Tragedy (1970), they wanted more on the Vietnam War and less on Nuremberg. Rejection only made Ophuls, who never took kindly to being told what to do by the men in suits, stick more stubbornly to his own vision. He was less interested in a specifically American tragedy, or indeed a German tragedy, than in man’s descent into barbarousness, wherever or whenever it happens.
Ophuls was locked out of the cutting room in London. The producers put together a shorter version of the film, with a different spin, which was sold to ZDF television in Germany. Ophuls then traveled all over Europe to save his own version. A German court stopped ZDF from showing the shorter one. The original edit was smuggled to the US, where a private screening reduced Mike Nichols to tears. Hamilton Fish, later a well-known publisher, managed to persuade a group of investors to buy the original movie back and Paramount to distribute it. It was shown at the Cannes Film Festival in 1976, and then in New York and on college campuses, as well as on television in many countries. But for the cussed perseverance of Ophuls and the help of his American backers, The Memory of Justice would never have been seen. In Fish’s words, “You needed his type of personality to make such a film. He took history on personally.”
After its initial run, however, the movie disappeared. Contracts on archival rights ran out. The film stock was in danger of deteriorating. And so a documentary masterpiece could easily have been lost if Martin Scorsese’s Film Foundation had not stepped in with Paramount to put it all back together again, a labor that took ten years and was completed in 2015.
Much has changed, of course, since 1976. Germany is a different country now, geographically, politically, and culturally. When Ophuls talked to Dönitz, the West German establishment was still riddled with former Nazis. Most of the wartime generation masked their dirty secrets with evasions or shabby justifications. The history of the Third Reich, in the words of Eugen Kogon, a Holocaust survivor and the first German historian to write about the camps, was still “the corpse in the cellar.”
Quite ordinary people, like the smiling man encountered by Ophuls in a small town in Schleswig-Holstein, still remembered the Third Reich with great fondness as an orderly time when people knew how to behave and there was “no problem of crime.” Ophuls happened to meet this friendly burgher while he was trying to track down a female doctor who had been convicted at Nuremberg for murdering children in concentration camps by injecting oil into their veins, to name just one of her grisly experiments. After she was released from prison in 1952, she continued for a time to practice as a family doctor. She was, it appears, well respected, even friendly.
When Ophuls finally managed to find her, she very politely declined to be interviewed, since she was in poor health. Another former concentration camp doctor, Gerhard Rose, did agree to talk, however, but only to deny any guilt, claiming that his medical experiments (infecting victims with malaria, for example) served a humanitarian purpose, and that the US Army performed experiments too. Ophuls observes, quite rightly, that American experiments were hardly conducted under the kind of circumstances prevailing in Dachau and Buchenwald. But the hypocrisy of the Western Allies in this matter might have been better illustrated by pointing out that German and Japanese doctors who committed even worse crimes than Dr. Rose were protected by the US government because their knowledge might come in handy during the cold war.2
Perhaps the most disturbing interview in the movie is not with an unrepentant Nazi or a war criminal, but with the gentlemanly and highly esteemed lawyer Otto Kranzbühler. A navy judge during the war, Kranzbühler was defense counsel for Admiral Dönitz at Nuremberg, where he cut a dashing figure in his navy uniform. He later had a successful career as a corporate lawyer, after defending the likes of Alfried Krupp against accusations of having exploited slave labor. Kranzbühler never justified Nazism. But when asked by Ophuls whether he had discussed his own part in the Third Reich with his children, he replied that he had come up with a formula to make them understand: if you were ignorant of what went on, you were a fool; if you knew, but looked the other way, you were a coward; if you knew, and took part, you were a criminal. Were his children reassured? Kranzbühler: “My children didn’t recognize their father in any of the above.”
Dominique Nabokov: Marcel Ophuls, Neuilly, circa 1988
It was a brilliant evasion. But Kranzbühler was no more evasive than the French prosecutor at Nuremberg, the equally urbane Edgar Faure, who had been a member of the Resistance during the Nazi occupation of France. Ophuls asked him about French war crimes during the Algerian War of Independence, when torture was systematically applied, civilians were massacred, and prisoners were thrown out of helicopters, a practice that later became widespread under South American military regimes. “Well,” said Faure, “events do get out of hand. But you can’t really criticize politicians who have the difficult task of running the government.” Edgar Faure was prime minister of France during part of that war.
The 1970s were a critical time in Germany. There were still people, like the son of the former Waffen SS officer interviewed by Ophuls, who believed that the Nazi death camps were a lie, and it was the Americans who built the gas chambers in concentration camps. But the postwar generation had begun to question their parents amid the student revolts of the 1960s. Just a year after The Memory of Justice was completed, radicalism in Germany turned toxic, when members of the Red Army Faction murdered bankers, kidnapped industrialists, and hijacked planes, all in the name of antifascism, as though to make up for their parents’ complicity with the Nazis.
German families were torn apart by memories of the war. Ophuls includes his own not uncomplicated family in the film. His German wife, Regine, the daughter of a Wehrmacht veteran, speaks openly to American students about her own childhood under the Nazis. One of their teenaged daughters talks about the need to come to terms with the past, even though their mother finds seventeen a little too young to be confronted with images of concentration camps. Then Regine says something personal that cuts to the core of her husband’s life and work. She wishes sometimes that Ophuls would make films that were not about such dark matters. What kind of films? he asks. Lubitsch films, she replies, or My Fair Lady all over again. We then hear Cyd Charisse singing “New Sun in the Sky” from The Band Wagon (1953), while watching Ophuls in a car on his way to find the doctor who murdered children in concentration camps.
This is typical of the Ophuls touch, show tunes evoking happier times overlapping with memories of horror. The motive is not to pile on cheap irony, but to bring in a note of autobiography. His father was Max Ophuls, the great director of Liebelei (1933), La Ronde (1950), and Lola Montès (1955). Max was one of the geniuses of the exile cinema. Memories of a sweeter life in imperial Vienna or nineteenth-century France are darkened in his films by a sense of betrayal and perverse sexuality.
Nostalgia for better days haunted his son, who spent his youth on the run from terror with a father whose genius he always felt he couldn’t live up to. He would have loved to direct movies like La Ronde. Instead he made great documentary films about the past that won’t let him go, about Vichy France, or Klaus Barbie, the Gestapo butcher of Lyon, or Nuremberg. The true horror stories are mixed in all his work, as in a collage, with songs from pre-war Berlin music halls and Hollywood movies.
One of the most unforgettable examples of the Ophuls touch is a scene in a film that has almost never been viewed (another bitter fight with producers). November Days (1991) is about the fall of the Berlin wall. One of the people he interviews is Markus Wolf, the former East German spy chief, whose father, the Communist writer Friedrich Wolf, had known Max Ophuls in pre-war Berlin. While Markus dodges every question about his past with blatant lies, we hear music from one of Max’s movies slowly swell on the soundtrack as Marcel thinks out loud to himself how lucky he was that his father decided to move west instead of east.

3.

In the second half of The Memory of Justice, the focus shifts from east to west, as it were, from Germany to France and the US. Daniel Ellsberg, speaking of Vietnam, says that “this war will cause us to be monstrous.” We hear stories from men who were there of American soldiers murdering civilians in cold blood. We hear a Vietnam veteran talk about being told to shut up by his superiors when he reports a massacre of civilians ordered by his commanding officer. We hear Ellsberg say that no one higher than a lieutenant was ever convicted for the mass killing of Vietnamese civilians by US soldiers in My Lai.
On the French side, stories about summary executions and the use of torture during the Algerian War (1954–1962) are followed by a crucial question put by Ophuls to Edgar Faure, the former Nuremberg prosecutor and later prime minister of France: Did he, Edgar Faure, think the French would have accepted an international commission that would judge, on the basis of Nuremberg, what the French did in Algeria? No, said Faure, after a pensive suck on his pipe, since one cannot compare the invasion of another country to the actions taken by a sovereign state in its own colony.
Sir Hartley Shawcross, the British prosecutor at Nuremberg, speaking to Ophuls in his elegant country house in Sussex, remembers how much his American colleagues had believed in justice and the rule of law. Like other British officials at the time, he took a more cynical view: “All law is created by the victors for the vanquished.” What mattered in his opinion, however, was not who made the laws, but whether the principles were right. About this he had little doubt.
Looking back, Otto Kranzbühler shared Shawcross’s memory of American idealism. But he believed that as a model for the future, Nuremberg had been a failure. The trial, as he saw it, presupposed a united world community in which wars would be a thing of the past. This illusion did not last long.
In fact, the trial was tainted from the beginning, not only because among the men who judged the Nazi leaders were Soviet veterans of Stalin’s bloody show trials, but also because Allied war crimes could not even be mentioned. A former British officer involved in the wartime bomber command had no doubt that the destruction of Dresden was a war crime.
If The Memory of Justice has a weakness, it is that this second half of the film, concentrating on French and American war crimes, is not quite as gripping as the first half about the German legacy of Nuremberg. Perhaps Ophuls’s heart was not in it to the same extent. Or perhaps no matter what one thinks of My Lai or Algiers, they are overshadowed by the sheer scale and savagery of the Nazi crimes.
Then again, pace Rosenberg, Ophuls doesn’t suggest that they are equivalent. What is comparable is the way people look away from, or justify, or deny what is done in their name, or under their watch. The wife of a US marine who died in Vietnam, living in a house stuffed with flags and military memorabilia, simply refuses to entertain the idea that her country could ever do anything wrong. More interesting, and perhaps more damning, is the statement by John Kenneth Galbraith, an impeccably liberal former diplomat and economist. His view of the Vietnam War, he tells Ophuls, had been entirely practical, without any consideration of moral implications.
Vietnam was not the Eastern Front in 1943. My Lai was not Auschwitz. And Galbraith was certainly no Albert Speer. Nevertheless, this technocratic view of violent conflict is precisely what leads many people so far astray under a criminal regime. In the film, Ellsberg describes the tunnel vision of Speer as “controlled stupidity,” the refusal to see the consequences of what one does and stands for.
This brings to mind another brilliant documentary about controlled stupidity, Errol Morris’s The Fog of War (2003), featuring Robert McNamara, the technocrat behind the annihilation of Japanese cities in World War II and the escalation of the Vietnam War in the 1960s. To him, the deliberate killing of hundreds of thousands of civilians was a mathematical problem. Only many years later did he admit that if the US had lost World War II, he could certainly have been indicted as a war criminal.
Even more chilling is another documentary by Morris, which received less attention than The Fog of War. In The Unknown Known (2013), we see Donald Rumsfeld, another gentlemanly technocrat, shrug his shoulders about Vietnam, commenting that “sometimes things just don’t work out.” When, as the result of another war in which he was even more intimately involved, Baghdad was convulsed in anarchic violence, he notoriously remarked that “stuff happens.” This is what Hannah Arendt called a “criminal lack of imagination.”
Perhaps the US in 1945 set its ideals too high. But it is a tragedy that the same country that believed in international law, and did so much to establish the norms of justice, has done so little to live up to them. The US is not even a signatory to the International Criminal Court, a flawed institution like the Nuremberg tribunal, but a necessary step in the right direction. No one can hold the greatest military power on earth accountable for what it does, not for torture rooms in Abu Ghraib, not for locking people up indefinitely without trial, not for murdering civilians with drones.
For Germans living under the Third Reich it was risky to imagine too well what their rulers were doing. To protest was positively dangerous. This is not yet true for those of us living in the age of Trump, when the president of the US openly condones torture and applauds thugs for beating up people at his rallies. We need films like this masterpiece by Ophuls more than ever to remind us of what happens when even the memories of justice fade away.
  1. “The Shadow of the Furies,” The New York Review, January 20, 1977; see also the exchange between Rosenberg and Ophuls, The New York Review, March 17, 1977.  
  2. The most notorious case was that of Surgeon General Ishii Shiro of Unit 731, the biological warfare unit of the Imperial Japanese Army, who tortured countless people to death in Manchuria in the course of his experiments. He was shielded by US authorities from prosecution as a war criminal in exchange for data from the experiments. 

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Visita do Professor A. A. Cancado Trindade, juiz da CIJ, a Funag-IPRI (8/09/2016)


Visita do Professor Cançado Trindade, juiz da CIJ, à Funag-IPRI

Paulo Roberto de Almeida
 [Registro da visita de AACT à Funag, livros publicados]

No dia 8 de setembro, realizou visita de cortesia ao presidente da Funag, embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima, e também ao Diretor do IPRI, ministro Paulo Roberto de Almeida, o eminente juiz da Corte Internacional de Justiça (CIJ), na Haia, professor Antônio Augusto Cançado Trindade, ex-Consultor Jurídico do Itamaraty (1985-1990) e ex-juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CtIADH). O prof. Cançado Trindade veio ao Brasil para proferir a aula inaugural no V Curso Brasileiro Interdisciplinar em Direitos Humanos, realizado recentemente na Universidade de Fortaleza (Ceará), sob a organização conjunta do Instituto Brasileiro de Direitos Humanos (IBDH) e do Instituto Interamericano de Direitos Humanos (IIDH).

Na ocasião, o prof. Cançado Trindade ofereceu ao presidente da Funag e ao Diretor do IPRI o seu livro mais recente, preparado especialmente para o V curso sobre direitos humanos: A visão humanista das missão dos tribunais internacionais contemporâneos (Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016), reunindo, em oito partes, suas reflexões de uma década inteira dedicada ao estudo dos grandes temas do direito internacional, com os quais possui maiores afinidades intelectuais, resultado de conferências e aulas magnas, mas também de sua atuação jurisdicional nas duas cortes referidas. 

Apresentou, ao mesmo tempo, dois outros livros recentemente publicados, que cobrem aspectos diversos, e complementares, das mesmas pesquisas, apresentações e atividades práticas naquelas cortes, em muitos institutos da mesma área e em grandes universidades, várias das quais, aliás, já lhe agraciaram com onze doutorados honoris causae: The access of individuals to international Justice (Oxford University Press, 2011) e The construction of a humanized international Law: a collection of individual opinions , 1991-2013 (Brill Nijhoff, 2014), este último o sexto de uma série especial sobre eminentes juízes que contribuíram significativamente para o desenvolvimento do direito internacional. 

De partida para a Haia, onde deverá apresentar dois novos votos no âmbito de processos em curso na CIJ, o prof. Trindade prometeu visitar novamente a Funag em futuro próximo, quando poderá proferir uma palestra nos temas de sua especialização, numa intensa atividade sempre voltada para a formação de jusinternacionalistas das novas gerações e contribuindo para reforçar a visão humanista já em consolidação nos tribunais internacionais. Como escreveu ele no prefácio ao livro preparado para o curso de Fortaleza: “Todos os que nos engajamos neste caminho, sabemos que não tem fim: é certo que se têm logrado muitos avanços nos últimos anos, mas ainda resta – e continuará restando – um longo caminho a percorrer.”



[Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 8 de setembro de 2016]

terça-feira, 12 de julho de 2016

De onde vem meu anarquismo anti-estatal? (desculpem a redundancia) - Paulo Roberto de Almeida

Confesso que, mesmo quando eu era marxista, no século passado, no milênio anterior, eu nunca gostei muito do Estado, pois sempre fui um rebelde com causa, e o Estado é a coisa mais determinada que possa existir, sempre se metendo na nossa vida, dizendo o que podemos, e sobretudo o que não podemos fazer.
Assim, mesmo quando eu  queria expropriar a burguesia, nacionalizar os setores ditos estratégicos, e socializar a riqueza, eu nunca fui muito propenso a entregar tudo isso a burocratas. Talvez tenha sido a influência do Maurício Tragtenberg, meu professor de História no colegial (clássico), na segunda metade dos anos 1960, ele que era um judeu ateu, e um socialista anarquista, da tradição autogestionária (já escrevi sobre ele, e vou recuperar esse texto sobre "A Educação de Maurício Tragtenberg").
Mas, no texto abaixo, que recupero nesta hora da saudade (de 2004), está minha primeira reflexão sistemática (e utópica) sobre o Fim do Estado e a adesão a uma tresloucada coisa que eu chamei de "governança global" (como se pode ser ingênuo, não é mesmo?).
Mas, sem mais delongas, vamos ver o que eu escrevia sobre isso doze anos atrás.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 13 de julho de 2016


Contra a soberania estatal: uma proposta para acabar com Vestfália

Paulo Roberto de Almeida
Simpósio trilateral da Fundação Konrad Adenauer sobre
Política Social Internacional
(Rio de Janeiro, 27 e 28 de Maio de 2004;
Pestana Rio Atlântica Hotel – Av. Atlantica, 2964 - Copacabana – RJ)

(Notas para desenvolvimento oral, e ulteriormente texto escrito)

            Respondo sumariamente à seguinte questão que me foi colocada pelos organizadores:
“Que reformas no sistema internacional são desejáveis e possíveis a fim de se alcançar justiça social internacional?”
            Sendo telegráfico, eu diria apenas o seguinte:
O sistema de relações internacionais precisaria caminhar para a construção de uma arquitetura política e econômica que possa se basear na governança global e na democracia preventiva.
            Dito assim, parece fácil, mas o que estamos propondo resultaria, a termo, na própria extinção, eliminação ou redução substancial do sistema de Vestfália, ou seja, o da soberania absoluta dos estados nacionais.
            Talvez seja totalmente utópico, irrealista e impossível de ser implementada uma tal revolução no sistema de relações internacionais, mas acredito, sinceramente, que o direito internacional se encaminha, ainda que a passos muito lentos, nessa direção.
            Recordemos, antes de mais nada, que também Kant aspirava a uma utopia desse tipo, a paz perpétua, que para ele deveria ser baseada numa espécie de monarquia universal, o que significaria, em nossos tempos, regimes constitucionais e democráticos. Ora, o avanço do sistema multilateral, consubstanciado na ONU e na OMC, representa, de certa forma, um esboço dessa futura arquitetura política na qual os conflitos tendem a ser marginais e decrescentes.
            Se partilharmos da opinião, bastante sensata, de que regimes plenamente democráticos não conduzem guerras ofensivas e que respeitam os direitos básicos de seus cidadãos e os de todos os demais, então podemos afirmar que a democracia é um requisito essencial de todo e qualquer regime aspirando à justiça e à paz internacionais.
            Ora, sendo as ditaduras o resultado de processos políticos internos aos países e que estes são normalmente constituídos e reconhecidos segundo o modelo de Vestfália, então poderemos concluir, pela lógica formal, que a realização da democracia pode requerer, em certos casos, a abrogação gradual do sistema de Vestfália para que o ideal democrático possa ser realizado. Estou simplificando, obviamente, e nem acredito que a democracia possa ser implantada desde fora, mas creio, fundamentalmente, em valores universais que são os representados pelo Iluminismo europeu, multilateralizados na prática desde a Revolução francesa e o moderno sistema onusiano (com suas conhecidas limitações soberanistas, justamente). Desse ponto de vista, recuso o relativismo histórico e a relatividade culturalista: valores universais são valores universais, e o primado do indivíduo deve passar antes dos interesses dos Estados.
            Por isso, acredito que o próximo passo na elaboração conceitual do direito internacional esteja indicado pelo itinerário da afirmação dos direitos individuais contra os direitos do Estado e contra a razão de Estado. Não é fácil admitir este princípio, pois se teme o unilateralismo, a arrogância imperial e os abusos derivados dos interesses dos mais fortes, mas creio que o multilateralismo político já avançou ao ponto de poder limitar o poder da força e tentar afirmar, doravante, a força do direito.
            Contrariamente aos que acreditam que a intervenção americana no Iraque representou uma crise da ONU e de seu CS, creio que ela representa, ao contrário, uma reafirmação de certos princípios básicos que estarão sendo novamente defendidos pela maioria dos países membros.

            Isto, do ponto de vista da democracia e dos direitos humanos. Do ponto de vista da afirmação das aspirações dos povos a maior bem-estar, a maior justiça, pela garantia de condições mínimas de uma existência digna, creio igualmente que o caminho para essa prosperidade ampliada dos países e pessoas mais pobres ou mesmo miseráveis (que são justamente os suscetíveis de abrigarem regimes despóticos e autoritários) passa pela ampliação irrefreável da globalização, o fator mais poderoso, nos dias que correm, para a ampliação das franquias e a criação de riquezas.
            Uma globalização ampliada constitui o mais poderoso fator de convergência entre os povos, ainda que alguns acreditem que ela produz desemprego, concentração ou até mesmo miséria. Os dados disponíveis até aqui são todos inquestionavelmente em favor da globalização. O nacionalismo econômico costuma ir de par com regimes fechados, cartelizados, protecionistas, enfim, restritivos das escolhas individuais e portanto das liberdades humanas, entre elas a liberdade econômica de trabalhar e de acumular.
            Trabalhei sobre alguns dos estudos de economistas, entre eles Sala-i-Martin e Surjit Bhalla, que confirmam os efeitos inegavelmente positivos da globalização na melhoria da condição dos mais pobres.
            Dois requerimentos se impõem para ampliar a globalização: eliminar o absurdo protecionismo comercial e o subvencionismo pornográfico dos países ricos nas áreas da economia agrícola e da produção industrial labour-intensive, e reduzir o absurdo nacionalismo econômico dos países mais pobres, que só traz prejuízos aos seus povos, em benefício exclusivo de suas elites. Alguns ainda crêem que soberania econômica e capitalismo nacional são sinônimos de dignidade e bem estar, quando estes princípios, na verdade, estão associados a baixos níveis de produtividade e de desempenho econômico.
            Por isso, não hesito em afirmar: abaixo Vestfália, abaixo o soberanismo político e o nacionalismo econômico, ambos restritivos e tendencialmente autoritários. Viva a abertura, a universalização dos direitos individuais, a globalização e o internacionalismo.
            O sentido da história é este: poderá demorar um certo tempo, mas o caminho é este.

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 27 de maio de 2004

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Magna Carta: seu significado para a atualidade - entrevista Paulo R. Almeida (Radio Transmundial)

Acabo de dar uma entrevista, muito curta, de apenas 10 ou 12 minutos, para a Rádio Transmundial, de São Paulo.
Eles queriam saber sobre a Magna Carta, o que foi, o que representou para a época, seus efeitos e o que representa hoje, para o mundo e para o próprio Brasil.
Como eles me mandaram as perguntas ontem, tinha preparado algumas notas, mais ou menos organizadas, em torno dessas perguntas, que transcrevo abaixo.
No meio da entrevista também teve perguntas sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, e sobre direitos humanos, em geral, que não figuram no texto abaixo, pois não fui avisado devidamente.
Nem tudo o que vai escrito abaixo foi lido, obviamente, mas como me perguntaram onde os ouvintes poderiam ter mais informações sobre esse tema, indiquei este blog Diplomatizzando como a fonte desses materiais.
Além deste meu texto, gostaria de indicar esta outra postagem, que fiz no ano passado, como sendo a base do meu conhecimento sobre a Magna Carta:
http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/07/magna-carta-800-anos-de-afirmacao-de.html
No começo deste ano de 2015, fui a Washington, especialmente para visitar uma exposição sobre os 800 anos da Magna Carta na Biblioteca do Congresso, a Library of Congress, onde eu gostaria de morar, se fosse possível.
Enquanto isto não é possível, fiquem com este texto.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 29 de maio de 2015
PS.: A entrevista foi gravada para o programa "Fique Por Dentro", mas o aúdio, que recebi por email, ainda não se encontra disponível no site, que é o seguinte: http://www.transmundial.org.br/interna/radio/fique-por-dentro




Magna Carta para os nossos tempos

Paulo Roberto de Almeida
Notas para entrevista ao vivo na Rádio TransMundial;
Programa Fique por Dentro; 29/05/2015; 8h35;
Rádio Trans Mundial: 

1) O que é a Magna Carta?
No dia 15 de junho de 1215, nas planícies de Runymede, não muito longe de onde se situa o Castelo de Windsor atualmente, uma assembleia de barões feudais confrontava um soberano despótico, o rei João, que vivia querendo cobrar mais impostos de seus súditos para financiar a suas guerras na França. Os barões obrigaram o rei a assinar um documento reconhecendo os seus direitos, que eram tradicionais na Inglaterra medieval, e assim nasceu a Magna Carta, um espécie de carta-compromisso, ou um memorando de entendimento, que depois de assinada pelo rei foi enviada a todos os homens livres para ser lida e ver consagrados esses direitos.
Essa não foi todavia a versão definitiva da Magna Carta, mas apenas uma reafirmação do compromisso que tinha sido assumido pelo pai de João, Henrique II, que havia assegurado que não imporia mais tributos sobre os nobres sem o consentimento deles. Houve uma segunda versão, aprovada no dia 19, onde o termo barões foi substituído por “homens livres”, uma disposição muito importante, que teria consequências, 650 anos mais tarde na Nova Inglaterra, as colônias americanas que se rebelaram contra os impostos do rei George, precipitando a independência dos EUA.
O rei João morreu em 1216, e para assegurar o trono para seu filho de 9 anos, Henrique III, uma nova versão da Magna Carta foi elaborada, com algumas novas provisões, garantindo os mesmos direitos. Quando o jovem rei assumiu o controle definitivo do trono, em 1225, uma última versão da Carta foi produzida, e é essa versão que subsistiu até nossos dias, incorporada nos princípios constitucionais ingleses e americanos. Esses princípios foram ainda usados na revolução inglesa do século 17, contra o rei Jaime I, que acabou sendo decapitado pelo parlamento, uma vez que demonstrava as mesmas tentações despóticas que seu predecessor do século 13. E foi esse renascimento da Magna Carta, durante a Revolução Inglesa que inspirou os colonos americanos a também declararem sua independência da metrópole, como homens livres. O Bill of Rights, a Declaração de Direitos da Inglaterra, de 1689, derivada da segunda revolução, dita Gloriosa, que derrubou o último rei Tudor, Jaime II, e que importou uma nova dinastia do continente para governar a Inglaterra, também influenciou os colonos americanos a exigirem a sua declaração de direitos um século mais tarde.

2) Qual era o momento politico que antecedeu à sua criação?
João, dito João Sem Terras (John LackLand), era o quarto filho de Henrique II, que não tinha mais terras para dividir entre seus herdeiros, e acabou passando a João um vago domínio que tinha sobre terras no atual território francês. Ele passou metade de sua vida adulta tentando garantir a posse dessas terras, e para isso tinha de mobilizar os barões ingleses e os seus servos para partirem para custosas guerras na França. Seu irmão mais velho, Ricardo, dito Coração de Leão, tinha herdado a maior parte de suas propriedades do país, mas no final do século 12, em 1188, tinha partido para a Terceira Cruzada, e passou longos anos tentando recuperar Jerusalém de Saladin, o guerreiro muçulmano que tinha conquistado a cidade santa. Com a morte de Ricardo, em 1199, João se torna o rei da Inglaterra, até a sua morte, em 1216, mas como seu irmão, passa grande parte do tempo fora da Inglaterra, lutando para conquistar ou assegurar suas terras na França. Ele começou a taxar pesadamente seus súditos, inclusive o próprio clero e a Igreja, o que causou a revolta geral.

3) E depois? O que ela ocasionou?
O que caracteriza a Magna Carta e a distingue como documento historicamente fundador de todas as democracias modernas? Ela contém muitos dispositivos, mas os principais são estes.
1) Ninguém está acima da lei, nem mesmo o rei. Todos devem responder judicialmente por infrações à lei, independentemente do seu status ou condição social, ou até mesmo de suas funções governamentais.
2) Ninguém pode ser processado ou condenado sem o devido processo legal.
3) O rei não pode tributar os seus súditos sem o consentimento deles.
Em outros termos, trata-se de um compromisso entre o soberano e seus súditos, para que seu poder seja reconhecido como legítimo. Ela é a base do constitucionalismo moderno, ainda que anglo-saxão, que é diferente do nosso tipo de constitucionalismo, de base continental europeia. Esse tipo de compromisso inglês é muito usado no seu direito consuetudinário, ou seja, o customs law, não escrito, o direito tradicional que é ferrenhamente defendido no mundo anglo-saxão. A Inglaterra é a mais antiga democracia em funcionamento no mundo, e não tem Constituição escrita. É claro que nem tudo estava na Magna Carta, mas ela foi a base, também, do Bill of Rights, de 1689, que persiste até hoje, e que instituiu o princípio de que o rei reina, mas não governa. A governança é deixada ao Parlamento.

4) Qual a sua importância e o seu conteúdo?
Sua importância é fundamental, sobretudo para o mundo anglo-saxônico. Quando falamos de democracia, no Brasil, temos um entendimento que se poderia chamar de superestrutural, ou seja, a tradicional repartição de poderes para o funcionamento do Estado. Democracia para os anglo-saxões é algo muito mais infraestrutural, ou sistêmico, compreendendo direitos fundamentais para homens livres, e garantindo que o Estado esteja a seu serviço, não estes a serviço do Estado. Essa diferença é fundamental.
Qual o mais importante direito garantido pelos homens livres contra o poder arbitrário do rei João? O de que nenhum governante tem o direito de impor tributos sem o consentimento dos governados, ou seja, daqueles que criam riquezas e que são justamente taxados em favor desses governantes. Aliás, não deveria ser assim: impostos devem servir, antes de mais nada, para o oferecimento de serviços públicos, aqueles mais essenciais: segurança cidadã, justiça pública, defesa da nação, relações exteriores, educação básica e algumas obras de infraestrutura (embora estas também possam ser feitas pela iniciativa privada).
A participação dos cidadãos, por meio de representantes eleitos, na fixação dos tipos de receitas, na definição dos seus níveis de imposição, ou alíquotas, bem como na decisão sobre como serão gastas essas receitas, é absolutamente indispensável, e nenhuma democracia digna desse nome se entende sem que a criação de riqueza e sua apropriação pelos governantes escape ao exame dos cidadãos. No Brasil, parece que essa característica fundamental da arte de governar ainda não se encontra bem assente, ou é simplesmente ignorada; aqui se costuma criar contribuições, aumentar impostos, corrigir para cima alíquotas, tarifas e todos os tipos de taxas sem sequer se dignar a fornecer explicações aos governados, os criadores de riqueza e pagadores de impostos. Não é por outro motivo que os países anglo-saxões – ou seja, a Grã-Bretanha, ou Reino Unido, em primeiro lugar, os Estados Unidos, em segundo e mais importante lugar, mas também países como o Canadá, a Austrália, a Nova Zelândia – são as democracias mais antigas e mais sólidas do mundo, e estão também entre os países mais prósperos, mais inovadores, onde o meio ambiente para negócios é o mais acolhedor em todo o mundo. A Índia atual é inconcebível sem algumas das tradições inglesas mais relevantes, entre elas o governo parlamentar, a justiça independente e a propensão à criação de riqueza.
Tudo começou bem lá atrás, quando os homens livres impuseram ao soberano a limitação ao poder de tributar sem o consentimento  dos governados. A função essencial de todos os parlamentos dignos desse nome é justamente esta: discutir e aprovar uma peça orçamentária, transformá-la em lei e vigiar para que ela seja integralmente cumprida no seguimento de sua promulgação enquanto lei. Poucos países no mundo ousariam considerar a lei orçamentária meramente autorizativa. A Magna Carta foi feita justamente para que o rei não estabelecesse ele mesmo os limites e o alcance das receitas públicas e decidisse sozinho sobre o seu dispêndio: o parlamento tem nesse rito seu ato mais relevante entre todas as suas outras atribuições. Ocorre que no Brasil o próprio parlamento conspurca o sentido do planejamento orçamentário, ao fazer, a cada ano, estimativas exageradas quanto às receitas esperadas, apenas para poder introduzir emendas paroquiais nas previsões de despesa. E, em nenhum lugar do mundo, se constitucionalizou a obrigação de que essas emendas, feitas ao arrepio da peça orçamentária original, sejam pagas com precedência sobre todas as demais, ou seja, que elas escapem do contingenciamento orçamentário, que, em si, já é um absurdo.

5) O que ela trouxe para os dias atuais?
Depende de que países e de quais contextos estamos falando. Se formos observar os países anglo-saxões, impossível não reconhecer que se trata das mais antigas e mais sólidas democracias de todo o mundo. Se formos atentar, por exemplo, para o princípio fundamental da Magna Carta, que é o governo pelas leis, não diretamente pelos homens, veremos que se trata de algo absolutamente revolucionário, para a Idade Média e mesmo para os dias de hoje. A limitação dos poderes do soberano, ou seja, do Estado, de sua capacidade de taxar abusivamente, o respeito à lei e ao devido processo legal, são absolutamente fundamentais para aquilo que os anglo-saxões chamam de accountability, ou seja, a responsabilização dos governantes em tudo aquilo e por tudo aquilo que diga respeito ao correto cumprimento da lei e o uso adequado dos recursos públicos, em absoluta transparência e prestação de contas para a população e, em primeiro lugar para os seus representantes, ou seja, os parlamentares.
No caso do Brasil, entretanto, isso ainda parece que não “pegou”, como se diz, mesmo 800 anos depois da Magna Carta: nossos governantes continuam a se julgar acima da lei; pior, se permitem fraudar a lei, e em muitos casos impunemente. Nossa democracia é de baixa qualidade, e falha em critérios fundamentais da Magna Carta.
O que falta para que o Brasil entre no espírito da Magna Carta? Falta aquilo que os próprios ingleses chamam de “accountability”, que é uma palavra que poderia ser funcionalmente traduzida como sendo “responsabilização”, ou seja, aquele que detém algum poder, algum mandato, uma responsabilidade sobre uma determinada área de interesse público, e sobretudo aquele que lida, manipula, intermedeia e define dotações obtidas com recursos capturados na comunidade de contribuintes compulsórios, esse alguém deve assumir responsabilidade por todas as operações efetuadas com esses recursos, que devem receber a maior transparência. Ele deve responder por tudo isso.
Como sabemos, na verdade, que essas coisas são difíceis de serem verificadas, a melhor solução, então, seria fazer com que um mínimo de recursos coletivos passasse pelas mãos do Estado. É uma evidência de senso comum que Estados muito grandes chamam naturalmente a corrupção, e não adianta introduzir mecanismos de verificação e de fiscalização, pois os espertos sempre vão encontrar uma maneira de burlar os controles. Então, quanto menos dinheiro passar pelas mãos do Estado, melhor. E quanto mais recursos próprios ficarem com os verdadeiros criadores de riquezas, que somos todos nós, melhor ainda.
Creio que esta é a mensagem da Magna Carta a todos nós, oitocentos anos depois que ela foi escrita. Claro que seus principais dispositivos têm a ver com a administração da Justiça, outro ponto extremamente controverso no Brasil, mas a principal questão, atualmente, é a do funcionamento da economia, dos impostos, da corrupção e a da má condução da política econômica. Por coincidência, os países mais prósperos do mundo, e os menos estatizados, são justamente aqueles que têm a Magna Carta como fonte inspiradora de sua organização institucional, ou até diretamente, como parte de seu ordenamento constitucional.
Seria coincidência, ou é mesmo uma das virtudes da Magna Carta a de prover um saudável equilíbrio entre os poderes dos governos e os deveres e os direitos dos governados? Creio que a resposta se impõe por si mesma...

Paulo Roberto de Almeida
Anápolis, 2826: 20 maio 2015, 3 p.; Brasília, 29 de maio de 2015, 5 p.  

==========

Fonte adicional:


quinta-feira, 26 de março de 2015

Politica Externa: Brasil quase mudo em Direitos Humanos - Jamil Chade (OESP)

Ativistas cobram fim de "silêncio" em política externa brasileira

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE
O ESTADO DE S. PAULO, 26/03/2015

ONGs e defensores de direitos humanos pedem postura de maior liderança por parte do Brasil

GENEBRA - Ativistas de direitos humanos e governos cobram do Brasil o fim do que classificam de política externa do "silêncio" e apelam para que o governo de Dilma Rousseff "assuma maior a liderança" em debates sobre crises internacionais em temas de direitos humanos.
Na quinta, o Conselho de Direitos Humanos da ONU conclui seus trabalhos e, pela primeira vez em anos, o Brasil não enviou um representante de alto nível de Brasília para a reunião. O organismo da ONU se reúne três vezes por ano. Mas é a sessão de março que é considerada como seu principal encontro. 
Desta vez, enquanto o pódio era ocupado por Sergei Lavrov, John Kerry e dezenas de ministros, inclusive da Venezuela e de Cuba, a representação brasileira foi deixada aos diplomatas em Genebra. Pelo protocolo da ONU, isso significou que o Brasil apenas pode discursar dias depois da presença dos ministros e quando nem eles nem chanceleres estavam na sala para escutar.
O plano original era de que a ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Direitos Humanos, viajasse no início de março para a reunião com os demais ministros. Mas ela acabou adiando a visita para esta semana para coincidir com outra reunião e, assim, economizar uma passagem aérea. Essa segunda data também foi cancelada.
Durante a sessão, o governo tem concentrado seus esforços em fazer passar uma resolução para garantir o direito à privacidade, numa resposta à espionagem conduzida pelos serviços dos EUA. Fontes diplomáticas revelaram ao Estado que, justamente para garantir a aprovação do texto, uma estratégia do Brasil foi a de não entrar em conflito com os demais governos.
Além disso, para atrair o voto do Egito, ONGs como Anistia Internacional e o Serviço Internacional para os Direitos Humanos acusam o Brasil de ter dado garantias ao regime militar do Cairo de que apoiaria uma resolução proposta pelos governos árabes para permitir ações contra grupos terroristas. "Trata-se de um cheque em branco para reprimir ativistas de direitos humanos e é um escândalo ver o Brasil apoiando isso", declarou Michael Ineichen, representante da Anistia Internacional.
Mas o que surpreendeu as ONGs e autoridades é que isso foi traduzido em um silêncio e, durante os debates, raramente o Brasil pediu a palavra para se expressar. Até mesmo quando o brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro apresentou seu informe sobre os crimes na Síria na semana passada, o Brasil optou por permanecer em silêncio.
Num informe publicado nesta semana, a Human Rights Watch pediu que o País "demonstre mais liderança". A entidade apelou por uma maior ação do Brasil em "mobilizar o Conselho da ONU a agir em situações de emergência e intervir de forma mais sistemática em debates sobre países específicos".
"O trabalho do Brasil para proteger o direito à privacidade é muito bem-vindo. Mas é difícil entender por qual motivo o País evita falar durante os debates formais do Conselho da ONU sobre alguns dos piores crimes, como na Síria, Sudão do Sul ou Iraque", declarou Philippe Dam, representante da HRW. "O Brasil deveria ter algo a dizer sobre crises de importância global", disse.
Camila Assano, coordenadora de Política Externa da entidade Conectas Direitos Humanos, aponta que "o Brasil está bem posicionado para agir e mostrou, no passado, que tem a capacidade de criar consenso em temas difíceis".
"Mas um pouco desse fôlego foi perdido e o Brasil não pode se esquivar de alguns temas importantes", disse. "Essa atitude não condiz com o papel que o Brasil lutou para ter", insistiu.
Camila Assano aponta que o silêncio do Brasil também foi registrado quando a sociedade civil cobrou na ONU uma resposta do governo em temas como a lista suja do trabalho escravo, tortura ou a falta de água.  Uma aliança de ongs usou a ONU para fazer essas denúncias. "Mas o Brasil não respondeu", contou a representante da Conectas.
Nas últimas semanas, o silêncio do Brasil no cenário internacional tem sido alvo de comentários. Num editorial, The New York Times apontou que " enquanto as três outras grandes economias emergentes, China, Rússia e Índia, têm forte viés de política externa, sob o olhar da Sra. Rousseff a voz do Brasil no cenário internacional raramente supera um sussurro", afirma.
Entre diplomatas estrangeiros, porém, o silêncio brasileiro em diversos debates é "um contraste" com o comportamento do governo há poucos anos. "Muitos governos ficavam esperando o Brasil falar antes para saber quais seriam suas posições", explicou um diplomata sul-americano, que pediu anonimato. "Hoje, nem sempre sabemos o que o Brasil pensa de alguns dos assuntos", disse.
Para um negociador europeu, o silêncio do Brasil é "uma pena". "Precisamos que as grandes democracias assumam seus valores", completou.
Resposta. Questionado pelo Estado sobre o motivo da ausência da ministra e o que achava da cobrança dos ativistas, a Secretaria de Direitos Humanos respondeu por meio de uma nota.
" O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas reúne-se por meio de sessões ordinárias, que ocorrem no mínimo três vezes por ano, em Genebra, Suíça; além de sessões extraordinárias ", disse. " A participação dos ministros ou ministras de Estado Chefes da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República não ocorre em todas as sessões, tendo em vista sua periodicidade e a agenda de compromissos que competem à Secretaria de Direitos Humanos ", apontou. " A participação em nível ministerial no âmbito do Conselho é resguardada principalmente aos instrumentos de alto nível, como por exemplo, no mecanismo de Revisão Periódica Universal, que ocorre a cada quatro anos ", alegou.
Segundo a Secretaria, não haveria necessidade de uma presença já que o " Estado brasileiro mantém a Missão Permanente do Brasil junto à Organização das Nações Unidas e Demais Organismos Internacionais em Genebra, cuja delegação é chefiada pela embaixadora Regina Dunlop, que detém competência plenipotenciária, ou seja, possui plenos poderes para representar a República Federativa do Brasil ".
O governo ainda insistiu que, nesta semana, o Brasil " instalou nesta segunda-feira, dia 23 de março, com a presença do representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos na Região, Humberto Henderson, o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, que ao lado do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura comporá o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura ". Esse seria um dos " compromisso assumido pelas principais democracias do mundo com a ONU que tem como objetivo monitorar locais de privação de liberdade, propondo melhorias constantes para a garantia da preservação dos direitos humanos nesses espaços ".

domingo, 19 de outubro de 2014

Direitos humanos: o quanto se fez, o quanto ainda resta por fazer - Paulo Roberto de Almeida (Ordem Livre)

Direitos humanos: o quanto se fez, o quanto ainda resta por fazer

Ha
Direitos humanos denotam uma categoria relativamente recente na história da humanidade. Num sentido lato, o conceito pode remontar aos iluministas escoceses e franceses dos séculos XVII e XVIII; num sentido estrito, ele está vinculado aos principais instrumentos nacionais e universais relativos aos direitos do indivíduo e dos cidadãos, cujos exemplos mais relevantes são, sem dúvida alguma, a Déclaration des droits de l’homme et du citoyen, da Revolução francesa, e a Declaração Universal dos Direitos do Homem, adotada pela ONU em 1948. A declaração de independência americana (1776) também contém os principais elementos filosóficos que a vinculam à mesma tradição iluminista britânica e ao constitucionalismo europeu do século XVIII.
Muitos outros instrumentos de promoção e de proteção dos direitos humanos, individuais ou coletivos, ou até avançando para direitos econômicos, sociais e culturais, foram sendo propostos, negociados e implementados desde então, numa proliferação de iniciativas humanitárias que só perde para a disseminação e extensão das violações aos mesmos direitos; isso geralmente ocorre, ao longo da história, em situações de guerra, de graves conflitos políticos ou a mando de ditadores, quase tão comuns quanto as tentativas, em grande parte frustradas, de prevenir ou coibir esses atentados aos direitos humanos. Uma consulta aos sites da ONU, assim como aos de ONGs especializadas, poderá ilustrar a riqueza dos mecanismos e instrumentos já aprovados ou em curso de implementação nesse campo; não haveria espaço, neste ensaio, para uma relação completa dessa imensa coleção, infelizmente ainda mais virtual do que real, no contexto do mundo real de iniquidades que é o nosso.
Embora se possa traçar uma linha evolutiva quanto à definição, defesa e promoção ativa dos direitos humanos ao longo do processo civilizatório, desde a antiga mutilação punitiva ou a eliminação pura e simples dos vencidos nas batalhas, até o respeito à integridade física dos prisioneiros de guerra, e desde os despotismos mais absolutos até a afirmação plena das liberdades políticas e individuais na atualidade, não existe uma correlação unívoca entre progressos materiais e culturais das sociedades humanas e o respeito a todos esses direitos. Não por outra razão, a nação alemã, pátria de Kant, Goethe e tantos outros intelectuais humanistas, permitiu, também, num momento de grande desenvolvimento educacional, tecnológico e científico, a ascensão e o pleno ativismo criminoso de um Hitler, provavelmente o exemplo mais escabroso e desprezível do violador absoluto dos direitos humanos em pleno século XX. Embora os sistemas controlados por Stalin e Mao Tsé-Tung superem em número absoluto de mortos a máquina do holocausto nazista, Hitler foi diretamente responsável pela eliminação física de milhões de pessoas, antes de tudo judeus inocentes, mas também prisioneiros de guerra soviéticos.
Filosoficamente, a afirmação dos direitos humanos deita raízes em tempos imemoriais, começando com o povo judeu, passando pela Grécia antiga e pelos ensinamentos de Buda, Jesus Cristo e dos filósofos medievais, até alcançar os humanistas da era moderna, em especial os iluministas e constitucionalistas. Na era contemporânea, os direitos humanos foram formalizados em instrumentos mandatórios ou recomendatórios, em todo caso dotados de força de lei quando incorporados à legislação interna dos Estados democráticos consolidados. No plano da ação prática, as primeiras iniciativas em defesa dos direitos humanos se referem à luta pela abolição da tortura e dos castigos cruéis, no contexto da reforma religiosa e do combate à Inquisição, e à campanha pela abolição do tráfico e do trabalho escravo, na Inglaterra oitocentista. A luta contra a mão-de-obra servil constituiu, igualmente, a primeira afirmação da sociedade civil no contexto da transição do Brasil para a modernidade, combate ao qual está associado o nome de Joaquim Nabuco, dentre vários outros que pugnaram pela extinção da mais longa e mais perniciosa instituição jamais existente no Brasil.
É justamente nessa área que existe a mais antiga, ainda efetiva, entidade de defesa dos direitos humanos: a Anti-Slavery Society, de cujos relatórios periódicos o Brasil é, infelizmente, um frequentador reincidente e regular. A despeito desse combate mais do que secular, a escravidão direta – ou seja, a posse individual de um escravo – e diversas outras formas de servidão involuntárias são ainda ocorrências muito comuns em diversos países tropicais. As violações mais disseminadas dos direitos humanos, contudo, são aquelas relativas aos direitos políticos e religiosos de milhões de pessoas nos mais diversos países, sem mencionar os graves atentados existentes em situações de guerra (com maior incidência no continente africano).
Novas formas de violações dos direitos humanos continuam a ser criadas por governos autoritários, herdeiros ou não dos terríveis experimentos dos fascismos e comunismos existentes no século XX, cuja contabilidade macabra se cifra em milhões de mortos, sobretudo nos gulags soviético e chinês. No caso da China, embora os campos de reeducação dos tempos do maoísmo delirante não sejam mais comuns, a repressão aos dissidentes do regime e a censura absoluta aos meios de comunicação de massa – com destaque para a internet – continuam a ser exercidos de forma ampla e disseminada. Ao fim e ao cabo, a defesa e afirmação dos direitos humanos ainda estão em sua infância, no Brasil e no mundo, cabendo aos espíritos humanistas um trabalho constante de vigilância e de promoção desses direitos.

* Publicado originalmente em 15/02/2010.