O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Os poloneses, entre nazistas e bolcheviques - Jozef Czapski

BY JÓZEF CZAPSKI
Translated from the Polish by Antonia Lloyd-Jones
Introduction by Timothy Snyder

In 1941, when Germany broke the Molotov-Ribbentrop pact and invaded the USSR, tens of thousands of Poles—men, women, and children who were starving, sickly, and impoverished—were released from Soviet prison camps and allowed to join the Polish army being formed in the south of Russia. One of the survivors who made the difficult winter journey was the painter and reserve officer Józef Czapski. After Czapski's release, General Anders tasked him with investigating the disappearance of thousands of missing Polish officers. Blocked at every level by the Soviet authorities, Czapski was unaware that in April 1940 the officers had been shot dead in Katyn forest and elsewhere.

Czapski’s account of the years following his release from the camp and the formation of the Polish Army, and its arduous trek through Central Asia and the Middle East to fight on the Italian front, offers a stark depiction of Stalin’s Russia at war and of the suffering, stoicism, and bravery of his fellow Poles.

"The Polish painter and writer Józef Czapski lived through almost the entire twentieth century as an exception to the rule. A pacifist who became a Polish army officer being deported to a Soviet prison camp in 1939, he was one of very few to survive the Katyn massacre perpetrated by Stalin’s secret police the following year....He was both a patriot and a European in the deepest sense, with friends and family connections across the continent. In this year’s centenary of independence regained, a new generation of Poles in a country at the crossroads must decide whether Czapski’s vision will also be theirs." —Stanley Bill, Times Literary Supplement

The world according to Mister Trump

The New York Times – 5.12.2018
Pompeo Questions the Value of International Groups Like U.N. and E.U.
Speaking in Brussels, the secretary of state said that some institutions fail to serve their member nations, and should be revised or eliminated.
Gardiner Harris

Brussels - In a major speech on Tuesday, Secretary of State Mike Pompeo tried to explain one of the abiding conundrums of the Trump administration: How does a nationalist lead on the international stage?
The answer, he said, is to jettison some treaties and institutions while bolstering others. Among the institutions that Mr. Pompeo criticized were the United Nations, the European Union, the Organization of American States and the African Union, but he embraced NATO — which President Trump has harshly criticized — as an “indispensable institution.”
The speech, delivered in a palatial concert hall in Brussels, was intended to explain Mr. Trump’s worldview to a deeply skeptical audience, including many Europeans who see Mr. Trump as undermining international agreements that have kept the peace in Europe and enhanced prosperity.
“Even our European friends sometimes say we’re not acting in the free world’s interest. This is just plain wrong,” Mr. Pompeo said, adding that “under President Trump, we are not abandoning international leadership or our friends in the international system. Indeed, quite the contrary.”
But since the end of the Cold War, the international order “failed us, and it failed you,” he said. “Multilateralism has become viewed as an end unto itself. The more treaties we sign, the safer we supposedly are. The more bureaucrats we have, the better the job gets done.”
Of the United Nations, he asked, “Does it continue to serve its mission faithfully?”
Mr. Pompeo called Britain’s decision to leave the European Union a “political wake-up call” for the bloc,which is based in Brussels. He then asked whether the European Union “is ensuring that the interests of countries and their citizens are placed before those of bureaucrats here in Brussels?” Someone in the audience shouted an unequivocal, “Yes,” a response Mr. Pompeo ignored.
The World Bank, International Monetary Fund and World Trade Organization also came in for sharp criticism.
“International bodies must help facilitate cooperation that bolsters the security and values of the free world, or they must be reformed or eliminated,” he said. After the short speech, Mr. Pompeo took no questions.
Responses ranged from tepid to hostile. In addition to Mr. Trump’s regular criticism of NATO, the United States and the European Union are fiercely at odds over the Iran nuclear deal, which Mr. Trump has pulled out of. Washington has restored harsh sanctions on Tehran, while America’s main European allies are doing their best to preserve the deal and find ways to go around U.S. sanctions.
Washington and Brussels are also engaged in sometimes vicious negotiations about trade as well as American sanctions on European steel on the grounds of “national security,’’ whereas the Europeans do not see themselves as a national security threat to the United States.
The Trump administration is also threatening new tariffs on imported cars, all in an effort to reduce the American trade deficit with the European Union. And Washington has sharply criticized Germany for supporting the Nordstream II, a gas pipeline from Russia to Germany that is now under construction.
Mr. Pompeo’s challenge to the European Union was a surprisingly undiplomatic comment from America’s chief diplomat, making some European officials wonder what the American response would be if a European foreign minister or the bloc’s chief diplomat, Federica Mogherini, criticized the fissures in the United States in a public speech in Washington.
A spokesman for the European Union refuted the claim that the bloc and its administrators fail the member states and their people. Margaritis Schinas, chief spokesman of the European Commission, the bloc’s executive arm, explained its governing structure and system of popular elections, adding pointedly, “I’m simplifying for those who do not know us.”
“That’s how it works, O.K.?” Mr. Schinas said, throwing his hands in the air. “So for those people who come to Brussels and coin an opinion without knowing how our system works, that’s how our system works, and that’s our reply.”
Ian Lesser, director of the Brussels office of the German Marshall Fund of the United States, which organized the event, said: “Clearly this was a speech intended to signal that multilateralism wasn’t dead, it simply needed to be revived. There may be a sharp debate about how he suggested to do that. But all in all, I don’t think it was a destructive message about multilateralism per se.”
Some listeners were less sanguine, like David Fouquet, a professor at the Free University of Brussels.
“I was struck by the fact that he put the European Union on his administration’s hit list of bad actors,” he said. “I’m in disbelief: the tone, the lack of sensitivity to the place where he was. His predecessors built and created these institutions. Although he professes to want to strengthen them, I think he is undermining them.”
A Spanish representative to the European Union described the speech as “a very compelling case on the current administration’s plans for a more national oriented” set of policies — while diplomatically avoiding saying what he thought of those policies.
Mr. Pompeo’s audience listened for clues about the future of the Intermediate-Range Nuclear Forces Treaty, known as the I.N.F. treaty, which the Trump administration has threatened to jettison despite European opposition. For years, American officials have maintained that Russia was violating the treaty, which banned land-based missiles of certain ranges.
“When treaties are broken, the violators must be confronted, and the treaties must be fixed or discarded,” Mr. Pompeo said, in what will surely be interpreted as a threat to the agreement. “Words should mean something.”
The I.N.F. treaty is “a critical issue right now,” said Brig. Gen. Arild Heiestad of Norway, a deputy military representative to NATO. “The U.S. should continue to stand by the treaty provided the other side does the same — but we know they aren’t, so it’s a complicated issue.”
Mr. Lesser said that Mr. Pompeo’s counterparts “will try to understand the timing and the implications of the withdrawal from the I.N.F., if indeed that’s what happens. But for now I heard no signal suggesting that America is prepared to withdraw from the nuclear treaty, unless of course something happens on the Russian side, but I don’t think that’s very likely.”
Mr. Pompeo said there were some international institutions that “work in American interests and yours, in service of our shared values.” But he listed only three such bodies: NATO, the Proliferation Security Initiative and the Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication, a bank messaging service that is widely known as Swift.
John R. Bolton, the national security adviser, threatened to penalize Swift, which gives financial institutions a secure way to wire money around the world, if it did not remove Iran’s banks, including its central bank, from the system.
Despite opposition from the European Union, Swift acceded to American demands and thus passed muster with Mr. Pompeo.
“This is an excellent example of an international institution acting responsibly,” Mr. Pompeo said.
Although NATO also received praise from Mr. Pompeo, he repeated Mr. Trump’s frequent complaint that the other 27 nations in the alliance need to spend more on defense. He then announced that he would host other foreign ministers for a meeting in Washington in April to celebrate the alliance’s 70th anniversary.
It would be the first time that a major NATO birthday was celebrated without heads of state. .
NATO officials said that there may be another summit meeting of leaders later in the year that could be portrayed as being timed for the anniversary.
In closing, Mr. Pompeo cited a quote from George Marshall, who as secretary of state after World War II helped to design much of the international system that Mr. Trump has so derided, that “international action cannot replace self-help.”
“It’s not popular to buck the status quo,” Mr. Pompeo said. “But too much is at stake not to. This is the reality which President Trump so viscerally understands.”
“President Trump knows that when America leads, peace and prosperity follow,” he added. “He knows that if we don’t lead, others will.”

Ideias e ideologia: breves propostas - Paulo Roberto de Almeida

Ideias e ideologia: breves propostas

Paulo Roberto de Almeida
 [Objetivo: auto-esclarecimento; finalidade: caráter didático]


O que são ideias? O que é ideologia? Seguem minhas breves considerações.
Ideias podem ser representadas por, ou apresentadas como, um conjunto disperso, diversificado, variado, muitas vezes incompleto, parcial ou preliminar, de proposições, argumentos, sugestões, opiniões, especulações, sobre quaisquer temas ou assuntos pertinentes ao universo mental de seus proponentes, sejam elas propostas sobre o mundo real, observável, empiricamente fundamentado, sejam apenas construções mentais sob a forma de conceitos abstratos. Para serem identificadas como ideias, e aspirarem legitimamente a esse título, ou identidade, tais ideias, por mais especulativas que sejam, necessitam guardar certa coerência, consistência intrínseca, conexão com o mundo real ou com a lógica formal (a que deve obedecer qualquer proposição), do contrário serão, ou terão de ser, descartadas como meras expressões sem sentido de seu enunciador. Ideias tem essa peculiaridade necessária de que elas precisam ser racionais, ou inteligíveis, de forma a permitir um debate de tipo socrático. Ponto.

O que é ideologia? Uma ideologia pode ser um conjunto de ideias que se apresenta de modo alegadamente coerente, que tende a fornecer uma explicação, ou interpretação, sobre algum aspecto do mundo real, ou do próprio mundo das ideias (pois estas costumam ter vida própria, e sobrevivem mesmo na ausência de vínculos aferíveis com a realidade). Geralmente se trata de um conjunto fechado, ou seja, que se basta a si mesmo, no sentido em que oferece uma resposta que se autocontém, e que se justifica por si próprio. Não importa muito se a ideologia é um conjunto de falsas ideias sobre o mundo – no sentido marxista do conceito – ou se ela é uma interpretação coerente e consistente do universo que se pretende descrever e explicar. 
O lamarckismo, por exemplo, foi uma ideologia dotada de certa validade durante o período em que ofereceu uma explicação plausível sobre a evolução das espécies; depois foi superado pela seleção natural darwiniana, como uma explicação superior em termos de consistência intrínseca com a realidade e atendendo a certos critérios da lógica formal. Não importa muito, agora, se a seleção natural, nas condições do mundo contemporâneo, vem sendo cada vez mais “enviesada”, distorcida ou transformada, pela seleção cultural, dirigida pelo próprio homem, com base na sua capacidade de manipular a natureza no nível do código genético das espécies, ou em escala molecular. O darwinismo se submete inteiramente aos critérios popperianos de “falsificabilidade”, e pode, portanto, aspirar ao título de “teoria”, o que é um status superior ao da ideologia. Os adeptos do criacionismo, por exemplo, ou os propositores do “desenho inteligente”, se esforçam em contestar a validade do darwinismo, pretendendo relegá-lo ao status de ideologia, mas suas “ideias”, ou proposições, não apresentam qualquer consistência lógica e qualquer conexão com a realidade observável, tratando-se, portanto, de “ideias falsas”, ou seja, o entendimento marxista de ideologia. 

Ideias são úteis ao avanço do conhecimento humano, mesmo quando falsas ou equivocadas, pois permitem discutir, em bases racionais, o entendimento que se tem sobre o mundo real e o próprio mundo das ideias. Ideologias, por outro lado, tendem a ser conjuntos fechados, o que dificulta um debate racional em torno de ideias, que sempre se contrapõem umas às outras. O debate racional é sempre saudável, e é sobre a base do questionamento das ideias entre si que a humanidade caminha a passos cada vez mais rápidos para o domínio sistemático do homem sobre o mundo real, e, com isso, para o progresso material dos povos e para a elevação espiritual da espécie humana, ou seja, sempre em benefício das comunidades existentes. Más ideias podem, obviamente, levar a retrocessos temporários ou delongados nessa trajetória: racismo, por exemplo, ou escravismo, ou qualquer outra forma de tirania sobre indivíduos ou comunidades, e essas más ideias podem se converter em ideologia, como o “racismo científico” de épocas passadas. Fundamentalismos, de qualquer tipo – político, religioso, ou mesmo torcidas de futebol – costumam se apresentar como “ideologias”, ainda que precárias, incoerentes, absurdas, geralmente agressivas e excludentes. 

Devemos sempre favorecer o florescer das ideias, o debate racional, a confrontação educada das ideias entre si. Devemos nos resguardar das ideologias, sempre perigosas e potencialmente danosas, por excludentes e potencialmente fundamentalistas. O debate continua aberto...

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de dezembro de 2018

O movimento comunista internacional e seu impacto no Brasil - Paulo Roberto de Almeida

Uma apresentação em PowerPoint, destinada a subsidiar palestra-debate sobre o tema título, infelizmente não realizada por circunstâncias não pertinentes ao debate, e que será feita em ocasião ulterior. Abaixo o registro do trabalho em questão: 


“O movimento comunista internacional e seu impacto no Brasil”, Brasília, 3 dezembro 2018, 20 slides. Apresentação em PowerPoint para servir de base a pequena exposição sobre o tema título em palestra-debate no quadro dos “Diálogos Internacionais” do IPRI, juntamente com o jornalista e historiador Hugo Studart, autor de livros sobre a guerrilha do Araguaia. Palestra não realizada na data programada (4/12), postergada a oportunidade futura. 
Postada na plataforma Academia.edu (5/12/2018; link: https://www.academia.edu/37915306/3370_O_Movimento_comunista_internacional_e_seu_impacto_no_Brasil_2018_).




Barao da Ponte Ribeiro: Memory of World Register for Latin America


Brazilian Collection added to the Memory of the World Register for Latin America

The “Barão da Ponte Ribeiro: the making of Latin American identity (1794-1884)” collection has been inscribed in the regional Register of the Memory of the World by the selection committee of the Memory of the World for Latin America (MOWLAC). The collection comprises manuscripts and cartographic documents collected or created by the Baron Duarte da Ponte Ribeiro and is housed at the Ministry of Foreign Affairs's Center for Historical Documentation, in Rio de Janeiro. Duarte da Ponte Ribeiro (1795-1878) was a physician, diplomat and cartographer, whose diplomatic work in the establishment of Brazilian borders is among the most important achievements of Brazilian diplomacy in the 19th century.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Aprendizado: acolher ou resistir?

Mini-reflexão sobre os tempos que correm:

As pessoas geralmente aprendem, e melhoram, ao longo do tempo, pela leitura, pelos estudos, pela própria experiência, pela observação refletida, por novas ideias recebidas e testadas. 
Só os ideólogos não o fazem.
 Mas é pena! 
É isso? 
É isso!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Biologa da UnB ganha premio em Londres: Thais Vasconcelos

(Universidade de Brasilia)
----------------------------------------

Brasileira tem tese de doutorado considerada a mais importante do mundo para a Biologia



 
Apesar do recente corte orçamentário do governo em relação ao campo científico, nós ficamos felizes e orgulhosos em saber que muitos estudantes e profissionais brasileiros seguem resistindo e mesmo sem incentivo, conseguem fazer história, como é o caso de Thaís Vasconcelos, que se teve sua tese de doutorado considerada “apenas” a mais importante para a história da biologia.

Thaís tem apenas 29 anos e fez seu doutorado em Londres, graças ao programa Ciências sem Fronteiras e acaba de se tornar a primeira latino-americana a ser premiada pela Linnean Society da Inglaterra desde que a premiação começou a existir, em 1888. A jovem é graduada em ciências biológicas e possui mestrado em botânica pela UnB – Universidade de Brasília.

Sua tese analisa a história evolutiva das plantas através do material genético de espécies diferentes e receber este prêmio significa que ela foi reconhecida por uma das mais importantes e respeitadas condecorações no mundo das ciências. Sua pesquisa é extremamente relevante, pois permite que os cientistas compreendam as relações de parentesco entre as diferentes espécies, podendo até mesmo traçar uma linha do tempo.

Através de suas pesquisas ela pôde descobrir, por exemplo, que a pitanga e o eucalipto fazem parte da mesma família e que, algumas espécies que hoje estão aqui na América do Sul, chegaram no planeta Terra há 40milhões de anos: “por meio da Antártida, quando esta ainda não era coberta por gelo. A gente sabe disso por causa do parentesco entre as plantas daquela região com as daqui e também por causa de fósseis na Antártida e na Patagônia”.

Thaís também conseguiu mapear mapear a relação do formato das flores com as abelhas responsáveis pela polinização. “As flores dessas plantas precisam ter um formato específico para que a polinização aconteça e esse formato mudou muito pouco ao longo dos últimos 40 milhões de anos, o que não era um resultado esperado. Geralmente, as flores mudam muito de formato ao longo da evolução por causa da seleção por polinizadores”.

Sua tese chama  “Homogeneidade morfológica, heterogeneidade filogenética e complexidade sistemática em grupos ricos em espécies” e foi publicada periódico científico Comparative Biochemistry and Physiology Part B: Biochemistry and Molecular Biology. Além de ter sua pesquisa muito elogiada, os avaliadores de seu belíssimo trabalho completaram e disseram: “É excepcional e não apenas pela sua ciência. Ela é ricamente ilustrada com impressionantes micrografias eletrônicas de varredura, retratos florais, bem como figuras eficazes e muitas vezes muito bonitas, que simplesmente transmitem ideias e processos complexos para o leitor não especializado”.

Quanto à falta de incentivo por parte do governo, Thaís lamenta: “É importante mostrar que aqui tem muita gente boa também e que a gente já entenderia muito mais sobre a nossa biodiversidade se houvesse mais incentivos à pesquisa dentro do Brasil. Espero que esse prêmio me dê mais energia para tentar fazer a diferença aqui, porque, às vezes, ir para fora do país parece muito atraente, parece que as coisas serão mais fáceis lá“.
Com informações de Hypeness

Can Mexico Be Saved? - Denise Dresser (Economist)

Can Mexico Be Saved?
The Peril and Promise of López Obrador
ByDenise Dresser
The Economist, December 3, 2018

ABOUT THE AUTHOR:
DENISE DRESSER is Professor of Political Science at the Autonomous Technological Institute of Mexico.
Read more by Denise Dresser @DeniseDresserG

In 2012, Mexico’s future looked promising. The election of a dashing young president, Enrique Peña Nieto, imbued the country with a new sense of energy and purpose. Back in power after a 12-year hiatus, the Institutional Revolutionary Party, or PRI, had promised to reinvent itself and shun the corrupt authoritarianism it had practiced during the seven decades it ruled Mexico. As the country seemed to reach a consensus on long-delayed structural reforms, the international press heralded “the Mexican moment.”According to the cover of Timemagazine, Peña Nieto was “saving Mexico” by opening up the energy sector to foreign investment, combating monopolies, changing archaic labor laws, and leaving nationalism and crony capitalism in the past.
Just six years later, however, a historic electionswept the PRI from power and delivered a landslide victory to its nemesis, the antiestablishment leader Andrés Manuel López Obrador, and his party, the National Regeneration Movement (MORENA). The election was a sharp rebuketo Peña Nieto, his agenda, and the political and economic system that has been in place since the country transitioned to democracy in 2000. Despite the early promise of Peña Nieto’s modernizing reforms, by 2018, eight in ten voters disapproved of the PRI. The election catalyzed popular anger over frustrated economic expectations, rampant corruption, and a homicide ratethat has made Mexico one of the most violent countries in the Western Hemisphere.
But the vote was about more than merely punishing the PRI for its failings. López Obrador won because he was perceived as an authentic opposition leader: an insurgent politician who for years—including during two previous runs for the presidency—had railed against rapacious elites and a democratic transition gone awry. This time, however, his message in defense of “the people” resonated with wider segments of the Mexican electorate because the ills he diagnosed had become increasingly evident during the Peña Nieto administration.
López Obrador’s promise to shake up the status quo appealed to a restive populationeager for regime change. What it will mean in practice, however, remains unclear. So far, the president-elect’s policy positions have been vague, and his team is unknown and untested. Addressing Mexico’s toxic mix of truncated democracyand crony capitalism will require substantive reform. Many citizens hope that López Obrador will make Mexico’s government and economy genuinely inclusive. Others fear that he will push the country backward by resurrecting dominant-party rule, increasing presidential power, and stoking nationalism. A polarized Mexico is now caught between two forces: anger at those who have governed so badly and fear of those who have just been elected.

UNFULFILLED PROMISES
For decades, Mexico has been plagued by the same set of problems. From 1929 to 2000, single-party rule normalized corruption and stunted the development of Mexican institutions. Even now, the country’s economy produces profound inequality, with wealth concentrated in the hands of a few elites. Power operates through patronage and bribery. There are no adequate checks and balances to hold leaders to account. At the same time, the proliferation of drug-related crime has made violence routine.
Throughout the 1990s, political elites and party leaders focused on changing the rules of electoral competition in Mexico. These efforts culminated in Vicente Fox’s victory in the country’s 2000 presidential election. Fox, a member of the National Action Party (PAN), was the first opposition candidate to defeat the PRI. His victory ended single-party rule and marked the country’s official transition to electoral democracy.
Many believed that the PRI’s defeat would transform the prevailing political and economic system, but that did not prove to be the case. The vices associated with authoritarian rule persisted, including corruption and a lack of transparency and accountability. After Fox’s victory, the Mexican political system became a strange hybrid of authoritarianism and democracy: a system that promoted power sharing among party leaders but did little to guarantee the representation of ordinary citizens.
From 2000 to 2012, the PAN’s approach to governing closely resembled that of the party it had replaced. Patronage, vote buying, and corruption continued. As a result, citizens began to lose faith in the system altogether. According to a government survey from 2011, only four percent of the population had a favorable impression of political parties, and only ten percent believed that legislators governed on behalf of their constituents.
The democratic transition also failed to improve the country’s security situation—in fact, before long it got worse. In 2006, President Felipe Calderón launched a “war on drugs,” deploying the Mexican military to fight powerful drug cartels and end drug-related violence. Instead of solving these problems, the policy, which is still in place, has turned Mexico into a country of graveyards, where mothers sift through dirt to find the remains of their children. In states where the military has conducted operations, the violence has actually increased, as cartels fight both government forces and one another over territory and move on to other illicit activities, such as extortion and kidnapping. Where the armed forces have replaced civilian police officers, ordinary crime has skyrocketed. The army is not trained to carry out police duties, and its incursions to fight the cartels have often produced an escalation in human rights violations.
In the last decade, Mexico has seen over 250,000 homicides and over 34,000 disappearances. More than 140 mayors and candidates for office have been assassinated. And whole swaths of the country, including parts of the states of Guerrero, Michoacán, Morelos, and Tamaulipas, are now controlled by organized crime. Meanwhile, corruption and incompetence in the police forces, the courts, and the military have continued unabated.

PENASTROIKA AND ITS DISCONTENTS
The deteriorating security situation and the PAN’s failure to turn Mexico into a functioning democracy opened the door for a PRI comeback. Peña Nieto promised to help his struggling country join the ranks of the developed world. Immediately after assuming office in 2012, he forged the Pact for Mexico, a legislative accord among the country’s main political parties that approved structural reforms on issues such as energy, labor, tax policy, telecommunications, and education.
The pact was initially celebrated as a political achievement. But although many of the reforms looked good on paper, their design and execution were deeply flawed. Peña Nieto’s proposals conflicted with the vested interests of the same powers that had enabled his ascent to the presidency: the gerontocracy that controlled the labor unions, the monopolists that dominated the Mexican economy, the government-controlled media, and the powerful television duopoly that carefully manufactured his image. These forces were willing to support a light version of the proposed reforms, but they opposed more substantive changes that threatened to undercut their power. As a result, when the reforms reached Congress, where secondary legislation was designed to put them into effect, a legislative branch captured by special interests introduced new rules that diluted the possibility of a deeper impact. Peña Nieto’s cronies defended their privileged positions with the tacit consent of a government that seemed more interested in marketing the approval of the reforms than in making them succeed.
Although not all the reforms failed—energy reform, for example, spurred foreign investment, and telecommunications reform lowered cell phone rates for consumers—their modest achievements pale in comparison to what was promised. Peña Nieto assured Mexicans that he would raise economic growth to six percent per year. Instead, growth has averaged only 1.3 percent per year. Meanwhile, inequality and wealth concentration are on the rise. According to the economist Gerardo Esquivel, ten percent of the Mexican population now controls more than 64 percent of the country’s wealth. In 2002, the fortunes of Mexico’s top 16 multimillionaires represented two percent of GDP; by 2014, that share had risen to nine percent. And the four richest people in Mexico all made their fortunes in sectors regulated or controlled by the government. Mexico now occupies seventh place in The Economist’s index of crony capitalist countries, behind Russia, Malaysia, Ukraine, Singapore, Hong Kong, and the Philippines.
Mexican society is shaped like a pyramid: at the top are a handful of rent seekers, who manipulate the system to increase their personal wealth rather than invest in the economy or support innovation. At the base, meanwhile, are the 52 million Mexicans who live below the poverty line—21 million of whom survive on less than $2 a day. According to a 2015 Oxfam report, only one in five Mexicans can be considered not poor or vulnerable to poverty. Successive reformist governments have failed to address the persistence of manipulated, highly concentrated markets. Growth is not possible when the state cannot ensure equality, regulate monopolies, or guarantee the transparency of economic transactions. Under Peña Nieto and his predecessors, pervasive cronyism crippled reformist efforts. Even good intentions delivered bad results.

IT'S THE CORRUPTION, STUPID
In Mexico, paradoxically, more democracy has meant more corruption. The democratic transition did not stop the transfer of public wealth into private pockets; instead, it exacerbated and normalized that historical practice. Although democratic theory suggests that pluralism and political competition help combat corruption, Mexico demonstrates that in the absence of the rule of law, they actually incite further rapacity.
In Mexico’s fledgling democracy, corruption has spread from the executive branch to the legislature, the judiciary, state and local governments, and even the media. As the legislative branch has gained more power over how money is spent, illegal appropriations for political use have multiplied. Decentralizing the federal budget to the states has opened up new opportunities for local leaders to do business with public funds. Instead of providing checks and balances against corruption, the federal and local legislatures have been the beneficiaries of government largess. The same is true of the 32 governors who receive large amounts of federal funds, which they use at their own discretion.
According to the nongovernmental organization México ¿Cómo Vamos? (Mexico, How Are We Doing?), corruption eats up nine percent of Mexico’s GDP. It deters foreign investment, hampers economic growth, and limits the benefits of the North American Free Trade Agreement. The World Economic Forum says that corruption is the main factor that makes it hard to do business in Mexico.
During the Peña Nieto administration, however, corruption, which had long been considered normal, was increasingly denounced as it became more public and less constrained. According to the nongovernmental organization Mexicanos Contra la Corrupción y la Impunidad (Mexicans Against Corruption and Impunity), corruption has reached alarming levels in the last six years. Mexico is currently ranked 135 out of 180 countries on Transparency International’s Corruption Perceptions Index; 90 percent of Mexican citizens believe that corruption is one of the country’s primary problems. This concern is not unwarranted. During the Peña Nieto administration, the governor of Veracruz, Javier Duarte, allegedly embezzled millions of dollars of public funds, and more than a dozen other governors and former governors, many of whom Peña Nieto praised as examples of the new PRI, are now under investigation or hiding from the authorities. The president’s own family has been implicated: in 2014, the so-called Casa Blanca scandal revealed that the president’s wife had purchased a $7 million house from a favored government contractor.
Under Peña Nieto and his predecessors, pervasive cronyism crippled reformist efforts.
Peña Nieto attempted to avoid responsibility for these scandals by arguing that corruption was a cultural issue. Instead of reforming bad rules or designing better laws, he blamed amoral citizens. But corruption is the product of incentives, not habits; it’s about what authorities sanction, not what society condones. And under Peña Nieto, Mexican authorities were willing to tolerate a staggering level of official wrongdoing. Consider, for example, the massive scandal involving the Brazilian construction company Odebrecht, which has admitted paying more than $800 million in bribes to government officials in various countries. The case has shaken up politics throughout the region, bringing down presidents and prominent members of the political elite. But in Mexico, not a single politician or contractor has been indicted, owing to pressure on law enforcement authorities from high-level officials who fear that a real investigation would be damaging to the PRI. What the Mexican media have dubbed “a pact of impunity” protects the political class regardless of party or ideology, undermining public trust in government institutions.
The starkest example of official impunity is the case of the 43 studentsfrom Ayotzinapa Rural Teachers’ College who disappeared in 2014 and whose fate remains unknown. After massive protests erupted over the incident, Peña Nieto’s government brought in a panel of independent international experts to review the case. But when the experts began to cast doubt on the government’s handling of the investigation, authorities made it impossible for them to carry out their work and ultimately forced them out of the country.

ENTER AMLO
During the 2018 election, López Obrador became the candidate of choice for the majority of voters, who were frustrated with the current state of affairs. Decades of corruption and the failures of the Peña Nieto government allowed López Obrador to cast himself as the redeemer of a fundamentally flawed system.
The election results were a crushing defeat for the PRI, which did not win a single governorship out of the nine in contention or any of the 300 federal electoral districts. The party even lost in Atlacomulco, Peña Nieto’s hometown. The PRI will become the fifth-largest party in Congress after being dominant for 89 years.
For López Obrador, the results were a triumph. MORENA earned 53 percent of the vote, versus the PRI’s 16 percent, and it received 30 million votes, significantly more than the 15 million that Fox obtained in 2000. López Obrador’s party and its coalition allies will have an absolute majority in Congress, with over 300 seats out of 500, and a majority in the Senate. After 24 years of divided rule, López Obrador will enjoy a unified government, which will have the capacity to pass laws and approve the budget with little opposition.
López Obrador’s victory can be explained by both what happened during the race and what failed to happen over the last 30 years. There is no question that his opponents ran disastrous campaigns. Ricardo Anaya, the candidate of a center-right–center-left alliance that had been forged among the PAN, the Party of the Democratic Revolution, and the Citizens’ Movement, was viewed as smart but robotic—someone who connected more easily with Silicon Valley executives than with his disgruntled fellow citizens. And he was never credible as a transformative opposition leader, given the 12 years of PAN rule that came before. Meanwhile, the PRI candidate, José Antonio Meade, bore the brunt of Peña Nieto’s unpopularity and the tarnished PRI brand.
López Obrador, on the other hand, assembled a team of moderates who tempered his strident tendencies and explained his policies in a way that made them seem more acceptable and less radical. MORENA transitioned from purism to pragmatism and created a broad, multiclass, and ideologically vague coalition that was capable of drawing in both conservative evangelicals and progressive civic activists. U.S. President Donald Trump’s demonization of Mexico also helped López Obrador, whose brand of nationalism resonated among those who felt offended by Trump’s tirades and Peña Nieto’s mild response to them. López Obrador also won support by defending the oil industry in the face of energy reforms that many viewed as benefiting only foreign investors and their domestic allies.
But something more profound lies at the root of this political reconfiguration. López Obrador’s message and personality have been the same since he became an opposition leader in 2006. But what seemed radical in 2006 feels necessary in 2018. What once provoked fear now engenders hope. The majority of the electorate supported López Obrador because his bleak diagnosis corresponded with the violence, corruption, and insecurity that ordinary Mexicans experience every day.
Members of Mexico’s traditional ruling class did not understand that lambasting López Obrador as a populist would not prevent him from reaching the presidency; they should have instead addressed the grievances he exploited. But they did little to make the economic system more inclusive or the political system more representative. López Obrador’s ascent is the predictable consequence of failed modernization. Greedy, antidemocratic elites should have seen it coming.

THE ROAD AHEAD
Despite his landslide victory, López Obrador remains a polarizing figure. His critics view him as a divider and a class warrior; his supporters cherish him as an unwavering champion of democracy and social justice. For some, he is a wolf in sheep’s clothing; for others, he represents a radical and long-desired break with the old regime.
López Obrador’s victory will almost certainly alter the party system and the existing economic model. But the specific nature of that change is difficult to predict. When it comes to policy, López Obrador has been erratic and often contradictory. As mayor of Mexico City from 2000 to 2006, he was a pragmatic leader, and his team today mostly consists of moderates. Now, however, there will be pressure from his base to disavow many of the reforms implemented during the Peña Nieto administration. López Obrador has said that he will support the North American Free Trade agreement, but he has also hinted that protectionist measures might be necessary to invigorate the domestic market and promote food security. Ultimately, he is a social leader drawn to grand narratives, not to the specifics of public policy. It will be up to his inexperienced cabinet to maintain the delicate balance between the changes that Mexicans demand and the macroeconomic stability that investors expect.
In his victory speech, López Obrador espoused the language of reconciliation, declaring that he would seek a peaceful and orderly transition and that he would not “govern arbitrarily.” But there is no question that he will have a great deal of discretionary power. Along with the smaller parties in his electoral coalition, he may even have enough votes to modify the constitution.
Although the PRI and the PAN retained a small presence in the legislature and still control a number of governorships, the opposition has been decimated, and it could become even smaller as members flee to join MORENA. López Obrador’s party is on its way to becoming a new version of the old PRI: a hegemonic party that crowds out competition by uniting disparate political factions under a pragmatic umbrella. Patronage and corruption held the PRI together, and MORENA has not signaled that it will break with those practices; in fact, it is well positioned to emulate and embrace them. López Obrador has not broken ties with union leaders associated with government graft or acted against members of his own party accused of using public funds for personal gain.
For those worried about Mexico’s dysfunctional democracy, there are some troubling signs. López Obrador has promised to return power to the people by submitting key policy issues to public referendums. This practice could push the country toward majoritarian extremism, in which democracy is seen as a constant confrontation between the popular will and those who oppose it, rather than as an inclusive system of negotiation and compromise. During the campaign, López Obrador portrayed institutions such as the Supreme Court and the National Institute for Transparency, Access to Information, and Personal Data Protection as obstacles, vilified the media outlets that criticized him, and suggested that his personal moral rectitude meant that he should be granted broader discretionary powers than his predecessors.
But much of what he has promised, including an end to corruption and violence, will require significant modifications to Mexico’s institutions, which were created in an era of single-party rule. Unless the government promotes an agenda focused on transparency, accountability, institutional remodeling, and the protection of individual rights, Mexico will simply replace one unaccountable party with another. Some of López Obrador’s critics have warned that he might turn Mexico into another Venezuela, where the authoritarian leader Nicolás Madurohas dismantled democratic institutions and bankrupted the state, pushing society to the brink of collapse. The real risk for Mexico, however, is not that it will become another Venezuela; it is that it will simply remain the same old Mexico.
To prevent this outcome, López Obrador would be well advised to take a new approach when he assumes office on December 1. The centerpiece of this agenda should be the establishment of an autonomous attorney general’s office with the authority to investigate and prosecute corruption at the highest levels. In addition, he should push for the passage of legislation, currently stalled in Congress, that would make the national anticorruption system fully functional. He will also need to name an anticorruption czar and guarantee that the position has teeth. Finally, López Obrador should rethink the war on drugsby gradually returning the military to the barracks and, at a minimum, legalizing marijuana for medicinal and recreation.
Mexico will experience truly transformative change only if its new leaders focus on strengthening the rule of law. The biggest mistake López Obrador can make would be to delegitimize democracy by relying on referendums and centralizing power in his own office. Much of the positive change that Mexico has experienced since 2000 was the result of pressure from below, fomented by an increasingly vibrant and demanding civil society. The country’s future does not depend on one man or one movement. Mexico needs a broad, pro-democracy coalition that addresses the root cause of its polarized politics: the absence of institutions that are capable of providing transparency, accountability, and systemic checks and balances. The Mexican people need to put pressure on López Obrador to make good on his bold promises. The Mexican novelist Juan Rulfo once wrote, “It had been so long since I lifted my face that I forgot about the sky.” If Mexicans do not look upward and demand more, those who govern won’t do so, either.

domingo, 2 de dezembro de 2018

Celso Lafer: dois volumes com seus textos principais, quase prontos

Acabo de colocar um ponto final no índice onomástico deste livro: 


Celso Lafer:
Relações internacionais, política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação
(Brasília: Funag, 2018, 2 vols., 1415 p.)



Aqui o sumário geral da obra: 
Volume 1
Apresentação: presidente da Funag
Prefácio – Gelson Fonseca Jr.
Índice do Volume 1
Introdução geral: Celso Lafer

Parte I – A reflexão da experiência
Parte II –Itamaraty
A instituição
Diálogos
Memórias
Parte III – Relações internacionais
A necessidade do campo
O campo teórico
Tópicos específicos 
Volume 2
Sumário 
Índice do Volume 2
Parte IV – A inserção internacional do Brasil: a política externa brasileira
O Brasil no mundo
Lições do passado
Parceiros vitais do Brasil 
Questões polêmicas
Parte V – Personalidades
Posfácio: Paulo Roberto de Almeida
Biobibliografia do autor 

Índice onomástico

Tenho um posfácio, ao final do 2o. volume, apresentando o conjunto da obra, que transcrevo mais abaixo, depois de postar as orelhas e uma parte da quarta capa. Depois do posfácio, transcrevo o sumário de cada um dos dois volumes.




“A educação de Celso Lafer: um reconhecimento ao mestre”, Brasília, 19 julho 2018, 9 p. Discussão geral da obra em publicação pela Funag de Celso Lafer, Relações internacionais, política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação, com base num paralelo intelectual com a obra de Henry James, The Education of Henry Adams: an autobiography (New York: The Modern Library, 1999), e alguma referência às Confissões de Santo Agostinho. 


A educação de Celso Lafer: um reconhecimento ao mestre

Paulo Roberto de Almeida
Diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, IPRI-Funag/MRE.
 [Objetivo: apresentar a coletânea; finalidade: informar sobre o sentido da obra]

Se as Confissões de Santo Agostinho – que ocupam um lugar central na cultura cristã do Ocidente latino, ao dar início à tradição intelectual da autobiografia consciente e deliberada – apresentam essa característica de, pela sua própria natureza confessional, terem influenciado fortemente, segundo Stéphane Gioanni (L’Histoire, junho de 2018), o subjetivismo moderno, A Educação de Henry Adams inaugura, por sua vez – como construção consciente e deliberada de uma trajetória de vida tão confessional quanto as memórias do bispo da velha Hipona –, a moderna autobiografia intelectual, combinando objetivismo político com algum subjetivismo filosófico. Mais do que uma história de vida, ou uma simples memória, o livro de Henry Adams representa, mais exatamente, um grande panorama de história intelectual dos Estados Unidos entre a Guerra Civil e a Grande Guerra, um empreendimento talvez sem paralelo, até o início do século XX, na tradição ocidental das biografias “confessionais”.
Setembro de 2018 marca o centenário da primeira publicação completa da obra do bisneto de John Adams e neto de John Quincy Adams, dois antecessores presidentes. Sua educação primorosa, objeto da autobiografia (escrita na terceira pessoa), aproxima-se, em certa medida, da sólida formação intelectual de um dos maiores representantes da vida acadêmica e diplomática do Brasil: Celso Lafer. Cem anos depois da publicação daquela autobiografia pioneira, parece inteiramente pertinente seguir a “educação” de Celso Lafer, três vezes ministro, sendo duas como chanceler, chefe de missão em Genebra, professor emérito da USP, articulista consagrado, mestre de várias gerações de estudiosos de relações internacionais e de direito. 
A melhor forma de fazê-lo é por meio de uma compilação de seus muitos escritos sobre as relações internacionais, a política externa e a diplomacia brasileira, textos até aqui dispersos em um grande número de veículos impressos e digitais. A trajetória intelectual de seu autor se confunde com a própria evolução dos estudos e da prática das relações exteriores do Brasil no último meio século, mas estes dois volumes reproduzem apenas uma pequena parte de sua gigantesca produção acadêmica, profissional ou jornalística, deixando de integrar, por especialização temática nas áreas do título, uma outra parte essencial de suas atividades intelectuais, que cobrem os terrenos literário, cultural e mesmo de política doméstica.
A colaboração que pude prestar na montagem e revisão da presente coleção de textos – artigos, palestras, discursos, conferências, capítulos de livros – de Celso Lafer constituiu, ao longo do ano de 2018, uma das maiores gratificações intelectuais de minha relativamente curta trajetória como diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, (IPRI), um modesto think tank, subordinado, como o Centro de História e Documentação Diplomática (CHDD) – seu contraparte do Rio de Janeiro –, à Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), esta por sua vez vinculada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE). Digo uma das maiores gratificações porque, justamente, dois de meus critérios na organização de eventos e publicações no IPRI são justamente esses: tudo o que for intelectualmente gratificante e inovar sobre a agenda “normal”. 
Ainda antes de assumir formalmente a direção do IPRI, pude colaborar na montagem e realização de um seminário, de uma exposição e de um livro sobre o patrono da historiografia brasileira, o também diplomata, Francisco Adolfo Varnhagen: Varnhagen (1816-1878): diplomacia e pensamento estratégico (Brasília: Funag, 2016). Nesse primeiro empreendimento junto ao IPRI ofereci um estudo sobre o “pensamento estratégico de Varnhagen: contexto e atualidade”, no qual tive a oportunidade e o lazer de atualizar suas propostas de “reforma do Brasil”, apresentadas pela primeira vez em 1849, no Memorial Orgânico, documento magistralmente retirado das cinzas pelas mãos do presidente do IHGB, o historiador Arno Wehling, um especialista e também admirador da obra historiográfica de Varnhagen. 
Logo em seguida, dediquei-me a retirar das “cinzas” de um injusto ostracismo político um outro colega diplomata, o economista de formação Roberto Campos, por meio de uma obra coletiva feita inteiramente à base da admiração de amigos: O Homem que Pensou o Brasil: trajetória intelectual de Roberto Campos (Curitiba: Appris, 2017). O livro, entretanto, por razões de oportunidade e de cálculo político, não foi publicado pela Funag, tanto quanto um outro, sobre o historiador e diplomata Oliveira Lima. Em seguida, aproveitando o desafio da publicação da magistral Fotobiografia de Oswaldo Aranha por seu neto, Pedro Corrêa do Lago (Rio de Janeiro: Capivara, 2017), e ajudado pela perícia documentalista de seu outro neto, Luiz Aranha, decidi montar, com a preciosa e estratégica ajuda do historiador Rogério de Souza Farias, uma compilação praticamente completa dos escritos de relações internacionais e de diplomacia brasileira produzidos ao longo de trinta anos pelo grande estadista gaúcho, o segundo maior chanceler brasileiro do século XX depois de Rio Branco, segundo Rubens Ricupero: “Oswaldo Aranha dominou a política exterior dos meados do século XX como Rio Branco o fizera na sua primeira década. Depois do Barão, ninguém mais alcançou, dentro e fora do país, o prestígio e a influência de Aranha, nenhum outro dirigiu a diplomacia com tanto acerto em tempos perigosos e de escolhas difíceis.” (Apresentação de Rubens Ricupero a: Oswaldo Aranha: um estadista brasileiroBrasília: Funag, 2017, 1o. vol.). 
A coletânea Aranha preenche, sem dúvida alguma, uma lacuna na historiografia brasileira da diplomacia contemporânea, ao recolher discursos, entrevistas, cartas e escritos diversos do político rio-grandense convertido em estadista de estatura mundial. Ela cobre momentos cruciais das relações internacionais e bilaterais do Brasil em pleno século XX, quando a diplomacia esclarecida de Aranha influenciou decisivamente a política do governo Vargas ao adotar a opção correta na voragem da Segunda Guerra Mundial, aliás a única concebível para um discípulo de Rui Barbosa, no formidável embate que se travou entre as democracias do Ocidente, capitaneadas por Churchill e Roosevelt, e os totalitarismos liderados pelos fascistas da Alemanha, Itália e Japão.
Esse trabalho de garimpo documental e de lapidação redacional dos escritos dispersos de Oswaldo Aranha, esteve, provavelmente, na origem da idealização, organização e montagem da obra que agora se apresenta: uma compilação seletiva dentre os muitos, incontáveis escritos até aqui dispersos de Celso Lafer, primeiro reunidos e organizados por ele mesmo, com a ajuda de Carlos Eduardo Lins da Silva, depois revistos e padronizados por mim, ao longo de muitas noites de indescritível prazer intelectual. Não sei se por pura emulação historiográfica, se por alguma secreta indução bibliográfica e documental, ou se por um evidente paralelismo diplomático, Celso Lafer e eu mesmo cogitamos, quase simultaneamente, que depois da “compilação Oswaldo Aranha” estava mais do que na hora de também pensarmos numa “compilação Celso Lafer”. Material, aliás abundante, não faltava para esse novo empreendimento.
A decisão foi então tomada em vista da existência, dispersa até aqui, dos seus muitos escritos de relações internacionais, de política externa e de diplomacia do Brasil, que constituem, ao mesmo tempo, um grande panorama do cenário mundial, político e econômico, nas últimas cinco décadas. Esses textos reproduzem meio século de ideias, reflexões, pesquisas, andanças e um exercício direto de responsabilidades à frente da diplomacia brasileira, em duas ocasiões, e, através dela, de algumas funções relevantes na diplomacia mundial, como a presidência do Conselho da OMC, assim como em outras instâncias da política global. Celso Lafer esteve à frente de decisões relevantes em alguns foros decisivos para as relações exteriores do Brasil, na integração regional, no comércio mundial, nos novos temas do multilateralismo contemporâneo.
Esta obra, construída ao longo de alguns meses de garimpo documental e de lapidação formal, a partir de um aluvião torrencial de pepitas preciosas que vinham sendo carregadas pelo fluxo heteróclito de publicações no decorrer de várias décadas, apresenta, finalmente, o que se espera seja uma obra de referência e uma contribuição essencial ao conhecimento da diplomacia brasileira e da vida intelectual em nosso país, a partir dos anos 1960 até aqui. Suas qualidades intrínsecas, combinando sólida visão global e um conhecimento direto dos eventos e processos que o autor descreve e analisa, representam um aporte fundamental a todos os estudiosos de diplomacia e de relações internacionais do Brasil, uma vez que reúne os relevantes escritos do mais importante intelectual desse campo, com a vantagem dele ter tido a experiência prática de conduzir a diplomacia brasileira em momentos significativos da história recente. As “questões polêmicas” da quarta parte reúnem alguns de seus artigos de jornal, nos quais exerceu um olhar crítico sobre a “diplomacia” implementada a partir de 2003, rompendo pela primeira vez a tradição secular da política externa brasileira, no sentido de representar o consenso nacional em torno dos interesses do país, para adotar o sectarismo míope de um partido que tentou monopolizar de forma canhestra (e corrupta) o sistema político. 

Henry James, ao escrever em 1907 a sua autobiografia intelectual, admitia, indiretamente – segundo o prefácio de Henry Cabot Lodge à obra finalmente publicada em setembro de 1918 pela Massachusetts Historical Society –, que a grande ambição do neto e bisneto de presidentes era a de “completar as Confissões de Santo Agostinho”. Mas, diferentemente do pai da Igreja Cristã, que, como grande intelectual, trabalhou a partir de uma multiplicidade para a unidade de ideias em torno da fé cristã, seu moderno êmulo americano reverteu a metodologia, passando a trabalhar a partir da unidade para a multiplicidade de ideias (The Education of Henry Adams: an autobiography, p. xxxiv, da edição de 1999 da Modern Library). Isso talvez porque, à diferença da angustiada defesa de uma rígida crença nos dogmas cristãos, exibida no quarto século da nossa era pelo pai intelectual da Igreja Católica, Henry Adams ostentava o agnosticismo científico típico dos primeiros darwinistas sociais do final do século XIX. 
Celso Lafer, herdeiro intelectual de grandes pensadores judeus do século XX, é, provavelmente também, um agnóstico pragmático, combinando destreza acadêmica e tino empresarial, como sempre foi a outra vertente de seus familiares e de um grande antecessor na diplomacia, seu tio Horácio Lafer, ministro da Fazenda e das Relações Exteriores na República de 1946. O modelo da autobiografia de Henry Adams, com suas três dezenas de capítulos seguindo a trajetória do ilustre herdeiro dos Adams nas grandes capitais do mundo ocidental – Washington, Londres (seu pai foi ministro na Corte vitoriana), Berlim, Paris (a Exposição Universal de 1900), Roma e muitas outras cidades dos Estados Unidos e da Europa–, poderia servir, eventualmente, para retraçar a carreira intelectual e diplomática de Celso Lafer, que também percorreu as grandes capitais da diplomacia mundial, como intelectual ou ministro das Relações Exteriores.
O jovem Adams, ao acompanhar como secretário o seu pai, designado em 1861 ministro plenipotenciário de Abraham Lincoln junto à corte da rainha Vitória, construiu uma educação “diplomática” no centro do que era então o maior império do planeta; ele pode encontrar-se com líderes britânicos da estatura de um Palmerston ou Gladstone, assim como, em suas andanças pela Europa, com “anarquistas” bizarros, ao estilo de um Garibaldi. Celso Lafer, por sua vez, construiu sua educação diplomática na observação direta do que foi feito por seu tio, Horácio Lafer, antes como ministro da Fazenda do Vargas dos anos 1950, depois à frente do Itamaraty, numa segunda fase do governo JK, dedicando a ambos trabalhos analíticos posteriores que figuram com realce em sua bibliografia. Da gestão do tio na política externa, destacou sobretudo sua ação no campo econômico: acordos comerciais, integração regional e aproximação à Argentina.
Essa educação continuou nos anos seguintes, de forma não surpreendente nos mesmos grandes temas focados anteriormente e, como Henry James, no contato direto com personalidades de realce na cena mundial; percorrendo as páginas dos dois volumes de Celso Lafer é possível registrar alguns dos grandes nomes do estadismo mundial, com quem Celso Lafer encontrou-se ou conviveu ao longo dessas décadas. Ele discorre, sempre de modo empático, mas penetrante, sem dispensar aqui e ali o bom humor, sobre líderes estrangeiros como Mandela, Shimon Peres, Koffi Annan, Antonio Guterres e, retrospectivamente, sobre o êmulo português do embaixador Souza Dantas, o cônsul Aristides de Souza Mendes, um justo entre os injustos do salazarismo. Dentre os diplomatas distinguidos do Brasil figuram os nomes deSaraiva Guerreiro e de Sérgio Vieira de Mello, para mencionar apenas dois nessa categoria.
Comparecem igualmente vários colegas e autores de renome, intelectuais da academia ou da diplomacia, como José Guilherme Merquior, Sergio Paulo Rouanet, Gelson Fonseca Jr., Synesio Sampaio Goes, Rubens Ricupero, Gilberto Dupas, Celso Furtado, Miguel Reale, Fernando Henrique Cardoso, entre os brasileiros. Estudiosos  estrangeiros, alguns conhecidos pessoalmente, aparecem sob os nomes de Karl Deutsch, Raymond Aron, Andrew Hurrell, Octavio Paz, Morgenthau, Kissinger e Prebisch. Suas resenhas e prefácios registram autores conhecidos na área, a exemplo de Sérgio Danese, Fernando Barreto, Gerson Moura e Eugenio Vargas Garcia, contemplados com extensas notas publicadas na revista Política Externa, da qual foi um dos responsáveis, junto com Gilberto Dupas e Carlos Eduardo Lins da Silva, durante vários anos.

A educação de Celso Lafer se fez, primordialmente, em intensas leituras e eventuais contatos, com grandes nomes do pensamento histórico, filosófico e político da tradição ocidental, desde mestres do passado remoto – Tucídides, Aristóteles, Grócio, Vico, Hume, Bodin, Hobbes Montesquieu, Kant, Tocqueville, Charles de Visscher e outros – até mestres do passado recente, inclusive alguns deles encontrados em carne e osso: Hans Kelsen, Carl Schmitt, Isaiah Berlin, Hanna Arendt, Norberto Bobbio, Raymond Aron, Hedley Bull, Martin Wight, Albert Hirschman, Stanley Hoffmann e muitos outros. Um desses “grandes mestres” aparece apenas marginalmente, ou episodicamente nos textos aqui coletados: Karl Marx, objeto de várias referências indiretas no exame da literatura especializada. Henry James, de seu lado, faz, em sua autobiografia, diversas referências ao pai do “socialismo científico” e afirmou ter seriamente considerado, junto com as teses ousadas de Darwin, os argumentos defendidos em O Capital, embora não demonstrasse entusiasmo com os anúncios precursores quando à derrocada do capitalismo. 
James, na verdade, demonstra certo esnobismo em relação à maior parte dos teóricos que digeriu, em Harvard ou em suas leituras posteriores. Ao referir-se, por exemplo, à necessidade de conhecer os ensinamentos de Marx, continua dizendo que o confronto também devia ser feito em relação à “satânica majestade do livre comércio de John Stuart Mill” (p. 72). Mais adiante, ao fazer o balanço de sua visita à Exposição Universal de Paris, em 1990, que representava o triunfo do capitalismo da belle Époque, ele revela que “tinha estudado Karl Marx e suas doutrinas da história com profunda atenção, mas que não podia aplicá-las a Paris” (p. 379). No caso de Lafer, não há menção a algum estudo sério da doutrina marxista, mas as referências não faltam, seja por meio de Raymond Aron, seja através de obras de Hélio Jaguaribe.
Ambos, porém, Henry James e Celso Lafer, exibem o mesmo compromisso incontornável com os princípios do liberalismo político e dos governos democráticos. James, ao conviver mais longamente com o sistema parlamentar inglês, considerava que “o governo de classe média da Inglaterra constituía o ideal do progresso humano” (p. 33). Por classe média, ele queria dizer, obviamente, burguesia, em oposição à velha aristocracia de títulos, que não existia no seu país natal; ela estava surgindo, em sua própria época, mas apenas a partir do exibicionismo ostensivo dos “barões ladrões”, enobrecidos financeiramente a partir da idade dourada do capitalismo americano. Celso Lafer, do seu lado, sempre foi um liberal doutrinal e filosófico, não obstante seu alinhamento pragmático com a socialdemocracia na política brasileira, no que, aliás, ele combina com um de seus mestres, o jurista e intelectual italiano Norberto Bobbio. 

Mais de uma centena de textos comparecem nos dois volumes, organizados em cinco partes bem identificadas, embora algumas repetições sejam detectáveis aqui e ali. O conjunto dos escritos constitui, sem dúvida alguma, um completo curso acadêmico e um amplo repositório empírico em torno dos conceitos exatamente expressos no título da obra: Relações internacionais, política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação. Os artigos, ensaios, conferências e entrevistas podem servir, em primeiro lugar, a todos os estudantes desses campos, não restritos, obviamente, aos próprios cursos de Relações Internacionais, mas indo ao Direito, Ciência Política, Filosofia, Sociologia, História, além de outras vertentes das Humanidades. Mas, os diplomatas profissionais e os demais operadores consolidados trabalhando direta ou indiretamente nessas áreas também encontrarão aqui um rico manancial de ideias, argumentos e, mais importante, “recapitulações” em torno de conferências, negociações, encontros bilaterais, regionais ou multilaterais que figuraram na agenda internacional do Brasil nas últimas décadas. 
A diversidade de assuntos, inclusive em relação aos próprios personagens que aqui comparecem, em “diálogos”, homenagens, obituários ou relatos de encontros pessoais, possuem um inegável vínculo entre si, pois todos eles têm a ver, de perto ou de longe, com a interface externa do Brasil e com os voos internacionais do autor. Os textos não esgotam, obviamente, o amplo leque de interesses e de estudos do autor, que se estende ainda aos campos da literatura e dos assuntos culturais em geral, trabalhos que figuram em diversos outros livros publicados de Celso Lafer, vários monotemáticos e alguns na categoria de coletâneas, como por exemplo os três volumes publicados pela Atlas, em 2015, enfeixados sob o título comum de Um percurso no Direito do século XXI, mas voltados para direitos humanos, direito internacional e filosofia e teoria geral do direito. A sua produção variada, acumulada intensa e extensivamente em tão larga variedade de assuntos, permite o mesmo tipo de “assemblagem” ocasional efetuada na presente obra em dois volumes. Apresentando, por exemplo, seus escritos focados em Norberto Bobbio: trajetória e obra (São Paulo: Perspectiva, 2013), Celso Lafer começa por lembrar justamente essa prática do mestre italiano: 
Bobbio, ao fazer, em 1994, um balanço de sua trajetória, observou que a sua obra caracterizava-se por livros, artigos, discursos sobre temas diversos, ainda que ligados entre si [nota: a referência aqui é à obra de Bobbio, O Futuro da Democracia]. Parte muito significativa e relevante da sua obra é constituída por volumes que são coletâneas de ensaios, reunidos e organizados em função dos seus nexos temáticos. Esses volumes de ensaios cobre os diversos campos do conhecimento a que se dedicou: a teoria jurídica, a teoria política, a das relações internacionais, a dos direitos humanos e o vinculo entre política e cultura, rubrica que abrange a discussão do papel do intelectual na vida pública. Esses volumes são representativos do contínuo work in progress da trajetória intelectual de Bobbio, esclarecendo como, no correr dos anos, por aproximações sucessivas, foi aprofundando a análise dos temas recorrentes do seu percurso de estudioso. (p. 23)

A partir da transcrição desse introito se poderia perfeitamente dizer: Ecce homo (talvez menos na linhagem nietzscheiana, e mais na do original bíblico). A afirmação se aplica inteiramente à própria trajetória acadêmica e profissional de Celso, ao seu percurso intelectual, à sua visão do mundo, com uma vantagem adicional sobre o jurista italiano, devido ao fato de Lafer ter sido bem mais do que um “simples professor”, ao ter exercido por duas vezes (até aqui) o cargo de ministro das relações exteriores (e uma vez o de ministro do desenvolvimento e de comércio exterior), funções certamente mais relevantes, para o Brasil, do que o cargo largamente honorífico concedido a Norberto Bobbio, já quase ao final da sua vida, de senador da República italiana. 

O percurso de Celso Lafer, no Brasil e no mundo, sua postura filosófica, de defensor constante dos direitos humanos e da democracia política, suas aulas na tradicional Faculdade de Direito (e em muitas outras conferências em universidades e várias instituições em incontáveis oportunidades), sua luta pela afirmação internacional do Brasil nos mais diversos foros abertos ao engenho e arte da diplomacia nacional, todos esses aspectos estão aqui refletidos em mais de uma centena de trabalhos carinhosamente reunidos sob a direção do próprio mestre e oferecidos agora ao público interessado. Não apenas o reflexo de uma vida dedicada a construir sua própria trajetória intelectual, esses textos são, antes de qualquer outra coisa, aulas magistrais, consolidadas numa obra unitária, enfeixada aqui sob a tripla dimensão do título do livro. 
Mais do que uma garrafa lançada ao mar, como podem ser outras coletâneas de escritos dispersos oferecidos a um público indiferenciado, a centena de “mensagens laferianas” aqui reunidas constituem um útil instrumento de trabalho oferecido aos profissionais da diplomacia, ademais de ser uma obra de referência aberta à leitura dos pesquisadores, dos professores e dos estudantes dessas grandes áreas de estudos e de trabalho acadêmico. Ao disponibilizar essa massa de escritos da mais alta qualidade intelectual ao grande público, esta obra faz mais do que reunir estudos dispersos numa nova coletânea de ensaios conectados entre si: ela representa, também e principalmente, um tributo de merecido reconhecimento ao grande mestre educador que sempre foi, e continuará sendo, Celso Lafer.
Vale!

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 19 de julho de 2018

=============

Celso Lafer

Relações internacionais,política externa e diplomacia brasileira: pensamento e ação
 (Brasília: Funag, 2018, 2 vols., 1415 p.)

Sumário Volume 1


Apresentação: presidente da Funag
Prefácio: Gelson Fonseca Jr. 
Introdução geral: Celso Lafer
PARTE I
A reflexão da experiência
1.     Uma vida na diplomacia: entrevista ao CPDOC (1993)
2.     Reflexões sobre uma gestão: 2000-2002 (2003)
3.     Uma trajetória diplomática: entrevista à revista Sapientia(2012)

PARTE II
Itamaraty
A instituição
4.     A autoridade do Itamaraty (1992)
5.     O Palácio do Itamaraty: Rio-Brasília (2001)
6.     Uma diplomacia de fundação: O Itamaraty na cultura brasileira (2001)
7.     Rio Branco e o Itamaraty: 100 anos em 10 (2002)
8.     Rio Branco e a memória nacional (2012)
9.     Desatar nós: posse do secretário-geral Osmar Chohfi (2001)
10.  O retorno ao Itamaraty (2001)

Diálogos
11.  José Guilherme Merquior: A legitimidade na política internacional (1993)
12.  Gelson Fonseca Jr.: A legitimidade na vida mundial(1998)
13.  Sergio Danese: Diplomacia presidencial(1998)
14.  Synesio Sampaio Goes: Navegantes, bandeirantes e diplomatas (2000)
15.  Fernando Barreto: Os sucessores do Barão, 1912-1964(2001)
16.  Rubens Ricupero: A viagem presidencial de Tancredo (2010)
17.  Gelson Fonseca: A diplomacia multilateral do Brasil (2015)
17bis. Paulo Roberto de Almeida: Formação da diplomacia econômica no Brasil(2001)

Memórias
18.  Horácio Lafer (1900-1965): sua atualidade (2015)
19.  Diplomatas contra o Holocausto (2001)
20.  Saraiva Guerreiro: um empregado do Itamaraty (1992)
21.  As lições das memórias de Lampreia (2010)

PARTE III
Relações internacionais
A necessidade do campo
22. O estudo das relações internacionais: necessidade e perspectivas (1982)
23. Discurso de agradecimento pelo prêmio Moinho Santista (2001)
24. Discurso de agradecimento como professor emérito do IRI-USP (2012)

O campo teórico
25. A política externa, a paz e o legado da Grécia clássica (1982)           
26. Os dilemas da soberania (1982)
27. Karl Deutsch e as relações internacionais (1982)
28. Aron e as relações internacionais (2005)
29. A Escola Inglesa: suas contribuições (2013)
30. Andrew Hurrell: sobre a ordem global (2008) 
31. Zelotismo-Herodianismo na reflexão de Helio Jaguaribe (2013)

Tópicos específicos 
33. Guerra e Paz: o painel de Portinari na sede da ONU (2004)
34. O desarmamento e o problema da paz (1984)
35. Direito e legitimidade no sistema internacional (1989)
36. Obstáculos a uma leitura kantiana do mundo no século XXI (2005)
37. Direitos humanos e democracia no plano interno e internacional (1994)
38. O GATT, a cláusula de nação mais favorecida e a América Latina (1971)
39. Comércio internacional, multilateralismo e regionalismo (1991)
40. Reflexões sobre a OMC aos 50 anos do comércio multilateral (1998)
41. Perspectivas da Argentina: Felix Peña (2004)
42. Empresas transnacionais: Luiz Olavo Baptista (1987)
43. O significado da Rio-92 e os desafios da Rio+20 (2002)
44. Mundo, ciência, diplomacia (2015)
45. Cúpulas ibero-americanas (1992)      
46. O Diálogo Transatlântico: Carlos Fuentes (2013)
47. Armas nucleares (2017)
48. O mundo e os refugiados (2016)
49. União Europeia, 50 anos: lições do passado, desafios futuros(2007)
50. 60 anos do GATT e da Declaração Universal dos Direitos Humanos (2008)
51. Proteção de nacionais no exterior: decisão da corte da Haia (2004)
52. A independência do Kosovo e a Corte de Haia (2010)
53. Sobre o Holocausto (2011)
55. Variações sobre o tempo (2011)

Sumário Volume 2


PARTE IV
A inserção internacional do Brasil: a política externa brasileira
O Brasil no mundo
56. Segurança e desenvolvimento: uma perspectiva brasileira (1972)
57. Panorama geral da situação internacional (1981)
58. Representação, controle e gestão em política externa (1984)
59. Dilemas da América Latina num mundo em transformação (1988)
60. A inserção internacional do Brasil (1992)
61. Diplomacia e parlamento (1992)
62. Relações internacionais do Brasil: palestra na ESG (1992)
63. O mundo mudou (2001)
64. Repúdio ao terrorismo (2001)
65. O Brasil, sua gente e o Oriente Médio (2012)
66. O Brasil num mundo conturbado (2016)

Lições do passado
67. 1ª e 2ª conferências da paz de Haia, 1899 e 1907 (2010)
68. O Brasil e a Liga das Nações (2000)
69. Conferência do Rio de 1992 (1998)
70. Gerson Moura: a política externa de Vargas e Dutra (1992)
71. Diplomacia de JK: dualidade a serviço do Brasil (2001)
72. Política exterior brasileira: um balanço da década de 1970 (1981)
73. Brasil-EUA: história e perspectivas das relações diplomáticas (1982)
74. Possibilidades diplomáticas do governo Tancredo Neves (1985)
75. A viagem presidencial de Tancredo Neves: seu significado (1985)
76. A política externa do governo Collor (2017)
77. Reflexões sobre o 11 de setembro (2003)
78. Um olhar sobre o mundo atual (2015)
79. A herança diplomática de FHC (2004)
80. Ação, experiência e narração em FHC (2006)

Parceiros vitais do Brasil
81. Brasil-Argentina – uma relação estratégica (2001)
82. Relações Brasil-Portugal: passado, presente, futuro (2000)
83. A política externa do Brasil para a América Latina (2014)
84. O Brasil na América Latina (2013)
85. Reflexões sobre a CPLP: lusofonia, sonhos e realidade (2013)
86. Reflexões sobre o tratado de 1895 com o Japão (2015)

Questões polêmicas
87. A ONU, Israel e o sionismo (1975)
88. Entusiasmo no Itamaraty? (2003)
89. Partidarização da política externa (2009)
90. A política externa: necessidades internas, possibilidades externas (2006)
91. A política externa e a crise política (2005)
92. Variações sobre a política externa (2006)
93. Novas variações sobre a política externa (2007)
94. Diplomacia brasileira: novas variações críticas (2010)
95. Ahmadinejad no Brasil: um equívoco (2009)
96. O Brasil e a nuclearização do Irã (2010)
97. O Mercosul, a Venezuela e a cláusula democrática (2009)
98. Asilo diplomático: o caso do senador Roger Pinto (2013)


PARTE V
Personalidades
Personagens
99. Gerson Moura (1939-1992): In Memoriam (1992)
100. José Guilherme Merquior: diplomacia da inteligência (2001)
101. Sérgio Vieira de Mello: uma vida na construção da paz (2003)
102. Em louvor de Aristides de Souza Mendes (1885-1954) (2004)
103. Homenagem a Celso Furtado (1920-2004) (2005)
104. Gilberto Dupas: uma homenagem (2009)
105. Com coragem, Mandela fez o impossível (2013)
106. De Klerk: um herói da retirada (2014)
107. Octavio Paz: a democracia no mundo ibero-americano (2014)
108. Sergio Paulo Rouanet e a questão da democracia (2014)
109. Shimon Peres (1923-2016): um estadista diplomata (2016)
110. Rubens Ricupero: saudação ao professor emérito (2016)
111. Koffi Annan e as Nações Unidas (2001)
112. Antonio Guterres na ONU (2017)

Posfácio: Paulo Roberto de Almeida
Biobibliografia do autor 
Índice onomástico
==============

“Há quase quarenta anos tenho o privilégio de conviver e conversar com Celso Lafer sobre alguns dos temas sobre os quais escreve. Conhecia praticamente todos os textos aqui publicados. Sobre alguns, trocamos ideias antes de sua versão final. Ainda assim, a leitura dos artigos me surpreendeu. Em primeiro lugar, pelo volume. Mais de uma centena de textos, de formatos diversos, que foram apresentados em periódicos, conferências, depoimentos no Congresso e em jornais. Há ensaios acadêmicos mais longos, com vocação analítica e, de outro lado, textos curtos, jornalísticos, em cima de questões candentes e polêmicas. Estavam dispersos, publicados em veículos diversos, alguns de difícil acesso. Daí ser tão oportuna e bem-vinda a sua republicação.”

Do prefácio do embaixador Gelson Fonseca Jr., diretor do Centro de História e Documentação Diplomática (CHDD-Funag).


“A trajetória intelectual de Celso Lafer se confunde com a própria evolução dos estudos e da prática das relações exteriores do Brasil no último meio século, mas estes dois volumes reproduzem apenas uma pequena parte de sua gigantesca produção acadêmica, profissional ou jornalística... (...) Estes textos reproduzem meio século de ideias, reflexões, pesquisas, andanças e um exercício direto de responsabilidades à frente da diplomacia brasileira, em duas ocasiões, e, através dela, de algumas funções relevantes na diplomacia mundial, como a presidência do Conselho da OMC, assim como em outras instâncias da política global. Celso Lafer esteve à frente de decisões relevantes em alguns foros decisivos para as relações exteriores do Brasil, na integração regional, no comércio mundial, nos novos temas do multilateralismo contemporâneo.Esta obra, construída ao longo de alguns meses de garimpo documental e de lapidação formal, a partir de um aluvião torrencial de pepitas preciosas que vinham sendo carregadas pelo fluxo heteróclito de publicações no decorrer de várias décadas, apresenta, finalmente, o que se espera seja uma obra de referência e uma contribuição essencial ao conhecimento da diplomacia brasileira e da vida intelectual em nosso país, a partir dos anos 1960 até aqui.”

Do posfácio do embaixador Paulo Roberto de Almeida, diretor do Instituto de Pesquisas de Relações Internacionais (IPRI-Funag).