O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

Mostrando postagens com marcador Educação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Educação. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Educacao: progressos sociais do seculo 19 ao 21 - livro de Robert Barro, Jong-Wha Lee

Published by EH.Net (June 2016)

Robert J. Barro and Jong-Wha Lee, Education Matters: Global Schooling Gains from the 19th to the 21st Century. New York: Oxford University Press, 2015. xi + 289 pp. $35 (hardcover), ISBN: 978-0-19-937923-1.

Reviewed for EH.Net by Sun Go, School of Economics, Chung-Ang University.

Can we analyze the role of education in economic, political, and social development using cross-country panel data? Robert J. Barro (Paul M. Warburg Professor of Economics at Harvard University) and Jong-Wha Lee (Professor of Economics and the Director of the Asiatic Research Institute at Korea University) have long been studying this subject and have published numerous academic works on it for more than twenty years. Education Matters is a comprehensive volume of their contributions to the literature on human capital and development, compiled by creating and analyzing their own long-term panel data at the country level. The book is mainly composed of two parts. The first part (Chapters 2 and 3) explains how they created cross-country panel data on average school years, and projects the growth of educational attainment to 2040. The second part (Chapters 3, 4, and 5) presents their analysis of the panel data on the effect of educational attainment on growth, fertility, and political institutions. In Chapter 5, in particular, Barro and Lee create another set of educational attainment data considering the quality of schooling, and repeat their analysis using the new quality-adjusted data set.

A conspicuous contribution of Barro and Lee is the creation of the cross-county educational attainment data sets. They first collect 146 countries’ enrollment rates of school-age population at the elementary, secondary, and tertiary levels at five-year intervals from 1950 to 2010. Most of the enrollment data are collected from UNESCO statistics based on each country’s census reports. By applying school-entering ages, term lengths, and the dropout rates to the enrollment rates by year and country, they compute the average years of schooling of the young cohorts, such as the 15 to 19 or the 20 to 24 year-old population. The average years of schooling for the older cohorts are estimated by applying cohort and education-level specific mortality rates to the educational attainment of younger cohorts under the assumption of no adult education. Finally, the educational attainment of the working population of a country for a year are calculated by the average years of schooling of the five-year-interval birth cohorts weighted by their population sizes. In addition to the total educational attainment data, Barro and Lee also estimate country-level educational attainment by sex. This is the baseline data that they have created and updated since the 1990s.

The book introduces another historical panel of educational attainment at the country level from 1870 to 1945, which is constructed in a similar way. The starting point is again a collection of the enrollment rates at elementary, secondary, and tertiary levels of 89 countries from 1820 to 2010 at five-year intervals. They calculate the enrollment rates using various historical statistics of school enrollments and school-age populations. Historical enrollment statistics are compiled from diverse sources such as Databanks International, Mitchell’s International Historical Statistics, Benavot and Riddle (1988), Lindert (2004), U.S. Bureau of Education’s Annual/Biannual Reports, Barnard (1854), and Monroe (1911). School-age population statistics are collected from Mitchell’s International Historical Statistics, the United Nations’ Demographic Yearbooks, and the League of Nation’s Statistical Yearbooks. However, due to the limited availability of historical enrollment data, a portion of the enrollment rates are created by linear interpolation or estimation assuming a logistic trend. About 38 percent of the school enrollment rates of total population from 1870 to 1945 are either interpolated or estimated. The share of the artificial data is greater for the female population and the period before 1870. Using the historical enrollment rates, Barro and Lee estimate the historical data on educational attainment by sex in a similar way to their baseline data for 1950-2010.

The two data sets are freely downloadable from the authors’ webpage (http://www.barrolee.com). The baseline data on educational attainment from 1950 to 2010 have already been widely used by researchers in social sciences, and their unique historical panel is expected to attract the interests of scholars. The historical panel will be useful in capturing long-run trends and examining over-time correlation between the expansion of formal schooling and other variables in the long run. However, the Barro-Lee historical panel of educational attainment may not be the best for identifying moments of change in educational expansion or research that requires identifying the timing of variation in formal schooling, as it contains values structurally estimated only by the trend.

Barro and Lee also present various results from the cross-country panel analysis using their own data sets. Although they have created balanced panels of educational attainment, the data sets for further analysis become unbalanced panels because other dependent and control variables, such as GDP per capita, fertility, and the democracy index, are not available for all the countries and years. Their development accounting shows that about 6 to 20 percent of the cross-country variation in output per worker can be explained by educational attainment. The contribution of human capital to economic growth is estimated to be a bit higher in growth accounting. The authors also present results from the three-stage least squares regressions with country fixed effects, which use lagged explanatory variables as instruments to deal with a possible endogeneity problem between education and the outcome variables — the growth rate of GDP per worker, fertility, and the democracy index. The results are not exactly the same as in the existing literature. The effect of educational attainment on growth is weak and statistically insignificant. The effect on fertility differs by gender. Women’s schooling leads to lower fertility, while men’s schooling is positively associated with fertility. The effect on democracy is nonlinear. Controlling for the country fixed effects, the higher average years of schooling, particularly of women, raise the democracy index at a decreasing rate. The panel regressions using the baseline data of 1950-2010 and the historical panel of 1870-2010 return similar results.

In Chapter 6, Barro and Lee repeat the panel regression analysis using another cross-country panel of 70 countries containing the quality-adjusted human capital stock measures from 1960 to 2010 at five-year intervals. The quality-adjusted human capital stock is calculated by weighting the average schooling years of each five-year birth cohort by the relevant test scores representing the quality of education and associated labor market returns. Their collection of standardized test scores spans 134 countries from 1965 to 2010 at the elementary and secondary school levels, despite a significant portion of the observations being missing, especially for the earlier period. Barro and Lee again fill the missing observations with estimates by linear interpolation or regional trends. The real and artificial standardized test scores for each five-year interval then become cohort-specific aggregate measures of school quality at each level of schools. The quality-adjusted panel of educational attainment is constructed in a similar way to the previous data sets. Further, from the panel IV regressions, Barro and Lee find that quality-adjusted educational attainment has a positive effect on the growth rates of GDP per worker if average years of schooling are controlled.

Education Matters offers a bird’s eye view of the role of education in the long-run development in the global context. It clearly shows the pioneering endeavor of Robert Barro and Jong-Wha Lee for the construction and analysis of their unique cross-country panels of educational attainment data. Anyone interested in cross-country analysis on the effect of human capital on economic, social, and political outcomes will undeniably find this volume a practically helpful starting point. This book also contains good teaching resources for undergraduate courses, such as maps showing the expansion of formal schooling in the world or figures presenting correlations between the average years of schooling and other socioeconomic indicators. On the other hand, the book may not be perfect for studying what really happened in history, as descriptions of historical or institutional backgrounds are not sufficiently accompanied by the valuable work of data construction and analysis. The book also contains little discussion of the contributions by economic history research to the literature on the rise of formal schooling and its associated effects on various outcomes since the nineteenth century.

References:

H. Barnard (1854), National Education in Europe: Being an Account of the Organization, Administration, Instruction and Statistics of Public Schools of Different Grades in the Principal States, New York: C.B. Norton.

A. Benavot and P. Riddle (1988), “The Expansion of Primary Education, 1870-1940: Trends and Issues,” Sociology of Education, 61(3): 191-210.

P. Lindert (2004), Growing Public, Cambridge, UK: Cambridge University Press.

P. Monroe (1911), A Cyclopedia of Education, New York: Macmillan.

Sun Go is an Associate Professor of Economics at Chung-Ang University. His research focuses on the development of public school finance in the nineteenth-century United States and twentieth-century Korea.

Copyright (c) 2016 by EH.Net. All rights reserved. This work may be copied for non-profit educational uses if proper credit is given to the author and the list. For other permission, please contact the EH.Net Administrator (administrator@eh.net). Published by EH.Net (June 2016). All EH.Net reviews are archived at http://eh.net/book-reviews/

sábado, 2 de janeiro de 2016

“O que faltou, e falta, é educação” - Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa

“O que faltou, e falta, é educação”.

ensinoespecial1
  Por Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa*
 …Lula se gaba de ter fundado mais universidades do que qualquer outro presidente. Essa obsessão por universidades, por títulos de Doutor, é típica de quem não estudou e acha que passar pelos portões de uma Universidade é chegar ao Arco-Íris.
Artigo publicado originalmente no Blog de Ricardo Noblat, 1º de janeiro de 2016

Lula disse em Madrid ao jornal El País, (11 de dezembro), “Eu sei que isto não agrada aos portugueses, mas Cristóvão Colombo chegou a Santo Domingo [atual República Dominicana] em 1492 e, em 1507, já ali tinha sido criada a Universidade. No Peru, em 1550, na Bolívia em 1624. No Brasil, a primeira universidade surgiu apenas em 1922”.

Há quem se surpreenda com a reação indignada de alguns jornais portugueses. Ora, o sujeito vai à Península Ibérica e resolve agredir Portugal. E, por tabela, o Brasil. Somos ignorantes e atrasados? Ou melhor, burros? A culpa, é claro, é dos portugueses…

Não concordo, em absoluto, com o que Lula disse, aliás, não acho que ele deva falar sobre tema do qual ele está mais distante que nós de Marte.

Nós nos tornamos independentes de Portugal em 1822. Falta muito pouco para comemorarmos os 200 anos da Independência. Quer valer quanto como Lula achou que esse assunto, explosivo, era ótimo para afastar a cabeça dos jornalistas em Madrid do que realmente interessa agora? O petrolão estruturado durante os governos Lula e Dilma e o horror em que está o Brasil, sem Saúde, sem Educação, e à beira de um poço sem fundo?

Colocar em Portugal a culpa pelo nosso atraso intelectual era o melhor que ele fazia para que ninguém lhe fizesse perguntas incômodas sobre impeachment e Lava-Jato, foi o que pensou. E deu certo!

Lula se gaba de ter fundado mais universidades do que qualquer outro presidente. Essa obsessão por universidades, por títulos de Doutor, é típica de quem não estudou e acha que passar pelos portões de uma Universidade é chegar ao Arco-Íris.

Não é. Se assim fosse, dada a quantidade de universidades erguidas pelo PT, o Brasil estaria no topo do IDH do Mundo. Não está.

Universidades são o coroamento de uma longa educação que começa em casa e passa por creches, jardins de infância, ensino básico e ensino fundamental, o alicerce da Educação.

Mais do que Instrução, o que nos falta é Educação. No mais amplo sentido.

Copio aqui, e deixo como presente de Fim de Ano para os leitores, um pequeno trecho assinado por José Saramago, intitulado ‘Lições de vida’:

“A educação preocupa-me muitíssimo, sobretudo porque é um problema muito evidente, claro e transparente e ninguém faz nada a este respeito. Confundiu-se a instrução com a educação durante muitos anos e agora estamos a pagar as consequências. Instruir é transmitir dados e conhecimentos. Educar é outra coisa, é transmitir valores […] Se, para ser educado, tivesse que ter sido instruído previamente, eu seria uma das criaturas mais ignorantes do mundo. Os meus familiares eram analfabetos, como me iriam instruir? É impossível. Mas sim, educaram-me, sim, transmitiram-me os valores básicos e fundamentais. Vivia numa casa paupérrima e saí dali educado. Milagre? Não, não há nenhum milagre. Aprendi a vida e a lição dos mais velhos quando nem eles mesmos sabiam que me estavam a dar lições”. (4 de Fevereiro de 2007. In José Saramago nas Suas Palavras)

Os valores básicos e fundamentais são transmitidos como? Pelo exemplo, não é? Em casa, de nossos mais velhos. Na rua, de nossos governantes.

O que esta inacreditável Pátria Educadora não percebeu é isso: a importância do exemplo.

E como os exemplos que temos recebido são os piores possíveis, o que fazer para que esta Pátria Revoltada transforme-se numa Pátria Educada?

Mais universidades? Ou mais ensino básico, a começar pelas creches? E escolas para onde as crianças se dirijam alegres, cientes de que lá serão tratadas com amor, respeito e cuidado?

Se nos fosse dada uma varinha de condão, o que você faria neste 1º de janeiro de 2016?

Já pensou nisso?

Que os brasileiros tenham um Novo Ano melhor que o que ontem se encerrou, são meus votos.

* Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa* Professora e tradutora. Vive no Rio de Janeiro. Escreve semanalmente para o Blog do Noblat desde agosto de 2005. Colabora para diversos sites e blogs com seus artigos sobre todos os temas e conhecimentos de Arte, Cultura e História. Ainda por cima é filha do grande Adoniran Barbosa.
https://www.facebook.com/mhrrs e @mariahrrdesousa

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Educacao: gasto publico maior nao melhora a qualidade - Joana Monteiro (RBE, FGV)

Pois é, especialistas já disseram a mesma coisa: não será enfiando mais dinheiro no setor, sem critérios precisos, que a qualidade da educação melhorará.
O problema é a formação deficiente dos professores, que não é só uma questão de dinheiro, e sim de pedagogia correta, ainda que salários mais elevados possam atrair pessoas mais capazes.
Neste link: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rbe/article/view/41538
Paulo Roberto de Almeida

Gasto Público em Educação e Desempenho Escolar

Joana Monteiro

Resumo

Este estudo analisa a relação entre gasto público em educação e desempenho educacional. Encontra-se que aumentos da despesa municipal em educação estão associados a aumentos da escolaridade da população jovem, mas não há indicações que os municípios brasileiros que mais investiram no setor melhoraram relativamente a qualidade do ensino. Identifica-se o impacto do aumento de despesas no setor avaliando o desempenho educacional dos municípios produtores de petróleo beneficiados com aumentos de receitas de royalties. Encontra-se que esses municípios promoveram um aumento de despesas com educação 13% maior que os municípios costeiros vizinhos, mas não houve reflexos no aprendizado dos alunos.

Palavras-chave

educação; desempenho escolar; gasto público; royalties de petróleo

Texto completo:

PDF

Fundação Getulio Vargas / EPGE - Praia de Botafogo 190, 11º andar - Tel.: (21) 3799-5831

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Fiasco da Pátria Educadora - Celso Ming

A situação, na verdade, é muito pior, mas muito mais pior, como diria o grande apedeuta, do que vocês sequer podem imaginar. Estar nos últimos lugares do Pisa é apenas uma tragédia menor, comparada à catástrofe que é saber que essa situação não vai melhorar, e sim piorar, pois nenhuma, repito NENHUMA política correta está sendo implementada para corrigir os incontáveis equívocos cometidos pelos companheiros, que nesse setor foram muito mais danosos e prejudiciais à nação do que os bilhões roubados pelos gatunos do partido totalitário. Dinheiro roubado se repõe ou se faz novamente, mas educação roubada e destruída isso não tem volta e vai durar anos e décadas para consertar, e isso IF AND WHEN começarem a fazer as coisas certas, o que é amplamente duvidoso.
Paulo Roberto de Almeida


Fiasco da Pátria Educadora

O aumento da produtividade do trabalho que o ministro Joaquim Levy reclama não vai acontecer espontaneamente, sem políticas específicas para isso

Celso Ming
O Estado de S. Paulo, 13 Maio 2015 | 21h 00
 O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, advertiu nesta quarta-feira, em Londres, que, “sem forte ganho em produtividade, não podemos apoiar salários mais altos”.
O assunto é objeto de reiteradas advertências do Banco Central por seu impacto sobre a inflação. Quando os salários crescem mais do que a produtividade do trabalho, o resultado é a alta de preços, pelo efeito demanda. Aumentos de salário produzem mais procura por bens e serviços e, quando isso acontece acima do aumento da oferta, é inevitável a inflação, que é o mecanismo natural, digamos assim, de ajuste de uma distorção.
No depoimento que fez dia 29 de abril no Congresso, o ministro Joaquim Levy apresentou a tabela e o gráfico que vão reproduzidos aí acima. Mostram que o rendimento médio do brasileiro (portanto os salários) cresceu substancialmente mais do que a produtividade da economia, a produtividade do trabalho e a produtividade do capital.
É um equívoco afirmar que os salários aumentaram demais apenas por pressão dos sindicatos e das bancadas trabalhistas no Congresso. Os salários aumentaram consideravelmente mais do que o ritmo da economia porque a política econômica criou aumento da demanda por mão de obra. Tanto isso é verdade que, ao longo dos dois últimos anos, o mercado de trabalho operou praticamente em regime de pleno-emprego.
Agora os indicadores mostram avanço do desemprego, o que tende a derrubar, também, a renda média do trabalhador, uma vez que a economia brasileira, que já andava devagar quase parando, entrou em recessão. O fator que começou a agir para derrubar os salários é, portanto, o esfriamento do mercado de trabalho e não alguma coisa ligada à eficácia da mão de obra.
A produtividade do trabalho muito baixa no Brasil é também uma consequência da falta de políticas que procurem melhorar o desempenho da mão de obra no País. Isso se faz com melhora da qualidade de ensino e de treinamento.
A Pátria Educadora é um enorme fiasco nesses misteres. O mau desempenho dos estudantes brasileiros nas avaliações internacionais e os movimentos generalizados de greves de professores mostram a situação crítica do ensino no Brasil, apenas o 60.º colocado, na avaliação da qualidade do ensino feita em 76 países pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), como está no Confira.
Embora pareça ter entendido o atraso do desenvolvimento econômico e social produzido por esses fracassos, o governo Dilma só consegue apontar soluções a longo prazo, quando o regime de partilha do pré-sal tiver proporcionado rendimentos da produção de petróleo.
O aumento da produtividade do trabalho que o ministro Joaquim Levy reclama não vai acontecer espontaneamente, sem políticas específicas para isso. 

terça-feira, 3 de março de 2015

Educacao: o que sera' que o Brasil tem a aprender com os Brics, ou Rics? Tambem pergunto...

Vejo uma matéria dessas e fico me perguntando o que o Brasil teria a aprender, em matéria de educação superior, ou técnico-profissional com esses países que ele não poderia aprender com Alemanha, França, EUA, Japão, Reino Unido e outros países produtores de ciência e tecnologia de primeira qualidade.
Por que teríamos de multiplicar canais de cooperação com países de línguas não tradicionais -- russo e chinês, por exemplo -- quando a ampliação e reforço dos laços com países com os quais temos décadas de cooperação e intensos contatos culturais e turísticos podem ser feitos a um custo bem menos e com muito mais retorno do que com os ditos BRICS?
Eu sempre procuro medir qualquer coisa em termos de investimento e retorno, ou seja, o menor investimento e o maior retorno possíveis. Será que os BRICS passam no teste?
Eu sempre me pergunto essas coisas...
Deve ser mania...
Paulo Roberto de Almeida

Brics: países debatem cooperação multilateral na área de educação

Correio do Brasil, 2/3/2015 14:48
Por Redação, com ABr - de Brasília

Na área de educação profissional, o coordenador-geral de Planejamento e Gestão da Rede do MEC, Nilton Nélio Cometti, disse que um dos objetivos é compartilhar experiências dos cinco países
Na área de educação profissional, o coordenador-geral de Planejamento e Gestão da Rede do MEC, Nilton Nélio Cometti, disse que um dos objetivos é compartilhar experiências dos cinco países

Especialistas e representantes dos governos dos países do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estiveram reunidos em Brasília nesta segunda-feira para discutir propostas de cooperação multilateral em educação profissional e tecnológica, educação superior e desenvolvimento de metodologias conjuntas para indicadores educacionais, além dos princípios básicos para a criação de uma rede universitária do bloco.
As propostas serão encaminhadas ao ministro da Educação, Cid Gomes, e aos vice-ministros da África do Sul, Mduduzi Manana, da China, Yubo Du, da Índia, Satyanarayan Mohanty, e da Rússia, Alexander Klimov, que vão se reuniram à tarde no 2º Encontro dos Ministros de Educação do Brics. Nesta segunda-feira, ao final do encontro, os ministros assinaram a Declaração de Brasília com as principais decisões do grupo e recomendações para ações futuras na área,  informou o Ministério da Educação (MEC),.
Os temas debatidos foram educação superior, com foco em mobilidade de alunos e pesquisadores na pós-graduação, indicadores sociais de educação e propostas de cooperação em educação profissional e tecnológica. “A ideia  na parte da manhã foi trabalhar grupos técnicos com os especialistas de cada país. Os ministros receberão relatos dos especialistas para tomarem decisões políticas. Também houve encontros bilaterais entre representantes de universidades do bloco para no futuro desenvolver sistemas de mobilidade (acadêmica entre as instituições)”, disse a assessora internacional do MEC, Aline Schleicher.
Na área de educação profissional, o coordenador-geral de Planejamento e Gestão da Rede do MEC, Nilton Nélio Cometti, disse que um dos objetivos é compartilhar experiências dos cinco países no setor. No caso brasileiro, segundo ele, entre os pontos fundamentais estão orientar a oferta de cursos conforme as demandas do setor produtivo e atender às pessoas que realmente necessitam da educação profissional.
O encontro desta segunda avança nas discussões do plano de ação aprovado na 6ª Cúpula do Brics, em julho do ano passado, em Fortaleza, e da primeira reunião de ministros de Educação do bloco, que ocorreu em novembro de 2013, em paralelo à Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura, em Paris.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Quer acabar com a pobreza? Educacao, emprego e casamento - Brookings

Sem educação, sem qualificação para o mercado de trabalho (e portanto sem emprego),  filhos de mãe solteira, ou famílias fragmentadas são as receitas inversas para a perpetuação (intergeracional) da pobreza. Simples assim.
Ou se pretende manter um exército de assistidos por mais de uma geração, como já está ocorrendo no Brasil, em que jovens que já estavam no Bolsa Família começam a ter filhos também dependentes da assistência pública.
Paulo Roberto de Almeida

Challenges Facing Low-Income Individuals and Families
Thanks for inviting me to testify on the important topic of challenges facing low-income families. It is an honor to testify before the Human Resources Subcommittee. I applaud your purposes and hope that I can help the Subcommittee members understand our current circumstances regarding work, benefits, and poverty by single mothers a little better.
For well over a decade, my Brookings colleague Isabel Sawhill, a Democrat and former member of the Clinton administration, and I have been analyzing data and writing about the factors that influence both poverty rates and economic mobility.[i] We long ago concluded that education, work, and marriage are major keys to reducing poverty and increasing economic opportunity. We also emphasize the role of personal responsibility in all three of these vital components of building a path to the American Dream. But government programs to help low-income American parents escape poverty and build opportunity for themselves and their children are also important.
In today’s hearing, the Subcommittee is taking testimony about marriage and work, two of these three keys to reducing poverty and increasing opportunity. Brad Wilcox from the University of Virginia will discuss the decline of married-couple families, the explosion of births outside marriage, and the consequent increase in the number of the nation’s children being reared by single (and often never-married) mothers. The increase in the proportion of children in female-headed families contributes to substantial increases in poverty by virtue of the fact that poverty rates in female-headed families are four to five times as great as poverty rates in married-couple families.[ii] If the share of the nation’s children in female-headed families continues to increase as it has been doing for four decades, policies to reduce poverty will be fighting an uphill battle because the rising rates of single-parent families will exert strong upward pressure on the poverty rate.[iii] But perhaps of even greater consequence, children reared in single-parent families are more likely to drop out of school, more likely to be arrested, less likely to go to college, more likely to be involved in a nonmarital birth, and more likely to be idle (not in school, not employed) than children from married-couple families.[iv] In this way, a disproportionate number of children from single-parent families carry poverty into the next generation and thereby minimize intergenerational mobility.
So far public and nongovernmental programs have not been able to reverse falling marriage rates or rising nonmarital birth rates, but there is a lot we have done and can do to increase work rates, especially the work rates of low-income mothers. The goal of my testimony today is to explain the government policies that have been adopted in recent decades to increase work rates and subsidize earnings, which in turn have led to substantial declines in poverty.
I make two points and a small number of recommendations. The first point is that the employment of low-income single mothers has increased over the two decades, in large part because of work requirements in federal programs, especially Temporary Assistance for Needy Families (TANF). The recessions of 2001 and 2007-2009 caused the employment rate of single mothers to fall (as well as nearly every other demographic group), but after both recessions work rates began to rise again.
The second point is that the work-based safety net is an effective way to boost the income of working families with children that would be poor without the work supports. In my view, this combination of work requirements and work supports is the most successful approach the nation has yet developed to fight poverty in single-parent families with children. Here’s the essence of the policy approach: first, encourage or cajole single mothers to work by establishing work requirements in federal welfare programs; second, subsidize the earnings of low-income workers, both to increase their work incentive and to help them escape poverty. The primary work-based safety-net programs are the Earned Income Tax Credit (EITC), the Additional Child Tax Credit, the Supplemental Nutrition Assistance Program (SNAP), child care, and Medicaid.


[i] Ron Haskins and Isabel Sawhill, Work and Marriage: The Way to End Poverty and Welfare (Washington: Brookings Institution, 2003); Haskins and Sawhill, Creating an Opportunity Society (Washington: Brookings Institution Press, 2009)
[ii] Ron Haskins, “The Family is Here to Stay,” Future of Children 25, no. 2 (forthcoming); Kaye Hymowitz, Jason S. Carroll, W. Bradford Wilcox, and Kelleen Kaye, Knot Yet: The Benefits and Costs of Delayed Marriage in America (Charlottesville, VA: The National Marriage Project at the University of Virginia, The National Campaign to Prevent Teen and Unplanned Pregnancy, and The Relate Institute, 2013). For an explanation of the central role of family structure in the continuing black-white income gap, see Deirdra Bloome, “Racial Inequality Trends and the Intergenerational Persistence of Income and Family Structure,” American Sociological Review 79 (December 2014): 1196-1225.
[iii] Maria Cancian and Ron Haskins, “Changes in Family Composition: Implications for Income, Poverty, and Public Policy,” ANNALS of the American Academy of Political and Social Science 654 (2014): 31-47.
[iv] Sara McLanahan, Laura Tach, and Daniel Schneider, “The Causal Effect of Father Absence,” Annual Review of Sociology 29 (2013): 399-427.

sábado, 18 de outubro de 2014

Monteiro Lobato e a ciencia para as criancas - Ciencia Hoje

Ciência com Monteiro Lobato

Histórias infantis menos conhecidas do autor brasileiro tratam de temas que podem ser excelentes recursos no ensino de disciplinas científicas.
Por: Vera Rita da Costa
Ciência Hoje, 17/10/2014
Ciência com Monteiro Lobato
Em diversos livros, Monteiro Lobato fornece aos leitores os princípios básicos da química, física, geologia e noções do surgimento da vida e de evolução – importantes para quem trabalha na área de educação em ciências. (montagem: Alicia Ivanissevich)
Responda essa pergunta: você já leu Monteiro Lobato? Mas responda com sinceridade e observe bem a pergunta: não se trata apenas de saber se você conhece a obra de Monteiro Lobato (1882-1948). Se considerássemos apenas isso, já saberíamos a resposta. Ela seria sim, pois não há obra da literatura infantil brasileira mais explorada pela mídia.
O Sítio do picapau amarelo foi adaptado para a TV inúmeras vezes. Desde a década de 1960, já foi transmitido, como série televisiva, pela extinta TV Tupi, TV Cultura, TV Bandeirantes e Rede Globo. E, ainda hoje, pode-se assistir ao programa por essa última emissora ou, como desenho animado, em canais pagos, como o Cartoon Network.
Portanto, não há dúvidas de que todo mundo conhece – ou pensa conhecer – o Sitio do picapau amarelo e seu autor. O fato, no entanto, é que aquilo que se conhece da obra de Monteiro Lobato ‘via TV’ é apenas um fragmento. Justamente aquele que foi selecionado e adaptado segundo os pressupostos da ‘linguagem televisiva’ ou, ainda, com base na ideia preconcebida do que seria do interesse do público, em especial das crianças.
No Sítio que conhecemos pela TV, e mais recentemente por meio das séries de histórias em quadrinhos que também foram lançadas, quase nada entra do conteúdo científico que Monteiro Lobato incluía em suas histórias
Muita coisa legal e importante de Monteiro Lobato ficou, assim, de fora das adaptações de sua obra. Entre elas, a ciência. No Sítio que conhecemos pela TV, e mais recentemente por meio das séries de histórias em quadrinhos que também foram lançadas, quase nada entra do conteúdo científico que Monteiro Lobato incluía em suas histórias.
Talvez você não saiba, mas o autor era fascinado por ciência e considerava que a disseminação da informação científica e o próprio ensino de ciências seriam ótimos caminhos para o avanço e o desenvolvimento da sociedade brasileira.
Suas histórias infantis contêm muita ciência e podem, justamente por isso, ser excelentes recursos no ensino, em atividades que aliem ciência e literatura. Podem, também, auxiliar na formação de professores das séries iniciais do ensino básico, que se queixam de formação insuficiente nessa disciplina.

Instrução e diversão garantidas

Para isso, no entanto, seria necessário conhecer melhor sua obra. É preciso esquecer as versões ‘pasteurizadas’ do Sitio do picapau amarelo, nas quais se deu mais destaque aos aspectos do folclore brasileiro e das aventuras imaginativas dos personagens, em especial da boneca Emília, e debruçar-se sobre as versões originais. Mais ainda: procurar ler os livros infantis menos conhecidos de Monteiro Lobato e usá-los com as crianças.
Se você fizer isso, vai se deliciar e aprender e ensinar muita ciência. É garantido.
Para quem gosta de ciências naturais, História das invenções, O poço do Visconde e Serões de Dona Benta são fascinantes.
Visconde de Sabugosa
O Visconde de Sabugosa é o personagem que, ao longo da obra de Lobato, vai encarnando a figura do cientista. (imagem: portaldoprofessor.mec.gov.br)
Em História das invenções, o autor conta, pela boca do personagem Dona Benta, a história do mundo, desde o surgimento do universo até a invenção da boneca Emília e do próprio Visconde de Sabugosa, o personagem que ao longo da obra de Lobato vai encarnando a figura do cientista.
Nesse livro, em especial, o escritor introduz os princípios elementares que sustentam a teoria científica sobre o surgimento e a evolução da vida na Terra; descreve o surgimento da espécie humana e o modo de vida dos hominídeos; fala da importância da invenção da agricultura e do valor da criatividade e adaptabilidade humanas. Detalha, especialmente, como surgiram e evoluíram os artefatos humanos, apresentando-os como extensões dos órgãos e das capacidades humanas.
Você já pensou sobre isso? Que uma moradia, como um alto edifício, nada mais é do que uma extensão de nossa pele que tem a função de nos abrigar? Ou, ainda, que os óculos, o telescópio, o microscópio, as câmeras fotográficas e todos os demais artefatos óticos são extensões do olho humano, assim como todos os utensílios manuais, entre eles as armas, são prolongamentos de nossas mãos, e as rodas, a canoa, os barcos a vela e a vapor, os balões e os aviões, bem como todos os meios de transporte, são extensões de nossos pés ou adaptações culturais que nos tornam mais eficientes no desempenho de nossas funções biológicas? Em última instância, já refletiu sobre o fato de que todas as invenções são extensões do cérebro humano, ou seja, de nossa capacidade imaginativa?

Temas variados

Pois bem, Monteiro Lobato pensou sobre isso e transmite essa ideia às crianças leitoras de História das invenções, fundamentando-a com informações sobre o processo de evolução biológica e cultural da humanidade, de uma forma completamente inovadora e deliciosa, relacionando-as e entrelaçando-as. Fornece, assim, nesse livro, de forma muito atrativa e lúdica, aulas básicas (e essenciais) de astronomia, biologia e antropologia às crianças. Além disso, as instiga a pensar, em uma abordagem da ciência que os professores dessa disciplina deveriam conhecer melhor e buscar imitar, pois tornariam as aulas muito mais interessantes.
O mesmo acontece em Serões de Dona Benta, quando o autor introduz os leitores nos princípios básicos da química e da física, ou em O poço do Visconde, quando ele apresenta a geologia. Também acontece em Viagem ao céu, Emília no país da gramática, Geografia de Dona Benta, Reforma da natureza e Aritmética da Emília, apenas para citar as obras mais diretamente interessantes para quem está na área de educação em ciências.
Se quiser usar Monteiro Lobato para ensinar ciências deve, no entanto, ter cuidado: não se esqueça de que a obra literária desse autor data de mais de 50 anos atrás e de que há nela algumas ideias e informações que já se encontram ultrapassadas e que precisam ser ampliadas e discutidas
Se você se interessar por ler Monteiro Lobato e quiser usá-lo para ensinar ciências deve, no entanto, ter cuidado e seguir uma recomendação: não se esqueça de que a obra literária desse autor data de mais de 50 anos atrás e de que há nela, portanto, algumas ideias e informações que já se encontram ultrapassadas e que precisam ser ampliadas e discutidas.
Para se evitar aprendizagens equivocadas, é necessário, portanto, considerar essas ideias, abordando-as e tomando-as também como recursos de reflexão e de aprendizagem.
Mas, se você fizer isso, perceberá que algumas das ideias presentes na obra de Monteiro Lobato, que inadvertidamente poderiam ser consideradas ‘erradas’, refletem, de fato, ideias de senso comum e concepções alternativas ainda mantidas entre nós e, em especial, entre nossos alunos. São ideias, portanto, com as quais estamos constantemente lidando e que é melhor tê-las como aliadas da aprendizagem, discutindo-as em aula, do que como inimigas ocultas, a minar o trabalho proposto.
Como já discutimos aqui, é preciso lembrar que a construção da ciência (e do conhecimento de modo geral) é um processo contínuo de elaboração e reelaboração de ideias, conceitos e teorias, que se sucedem e se aprimoram ao longo do tempo. Por isso, para ensinar ciência adequadamente, não podemos deixar de abordar os caminhos tortuosos que muitas vezes se percorrem ao praticá-la, revelando a história de sua construção e reconstrução permanentes.
Mais que isso, depois de ler Monteiro Lobato, só resta um conselho para ensinar bem ciência: é preciso fazê-lo de modo claro e prazeroso. Como diz Pedrinho à Dona Benta: a ciência de que se gosta não é necessariamente aquela que está nos livros de ciência, complicada e difícil. É aquela “falada”, “contada”, “clarinha como água do pote”, que contempla “explicações de tudo quanto a gente não sabe, pensa que sabe, ou sabe mal e mal”.


Vera Rita da Costa
Ciência Hoje/ SP

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Educacao: corrupcao companheira minimiza um desastre pavoroso na educacao

A corrupção companheira na Petrobras, e em todas as outras esferas, abafa e minimiza uma notícia como esta.
No entanto, ela é "muito mais pior", como diria o chefe dos corruptos, do que qualquer roubalheira que aconteceu e vem acontecendo em TODAS, repito TODAS, as esferas da vida pública sob a república sindicalista e corrupta dos companheiros.
Essa roubalheira ataca o estoque acumulado de riquezas já produzidas pelo povo brasileiro, ou seja, algo como um acidente, um tufão, um terremoto que pode ocorrer em qualquer país.
Já o desastre educacional ROUBA O FUTURO do país, destrói as condições para que ele possa crescer próspero e acumular novas riquezas.
Os crimes cometidos pelos companheiros contra a educação são muito mais desastrosos do que todos os outros roubos que eles fizeram contra o país.
Paulo Roberto de Almeida

Ideb volta a mostrar quadro decepcionante na educação
Editorial - Valor Econômico, 10/09/2014

Os resultados mais recentes do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) ajudam a entender a queda do Brasil no ranking de competitividade do World Economic Forum (WEF) e o elevado percentual de 18% de analfabetos funcionais na população do país.
O Ideb de 2013 mostrou pela primeira vez desde 2005, quando o índice foi criado, que a nota do ensino médio ficou estagnada e não atingiu a meta nos anos finais do ensino fundamental (do quinto ao nono ano). Já os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental (do primeiro ao quinto ano) até superaram a meta.
Fica cada vez mais distante o objetivo do governo de atingir, em 2021, o padrão das nações desenvolvidas calculado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). No caso dos alunos do ensino médio, a nota ficou estagnada em 3,7 pontos, em uma escala que vai de zero a 10, ponto em que está desde 2009. O padrão da OCDE é 5,2 pontos.
No caso dos alunos dos anos finais do fundamental houve avanço de 4,1 para 4,2, abaixo da meta de 4,4 do governo e dos 5,5 da OCDE. Apenas os anos iniciais do ensino fundamental mostraram progresso, com a nota subindo de 5 para 5,2, acima da meta de 4,9 pontos e distante dos 6 da OCDE.
No levantamento anterior o quadro era o mesmo. Há alguns anos o governo aposta que o bom desempenho nos anos iniciais do ensino iria causar um efeito positivo nos períodos posteriores. O ensino médio parece ser a etapa mais problemática. Apenas sete dos 27 Estados da União atingiram as metas dessa fase; seis melhoraram, mas ficaram abaixo das metas. Em 16 Estados as notas do ensino médio pioraram, até nas escolas particulares.
O governo já prometeu rever o currículo muito carregado e pouco atraente, que estimula um conhecimento enciclopédico e superficial para os alunos. Mas até agora não houve avanços.
A intenção foi lembrada pelo ministro da Educação, Henrique Paim, sem um prazo para ser convertida em realidade. Como lembrou a doutora em educação pela PUC do Rio, Andrea Ramal, em entrevista a "O Globo" (6/9), houve cinco ministros da Educação nos últimos dez anos e essa alta rotatividade certamente tem relação com os problemas do ensino.
Há quem diga que a questão é dinheiro. Relatório da OCDE divulgado ontem informa que o Brasil canalizou para a educação 19% do total de gastos públicos em 2011, acima dos 13% médios dos países da organização. O valor de gasto por aluno, no entanto, foi de US$ 2.985, um terço da média dos 34 países integrantes da OCDE, que é de US$ 8.952. É o segundo valor mais baixo entre todos os países da organização, depois da Indonésia. Nos EUA o investimento por aluno é de mais de US$ 15 mil.
As taxas de matrículas vêm crescendo no Brasil, mas abaixo da média dos países desenvolvidos; e as instituições públicas gastam quatro vezes mais por aluno do ensino superior do que do ensino fundamental, o que também é parte da explicação do estágio da educação no país.
O governo vende a promessa de que tudo vai melhorar quando o pré-sal estiver em produção e puder destinar os royalties de sua exploração para a educação, como está previsto no Plano Nacional de Educação (PNE), que foi aprovado há pouco pelo governo e prevê o investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) na educação em 2020, em comparação com 6,4% em 2012. Em artigo publicado no Valor (18/7), o professor Naércio Menezes Filho calculou em R$ 180 bilhões o valor.
O professor acha, porém, que dinheiro não é garantia de melhora do aprendizado, lembrando que os royalties do petróleo aumentaram a arrecadação de muitos municípios, que ampliaram o investimento em educação sem que isso resultasse em melhor desempenho dos alunos no Ideb. Por isso, elogiou a estratégia do PNE de estimular as escolas que aumentarem as notas na avaliação.
Os dados do Ideb passaram quase desapercebidos porque foram divulgados no momento em que o noticiário sobre as denúncias do esquema de corrupção na Petrobras causava grandes ondas de turbulência. A verdade é que o tema pouco é lembrado na campanha eleitoral e competiu também com a notícia da professora esfaqueada pelo aluno em Curitiba, enquanto escrevia no quadro-negro, e a das crianças sitiadas em hotéis da Cracolândia, em São Paulo, que mostram outras facetas do mesmo problema da educação.

sábado, 6 de setembro de 2014

Bebes bilingues aprendem mais rapido do que os monoglotas - The Independent

Vejam este link: http://opiniaoenoticia.com.br/internacional/bebes-bilingues-aprendem-mais-rapido-que-os-demais-bebes/

Estudo

Bebês bilíngues aprendem mais rápido que os demais bebês

Estudo mostra que crescer exposto a duas línguas estimula as habilidades cognitivas e a vontade de adquirir conhecimento

fonte | A A A
Um estudo feito por pesquisadores do National University of Singapore e do Singapore Institute for Clinical Sciences revelou que crescer em um lar bilíngue traz mais benefícios do que se imaginava.
Segundo o estudo, bebês expostos a mais de um idioma desenvolvem mais as habilidades cognitivas do que aqueles expostos a apenas uma língua.
Durante o estudo, os pesquisadores mostraram imagens aos dois tipos de bebês e descobriram que os bilíngues se entediam facilmente quando são expostos a uma imagem repetida, mostrando mais vontade de ver imagens novas do que os demais bebês. Segundo os pesquisadores, isso indica uma grande vontade de adquirir conhecimento, o que contribui para o desenvolvimento do QI.
O estudo foi conduzido com bebês de vários países, o que comprova que tais benefícios abrangem todas as línguas. Os pesquisadores acreditam que esses benefícios são gerados porque bebês bilíngues desenvolvem cedo a habilidade para processar informações. De acordo com o estudo, essas habilidades permanecem pelo resto da vida adulta.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Todos Pela Educacao analisa o Plano Nacional de Educacao

Ao final da matéria consta uma informação sobre o que é, e o que quer o Todos Pela Educação.
Paulo Roberto de Almeida
Todos Pela Educação, 04 de junho de 2014
Movimento destaca pontos que merecem atenção da sociedade

O caminho do novo Plano Nacional de Educação (PNE) do Brasil foi longo: desde o envio, com atraso, do projeto de lei pelo Executivo até a aprovação na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 3 de junho de 2014, foram quase quatro anos de análises e discussões – considerando apenas a fase de tramitação do projeto de lei, uma vez que os debates que reuniram as propostas do governo e da sociedade para a Educação tiveram início na Conferência Nacional de Educação (Conae) de 2010.

Finalmente aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados, após a segunda passagem pela casa legislativa, o documento que vai nortear as metas da Educação brasileira para a próxima década segue agora para a sanção da Presidência da República.

O PNE anterior, que vigorou até 2010, tinha como principal ponto fraco ter centenas de objetivos e metas, o que dificultou a absorção por gestores, educadores e também pela sociedade brasileira. Calcula-se que menos de um terço das metas foram atingidas. Entre o fim da validade do antigo plano o e o início da vigência do novo, o Brasil terá ficado mais de 1250 dias sem PNE.

Mesmo após uma trajetória cheia de entraves, é após a sanção da presidente Dilma Rousseff (PT) que começa a verdadeira missão do plano. A atualização do cumprimento das metas pode ser acompanhada pelo Observatório do PNE, plataforma online, iniciativa de 20 organizações ligadas à Educação, sob a coordenação do TPE, com o objetivo de monitorar os indicadores da lei.

O Todos Pela Educação entende que é indiscutível a contribuição do PNE para os próximos dez anos da sociedade brasileira, uma vez que o plano preza pelo alinhamento de esforços de diferentes setores, áreas e entes federados pela melhoria da qualidade da Educação do País.

O texto tem muitos pontos positivos, tanto nas metas e estratégias como no corpo da lei. O plano apresenta uma agenda desafiadora para a Educação no Brasil, que precisará do empenho de todos os governos e da sociedade para ser cumprida. É por isso que é importante que municípios e estados criem, na esfera política de cada um, planos de Educação locais espelhados no PNE.

No entanto, o PNE poderia ter sido mais ousado em alguns temas, uma vez que o País encontra-se numa trajetória de mudanças estruturais – e a Educação, assim como a ciência e o trabalho, devem acompanhar essas transformações.

Pode-se dizer, em suma, que os alunos que fazem parte do sistema educacional norteado pelo PNE são alunos do século 21, enquanto o conteúdo do plano ainda olha para questões que deveriam ter sido resolvidas no século 20.

Dessa forma, o texto abaixo destaca os principais pontos que, no entendimento do movimento, merecem atenção da nossa sociedade.

Alfabetização
A meta 5 do PNE que vai à sanção presidencial é a alfabetização de todas as crianças, no máximo, até o final do 3º ano do Ensino Fundamental. O texto original, redigido pelo Poder Executivo, pedia a alfabetização até, no máximo, os 8 anos de idade. Mas a meta foi modicada outras vezes – no Senado, por exemplo, foi instituído alfabetizar todas as crianças, no máximo, até os 8 anos de idade, durante os primeiros 5 (cinco) anos de vigência do plano; no máximo, até os 7, do sexto ao nono ano de vigência; e até o final dos 6 anos de idade, a partir do décimo ano.

O TPE entende que essa meta poderia ter sido redigida de forma mais adequada ao imenso e perene desafio da alfabetização dos alunos brasileiros. O movimento acredita que a alfabetização deveria ser garantida até, no máximo, os 8 anos, uma vez que numa turma de 3º ano, como diz a meta, podem existir alunos de diversas idades – inclusive com mais de 9 anos. Sob a redação final, é possível alcançar a meta retendo os alunos no 3º ano, piorando, portanto, um dos principais problemas na Educação no Brasil, a distorção idade-série. A garantia do direito à Educação de qualidade deve ter implícita a garantia da aprendizagem na idade certa, e a redação final coloca em xeque este objetivo. Este posicionamento é alinhado à própria Meta 2 do TPE: “toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos”.
Deve-se destacar que a palavra “plena”, citada na primeira estratégia da mesma meta, é de extrema importância, uma vez que ser alfabetizado não é apenas decodificação, mas sim domínio crítico e autônomo da leitura e da escrita como ferramentas primordiais para o aprendizado contínuo, por toda a vida.

Vale lembrar que, até agosto, devem ser publicados os resultados da primeira edição Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), aplicada no ano passado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para avaliar o nível de alfabetização dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental. Os resultados serão censitários e o teste deve ser anual.
Antes da criação da ANA, foram realizadas duas edições da Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização, mais conhecida como Prova ABC, iniciativa do Todos Pela Educação e parceiros, sendo um deles o próprio Inep. Os dados da edição 2012 mostraram que 44,5% dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental apresentavam proficiência adequada em leitura, 30,1% em escrita e 33,3% em matemática.
Além disso, o país conta com o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), programa do governo federal lançado em 2012 que envolve os três entes da federação – municípios, estados e União – num esforço nacional para alfabetizar todas as crianças até os 8 anos de idade ao fim do 3º ano do Ensino Fundamental.

Educação Integral
Diversas pesquisas e estudos apontam que a maior exposição a situações de ensino leva a mais aprendizagem. O tema é uma das bandeiras do Todos Pela Educação. Nesse sentido, a Educação Integral, apresentada na meta 6 do PNE, é fundamental para o Brasil avançar nos índices de aprendizagem resultados das avaliações de sistema. A ampliação do tempo na escola deve ser feita com qualidade, intenção e planejamento pedagógico de aulas e atividades articuladas ao projeto político pedagógico da escola.
A meta 6 promove o oferecimento de Educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% dos estudantes da Educação Básica do Brasil. O Todos Pela Educação acredita que essa meta é tímida, uma vez que, com um financiamento para a área educacional que vai atingir 10% do Produto Interno Bruto (PIB) até o fim da vigência do PNE, os objetivos poderiam ser mais ousados.
Educação Especial
A meta 4, que trata da Educação Especial, foi uma das mais debatidas durante toda a tramitação do PNE no Congresso Nacional, sendo alvo de polêmica. A redação final da Câmara é: universalizar, para a população de 4 a 17 anos, o atendimento escolar aos alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, preferencialmente na rede regular de ensino.
Na opinião do movimento, o PNE deveria apontar inequivocamente para a inclusão das crianças no sistema brasileiro regular de ensino. A palavra “preferencialmente” enfraquece a meta, permitindo que a escolarização das crianças aconteça em unidades especializadas, privando as crianças com e sem deficiência das aprendizagens advindas do convívio e da aprendizagem conjuntos.

Cabe mencionar, que a meta também inclui a garantia do atendimento educacional especializado em salas de recursos multifuncionais, nas formas complementar e suplementar, em escolas ou serviços especializados, públicos ou conveniados.

Formação de professores
A formação e valorização dos docentes faz parte da agenda do TPE, sendo claramente citada em uma das Bandeiras e em uma das Atitudes do movimento. O atual ministro da Educação, José Henrique Paim tem revelado desde a posse a centralidade que o tema terá na sua gestão, considerado hoje um dos maiores entraves e desafios para a melhoria da Educação brasileira.

A meta 15 trata justamente desse tema essencial ao País, afirmando que deve ser garantida, em regime de colaboração entre os entes federativos e dentro do prazo de um ano de vigência do plano, uma política nacional de formação e valorização dos profissionais da Educação, “assegurado que todos os professores e as professoras da Educação Básica possuam formação específica de nível superior, obtida em curso de licenciatura na área de conhecimento em que atuam”.

O TPE considera essa uma das principais metas do PNE, uma vez que ela é ponto de partida básico e primordial para que outras metas e estratégias se consolidem. O país avançou – ainda que de forma desigual entre as regiões – na obtenção do título de Educação Superior, no entanto, há áreas de conhecimento para as quais as redes de ensino não têm professores especializados e os currículos dos cursos de licenciatura têm um enfoque acadêmico que não fornece aos futuros professores as ferramentas didáticas necessárias para o desempenho da profissão em sala de aula. É necessária uma mudança focada e radical nos cursos de formação dos docentes brasileiros que lecionam no Ensino Fundamental e Médio.

Família, cultura e esportes
A promoção do esporte dentro das escolas, assim como de atividades culturais e da participação da família, aparece em algumas estratégias do novo PNE. Um exemplo é a estratégia 3.1, que promove a institucionalização de um programa nacional de renovação do Ensino Médio, “a fim de incentivar práticas pedagógicas com abordagens interdisciplinares estruturadas pela relação entre teoria e prática, por meio de currículos escolares que organizem, de maneira flexibilizada e diversificada, conteúdos obrigatórios e eletivos articulados em dimensões como ciência, trabalho, linguagens, tecnologia, cultura e esporte”.
Esse tema também faz parte da agenda do TPE, especialmente por meio das 5 Atitudes propostas pelo movimento, sendo uma delas justamente a ampliação do repertório cultural e esportivo das crianças e jovens. Consideramos que alunos e famílias devem usufruir de espaços e atividades que ajudem a desenvolver esse repertório.
Universalização do acesso
Assim como no caso da Educação Integral, há anos as pesquisas mostram que crianças que frequentaram creches e a pré-escolas de qualidade apresentam melhores condições para o aprendizado no Ensino Fundamental e Médio. Nesse sentido, é essencial atingir a meta 1 do PNE que, reforçando a Emenda Constitucional No. 59, pretende universalizar até 2016 o atendimento na Pré-Escola para as crianças de 4 e 5 anos de idade, além de ampliar a oferta em creches de forma a atender, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos.
O cumprimento da meta 1 é essencial para que o Brasil cumpra, com qualidade, as metas 2 e 3. A meta 2 do PNE é universalizar o Ensino Fundamental de 9 anos para toda a população de 6 a 14 anos e garantir que pelo menos 95% dos alunos concluam essa etapa na idade recomendada. Já a meta 3 é universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população de 15 a 17 anos e elevar, até o fim do plano, a taxa líquida de matrículas no Ensino Médio, que hoje é de apenas 54,4%, deverá alcançar 85%. Estas metas somente serão alcançadas com medidas que levem à aprendizagem adequada na idade certa, corrigindo problemas de distorção idade-série que se alastram desde o início da vida escolar de vários alunos.

Vale lembrar que a Meta 1 do Todos Pela Educação – “toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola” – influenciou os debates que levaram à aprovação da Emenda Constitucional nº 59, que obriga a matrícula escolar de crianças e jovens nessa faixa etária até 2016.

Outras Metas do movimento em consonância com as metas do PNE são Meta 3 - Todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano e Meta 4 - Todo jovem de 19 anos com Ensino Médio concluído.

Investimento
A Meta 20 foi foco das discussões nas diferentes fases de elaboração e tramitação do PNE. O percentual do PIB que deveria e poderia ser dedicado à Educação foi repetidamente questionado por meio de comparativos com países desenvolvidos, que estariam investindo na Educação valores similares aos do Brasil. Este posicionamento foi logo rebatido analisando-se o gasto per capita dessas mesmas nações, que supera significativamente os valores do Brasil.

O fato é que muitas das metas do PNE demandarão um maior gasto em Educação. O atendimento em creche deverá mais do que dobrar em dez anos, um milhão de crianças a mais deverão frequentar a pré-escola até 2016, em torno de 5 milhões de crianças deverão dobrar o tempo que permanecem na escola, mais de 13 milhões de pessoas precisam ser alfabetizadas, quase três milhões de vagas na Educação Profissional devem ser criadas, na Educação Superior são mais de 4 milhões de novas vagas para cumprir o plano. O cumprimento das metas de melhoria da formação inicial e continuada dos professores de todos os níveis, e de valorização e elaboração de planos de carreira para os professores da Educação Básica, assim como de fomento da gestão democrática da Educação, exigirão também recursos adicionais.

A gestão dos recursos novos e dos que já são executados nos diferentes níveis de governo precisa ser mais eficiente para que esse plano não seja letra morta. A União deverá prestar a assistência técnica necessária para que os entes da federação alcancem e persigam estes níveis de maior eficiência no gasto. E tanto governo como sociedade deverão poder acompanhar a execução orçamentária de forma transparente, permitindo identificar excessos e carências, priorizar e realocar recursos face às metas, seus respectivos estágios de cumprimento e caráter estratégico. Atualmente, as duas fontes de consulta, o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope) e o Tesouro Nacional, revelam valores de execução não coincidentes.

A redação final da meta permite a aplicação dos recursos públicos em programas como o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e a rede conveniada de creches. Apesar da pertinência do debate em relação à adoção de estratégias de expansão do atendimento por vias diferentes à expansão da rede pública no longo prazo, as necessidades imediatas de expansão do atendimento nas diversas etapas, particularmente na Educação Infantil e na Educação Profissional, requer a articulação com os outros setores.

A dinâmica populacional tem levado o Brasil a investir crescentemente na população mais velha, indiretamente sacrificando o desenvolvimento das novas gerações. As fontes de financiamento da Educação devem ser discutidas com prioridade, entendendo os gastos no setor como um investimento chave para a construção do país. Para garantir a coerência entre a natureza do gasto e a origem dos recursos, os royalties do petróleo – recurso não renovável – não poderiam ser considerados para cobrir gastos permanentes, como a manutenção e das redes de ensino. Para as despesas correntes, deverá ser empreendido um debate nacional que vise o desenho das grandes reformas que já estão na pauta nacional, como é o caso da reforma tributária, considerando a Educação de qualidade como fator estratégico para o desenvolvimento do país.

Esse tema também faz parte da agenda do TPE, especialmente por meio da Meta 5 – Investimento em Educação ampliado e bem gerido e de uma de suas Bandeiras: Aperfeiçoamento da gestão e da governança da área.

=======

Fundado em 2006, o Todos Pela Educação é um movimento da sociedade brasileira que tem como missão contribuir para que até 2022, ano do bicentenário da Independência do Brasil, o País assegure a todas as crianças e jovens o direito a Educação Básica de qualidade.
Em fevereiro de 2014 o Todos Pela Educação teve seu estatuto reformado para se qualificar comoOrganização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). Clique aqui para baixar o Certificado de Qualificação e o Estatuto Social
Apartidário e plural, congrega representantes de diferentes setores da sociedade, como gestores públicos, educadores, pais, alunos, pesquisadores, profissionais de imprensa, empresários e as pessoas ou organizações sociais que são comprometidas com a garantia do direito a uma Educação de qualidade.

Os objetivos do movimento são propiciar as condições de acesso, de alfabetização e de sucesso escolar, a ampliação de recursos investidos na Educação Básica e a melhora da gestão desses recursos. Esses objetivos foram traduzidos em 5 Metas. Ainda que não expressem tudo o que precisamos conquistar na Educação pública, elas traduzem de forma clara e objetiva o que efetivamente precisamos alcançar para mudar de patamar e efetivar os principais direitos educacionais dos alunos. São elas:

Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola
Meta 2 Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos
Meta 3 Todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano
Meta 4 Todo jovem com Ensino Médio concluído até os 19 anos
Meta 5 Investimento em Educação ampliado e bem gerido

Em 2010, o movimento adotou 5 Bandeiras, as quais entende como urgentes e com resultados mais impactantes para a melhoria qualidade da Educação e para o alcance das Metas. São elas:

Formação e carreira do professor
Definição dos direitos de aprendizagem
Ampliação da exposição do aluno ao ensino
Uso relevante das avaliações na gestão educacional
Aperfeiçoamento da gestão e da governança da Educação

Como grandes mudanças dependem do engajamento de todos, tanto por ações cotidianas quanto por valores colocados em prática, em 2013 foram identificadas 5 Atitudes que mostram como população brasileira ajudar crianças e jovens a aprender cada vez mais e por toda a vida. São elas:

Valorizar o professor, a aprendizagem e o conhecimento
Promover as habilidades importantes para a vida e para a escola
Colocar a Educação escolar no dia a dia
Apoiar o projeto de vida e o protagonismo dos alunos
Ampliar o repertório cultural e esportivo das crianças e dos jovens

O Todos Pela Educação acredita que, pela dimensão do desafio e da desigualdade histórica da Educação no Brasil, apenas a ação dos governos não é suficiente. A participação dos diversos segmentos da sociedade, reunidos em torno de metas comuns e alinhadas com as diretrizes das políticas públicas educacionais, é fundamental para promover o salto de qualidade de que a Educação Básica brasileira necessita.