O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Aviso preventivo aos adesistas anonimos e aos mercenarios a soldo - Schopenhauer, Olavo de Carvalho

As duas frases abaixo valem para alguns comentários.
Tenho sido muito tolerante, tanto com os adesistas anônimos (não necessariamente alcoolizados), quanto com os mercenários a soldo, ambos visitando estas páginas e postando comentários não substantivos, mas apenas do estilo "atire sobre o mensageiro".
Acho que está na hora de deixar apenas comentários inteligentes passar pelo moedor de carne dos filtros do blog...
Paulo Roberto de Almeida

Conselho quase impossível de ser seguido, mas sábio.

 "Não entrar em controvérsia com qualquer um que chegue, mas só com aqueles que conhecemos e dos quais sabemos que têm inteligência suficiente para não propor coisas absurdas que levem ao ridículo, e que tem suficiente talento para discutir à base de razões e não com bravatas, para escutar e admitir tais fundamentos, e que, enfim, apreciem a verdade, prestem com gosto o ouvido às razões, mesmo quando procedam da boca do adversário, e seja bastante equitativo para suportar que não se lhes dê razão quando a verdade está do outro lado".

Arthur Schopenhauer,  Como vencer um debate sem precisar ter razão



"Ter invertido na hierarquia natural e justa, fazendo da opinião pública – rainha da tagarelice – o juiz da interioridade humana, é talvez o pecado original da cultura contemporânea, onde cada homem é obrigado, pela expressão exterior, a apagar de seu coração tudo aquilo que não seja confirmado pelo falatório dos vizinhos, até chegar à suma degradação de se ignorar por completo e de ter de ir à boutique esotérica ou psicoterapêutica da moda na esperança de comprar o último modelo de autoconhecimento prêt-a-porter".

Olavo de Carvalho, autor da introdução, notas e comentários ao referido livro

PS.: Grato ao Gustavo Carneiro de Mendonça pelo envio dos trechos que ele destacou para mim.
Postar um comentário