O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

domingo, 10 de novembro de 2019

Verificação de segurança na conta do Google

Acho que o Google é um pouco paranoico, mas isso pode ser bom.
Ele removeu o acesso de diversos aplicativos a meus contatos ou outras informações pessoais disponíveis em meu computador. Suponho que seja bom.
Façam isso vocês também...

Verificação de segurança
Nenhum problema encontrado




Rússia de Putin: a pretensão frustrada de ser uma grande potência - revista Time

30 Years After the Fall of the Berlin Wall, Russia Is Only Pretending to Be a Major Power

Time magazine, October 9, 2019

Vladimir Yakunin, the former Russian Railways boss and KGB spy, leaned forward to describe the way the world is going. It was the middle of October, and he had just convened an annual gathering of statesmen from countries that are, as a rule, sympathetic to the Kremlin. Held each fall on the Greek island of Rhodes, the summit provides a chance for Russia’s allies to compare notes, assess opportunities and make plans for the future. Yakunin, an old friend of Russian President Vladimir Putin, serves as the master of ceremonies.
The global context this year seemed to suit his message perfectly. Five days before the summit opened at the Rhodes Palace, the island’s most luxurious hotel, the U.S. had announced that it was withdrawing U.S. troops in northern Syria, effectively abandoning the Kurds and giving Turkey and Russia free reign to do what they want in the region. The U.K.’s plan to leave the European Union had also just hit another embarrassing snag, as its government was forced to ask for yet another Brexit extension. Yakunin clasped his hands as he considered what all this meant for Russia and the world. “We can say the West is declining,” he told TIME. “The global architecture is changing.” He took a sip from his espresso, and added, “The liberal order will be changing.” 

But judging by the turnout in Rhodes this year, Yakunin and his allies back in Moscow are not in a prime position to define the terms of a new world order. The only head of state who showed up was Mahamadou Issoufou, the President of Niger. The handful of attending politicians from Europe were years out of office. Few stayed for the entire weekend. Martin Schulz, the former President of the European Parliament, left before the end of the first day of the conference.
It seemed like a sign of the times for Russia. Compared to its influence in the late Soviet era, when Yakunin served as a KGB spy under diplomatic cover in New York City, the Kremlin today has little claim to the status of a modern superpower. Under President Vladimir Putin, Russia has played a central role in conflicts from the Middle East to Latin America. But its messengers, like Yakunin, have a tendency to overstate their country’s strength. Political experts insist that Putin lacks a strategy for filling the vacuum that President Donald Trump has left behind in Syria. Nor does Moscow have enough money to sustain a system of reliable alliances, the way that China has tried to do by investing billions of dollars each year in countries across Africa.
“Russia can’t really fill this vacuum,” neither in Syria nor the broader Middle East, says Stefan Meister, head of the Program for Eastern Europe and Russia at the German Council on Foreign Relations in Berlin. “It will only play with it. It can destroy, but it’s not able to build up the region.” Whether President Trump likes it or not, the U.S. is still the only power that can do that, says Shada Islam, a director at a Brussels based think tank, Friends of Europe. “The player in chief is still the U.S.—it’s the power that counts in the region,” she says. 
The Russians, of course, don’t quite see it that way. One of Yakunin’s guests in Rhodes this year was Vyacheslav Nikonov, the Chairman of the Education and Science Committee in the Russian parliament, who also happens to be the grandson of the legendary Soviet foreign minister, Vyacheslav Molotov. (The Molotov cocktail was named after him, though he was not its inventor; during the Soviet invasion of Finland in 1939-1940, Finnish guerillas used the crude petrol bombs against the Russian troops.)
Less than a week after the forum in Rhodes, some 1,000 miles to the east in the city of Manbij, Russian troops faced no resistance as they moved into northern Syria. It was a scene of triumph for Moscow to broadcast on state TV, as Russian reporters streamed videos from bases that had just been abandoned by American troops. 
But those images were hardly a reliable measure of Russia’s power in the Middle East. Since Putin intervened in the Syrian war in 2015 to defend the regime of Bashar Assad, Moscow’s role in the region has come with costs that Russia will have trouble bearing in the long run. “Many in Russia are reluctant to place the country in the position of a security provider because this would involve multifarious responsibilities. This is understood at Russia’s top leadership,” says Elena Chebankova, a Russian politics lecturer at Lincoln University. Russia will not go too far to act as “a world ‘policeman’ to the extent as the USSR did,” she says.
In July, Russia unveiled a proposal for a new alliance in the Middle East, dubbed the Collective Security Concept for the Persian Gulf Region. Its aim is to create stability in the Persian Gulf and involve major global and regional players including China, Russia, India, the U.S. and the E.U. But the plan left many Gulf officials wondering what Russia would do to guarantee the security it promised, says Nikolay Kozhanov, a Senior Research Fellow at the Institute of World Economy and International Relations in Moscow. “And the answer was quite obviously, nothing,” says Kozhanov. “Russia is a major player without any special cards in its hands.”
During Putin’s visits to Abu Dhabi and Saudi Arabia in October, their leaders rolled out the red carpet for the Russian President and declared a new era in relations with Moscow. But the trips turned out to be short on substance, says Rauf Mammadov, an energy policy expert at the Middle East Institute, a U.S.-based think tank. Putin came away with $3 billion in deals—a modest sum compared to the $300 billion Trump secured during his visit to Saudi Arabia in 2017. 
Saudi Aramco, the kingdom’s oil company, signed up to buy a stake in a new gas project in the Russian Arctic October 2018, but so far it has not materialized. A much lauded partnership between Russia’s sovereign wealth fund and a UAE-based global investment firm Mubadala was created in 2013, but the two sides have only allocated a third of the $7 billion that is up for investment. Russia’s economic ties to Persian monarchs are “still a nascent process,” says Mammadov. Likewise in Egypt, Putin agreed a deal in 2014 to build a Russian free-trade zone on the Suez Canal—a project that remains on the drawing board, wrapped up in Egyptian red tape. But that did not stop Egyptian President Abdul Fattah Al-Sisi from touting the project during a meeting with Putin in Russia last month. 
The economic ties between Russia and China have also tended to produce more headlines than substance. Though Putin has hailed these relations as the “best they’ve ever been,” the primary proof has been the recent series of joint military drills, alongside plans announced last month for Russia to “radically enhance China’s defense capability” by helping the country to build a missile defense system.
Putin and his Chinese counterpart are more like frenemies than allies, says Mathieu Boulègue, a Research Fellow at the Russia and Eurasia Programme at Chatham House. For one thing, Russia is painfully aware that, with an economy 8 times smaller than that of China, it would need to accept the role of junior partner in any alliance with Beijing. “It’s not about cooperation,” says Boulègue, “but the messages it sends to the rest of the world.” The intended message is clear enough, he says: “‘We are not alone.’”

But loneliness may be wiser than some of the partnerships Russia is courting. Consider its recent moves in Africa. Through a series of security deals and mining ventures, the Kremlin managed to build an alliance in the last two years with the Sudanese dictator Omar al-Bashir—only to watch him deposed in a popular uprising this summer. At the end of October, Putin brought the heads of state from 43 African countries to Sochi, his favorite resort on the Black Sea coast.
The event produced another round of headlines around the world about Russia’s prowess in foreign affairs. But other than the pageantry, it was hard to see what Moscow stood to gain from these alliances. Only 3.7% of Russian goods end up in Africa today, while African goods account for just 1.1% of Russian imports. Russia’s current bilateral trade of $20 billion is just an eighth of China’s and half of the U.S.’s. Paul Stronski, a senior fellow at the U.S.-based Carnegie Endowment for International Peace, sees Russian clout in Africa “tied to a handful of client states with relatively limited strategic significance.” That means Putin is still “nowhere near restoring the status that the Soviet Union once enjoyed on the continent,” Stronski told the BBC. 
The same can be said of Yakunin. Though he clearly enjoyed the chance to address his audience of hundreds in Rhodes, the spectacle of the event felt hollow. “It has no real meaning other than maintaining an attractive image of Russia,” says Elisabeth Schimpfossl, the author of Rich Russians: From Oligarchs to Bourgeoisie, who first attended the Rhodes summit in 2009. Then, as now, the gathering was mostly a “PR event,” she says. And in that sense, at least, it resembles a lot of Russia’s recent moves in international affairs. 

Contact us at editors@time.com.

Sobre intervenções de militares na política- Paulo Roberto de Almeida

Sobre intervenções DE militares na política, em contraposição a intervenções DAS FFAA:

Só reconheço três, e apenas três, intervenções das FFAA na política brasileira: em 1930, em 1945 e em 1968-69. Todas as demais, inclusive o golpe da República (1889) e o de 1964, foram intervenções DE militares, em conjugação com forças políticas civis, no quadro de graves crises de funcionamento da administração política “normal” do país. Tivemos muitas crises — 1920s, 1937, 1955, 1961 —, com envolvimentos variados de militares e restrições posteriores.
Alguns experimentos de militares eleitos — Hermes, Bolsonaro — se revelaram desastrosos, para a política e para as FFAA, por incompetência própria, mais que por deficiências da vida de caserna. 
Estamos em meio a um desses desastres da vida política nacional, por incompetência manifesta do comandante supremo das FFAA, em face de um envolvimento limitado e muito confuso DE militares num governo que possui notórias interferências ideológicas bizarras em seu funcionamento.
Não vejo uma atitude consensual das FFAA, propensas a um determinado e decisivo engajamento no confuso e caótico cenário político atual. Não existe, aliás, um diagnóstico preciso quanto ao que fazer, em face de uma nítida deterioração da governança, por incompetência e ignorância, situação doravante exacerbada pelo ressurgimento de um polo político deliberadamente opositor e propenso a criar ainda mais confusão.
O que farão AS FFAA? 
Provavelmente NADA.
E quanto a militares, considerados individualmente?
Eles também estão confusos e dubitativos quanto ao que pode ocorrer na governança e na situação do Brasil, tanto quanto os políticos responsáveis, que são em menor número do que os claramente ambiciosos pela próxima alternância no poder da nação.
O que os militares e as FFAA farão, na perspectiva de 2022? 
Na minha opinião serão mais contemplativos do que foram no passado, quando eram mais participativos e até mais intervencionistas, pelo menos até 1968-69 (pelas FFAA) e até a CF-1988 (pelos militares).
Desde 2013 e até agora, foram espectadores engajados, mas bem mais num estilo “maçônico” do que de forma aberta.
A questão está em saber se são  “maçônicos” enquanto FFAA, ou apenas individualmente como militares. Isso faz toda a diferença.
Mas, aposto que nem eles sabem...

Paulo Roberto de Almeida 
Brasília, 10/11/2019

Sobre regimes extremistas - Paulo Roberto de Almeida

Percorro todo o espectro das ideologias políticas, sem preconceitos e sem pré-juízos, visando apenas a definição e implementação de políticas públicas efetivas na criação de prosperidade e na garantias de amplas liberdades democráticas para a população. 
Minhas constatações, com base numa observação realista do que vi, acompanhei, registrei objetivamente, pelo mundo, nos mais diversos experimentos em países de diferentes continentes, nos mais diversos contextos históricos e sociais, são as seguintes.
Regimes extremistas costumam ser bastante ineptos no plano econômico, tremendamente corruptos no terreno político, propensos a muita demagogia e a fraudes populistas e culturalmente reacionários. Chegam a ser amigos das mais execráveis ditaduras, de direita ou de esquerda, em várias partes do mundo.
Assim foi o lulopetismo, que nos legou a pior recessão de toda a nossa história econômica, conspurcou as instituições republicanas e roubou bilhões do povo brasileiro, por um projeto de poder personalista, ademais de apoiar ditaduras ordinárias, na região e alhures, defendendo ainda “controle social” dos meios de comunicação.
E assim pode ser o olavo-bolsonarismo, propondo um modelo autoritário de sociedade, culturalmente reacionário no seu anti-iluminismo retrógrado e fundamentalista religioso, com um tremendo potencial de retrocessos no plano da educação e pesquisa científica. 
Não tenho nenhuma hesitação em proclamar minha posição. 
Rejeito ambos, como deploráveis do ponto de vista de um modelo de sociedade e de um sistema político dotado das mais amplas liberdades econômicas e garantias democráticas, de total comprometimento com a defesa dos direitos humanos e de garantias para as minorias, com total liberdade de expressão, sem qualquer intromissão do Estado nos meios de comunicação e promotor de avanços irrestritos na pesquisa e na educação científica, num contexto de total laicidade nos espaços públicos.
Paulo Roberto de Almeida 
Brasília, 10/11/2019

sábado, 9 de novembro de 2019

Queda do muro de Berlim e desaparecimento da RDA: como reconstruir os arquivos da Stasi - WP

Thirty years after the Berlin Wall fell, a Stasi spy puzzle remains unsolved

BERLIN — In the aftermath of the fall of the Berlin Wall 30 years ago, East Germany’s secret police frantically tried to destroy millions of documents that laid bare the astounding reach of mass surveillance used to keep an iron grip on citizens.
As shredders that were available jammed or broke down, Stasi officers resorted to tearing the documents by hand, stuffing them into bags to later be burned or pulped. But the effort came to a premature halt when citizens groups stormed and occupied Stasi offices to preserve the evidence.
Three decades later, in the same rooms behind the foreboding gray facade of the former Stasi headquarters, Barbara Poenisch and nine fellow archivists are trying to piece those documents, and the history, back together. 
Poenisch calls it “a big puzzle game.” But at the current rate, there are still decades of work ahead.
The archivists have reconstructed more than 1.5 million pages contained in 500 sacks over the past 20 years. There are still around 15,500 more bags to go, stored in Berlin and sites in eastern Germany.
A single sack can take an archivist as long as a year and a half to reconstruct, depending on how finely the documents are torn. Attempts to speed up the process with digital technology have stalled.
The painstaking work, performed by hand, continues amid controversy over the future of the Stasi files.
The German parliament voted this fall to transfer control of the files to the Federal Archives, with promises to invest in preservation and digitalization. Some historians and former regime opponents have criticized the move, saying it is an attempt to draw a line under history and raising concerns that files will become less accessible.
Every German has the right to view the records that the Ministry for State Security, as the Stasi was officially known, gathered on them. More than 3 million individuals have applied to do so.
The agency used tens of thousands of employees and a vast web of informants to monitor every facet of society, causing many East Germans to live in terror. It kept files on 5.6 million people.
Reconstructed pages from the Stasi files have shed light on the agency’s investigations into a Nazi war criminal and into the peace networks in both East and West Germany. 
For Poenisch it’s a more personal document that sticks in her mind: a letter from a mother who pleaded to authorities to release her jailed son.
Poenisch spreads out paper fragments on a table. The sack she’s been working on is from the Abteilung N, responsible for communication within the state apparatus and with friendly countries. 
A memo from Oct. 1, 1986, reports that the political situation in East Germany is “calm and stable. . . . There have been no significant events in either the economy or transport sector.”
Another memo, from April of the same year, outlines a long-term plan for the Stasi to keep up with technological advances. The goal is to achieve a “uniform, integrated digital intelligence network beyond year 2000.”
For the year 2019, the project to reconstitute the documents is surprisingly low-tech.
There’s precedent for reconstituting shredded documents. In the mid-1980s, Iran pieced together and published intelligence reports and operational accounts that had been put through a shredder as Iranian militant students seized control of the U.S. Embassy in Tehran.
More recently, programmers in California have promoted software that can do what the Iranians were thought to have done by hand.
But the Stasi project does not have the technology to deal with shredded material, said Ute Michalsky, the head of the reconstruction department. 
An “E-puzzler” software program, developed by researchers at Berlin’s Fraunhofer Institute, had sounded promising. It was supposed to match scanned fragments together based on paper color, fonts, shapes and other details. But it turned out to be more time-consuming than the manual effort and has not been used for the past two years. 
The German government has dedicated 2 million euros to enhance the scan technology.
The archivists say they don’t bother trying to piece together material torn into more than eight pieces, even though they may be those the Stasi were more keen to hide. 
“I sometimes have the feeling that they knew exactly what to tear up,” Poenisch said. “Unimportant things only get a single tear, but important things: the more important, the smaller the pieces.”
Poenisch says the laborious work doesn’t get dull. 
“The responsibility is high,” she said. “Every document could be important.” 

William Glucroft in Berlin contributed to this report. 

Duarte da Ponte Ribeiro: um diplomata a cavalo

Meu colega e amigo, o embaixador Carlos Henrique Cardim, deve tomar posse no próximo dia 27 de novembro como mais novo membro do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, e eu deve fazer a apresentação.

Minha preleção será breve e se restringirá à trajetória intelectual de Cardim, possivelmente o maior editor universitário do Brasil, ao ter dirigido a Editora da UnB numa das fases mais gloriosas de sua existência, organizando a tradução e a publicação de centenas das obras mais importantes do pensamento político, histórico e filosófico mundial.
Como o seu patrono será Duarte da Ponte Ribeiro, o diplomata brasileiro de origem portuguesa que se distinguiu no século XIX como o grande "fronteiro-mor" da diplomacia brasileira, lembrei-me de um artigo que eu havia preparado em 2005 e que nunca foi publicado na íntegra, mas apenas em versão resumida no boletim da ADB.
Permito-me reproduzi-lo abaixo, e aqui vai a ficha do trabalho: 
1381. “Um diplomata a cavalo: Duarte da Ponte Ribeiro”, Brasília, 28 jan. 2005, 6 p. Publicado, em versão reduzida, no Boletim ADB (Brasília: Associação dos Diplomatas Brasileiros, a. XII, n. 48, jan/mar. 2005, p. 16-19; link: http://www.adb.org.br/boletim/ADB-48.pdf; http://www.adb.org.br/). Relação de Publicados n. 548.

Um diplomata a cavalo: Duarte da Ponte Ribeiro

Paulo Roberto de Almeida
(www.pralmeida.org)



Aqueles que pensam, por experiência própria ou relato de terceiros, que a situação sanitária de certos postos está abaixo da crítica ou que as condições de vida, em geral, de determinados países deixam muito a desejar, bem fariam em ler, ou reler, a biografia de Duarte da Ponte Ribeiro, Um Diplomata do Império, do historiador José Antonio Soares de Souza (São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1952; Coleção Brasiliana 273). Trata-se, provavelmente, do mais versátil colega já conhecido nos anais da nossa história diplomática, um verdadeiro sobrevivente e um aventureiro involuntário de muitas das peripécias da nossa primeira diplomacia.
Sobreviveu à invasão de Portugal, onde nascera em 1795, pelas tropas de Junot, a serviço de Napoleão, e a muitas viagens de navio, logo após sua formação como médico, no Real Hospital Militar do Morro do Castelo, no Rio de Janeiro joanino. Cirurgião de bordo, a partir de 1811, sobreviveu a viagens tempestuosas, a meias rações de água, ao escorbuto e a uma terrível carneirada (febre de Angola), quase dado como morto após três dias de agonia. Logo depois da independência, em 1824, tendo decidido permanecer no Brasil e servir ao novo Estado, foi vítima de um terrível acidente: “uma espingarda de dois canos rebentara em suas mãos, causando-lhe a descarga despedaçamento da mão e braço esquerdos, perda de ossos, tétano conseqüente...”.
Médico renomado, mas impossibilitado agora de operar o bisturi com a destreza necessária, ele se transforma em diplomata praticamente por acaso. Tendo sido nomeado, em 1826, cônsul do Brasil na Espanha, deparou-se, entretanto, com a curiosa situação de não lhe ser dado o necessário exequatur, por não reconhecer o governo espanhol a independência do Brasil, devido à ocupação brasileira na Cisplatina. Acompanhado da mulher e cinco filhos (o último nascido em Lisboa), Ponte Ribeiro retornou portanto ao Brasil, sem ter conseguido cumprir sua primeira missão diplomática. Não tendo recebido passagens ou qualquer ajuda de custo da Secretaria dos Negócios Estrangeiros, viu-se na constrangedora situação de ser obrigado a vender as pratas da casa e o seu primeiro uniforme de diplomata, para poder custear as passagens de volta, ficando ainda devedor de um amigo de Lisboa em mais de 50 mil réis.
Em fevereiro de 1829, Duarte da Ponte Ribeiro era nomeado cônsul geral e encarregado de negócios no Peru. Embarcou numa fragata brasileira até Montevidéu, daí passou a Buenos Aires, com instruções de seguir por terra até o Chile: a Secretaria de Estado não tinha idéia, aparentemente, das dificuldades de um tal trajeto. Se encontrasse ambiente favorável nesse país, deveria entregar uma carta credencial que o acreditava igualmente como encarregado de negócios, interino, junto ao governo do Chile. Em abril, entretanto, com as “províncias unidas” ainda em situação de guerra civil, ele avisava o ministro brasileiro sobre a impossibilidade de prosseguir por terra, “enquanto o país não ficar sossegado dos montoneiros e dos índios selvagens”. Terminou viajando por mar, mas embarcando a partir de Montevidéu, numa fragata francesa, que fez o percurso pelo Cabo de Horn. Em agosto de 1829, depois de arrostar os tempestuosos mares do extremo sul, apresentava suas credenciais na capital do Peru.
Em 1830, empenhado em reduzir despesas, o ministro dos negócios estrangeiros, Francisco Carneiro de Campos, comunicava-lhe que o Império havia decidido reduzir o seu salário anual a dois contos e quatrocentos mil réis, e ainda advertia: “Escuso dizer a Vossa Mercê que qualquer excesso de despesa não será abonado”. Com a Regência, sua missão no Peru foi retirada em novembro de 1831, mas a comunicação só chegou a Lima em abril seguinte, após o que Ponte Ribeiro parte em direção ao Chile. Na capital chilena, Ponte arrostou sua conhecidíssima inimiga, pois, atacado de cólera-morbus e novamente desenganado, conseguiu escapar da morte, “desmentindo os prognósticos dos médicos”. Em agosto de 1832, ele já estava de volta à Corte, “longe dos apuros que passara com o miserável ordenado de 2:400$000”, mas também sem qualquer outro salário.
Nessa época, inexistia a carreira diplomática e Ponte Ribeiro permaneceu em disponibilidade sem nada receber, até que se lhe deparasse uma nova oportunidade de servir ao país. Essa lhe surge um ano depois, quando o ministro Silva Lisboa o nomeia encarregado de negócios no México, onde deveria informar que “o principal objeto da nossa gloriosa revolução, com tanta fortuna realizada em 7 de abril de 1831, fôra eximir-nos da influência portuguesa, não havendo sido senão nominal até aquela época a independência, que com tanto custo havíamos conseguido de uma metrópole que, por séculos, nos escravizara”.
A caminho da Inglaterra, para depois ir ao México, ele se demora em Portugal, em missão secreta, seguindo os passos do ex-imperador, para saber das possibilidades de sua volta ao Brasil. Em fevereiro de 1833 segue de paquete para a Inglaterra e daí partiu para Vera Cruz, aonde chegou em 28 de abril, depois de ter passado por São Domingos, Jamaica e Honduras. Fugiu do porto mexicano imediatamente, apressado e espavorido com receio do “vômito preto”, que matava de quinze a vinte pessoas por dia. Um de seus primeiros ofícios já consignava que “os negócios desta República (então dirigida pelo presidente Sant'Ana) chegaram ao último estado de complicação e oferecem o mais horroroso aspecto... Toda a República está hoje em revolução”. Em março de 1835, ele descreve um “violento terremoto” na capital do país: “No estado de Oaxaca apareceu um novo vulcão, vomitando lava, e se crê que ele produziu estes terremotos”.
Com todo vômito preto, vulcões e terremotos, Ponte Ribeiro só se demorou um ano e meio no México, pois em fevereiro de 1835 Manoel Alves Branco, o novo ministro, assinou sua carta revocatória, que só lhe chegou em outubro. Demorou um pouco para partir, por se achar doente, “com ulceração e infarto das glândulas da garganta”. Partiu de Vera Cruz em 8 de novembro e chegou a Filadélfia duas semanas depois, para novamente enfrentar sua velha conhecida: “Na mudança repentina de um país extremamente caloroso e outro coberto de neve, regressou a minha enfermidade de garganta, com uma pulmonia de que estive à morte”. Conseguiu resistir à morte, como ele disse, por que “preciso buscar pão para cinco filhos”.
Os meses que passou em Filadélfia, bloqueado pela neve e preso a uma cama, meditando sobre a morte e observando o começo da expansão americana em direção ao Texas e outras regiões, fizeram-no desconfiar pelo resto da vida dos americanos: “Deus livre o Império brasileiro de uma questão com os Estados Unidos, que sirva(-lhes) de pretexto para organizar expedições... Desculpa V.Exa. este desabafo contra os Yankees. Cuidado com eles...”. Na volta ao Brasil, ele ainda passou pela Inglaterra e por Lisboa.
Com 41 anos, a fase mais importante da vida de Duarte da Ponte Ribeiro estava começando ali, quando influenciaria decisivamente a futura demarcação dos limites do Brasil. O novo ministro dos negócios estrangeiros, Visconde de Abaeté, nomeou-o em junho de 1836 encarregado de negócios nas repúblicas da Bolívia e do Peru, junto com seu filho, de apenas 14 anos, designado adido de segunda classe nas mesmas repúblicas. A razão era puramente financeira, como explica Soares de Souza: “Elevara-se-lhe agora o ordenado para 3:200$000 (anuais), dando-se-lhe mais a quantia de 400$000 para os gastos da legação; porém exigiam-lhe outras despesas bem maiores, com a designação para a Bolívia e Peru. (...) O único alvitre de que se pôde lançar mão, para se remediar o mal, foi a nomeação de um dos filhos do encarregado de negócios para o cargo de adido, o que redundaria em aumento de vencimento para o pai. (...) Enganava-se redondamente, pois coisa nenhuma seria abonada ao rapaz até o fim da missão.”
A caminho da nova missão, acompanhado apenas pelo filho adido, demorou-se Ponte Ribeiro em Montevidéu e em Buenos Aires, onde freqüentou o Arquivo Militar, estudando os geógrafos antigos e copiando cartas e mapas. “Um mapa ou documento, que se referisse aos limites do Brasil, exercerá sobre ele irresistível atração. (...) Será qualquer coisa digna de todos os sacrifícios e a que o próprio furto se exculpará pela natureza do objeto furtado”. Em Buenos Aires, ele queria comprar de um dos comissários espanhóis encarregados de demarcar os limites do tratado de Santo Ildefonso, já velho e doente, quase na miséria, todos os trabalhos que possuía sobre essas demarcações. Informava ele ao ministro: “Ele está velho, enfermo e pobre; e por isso resolvido a vender mais barato: pede sete mil pesos fortes, mas estou bem persuadido que dará por cinco”. O Império, porém, foi mais uma vez sovina, negando-lhe qualquer dotação.
Duarte da Ponte Ribeiro deixou Buenos Aires, por terra, em outubro de 1836, empreendendo uma viagem de quase mil léguas, com recomendações dadas pelo próprio ditador Rosas. Percorreu, em diligência, a lombo de burro ou a cavalo, as províncias de Santa Fé, Córdoba, Santiago del Estero, Tucumã, Salta e Jujui, chegando a Chuquisaca, na Bolívia, em 30 de dezembro. Um amigo, na Secretaria de Estado, “não compreendia que se fizesse semelhante loucura”, mas podia Ponte “gabar-se de ser o brasileiro que mais viajara pelo continente americano”.
Em 3 de janeiro de 1837, ele já entrava em funções, transformando-se em cronista dos lances políticos e guerreiros que se desdobravam nas repúblicas do Peru, Bolívia e Chile. Os complicados conflitos do Rio da Prata, “não se comparavam em complexidade à pavorosa luta que desencadeara o Marechal Santa Cruz, ao impor a federação Peru-Bolívia”. O Marechal era o político mais poderoso dos Andes e pretendia, num futuro próximo, “dirigir todas as repúblicas do Pacífico”. Descendente de incas e de nobres espanhóis, falava as línguas indígenas, era possuidor de inteligência, tinha habilidade política e perfeito conhecimento dos homens, mas “a dissimulação, a desmedida vaidade e ambição ilimitada, reduziram-no à craveira comum dos demais ditadores”. 
A Bolívia parecia a Santa Cruz demasiado acanhada, mas ao Chile não convinha essa união. Quando Ponte Ribeiro apresentou-se na Bolívia, já o Chile se movimentava contra o Marechal, oferecendo-se o diplomata brasileiro como mediador, em nome do Império. “Teria sido das mais calmas a estada de Ponte Ribeiro na Bolívia, se não fôra a feição peculiar ao governo boliviano de não estacionar por muito tempo no mesmo local. (...) Escarrapachado no lombo de um burro, teve o diplomata brasileiro de segui-lo por caminhos escabrosos, que na estação de chuvas se tornavam intransitáveis”.
Saído de Chuquisaca em 19 de março de 1837, com o vice-presidente, chegou Ponte Ribeiro em 5 de abril a La Paz, onde estava o Marechal Santa Cruz, que ostentava os seguintes títulos: “Gran Ciudadano, Restaurador y Presidente de Bolívia, Capitan General de los Ejercitos, General de Brigada de Colombia, Gran Mariscal Pacificador del Peru, Supremo Protector de los Estados Sur y Nor-Peruanos”. Agora ia descer Ponte até o Pacífico, já que em Tacna os plenipotenciários dos dois países discutiam as bases da federação. Logo em seguida ele foi agraciado pelo Marechal com a Legião de Honra Boliviana, pois “se ha hecho acreedor a la gratitud nacional, por el vivo interés que toma en la prosperidad de estos Estados”.
No dia 28 de maio, ele já era recebido em Lima, em audiência pública pelo próprio Santa Cruz, agora no papel de presidente do Peru. A dominação não era tolerada pelos peruanos, mas era imposta por seus três generais: um alemão, outro irlandês e o terceiro inglês. Ponte estava no centro de todos os enredos, quer da política interna do país, quer da guerra declarada pelo Chile. “E se não fôra a mesquinhez do ordenado que lhe pagava o governo imperial, em desproporção ao custo de vida na capital peruana, não lhe teriam sido desagradáveis os sete anos de permanência em Lima”. Ele assistiu ainda à invasão de Lima por tropas chilenas, em agosto de 1838, tendo o Marechal Santa Cruz procurado convencê-lo da necessidade de uma aliança do Império com o Peru e da cessão de dois navios de guerra para sua inexistente armada.
Foi no quadro dessas conversações, que também envolviam questões de limites e um tratado de amizade, comércio e navegação, que se firmou, primeiro no espírito de Ponte Ribeiro, depois nos documentos e ofícios que ele despachava para a Secretaria de Estado, o princípio do uti possidetis, em contraposição ao tratado de 1777, como a base essencial para a resolução das pendências de fronteiras deixadas em aberto pela herança colonial luso-castelhana. Num projeto de tratado de comércio com a confederação Peru-Bolívia, que Ponte Ribeiro discutiu com o Marechal, figurava claramente o princípio do uti possidetis como referencial para a demarcação dos limites. Esta foi, provavelmente, a primeira vez que o Brasil utilizou-se do conceito em negociação com um estado vizinho, o que Ponte Ribeiro teve de sustentar incisivamente junto a seus superiores, face a instruções contrárias, e manifestamente inadequadas, do Rio de Janeiro.
A vida que levava Ponte Ribeiro em Lima era sóbria: evitava jantares, “alegando doença de estômago e regimes alimentares, mas na verdade para evitar retribuições que os seus ordenados não comportavam”. Como informa ainda Soares de Souza, “a única despesa extraordinária de Ponte Ribeiro no Peru consistia na compra de documentos raros”. O Império lhe dava muitos títulos - cavaleiro, comendador, depois barão - mas lhe recusava um salário condigno. “Afinal, excogitava ele, para que tanta luta, tanto estudo, tantas privações, tanto trabalho? para chegar onde chegou: a miséria! Para isso não fôra preciso enfrentar mares, tempestades, navios à vela, caminhos escabrosos e lombos de burro. Bastava-lhe ter ficado na Corte, onde os próprios negros tinham vida melhor”.
Tirante os navios à vela e o lombo dos burros, alguma semelhança entre esse quadro desolador com situações, salários ou episódios atuais? Talvez mera coincidência...

Brasília, 28 janeiro 2005
Publicado, em versão reduzida, no Boletim da
Associação dos Diplomatas Brasileiros
(Brasília: ADB, ano XII, nº 48, Jan-Mar 2005, p. 16-19)