O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Antiamericanismo idiota dos companheiros - Editorial O Globo

O antiamericanismo da diplomacia petista
Em 12 anos de petismo, a diplomacia profissional foi substituída pela tosca militância ideológica do partido no poder. Faz-se de tudo para contrariar a política externa norte-americana. Editorial do jornal O Globo:


A política externa é uma das que mais foram alteradas desde que o PT chegou ao Planalto, em janeiro de 2003. Ficou visível que o Itamaraty como instituição deixou de ter peso nas decisões, ao mesmo tempo em que uma visão de mundo condicionada por um nacionalismo de esquerda, antiamericanista, do pós-guerra, passou a ser preponderante. Foram engavetadas características da diplomacia profissional: a busca pelo equilíbrio, a não intervenção em crises políticas de outros países, o bom relacionamento com americanos e europeus, sem se afastar do mundo emergente.

O curioso é que onde se esperavam alterações de fundo, na política econômica, nada aconteceu. E ainda bem, porque foi a manutenção de princípios da administração tucana que evitou o descarrilamento da economia, atingida por uma séria crise de confiança causada pela perspectiva de chegada do próprio PT ao poder. Consta que, para manter as fileiras petistas unidas, a política externa foi cedida, em contrapartida, às frações mais à esquerda do partido.

E no momento observa-se mais um surto de esquerdização da diplomacia, quando o Planalto necessita de um PT unido, às vésperas da que deverá ser a mais árdua batalha eleitoral que o partido enfrentará, desde a vitória de Lula, em 2002.

O último sintoma do surto foi a decisão do governo Dilma de convocar o embaixador em Tel Aviv , Henrique Sardinha, “para consultas", devido ao “uso desproporcional da força” por parte de Israel em Gaza. Havia formas menos estridentes de comunicar o justificável mal-estar com as mortes de civis em Gaza — mas também sem deixar de registrar a contrariedade com os constantes ataques de foguetes feitos pelo Hamas contra cidades israelenses, incluindo, agora, Tel Aviv.

A atitude gerou a resposta, também desequilibrado, da chancelaria israelense, com o uso do deplorável termo “anão diplomático” para qualificar o Brasil. O ministro das Relação Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, embaixador de carreira, respondeu dentro dos códigos da atividade, enquanto Marco Aurélio Garcia, assessor especial da presidência, militante petista, uma espécie de ministro das Relações Exteriores “do b", manteve o nível do porta-voz israelense, classificando-o de “sub do sub do sub do sub do sub” — copiando o ex-presidente Lula na resposta a um comentário de autoridade americana de que não gostou.

Mais uma prova de que os profissionais da diplomacia estão em segundo plano é a tíbia posição brasileira diante do ataque ao jato comercial por grupos de rebeldes ucranianos apoiados pela Rússia de Putin, outro aliado preferencial do Planalto. O avião, malaio; o míssil, russo. Morreram 298 pessoas.

O governo evita qualquer condenação à Rússia e faz o mesmo com a Síria de Assad, ditador já com mais de 150 mil mortos na biografia. O conceito é simples: faz-se tudo aquilo que contraria a política externa americana. Parece birra, mas há quem considere eficaz para conseguir votos.

Os neobolcheviques totalitarios nao admitem sair pelas urnas - Guilhon de Albuquerque

O professor José Augusto Guilhon Albuquerque observa, em artigo publicado no Estadão, que o petismo volta à senda radical que o caracterizava antes da posse de Lula, em 2003. Diante das manobras do Partido Totalitário, a alternância pacífica de poder corre perigo:

Estamos presenciando a recaída de nosso pretenso partido hegemônico, o PT, na radicalização. Não resta dúvida de que Lula está radicalizando, o PT também está e Dilma está aos poucos cedendo às pressões para radicalizar. O que resta é a questão de saber por quê. Dúvida pouco relevante nas eleições de 1982, 1989, 1994 e 1998, quando Lula foi derrotado por causa do caráter radical de seu programa.
Já a vitória de Lula em 2002 deveu-se a fatores que amainaram as aparências mais radicais da campanha. Primeiro foi a substituição de seu programa por uma "carta de princípios" que comprometia um futuro governo petista com o Estado Democrático de Direito e, sobretudo, com a manutenção da política econômica até então vigente.
Segundo, a adoção de um estilo de comunicação e um novo discurso acomodatício, de uma personalidade inteiramente nova, com expressão corporal e vestuário "executivo" - tudo diametralmente oposto ao estilo raivoso e confrontacional do passado. E, terceiro, a aliança "pragmática" com seus adversários ideológicos mais opostos, inclusive ícones do regime autoritário e donos dos currais eleitorais mais atrasados do País.
Ninguém precisou se enganar. A esquerda petista não precisava ser enganada porque entendeu o compromisso como sendo apenas uma diversão tática para chegar ao poder e, em seguida, assumir a hegemonia e impor seu programa aos aliados incômodos, às elites dominantes e às classes médias alienadas. Após as eleições de 2002, todas as bandeiras do partido continuaram vigentes, com parte da linguagem mais radical substituída por eufemismos.
As chamadas raposas e os "picaretas" também não se enganaram, porque confiavam em sua lendária capacidade para manipular o jogo parlamentar e os corações e mentes da classe dirigente em proveito próprio. Com isso, esperavam lucrar duplamente, primeiro, barrando as iniciativas inconvenientes do governo, seja as mais audaciosas agressões às instituições vigentes, seja as ameaças aos interesses vitais da maioria ou de setores relevantes da classe política. Em segundo lugar, tornando-se livres para chafurdar sem pejo no lodaçal da República, convenientemente rebatizado de "governança".
Seria a quintessência da aliança espúria, o perfeito win-win game, o jogo em que todos ganham mais do que perdem, com exceção do povo. Afinal, o PT teve de ceder quase todos os anéis, mas ficaram os dedos com os quais por 12 longos anos tem-se aferrado ao poder com todas as suas pompas e todas as suas glórias. E nem todos os anéis se foram. Eles retornam intermitentemente em pronunciamentos oficiais e oficiosos do PT e de suas organizações paragovernamentais.
Percebe-se hoje a insatisfação generalizada que corrói até a medula o pacto pelo imobilismo e a mediocridade que mantém a "governabilidade" da aliança lulo-dilmista. E pela razão muito simples de que talvez, mais ainda do que o povo, os stakeholders da aliança são precisamente os mais insatisfeitos.
O PT está insatisfeito porque, ao fim de 12 anos de tão ardentemente esperada hegemonia, muito pouco ou quase nada se concretizou dos esperados atributos de um partido hegemônico. O monopólio da "direção intelectual e moral" da sociedade, o controle da luta ideológica por meio da submissão da imprensa, a subordinação dos demais poderes e a conquista de prerrogativas supraconstitucionais para o partido vêm sendo, a cada revés, adiados para os "amanhãs que cantam".
Do outro lado, os "picaretas" e as raposas também estão insatisfeitos, porque receberam os anéis, mas não podem ostentá-los nem foram convidados ao baile. Recolhem do butim as migalhas, mas se sentem permanentemente ameaçados - e traídos - pela ganância hegemônica do PT. Sua participação no poder serve para limitar as perdas, mas não os exime de ceder às chantagens e compartilhar a culpa pelos fracassos do governo e a impopularidade que daí resulta.
A popularidade vinha mantendo essa aliança dos insatisfeitos. Mas a insatisfação do PT só era contida pela certeza da reeleição. Sem ela, os amanhãs que cantam não seriam apenas adiados para o próximo quadriênio, mas sine die.
A insatisfação da classe política, do empresariado, das classes dirigentes em geral, já não é contida pela falta de alternativas atribuída à inevitabilidade do continuísmo. A alternativa agora é possível: por que, então, as classes dirigentes optariam pelo suicídio?
Se a radicalização e o clima polarizado que ela implica levaram no passado à derrota eleitoral, e se a alternativa de uma coalizão dos insatisfeitos está fazendo água, então essa radicalização não seria para evitar a derrota, mas para evitar a ameaça da alternância no poder. A radicalização do PT não seria um erro tático, mas uma estratégia deliberada para conquistar sua almejada hegemonia fora das urnas e apesar delas.
Como? Criando um clima conflagrado que contrapõe a legitimidade das ruas à legalidade das instituições; impondo o controle "social" à pura e simples liberdade de pensamento e de expressão; concitando a convocação de assembleias constituintes oportunistas para submeter a Carta a maiorias de ocasião; dissolvendo no dia a dia o direito à propriedade individual para satisfazer os interesses dos militantes organizados; invocando a liberdade de manifestação como desculpa para agredir a liberdade de ir e vir, o patrimônio e até a integridade física das pessoas. O resultado seriam eleições tumultuadas, pondo em risco uma transição pacífica de governo.
A posse de Lula marcou a primeira alternância real entre elites no poder depois do período autoritário, como demonstra Leôncio Martins Rodrigues em suas pesquisas recentes. Resta saber se a atual elite governante e seu partido dominante acatarão o veredicto das urnas e a alternância entre elites no poder que daí deverá decorrer: será o teste de fogo para a democracia brasileira.

Companheiros totalitarios e a arte de atirar nos proprios pés - Merval Pereira

Artigo de Merval Pereira, publicado no jornal O Globo, analisa o autoritarismo e o intervencionismo crescentes do governo Dilma, desesperado diante da indocilidade do mercado e da alternativa de poder:


Concordo com a presidente Dilma, que classificou ontem o que está acontecendo no mercado financeiro de inadmissível e lamentável , mas tenho a visão oposta à dela: o que é inaceitável é um governo, qualquer governo, interferir em uma empresa privada impedindo que ela expresse sua opinião sobre a situação econômica do país. Sobretudo uma instituição financeira, que tem a obrigação de orientar clientes para que invistam seu dinheiro da maneira mais rentável ou segura possível.

Numa democracia capitalista como a nossa, que ainda não é um capitalismo de Estado como o chinês - embora muitos dos que estão no governo sonhem com esse dia -, acusar um banco ou uma financeira de terrorismo eleitoral , por fazerem uma ligação óbvia entre a reeleição da presidente Dilma e dificuldades na economia, é, isso sim, exercer uma pressão indevida sobre instituições privadas.

Daqui a pouco vão impedir o Banco Central de divulgar a pesquisa Focus, que reúne os grandes bancos na previsão de crescimento da economia, pois a cada dia a média das análises indica sua redução, agora abaixo de 1% este ano.

Outro dia, escrevi uma coluna sobre a influência da economia nos resultados eleitorais, e o incômodo que a alta cúpula petista sentia ao ver análises sobre a correspondência entre os resultados das pesquisas eleitorais e os movimentos da Bolsa de Valores: quando Dilma cai, a Bolsa sobe.

Essa constatação, fácil de fazer e presente em todo o noticiário político do país nos últimos dias, ganhou ares de conspiração contra a candidatura governista e gerou intervenções de maneiras variadas do setor público no privado. O Banco Santander foi forçado a pedir desculpas pela análise enviada a investidores sugerindo que prestassem atenção às pesquisas eleitorais, pois, se a presidente Dilma estancasse a queda de sua popularidade ou a recuperasse, os efeitos imediatos seriam a queda da Bolsa e a desvalorização cambial. E vice-versa.

O presidente do PT, Rui Falcão, já havia demonstrado que o partido governista não se contenta com um pedido de desculpas formal, como classificou a presidente Dilma: A informação que deram é que estão demitindo todo o setor que foi responsável pela produção do texto. Inclusive gente de cima. E estão procurando uma maneira de resgatar o que fizeram . Ontem, na sabatina do UOL, a presidente Dilma disse, em tom ameaçador, que terá uma conversa com o CEO do Banco Santander.

Mas não foi apenas o Banco Santander que sofreu esse assédio moral por parte do governo. Também a consultoria de investimentos Empiricus Research foi acusada pelo PT de campanha eleitoral em favor do candidato oposicionista Aécio Neves, tendo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acatado o pedido para que fossem retirados do Google Ads anúncios bem-humorados do tipo Como se proteger de Dilma e E se Aécio ganhar .

Justamente é este o ponto. A cada demonstração de autoritarismo e intervencionismo governamental, mais o mercado financeiro rejeita uma reeleição da presidente Dilma, prepara-se para enfrentá-la ou comemora a possibilidade de que não se realize. Isso acontece simplesmente porque o mercado é essencialmente um instrumento da democracia, como transmissor de informações e expressão da opinião pública.

Atitudes como as que vêm se sucedendo, na tentativa de controlar o pensamento e a ação de investidores, só reforçam a ideia de que este é um governo que não tem a cultura da iniciativa privada, e não lida bem com pensamentos divergentes, vendo em qualquer crítica ou mesmo análise uma conspiração de inimigos que devem ser derrotados.

Um dos sócios da consultoria Empiricus Research, Felipe Miranda, afirmou em entrevistas que não se intimidará, e fez uma constatação óbvia. O que já vínhamos falando aos nossos clientes sobre a gestão do governo e a condução da política econômica só piorou com esse cerceamento.

Finaceirizacao, French Style - Delanceyplace



Os nossos keynesianos de botequim, em especial os economistas esquizofrênicos do PT (que talvez não merecem a classificação de economistas) adoram (no sentido de detestam) a palavra e o conceito (por eles inventado, com a ajuda de outros da mesma tribo) de "financeirização".
Para eles se trata da preeminência indevida, exagerada, perversa, indesejada, do setor financeiro-bancário no conjunto da economia, tomando o lugar do setor clássico no marxismo que eles adoram, mesmo detestando: o setor produtivo.
Até parece que uma conspiração de banqueiros tomou de assalto o poder político e toda a economia para sugar todos os demais setores, ocupando espaços sobre e em detrimento do que eles mais gostam/detestam: aquele estalinismo industrial que fazia o grosso da massa de manobra dos partidos comunistas e dos sindicatos leninistas.
Eles nunca desconfiaram que quem criou, alimentou, assegurou a preeminência e garantiu os gordos lucros dos "financistas" foram os próprios soberanos, e continua sendo o Estado superdimensionado que eles fortalecem e engrandecem.
Aqui abaixo, uma história da ascensão dos amigos/inimigos dos totalitários em sua vertente francesa.
Paulo Roberto de Almeida

Today's selection -- from How Paris Became Paris by Joan DeJean. The first gigantic modern fortunes in Paris originated in the early 1600s not with the profits of commerce or industry but from high finance. These financiers arose through the profligacy of the king -- both in his wars (the army grew from 40,000 soldiers to 400,000) and his lifestyle. The sheer magnitude of the king's needs meant that the bankers of Paris displaced the famed bankers of Florence as the most important in Europe: 

"In the word financier's inaugural appearance in English, in the 1652The State of France, John Evelyn explained the workings of 'the king's revenue' and described 'the great Financiers who suck the very blood of the French people.'

"For the first time, Europeans could use words invented with the objective of classifying individuals according to their financial status and of singling out persons of new wealth. Such individuals had existed before but evidently not in sufficient numbers for a society to bestow official linguistic recognition on the phenomenon. And whereas previously, in European cities such as Venice and Amsterdam, most recent wealth had been accumulated through trade and the overseas trade in particular, the parvenus of seventeenth-century Paris had amassed their fortunes by dealing not in goods but solely in money.

"The emergence of the financier began in about 1600, when the French monarchy first encountered fiscal problems that have ever since plagued the modern state. 


"Prior to the seventeenth century and early in that century, the French state lived mostly within its means: Henri IV even built up a small surplus (Adam Smith claimed he was one of the last rulers ever to do so). Then, during the first quarter of the century, spending began to outstrip revenue. As a result, the bankers, especially Italians, who had ruled over the finances of all European nations in the sixteenth century gradually ceased to play a preeminent role in France. The individuals then known as bankers dealt in foreign currency exchange and transferred funds throughout Europe. When, for example, a monarch had to pay soldiers stationed on foreign soil, he would call on a banker. But once French monarchs began to spend on a previously unheard-of scale, the need for another type of financial agent became evident. Lyon, formerly the nucleus for French finance because of its association with Italian bankers, thus lost its centrality. And by the 1630s Paris -- home to the financiers, the new financial agents on whom the crown increasingly depended -- had become the country's uncontested finance hub.

"Whereas in the sixteenth century the French monarchy's revenue had remained stable, in the range of eight to twenty million livresannually, during the first half of the seventeenth century this situation changed dramatically. Between 1590 and 1622, for example, revenue rose from about eighteen million livres to an estimated fifty million a year; by 1653, the total had grown to roughly 109 million, and it stayed well over a hundred million throughout Louis XIV's reign. This meant that the French monarchy had access to resources that vastly outstripped those of its major European rivals. A noted eighteenth-century economist estimated that during Louis XIV's reign France's revenue was four times greater than England's and nearly three times superior to that of the Dutch Republic.

"Relatively little of that was spent on keeping up appearances: between 1600 and 1656, court expenses rose only from three millionlivres to six million. However, whereas in 1600 court expenses accounted for thirty-one percent of the budget, in 1656 they represented only seven percent. During that half-century, the cost of war changed the face of French finance.

"France was at war with foreign enemies for sixty of the years between 1615 and 1715; it was torn by civil war for another five. In addition, Europeans had begun to wage war on a scale without precedent. The Thirty Years' War (1618- 48), the War of the Grand Alliance or of the League of Augsburg (1688-97), and the War of the Spanish Succession (1701-14) made armed conflict more costly than ever before. As a result, the French military machine never ceased growing. Whereas, for example, in the 1590s the French royal army was only forty thousand strong, less than a century later Louis XIV maintained a force of about four hundred thousand. Since France's main rivals, England and Holland, were maritime powers and the French had no navy to speak of, the country spent on a colossal scale to acquire one: in 1661 its entire 'fleet' consisted of eighteen near wrecks, but soon one hundred and twenty vessels sailed under French colors.

"Such transformations were possible because those in charge of the finances of France had begun to follow a logic later presented by Adam Smith as 'the necessity of contracting debt in times of war': 'An immediate and great expense ... will not wait for the gradual and slow returns of new taxes. In this exigency government can have no other resource but in borrowing.'

"The French government's bookkeeping divided expenses into 'ordinary' (court expenses) and 'extraordinary.' Due to the rising cost of war, between 1600 and 1656, extraordinary expenses ballooned-from just seven million livres to over a hundred million. When budget deficits began to surge, the state began to borrow as never before and thus had recourse to a type of financial agent who surfaced in the late sixteenth century: the financier.

"The original financiers signed traités, tax or loan contracts, with the crown; they also bought, sometimes at auctions organized by the crown, charges or offices that made them part of a private fiscal administration with close ties to the government, an administration that vastly expanded in size in the course of the seventeenth century. In return, they acquired the right to collect a new tax or import or export duty from which they guaranteed the government a fixed income -- and from which they were allowed to retain a sizeable share of the profits. Contract terms varied with supply and demand, but financiers always lent money at a cost far above the official rate of between five and eight percent. At moments when a war was going badly and the monarchy's need was therefore most pressing and money most scarce, a rate of twenty-five percent became standard -- hence the steady rise in 'extraordinary' expenses, a category that included the interest on loans.

"Tax contracts were especially useful to the crown because the deal was closed and money changed hands very quickly. Contracts for five hundred thousand livres were soon common; many involved far larger amounts. Naturally, few financial agents were able to deal for such stakes: it's likely that, at any moment in the century, fewer than a hundred individuals virtually controlled the financial fate of France. As the monarchy became ever more dependent on credit because its needs were growing, that number shrank. And thus it was that the first gigantic modern fortunes in Paris originated not with the profits of commerce or industry but from high finance."


How Paris Became Paris: The Invention of the Modern City
Author: Joan DeJean 
Publisher: Bloomsbury USA
Copyright 2014 by Joan DeJean
Pages: 173-175

 If you wish to read further: Buy Now

O nanismo diplomatico desta vez no Mercosul - Rolf Kuntz

O fiasco do Mercosul e a diplomacia de banquinho

Foi uma semana dura para a diplomacia brasileira e revoltante para os anões. Na quinta-feira, o governo de Israel ofendeu os baixinhos de todo o mundo ao descrever o Brasil como um anão diplomático. Três dias antes o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, havia cobrado, em tom quase paternal, mais empenho de Brasília para a conclusão do acordo comercial do Mercosul com o bloco europeu. Os dois fatos evidenciaram, mais uma vez, a desmoralização e a falência da política externa brasileira, tanto na área comercial quanto na geopolítica. O fato coberto com maior destaque foi o bate-boca entre funcionários de Brasília e de Tel-Aviv, mas os dois episódios são partes da mesma história.

Anões, ao contrário da atual diplomacia brasileira, inaugurada em 2003, podem ser inteligentes, eficientes, equilibrados e relevantes. Outros governos têm pressionado o de Israel e cobrado a suspensão ou moderação dos ataques à Faixa de Gaza, mas nenhum deles pagou o mico de se explicar e de responder em tom quase meigo a um porta-voz de chancelaria. A explicação oferecida: o Brasil criticou apenas a violência “desproporcional” de Israel, sem contestar seu direito de defesa. A resposta complementar: o Brasil mantém relações diplomáticas com todos os membros da ONU e, portanto, se houver algum anão, será outro país. A explicação e a réplica foram apresentadas pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo. Polidamente, ele se absteve de mostrar a língua e de chamar de feio o funcionário israelense.

Ator relevante age com clareza e se dispensa de explicações. A manifestação brasileira nesse caso, como em muitos outros, confirmou a inépcia da orientação formulada no Palácio do Planalto e seguida no outrora respeitado Itamaraty. Esse amadorismo, inspirado num terceiro-mundismo requentado e rejeitado por emergentes de respeito, tem-se evidenciado também na diplomacia comercial.

O Brasil é a maior economia da América Latina, mas seu governo é incapaz de desemperrar a negociação entre o Mercosul e os europeus. “A mim me parece um bocadinho absurdo que a União Europeia tenha acordos de livre-comércio com praticamente o mundo inteiro e não tenha com o Brasil”, disse na segunda-feira o presidente da Comissão Europeia.

Por que “um bocadinho absurdo”? Para entender, basta pensar no tamanho da economia brasileira. Esse detalhe foi mencionado também pelo funcionário israelense. Ele qualificou o Brasil como gigante econômico, antes de chamá-lo, por contraste, de anão diplomático. Um contraste semelhante esteve implícito, mesmo com boa intenção, no comentário de Durão Barroso.

Absurdo, mesmo, é um país do tamanho do Brasil ter uma diplomacia subordinada aos interesses chinfrins da aliança entre o petismo, o kirchnerismo e o bolivarianismo

O presidente da Comissão Europeia foi até generoso. Teria sido menos gentil se tivesse ido mais fundo na avaliação do impasse. Absurdo, mesmo, é um país do tamanho do Brasil ter uma diplomacia subordinada aos interesses chinfrins da aliança entre o petismo, o kirchnerismo e o bolivarianismo.

Comandado por essa aliança, o Mercosul deu prioridade aos chamados acordos Sul-Sul, em geral com parceiros de pouca importância comercial. A aproximação com a Palestina é um marco notável dessa política. O livre-comércio regional com participação dos Estados Unidos foi recusado pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Néstor Kirchner. Nos anos seguintes, outros governos sul-americanos negociaram com Washington, sem o Mercosul, pactos comerciais. Nem sequer com o México, uma das economias mais importantes do hemisfério, foram tentadas negociações ambiciosas. Não se foi além de um limitado pacto de complementação.

Com a recente formação da Aliança do Pacífico (Chile, Peru, Colômbia e México), foi evidenciada mais uma vez a estagnação diplomática do Mercosul. Os dois blocos poderiam, talvez, promover uma integração. Mas só se os países do Mercosul se tornarem mais abertos, disse em janeiro o presidente do México, Enrique Peña Nieto. Quanto à negociação com a União Europeia, iniciada nos anos 1990, continua emperrada e sem perspectiva de avanço neste ano. O Mercosul permanece incapaz, principalmente por causa da resistência argentina, de apresentar suas ofertas para avaliação e discussão.

Enquanto isso, europeus e americanos negociam o pacto transatlântico e tentam novos entendimentos com outros parceiros. Asiáticos buscam aproximação com todo o mundo. A União Europeia se amplia e países da vizinhança desfrutam comércio favorecido com o bloco. A nova trama de concessões bilaterais e inter-regionais cresce e torna-se mais complexa, enquanto os líderes da Organização Mundial do Comércio (OMC) tentam reanimar e revalorizar a Rodada Doha.

Nesse quadro, a posição do Brasil e de seus parceiros do Mercosul se torna cada vez mais desvantajosa. A diplomacia comercial brasileira escolheu como prioridades, há mais de dez anos, a Rodada Doha, multilateral, e a aproximação com países emergentes e em desenvolvimento. O baile promovido pela OMC, a grande rodada multilateral, continua quase paralisado. Sem ingresso para os outros bailes – as dezenas de acordos parciais -, o Brasil tem de continuar no sereno, espiando as festas de fora.

Muitos empresários brasileiros aceitam sem aparente dificuldade a diplomacia comercial anã. Mostram-se mais interessados no protecionismo, parte importante dessa política, do que em conquistar mercados. Outra parte do empresariado reclama oportunidades comerciais mais amplas.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) cobrou do governo mais de uma vez, nos últimos dois anos, empenho maior na busca de acordos bilaterais e inter-regionais. Será impossível atender a essa demanda sem chacoalhar o Mercosul. No limite, restará trocar o status de união aduaneira pela condição, menos ambiciosa e menos limitadora, de zona de livre-comércio. Antes disso, falta o governo abandonar as fantasias terceiro-mundistas e semibolivarianas e redescobrir a noção de interesse nacional.

Fonte: O Estado de São Paulo, 26/7/2014

SOBRE ROLF KUNTZ

Rolf Kuntz
Rolf Kuntz é professor titular de Filosofia Política na Universidade de São Paulo (USP) e colunista de economia do jornal “O Estado de S. Paulo”. É autor dos livros "François Quesnay: economia" (Atica, 1984), da coleção Grandes Cientistas Sociais, e "Qual o futuro dos direitos? Estado, mercado e justiça na reestruturação capitalista" (Max Limonad, 2002). Kuntz é mestre e doutor em Filosofia pela USP. Tem interesse especial pela obra de David Hume, Jean-Jacques Rousseau, John Locke e Adam Smith.

A hecatombe da industria no Brasil dos companheiros - Zeina Latif

Poucos setores sofreram tanto sob o estatismo indecente e idiota dos companheiros quanto o setor industrial, em processo acelerado de retrocesso estrutural (e não apenas conjuntural) devido a todos esses fatores assinalados no artigo desta economista.
Vai ser difícil recuperar sua competitividade devido à selva de regulamentos idiotas implementados pelo aprendizes de feiticeiro do partido totalitário, aliados a uma máfia sindical e a uma burocracia fascista já de si presentes no cenário.
Vai ser preciso criar um DEPARTAMENTO ESPECIAL DE REMOÇÃO DO ENTULHO PETISTA.
Paulo Roberto de Almeida 

A indústria pede socorro

Não seria exagero afirmar que a indústria é o setor que mais sofre hoje com o elevado custo-Brasil. E pode ser também o mais sensível a erros de política econômica. O desempenho preocupante da produção industrial nos últimos anos dá uma dimensão da urgente necessidade de ajustar a agenda econômica do país, sob pena de resultar em seu rápido encolhimento.

O setor industrial parece mais vulnerável do que os demais em dois pontos principais: a carga tributária e o impacto da deficiente infraestrutura. O ambiente legal e regulatório tampouco ajuda, trazendo também insegurança jurídica ao setor.

A carga tributária na indústria de transformação equivalia a 44% do PIB do setor em 2008, segundo a FGV. Enquanto isso, o peso para a agropecuária era de 16%; para construção, 22%; e para serviços e comércio, 24%. Este quadro pode estar associado à cumulatividade da estrutura tributária, que penaliza cadeias produtivas mais longas. Aliado a isso há a enorme complexidade do sistema tributário, que implica custos para o cumprimento das regras, retirando eficiência do setor.

A infraestrutura falha também penaliza mais a indústria. Segundo o IBGE, os coeficientes técnicos da matriz insumo-produto indicam a maior dependência da indústria em infraestrutura de transporte e armazenagem em relação aos demais setores. Ainda que, por exemplo, a agropecuária sofra bastante com a baixa qualidade e elevado custo da logística, os dados mostram que o problema impacta mais a indústria.

Outro exemplo é energia elétrica, item que coloca o Brasil no grupo dos países com tarifa mais elevada. Mais uma vez, é a indústria o setor mais penalizado pela maior dependência neste insumo.

O efeito final é a perda de eficiência e de produtividade das empresas e do país

Somam-se a isso as regulações ambientais e trabalhistas e normas de segurança no trabalho. Não faltam exemplos de distorções causadas pela regulação falha. Por exemplo, no caso da NR-12, que estabelece normas de segurança de máquinas e equipamentos, a legislação, que é retroativa, é mais dura do que o observado na experiência internacional. O cumprimento da norma pelas empresas envolve custos elevados, sendo às vezes proibitivos, já que o parque industrial brasileiro está defasado. Também não faltam exemplos de exagero na legislação trabalhista, com excessiva intervenção do estado nas relações de trabalho.

Apesar de bem intencionado, o governo acabou criando um emaranhado de regras e regulações que tornam o dia-a-dia do empresário, particularmente da indústria, muito difícil. Adicionalmente, a indústria sofre com a insegurança jurídica, em todas as esperas de governo, incluindo impostos a cumprir e o próprio cumprimento da legislação.

O efeito final é a perda de eficiência e de produtividade das empresas e do país. A literatura empírica é rica em evidências da importância, não apenas da infraestrutura, mas também do ambiente legal e regulatório para definir diferentes ganhos de produtividade entre países, entre indústrias em um mesmo país ou mesmo entre firmas.

Todos estes fatores – carga tributária, infraestrutura, ambiente legal e regulatório – afetam a produtividade do setor, com repercussões também no investimento e na gestão das empresas. O ambiente desafiador acaba muitas vezes desviando o foco da empresa de seu próprio negócio. Ficam prejudicados o investimento em TI e P&D, bem como o aperfeiçoamento de práticas de gestão. São fatores que agravam o problema, reduzindo adicionalmente os ganhos de produtividade da economia, conforme também indicado na literatura empírica.

A reação do governo às dificuldades da indústria não tem sido frutífera. Apostou-se na proteção do setor e na adoção de políticas setoriais. Ou seja, em vez de corrigir as distorções, criam-se outras. Barreiras tarifárias e não-tarifárias ao comércio, política de conteúdo nacional, isenções tributárias a produtos, crédito subsidiado a empresas desestimulam a inovação e a busca de eficiência. Políticas setoriais muitas vezes acabam protegendo o produtor menos eficiente e punindo aqueles que não obtiveram benefícios e proteção. O resultado para a economia como um todo pode ser perverso. Jogo de soma negativa.

O retrato da indústria é alarmante. E a resposta à crise global de 2008 foi um divisor de águas, causando a partir de 2010 um grande desvio entre a produção doméstica, estagnada, e a crescente produção mundial. Ficamos para trás. Por um lado, os excessos de estímulo à demanda se traduziram em encarecimento da mão-de-obra. Por outro, a fraca agenda de reformas estruturais e os equívocos da política setorial implantada afetaram os ganhos de produtividade. Com ganhos salariais superando ganhos de produtividade, a indústria sucumbiu. Ironicamente, a intenção do governo era estimular a indústria.

As margens de lucro do setor sofrem, pois, diferente do setor de serviços, que consegue repassar a pressão de custos para os preços finais, a indústria não tem a mesma flexibilidade pela potencial concorrência com o produto importado. A indústria sofre nas duas pontas.

Como resgatar o setor? Para começar, diagnósticos corretos e medidas horizontais. As distorções são tantas, que mesmo pequenos ajustes podem fazer muita diferença. Para avançar, precisamos dar alguns passos para trás, desmontando a confusão criada.

SOBRE

Zeina Latif
Zeina Latif é doutora em economia pela Universidade de São Paulo (USP) e economista-chefe da XP Investimentos. Trabalhou no Royal Bank of Scotland (RBS), ING, ABN-Amro Real e HSBC. Atua como consultora, sendo sócia da Gibraltar Consulting. Escreve colunas semanais para o Broadcast da Agência Estado.

Primeira Guerra: os generais estao sempre lutando a guerra anterior - Adam Hochschild

Photo
CreditRoss MacDonald
Continue reading the main storyShare This Page

TURNER, Me. — ONE hundred years ago today, Austro-Hungarian artillery and gunboats on the Danube began shelling Serbia — the first shots of the great cataclysm that over the next four and a half years would remake our world for the worse, in every conceivable way. We think of the First World War as having its causes in Europe, where the greatest bloodshed and destruction would take place. But several of the illusions that propelled the major powers so swiftly into war had their roots in far corners of the world.

The biggest illusion, of course, was that victory would be quick and easy. “You will be home,” Kaiser Wilhelm II of Germany told his troops, “before the leaves have fallen from the trees.” The German campaign plan called for knocking France out of the war in 42 days. The Allies were not quite so arrogant, but were confident of triumph in months, not years.

A second illusion of those who marched proudly into battle in 1914 was that they would be shooting at the enemy, but that he would not be shooting back, or at least not effectively. How else to explain that most soldiers on both sides had no metal helmets? And that millions of French infantrymen, as well as the Austro-Hungarian cavalry, wore combat uniforms of brilliant red and blue? As the war began, troops from both sides advanced over open ground en masse, as if they were not facing repeating rifles and machine guns: bayonet charges by the French, and ranks of young Germans walking, arms linked, toward astonished British soldiers. The British would make plenty of similar suicidal advances of their own in the years ahead.

Where were these illusions born? They came from the way generals cherry-picked previous wars to learn from. A close look at the siege of Petersburg, Va., in the American Civil War, for instance, would have provided a lesson in trench warfare — and a sense of what it meant to be under fire from an early ancestor of the machine gun, the Gatling gun. A similar foretaste of both trench warfare and the power of the machine gun could be had by studying the siege of Port Arthur (now Dalian, China) in the Russo-Japanese War of 1904-5.

But the men who led Europe into the First World War found it more comforting to look elsewhere — at battles where victory was swift and the enemy had little firepower. In 1914 Europe had not had a major war in more than 40 years and, except for the Russians, almost all officers who had actually seen combat had done so in lopsided colonial wars in Africa and Asia.

Erich von Falkenhayn, for example, chief of the German General Staff for the first two years of the war, had been in the international force that suppressed the anti-Western Boxer Rebellion in China in 1900. Another veteran of that campaign — and of military service in Indochina and Algeria — was Robert Nivelle, later the French commander on the Western Front and the leader of a 1917 offensive that left 120,000 French soldiers dead or wounded and sparked a mutiny. Joseph Joffre, Nivelle’s predecessor, had served in Indochina and Madagascar, and had led an expedition across the Sahara to conquer Timbuktu. Most of the British generals had served in the colonies; when war broke out, Britain had more troops on active duty in India alone than in the British Isles.

Colonial wars seldom lasted long because the German, French and British Armies had modern rifles, machine guns and small mobile artillery pieces, as well as steamboats and railroads that could move men and weapons as needed. The Africans and Asians usually had none of these things.

In 1898, for example, a whole panoply of British officers (includingWinston Churchill) who would later fight in Europe were on hand for a battle at Omdurman, in Sudan. The 50,000 Sudanese they faced were armed only with spears, swords and antiquated rifles. In a few hours, the six Maxim machine guns of the far smaller Anglo-Egyptian force fired half a million bullets, leaving nearly 11,000 Sudanese dead and some 16,000 wounded, many fatally. The battle determined the outcome of a war in less than a day.

The miraculous new gun “is a weapon,” wrote the Army and Navy Journal, “which is specially adapted to terrify a barbarous or semi-civilised foe.” The Europeans were so enraptured by the power the machine gun gave them over colonial rebels that they never bothered to plan seriously for facing the weapon themselves.

Yet another illusion on both sides in 1914 was that a key force would be the cavalry. After all, hadn’t cavalry service been a path to military glory for more than 2,000 years? At the Cavalry Club on London’s Piccadilly Circus and its counterparts in Paris, Berlin, St. Petersburg and Vienna, officers eagerly anticipated more of the same. The initial German invasions of France and Belgium, for example, included eight cavalry divisions with more than 40,000 horses — the largest such body ever sent into battle in Western Europe. Tens of thousands of the unfortunate animals were laboriously shipped to the front over great distances: to the Middle East from New Zealand, to Belgium from Canada, to France from India.

Faith in the cavalry also sprang from colonial wars. British horsemen made a charge at Omdurman and did so far more spectacularly a year and a half later in another colonial conflict, the Boer War. Masked by an immense cloud of dust kicked up by thousands of galloping horses, the British successfully charged, almost unscathed, through Boer forces besieging the town of Kimberley, in present-day South Africa. “An epoch in the history of cavalry,” declared the London Times history of that war. “A staggering success,” read a German General Staff report on the battle.

The commander and the chief of staff of the cavalry involved — then close friends, later bitter rivals — were John French and Douglas Haig. A decade and a half later, the two would be successive British commanders on the Western Front. Although Haig obviously learned some lessons about industrialized warfare from the carnage in France and Belgium, he was, like so many generals, loath to let go of his colonial-era illusions. To the very end, he kept three British cavalry divisions ready, and even eight years after the war was still lobbying to maintain the cavalry, writing that “aeroplanes and tanks” were “only accessories to the man and the horse.”

None of the many military observers in the Boer War seemed to notice that one simple defensive measure could have stopped the great charge at Kimberley dead: barbed wire. On the Western Front in 1914, that, along with the machine gun, would spell doom for the cavalry and for the other illusions as well.