O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Livros, livros, autores, escritores: Bienal do livro de Sao Paulo

Uma parte da programação: 


 Bienal do Livro de São Paulo 
De 22 a 31 de agosto acontece a 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.
 Algumas dicas na programação : 

Sexta-feira, 22 de agosto:  
17h - "Cozinhando com Palavras - Pão Nosso", com Luiz Américo de Camargo (N500, Alameda N - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes no local) 
 Sábado, 23 de agosto: 
16h - "Criação ilustrada", com Renata Bueno (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
16h - Lançamento do livro O pirata e o farmacêutico, de Henning Wagenbreth (no Estande do Goethe-Institut São Paulo) 
16h - "Ilustração Brasileira", com Fernando Vilela, Roger Mello, Odilon Moraes e Renato Moriconi (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
18h - Bate-papo com Kiera Cass (Arena Cultural - H201 - para o bate-papo * Não é necessário pegar senha. Sujeito à lotação do local. 
19h30 - Sessão de autógrafos com Kiera Cass (Arena Cultural - H201- * É necessário pegar senha para participar da sessão de autógrafos. 500 senhas serão distribuídas no mesmo dia, a partir das 10h, no Espaço de Autógrafos (J200). A senha é pessoal, individual e intransferível. A senha dará acesso à área reservada para autógrafos na Arena Cultural após o bate-papo. Cada portador de senha terá direito a autografar 2 (dois) livros da série A Seleção (edição nacional). Por questão de tempo, fotos só serão permitidas com o fotógrafo oficial do evento. Câmeras pessoais e selfies não serão permitidas. As fotos oficiais serão postadas no Facebook da Editora Seguinte até 3 dias após a data do evento.
Domingo, dia 24 de agosto:
14h - "Narrativas de assalto: o universal no novo gênero policial", com Pablo De Santis, Raphael Montes e Joca Reiners Terron (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
15h30 - Sessão de autógrafos de Dias perfeitos, com Raphael Montes (Estande da Companhia das Letras) 
16h - "Quase romance, quase memória", com Carlos Heitor Cony, e Ruy Castro (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
17h - "Cozinhando com palavras" e sessão de autógrafos de Pitadas da Rita, com Rita Lobo (N500, Alameda N - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes no local) 
20h - "O lugar da crítica literária", com Hans Ulrich Gumbrecht e Silviano Santiago e Rogério Pereira (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
20h - Sarau "70 anos de Paulo Leminski", com os atores Elias Andreato, Ana Lucia Torre, Ana Cecília Costa e Leonardo Miggiorin (L700, Alameda L - Retirar senhas 30 minutos antes no local) 
Segunda-feira, 25 de agosto 
14h - "São Paulo Metrópole Musa", com Maria José Silveira, Cristiano Mascaro, Carlos Augusto Calil e Cunha Júnior (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salã ;o de Ideias) 
17h - "Fala sério! #SQN - Games e Literatura", com Flávia Gasi, David de Oliveira Ramos e Daniel Pelizzari (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
18h - "Ficção e memória na encruzilhada do tempo", com Mary Del Priore, Alberto Mussa, Cao Hamburguer e Cassiano Elek Machado (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 

Terça-feira, 26 de agosto:
14h - "Ateliê Bolonha", com Renato Moriconi (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
14h - "O papel do escritor brasileiro hoje: ouvi-los ou vê-los?", com Patrícia Melo, Cristovão Tezza, Noemi Jaffe e Raquel Cozer (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
16h - "Ironia fundamental", com Antonio Prata, Gregorio Duvivier, Xico Sá e Ubiratan Brasil (Salão de ideia s - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
17h30 - Sessão de autógrafos com Antonio Prata, Gregorio Duvivier e Xico Sá (Estande da Companhia das Letras) 
16h - "Biografias e Biografados", com Paulo Cesar de Araújo (Arena Cultural by Correios) 
17h30 - Sessão de autógrafos com Paulo Cesar de Araújo (Estande da Companhia das Letras) 
18h - "O absoluto da poesia", com Elisa Lucinda, Carlos Nejar e Angélica Freitas (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
19h - "Quem faz conta", com Andrea del Fuego, Índigo e Júlian Fuks (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
20h - "Tertúlia Latino América", com Elsa Osorio, Socorro Acioli e Joca Reiners Terron (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
 Quarta-feira, 27 de agosto:
14h - "Criação ilustrada", com Renata Bueno (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
16h - "Homero, e James Joyce por seus tradutores", com Caetano Galindo, Trajano Vieira, Berthold Zilly e Felipe Lindoso (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
17h - "Quem faz conta", com Daniel Munduruku (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
18h - "Exílio, deslocamento e linguagem na literatura", com Paloma Vidal, Sérgio Sant’Anna, Luciana Hidalgo e Josélia Aguiar(mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
20h - "Relatos do oriente", com Milton Hatoum, Elias Khoury, Safa A-C Jubran e Diogo Bercito (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
 Quinta-feira, 28 de agosto:
14h - "Primeiras leituras para todas as idades", com Ziraldo, Eva Funari e Pedro Bandeira (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
16h - "Território Língua Portuguesa", com Adbulai Sila, Inês Pedrosa, Luiz Ruffato e Susana Ventura (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos an tes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
17h30 - Sessão de autógrafos com Luiz Ruffato (Estande da Companhia das Letras) 
18h - "Violência como herança no Brasil contemporâneo", com Vladimir Safatle, Jaime Ginzburg, Luiz Eduardo Soares, Paulo Markun (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
20h - "A copa fora de campo", com Andrew Jennings, Antônio Lassance, Juca Kfouri e Paulo Vinicius Coelho (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
 Sexta-feira, 29 de agosto:
12h - "Ateliê Bolonha", com Renato Moriconi (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
14h - "Cultura musical: cultura do Brasil", com Zuza Homem de Mello, Chico César, Cacá Machado e Humberto Werneck (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
16h - "O roteiro nos quadrinhos", com David Mairowitz, Marcello Quintanilha, Gabriel Bá e Fábio Moon e André Conti (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
17h - "Quem faz conta", com Ilan Brenman (Espaço Imaginário - retirar senhas 30 minutos antes no local) 
20h - "1964: outras perspectivas", com Almino Affonso, Marcos Napolitano e Marcos Nobre (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
Sábado, 30 de agosto:
13h - "Carta ao Pai", espetáculo Baseado na correspondência que o escritor tcheco Franz Kafka escreveu ao seu pai (Anfiteatro - L700, Alameda L - Retirar senhas 30 minutos antes no local) 
15h - Bate-papo com Sally Gardner (Arena Cultural by Correios) 
18h - "Das páginas para as telas: a adaptação literária para roteiros de cinema e TV", com Marçal Aquino, Maria Adelaide Amaral, George Moura e Cassiano Élek Machado (mediação) (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias) 
20h - "Diálogos sobre a fotografia e outras narrativas", com Sebastião Salgado e José Luiz Peixoto (Salão de ideias - L298, Alameda L - Retire seu ingresso gratuito 30 minutos antes do debate, na bilheteria do Salão de Ideias)
21h às 22h - Sessão de autógrafos com Sebastião Salgado e José Luiz Peixoto no Espaço de autógrafos (J200). É necessário pegar senha para participar da sessão de autógrafos. As senhas serão distribuídas no mesmo dia, a partir das 10h, no estande da Editora Companhia das Letras (D500). A senha é pessoal, individual e intransferível. A senha dará acesso apenas à sessão de autógrafos na Arena Cultural. Cada portador de senha terá direito a autografar 2 (dois) livros, são eles: Da minha terra à Terra (Editora Paralela – Companhia das Letras – D500) e/ou Genesis (Taschen/Paisagem F600). Por questão de tempo, fotos não serão permitidas.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Eleicoes 2014 e o Fim do Brasil: os paradoxos do governo

O pessoal do "Fim do Brasil", consultoria Empiricus, ataca outra vez.
Mas não é para afundar o Brasil, e sim para salvá-lo dos malucos que estão no comando da economia.
Vão conseguir?
Não sei, mas vocês têm mais notícias abaixo.
Paulo Roberto de Almeida

Os 4 paradoxos do Governo Dilma
00:12- Sala cheia
Agradeço a presença de todos em nosso evento, realizado esta manhã em São Paulo. Além da tese sobre O Fim do Brasil, apresentada pelo Felipe Miranda, o expediente contou com um debate econômico construtivo entre Eduardo Giannetti, Mansueto Almeida e Marcos Lisboa.
Faço das palavras de Masueto as minhas: independentemente de quem venha governar, é preciso ao menos ouvir os contrapontos. Um debate econômico aberto só tem a agregar.
Na sequência trago alguns dos pontos mais interessantes do debate. Lembrando que os assinantes da série Fim do Brasil terão acesso à gravação do evento na íntegra.
01:12- Giannetti e os 4 paradoxos do governo
1. O governo estatizante quebrou as duas principais estatais do país
2. O governo com viés nacional desenvolvimentista foi responsável pela maior desindustrialização da história
3. O governo com a bandeira de reduzir os juros vai entregar o país com a Selic maior do que pegou
4. O governo com bandeira de crescimento entregou o menor crescimento do PIB de todo regime republicano (considerando Collor+Itamar como um ciclo de 4 anos)
01:56- Lisboa e as injustiças com o governo
Por sua vez, Marcos Lisboa, além de ressaltar a importância da transparência e da meritocracia nas políticas públicas, citou algumas injustiças cometidas com o governo atual, dentre elas:
+ o argumento de que o governo é refratário com os empresários: segundo Lisboa não é; o governo conversa com os empresários, mas conversa demais, a portas fechadas e concede benefício a alguns (em detrimento ao prejuízo de outros)
+ a crítica ao modelo de crescimento baseado em consumo: para Lisboa o modelo nunca foi baseado em consumo, mas sim em investimento; mas não deu certo.
02:22- Mansueto e o ajuste
Dentre diversos pontos, Mansueto destacou o problema das contas públicas e alguns dos truques utilizados para maquiar (ou, postergar) as discrepâncias. Para ele existe sim espaço para um ajuste firme no balanço do governo. Mas disse não acreditar em expressivos ajustes  fiscais de curto prazo.
Para ler mais sobre o evento:

Eleicoes 2014: mercados sao contra o continuismo

Mercado precifica cenário ‘todos contra o PT’

Apesar de todas as incertezas que cercam o quadro político depois da morte de Eduardo Campos, as ações da Petrobras sobem 4% hoje.<image001.jpg>
O mercado está fazendo o seguinte cálculo:
1. Com Marina Silva candidata, o segundo turno é garantido.
2. Mesmo que o segundo turno seja entre Dilma e Marina, o PSDB muito provavelmente a apoiaria. Os tucanos não nutrem por Marina o horror que ela frequentemente manifesta em relação a eles. Além disso, figuras como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, reconhecendo a fragilidade partidária de um Governo Marina Silva, provavelmente incentivariam o PSDB a ajudá-la no Congresso e com equipe de governo.
3. Na política econômica, a equipe que aconselhava Campos e foi herdada por Marina — Eduardo Giannetti da Fonseca e André Lara Resende — tem total afinidade com o time do PSDB, capitaneado por Armínio Fraga.
4. Na parte de energia e infraestrutura, dá-se a mesma afinidade. O economista Adriano Pires (pelo PSDB) e Alexandre Rands (pelo PSB) têm dito coisas na mesma direção.
Em linha com esta tese, as ações da Eletrobras sobem hoje, mas bem menos. No setor de energia, Marina Silva e o PSDB têm posturas diferentes, particularmente em relação ao tipo de reservatórios nas hidrelétricas. Marina é uma crítica das hidrelétricas na Amazonia e favorável aos reservatórios a fio d’água, que armazenam menos energia.
Por Geraldo Samor

Eleicoes 2014: diretrizes de Aecio Neves para a Politica Externa

Existe um documento de diretrizes do governo Aécio Neves depositado no TSE. Dele retiro apenas a parte de Política Externa, p. 56-57.
Acredito que sejam mais de campanha do que de governo, mas enfim, todo mundo tem o direito de meter a sua colher na política externa, como aliás já fazem os companheiros desde 2002 (isso).
Parece pouca coisa, mas é pouco mesmo. Não poderia ser maior, dada as características do documento, mas poderia ser melhor...
Paulo Roberto de Almeida

VI.II. POLÍTICA EXTERNA
A nova política externa que queremos implantar no Brasil, levando em conta as transformações mundiais e regionais do século XXI, terá por objetivo restabelecer o seu tradicional caráter de política de Estado, visando o interesse nacional, de forma coerente com os valores fundamentais da democracia e dos direitos humanos.

DIRETRIZES:
1. A política externa será conduzida com base nos princípios da moderação e da independência, que sempre nos serviram bem, com vistas à prevalência dos interesses brasileiros e dos objetivos de longo prazo de desenvolvimento nacional.

2. Reavaliação das prioridades estratégicas à luz das transformações do cenário internacional no século XXI. Devem merecer atenção especial a Ásia, em função de seu peso crescente, os EUA e outros países desenvolvidos, pelo acesso à inovação e tecnologia, ao mesmo tempo em que deverá ser ampliada e diversificada a relação com os países em desenvolvimento.

3. Reexame das políticas seguidas no tocante à integração regional para, com a liderança do Brasil, restabelecer a primazia da liberalização comercial e o aprofundamento dos acordos vigentes e para, em relação ao Mercosul, paralisado e sem estratégia, recuperar seus objetivos iniciais e flexibilizar suas regras a fim de poder avançar nas negociações com terceiros países.

4. Definição de nova estratégia de negociações comerciais bilaterais, regionais e globais, para por fim ao isolamento do Brasil, periodizando a abertura de novos mercados e a integração do Brasil às cadeias produtivas globais.

5. Nas organizações internacionais, o Brasil deverá ampliar e dinamizar sua ação diplomática nos temas globais, como mudança de clima, sustentabilidade, energia, democracia, direitos humanos, comércio exterior, assim como novos temas, como terrorismo, guerra cibernética, controle da internet, e nas questões de paz e segurança, inclusive nas discussões sobre a ampliação do Conselho de Segurança.

6. Revalorização do Itamaraty na formulação de nossa política externa, subsidiando as decisões presidenciais. Ao mesmo tempo, serão garantidos o contínuo aprimoramento de seus quadros e a modernização da sua gestão.

domingo, 17 de agosto de 2014

O Brasil para ingles ver - Michael Reid, da Economist, escreve sobre o nosso pais...

...e parece ter entendido muita coisa, embora seu texto tenha os mesmos lugares comuns e as mesmas simplificações que muitos trabalhos da nossa academia ou as análises dos nossos economistas mais sensatos (o que por definição exclui todos os do governo).
Não querendo ser malvado, detectei alguns erros no texto.
Este aqui, por exemplo: 
"A abertura do comércio promovida pelo presidente Fernando Henrique na década de 90 foi radical pelos padrões brasileiros, mas não se comparada a de muitos outros países da América Latina."
ERRADO: A abertura comercial, com redução da tarifas, foi promovida pelo presidente Fernando Collor, contra a posição dos industriais e dos burocratas, aliás até dos diplomatas, que achavam que o Brasil tinha de "negociar no Gatt" uma redução de tarifas que na média era de 44%, e em vários casos ia a mais de 100% (sem falar da proibição absoluta de importar certos itens).
O FHC promoveu foi o fechamento comercial, pois assim que ele tomou posse, começou a proteger automóveis, brinquedos e outras coisas, com tarifas altas e novas proibições, inclusive absurdas cotas tarifárias para automóveis, que infernizaram a vida dos nossos diplomatas na OMC (voltaram a fazer agora a mesma coisa, com outros mecanismos).
O Brasil de FHC seguiu a Argentina, numa absurda taxa estatística de 3% a mais sobre a tarifa normal, e logo começaram os desvios (no nosso caso sempre para cima) em diversas outras linhas tarifárias.
Não, Michael Reid, FHC não promoveu abertura comercial, ao contrário. Ele começou o fechamento outra vez.
Fico por aqui, se não vou obrigar o jornalista a revisar muito o seu livro antes de soltar na praça.
Quaisquer que sejam os seus erros, eles não são nada comparados aos cometidos pelos companheiros, e não só em economia.
 Será que ele falou do totalitarismo dos neobolcheviques?
Acho que não. Esses ingleses acham que todo mundo é democrata, como eles...
Bando de ingênuos...
Paulo Roberto de Almeida 
O Brasil entre o arcaico e o moderno
Trecho de" Brasil: A Ascensão Turbulenta de uma Potência Global", livro do jornalista Michael Reid, da revista inglesa The Economist, sobre os maiores desafios da economia brasileira, com publicação prevista para setembro.

Embora as autoridades brasileiras, inclusive, a própria presidente Dilma Rousseff, falem muito na necessidade de aumentar os investimentos do setor privado e estimular a produtividade e a competitividade, elas acreditam que esses fatores podem e devem ser induzidos pelo governo. "A presidente acredita piamente que todo problema tem uma solução governamental", comenta o economista José Roberto Mendonça de Barros. Em 2011, quando a valorização do real estava no auge, Dilma anunciou um pacote de medidas destinadas a ajudar a indústria, batizado de Brasil Maior. Algumas medidas eram razoáveis, tais como incentivos para que universidades e empresas colaborassem na área de pesquisa. O Ciência sem Fronteiras, programa de Dilma para que brasileiros estudem no exterior, também fazia sentido. O plano, no entanto, incluía duas medidas polêmicas. A primeira era o aumento em 30 pontos percentuais do imposto sobre carros importados de montadoras com uma fábrica no Brasil. A segunda era a eliminação de imposto sobre os salários dos setores de vestuário, calçados, móveis e software. Em lugar de premiar os vencedores, objetivo de qualquer política industrial, parecia um pacote de socorro para fracassados (embora o corte de impostos sobre a folha de pagamentos tenha sido depois estendido para outros setores).

UMA CÓPIA MALFEITA
Os críticos acusam o governo de pegar a onda do capitalismo de Estado — que, segundo Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso, nunca chegou a desaparecer por completo no Brasil. "E um modelo que enfatiza a concessão de benefícios a determinadas empresas, em vez de deixar o mercado funcionar. É um modelo ruim que, associado ao protecionismo, fica ainda pior", entende ele. Para o professor Sergio Lazzarini, da escola de negócios Insper, em São Paulo, o governo começou a usar estatais para regular os mercados de petróleo, eletricidade e bancos, fazendo com que essas empresas passassem a registrar prejuízos. Todas essas medidas contrastam com a bem-sucedida política industrial sul--coreana, evocada por Luciano Couti-nho, presidente do BNDES, e outras autoridades brasileiras. A política sul--coreana tinha como principal meta impulsionar as exportações a fim de obrigar as empresas a competir no exterior. E, passado um período limitado de tempo, o governo asiático foi implacável no corte de subsídios.
A abertura do comércio promovida pelo presidente Fernando Henrique na década de 90 foi radical pelos padrões brasileiros, mas não se comparada a de muitos outros países da América Latina. Mesmo após a queda das barreiras, a economia brasileira permaneceu relativamente fechada. As tarifas médias continuaram superiores às de Coreia do Sul, China e Taiwan, por exemplo, e ainda foram elevadas depois de 2008. O custo de importação de um contêiner para o Brasil é excepcionalmente alto. Contratos públicos e muitos setores têm regras de conteúdo nacional. Em 2012, as importações corresponderam a apenas 13% do PIB, o valor mais baixo entre os 176 países acompanhados por um estudo do Banco Mundial. A Coreia do Sul, a potência industrial e tecnológica admirada pela equipe econômica de Dilma, é muito mais aberta, com exportações e importações equivalentes a 58% e 54% do PIB, respectivamente. O pendor protecionista é arraigado entre as autoridades brasileiras. Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, destaca as falhas nessa abordagem: "E patético você olhar tanta reclamação contra importação. Temos algo muito peculiar no Brasil, que é essa enorme abertura para investimento estrangeiro da qual não resulta em exportação. Fico abismado quando vejo nossa presidente dizer "vamos proteger nosso mercado". E quem está explorando nosso mercado são as multinacionais, que têm aqui lucros extraordinários".
O Brasil tem mesmo alergia ao liberalismo. Roberto Campos, um dos mais importantes economistas liberais do país, morto em 2001, escreveu que "assumir explicitamente o liberalismo é tão alienígena em um país com cultura dirigista quanto fazer sexo em público". (Ele mesmo começou sua carreira na vida pública como funcionário do governo dirigista de Juscelino Kubitschek.) Há razões para isso — e é por causa delas que o Brasil é diferente dos Estados Unidos, com os quais tantas vezes gosta de se comparar. Dos tempos coloniais à ditadura, a manutenção da coesão de um vasto território de geografia difícil — onde o estabelecimento de comunicações e as condições para a vida humana abundante e saudável apresentavam enormes dificuldades — foi uma preocupação permanente dos governantes. Por isso, no Brasil, foi o Estado que criou a nação, e não a nação que criou o governo, como nos Estados Unidos. Do mesmo modo, diferentemente da América espanhola, os governantes brasileiros sempre tiveram consciência da necessidade de consultar os notáveis locais, a fim de conservar a unidade nacional e evitar a secessão.
A escravidão — e o temor da revolta dos escravos — foi outra causa da necessidade de uma frente unida, além de distorcer as prioridades do Estado de tal maneira que retardou por séculos o desenvolvimento do país, condenando--o ao status de eterno país do futuro. A conseqüência trágica de uma sociedade de senhores e escravos foi que o Estado, quando começou a desenvolver a economia, não tratou de investir na educação, saúde e segurança da grande massa de brasileiros mais pobres. Foi somente a partir de 1988 que o país decidiu se propor uma sociedade em que o Estado de Direito fosse aplicado igualmente a todos.
ESTADOS UNIDOS DO SUL?
Não se trata de uma defesa da tese de que o Brasil tem de imitar os Estados Unidos. Nos tempos de Tiradentes, em Minas Gerais, se ansiava por uma república jeffersoniana. Desde então, os brasileiros comparam seu país com seu alter ego do Norte. Muitos lamentam, como o escritor brasileiro Viana Moog, morto em 1988, que o Brasil tenha produzido bandeirantes extra-tivistas em vez de trabalhadores pioneiros. O Brasil, porém, não pode mudar sua história ou, pelo menos no curto prazo, sua cultura. Na verdade, o economista e filósofo Eduardo Giannetti da Fonseca, um dos raros liberais do país, entende que, se o Brasil não se tornou como os Estados Unidos, "foi essencialmente por não querer" — por não se dispor a sacrificar a alegria e sua abordagem tranqüila da vida em prol da acumulação de capital e da prosperidade futura. Ele propõe que o Brasil ofereça ao mundo um conjunto diferente e menos materialista de valores do que o estilo de vida americano, como mostra o recente compromisso do país com o ambientalismo.
Sem dúvida, a conversão nas duas últimas décadas para políticas mais preocupadas com a proteção do meio ambiente marca o fim de uma longa marcha, de mais de quatro séculos, para ocupar o vasto território brasileiro, iniciada com jesuítas e bandeirantes. A agricultura do país já confia mais no aumento da produtividade do que na incorporação de novas terras. Ainda há, entretanto, muitos pobres. O país não poderá renunciar, por um bom tempo, à busca do crescimento econômico.
Também vale ressaltar que a crítica ao renascimento do nacional-desenvolvimentismo não constitui um argumento em prol de um Estado mínimo "neoliberal" (ou seja, neoconservador). O Brasil não é Singapura. É um país grande demais, com demasiadas desigualdades sociais e regionais, para que essa opção seja viável (ainda que os brasileiros tenham muito a aprender com a determinação daquele país com a inovação, a abertura e a seguridade social). Pelo contrário, trata-se de uma convocação para que o Brasil retome o consenso social-democrata que tanto êxito obteve de 1994 a 2006, com sua combinação de economia amplamente liberal com maior ênfase na política social e na redução das desigualdades. Se o Brasil não abandonar seu recente flerte com o renascimento do Estado corporativo e não voltar a se empenhar na criação de uma regulamentação eficaz, não conseguirá atender às demandas de seus cidadãos — detentores de um poder cada vez maior — por mais oportunidades, melhores serviços e maior qualidade de vida. E uma pena, embora talvez fosse inevitável, que o debate no seio do movimento de oposição que se alastrou por São Paulo no fim da década de 70 tenha levado à fundação de dois partidos rivais — o PT e o PSDB. De maneiras diferentes, ambos constituíram forças modernizadoras, mas tornaram-se polos opostos na política, cada qual obrigado a aliar-se às forças arcaicas do peemede-bismo e seus congêneres. Como observou o economista Mario Henrique Simonsen em 1987, "o grande debate nacional não é entre esquerda e direita, mas entre o moderno e o arcaico". Ainda é verdade. A eleição de outubro poderá produzir uma mudança de rumo. Quer isso ocorra ou não, o povo, que pouco a pouco adquire mais educação e, sob certos aspectos, torna-se mais empreendedor, poderá interferir na condução das políticas públicas.

Em três ocasiões nos últimos 25 anos, os brasileiros foram em grande número às ruas, em protestos pacíficos contra o status quo. Embora não tenham conseguido as eleições diretas para presidente que demandaram em 1984, a democracia veio rápido. Em 1992, provocaram a deposição do presidente Fernando Collor, ainda que não a sua punição, por seu desprezo pelo Estado de Direito. Será que vão obter a melhoria dos serviços públicos e a maior responsabilização política que exigiram em 2013? Deve ser essa a pauta do debate político no país nos anos que antecederão o bicentenário da Independência, em 2022. Quase pela primeira vez em sua história, os brasileiros agora querem refazer seu país de baixo para cima, como um país de cidadãos iguais, não de privilégios patrimoniais. Isso colocou o Estado corporativo na defensiva, e dá motivos para esperar que as conquistas das duas últimas décadas serão construídas e ampliadas em uma nova fase da história brasileira."

Mundorama encontra Paulo Roberto de Almeida (ou vice versa)

Não tinha reparado, só agora, mas no fundo, no fim, ao término, in fine da postagem da resenha do meu livro por uma mestranda do Irel-UnB, havia linkagem para materiais antigos publicados em Mundorama, e que levam ao meu nome.
(Mas só isso? Ando escrevendo pouco..., ou o pessoal está distraído.)
Aqui vão eles:

Cade o tripe economico que estava aqui? O gato (companheiro) comeu... - Roberto Ellery

O economista Roberto Ellery, sempre muito direto, "to the point", como diriam os companheiros estadunidenses, comete aqui o pecado de dizer que os companheiros afundaram com o tripé econômico, e não têm mais nada para colocar no lugar.
Concordo plenamente.
Posto aqui seu pequeno artigo, e depois acrescento meus comentários que coloquei no blog dele.
Paulo Roberto de Almeida

 Elegia para um Tripé

Blog do Roberto Ellery, domingo 17 de agosto de 2014

Apesar dos esforços na direção de uma teoria unificadora a abordagem padrão de macroeconomia nos força a pensar em termos de curto prazo e longo prazo. O desafio de longo prazo é fazer com que renda per capita do país aumente, mais recentemente a distribuição de renda e a redução da pobreza se juntaram ao desafio do longo prazo. No curto prazo o desafio é manter o nível e emprego sem criar desequilíbrios que venham a gerar problemas nas contas públicas e/ou na inflação. Boa parte do meu interesse enquanto economista está na macroeconomia de longo prazo, mas é inevitável abordar temas relativos ao curto prazo. Até porque as dinâmicas de curto e longo prazo não são apartadas, se na ânsia de evitar o desemprego um governo coloca a economia em uma trajetória de inflação e descontrole fiscal é quase certo que isto levará a problemas no longo prazo. A experiência brasileira a partir de meados da década de 1970 e a crise da década de 1980 ilustram bem como medidas ruins de curto prazo podem comprometer o longo prazo.
No que tange ao longo prazo o Brasil conseguiu reduzir a desigualdade e a pobreza, ainda não encontramos o caminho para o crescimento sustentado no longo prazo. Mas no momento é o curto prazo que me preocupa. Durante aproximadamente dez anos parecia que tínhamos encontrado a receita de como administrar o curto prazo de forma que pudéssemos voltar às atenções para o longo prazo. Porém em 2011 a presidente Dilma resolveu trocar a receita que vinha dando certo. Os objetivos anunciados para justificar a troca de receita não foram alcançados. A promessa que a troca de receita aumentaria a taxa de investimento e aumentaria a participação da indústria no PIB não foi cumprida, pelo contrário, tanto a taxa de investimento quanto a participação da indústria no PIB estão menor do que estavam em 2010. Como desgraça pouca é bobagem a inflação está maior, o governo está gastando mais com serviço da dívida pública, o saldo negativo em transações correntes está crescendo perigosamente e a taxa de desemprego está se sustentando pela saída de pessoas da força de trabalho e não pela geração de empregos. Como tanta coisa pode ter dado errado?
Para responder é preciso falar mais a respeito da antiga receita, conhecida como tripé macroeconômico. A estabilização da economia em 1994 encerou um longo período de hiperinflação, mas deixou um problema nas mãos do governo: como financiar os gastos públicos. A Constituição de 1988 criou uma série de novas responsabilidades para o governo e era necessário financiar essas responsabilidades sem recorrer ao financiamento inflacionário. Como o aumento da carga tributária não foi suficiente para financiar os novos gastos a saída foi recorrer ao endividamento. O problema é que dívida tem custo e para financiar este custo é preciso se endividar ainda mais. Tudo ficou ainda mais complicado porque o Plano Real previa que o câmbio ficasse preso em um determinado intervalo, era o chamado regime de bandas cambiais, e o governo começou a ter de elevar juros para atrair capital do resto do mundo e assim não permitir que o câmbio saísse do intervalo proposto. A combinação foi explosiva, em 1999 o serviço da divida pública chegou a 10,4% do PIB.
Era preciso encontrar uma maneira de desatrelar o real do dólar de forma que a taxa de juros não mais fosse determinada para manter uma dada taxa de câmbio, o risco era que sem o dólar segurando o real a inflação voltasse. A saída foi o que chamamos de tripé macroeconômico. A primeira perna do tripé era a taxa de câmbio flutuante, com isso o BC não mais precisaria elevar os juros toda vez que houvesse uma pressão para desvalorizar o real. A segunda perna do tripé consistia na exigência de uma disciplina fiscal capaz de reduzir o custo com os serviços da dívida, o meio encontrado foram os famosos superávits primários. Mas e a inflação? Resolver o problema do custo da dívida e do câmbio permitindo o descontrole da inflação levaria o Brasil de volta a 1993 e tornaria inútil todos os sacrifícios de 1994 a 1998. A saída foi a terceira perna do tripé, a parte mais complexa da receita. O Banco Central, presidido por Armínio Fraga, adotou a política de metas para inflação. Tal política decorria de avanços recentes na macroeconomia e não tinha sido muito testadas em outros países. Como era muito importante manter a confiança no real para evitar a volta inflação adotamos uma versão bem estrita do regime de metas: a única meta do BC era a de inflação, ou seja, o BC não estaria “preocupado” com emprego ou com crescimento e o período de convergência para meta foi fixado como 12 meses.
A figura abaixo ilustra a história que contei e como o tripé mudou os rumos da economia. De 10,4% do PIB em 1999, ano que o tripé foi adotado, o serviço da dívida caiu para 2,2% do PIB em 2010, último ano do tripé. Em março de 2014, quatro após o abandono do tripé, o serviço da dívida já tinha subido para 3,4% do PIB. A história pode ser contada por outras variáveis, o leitor do blog já viu a história sendo contada por meio dos descompassos entre oferta e demanda (link aqui) e várias vezes por meio da inflação. Voltemos então à pergunta: como tanto coisa pode ter dado errado? A resposta é simples: tanta coisa deu errado por termos destruído tudo que impedia tantas coisas de dar errado.
Primeiro veio o abandono da segunda perna, a dos superávits primários grandes o suficiente para estabilizar a dívida pública. Esta perna foi abandonada já em 2008 por conta da crise financeira. Se é ou não é adequado usar política fiscal para reduzir os efeitos de uma crise é uma questão que divide macroeconomistas e que não vou explorar aqui, porém insistir na política fiscal mesmo após a estabilização do emprego é uma estratégia que poucos macroeconomistas recomendaria, estou sendo generoso. Depois caiu a primeira perna, o regime de câmbio flutuante. O governo Dilma comprou a tese que o câmbio deve ser o que equilibra a indústria, mais uma invenção de economistas que (quase) ninguém consegue sequer calcular, e iniciou uma política de desvalorização do real. Quando a inflação começou a incomodar o governo tentou reverter a política e agora o BC está gastando dinheiro do contribuinte para impedir que o câmbio desvalorize ainda mais. A verdade é que o câmbio foi de R$ 1,60 para R$ 2,40 sem entregar nada do que havia sido prometido em caso de desvalorização cambial. O governo Dilma também abandonou o regime de metas de inflação, pelo menos o regime tal como estabelecido no Brasil. Mas a inflação não ficou dentro da meta em todo o governo Dilma? Sim. Mas esta não é a questão. O regime de metas é um compromisso entre a sociedade e o BC que determina que este último fará tudo que está a seu alcance para que a inflação fique no centro da meta, no Brasil o valor é de 4,5%. Se a inflação fica dentro do intervalo das metas porque o governo está intervindo diretamente nos preços, porque a providência assim desejou ou por qualquer outra razão que não esteja relacionada à ação do BC então não estamos em um regime de metas. Por exemplo, a inflação nos EUA flutuou em torno de 3% ao ano desde meados da década de 1980, mas o FED não trabalha com um regime de metas explícitas no estilo de nosso BC. Claro está que o regime de metas não é a única, talvez nem mesmo a melhor, forma de manter a inflação sobre controle, é legitimo o BC abandonar o regime, o que não é legitimo é não avisar que abandonou.

Ao tirar as duas pernas restantes do tripé a política econômica do governo Dilma permitiu a queda da estabilidade de curto prazo que o tripé segurava. A Nova Matriz Macroeconômica, que é tão nova quanto assistir Kojak ou ouvir Black Sabath, ao não providenciar nada que pudesse sustentar a estabilidade conquistada nos anos 1990 levou a política econômica de Dilma a um labirinto. O resultado é que voltamos a discutir inflação, dívida, confiança de investidores e todos aqueles temas de curto prazo que pareciam já estar resolvidos. Infelizmente a discussão a respeito do longo prazo voltou para geladeira.


Meus comentários: 
O texto está perfeito como explicação, embora o Português necessite algum polimento para poder ter ampla distribuição e até ser publicado como artigo de jornal.
Comentando substantivamente, eu diria o seguinte. O governo não fez tudo errado porque tinha vontade de errar, ser perverso, chutar o pau da barraca e causar o maior mal ao maior número de pessoas. Não, eles, os keynesianos de botequim, acreditavam piamente que estavam fazendo a coisa correta, ou seja, domando o mercado, e ensinando aos agentes como é que se cuida da economia.
Ou seja, uma mistura de ignorância com arrogância, o que provavelmente é o resultado da incultura econômica e da prepotência pessoal.
Nem o ministro da Fazendo, nem a sua chefe, podem ser efetivamente chamados de economistas. Eles aprenderam algumas lições de economia de orelha, pois nunca devem ter se debruçado sobre aqueles pesados manuais, ou text-books americanos (tipo Samuelson, Obersfeldt, etc) ou mesmo o manual dos professores da USP. No máximo deram uma folheada no último, alguma edição antiga, quando até os uspianos eram mais keynesianos do que mainstream neoclássico.
Depois, ficaram ouvindo aquelas bobagens que a Conceição dizia, ou melhor, as suas diatribes contra os garotos do Banco Central, as gozações do Beluzzo e do Coutinho contra os garotos da PUC-Rio, e de forma geral todos reclamando da tal de financeirização da economia, que parece um inferno, assim dito...
Ou seja, o pensamento desse pessoal, se o termo se aplica, é o mais tosco e primitivo possível. Além de não entenderem nada de economia, eles têm essa prevenção contra o setor financeiro (que seriam sanguessugas aproveitadores) e contra os lucros excessivos dos capitalistas industriais.
No fundo, não adianta, pois eles só vão mudar debaixo do cacete, ou seja, quando a crise já estiver instalada, como parece que já está.
No fundo, no fundo, o Brasil perdeu 12 anos de não reformas e de insistência nos erros.
Isso quanto aos companheiros.
Mas, há que reconhecer também que nossa Constituição é esquizofrênica, e os congressistas e todos os mandarins da República são mais esquizofrênicos ainda, todo dia criam novas despesas sem fontes de receita.
Acho que voce poderia explicar isso ao povo de uma forma mais ordenada.

Governo companheiro: entre o patetico e o ridiculo

Quase não quis acreditar. Mas se está no Diario Oficial da republiqueta petista deve ser verdade. Ou não?
Paulo Roberto de Almeida 

Veja,com, 16/08/2014,  7:54 \ Brasil

Haja simplificação

De olho no aumento da concorrência
Afif, o patrão da tal servidora
A burocracia brasileira é um caso perdido. Em julho, o Diário Oficial da União publicou a nomeação de uma servidora do Ministério da Micro e Pequena Empresa para ocupar o cargo de Coordenador da Coordenação da Coordenação-Geral de Serviços de Registro do Departamento de Registro Empresarial e Integração da Secretaria de Racionalização e Simplificação. Não há limites para o ridículo.
Por Lauro Jardim

Resenha de Nunca Antes na Diplomacia - Camila Amorim Jardim

Resenha de “Nunca antes na diplomacia…: A Política Externa Brasileira em tempos não convencionais” de Paulo Roberto de Almeida, por Camila Amorim Jardim


 
 
 
 
 
 
Rate This

Paulo Roberto de Almeida é diplomata, mestre em planejamento econômico e doutor em ciências sociais. Ao longo de sua carreira, publicou quatorze livros – além de dezenas de artigos –, que contribuem criticamente para o pensamento sobre  relações internacionais desenvolvido no Brasil em suas diversas dimensões – histórica, econômica e social. Integrante do Itamaraty desde 1977, teve a oportunidade não apenas de vivenciar os bastidores da política externa brasileira, mas também de acompanhar academicamente as suas nuances.
O livro aqui resenhado  é o reflexo de anos de estudo e experiência profissional – acerca de períodos desde o império até “A era do nunca antes”, a qual compreende a política brasileira a partir de 2003, com a chegada de Lula e o Partido dos Trabalhadores (PT) à presidência.
A respeito desse período, é importante destacar um movimento acadêmico importante no sentido de identificar uma mudança na política externa brasileira que, nos anos 1990, teria com os países desenvolvidos agendas prioritárias e em alguma medida procurava implementar medidas liberalizantes impostas pelo FMI e pelo Banco Mundial, no contexto do denominado “Consenso de Washington”. A crítica acadêmica aponta que, nos anos 2000 e, especialmente, a partir do governo Lula (2003-2010), teria ocorrido uma mudança de vulto no comando estratégico da inserção internacional do Brasil, caracterizada pela busca de alianças com parceiros não tradicionais, especialmente no eixo Sul-Sul.  Almeida identifica uma segunda mudança na política externa, que passa a ser marcada por excessiva partidarização – a partir de uma análise multidimensional da mesma, tenho em vista sua história, sua base institucional e diretrizes voltadas para o principal objetivo da inserção internacional do Brasil: a busca pelo desenvolvimento econômico – o autor identifica um momento de descontinuidade a partir do governo Lula, momento no qual o país passa a sustentar uma diplomacia exótica em função do personalismo do próprio presidente Lula e das linhas programáticas do Partido dos Trabalhadores.
Por mais importante que a diplomacia presidencial possa ser para a estrutura internacional do país, como o autor aponta que ocorreu de forma exemplar durante o período Fernando Henrique Cardoso, Almeida indica que Lula teria passado em alguma medida a conduzir as relações internacionais do Brasil a partir de suas próprias impressões e das linhas gerais do PT, sem respeitar a estrutura institucional do Itamaraty.
O autor defende que o governo Lula empreendeu um grande esforço para caracterizar a política de seu antecessor como uma “herança maldita”, especialmente submissa aos interesses imperiais dos Estados Unidos. No entanto, tal caracterização não seria compatível com a realidade, tendo em vista que a abertura comercial nos anos 1990 esteve longe dos parâmetros de uma política essencialmente neoliberal e seria, de acordo com Almeida, compatível com os interesses do Brasil em prol do melhoramento de sua competitividade econômica em geral.
A diplomacia coordenada por Lula apresentou novas diretrizes que, inclusive, não teriam sido responsáveis por resultados concretos e que dificilmente seriam adotadas caso o Itamaraty mantivesse sua autonomia na formulação da política externa. Dentre elas, destacam-se os exemplos a seguir. No primeiro mandato, a integração regional era uma das prioridades, mas o Mercosul acaba por tomar uma nova dimensão, predominantemente política em detrimento de econômica – decisão que, para o autor, foi prejudicial aos interesses do Brasil – especialmente no contexto de protecionismo crescente da Argentina, com o qual o país foi conivente, contrariando seus interesses nacionais. A busca constante por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU foi outro inconveniente, que além de causar desconfortos diplomáticos na américa do sul, não é compatível com as capacidades materiais do Brasil. Houve, ainda, casos de ingerência interna em outros países do entorno, com a declaração de apoio a candidatos assumidamente de esquerda na América Latina. Pode-se citar ainda o enfoque predominantemente Sul-Sul, que, segundo o autor, não oferece grandes oportunidades de aprendizado para o Brasil e não deveria ser o foco de sua agência externa, uma vez que a torna mais limitada.
Trata-se, portanto, de uma leitura essencial para a compreensão da formulação da política externa contemporânea, inclusive levando em consideração as comparações históricas e de tipos ideais desenvolvidas pelo autor para embasar a sua análise. O livro oferece, então, importante contribuição para o pensamento crítico em relação à política externa brasileira, apresentando o outro lado do debate, que atualmente não é majoritário entre acadêmicos e que foi deixado de lado no Itamaraty especialmente entre 2003 e 2010, tornando-se fundamental para uma reflexão mais complexa e circunstanciada sobre o tema.

Referências

ALMEIDA, P. R. (2014) Nunca Antes na Diplomacia…: A Política Externa Brasileira em tempos não convencionais. Curitiba: Appris, 289p.
LEITE, P. S. (2011) O Brasil e a cooperação Sul – Sul em três momentos: os governos Jânio Quadros/João Goulart, Ernesto Geisel e Luiz Inácio Lula da Silva. Brasília: Funag, 226p.
LIMA, M. R. S. (2005)  “A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul.” Revista Brasileira de Política Internacional, v. 48, n.1. p. 24-59.
OLIVEIRA, H.A. (2005) Política Externa Brasileira. São Paulo: Saraiva, 292 p.
SARAIVA, M. G. (2007) “As estratégias de cooperação Sul-Sul nos marcos da política externa brasileira de 1993 a 2007”. Revista Brasileira de Política Internacional. [S.l.], v. 50, n.2. p. 42-59.
VIGEVANI, T. CEPALUNI, G. (2007) “A Política Externa de Lula da Silva: A Estratégia da Autonomia pela Diversificação.” Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 29, n.2. jul./dez.. p.273-335.
VIZENTINI, P. G. F. (2005) O Brasil e o mundo, do apogeu à crise do neoliberalismo: a política externa de FHC a Lula (1995-2004). Ciências e Letras (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 37, p. 317-332.
Camila Amorim Jardim é mestranda em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília – UnB (camila_ajardim@hotmail.com)

sábado, 16 de agosto de 2014

Bolsa Familia: o curral eleitoral do coronelismo petralha - Revista Veja

Fica dificil competir em igualdade de condicoes...
Paulo Roberto de Almeida

Bolsa-Família, o maior colégio eleitoral
Revista Veja, 16/08/2014

Em muitas cidades do Nordeste, o Bolsa Família é tão decisivo que a maior parte dos eleitores nem mesmo se preocupa em saber quem são os rivais da presidente Dilma Rousseff. Com 40 milhões de eleitores beneficiados, o programa supera, como colégio eleitoral, São Paulo, o mais populoso Estado brasileiro, com 32 milhões de pessoas aptas a ir às urnas. O site de VEJA analisou números, conversou com especialistas e ouviu eleitores em cidades da Bahia e do Maranhão para mostrar o peso que o programa federal poderá ter na corrida presidencial.

Eleições 2014

Bolsa Família, o maior colégio eleitoral do Brasil

Um eleitorado de 40 milhões de pessoas é influenciado pelo programa, que, especialmente no Nordeste, se tornou uma arma eleitoral incomparável

Gabriel Castro e Laryssa Borges
Usuários do Bolsa Família em Salvador buscam informações sobre bloqueio inexplicado do benefício em 2008
Usuários do Bolsa Família em Salvador buscam informações sobre bloqueio inexplicado do benefício em 2008 (Welton Araújo/Agência A Tarde/AE/VEJA)
“Quem de vocês aqui gosta do Bolsa Família levanta a mão?”, brada ao microfone, do alto de um palanque improvisado, o senador Lobão Filho, candidato do PMDB ao governo do Maranhão, na pequena cidade de Barra do Corda (85.000 habitantes). A plateia reagiu imediatamente com os braços estendidos. O candidato continuou: “Isso me preocupa, porque os nossos adversários estão unidos a Aécio Neves, que já disse em todos os jornais e todas as emissoras de TV que é contra o Bolsa Família".
Filho do ministro Edison Lobão (Minas e Energia), que orbita o petismo como representante de José Sarney há anos, o candidato peemedebista convive com Aécio Neves no Senado. Os dois são colegas. O peemedebista sabe que o tucano nunca se opôs ao programa – pelo contrário, é de Aécio a proposta para transformar o programa em política permanente de Estado. Mas, nos grotões do Brasil, Lobão Filho utiliza um discurso convenientemente falso. Mesmo um candidato ligado à oligarquia recorre ao discurso de que os seus concorrentes são inimigos do povo por causa de uma oposição fictícia ao programa.
Nas últimas semanas, os candidatos a presidente (especialmente Dilma Rousseff) intensificaram as viagens a São Paulo para tentar conquistar a simpatia do eleitor paulista. A razão é óbvia: o Estado tem 32 milhões de votos, o maior número de eleitores entre as unidades da federação. Mas, na disputa deste ano, também está em jogo um "colégio eleitoral" muito mais poderoso – e leal: o dos beneficiados pelo Bolsa Família. São aproximadamente 40 milhões de eleitores, espalhados pelas 14,2 milhões de famílias que recebem o benefício. Esse grupo tende a votar na candidata petista com uma fidelidade incomparável. E, claro, essa arma é utilizada à exaustão Brasil afora, especialmente longe dos holofotes.
Neste ano, a Bahia foi a que mais recebeu repasses do governo federal no programa Bolsa Família: 1,36 bilhão de reais, segundo o Portal da Transparência do governo federal. As maiores cidades do estado são as principais beneficiárias: Salvador, com 113,8 milhões de reais neste ano, Feira de Santana, com 29,2 milhões de reais, e Vitória da Conquista, com 21,9 milhões de reais. 
Há mais beneficiários do programa na Bahia do que em São Paulo, cuja população é três vezes vezes maior. Mais em Pernambuco do que em Minas Gerias. Mais no Maranhão do que no Rio de Janeiro. Isso ajuda a explicar por que o Nordeste se transformou em uma quase intransponível fortaleza eleitoral do petismo. Em 2014, até agora, o governo destinou 10,5 bilhões de reais ao programa. 
Jailza Barbosa, 33, desempregada, moradora do bairro Cajazeiras, em Salvador, tem dois filhos, de 10 e 15 anos, e recebe 134 reais por mês. “O candidato em que eu vou votar é o do partido que me ajuda por causa do Bolsa Família. Não sei o nome dele, mas já estava com isso na cabeça. O programa é muito bom porque me ajuda e é a única renda que eu tenho hoje”, diz.
O número de beneficiários só tem aumentado: em 2004, eram 6,6 milhões de famílias atendidas. A elevação desde então foi de 215%, muito acima do crescimento vegetativo na população – e se deu num período em que, segundo o governo, dezenas de milhões de pesoas deixaram a pobreza. Os números ajudam a entender o que é fácil de constatar in loco.
Na cidade Central do Maranhão, onde Dilma teve 96% dos votos em 2010, é difícil encontrar alguém que saiba quais são os adversários da presidente Dilma Rousseff. E a razão principal para o apoio incondicional à petista, seja qual for o oponente, é apresentada pelos próprios eleitores. Como o lavrador Carlos Azevedo: “Para mim, a candidata é a Dilma. A gente tem medo de tirarem o Bolsa Família”, diz ele, ao lado da mulher, a dona-de-casa Marinete Viana. Ela diz ter visto na televisão a informação de que os adversários da presidente colocariam fim ao programa.
"Não me interessa saber quem são os outros candidatos", declara Claudilene Melo, que trabalha como doméstica mas também recebe o Bolsa Família.
O cenário eleitoral deve acentuar a importância do Bolsa Família para a candidatura de Dilma Rousseff. A trágica morte do candidato Eduardo Campos e a possível entrada de Marina Silva na disputa devem acentuar, por um lado, a vantagem de Dilma no Nordeste (onde Campos era mais popular) e, por outro lado, tirar votos da petista nas grandes cidades (onde Marina tem um eleitorado mais forte). Como consequência, a tendência é que o PT se encastele ainda mais no Nordeste, onde estão 52% dos beneficiados pelo Bolsa Família (a região tem apenas 27,7% da população brasileira).
"O governo vai se fiar nesses programas de transferência de renda, porque a gerência macroeconômica é débil, a inflação é crescente, o crescimento econômicio tem sido pífio", diz o professor Carlos Pereira, da Fundação Getúlio Vargas.
O efeito do Bolsa Família nas eleições de 2006 e 2010 foi objeto da análise de pesquisadores do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB). Conclusão: havia uma forte correlação entre o voto no PT e a participação no programa do governo.
Independentemente da postura dos adversários de Dilma Rousseff, a maior parte dos eleitores que recebem o Bolsa Família não arrisca apoiar aquilo que veem como uma aposta duvidosa. Para o jogo democrático, o efeito é desastroso. Se o único critério na escolha do candidato é o Bolsa Família, o eleitor vota sem levar em conta outros temas essenciais, como as políticas para saúde, segurança e o combate à corrupção. “É como se nós tivéssemos voltando para o século XIX, com os currais eleitorais fechados”, diz o professor José Matias-Pereira, da UnB.
Como o número de beneficiários do Bolsa Famíliacresce continuamente, é cada vez maior o contingente de eleitores que escolhe seu candidato presidencial apenas com base no receio de perder o pagamento mensal. “O coronel local está sendo substituído pelo coronel federal. Mas o padrão é o mesmo: o modelo patrimonialista onde indivíduo usa os bens do estado para se beneficiar politica ou em benefício próprio”, afirma o professor da UnB.