O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Esposa do primeiro-ministro do Canadá faz chacota de Eduardo embaixador

Esposa do primeiro-ministro do Canadá faz chacota de Eduardo embaixador

"Estudem e dediquem-se ao máximo, pois ninguém aqui frita hambúrguer, o único lugar do mundo onde alguém que frita hambúrguer vira embaixador é no Brasil”, disse Sophie Trudeau durante inauguração de um complexo universitário no Canadá

O Brasil continua alvo de chacota internacional com o governo de Jair Bolsonaro. Desta vez veio do Canadá. Durante inauguração de um complexo universitário nessa terça-feira, 30, na cidade de New Scotland, a primeira-dama do Canadá,  Sophie Trudeau, ironizou a qualificação do deputado Eduardo Bolsonaro para ocupar o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. 
"Estudem e dediquem-se ao máximo, pois ninguém aqui frita hambúrguer, o único lugar do mundo onde alguém que frita hambúrguer vira embaixador é no Brasil”, disse ela. 
Segundo Sophie Trudeau, a carreira diplomática é algo que o Canadá leva a sério. “Dificilmente o povo canadense aceitaria algum desqualificado como embaixador do Canadá, como da mesma forma não aceitaremos se nos mandarem um vendedor de picolé ou pipoqueiro, a carreira diplomática é algo que o Canadá leva a sério, se mandam para os EUA um rapaz que frita hambúrguer, ops! Nem isso é verdade pelo que fiquei sabendo, só por que é filho dele, o que vão querer mandar pro Canadá, um pipoqueiro, por que, por exemplo é primo da esposa dele?”, questionou.

Julho: mês de férias, mês de leituras: PRAlmeida em Academia.edu

Os mais buscados parecem ser os "papers desconhecidos": preciso descobrir quais são...
Chamo um hacker?

Academia.edu - Analytics Paulo Roberto de Almeida
Your Impact from July 01, 2019 to July 31, 2019
30-Day Pages

2,254 Unique Visitors
637     Downloads
4,244 Views
89       Countries
598     Cities
259     Universities
3,444  Research Fields

20,975 Pages Read

Most-Read Papers

Unknown Paper
  7999

Unknown Paper  4980
Miseria da diplomacia: a destruicao da inteligencia no Itamaraty (Ed. UFRR, 2019)  1756
A Ordem do Progresso, Marcelo P. Abreu - resenha Gladson Miranda  695
Unknown Paper  407


terça-feira, 30 de julho de 2019

O verão dos autocratas no hemisfério norte - Washington Post

 Parece que os autocratas perderam a vergonha de reprimir..
The Washington Post, 202, July 30, 2019
  
with Mariana Alfaro
THE BIG IDEA: Huge protests in capitals around the world are among the most important and underplayed stories of this summer, but pro-democracy movements on three continents are at risk of being squelched as surveillance states grow more adept at controlling the technologies that helped people liberate themselves during the Arab Spring at the start of the decade.
In Moscow, as an estimated 1,400 demonstrators were arrested outside City Hall on Saturday, Russian authorities stormed a TV studio belonging to opposition figure Alexei Navalny so they could shut down a live stream of the protests on YouTube. Thousands took to the streets, risking prison time, because opposition candidates have been blocked from appearing on the ballot in upcoming municipal elections. The violent crackdown, led by a close ally of Vladimir Putin, came a week after more than 22,000 people protested in downtown Moscow, chanting, “Russia will be free.”

In Hong Kong, police arrested at least 60 people on Saturday and Sunday, the eighth consecutive weekend of protests, the most detained in a single weekend since the start of the upheaval. The Beijing-backed government is using facial-recognition software to targetdemonstrators. Pro-democracy activists are responding by wearing surgical masks and using laser pointers to foil the technology. My colleague on the island, Shibani Mahtani, reports that they’re also deleting all the Chinese-made apps on their phones, even for e-commerce shopping sites, in a quest to stay ahead of Big Brother. They’re installing virtual private networks on their phones and downloading secure messaging apps such as Telegram. Young activists in Hong Kong who came of age in a digital world are trying to go as analog as possible so they can limit their footprint on the grid, but they’re learning how hard it’s becoming. They buy single-ride subway tickets, forgo credit cards, take no more selfies and buy pay-as-you-go SIM cards.
Chinese authorities responded by allegedly launching a massive cyberattack against the servers for Telegram hours before protesters planned a major occupation of Hong Kong’s streets last month. The company said it was hit by a powerful distributed denial of service (DDoS) attack, which filled servers with junk requests, that originated from the mainland. Hong Kong police officers also arrested a coordinator of a Telegram group with thousands of people at his home. A court in Moscow banned Russians from using Telegram last year after the company declined to provide encryption keys to the state security agency, and Iran also blocked the app after it was used to organize protests to draw attention to economic hardships.

In Sudan, the military council that took control after overthrowing Omar Hassan al-Bashir in April decided to shut down all public access to the Internet in a ploy to quell continuing street protests. Sudan is one of at least 22 African countries where the government has ordered a shutdown of the Internet at some point in the past five years. The list also includes Ethiopia, Uganda and Zimbabwe. The previous regime ordered telecom companies to block access to social media from December through April, but it wasn’t enough to stop word-of-mouth organizing.
There has been significant bloodshed since the president was deposed after three decades in power. Sudanese security forces fired yesterday on student demonstrators in a central province, killing at least five people, organizers told the AP. On June 3, pro-democracy activists say that security forces killed at least 128 of their people – the state prosecutor says it was 87 – while dispersing a protest camp in front of the military’s headquarters in the capital of Khartoum. Organizers say they pulled 40 bodies from the Nile River that were slain as part of a crackdown.
Hundreds of thousands of people turned out on June 30 to show that they would not be deterred. “Protesters rubbed the leaves of nearby neem trees onto their faces to get relief from the tear gas,” my colleague Max Bearak reported from Khartoum. “Sunday’s protests were organized almost entirely without Internet service. Graffiti announcements blanket many of the city’s walls, and small groups have walked through neighborhoods with megaphones to spread the word.
The Sudanese Professionals Association – which helped coordinate Monday’s student activism – organized months of protests leading to the overthrow of the former president, but leaders now worry that the generals won’t follow through on a promised transition to civilian rule. That’s why they continue to mobilize. The protest leaders are scheduled to meet today with the leaders of the military to discuss a power-sharing agreement. There was a tentative accord this month, but several holdups remain. Among them, according to the AP, is whether military commanders should be immune from prosecution for violence against protesters.

-- In this brave new world, there are constant games of cat-and-mouse between people who yearn for more freedom and those who seek to keep control. In Indonesia, to quell protests in Jakarta after the president was reelected this spring, the communication minister curtailed access to social media after six people were killed and hundreds injured. The restrictions limited the sharing of videos and photos over Instagram and WhatsApp.
Iran has been blocking public access to sites such as Twitter, Facebook and YouTube since activists used them to organize mass protests and document a crackdown after a disputed election in 2009. Young people who hunger for a taste of the outside world go to great lengths to bypass state censors, downloading VPNs. Notably, though, leaders of the regime – such as the foreign minister – use sites like Twitter to share the party line. And while pro-government accounts have proliferated, the AP noted from Tehran last week that YouTube remains largely off-limits because it’s hard to download and view videos while using the workarounds.

-- Strongmen fear social networks because they continue to be such a potent organizing tool. More than a quarter-million people assembled on June 23 in Prague’s Letna Park to call for the resignation of Prime Minister Andrej Babis, who they believe subverted the independence of the judiciary by appointing a new justice minister who is unlikely to bring charges against him in a fraud case involving the misuse of European Union subsidies meant for small businesses. (Babis denies wrongdoing and retains a strong grip on power.)
This was the largest mass protest in the Czech capital since the 1989 Velvet Revolution allowed dissident Vaclav Havel to become president. It grew out of a Facebook group called A Million Moments for Democracy, which launched on the anniversary of that famous protest. Over the past year and a half, thanks to social media, the campaign has led to protests in more than 300 cities and villages.

-- After Kazakhstan held an election on June 9, police arrested thousands of protesters who believed the regime falsified the results.“Since independence in 1991, Kazakhstan had been ruled by its communist-era leader Nursultan Nazarbayev, who had handpicked candidate Kassym-Jomart Tokayev — and declared him the winner. As protests continued despite mass arrests, Kazakhstan’s urban areas were blanketed by police forces, at times visibly outnumbering the civilian population,” writes National Defense University’s Erica Marat. “Both sides of that equation — the mass dissent and the police repression — reached new levels in Kazakhstan. With a new leader, the nation is entering a volatile phase of police-public dynamics, one in other hybrid regimes like Russia or Ukraine under President Viktor Yanukovych.
Here’s the issue: Hybrid regimes — those that are partly democratic, partly authoritarian — have more protests and more brutal suppression than those that are fully one or the other,” she explained. “These nations have a coercive apparatus that is intact and functional — but also a civil society whose members strive to be active political players. Unlike in fully democratic nations, those individuals and organizations have no real opportunities to collaborate with the government. When elections aren’t truly competitive, protesting is one their few options. But the more anti-government collective action is organized, the more brutal state response is likely to be.”
-- There have been scores of other newsworthy protests this summer from Algeria to Zimbabwewith recent activity in Guatemala, Pakistanand Bahrain. What modest gains there have been often seem fragile.

-- Democracy has been in a recession the past few years, and the world now stands at a plastic juncture. If the 20th century was the American Century, will the 21st century be the Autocrats Century?
-- In Hong Kong, China would much rather use technology than troops to put down the protests. But the regime's patience appears to be thinning. Top officials in Beijing called on Monday for punishing the “radicals” involved in the turmoil. “China maintains a military presence in Hong Kong, and China’s Defense Ministry suggested last week that it was open to using troops to quell the unrest, saying the protests were ‘intolerable,’” Mahtani and Anna Fifield report. “Signs of China’s influence over Hong Kong abound. The Hong Kong and Chinese flags flew at half-staff above government offices Monday in mourning for Li Peng, the former Chinese premier known as ‘the Butcher of Beijing’ for his role in the bloody Tiananmen Square crackdown in 1989.”

Itaipu Binacional: revisão acordo abre crise no Paraguai (OESP)

O chanceler paraguaio acaba de renunciar ao posto, e o presidente corre risco de sofrer processo no Parlamento, que julga lesivo ao Paraguai a revisão do acordo sobre Itaipu Binacional com o Brasil.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 30 de julho de 2019


Acordo sobre Itaipu abre crise no Paraguai
O Estado de S. Paulo, 27/07/2019

Críticas. Oposição diz que termos do pacto assinado por representantes do presidente Mario Abdo Benítez são ‘extorsivos’, afetariam o preço da energia pago pelos paraguaios e ameaça abrir processo de impeachment por mau desempenho das funções presidenciais.

O acordo firmado entre Brasil e Paraguai para a exploração da energia gerada pela usina hidrelétrica de Itaipu criou uma crise para o presidente Mario Abdo Benítez. O Partido Liberal, principal da oposição paraguaia, criticou os termos assinados, que seriam “extorsivos e degradantes”, e planeja abrir um “julgamento por mau desempenho das funções presidenciais” contra Abdo Benítez.

A mudança nos termos do acordo para a exploração da energia da usina hidrelétrica, compartilhada pelos dois países, estava sendo negociada desde março, mas apenas em maio Brasil e Paraguai chegaram a um acordo. A oposição diz que as novas condições impostas aumentariam o preço que os paraguaios pagam pela energia.

O presidente do Partido Liberal, Efraín Alegre, disse ontem em entrevista que o acordo, assinado no último dia 24 de maio, deve ser “rejeitado de maneira categórica por atentar contra os direitos do Paraguai em Itaipu”.

Além disso, Alegre criticou Abdo Benítez pela demora em divulgar o acordo, só revelado ao público após a renúncia do presidente da Administração Nacional de Eletricidade (Ande), Pedro Ferreira, que teria entregado o cargo por discordar dos termos do acordo.

A renúncia de Ferreira foi aceita na quinta-feira pelo presidente paraguaio, que indicou para substituí-lo o ex-ministro da Fazenda Alcides Jiménez. Segundo o novo presidente da Ande, o acordo não lesa a soberania nacional nem afetará as tarifas de energia no país, como afirmam a oposição e alguns veículos da imprensa.

O ex-chanceler do Paraguai Miguel Abdón Saguier, também do Partido Liberal, afirmou que a Constituição obriga o presidente a submeter o acordo à avaliação do Congresso. “Ele vai incorrer em mau desempenho das suas funções”, disse Saguier, abrindo caminho para um possível processo de impeachment.

Axel Benítez, assessor técnico do Partido Liberal, explicou à agência EFE que o acordo representará um aumento do custo da energia para os paraguaios. Segundo ele, o documento estabelece dois tipos de energia diferentes, a “garantida” e a “excedente”, e prevê que o Paraguai receba maior quantidade da primeira, de custo mais elevado.

Transparência. Os termos do atual acordo foram estabelecidos em 2009, quando o então presidente do Paraguai, Fernando Lugo, negociou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva condições que permitiram ao Paraguai receber US$ 360 milhões ao ano por negociar a energia excedente de Itaipu com o Brasil. Antes, o montante era de US$ 120 milhões.

Ontem, Fernando Lugo, que atualmente ocupa uma cadeira no Senado pelo partido de oposição Frente Guasú, disse que não é aconselhável se apressar quando se fala de impeachment de Abdo Benítez por mau desempenho das funções.

Lugo, que foi destituído em um julgamento político relâmpago em 2012, expressou cautela. “Muitas vezes nos apressamos. Deve haver muitos condimentos para um julgamento político e uma discussão muito mais ampla em todos os partidos políticos que fazem parte do Congresso Nacional”, disse o senador.

O embaixador paraguaio em Brasília, Hugo Saguier, que colocou sua assinatura no acordo, esclareceu que não houve “nenhuma renúncia de soberania” do Paraguai em relação ao Brasil.

O documento foi assinado sem que nenhuma autoridade tivesse informado à opinião pública, o que fez com que parte da oposição denunciasse que o governo paraguaio estaria fazendo concessões ao Brasil.

Impasse. Saguier reconheceu que a questão não foi resolvida em nível técnico e disse que, por esse motivo, os representantes diplomáticos dos dois países se reuniram novamente. “Mas isso não representará nenhum aumento de tarifa de energia elétrica para os paraguaios”, garantiu o embaixador.

O impasse entre as empresas de energia do Brasil e do Paraguai, Eletrobrás e Ande, existe por conta da diferença no preço que cada uma paga pela energia de Itaipu. Essa questão tem sido objeto de tensão entre os dois países porque, enquanto a Eletrobrás contrata toda a potência de que vai necessitar, dos 75 milhões de megawatts-hora (MWh) que Itaipu produz anualmente, a Ande contrata praticamente a metade do que vai consumir.

No entanto, sempre que precisa de mais energia, o Paraguai usa essa chamada energia adicional, que é bem mais barata, o que desagrada ao Brasil. Essa diferença impacta no preço diferenciado, muito menor, pago pelos paraguaios pela energia de Itaipu, em relação aos brasileiros. Em 2018, o Brasil pagou, em média, US$ 38,72 por megawatt-hora (MWh), enquanto o Paraguai pagou, em média, US$ 24,60.

“(O acordo) deve ser discutido e depois rejeitado pelo Congresso por ser extorsivo e degradante” 
Efraín Alegre, PRESIDENTE DO PARTIDO LIBERAL, PRINCIPAL DA OPOSIÇÃO NO PARAGUAI

==============

Paraguai decide deixar "sem efeito" acordo com Brasil sobre Itaipu


O ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Luis Alberto Castiglioni, anunciou na noite desse domingo (28/07/2019) a decisão do governo de Mario Abdo Benítez de “deixar sem efeito o acordo bilateral” com o Brasil de contratação de energia da represa de Itaipu, documento que estabelecia um cronograma de compra até 2022. São informações do Estadão.
Embora a assinatura do acordo tenha acontecido em maio, os paraguaios só souberam de sua existência na semana passada. O ex-titular da estatal paraguaia Administração Nacional de Energia (Ande) Pedro Ferreira renunciou na semana passada após vazamento do conteúdo da ata que tinha solicitado em fevereiro a intervenção do ministério para solucionar uma crise de contratação entre a Ande e a brasileira Eletrobras.
O governo paraguaio também pedirá ao Brasil uma convocação das Altas Partes Contratantes para que o acordo volte a ser tratado na esfera técnica e não na diplomática, como ocorreu nesta ocasião por desavenças entre ambas as partes.
“Decidimos solicitar ao Brasil a convocação das Altas Partes no transcurso desta semana que se inicia, quando solicitaremos a anulação – deixar sem efeito – o acordo bilateral e, ao mesmo tempo, que volte às instâncias eminentemente técnicas, onde sempre se tem decidido e tratado”, disse o chanceler em entrevista coletiva.
Mais sobre o assunto
  • Rafaela Felicciano/Metrópoles
  • Rubens Fraulini/Itaipu Binacional
  • Marcelo Camargo/Agência Brasil
  • Itaipu Binacional/Reprodução
  • Caio Coronel/Itaipu
Castiglioni adiantou que já se comunicou com seu colega brasileiro Ernesto Araújo para informá-lo sobre a decisão do Paraguai de convocar a reunião e afirmou que ele aceitou “com muito gosto”.
Déficit na comunicação
Com esta decisão, o governo paraguaio, segundo o chanceler, espera que “no transcurso desta semana tudo isto seja resolvido”, depois da repercussão causada entre a oposição paraguaia e parte dos cidadãos, após o acordo chegar ao conhecimento da opinião pública.
Sobre este ponto, Castiglioni reconheceu que houve “um déficit na comunicação e na informação” e que isso provocou “grande desinformação e manipulação por parte de setores interessados”.
Apesar disso, ele afirmou que houve comunicação prévia desses encontros entre os representantes da Ande e da Eletrobras, assim como dos encontros posteriores entre diplomatas.
Tratado de Itaipu
Brasil e Paraguai assinaram em 24 de maio uma ata que estabelecia um cronograma de compra de energia de Itaipu até 2022, um ano antes que ambas as partes tenham de negociar o Anexo C do Tratado de Itaipu, de 1973.
Os dois países estabelecem no início de cada ano a sua contratação de energia da usina geradora de Itaipu, mas este ano o acordo de compra não pôde ser fechado no âmbito técnico e teve de recorrer à esfera diplomática, já que o Brasil solicitou ao Paraguai que cumprisse com o tratado e estabelecesse seu cronograma de compra adequado a seu consumo.
A oposição paraguaia criticou o documento ao considerá-lo uma entrega de soberania energética para o governo brasileiro de Jair Bolsonaro (PSL) e ameaçou o presidente Abdo Benítez com a abertura de um procedimento de impeachment, acusando-o de “vendedor da pátria”.