O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

J.P. Morgan Perspectives: Made in China 2025: A New World Order?

This report is neither intended to be distributed to Mainland China investors nor to provide securities investment consultancy services within the territory of Mainland China. This report or any portion hereof may not be reprinted, sold or redistributed without the written consent of J.P. Morgan. 
This report is the latest from in our thematic and strategic research series, J.P. Morgan Perspectives, which brings together views and analysis from across the broad scope of J.P. Morgan’s Global Research franchise. This series features in-depth analysis of critical global issues impacting economics and markets across all disciplines. In this report, we examine the dynamics shaping U.S.-China relations and explore the implications of Made in China 2025 for China and the global economy. We hope this series will both inform and foster public debate on evolving economic, investment, and social trends.
Joyce Chang, Global Chair of Research 

J.P. Morgan Perspectives

Made in China 2025: A New World Order?

Will Made in China 2025 reshape the global economy?

  • China’s supercycle is winding down with the old growth drivers—export and investments— slowing, debt remaining disconcertingly high; the work force having peaked; and US-China trade frictions intensifying. 
  • China aspires to reshape its economy through Made in China 2025—a 10-year plan—to usher in the fourth industrial revolution and secure dominance in global technology while expanding its global influence via the Belt and Road Initiative. 
  • China is well-placed to achieve self-sufficiency if not world leadership in tech, telecommunications, AI, Fintech, internet, NEVs, high-speed rail, and clean energy by 2030.
  • But as the rise in US-China trade frictions indicate, these aspirations will be challenged if they continue to be implemented through extant industrial policies and controls on market access. 

What are the global implications of a slowdown in China’s growth?

  • Made in China 2025 does not make China’s inexorable rise inevitable as deleveraging and public sector restructuring are needed to keep China from slowing below 4.5% over the next decade. 
  • China’s high debt level remains its Achilles heel, requiring both financial-sector and SOE restructuring, with the risk that policy mistakes could trigger a “man-made financial crisis.”
  • China's medium-term growth could slow by 2%-points to 4.5% by the end of the next decade, reducing global growth by 0.4%-points, with a risk that base metals prices fall 40% to 60% from current levels. 

How will the reshaping of US-China strategic relations impact the world?

  • Markets are focused on the risk for a “great power competition” between the US and China with implications for technology leadership, supply chain and end product makers reorganizing along security alliances.
  • Cybersecurity is the new frontier with a persistent state of conflict due to the lack of effective deterrence structures. We think both sides will seek self-sufficiency rather than global domination in technology, but China’s large internet players may take global leadership in AI. 
  • China is rising to global leadership in clean energy across autos, solar and wind power, and green bonds. 
  • US-China tensions can potentially trigger the existing manufacturing supply chain to permanently shift out of China to ASEAN countries and others. 

How quickly will China open its financial markets?

  • The global reach of China’s financial markets and currency will proceed gradually even as China enters mainstream equity and fixed income indices.
  • Successful execution of the Made in China 2025 agenda likely makes MSCI China a structural overweight, though without corresponding strength in the currency. 


Interamerican Dialogue discusses Foreign Policy of Bolsonaro

UPCOMING EVENT



Foreign Policy in Bolsonaro's Brazil


Monday, February 11, 2019, 6:00-7:30 PM
JHU SAIS Kenney Auditorium (1740 Massachusetts Ave. NW, Washington, DC 20036)
While Bolsonaro is still defining his approach to regional and world affairs, he seems ready to discard many of Brazil’s long-established foreign policies and turn away from the principles that underlay them. The new president and his foreign minister have called for a reversal of Brazil’s traditional assertion of independence in global affairs, and its efforts to build cordial relations and partnerships with countries ranging across the ideological spectrum. Instead, Brazil’s recently installed government has made clear that it wants to build a close alliance and strong partnership with the United States on a wide range  issues, while potentially disrupting relationships with other long-term partners, including China and the countries in the Middle East.

Join the Inter-American Dialogue and Johns Hopkins School of Advanced International Studies (SAIS) for a discussion of what's next for Brazilian foreign policy under President Bolsonaro.

Follow this event on Twitter at #BrazilFP and @The_Dialogue.

Speakers: 

Moderator: 
  • Monica de Bolle, Director, Latin American Studies Program, Johns Hopkins School of Advanced International Studies (@bollemdb)

A reception will follow the event

Valerio Mazzuoli: Derecho Internacional Contemporáneo (Barcelona)

Paper Thumbnail
MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. Derecho internacional público contemporáneo. Barcelona:...
International Law • Constitutional Law • Derecho + 48 more



Quien escudriñe las páginas del libro del profesor Mazzuoli, quedará atrapado con su exposición, tanto de ideas propias como de ajenas. De hecho, el manejo de sus fuentes en varios idiomas —italiano, francés, alemán, inglés, español y portugués—, no nos deja duda de la exhaustividad de sus fuentes. Tenemos mucho que aprender de los juristas brasileños, pues la academia brasileña ha forjado una cantidad grande de escuelas y juristas que son de provecho. Por eso, desde Editorial Cuscatleca y J. M. Bosch hemos emprendido este esfuerzo de lograr mayor difusión de las obras brasileñas y lograr influenciarnos —¿¡por qué no!?— de sus hallazgos. Durante diez años consecutivos se ha ampliado y actualizado este libro, con inmensa dedicación y mucho esfuerzo por parte del profesor Mazzuoli. Nuestra intención, es la de tratar en profundidad todos los temas del contemporáneo Derecho Internacional Público y enfrentar las cuestiones más complejas de esa disciplina, todo con el fin de presentar las respuestas y soluciones que entendemos adecuadas. Durante todos estos años, no se han escatimado esfuerzos en proporcionar a nuestros lectores lo más actual, tanto a nivel doctrinario como jurisprudencial, que existe en relación al mosaico de temas que orbitan en el Derecho Internacional Público. También se han añadido ejemplos de interés general en varias partes del libro, con el fin de aclarar cuestiones teóricas, complementar los temas y facilitar la comprensión del texto. Con eso dejamos el libro más digerible al lector de lengua hispánica y atendemos a los mayores intereses de profesores y alumnos de esos países.   

Relatório de atividades no IPRI (2016-2018) e programa para 2019

No início de 2018, sempre visando à transparência de minhas atividades como diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI) da Fundação Alexandre de Gusmão, publiquei meu relatório do ano anterior, assim divulgado: 


3258. “Relatório de Atividades no ano de 2017 do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI), Funag/MRE”, Brasília, 30 março 2018, 11 p. Relação completa das atividades desenvolvidas no âmbito do IPRI durante o ano de 2017; divulgado no blog Diplomatizzando (http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2018/03/relatorio-das-atividades-no-ipri-em.html). 

Ao final do ano passado, já antecipando que estávamos não apenas no final de um governo, mas também no final de um regime, e no começo de outro, e possivelmente minha saída da direção do IPRI, fiz um relatório completo de minhas atividades à frente do IPRI, desde que assumi sua direção em agosto de 2016. Aqui segue: 


3383. “Relatório de Atividades como Diretor do IPRI de 2016 a 2018”, Brasília, 24 dezembro 2018, 27 p. Organizado segundo o modelo próprio, usando dados do modelo adotado no IPRI, eliminando alguns eventos, incluindo outros. Total de eventos: 2016=38; 2017=74; 2018=102; total=214. Disponibilizado na plataforma Research Gate (DOI: 10.13140/RG.2.2.11298.89288; link: https://www.researchgate.net/publication/329905640_Relatorio_de_Atividades_Gestao_do_diretor_do_IPRI_Paulo_Roberto_de_Almeida) e em Academia.edu (link: https://www.academia.edu/s/e66d6c1639/relatorio-do-ipri-diretor-paulo-roberto-de-almeida-2016-2018); anunciado no blog Diplomatizzando (25/12/2018; link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2018/12/ipri-meu-relatorio-de-atividades-2016.html).

Agora, em 2019, eu me proponho fazer, com meus auxiliares – Conselheiro Marco Túlio Cabral, coordenador de estudos e pesquisas, o ministro Antonio de Moraes Mesplé, e o gestor público e historiador Rogério de Souza Farias, ademais de outros colaboradores – o programa seguinte, se para tanto me ajudarem o engenho pessoal e a arte desses colaboradores, como diria Camões.


Programa de Trabalho do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais
Ano de 2019 – por categoria de eventos

Paulo Roberto de Almeida
Diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais, IPRI-Funag
 (versão: 31/01/2019)

            Em 2018, o IPRI excedeu todo o seu programa de trabalho fixado para o ano, deixando de realizar alguns poucos eventos, seja devido a restrições orçamentárias, introduzidas no meio do percurso, seja pela substituição de alguns dos eventos programados por novos, alternativos ou adicionais, que foram propostos ao longo do ano. Ademais das atividades correntes, regulares, mais de 100 eventos com participação de audiência foram realizados, ou seja, praticamente mais de um por semana, alguns fora de Brasília, em cooperação com entidades congêneres.
            Para 2019, se prevê um programa de trabalho mais moderado, e função das mudanças aguardadas nas grandes orientações do Ministério e da indefinição quanto aos recursos disponíveis. O corpo de funcionários do IPRI demonstrou notável desempenho em todas as atividades, cabendo ainda registrar o apoio da Funag, em termos logísticos e financeiros em cada uma dessas atividades, uma vez que o IPRI não dispões de recursos próprios ou autonomia.
            As sugestões abaixo representam uma lista maximalista, que poderá ser alterada em função das possibilidades concretas, bem como da agenda de trabalho da Funag e/ou do MRE.

(A) Percursos Diplomáticos
         Trata-se de iniciativa conjunta do IPRI e do Instituto Rio Branco, com cujo diretor serão ainda definidas a ordem e a inclusão ou exclusão de alguns dos nomes abaixo:
1) Luiz Felipe de Seixas Corrêa 2) Marcílio Marques Moreira; 3) José Botafogo Gonçalves; 4) Gilberto Saboia; 5) João Clemente Baena Soares; 6) Ruy Nogueira; 7) André Amado; 8) Álvaro Costa Franco; 9) José Antonio Macedo Soares; 10) Sérgio Paulo Rouanet; 11) Synesio Sampaio Goes; 12) Paulo Tarso Flecha de Lima; 13) Sérgio Amaral; 14) Vera Barrouin Crivano Machado; 15) Fernando Reis;

(B) Diálogos Internacionais
            Lista completa a ser determinada oportunamente, mas alguns nomes podem ser adiantados:
1) José Truda Palazzo Jr., Secretário da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente: Acordos internacionais e biodiversidade brasileira; 2) Claudio Shikida, professor na UFPelotas: As constituições e o desempenho econômico; 3) Armínio Fraga, economista: O Brasil na economia global; 4) Marcos Troyjo, Secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais: Negociações comerciais; 5) Gustavo Franco, economista: Cenários monetários no mundo, o dólar, o euro, o yuan e as reservas internacionais; 6) Mansueto Almeida: O Tesouro do Brasil e o endividamento externo do Brasil; 7) Rubem Ferreira Novaes, presidente do Banco do Brasil: O BB e sua atuação externa; 8) Marcos Cintra, secretário da Receita Federal: Reforma do sistema tributário brasileiro e a integração regional; 9) Mario Vilalva, diretor da Apex: Promoção comercial; 10) Carlos von Doellinger, presidente do Ipea: Estudos de economia internacional; 11)  Pedro Luiz Rodrigues: Secretário de Assuntos Internacionais do GDF; 12) Antonio Augusto Cançado Trindade: Direitos Humanos em Perspectiva Internacional;13) Roberto Ellery, A Crise Fiscal Brasileira em Perspectiva Internacional; 14) José Alfredo Graça Lima: Reforma da OMC; 15) Carlos Malamud (Elcano, Madri): Integração na América Latina (1/04);

 (C) Seminários
         Propostas sumárias de possíveis seminários, a serem definidos em detalhe, com participantes e entidades colaboradoras em versão ulterior deste documento:

1) América do Sul: integração física; novas iniciativas de caráter econômico-comercial;
2) Segurança e Defesa: em cooperação com Institut Egmont e Université de Louvain-La-Neuve;
3) Relações Brasil-Argentina e posição no mundo: em cooperação com o CARI (Buenos Aires);
4) Relações Brasil-França e posição no mundo: em cooperação com IRIS ou Sciences Po;
5) Relações Brasil-China e posição no mundo: em cooperação com Chongyang Institute;
6) Cooperação Brasil-China-América Latina: em cooperação com CICIR e outras entidades;
7) Segurança estratégica internacional: em cooperação com IISS, do Reino Unido;
8) Seminário sobre Atlântico Sul: (a definir; cooperação com Min. da Defesa)
9) Historiografia brasileira das relações internacionais: CHDD-IPRI (revisão dos papers)

 (D) Mesas Redondas
         Destinadas a debater questões de interesse da diplomacia e da política externa brasileira:
1) A diplomacia brasileira vista pelo jornalismo especializado (brasileiros e estrangeiros)
2) San Tiago Dantas: pensamento e ação e seu legado para a diplomacia contemporânea
3) Fernão de Magalhães: 500 anos da primeira circunavegação; cooperação Portugal-Espanha;
4) Negociações de Paz de Paris; Liga das Nações; participação do Brasil;

(E) Publicações
         Ademais das publicações regulares (Cadernos de Política Exterior), algumas sugestões:
1) Escola Superior de Guerra: participação de diplomatas (seleção, compilação; introdução)
2) Informações ao Presidente da República (começando por Índices completos; seleção; edição)
3) Obras do Barão do Rio Branco, edição compacta (organizador: Manoel Gomes Pereira)
4) Participação na nova coleção do Bicentenário da Funag (títulos a serem definidos)
5) Assessoria na edição de textos (com pesquisa e bibliografia) de interesse da SERE
6) Continuidade dos “Clássicos do IPRI”: novos títulos em processamento (Editora da UnB?)
7) Colaboração com entidades congêneres, brasileiras e estrangeiras, em projetos editoriais
8) Homenagem a José Guilherme Merquior: ensaios, Paulo Roberto de Almeida (org.)
9) Nova edição, ampliada da obra O Itamaraty na Cultura Brasileira, Alberto da Costa e Silva
10) Processualística dos atos internacionais no Brasil, José Vicente da Silva Lessa
11) Historiografia brasileira de relações internacionais; coords: Gelson Fonseca; Paulo R. Almeida
12) Ensaios e artigos sobre relações internacionais e política externa, Ronaldo Mota Sardenberg
13) Prata da Casa: os livros dos diplomatas, Paulo Roberto de Almeida
14) Alexandre de Gusmão: Biografia, Synesio Sampaio Goes
15) Essays on Brazilian Diplomatic History, Stanley Hilton
16) Arquitetura  Diplomática: os palácios do Itamaraty, Heitor Granafei
17) Coleção Memória institucional do Ministério das Relações Exteriores (MRE), IPRI/DCD

(F) Plataforma Digital
         Atividades e produtos a serem desenvolvidos em formato digital, com a definição de séries documentais a serem disponibilizadas, ou plataformas abertas a atualização contínua:

1) Relatórios digitalizados dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros e das Relações Exteriores, em cooperação com o CHDD e a Biblioteca Azeredo da Silveira;
2) Painel de postos e remoções do corpo diplomático brasileiro, desde o século XIX
3) Estatísticas: atualização digital semestral;
4) Cadastro de entidades vinculadas a RI, nacionais e estrangeiras
5) Banco de Teses e Dissertações: atualização, ampliação
6) Repertório de Política Exterior
7) outros produtos a serem definidos

(G) IPRI Itinerante
         Trata-se de iniciativa a ser empreendida em cooperação com os cursos de graduação e de pós-graduação em RI, e centro de estudos afins, situados em Brasília e em seu entorno geográfico imediato, que pretende oferecer a colaboração do IPRI-Funag, e de diplomatas da SERE, sob a forma de participação em eventos a serem empreendidos por essas entidades, após coordenação e entendimento com seus coordenadores e responsáveis. A intenção é a de estreitar os laços entre o IPRI-Funag e o próprio Itamaraty, de um lado, e os programas de estudos em RI e temas afins com essas entidades próximas à capital federal.

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 31/01/2019