O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

terça-feira, 16 de agosto de 2022

Conversações com Stalin, Milovan Djilas - GUILLERMO BELCORE (La Prensa, 2021)

 

LA FELICIDAD DE LOS LIBROS

Cara a cara con Stalin

Ciertos hechos y ciertos personajes de la historia atrapan por completo nuestra imaginación. Tienen fulgor hipnótico; una y otra vez volvemos a ellos tratando de descifrarlos. Iósif Vissariónovich Dzhugashvili, mejor conocido como Stalin, es uno de ellos. “Desde el punto de vista del humanismo y de la libertad, la historia no ha conocido un déspota tan brutal y cínico como él. Metódico, como los criminales que lo subordinan todo a la realización de una pasión delictuosa, era uno de esos dogmáticos extraños y terribles, que son capaces de destruir al noventa y nueve por ciento de los seres humanos para dar la ‘felicidad’ al uno por ciento restante“, lo describió un idealista que lo admiraba, se reunió cuatro veces cara a cara con el monstruo y terminó repudiándolo, incluso en letra impresa, lo que le valió más años de cárcel, no en la Unión Soviética, sino en otra dictadura roja, la del croata Josip Broz Tito.

El autor de la cita es el escritor y revolucionario 
Milovan Djilas (Mojkovac 1911-Belgrado, 1995), uno de los cuatro dirigentes más poderosos de la Yugoslavia comunista que emergió de la Segunda Guerra Mundial, pero una década más tarde cayó en desgracia por haber denunciado los vicios del sistema, en particular la llamadanomenklatura, condenada con toda razón y justicia en un libro que dio vuelta al mundo a partir de 1957: La nueva clase.

En uno de los mejores artículos periodísticos publicados en 2020 (http://www.laprensa.com.ar/493030-La-nueva-clase.note.aspx), Dardo Gasparré ha demostrado que los filosas denuncias de Djilas respecto a la nueva casta gobernante que se había enseñoreado detrás de la Cortina de Hierro podrían aplicarse perfectamente a la Argentina de nuestro tiempo.
 

La nueva clase ofendió a los Señores Bolcheviques que se vengaron extendiendo los años de cárcel de Djilas. En 1961, el régimen de Tito liberó al pensador montenegrino (al fin y al cabo era uno de los suyos), quien aprovechó la ocasión para escribir Conversaciones con Stalin con el propósito de ilustrar a los investigadores, “y en especial a los que luchan por una existencia humana más libre”.

Seix Barral lo publicó en España en 1963, edición de ciento setenta páginas que ha llegado a nuestras manos y nos gustaría recomendar a todo lector amante de la Historia en general, y al interesado en particular en esa aberración llamada “comunismo”.

Djilas, que nunca abjuró de sus ideas marxistas, organizó el libro en cuatro partes que lo dicen todo: Entusiasmo (1944); Dudas (1945); Desilusión (1948); Conclusiones. Y añadió una esclarecedora sección de ‘Notas biográficas‘.

El libro ofrece información de primera mano sobre el monstruo, con quien el vicario de Tito compartió no sólo discusiones políticas y estratégicas en el Kremlin, sino también esas cenas grotescas de más seis horas con que se relajaban Stalin, el glotón, y su camarilla, árbitros de la vida o la muerte de millones de personas:

 “En estas cenas se decidía la suerte del gran imperio ruso, la de los nuevos territorios adquiridos y, hasta cierto punto, la de la raza humana. Lo más seguro es que aquellas cenas no les inspirarán a aquellos ‘ingenieros del espíritu’ grandes empresas pero allí, probablemente, se enterraron muchas’.

PEQUEÑO BARRIGON


 Así describe el montenegrino a Stalin en su primer encuentro:
 

“Me sorprendió lo pequeño y mal construido que era. Tenía el tórax estrecho y los brazos las piernas, largos. Movía el brazo y el hombro izquierdos con dificultad y rigidez. Gozaba de una buena barriga y tenía poco pelo aunque no llegaba a la calvicie. Su cara era blanca, excepto las mejillas, coloreadas de un rosa intenso. Más tarde supe que ese colorido tan característico de quienes permanecen mucho sentados mucho tiempo en trabajos de oficina, era conocido como ‘tez del Kremlin’ en las altas esferas soviéticas. Los dientes de Stalin eran oscuros, irregulares y metidos hacia dentro. Su bigote no era muy espeso y tendía a ser lacio. Pese a todo, su cabeza no desagradaba; había en ella algo popular, campesino y patriarcal, que, junto a sus ojos pardos, constituía una curiosa mezcla de severidad y picardía”.


Los retratos de los serviles colaboradores del tirano son interesantísimos: Dimitrov, Molotov, Beria, Zadanov, Malenkov, Jruschev, entre otros. Una curiosidad: casi todos eran petisos, en el Politburó estaliniano casi no había hombres altos.

El libro parece una novela de aprendizaje. Djilas va de la fe del carbonero al escepticismo. “En aquella época creía aun que era posible ser comunista sin dejar de ser hombre libre”, escribe en la página ochenta y cinco. Le desagrada especialmente la rusificación de la Revolución de Octubre, lo que implicaba “atraso, primitivismo, chauvinismo, sentido de superioridad‘. Pero halla en el Gran Jefe una cualidad honorable: “tenía gran sentido del humor; humor áspero, seguro de sí mismo pero dotado de finura y profundidad”. Como el diablo, añadimos.

Una se va de este libro necesario con una obsesión en la cabeza. El régimen comunista de ayer y el neocomunismo de hoy es una calamidad para la especie humana, que favorece el ascenso de los chiflados en los que “cualquier delito es posible”, por lo tanto debe ser combatido con todas las armas intelectuales a nuestro alcance allí donde se encuentre, en La Habana, Caracas o Pyongyang. Stalin, “cuyo gusto por los crímenes gratuitos era propio de un Calígula, y poseía además la refinada crueldad de un Borgia y la brutalidad de Iván el Terrible“, fue la consecuencia lógica de un régimen de partido único. La alternancia en el poder es nuestro mejor seguro de vida.

Hay un pensamiento del tirano, delineado en 1945, que quizás explique mucho del mundo actual:
 

Hoy en día el socialismo es posible incluso bajo la monarquía inglesa. La revolución no es siempre necesaria...

 

A dificil espera dos afegãos para um refúgio no Brasil

 Um drama humanitário que precisa ser urgentemente resolvido:


Burocracia, falta de assistência e choque cultural dificultam vida de refugiados afegãos no Brasil

Por Luiz Henrique Gomes
15/08/2022 | 05h00
Atualização: 15/08/2022 | 07h24

Um ano depois do retorno do Taleban ao poder, 5,6 mil afegãos conseguiram o visto para o Brasil; outros 6 mil estão em filas de espera para morar no país

Ahmad Jan não conhecia praticamente nada do Brasil quando viu um post do Facebook que dizia que o país estava concedendo visto humanitário para afegãos que desejavam fugir do Taleban. Havia seis meses que ele tinha saído do Afeganistão junto da família e ido para o Irã com vistos temporários, sem saber como se manter em um país que cobra oito dólares por dia depois que os vistos se vencem. “Mas, então, eu soube do Brasil e decidi ir até a embaixada. Até aquele momento, eu só sabia que o país tinha a Seleção Brasileira e o Pelé”, contou.

De origem hazara, etnia perseguida pelo Taleban, Ahmad Jan faz parte de um grupo de pelo menos 12 mil afegãos que escolheram o Brasil como destino desde a queda de Cabul, no dia 15 de agosto de 2021, exatamente um ano atrás – destes, 5.651 conseguiram o visto até o dia 9 deste mês. O afegão, de 45 anos, trabalhava como parteiro e professor universitário na capital do país e deixou tudo para trás com medo da repressão do grupo extremista.

Ahmad sabe o que é viver sob o Taleban. No primeiro governo do grupo extremista no Afeganistão (1996-2001), ele foi espancado ao ir na cidade pelo simples motivo de não ter uma barba grande o suficiente. “Eu vivi aqueles tempos, via o Taleban batendo nas pessoas todos os dias com pedaços de madeira e até com projéteis de RPG (lançador de granada propulsada, uma arma anti-tanque)”, relembrou. Pai de uma garota de 17 anos e dois garotos de 16, ele também se preocupou com o futuro dos filhos em um regime que proíbe as mulheres de frequentar a escola e trabalhar. Por isso, fugiu do Afeganistão para morar em um lugar completamente desconhecido e distante culturalmente.

Desde que chegou ao país com a esposa e os três filhos, Ahmad mora em um centro de acolhida presbiteriano em Rio Grande da Serra, município de 51 mil habitantes a 40 quilômetros da cidade de São Paulo. No centro, eles têm aula de português junto com refugiados afegãos e de outras nacionalidades, mas a principal barreira para a adaptação continua sendo o idioma. “Estou agradecido pelos meus filhos poderem ir a escola, mas eles querem prestar Enem no ano que vem para ir a universidade e essa é uma das minhas maiores preocupações”, declarou.

Antes de chegar ao Brasil, Ahmad precisou aguardar entre três e quatro meses entre a solicitação de entrevista e a obtenção do visto brasileiro. Esse tempo de espera, entretanto, se tornou maior a medida que mais e mais afegãos começaram a solicitar os vistos para o país, causando uma superlotação nas embaixadas brasileiras responsáveis pelo processo (como o Brasil não tem representação em Cabul, o visto é obtido em outros países).

Atualmente, a Embaixada em Teerã – onde Ahmad conseguiu o documento – possui uma fila de 4.883 afegãos com entrevista marcada para obtenção do visto marcada e não aceita mais agendamentos desde julho. Em Islamabad, no Paquistão, as entrevistas estão suspensas desde abril e 1.204 pessoas estão na fila das entrevistas. De acordo com o Itamaraty, o último agendado em Islamabad vai fazer a entrevista no dia 11 de janeiro de 2023.

Na avaliação do advogado Vitor Bastos, que faz parte de um grupo de profissionais que auxilia afegãos que tentam vir ao Brasil, a demora e a estrutura inferior à demanda são os principais obstáculo que impedem os afegãos de virem ao Brasil. Como os países onde as embaixadas estão também exigem o visto para os afegãos, eles precisam correr para conseguir um agendamento enquanto ainda estão regular no Irã ou no Paquistão. “Se manter regular no Irã ou no Paquistão enquanto aguarda a decisão sobre o visto humanitário é uma das grandes aflições dos afegãos”, declarou Vitor.

Espera longa
Mansour Rabiei, administrador de 38 anos, soube da possibilidade de vir ao Brasil cerca de duas semanas depois do Taleban chegar à Cabul e retomar o poder. Funcionário do Ministério do Interior durante o governo de Ashraf Ghani, o afegão precisou sair do país para não ser procurado pelo regime. Enquanto se escondia na residência de amigos em Cabul, soube através de um primo que morava no Brasil que o governo brasileiro havia instituído o visto humanitário – e começou, ainda em setembro, a se mobilizar para obter o documento.

Somente no dia 27 de julho, quase um ano depois, é que Mansour conseguiu fazer a entrevista. Ele ainda aguarda obter o documento, aprovado esta semana, para viajar.

Até a entrevista, no entanto, Mansour viveu escondido durante cinco meses em Cabul. Ele tentava obter o visto para o Paquistão, onde entraria em contato com a embaixada brasileira, mas, por motivo desconhecido, demorou meses. No período que estava escondido na capital afegã com a família, ele quase foi pego pelo regime. “O Taleban começou um programa para encontrar opositores em casa. No dia que eles vieram ao meu bairro, eu precisei me esconder em um hospital infantil e esperei eles revistarem todas as casas”, relatou.

Enquanto estava escondido, os membros do regime foram até a casa onde estava o restante da família. O filho de Mansour, de apensa 9 anos, foi quem atendeu. “Perguntaram para ele com que eu trabalhava. Ele disse que eu era eletricista. Nós tínhamos o instruído a isso”, disse.

Quando conseguiu o visto para o Paquistão, em meados de abril deste ano, Mansour precisou cruzar a fronteira entre os países pela estrada, em uma travessia arriscada devido a presença de membros do Taleban no interior do país. A família havia cruzado primeiro. Meses depois, ele seguiu de carona. “Cruzei a fronteira dormindo no banco, com medo do Taleban para o carro e me fazer perguntas. Eu tinha muito medo, e eu sabia que eles podiam notar isso”, contou. Desde então, ele mora num quarto de hotel em Islamabad mantido por amigos e familiares.

Riscos na travessia
Assim como Mansour, outros 182 mil afegãos se viram forçados a sair do país em direção aos países vizinhos (Paquistão, Irã, Uzbequistão e Tajiquistão) por causa do regime, de acordo com o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). Internamente, 700 mil afegãos se deslocaram no último ano, acrescenta o órgão.

Durante os anos que as tropas americanas ocuparam o Afeganistão, o Taleban se espalhou pelas zonas rurais do país, de difícil acesso, e passou a ter controle de algumas estradas. A travessia é, portanto, perigosa – e ser capturado significa a prisão, o espancamento ou a morte. “O Afeganistão visto de cima é como uma ratoeira, cheia de buracos, montanhas. As fronteiras entre os países são extremamente fluídas. Eles podem estar em qualquer lugar”, disse o ex-embaixador Fausto Godoy, primeiro diplomata brasileiro na Embaixada de Islamabad e hoje professor da ESPM.

O fluxo migratório também criou redes de propinas nas fronteiras e estradas internas. Segundo Vitor Bastos, dezenas de afegãos passaram a relatar que tiveram que pagar preços altos para cruzar a fronteira para os países vizinhos, mesmo com vistos em mãos. “No início, o fluxo de pessoas saindo era mais fácil, mas depois começou a ser dificultado e a cobrança de propina aumentou na fronteira”, declarou.

Em alguns casos, as famílias são presas por guardas de fronteira e separadas. Ali Kazimi, de 43 anos, e Fatima Kazimi, de 36, foram separados dos filhos Sohail Kazimi e Sahil Kazimi enquanto tentavam chegar a Turquia através da fronteira do Irã. Eles foram pegos e deportados ao Afeganistão, mas os filhos, ambos menores de idade, foram enviados para um centro de acolhimento na Turquia. Os dois permanecem até o momento sob a tutela de um brasileiro, Lucas Cabral Ferreira, que mora em Istambul desde 2018 e é líder do conselho de cidadãos brasileiros junto ao consulado brasileiro.

Ali e Fatima Kazimi conseguiram o visto para o Brasil na Embaixada de Islamabad, mas os dois filhos não conseguiram o documento para se juntar aos pais em Morungaba, interior de São Paulo. Segundo Lucas, a justificativa da embaixada foi que eles não seriam vacinados contra covid-19. O Itamaraty nega que isso tenha acontecido. “Em reconhecimento à situação de vulnerabilidade das pessoas no Afeganistão, o governo brasileiro dispensou nacionais afegãos da apresentação de comprovante de vacina para entrada no território nacional”, declarou em nota.

Os pais de Sohail Kazimi e Sahil Kazimi tentam agora retornar a Turquia para encontrar os filhos, que possuem autorização para permanecer no país até 18 de setembro. “Então, as crianças se tornarão ilegais na Turquia. Eles precisam de ajuda imediata”, declarou Lucas.

Falta de opções
Desesperados para chegar a algum lugar onde se sintam seguros, os afegãos olham o Brasil como um país possível, mesmo que o desconheçam quase que por completo e que as dificuldades para obter o visto sejam muitas. Shekiba Elyasi, de 26 anos, conta que soube do país através de uma amiga que mora no Canadá e é integrante do Médico Sem Fronteiras. Escolheu-o por saber que, no Afeganistão, sendo ela mulher e da etnia hazara, seria oprimida pelo Taleban, assim como as suas duas irmãs.

Quando o grupo extremista chegou ao poder, Shekiba estava no segundo ano da universidade, onde cursava obstetrícia. A irmã estava prestes a se formar na graduação e a irmã mais nova estava na escola. “Agora, não temos nenhum plano, nenhum futuro. Não sabemos o que vai acontecer, o que faremos com o nosso futuro”, contou. Entre os maiores medos, estão o casamento forçado e a restrição de não poder trabalhar, estudar e de sair de casa.

Desde novembro do ano passado, a afegã está no Irã com um irmão com um visto temporário de um ano. Ela obteve o visto para o Brasil em junho, mas não viajou porque aguarda o restante da família – que está no Afeganistão – também conseguir o documento. Nos últimos dois meses, ela aproveitou para começar a estudar português. “Não conheço nada do Brasil, mas estou esperançosa”, declarou.

Segundo o ex-embaixador Fausto Godoy, o desconhecimento reflete o quanto a política externa do Brasil está afastada de países asiáticos. “Estamos muito apequenados nesta política, não temos uma presença nesta região”, avaliou. Além disso, acrescenta, a própria estrutura das embaixadas na região é outro sinal do desinteresse político.

Mas, para quem está aqui, o Brasil pode ser um lugar que, apesar de toda a distância cultural e física, a adaptação é possível. “Sinto saudades dos meus amigos que estão no Afeganistão, mas estou em uma cidade tranquila e acolhedora. Minha filha e meus filhos estão na escola, e isso é o mais importante. No Brasil, me sinto relaxado, sem problemas mentais. No Afeganistão, todos têm problemas mentais por conta da situação do país”, concluiu Ahmad Jan.

https://www.estadao.com.br/internacional/burocracia-falta-de-assistencia-e-choque-cultural-dificultam-vida-de-refugiados-afegaos-no-brasil/

segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Construtores da Nação: projetos para o Brasil, de Cairu a Merquior: capa, sumário e apresentação - Paulo Roberto de Almeida

Paulo Roberto de Almeida:

Construtores da Nação: projetos para o Brasil, de Cairu a Merquior

São Paulo: LVM Editora, 2022


Índice

Prefácio   Arnaldo Godoy 

Apresentação

Nos ombros dos verdadeiros estadistas, Paulo Roberto de Almeida 

 

Introdução

Da construção do Estado à construção da Democracia 

 

Primeira parte: a construção do Estado

     O Estado antes da Ordem e da própria Nação 

1.  As vantagens comparativas de José da Silva Lisboa (Cairu)

2.  Por uma monarquia constitucional liberal: Hipólito da Costa  

3.  Civilizar os índios, eliminar o tráfico: José Bonifácio de Andrada e Silva

4.  Um Memorial para reformar a nação: Francisco Adolfo de Varnhagen

 

Segunda parte: a construção da Ordem

     Uma Ordem patrimonialista e oligárquica 

5.  Os liberais conservadores: Bernardo, Paulino e Paranhos

6.  Um aristocrata radical: Joaquim Nabuco 

7.  Bases conceituais da diplomacia: o paradigma Rio Branco

8.  O defensor do Estado de Direito: Rui Barbosa 

 

Terceira parte: a construção do Progresso

     O Progresso pelo Estado, com o Estado, para o Estado 

9.  Um empreendedor liberal numa terra de estatistas: Mauá

10. Um inglês imaginário e o nacionalista do petróleo: Monteiro Lobato

11. O revolucionário modernizador: Oswaldo Aranha

12. Duas almas pouco gêmeas: Roberto Simonsen e Eugenio Gudin 

 

Quarta parte: a construção da Democracia

     A Democracia carente de união nacional 

13. Em busca de uma esquerda democrática: San Tiago Dantas

14. O militante do parlamentarismo: Afonso Arinos de Melo Franco

15. As oportunidades perdidas do Brasil: Roberto Campos 

16. O liberalismo social de José Guilherme Merquior

 

A construção da Nação: um itinerário de 200 anos de história

 

Posfácio

O que a intelligentsia brasileira construiu em dois séculos de ideias e ações? 

 

Referências Bibliográficas para os Construtores da Nação 

Nota sobre o autor  

 

===========


Apresentação


Nos ombros dos verdadeiros estadistas

 

Paulo Roberto de Almeida 

 

Este livro trata, como indicado em seu título, de alguns dos construtores da nação brasileira. Ao abrigo desse conceito pretendi apresentar, ainda que de maneira breve, a vida, um esboço do pensamento e uma parte da obra daqueles que muito contribuíram, nem sempre com efeitos práticos ou resultados plenos, para a propositura de programas de governo, bem como de projetos para reformas estruturais nas instituições de Estado e nos mecanismos de governança do país, ao longo de quase duzentos anos de nosso itinerário como nação independente. Contudo, entre esses “construtores” não figuram aqueles indicados nos livros de história como tendo sido “dirigentes do Brasil” ou ocupado cargos de chefia de Estado: por exemplo, não foram aqui contemplados nem um, nem outro dos dois imperadores, que se exerceram, cada qual ao seu estilo, durante os 67 de regime monárquico, nem qualquer um dos regentes no período intermediário entre um e outro; tampouco receberam alguma menção especial qualquer um dos presidentes – e foram várias dezenas – ao longo dos mais de 130 anos de regime republicano. 

Mas aqui estão vários que poderiam ter sido mandatários do Estado, assim como alguns outros poucos que, de fato, exerceram funções de “primeiros-ministros”, como o “patriarca da Independência”, José Bonifácio de Andrada e Silva, assim como José Maria da Silva Paranhos, o Visconde do Rio Branco, na função de presidente de um dos gabinetes imperiais. Outros quase chegaram lá, como Rui Barbosa – candidato duas vezes à presidência –, ou San Tiago Dantas, recusado como primeiro-ministro de um dos gabinetes durante a breve experiência parlamentarista republicana. Oswaldo Aranha poderia ter sido um grande presidente, numa das várias oportunidades da chamada “era Vargas”, mas foi sabotado pelo próprio caudilho. Alguns outros, que aqui figuram, exerceram funções ministeriais, como Paulino, o Visconde do Uruguai, o próprio Rui Barbosa, ministro “inaugural” da Fazenda sob a República, Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco, e Oswaldo Aranha, como chanceleres de grande envergadura na primeira metade do século XX, ou ainda o próprio Afonso Arinos de Melo Franco e também San Tiago Dantas, ambos por breves períodos, nas conturbadas presidências de Jânio Quadros e João Goulart. Eugênio Gudin e Roberto Campos se exerceram na área econômica partilhando das mesmas ideias liberais, embora eles o fizeram numa conjuntura de enorme preeminência e ascensão do Estado empreendedor. Alguns tiveram projeção na academia, ou na vida privada, ou ainda no próprio Estado, com impactos diferenciados sobre as políticas públicas, mas com influência decisiva sobre as ideias em cada época, ou talvez ainda hoje, pois que permanecem na história nacional como grandes pensadores que foram ou promotores de reformas que poderiam ter arrancado o Brasil de sua letargia para projetá-lo entre as nações avançadas do século XX. 

No conjunto de seus ensaios de caráter historiográfico, este livro se esforça por examinar diferentes projetos para a construção da nação brasileira desde a Independência, nas esferas da organização do Estado, da garantia da Ordem, da busca do Progresso e no estabelecimento da Democracia, que são as quatro partes nas quais estão distribuídas curtas biografias intelectuais dos construtores da nação por mim selecionados. Faltam muitos outros, é verdade, que poderão ser contemplados numa continuidade desta primeira coleção de pequenos “retratos” de alguns grandes estadistas da nação. Minha metodologia consistiu num exame individualizado, mas contextualizado, da vida, da obra, do pensamento e das contribuições respectivas de vinte personalidades atuantes na História do Brasil, em diferentes dimensões – governo, economia, relações internacionais, educação e cultura – nos últimos duzentos anos. Cada uma dessas personalidades – José da Silva Lisboa, Hipólito José da Costa, José Bonifácio de Andrada e Silva, Francisco Adolfo de Varnhagen, Bernardo Pereira de Vasconcelos, Paulino José Soares de Sousa, José Maria da Silva Paranhos, Joaquim Nabuco, José Maria da Silva Paranhos Jr., Rui Barbosa, Irineu Evangelista de Sousa, José Bento Monteiro Lobato, Oswaldo Aranha, Roberto Simonsen, Eugênio Gudin, Fernando de Azevedo, San Tiago Dantas, Afonso Arinos de Melo Franco, Roberto Campos e José Guilherme Merquior – recebe um curto perfil biográfico, seguido de breve descrição de suas atividades e obras ou ações conduzidas ao longo da vida, com um exame interpretativo de suas contribuições à construção da nação, naquelas dimensões, e uma avaliação do impacto de suas propostas. As referências bibliográficas ao final são individualizadas para cada um dos personagens, para melhor aferir a produção própria, assim como os trabalhos analíticos e biográficos em torno deles, complementadas por uma lista de obras gerais podendo servir a diferentes personalidades ou processos históricos cobrindo temáticas ou períodos mais amplos. 

Ao início e ao final do ensaio, assim como antecedendo cada uma das quatro partes, cobrindo os quatro conceitos que formam os elementos da construção da nação, figuram textos relativamente sintéticos contextualizando os períodos, as grandes questões em jogo, assim como o ambiente no qual atuavam cada uma das duas dezenas de personagens históricas. Ao longo de uma vida de estudos e pesquisas, ou de breves “convivências” com alguns deles, li muitos dos escritos que eles nos deixaram, percorri seus escritos em arquivos ou até dialoguei com um ou outro, mais indiretamente do que pessoalmente. Monteiro Lobato, por exemplo, “percorreu” toda a minha infância e primeira adolescência, e com ele, ou através dele, obtive minha primeira formação em história, mitologia, fantasia, para mais adiante tomar conhecimento dos grandes problemas do Brasil, do petróleo, do ferro, dos transportes. Hipólito e Bonifácio me ofereceram os primeiros “projetos de nação”, que infelizmente se perderam na mesquinhez do tráfico e na desgraça da escravatura. Mauá foi o empreendedor liberal de um Brasil que não conseguiu se desvencilhar das amarras da grande propriedade para se lançar num processo de industrialização dinâmico, também tentado pelo mesmo Monteiro Lobato, por Roberto Simonsen e também por Roberto Campos, inclusive na perspectiva de sua inserção na economia global, o que ainda não se realizou. Outros foram mestres na doutrina democrática e na diplomacia, como Rui Barbosa, os dois Rio Branco, Oswaldo Aranha, Afonso Arinos e San Tiago. Um último, finalmente, poderia ter sido um chanceler como nenhum outro tivemos, um intelectual de estatura mundial, como foi José Guilherme Merquior. 

Com todos eles aprendi muitas coisas, praticamente tudo o que sei sobre o Brasil e seus problemas, e também aprendi que nem todos os grandes projetos de construção da nação podem ser exitosos no próprio momento de sua concepção e proposição. Este ensaio constitui uma singela homenagem a esses gigantes do pensamento brasileiro, estadistas do saber, que, independentemente do maior ou menor sucesso na realização de suas ideias e propostas, realmente contribuíram para a construção da nação, em duzentos anos de história. 

 

No prelo, publicação prevista para setembro.

Os Estados Latino-americanos frente ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia: seminário 17 de agosto, 9:30-12h30 (Ceub) - Nitish Monebhurrun, Paulo Roberto de Almeida

 No próximo dia 17/08, das 9h30 às 12hs, deverei participar, a convite do professor e colega do Ceub, Nitish Monebhurrun, de um workshop em modalidade híbrida, sobre o tema: 

Los Estados Latinoamericanos frente a la crisis de Ucrania-Rusia

Os Estados Latino-americanos frente ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia

(17 de agosto, 9:30 – 12:30)

Sala 3018, Bloco 3, campus do Ceub

Link: meet.google.com/gkc-szgz-prt

Com a participação dos professores doutores Rafael Arturo Prieto Sanjuan (Pontificia Universidad Javeriana, Bogotá), Jorge Juan Faundes Peñafiel (Universidad Autónoma de Chile), Ricardo García de la Rosa (Instituto Tecnológico Autónomo de México) e Lucas Lima (Universidad Federal de Minas Gerais).

Como é meu costume, preparei um paper, apenas para organizar as ideias, mas que não pretendo ler nos 15 a 20 minutos que me são impartidos:  

4127. “A guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia e a postura do Brasil”, Brasília, 14 agosto 2022, 10 p. Breve paper sobre a diplomacia brasileira no tocante à guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, para participação em seminário híbrido sobre o posicionamento dos Estados latino-americanos frente ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia, organizado pelo prof. Nitish Monebhurrun, no Ceub, no dia 17 de agosto, 9h30

Coloquei-o à disposição de todos os interessados neste link da plataforma Academia.edu: https://www.academia.edu/84817949/4127_A_guerra_de_agressao_da_Russia_contra_a_Ucrania_e_a_postura_do_Brasil_2022_

Abaixo, a programação do seminário, e ao final, alguns outros trabalhos meus, anteriores, sobre essa guerra de agressão. 




Alguns trabalhos meus sobre essa temática: 

4087. “Uma nota pessoal sobre mais uma postura vergonhosa de nossa diplomacia”, Brasília, 22 fevereiro 2022, 2 p. Comentários a nota do Itamaraty e a declaração feita no CSNU a propósito da invasão da Ucrânia pela Rússia, com referência à nacionalização dos hidrocarburos na Bolívia em 2006. Postado no blog Diplomatizzando (link:https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/02/uma-nota-pessoal-sobre-mais-uma-postura.html).


4098. “Renúncia infame: o abandono do Direito Internacional pelo Brasil”, Brasília, 7 março 2022, 5 p. Breve ensaio para o blog científico International Law Agendas, do ramo brasileiro da International Law Association (ILA; http://ila-brasil.org.br/blog/), para edição especial sobre “A política externa brasileira frente ao desafio da invasão russa na Ucrânia”, a convite de Lucas Carlos Lima, coeditor do blog, com base nas notas e declarações do Itamaraty com respeito aos debates no CSNU e na AGNU. Publicado, na condição de membro do Conselho Superior do ramo brasileiro da International Law Association, no blog eletrônico International Law Agendas (7/03/2022; link: http://ila-brasil.org.br/blog/uma-renuncia-infame/); blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/03/uma-renuncia-infame-o-abandono-do.html). Relação de Publicados n. 1442. 


4099. “Quando o dever moral nascido do sentido de Justiça deve prevalecer sobre o “pragmatismo” que sustenta o crime”, Brasília, 9 março 2022, 1 p. Comentário sobre a postura objetivamente favorável do governo brasileiro ao agressor no caso da guerra na Ucrânia. Postado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/03/quando-o-dever-moral-nascido-do-sentido.html).


4107. “O conflito Rússia-Ucrânia e o Direito Internacional”, Brasília, 16 março 2022, 12 p. Respostas a questões colocadas por interlocutor profissional sobre a natureza do conflito e suas consequências no plano mundial. Disponível Academia.edu (link: https://www.academia.edu/73969669/O_conflito_Russia_Ucrania_e_o_Direito_Internacional_2022_); divulgado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/03/o-conflito-russia-ucrania-e-o-direito.html).

 

4109. “Avançamos moralmente desde os embates de nossos ancestrais na luta pela sobrevivência?”, Brasília, 19 março 2022, 1 p. Considerações sobre a imoralidade e barbaridade dos atos que estão sendo cometidos pelas tropas de Putin na Ucrânia. Postado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/03/avancamos-moralmente-desde-os-embates.html).


4131. “Consequências econômicas da guerra da Ucrânia”, Brasília, 19 abril 2022, 18 p. Notas para desenvolvimento oral em palestra-debate promovida no canal Instagram do Instituto Direito e Inovação (prof. Vladimir Aras), no dia 21/04/22. Nova versão reformatada e acrescida do trabalho 4132, sob o título “A guerra da Ucrânia e as sanções econômicas multilaterais”, com sumário, anexo e bibliografia. Divulgado preliminarmente na plataforma Academia.edu (link: https://www.academia.edu/77013457/A_guerra_da_Ucrânia_e_as_sanções_econômicas_multilaterais_2022_) e anunciado no blog Diplomatizzando (20/04/2022; link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/04/a-guerra-da-ucrania-e-as-sancoes.html). Transmissão via Instagram (21/04/2022; 16:00-17:06; link: https://www.instagram.com/tv/CcoEemiljnq/?igshid=YmMyMTA2M2Y=); (Instagram: https://www.instagram.com/p/CcoEemiljnq/).


 4143. “Quão crível é a ameaça de guerra nuclear da Rússia no caso da Ucrânia?”, Brasília, 2 maio 2022, 3 p. Rememorando o caso dos mísseis soviéticos em Cuba. Postado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/05/quao-credivel-e-ameaca-de-guerra.html).


4152. “O Brasil e a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia”, Brasília, 11 maio 2022, 16 p. Texto de apoio a palestra no encerramento da Semana de Ciências Sociais do Mackenzie, sobre o tema da “Guerra na Ucrânia e suas implicações para o Brasil” (13/05/2022). Disponibilizado na plataforma Academia.edu (link: https://www.academia.edu/78954459/O_Brasil_e_a_guerra_de_agressão_da_Rússia_contra_a_Ucrânia_2022_) e no blog Diplomatizzando (13/05/2022: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/05/guerra-na-ucrania-e-suas-implicacoes.html). Divulgado igualmente na página do Centro de Liberdade Econômica das Faculdades Mackenzie (link: https://www.mackenzie.br/liberdade-economica/artigos-e-videos/artigos/arquivo/n/a/i/o-brasil-e-a-guerra-de-agressao-da-russia-contra-a-ucrania). vídeo da palestra no canal YouTube do Mackenzie (link: https://www.youtube.com/watch?v=7jQtR277iDc). Relação de Publicados n. 1452.


4153. “Guerra na Ucrânia e suas implicações para o Brasil”, Brasília, 11 maio 2022, 5 p. Notas para exposição oral na palestra no encerramento da Semana de Ciências Sociais do Mackenzie, sobre o tema da “Guerra na Ucrânia e suas implicações para o Brasil” (13/05/2022). Divulgado no blog Diplomatizzando (14/05/2022; link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/05/guerra-na-ucrania-e-suas-implicacoes_14.html); vídeo da palestra no canal YouTube do Mackenzie (link: https://www.youtube.com/watch?v=7jQtR277iDc).


4165. “Os 100 primeiros dias da guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia: o Brasil afronta o Direito Internacional e a sua história diplomática”, Brasília, 3 junho 2022, 7 p. Texto de apoio a participação em seminário do Instituto Montese sobre os “100 dias de guerra na Ucrânia”, com gravação prévia antes da apresentação. Divulgado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/06/100-dias-de-guerra-de-agressao-da.html); emissão divulgada em 10/06/2022, 14h05 (link: https://www.youtube.com/watch?v=CEs-kG1hOjk; exposição PRA de 44:37 a 52:30 minutos da emissão). Relação de Publicados n. 1454.

 

4168. “O Brics depois da guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia”, Brasília, 9 junho 2022, 6 p. Posfácio ao livro A grande ilusão do Brics e o universo paralelo da diplomacia brasileira, e revisão geral, eliminando todas as tabelas, agora com 187 p. Apresentação no blog Diplomatizzando (11/06/2022; link:https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/06/meu-proximo-kindle-sobre-miragem-dos.html). Publicado em 12/06/2022 Brasília: Diplomatizzando, 2022; ISBN: 978-65-00-46587-7; ASIN: B0B3WC59F4.

 

4171. “O Brasil está perdendo o rumo em sua postura enquanto nação civilizada?”, Brasília, 12 junho 2022, 5 p. Nota sobre a postura diplomática do Brasil em relação à guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, aproveitando para apresentar o livro sobre o Brics, incluindo os dois sumários e o índice não numerado. Postado no blog Diplomatizzando(link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/06/o-brasil-esta-perdendo-o-rumo-em-sua.html).


4189. “O futuro do grupo BRICS”, Brasília, 30 junho 2022, 9 p. Texto conceitual sobre os caminhos enviesados do BRICS pós-guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, e reflexivo sobre as ordens alternativas no campo econômico e político. Elaborado a propósito de webinar promovido pelo IRICE (embaixador Rubens Barbosa) sobre “O futuro do grupo Brics” (30/06/2022), na companhia do presidente do NDB, Marcos Troyjo, e da representante da Secretaria de Comércio Exterior do Itamaraty, Ana Maria Bierrenbach. Postado no Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/06/o-futuro-do-grupo-brics-ensaio-por.html). Vídeo do evento disponível no canal do IRICE no YouTube (link: https://www.youtube.com/watch?v=9Q9l8i4gyX4 ). Relação de Publicados n. 1464.

 

4190. “Sobre impérios, estados nacionais e as liberdades democráticas”, Brasília, 3 julho 2022, 2 p. Nota sobre a grande divisão do mundo atual, entre o mundo liberal (Ocidente) e os impérios autocráticos, promovendo uma ordem mundial alternativa. Postado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/07/sobre-imperios-estados-nacionais-e-as.html).


4206. “Sobre a guerra na Ucrânia e nossa próxima política externa”, Brasília, 24 julho 2022, 2 p. Nota sobre a postura de Lula em relação à questão da guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia. Postado no blog Diplomatizzando (link: https://diplomatizzando.blogspot.com/2022/07/a-proxima-politica-externa-do-brasil.html ). 


4217. “A guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia e a postura do Brasil”, Brasília, 14 agosto 2022, 10 p. Breve paper sobre a diplomacia brasileira no tocante à guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia, para participação em seminário híbrido sobre o posicionamento dos Estados latino-americanos frente ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia, organizado pelo prof. Nitish Monebhurrun, no Ceub, no dia 17 de agosto, 9h30.



In Afghanistan, a legacy of U.S. failure endures - By Ishaan Tharoor with Sammy Westfall (WP)

A guerras imperiais que redundam apenas em mortes, destruição, fracasso e vergonha.
O Afeganistão já derrotou vários projetos imperiais, o da União Soviética, 30 anos atrás, e o dos EUA, um ano atrás, e o balanço está abaixo.
O Talibã vai seguir oprimindo as mulheres e a população civil de maneira geral, em nome de um fundamentalismo regressista.

Pobre do Afeganistão, mas acredito que nenhum outro império, menos ainda o da China, vai se intrometer nos seus assuntos internos. O país afundará na miséria e na criminalidade, até onde a vista alcança...

Paulo Roberto de Almeida