O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Os Dez Mandamentos dos que Nasceram Cansados - Pecorino

Fui almoçar com colegas do Itamaraty no restaurante Pecorino (Bar e Trattoria), na 210 Sul, em Brasília (www.pecorino.com.br), e não posso reclamar da comida, nem do serviço. Estava bom.
Mas o que me atraiu mesmo foi o  sous-plat, em papel-embrulho, não pelo papel, mas pelo que vinha escrito nele, um grande recado para trabalhadores incansáveis e alucinados da produção.
Leiam o que está no sous-plat:

I DIECI COMANDAMENTI DEI NATI STANCHI
(Os dez mandamentos dos nascidos cansados)

1. Si nasce stanchi e si vive per riposare
    Nascemos cansados, e devemos viver para descansar

2. Ama il tuo letto come te stesso
    Ama a tua cama como a ti próprio

3. Riposa il giorno per dormire la notte
    Descanse durante o dia, para dormir a noite

4. Il lavoro è fatica
    O trabalho é cansativo

5. Se vedi qualcuno riposare, aiutalo
    Se enxergar alguém descansando, ajude-o

6. Non fare oggi quello che puoi fare domani
    Não faça hoje aquilo que você pode fazer amanhã [PRA: ou nunca]

7. Fai quanto meno puoi e quello che proprio devi, fallo fare a qualcun'altro
    Faça o menos que puder e aquilo que precisa fazer, repasse a alguém

8. Di troppo riposo non è mai morto nessuno
    De excesso de descanso jamais morreu alguém

9. Quando ti viene voglia di lavorare, siediti e aspetta che ti passi
    Quando lhe der vontade de trabalhar, sente-se e espere que passe

10. Il lavoro porta malattie
      O trabalho causa doenças

Beyond the Five-Paragraph Essay - Roy Speed (The City Journal)

Beyond the Five-Paragraph Essay

On learning to write by reading

The word essay derives from the title of a 1580 collection of writings by the Frenchman Michel de Montaigne. In his Essays, Montaigne set down his thoughts on whatever subject snared his attention—fear, or idleness, or smells, or friendship. By “essay” he meant a trial, an attempt on a subject, rather than the final word. For centuries, readers have admired his unusual turn of mind, wide-ranging curiosity, and gentle frankness.
Montaigne’s legacy, however, is not always easy to detect in high school English. Most English teachers begin by asking students to produce a peculiar beast known as the “five-paragraph essay.” It consists of an introduction; body paragraph; body paragraph; body paragraph; and conclusion. Granted, logical structure is important. But essays are about thinking, and giving students five boxes doesn’t teach them how to think. Compositions based on the five-paragraph model are often joyless: students’ attention is more on producing the five-paragraph form than on saying something a reader might find interesting.
In fact, in most discussions of the five-paragraph essay, the reader isn’t even considered. Yet enlightening readers is the whole purpose of writing an essay: we write to show readers something they’re not aware of or haven’t noticed, to correct a common misconception, or to shine a spotlight on an important issue. Most high school students have never read any real essays and so have no clue as to why we write them—and the five-paragraph model sheds no light on their purpose. What’s more, the assumption seems to be that students don’t have much to say, so we shouldn’t ask them to be interesting; we should just teach a structure.
Many students emerge from school thinking of the five-paragraph model as the be-all and end-all of the essay form. What’s more, they are unprepared for challenges that, for most of them, lie just around the corner—like the college admissions essay or the scholarship-application essay. Such writing does not resemble the five-paragraph essay.
There are, of course, other approaches to teaching essay-writing. In my own classes, my first aim is that students become fans of the essay form, that they fall in love with great nonfiction prose. For months, they’re on a steady diet of terrific essays, reading and discussing different kinds of essays, and on topics that most students, left to their own devices, might never encounter.
They read, for instance, a piece by Tom Standage called “History Retweets,” in which he proposes that the true inventors of social media were the ancient Romans. They read “My Periodic Table,” the reflections of the terminally ill neurologist Oliver Sacks in the final weeks of his life, in which he reveals that since childhood he has been a chemistry nerd, and that he’s measuring out his remaining days with the atomic numbers of favorite elements. They read “A Neglected Anniversary,” H. L. Mencken’s captivating history of the bathtub in America—only to learn afterward that the whole thing was a goof, a thoroughly convincing hoax, and an opportunity for Mencken to slip in a few digs at his favorite targets (politicians, the medical profession).
My students read Maya Lin’s “Making the Memorial,” in which she describes, first, how as a young architecture student she won the competition to design the Vietnam Veterans Memorial in Washington, and second, the difficulties involved in getting it built in a way that preserved her original vision. They read “How to Tell If You’re a Jerk,” an essay in which philosopher Eric Schwitzgebel examines the phenomenon he calls “jerkitude.” He points out that it’s difficult to perceive in oneself, and that when we do, we often excuse it. He proposes a tentative definition:
Jerks are people who culpably fail to appreciate the perspectives of the people around them, treating others as either tools to be manipulated or fools to be dealt with . . .  To be a jerk is to be ignorant in a specific way—ignorant of the value of others, ignorant of the merit of their ideas and plans, dismissive of their desires and beliefs, unforgiving of their perceived inferiority.
My students read excerpts from great nonfiction books as well, such as David Ogilvy’s Confessions of an Advertising Man, which is like eavesdropping on the era of Mad Men. They also read a chapter from Stuff Matters, by materials scientist Mark Miodownik, in which he uses each chapter to explore a different material—concrete, glass, paper, plastic; my students read the chapter in which he traces the history of steel, along the way giving a primer on the molecular structure of metals, all in compelling and readable prose. In an excerpt from George Orwell’s Homage to Catalonia, his 1937 book on his experiences fighting in the Spanish Civil War, my students encounter these sentences: “I had been about ten days at the front when it happened. The whole experience of being hit by a bullet is very interesting, and I think it is worth describing in detail.” And Orwell delivers on his promise: he describes the moment of the bullet’s impact, the cascade of sensations, the thoughts that raced through his mind; he includes the moment when he learns he’s been shot through the throat and assumes he’s going to die.
By reading and discussing such essays and book excerpts, students learn valuable lessons—that the range of engaging topics is vast, that it includes subjects the student never dreamt he or she would find interesting; that each writer has a distinctive voice and manner, sometimes a surprising grace and charm; that nothing drives a point home like a great example or an apt simile.
Most important, through such essays, students encounter writers in the act of looking at things, thinking hard about things, and reporting what they see. They also confront examples of disarming honesty and of intellectual courage. Such writing makes a great contrast with the vitriol and virtue-signaling dominant in today’s Twitterverse, not to mention the exhibitionism of many Facebook postings.
Reading essays is not unique to my writing classes, of course. In some English classes today, students are given essay anthologies, and some teachers generate excitement about those readings. But I worry that such teachers are the exception, not the rule; that all too often, discussion of those essays devolves into such technical matters as rhetorical devices; that students are then quizzed on their mastery of rhetorical terms like anaphora or zeugma; and that this bloodless focus on technique drains the life out of the experience.
My students, too, discuss writing tools and techniques. But first, they spend hours discussing the essays they read. And when they find a passage exciting or moving or charming, I ask that they figure out how it was done. They then narrow their focus to particular sentences, phrases, expressions—sometimes a particular word—and they proceed to reverse-engineer the writing. As part of that process, they often discover tools and techniques they want to use for their own writing.
In their own essays, moreover, my students explore topics of their own choosing. One student produced an essay titled “The Language of Laughter,” in which she distinguished seven types of laughter—joyful, hysterical, sarcastic, fake, nervous, and so on—and, through examples from her own experience, explored the nature and emotional sources of each type. Another student wrote about fishing for compliments—a practice she found annoying in her friends and appalling in herself. Another wrote about the simple act of holding the door for someone, noticing, for instance, that the occasion is fleeting, that if he has his nose in his smartphone, he’ll miss the moment. He concluded that the real significance of holding the door for someone is that in doing so, you acknowledge that person’s existence, and that such little acts of civility matter.
Another student explored the phenomenon of pareidolia—our tendency to see human faces in inanimate objects like the surface of the moon or the shape of a cliff-face —something she caught herself doing on the highway when staring at the rear of a car just ahead; to her it resembled a smiling face. With a bit of research, she learned that car manufacturers often design an automobile’s front or rear to produce just such a response, and in her essay she cited research on the question of why we humans might be hard-wired to see faces everywhere.
One student explored our relationship with gravity, observing, for instance, that our existence depends on it—that without it, the earth couldn’t retain its atmosphere. In the second half of the essay, he explored the way gravity has crept into our thoughts and language: “Grounded” is something decided or solid. “The gravity of the situation” refers to something serious or important. “Up in the air,” by contrast, means something undecided, and “pie in the sky” means something unrealistic. “Airheaded” might describe someone who’s silly and “up in the clouds” someone not in touch with reality.
I could give more examples, but from this handful one can see, first, that students can indeed find their “voices” in writing, and second, that they often do have things to say. The point is that they need models—a dirty word in much of today’s pedagogy. They need examples of men and women describing what they see, mulling over the implications, articulating real insights. Denying our students such models obliges them to stumble around in the dark.
Having students read deeply in the essay tradition brings additional benefits. The greatest essays exemplify civility in discourse, as well as modesty when confronting the complexity of human affairs. Such essays honor the tradition of Montaigne’s trials—attempts at understanding. Shouldn’t all students know that there’s more to the essay than the five-paragraph exercise—and that essays are more than a classroom artifact?

A DESTRUIÇÃO da cultura e da inteligência pelo Olavo-Bolsonarismo

Depois de destruir a diplomacia, a educação, o meio ambiente e os direitos humanos, o Olavo-Bolsonarismo está DESTRUINDO sistematicamente a cultura nacional, colocando gente medíocre em todos os postos visados pela tribo de bárbaros que tomou de assalto todas as instituições públicas (e até constrangendo e discriminando as empresas privadas, como vemos no campo da mídia).
NUNCA ANTES, nem mesmo sob a quadrilha do PT, gente tão medíocre foi colocada em postos chaves da inteligência, da cultura e de outras instituições públicas.
O Brasil já recuou, vai continuar recuando, vai retroceder em praticamente todos os campos, pois o empenho dos novos bárbaros tem um único objetivo: destruir tudo o que existe de inteligente.
Paulo Roberto de Almeida

Substituída por seguidor de Olavo de Carvalho, presidente da Biblioteca Nacional coloca cargo à disposição: "desrespeito"

A presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Helena Severo, colocou o cargo à disposição e manifestou a sua "perplexidade" diante da postura do governo."Não posso concordar com a forma desrespeitosa com que esse processo de mudança vem sendo conduzido", disse.

Em carta ao secretário Especial da Cultura, Roberto Alvim, a presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Helena Severo, coloca seu cargo à disposição e manifestou a sua "perplexidade" diante da postura de "desrespeito" do governo que trocou o comando da fundação, sem o prévio aviso.
"Foi para mim motivo de perplexidade, ter tomado conhecimento de minha substituição através da imprensa, sem qualquer comunicação dos órgãos competentes, como manda o protocolo", enfatiza Helena em um trecho da carta.
O secretário Roberto Alvim substituiu Helena por Rafael Alves da Silva, que se apresenta como Rafael Nogueira, um seguidor de Olavo de Carvalho, o guru do clã Bolsoanro.
Servidora de carreira da União há 30 anos, Helena foi secretária Municipal de Cultura do Rio e ex-presidente da Fundação Theatro Municipal. Em agosto de 2016, no governo de Michel Temer, assumiu a Biblioteca Nacional.
"Esclareço que entendo perfeitamente que todos os governos têm direito de formar suas equipes de acordo com suas orientações políticas e programáticas. Entretanto, não posso concordar com a forma desrespeitosa com que esse processo de mudança vem sendo conduzido", acrescentou Helena.
Além dela, a historiadora Maria Eduarda Marques, Diretora Executiva da Biblioteca Nacional, também colocou o cargo à disposição.


Mercosul: the end is near? - Argentina e Brasil em choque

Antes eu dizia que, a despeito de todos os problemas do blogo, "ainda não nasceu o político que vai acabar com o Mercosul". Mas isso era em relação ao acabamento ou aperfeiçoamento da união aduaneira, ou até mesmo da simples zona de livre comércio, importante do ponto de vista microeconômico para muitas empresas dos países membros.
Agora parece que esses políticos não só nasceram, como estão dispostos a liquidar com o bloco, mas apenas devido a mesquinhas posturas políticas, que não têm nada a ver com o significado da união aduaneira para a economia de cada um deles.
Não creio que se vá chegar a esse resultado, pois os empresários vão procurar conter os arroubos histriônicos dos dirigentes políticos, mas haverá muito stress, e provavelmente não se farão as reformas indispensáveis para reduzir a TEC e outros ajustes necessários.
Paulo Roberto de Almeida

Futuro chanceler argentino diz que país está "de luto em relação ao Brasil"

Alberto Fernández (à esquerda) faz sinal indicando "Lula livre" ao lado de Felipe Solá (à direita), futuro chanceler argentino - ALEJANDRO PAGNI / AFP
Alberto Fernández (à esquerda) faz sinal indicando "Lula livre" ao lado de Felipe Solá (à direita), futuro chanceler argentino Imagem: ALEJANDRO PAGNI / AFP
Ex-governador de Buenos Aires e futuro chanceler da Argentina, Felipe Solá afirmou, em palestra na Universidad Torcuato Di Tella, que o país está "de luto em relação ao Brasil".
Escolhido pelo presidente eleito Alberto Fernández para comandar a política externa do país, Solá, que começa o trabalho no dia 10, não poupou críticas ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido).
"É absolutamente inesperado que um país irmão com o qual tivemos uma quantidade de encontros com bom impacto regional inesperadamente tenha um governo com um nível de agressividade enorme contra a Argentina, contra o Mercosul e contra a história comum dos últimos 30 anos", disse ele. A declaração foi divulgada pelo jornal O Globo.
O futuro ministro das Relações Exteriores também falou sobre o Mercosul, mas não deu uma definição sobre a continuidade da Argentina no bloco.
"Quem quiser ideologizar vai encontrar dificuldades. Depois podemos discutir [se vale a pena ficar] o Mercosul, sim ou não. Pessoalmente, acho que eles [governo do Brasil] não têm isso claro. Vejo uma espécie de raiva ideológica".

Relação amena?

Ontem, Fernández comemorou o fato de Jair Bolsonaro - com quem tem desavenças há meses - afirmar o compromisso de "relacionamento pragmático" com seu país.
"Vi com alegria que o presidente do Brasil propôs ter uma relação pragmática com o Mercosul. É o que devemos fazer, porque o Mercosul vai superar Bolsonaro e Alberto Fernández", falou o argentino em uma conferência industrial realizada em Buenos Aires.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Minha Black Friday: doando meus livros a uma Biblioteca - Paulo Roberto de Almeida

Minha Black Friday é ao contrário!
Vou me desfazer de certas "coisas", as melhores, vou entregar meus bens, doar uma boa parte de meu patrimônio intelectual: meus livros.


Vou começar com uns 200 a 250 livros: meus entre 20 e 30), editados por mim (talvez a metade disso), e obras coletivas de que participei (as mais numerosas).
Esses três conjuntos são as mais fáceis de separar e entregar, com uma pontinha de saudade (antecipada) no coração.

Depois vou ter de pensar como fazer com o resto.
O resto é um grande resto, e nem sei quanto seria: cinco mil, seis ou sete mil?
Ainda não consegui contar, porque existem livros atrás de livros, embaixo, em cima, deitados, escondidos, encaixados, torcidos, comprimidos, perdidos, emprestados, desaparecidos...

Vou ter de começar por eliminar os "desinteressantes" (ou seja, já "absorvidos" ou disponíveis online), o que já vai ser uma angústia, pois cada um assim classificado vai merecer uma "última mirada", talvez algumas notas, hesitações, reticências, dúvidas, saudades antecipadas, pontadas no coração, estalos no cérebro, lampejos de saudades antecipadas.

Acho que vou sobreviver, e até vai sobrar algum espaço para comprar mais alguns, já que atualmente não cabe mais nenhum, só abrindo vaga.
Todas as doações vão receber estes dois carimbos, o ex-libris oferecido pelo simpático casal Mariana (colega diplomata) e Rogério de Souza Farias (o melhor historiador de minhas relações, futuro historiador oficial do Itamaraty), o de doação mandado confeccionar por mim, apenas para marcar o gesto de desprendimento (e de sofrimento).

Depois eu digo onde estarão os livros e comunico a lista, em ampliação progressiva.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 29 de novembro de 2019

Alibaba vs Amazon: uma luta de titãs - The Economist

Será que Alibaba vai engolir a Amazon?
Briga de gigantes...

One company, two systems

Alibaba sets its sights on Amazon

ANYONE WHO is cursed with a rational mind should ponder Alibaba’s faith in eight, the luckiest single digit in China. On November 26th China’s e-commerce juggernaut sold HK$88bn ($11.2bn) of secondary shares on the Hong Kong Stock Exchange under the stock symbol 9988—88 is not only a homonym for baba, but also signifies double luck. As soon as the gong was banged to launch trading, the shares soared from HK$176 to the auspicious price of HK$188. Luck was on Alibaba’s side. Nearby Pedder Street, where 19th-century stockbrokers gathered to trade shares, has been a hotspot of anti-China protests since early summer. On occasion, the smell of tear-gas has wafted into the exchange. Yet after a landslide win for pro-democracy parties in local elections earlier in the week, the chaos has—at least temporarily—subsided.
Luck aside, the listing provides the company with triple benefits. It wins brownie points with the Chinese government for demonstrating confidence in Hong Kong’s financial future amid the protests. It partially hedges its exposure to America, where it launched the biggest initial public offering of all time in 2014, but has recently suffered from trade-war related turbulence. And it increases the accessibility of its shares to Asian institutional investors, who may be less inclined to view China through the prism of trade and geopolitical tensions. Soon it may be eligible for Stock Connect schemes that link Hong Kong with markets in Shanghai and Shenzhen, allowing mainland investors to pile in as well.
In the process, Alibaba has already chalked up one victory. It has shrunk the discount at which its shares have long traded against Hong Kong-listed Tencent, its sworn enemy among China’s internet titans. Its eyes are now on a bigger prize. Alibaba’s executives suggest that the firm should be valued like Amazon, its biggest global e-commerce competitor. Amazon is worth $890bn compared with $520bn for Alibaba. The American firm’s prospective price/earnings ratio, at around 67, is over twice that of its Chinese rival. To narrow the gap Alibaba has a tricky balancing act to pull off. It needs to keep the Chinese government on its side, but also appear less Chinese when winning over the outside world.
Alibaba’s ability to achieve its ambitions should not be underestimated. But even the most bullish analysts say that overtaking Amazon is a long shot. The two firms have different business models. Alibaba provides a platform that links buyers and sellers on its biggest sites, Taobao and Tmall, and it mostly makes money from sellers spending money to push their wares higher up the search rankings. Unlike Amazon, it does not sell its own goods, meaning it has no need for inventory and warehousing. That helps it generate much fatter profit margins. But according to David Dai of Bernstein, a research firm, its cloud-computing business, though the biggest in China, makes a negligible contribution to its valuation. Amazon’s cloud business, Amazon Web Services, is a gold mine, accounting for about half of the American firm’s value. And while Amazon generates over $70bn of annual sales from outside its home market the figure for Alibaba is less than $10bn.
Daniel Zhang, who in September took over running the firm from Jack Ma, its charismatic founder, is trying to transform Alibaba by making better use of its vast trove of data to create more value. Roughly one of every two Chinese buy via its e-commerce platforms. Bolstering it all is Alipay, its online-payments platform with about 900m users in China. Alibaba owns a 33% stake in Ant Financial, Alipay’s parent company, potentially further boosting its appeal to investors.
But for all its clout, it remains at the mercy of the Chinese government. After its listing in New York in 2014, a boom in its share price turned to bust when government regulators publicly tore it off a strip for peddling fakes. As Alipay and Tencent’s Tenpay have muscled into territory controlled by state-owned banks, the government of President Xi Jinping has angrily pushed back. Now regulatory heat is rising over allegations of unfair competition, particularly with regard to “pick-a-side” deals, in which platforms forbid merchants from trading with their rivals. Galanz, a home-appliance-maker, and JD.com, a big e-commerce rival, have recently sued Alibaba’s Tmall for allegedly abusing its market power. In April Colin Huang, founder of Pinduoduo, a $43bn upstart that is nipping at Alibaba’s heels, warned of “forced exclusivity” in e-commerce. Alibaba dismisses the issue as “baseless sensationalisation”. It adds that “committing to a single partner is normal commercial behaviour”. Shortly before Alibaba’s Singles’ Day sales jamboree on November 11th, regulators travelled to its home town of Hangzhou to warn e-commerce firms that such deals were illegal. If they want, they can make life deeply uncomfortable.
Alibaba, for now, appears relaxed about the pressure. It argues that Big Tech in China is hardly a cosy oligopoly. The constant battle between Alibaba, Tencent and others is almost visceral. Yet the importance of remaining in the government’s good books may undercut its efforts to build a global business. It has made inroads in South-East Asia. But analysts doubt its ability to compete strongly with Amazon in Europe and America, especially in cloud services because of concerns about the Chinese government’s access to its data (though much of that belonging to its clients outside China is stored offshore). Even in Hong Kong, it may find itself in an awkward position if anti-China sentiment resurges.

E-commerce with Chinese characteristics

Alibaba has made its own luck. Since its founding 20 years ago, it has battled the Chinese state to get where it is, trounced foreign competition in China and helped revolutionise e-commerce. This year it has responded to onslaughts from the likes of Pinduoduo by upping its e-commerce offerings in China’s hinterland. From a tech point of view, it stands shoulder to shoulder with Amazon. But its valuation shows how steep the China discount remains. If it is truly lucky, the Hong Kong listing may help change that a bit. 

Juros elevados: Ricardo Bergamini sempre indignado

Todas as mudanças no Brasil são promovidas para que tudo permaneça no mesmo lugar (Ricardo Bergamini).

Prezados Senhores

Fico pasmo como pode uma nação viver com uma aberração econômica dessa magnitude, sem manifestar um mínimo de indignação. Como se fosse uma situação normal.

Em outubro de 2019 a taxa SELIC divulgada pelo Banco Central era de 5,0% ao ano, e ninguém consegue explicar o motivo pelo qual a taxa média de mercado do crédito livre no mês de outubro de 2019 estava em 35,9% ao ano, ou seja: 7,18 vezes maiores. Ficando a impressão de que os bancos são os ladrões dessa fortuna, quando na verdade é o próprio governo. Vejam explicação didática abaixo:


A aberração do depósito compulsório no Brasil

Ricardo Bergamini

Premissas básicas com base na média do ano de 2018:

1 – Custo médio de carregamento da dívida interna da União: 9,37% ao ano (Fonte: STN)

2 – Percentual do depósito compulsório total (remunerado e sem remuneração): 74,63% (Fonte BCB).

A - Se um banco tivesse a quantia de 100 dinheiros disponíveis para aplicação ele teria duas opções:

A.1 - Comprar títulos do governo federal, nesse caso seria isento do depósito compulsório e receberia no final de um ano 9,37% de 100 dinheiros, ou seja: 9,37 dinheiros.

A.2 - Emprestar ao público (empresas e famílias), nesse caso o banco teria que recolher ao Banco Central 74,63% dos 100 dinheiros disponíveis, ou seja: 74,63 dinheiros, ficando com apenas 25,37 dinheiros para emprestar.

Para obter o mesmo ganho que teria na aplicação de títulos públicos de 9,37 dinheiros no ano, o banco teria que empresta os 25,37 dinheiros restantes a uma taxa correspondente a 3,9417 maiores do que a taxa de aplicação nos títulos públicos de 9,37% ao ano, nesse caso seria a uma taxa de 36,93% ao ano.

Resumo do exemplo hipotético: 

I - Aplicação em títulos federais - 100 dinheiros a 9,37% ao ano daria um rendimento de 9,37 dinheiros em um ano.

II – Aplicação de 25,37 dinheiros a uma taxa de 36,93% ao ano daria um rendimento de 9,37 dinheiros em um ano.

Spread Bancário

É composto das seguintes despesas: administrativa, inadimplência, custo com depósito compulsório sem remuneração, tributos, impostos, taxas e lucro.

O percentual varia em função de cada tipo de operação, bem como de banco para banco.

Nota: Cabe lembrar que, como na nossa análise não consideramos que alguns depósitos compulsórios são remunerados, é óbvio que há uma pequena divergência entre a taxa apurada no estudo (36,93% ao ano) e a taxa média oficial apurada pelo Banco Central para os créditos livres que foi de 35,60% ao ano em 2018.

Ricardo Bergamini

A América Latina frente às transformações globais - Fundação FHC

A América Latina frente às transformações globais

Auditório da Fundação FHC

Diante de um mundo repleto de incertezas políticas, sociais e econômicas, os países da América Latina devem ser capazes de enxergar além de estruturas e condicionamentos sociais arraigados e definir estratégias de desenvolvimento de médio e longo prazo, com o objetivo de assumir maior controle sobre seu presente e futuro, tanto em nível nacional como regional. Esta foi a mensagem transmitida pela maioria dos participantes da conferência "A América Latina frente às transformações globais: como navegar em águas turbulentas?", realizada pela Fundação FHC e a Corporación de Estudios para Latinoamerica (CIEPLAN), dois dos principais think tanks da América Latina.

“Política é ter uma hipótese para o futuro e saber jogar em função dessa hipótese. Tem de ter estratégia. Qual é a nossa (do Brasil e da América Latina)? Os países latino-americanos, de maneira geral, não têm estratégia clara. A Europa também não tem e está sofrendo com isso. Quem tem estratégia hoje são os chineses.”
Fernando Henrique Cardoso, sociólogo, professor e pesquisador, foi presidente do Brasil por dois mandatos (1995-2002)
“Se estivesse conosco hoje, o economista Albert Hirschman (1915-2012) resistiria à tentação de exagerarmos em conclusões pessimistas sobre o presente. Também não seria favorável a um otimismo irracional. Provavelmente diria que devemos ser ‘possibilistas’ e pensarmos de forma não automática para melhor compreender as relações entre a globalização, as formações sociais e as condições políticas.”
Jeremy Adelman, historiador, é professor da Universidade de Princeton (EUA) e autor da biografia “Worldly Philosopher: The Odyssey of Albert O. Hirschman” (2013)
A conferência — que reuniu intelectuais públicos (economistas, sociólogos e cientistas políticos) do Brasil, Chile, Argentina e EUA, entre outros países, durante dois dias — também lembrou os 50 anos da obra Dependência e Desenvolvimento na América Latina, escrita por Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto (Chile, 1935-2003) em 1965/67 e publicada dois anos depois. Na época, os dois jovens sociólogos trabalhavam no Instituto Latino-Americano de Planejamento Econômico e Social, organização das Nações Unidas ligada à CEPAL, em Santiago do Chile.
Em sua fala de abertura, o ex-presidente FHC lembrou as circunstâncias históricas e pessoais que levaram à elaboração do livro, considerado um clássico da sociologia latino-americana: “A ideia predominante (nos círculos intelectuais latino-americanos nos anos 1960) era de que a América Latina vivia uma dependência crônica frente ao imperialismo norte-americano (que só poderia ser rompida por meio de um processo revolucionário). A nossa proposta foi mostrar que havia diferentes formas de ligação dos países da periferia com o centro do capitalismo, a depender do grau de desenvolvimento de cada mercado interno, e que essas diferentes formas abriam espaços para uma maior ou menor autonomia.”
Para FHC, “a disjuntiva não era submissão ou revolução; não tínhamos nem uma visão mecanicista (no sentido de as estruturas socioeconômicas determinarem a política e o sistema internacional definir o destino dos países) nem voluntarista (no sentido de as estruturas socioeconômicas não importarem). Reconhecíamos o peso das estruturas (a divisão internacional do trabalho, seus reflexos sobre a formação das classes sociais nos países da periferia etc.), mas apontávamos para o potencial criador da política.” 
        FHC: ‘Política depende de visão e liderança’ 
Dependência e Desenvolvimento buscou juntar a análise dos desequilíbrios estruturais das economias latino-americanas às ligações e embates dos grupos sociais e, portanto, falar da política que poderia resultar no predomínio de uns sobre outros. “No Brasil dos anos 1960, onde já havia uma indústria forte, assim como na Argentina e no México, ocorria algo novo pelo menos para nós: a crescente associação do empresariado nacional com o capital estrangeiro. Não tínhamos noção disso, mas naquele livro já estávamos descrevendo o começo da globalização. Um quarto de século se passou e, em 1994, fui eleito presidente, num momento em que a globalização já era um fato inquestionável. Toda a esquerda brasileira não mediu esforços para tachar meu governo de neoliberal, quando nossa visão era a de que ou o Brasil se integrava à economia global ou seria excluído do jogo do comércio internacional. Não adiantava defender o interesse nacional com base em premissas ultrapassadas”, disse FHC.
“Agora assistimos a outros movimentos, com destaque para a emergência da China, que em poucas décadas se transformou em parte fundamental do jogo internacional e começa a disputar a hegemonia global com os Estados Unidos. Quem vai vencer a batalha pelas tecnologias do futuro? Como a América Latina vai se posicionar nessa contenda de gigantes? Por enquanto, estamos jogando o jogo de maneira infantil, agarrando-nos a velhas ou novas ideias sem avaliar sua validade atual e suas consequências futuras”, continuou.
Fernando Henrique lembrou que os meios digitais potencializam a crise da democracia representativa e a fragmentação social: “Descartes dizia ‘penso, logo existo’. Hoje é ‘estou conectado, logo existo’. Qual a estratégia possível em um mundo em que o rumo não é definido sobretudo pelo poder político, como antigamente, mas cada vez mais pela tribos da internet? Sim, existem estruturas, mas existem movimentos também. Eles dependem da política, e a política depende de visão e liderança”, concluiu.
       Sorj: ‘Intelectual e político engajado’ 
“Dependência foi um livro muito importante para toda uma geração de sociólogos latino-americanos, pois introduziu a ideia da relevância da prática e das escolhas políticas, quando minha geração estava encapsulada seja na teoria marxista seja na teoria da modernização, que falavam de fases pré-estabelecidas. A história existia, mas era o campo onde aquelas teorias se realizavam. De forma não voluntarista, pois reconheciam a existência de infraestruturas que delimitam o campo de possibilidades, FHC e Faletto colocaram a política no centro do debate sobre desenvolvimento na América Latina”, disse o sociólogo Bernardo Sorj, nascido no Uruguai e naturalizado brasileiro, diretor do Centro Edelstein de Políticas Sociais (Rio de Janeiro), em comentário após a fala do ex-presidente.
“Cinquenta anos se passaram, parece pouco tempo, mas Brasil, América Latina e o mundo são outros, acabou a oposição capitalismo-comunismo, outras utopias foram por água abaixo e, nos países avançados, tendências autoritárias se misturam ao nacionalismo xenófobo, à misoginia e à religião, colocando em risco a democracia justamente no núcleo geopolítico democrático que foi um suporte importante para os regimes democráticos também em nossas terras”, lembrou.
“Há meio século, a questão na América Latina era como chegar lá (ao mundo desenvolvido), mas o lá entrou em parafuso no Ocidente e o eixo econômico e geopolítico se transfere rapidamente para a Ásia, que tem outros valores. Para onde nos dirigimos, em meio às desigualdades sociais e conflitos culturais que caracterizam nossa região? É importante que os intelectuais saiam de seus guetos e contribuam para a análise do momento complexo que atravessamos. Faletto e FHC fizeram isso ao longo de suas carreiras”, continuou.
“Assim como Hirschman, Fernando Henrique foi e continua sendo um intelectual engajado nos debates de seu tempo. Felizmente tivemos a sorte de também contar com suas realizações na política, em particular durante sua passagem pela Presidência (1995-2003). FHC encarna história e biografia de forma singular. É algo que devemos celebrar”, concluiu o sociólogo.
     Saiba mais:
     Ricupero: ‘Novo paradigma pede novo livro’
“Há meio século, o pressuposto na América Latina era o de que o desenvolvimento ocorreria via industrialização e exportação de manufaturas para o mundo desenvolvido. O caminho não era equivocado, prova disso é que os asiáticos tiveram êxito”, disse o embaixador Rubens Ricupero, autor de “A Diplomacia na Construção do Brasil 1750-2016”.
“Entre as décadas de 1940 e 70, o Brasil teve 40 anos de crescimento real de até 7% ao ano. Multiplicamos nosso PIB por 15, e a renda per capita por cinco, enquanto a população do país aumentou três vezes. Estávamos no caminho, mas desde os anos 80 perdemos o ímpeto e, com exceção de alguns anos positivos, a média de crescimento nas últimas décadas tem sido inferior a 1%. Isso se deveu a contradições internas e escolhas equivocadas”, continuou o ex-ministro da Fazenda (Governo Itamar Franco).
“Hoje há indícios de que o paradigma da industrialização se esgotou e a ideia de que países em desenvolvimento possam se industrializar com mão-de-obra barata parece ultrapassada. Desde 2008 (crise financeira global), o comércio internacional vem perdendo a dinâmica que teve nos anos anteriores. EUA e outros países adotam medidas protecionistas e as novas tecnologias, em especial a robótica e a Inteligência Artificial, chegaram para estabelecer um novo paradigma. A obra de FHC e Faletto era totalmente válida na virada dos anos 60 e 70, mas agora talvez seja necessário escrever outro livro”, disse Ricupero.
      Zovatto: ‘Falta governança’  
“Na primeira década do Século 21, a América Latina cresceu em média 6% ao ano (em parte explicado pelo ‘boom das commodities’), mas nos últimos anos só despencamos e terminaremos 2019 com algo em torno de 0,5% de crescimento em média. Estamos crescendo quatro vezes menos do que o mundo e dez vezes menos que a Ásia. O maior problema continua sendo a baixa produtividade”, lembrou o argentino Daniel Zovatto, diretor regional do IDEA International. 
“Ao celebrarmos 40 anos da terceira onda democrática, a região enfrenta uma crise de lideranças e instituições e uma fadiga da política. Nossos governos são pouco transparentes, não modernizaram os instrumentos de gestão e não incorporaram os avanços da revolução 4.0. Não basta democracia, precisamos de boa governança”, disse.
      Marfan: ‘Não conheço país de classe média autoritário’
“O Plano Real (1994), cuja concepção e implementação contou com as colaborações essenciais de FHC e Ricupero, estabilizou a economia brasileira, teve impacto redistributivo e definiu regras fiscais de médio prazo. Ao fazer isso, colocou o Brasil em boa situação para aproveitar as oportunidades do Século 21. Entretanto, de uns anos para cá, a economia brasileira enfrenta problemas e, em boa medida, isso se deve à política. Por quê? O Brasil e outros países da região precisam superar o mau hábito de pensar apenas na disputa partidária e no período de duração dos mandatos presidenciais e começar a trabalhar em estratégias com prazos mais longos”, afirmou o economista chileno Manuel Marfan Lewis, ex-ministro das Finanças do Chile.
Segundo o diretor executivo do think tank chileno CIEPLAN, desde a redemocratização do Chile (1990) prevaleceu uma reflexão sobre erros históricos que o país andino não deveria mais cometer: “Países nunca partem do zero. O governo Allende (1970-73) não partiu do zero, a ditadura Pinochet (1973-1990) não partiu do zero e os governos pós-redemocratização também não. Então, o que deve continuar e o que deve mudar?”.
“Boa parte do êxito econômico chileno nas últimas décadas se explica porque fomos capazes de preservar conquistas do passado e criar maiorias amplas na sociedade e no Congresso, que se traduziram em estabilidade política e econômica. É verdade que ainda há pobreza no Chile, que, segundo novos critérios bastante exigentes, atinge cerca de 15% da população. Entretanto, tem surgido uma classe média, ainda precária, que se preocupa com o risco de desemprego, exige melhores salários, e tem demandas relacionadas a saúde, educação de seus filhos e aposentadoria digna”, continuou.
“A classe política chilena não tem se mostrado capaz de estabelecer um novo paradigma para um país que está se tornando classe média. Daí seu atual desprestígio. Não sei onde essa ‘sociedade empoderada’ nos levará, mas acredito que a resposta aos anseios da população está em mais democracia. Não conheço país de classe média que seja autoritário. Como uma China de classe média lidará com a falta de democracia na nova potência asiática?”, disse o chileno. O debate ocorreu poucos dias antes da atual onda de protestos no Chile.
      Gerchunoff: Elogio da ‘auto-subversão’
O historiador econômico argentino Pablo Gerchunoff, professor de honra da Universidade de Buenos Aires, comparou os desempenhos econômicos dos países latino-americanos e defendeu a importância de uma macroeconomia organizada como base do desenvolvimento: “Política fiscal anticíclica é para quem pode porque construiu as bases para tanto.” Para Gerchunoff, a Argentina, que iniciou o Século 20 como o país mais promissor da América Latina, perdeu o fio da história. Já o Brasil, que teve importantes avanços desde a redemocratização, precisa reencontrar o rumo rapidamente. 
“Frente a tantas incertezas dos novos tempos, só há uma recomendação possível e ela vem mais uma vez de Albert Hirschman: Estejamos permanentemente atentos para reavaliar nossos valores e padrões. Pratiquemos a auto-subversão ao criticar hoje o que fizemos ontem e amanhã o que pensamos hoje”, propôs.
        Adelman: ‘Bias for hope’
“Por que um jovem deveria ler Hirschman hoje?”, perguntou o historiador norte-americano Jeremy Adelman, professor da cátedra Henry Charles Lea e diretor do Global History Lab (Princeton University). “Hirschman foi um intelectual que vivia intensamente o universo das ideias, mas que se comprometeu com a noção de que as ideias pertencem ao mundo e de que existe uma relação estreita entre observação, análise e ação. Tinha a capacidade de encontrar esperança mesmo nos lugares e momentos mais improváveis e valorizar o possível”, afirmou o biógrafo do economista nascido em Berlim durante a Primeira Guerra Mundial. 
Hirschman viveu em diversos países, entre eles França, Itália, EUA e Colômbia (entre 1952 e 1956 morou e trabalhou em Bogotá e realizou pesquisas de campo no interior do país). Visitou diversos países latino-americanos, onde colaborou com renomados intelectuais. Morreu em 11 de dezembro de 2012, aos 97 anos, em New Jersey (EUA). “Ele se imaginava como um ‘possibilista’, não somente no sentido de estar atento às oportunidades, mas também de criar novas oportunidades. Defendia o que costumava chamar de bias for hope (viés de esperança, em português)”, disse. 
Ao final de sua fala, ilustrada por diversas imagens da vida de economista (ver seção Conteúdos Relacionados, à direita desta página), Adelman mostrou uma foto dele ao lado do recém-empossado presidente FHC, em 1º de janeiro de 1995 em Brasília. “A chegada de Fernando Henrique à Presidência do Brasil representou a fusão do conhecimento acadêmico à ação política com o objetivo de promover relevantes mudanças sociais e econômicas”, concluiu.
        Sola: O Plano Real e o conceito de ‘statecraft’ 
Para a cientista política Lourdes Sola, o conceito de possibilismo se aplica bem ao Plano Real, idealizado por um grupo de economistas sob a liderança do então ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso em 1993 e colocado em prática no último ano do Governo Itamar Franco. 
“Desafiados a elaborar um plano para controlar a inflação, aquele grupo de economistas criou uma engenhosa inovação, a URV (Unidade Real de Valor, que possibilitou a desindexação progressiva da economia e a transição do antigo Cruzado para o novo Real sem recorrer a medidas bruscas e congelamento de preços). O papel de Fernando Henrique, que não é economista, mas sociólogo e político, foi o de explicar à população o passo a passo do plano e negociar com o Congresso as medidas necessárias para sua implementação. Nesse sentido, foi um bom exemplo do que Hirschman chamava de ‘statecraft’ (habilidade de governar um país, de acordo com o Dicionário de Cambridge). Sem liderança política, o Plano Real não teria tido o êxito que teve”, afirmou a professora e pesquisadora da USP.
        Amaral: ‘O pior dos mundos seria termos de escolher entre EUA e China’
Sérgio Amaral, que foi embaixador em Washington de 2016 a 2019, destacou, na primeira mesa do segundo dia de debates, que a América Latina já é palco da crescente disputa comercial e tecnológica entre EUA e China. “A Huawei (empresa chinesa que domina o 5G, futura geração de tecnologia móvel) já está presente em nossos países e deve se tornar dominante nos próximos anos. Pequim também quer estender o projeto One Belt, One Road (que prevê investimentos maciços em infraestrutura ao redor do mundo) para cá. E tem investido pesadamente nas áreas cultural, por meio dos Institutos Confúcio, e acadêmica, com milhares de brasileiros indo estudar na China. Os EUA vão aceitar essa ofensiva chinesa? O pior dos mundos seria termos de escolher um dos lados dessa disputa”, disse o diplomata.
Para o também embaixador Rubens Ricupero, as prioridades da agenda estratégica dos EUA definida pelo presidente Donald Trump não têm pontos de contato com os reais interesses da América Latina. “Rivalidade com a China pelo primeiro lugar na economia mundial e domínio das tecnologias do futuro, sanções contra Irã e Rússia, respaldo incondicional a Israel, retirada do Acordo de Paris, negação da mudança climática e combate ao multilateralismo. Nada disso trará benefícios à região”, afirmou. 
Para o ex-ministro do Meio Ambiente e da Amazônia Legal, a América Latina deve apostar na construção de soluções globais com base no multilateralismo, entre elas a luta contra o aquecimento global. “Esta é a questão mais relevante do presente e do futuro. Todos os temas que nos desafiam nos próximos anos e décadas dependem do sucesso de enfrentarmos coletivamente o desafio da mudança climática”, disse. Ainda segundo Ricupero, nossos países precisam superar a desigualdade social, por meio de crescimento econômico, políticas de distribuição de renda e igualdade de oportunidades, para que a democracia se consolide definitivamente na região.
      Leia também:
      ‘Caudilhismo’ e  ‘democracia de públicos’
“Na América Latina, os novos ‘caudilhos’, que podem ser tanto de direita como de esquerda, costumam lançar mão de diversas formas de mobilização popular, como plebiscitos e referendos, com o objetivo de enfraquecer o Estado de Direito e ampliar seu poder. Para pôr freio ao populismo, o caminho é o fortalecimento das instituições democráticas”, disse o advogado e cientista político Ignacio Walker, que foi ministro das Relações Exteriores do Chile. 
“Temos de nos acostumar com a ideia de que os partidos políticos já não terão a importância que tiveram no passado, pois perderam a capacidade de organizar as preferências dos eleitores e dar uma resposta às suas demandas. A realidade é que os resultados eleitorais serão cada vez mais voláteis, assim como o apoio aos governantes. Vivemos cada vez mais uma ‘democracia de públicos’”, disse a professora Maria Hermínia Tavares de Almeida, pesquisadora sênior do CEBRAP.
“Falou-se muito de Albert Hirschman hoje. Como ele, também creio que as dificuldades, por maiores que sejam, não podem nos paralisar. Somos latino-americanos, não gostamos de hierarquias rígidas, mas nossas sociedades têm força e encontram espaço para defender seus interesses. Não se trata apenas de ser otimista, mas cabe ao líder político ouvir a sociedade, definir rumos possíveis e avançar”, disse o ex-presidente FHC ao final da conferência. 
      Saiba como foi o debate:
Otávio Dias, jornalista especializado em política e assuntos internacionais, foi correspondente da Folha em Londres e editor do site estadao.com.br. Atualmente é editor de conteúdo da Fundação FHC.