O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

Mostrando postagens com marcador Argentina. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Argentina. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Argentina: a um passo da dolarização? - Mac Margolis (Bloomberg)

Economics

Could Dollarization Be Argentina’s Salvation?

After eight defaults, it needs a currency that it can’t print, game or otherwise defile.
In dollars they trust.
In dollars they trust. Photographer: Marcos Brindicci/Getty Images South America
Peronist leader Alberto Fernandez and his deputy, former president Cristina Fernandez de Kirchner, won a commanding victory over center-right incumbent Mauricio Macri in Sunday’s poll. But for a nation that has defaulted eight times on its debt and spent a third of the last seven decades in recession, the path forward is unclear.
Voters clearly said no to another mandate for Macri, who promised foundational reforms through managerial nous, and delivered sacrifice and half-measures instead. Nor will Argentinians or the financial markets, upon whose good graces this nation of 45 million depends, abide a return to the interventionism that marred Fernandez de Kirchner’s 2007-2015 government – one reason perhaps that she took second chair to her more conciliatory namesake. (They are unrelated.)
If there is any consensus, it’s that more of the same will not do. But here is where the conversation could get interesting. To a growing number of respected economists, the only path to a fresh start for Argentina involves embracing the U.S. dollar.
The details of dollarization are vexing: Who will be the lender of last resort? How to manage the vagaries of trade and the business cycle when you can’t set interest rates or calibrate the exchange rate? Yet the argument for the greenback is straightforward.  When a nation has lost its grip, its currency tumbles, credit risk spikes and bonds fall. If conventional monetary and fiscal policy fails to stabilize the economy, the crisis returns again and again. Better to ditch the iffy peso for the greenback, that reliable Latin American mattress-stuffer, which native authorities cannot print, game or otherwise defile.
Yes, dollarization is the monetary nuclear option. That may be why by 2002 only some 35 countries worldwide, most of them small, had officially given up their own currencies for the dollar. Ecuador is the largest of the three Latin American dollarizers (alongside El Salvador and Panama) and its gross domestic product is just one-fifth that of Argentina.
The reasons for reticence are understandable. Latin Americans still regard the national currency as a badge of sovereignty and independence. Giving up one’s coin is seen as bending the knee to a foreign power. So much the worse if that overlord is the United States. Increasingly, however, Argentinians seem willing to shed that inhibition. Even with its own currency, Argentina has been in and out of economic emergency for decades. Johns Hopkins University professor of applied economics Steve Hanke recently tallied 12 separate crises leading to the collapse of the Argentine peso since 1876. Tellingly, most of them dated since 1935, the year the Central Bank of the Republic of Argentina was founded.
Serial bouts of hyperinflation, overspending and foreign indebtedness have taken their toll. Each crisis has caused the peso (one of this year’s worst-performingcurrencies) to collapse, destroyed trust in policymakers (who’ve now returned the favor by tightening capital controls), and made the country a perennial pariah in the credit markets (Argentine bonds slumped again on Monday). Tellingly, lenders took heart in the narrower-than-expected Peronist victory, a sign perhaps that Argentinians want stability, not adventure.
Dollarization has its discontents. Not everyone agrees that the best way to restore economic integrity and trustworthiness is to take away policy command and control. Argentinians experimented with dollarization in the 1990s through a policy called convertibility: Each peso was legally backed by a dollar in reserves at a fixed one-to-one exchange. It worked for a while, but there was leakage. Provinces found loopholes to federally mandated austerity, fiscal profligacy continued and even with the dollar anchor, the central bank kept tinkering, therefore undermining convertibility and setting up the country for its seventh debt default since 1827.
Populist temptations can also wreak economic havoc, even under the dollar straitjacket.  Look no further than Ecuador. Squeezed by rising U.S. interest rates, spendthrift former President Rafael Correa found a workaround to the dollar by raiding hard currency reserves and leaning on the Central Bank to jack up government lending for wages and social programs. The result was a fiscal sinkhole that entrapped Correa’s successor Lenin Moreno in penury ever since and nearly unseated him last month when his austerity measures provoked a backlash.
And yet at some point, governments exhaust their quota of mistakes. Alberto Ramos of Goldman Sachs is no fan of dollarization, but he allows that dire circumstances call for extreme measures. “If you continue to go from crisis to crisis, you have to let go and dollarize,” he told me. By now, Argentina may well have erased the ifs.
Discarding dollarization because it ties a nation’s hands and deprives a government of instruments to manage exchange rates and business cycles sounds sensible, but ultimately rests on a conceit that ignores events on the ground in Argentina. Economist Nicolas Cachanosky, of the Metropolitan State University of Denver, calls this the nirvana fallacy.  “Argentine economists tend to confuse the possible with the probable. They imagine a well-functioning central bank that carefully considers and implements policy. But experience suggests something far less desirable will result,” Cachanosky recently wrote.
What’s not in dispute is that Argentina long ago breached the threshold of economic normalcy. “Argentina lacks credit in the broadest sense; it is a zero-trust country,” writes Johns Hopkins University economist Jorge C. Avila, who along with Cachanosky is one of the few Argentine enthusiasts of dollarization.
In a study earlier this year Avila argued that dollarizing could work as long as Argentina opens its air-gapped economy (exports and imports amount to only about 30% of gross domestic product). “Dollarizing with financial integration and free-trade agreements with superpowers will bring a degree of monetary and financial stability not seen by this country in a century,” he wrote.
That may sound overly optimistic. Indeed, going all the way and scuttling a national currency is a dire recourse, and likely unthinkable for the new Peronist management, whose standard bearers spent much of the campaign blaming Macri for turning Argentina into a vassal of the International Monetary Fund. “Dollarization is a one-way street, you don’t go back,” said Monica de Bolle, a senior fellow at the Peterson Institute for International Economics.
As it happens, de Bolle added, Argentinians are way ahead of their political establishment. Each crisis has led them to dump pesos for the greenback, the only medium of exchange that counts for real estateand other big-ticket transactions. Argentinians have squirreled away up to $150 billion in cash and hold an estimated $500 billion in assets abroad. “Argentinians think in dollars, plan in dollars, dream in dollars and have nightmares in dollars,” said Ramos.
What the Peronists need to say is, if Argentina doesn’t dollarize, then what? The options are all but spent.
    This column does not necessarily reflect the opinion of the editorial board or Bloomberg LP and its owners.
    To contact the author of this story:
    Mac Margolis at mmargolis14@bloomberg.net
    To contact the editor responsible for this story:
    James Gibney at jgibney5@bloomberg.net
    Mac Margolis is a Bloomberg Opinion columnist covering Latin and South America. He was a reporter for Newsweek and is the author of “The Last New World: The Conquest of the Amazon Frontier.”

    terça-feira, 20 de agosto de 2019

    Argentina: chanceler acidental queima as pontes com possível governo

    Inacreditável chanceler: ademais de ser absolutamente inconveniente ao referir-se ao candidato opositor na Argentina, praticando descortesia ao usar a imagem de uma boneca russa, ele demonstra uma postura autoritária totalmente inaceitável para um diplomata e sobretudo para o chanceler de um país vizinho: a possível futura Argentina só merecerá relações com o Brasil se fizer como o governo Bolsonaro imaginava que ela deva ser obrigatoriamente. Consegue ser pior que o presidente, cujas grosserias são em parte ignoradas pois ele está no seu natural vulgar e deseducado. O chanceler acidental é um verdadeiro desastre para os padrões diplomáticos normais, ou age assim para mostrar-se sabujamente fiel ao presidente antidiplomático que ocupa o poder para nossa vergonha.

    Paulo Roberto de Almeida

    Ernesto Araújo diz que Alberto Fernández é 'boneca russa' com Lula e Chávez dentro

    Chanceler de Bolsonaro ataca candidato favorito na Argentina, mesmo após ele pedir 'tranquilidade' para governo do Brasil


    O Globo, 19/08/2019 - 21:02

    O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo Foto: Jorge William / Agência O Globo 15-8-19
    O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo Foto: Jorge William / Agência O Globo 15-8-19

    RIO - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fez diversas críticas ao candidato favorito a presidente nas eleições da Argentina, Alberto Fernández , em entrevista publicada pelo jornal portenho El Clarín nesta segunda-feira. O ministro brasileiro disse “não ter ilusões de que esse kirchnerismo 2.0 seja diferente ao kirchnerismo 1.0” e previu dificuldades caso a ampla vantagem obtida por Fernández sobre Mauricio Macri nas primárias, no dia 11 de agosto, se confirme nas eleições presidenciais em outubro, reiterando que o Brasil pode deixar o Mercosul caso Fernández venha a “fechar a economia”.
    As críticas contra o possível presidente de um país vizinho, incomuns para um chanceler, se somam a uma longa lista das dirigidas pelo governo Bolsonaro contra o candidato peronista, que tem na ex-presidente Cristina Kirchner sua candidata a vice. Bolsonaro tem abertamente defendido o atual presidente,Mauricio Macri , prevendo cenários catastróficos, parecidos com o da Venezuela, em caso de vitória da chapa de Fernández.
    Nos últimos dias, o opositor, que, logo após ser criticado por Bolsonaro após o resultado nas primárias, chamou o presidente  brasileiro de “racista misógino violento”, abaixou o tom e se disse arrependido. Além de pedir para Bolsonaro "ficar tranquilo" porque "não fechará a economia", em entrevista ao jornal Página 12 publicada no domingo, Fernández afirmou que “foi um erro enredar-se nas bravatas dele” e que “se Bolsonaro quer dançar este tango, que não conte comigo”.
    — O vínculo entre Brasil e Argentina deve ser indissolúvel, somos sócios profundos demais para pensar que isto possa se dissolver por um presidente de conjuntura, chame-se Bolsonaro ou Alberto Fernández — afirmou.
    Araújo, por sua vez, disse estar “muito preocupado” e que “no momento não tem diálogo com ele”. O chanceler brasileiro avaliou as últimas declarações de Fernández como “de conveniência”, afirmando ser necessário olhar para “o histórico e o passado da candidatura” e que “nada do que foi dito dissipa as preocupações”.
    — Quando ele diz que seu governo não é necessariamente como o governo de Kirchner, eu, para usar uma imagem, o vejo como uma boneca russa. Há Alberto Fernández, você abre e lá está Cristina Kirchner, você abre e lá está o Lula, e depois o (Hugo) Chávez. Para nós é muito claro. Há uma lógica de racionalidade econômica nessas últimas entrevistas, mas o passado parece muito claro para mim. Há algumas coisas que são ditas na campanha, mas não temos muita ilusão de que este kirchnerismo 2.0 seja diferente do kirchnerismo 1.0 — afirmou o chanceler.
    Araújo disse que a visita de Fernández ao ex-presidente Lula na prisão foi “muito ofensiva às instituições brasileiras, nosso sistema judicial e nosso processo político”, justificando que “a luta contra a corrupção no Brasil (...) é algo com imenso apoio e respaldo popular”.
    O ministro também disse que, ao chegar ao poder, o governo avaliou “livrar-se do Mercosul”, porque não “havia livre comércio intrazona” e “visão de abertura”, não praticando, em sua avaliação, negociações com o resto do mundo. Durante o governo “de Kirchner”, disse Araújo sem especificar se se referia a Néstor ou a Cristina,  a Argentina colocava taxas muito altas aos produtos brasileiros, o que seria tolerado “em nome de um projeto ideológico ligado ao Foro de São Paulo”.
    Araújo disse ter mudado de ideia ao notar que poderia cooperar com Macri, mas não descartou sair do bloco caso o kirchnerismo volte ao poder.
    —  Hoje temos um pacto pelo crescimento, competitividade, abertura e prosperidade. Nós não vamos voltar a um pacto de suicídio. Se o Mercosul for novamente vítima de uma ideologização, isso prejudicará o bloco. Não por nossa vontade. Mas o bloco não será mais manipulado por interesses que para nós sejam contrários ao interesse do povo brasileiro e do povo argentino.
    Perguntado se a escalada de ofensas irá se amenizar, Araújo respondeu que “ninguém a deseja”, mas que o governo continua “preocupado com sinais muito claros do candidato em termos de sua visão de mundo”.
    — Nossa expectativa é continuar trabalhando com um governo, com um presidente, que tenha uma visão como a nossa, de abertura, de competitividade — afirmou.

    sábado, 17 de agosto de 2019

    Mercosul: desconhecimento do ministro da Economia preocupa empresários

    Guedes diz que Brasil pode sair do Mercosul se Kirchner vencer eleição e fechar economia da Argentina

    'Desde quando o Brasil precisou da Argentina?' pergunta ministro sobre o país que é o terceiro maior parceiro comercial brasileiro

    Leo Branco
    O Globo, 15/08/2019 - 16:23 / Atualizado em 15/08/2019 - 22:04
    O ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Reuters
    O ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Reuters
    SÃO PAULO - O ministro Paulo Guedes disse nesta quinta-feira que o Brasil pode sair do Mercosul caso a candidatura do peronista Alberto Fernández, em que a ex-presidente Cristina Kirchner é candidata a vice, vença as eleições presidenciais da Argentina, marcadas para outubro.
    — Não podemos ficar pendurados na crise da Argentina. O Mercosul, claro, é um veículo de inserção do Brasil no comércio internacional. Mas, se a (Cristina) Kirchner quiser entrar e fechar a economia deles? Se quiser fechar a gente sai do Mercosul. Se ela quiser ficar aberta? Beleza, continuamos. O Brasil é uma economia continental. Temos que recuperar a nossa economia — disse Guedes, em evento a empresários e investidores promovido pelo banco Santander, em São Paulo.
    Para Guedes, uma continuidade do governo Macri facilitaria a abertura comercial do Brasil, inclusive com os Estados Unidos, por causa da proximidade entre Macri, Bolsonaro e o presidente americano Donald Trump.
    — Evidentemente há química excelente do (Mauricio) Macri com o presidente Bolsonaro, e os dois com Trump. Isso tudo facilita as coisas (para uma abertura comercial). Agora, o destino é dos argentinos. Nós somos um país continental e precisamos resolver a nossa dinâmica de crescimento. Desde quando o Brasil precisou da Argentina? — disse Guedes, dizendo que o governo tem preocupação “zero” com um eventual aprofundamento da crise no país vizinho.
    À tarde, em palestra durante seminário de gás natural no Rio, Guedes disse que não teme efeitos de uma eventual crise na Argentina ou no mundo, e que o Brasil poderá se aproveitar de eventuais oportunidades em tal cenário — promovendo, por exemplo, o crescimento da atividade de setores da indústria.
    — Não vai ser nenhum ventinho do Sul, ou ventania do mundo inteiro que vai dessincronizar o Brasil — disse Guedes. — Não tenho nenhuma preocupação. É evidente que, quando se tem o vento favorável,  fica melhor para o país. Mas nós temos muita convicção de que a dinâmica de crescimento da economia brasileira é própria. O Brasil é uma economia continental. Durante os últimos 15 anos o mundo estava crescendo aceleradamente  e nós não estávamos participando disso. Agora pode ser o contrário, o mundo pode desacelerar e podemos acelerar.
    De acordo com o ministro, o país sempre teve uma dinâmica própria de crescimento.
    — O Brasil foi até um pouco desindustrializado durante o período em que o câmbio se valorizou  — disse  Guedes. — Agora pode ser o contrário, se o mundo desacelera e caem os preços das commodities, o dólar pode subir um pouco menos e em compensação, com  energia mais barata e o câmbio um pouco mais alto, você  vai reindustrializar vários setores, como autopeças, móveis, sapatos, indústria têxtil. Nós não devemos temer o efeito contágio, o Brasil tem uma dinâmica própria. É  uma ventania que incomoda um pouquinho.
    A Argentina é o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, depois da China e dos Estados Unidos. Atualmente, a Argentina compra mais do Brasil do que países como Alemanha e Holanda, e é a principal compradora de produtos manufaturados brasileiros.
    No domingo, a candidatura de Fernández ficou com 47% dos votos nas primárias obrigatórias, uma espécie de prévia da votação de 27 de outubro. A chapa do presidente Maurício Macri, de cunho liberal, ficou com 32% dos votos.
    O fraco desempenho de Macri, muito abaixo das previsões de analistas, provocou pânico no mercado financeiro na Argentina e com repercussões no Brasil. O risco, para muitos analistas, é de que a volta de Cristina ao poder prejudique a abertura comercial e a liberalização econômica promovida por Macri e, também, o acordo comercial assinado entre Mercosul e a União Europeia, assinado em julho.
    Guedes avaliou ainda que o Brasil está preparado para a turbulência global causada pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, e agravada entre os países do Mercosul pela incerteza causada pelo resultado pré-eleitoral da Argentina. Para o ministro, a economia brasileira tem uma “dinâmica de crescimento própria” por ser uma das mais fechadas do mundo.
    — Vamos continuar abrindo a nossa economia. Não somos dependentes da crise. Fechamos a nossa economia e por isso somos uma ilha, temos uma dinâmica própria de crescimento — disse à plateia.
    Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não quis fazer uma previsão sobre o futuro do Mercosul caso Alberto Fernández vença a eleição presidencial na Argentina. Fernández e Cristina são tratados por Jair Bolsonaro como “ bandidos de esquerda ”. Em resposta, o candidato da oposição argentina chamou o brasileiro de "racista, misógino e violento".
    — Temos que ver qual a plataforma que eles trariam nesta hipótese — disse o ministro.
    Após três dias de perdas, a moeda argentina se valorizou 4,88% nesta quinta-feira, fechando a 57,10 pesos, um dia depois que Macri e o candidato opositor Alberto Fernández pediram calma aos mercados. Os papeis das empresas argentinas em Wall Street também subiram, e risco país, que mede o risco de não pagamento da dívida, caiu 8,5%, para 1.780 pontos — uma queda de 166 pontos em relação ao fechamento anterior.

    quinta-feira, 15 de agosto de 2019

    A diplomacia brasileira é uma nau sem rumo - Paulo Guedes, Paulo Roberto de Almeida

    Inacreditável o que leio hoje na imprensa brasileira. 
    Estupefação minha com a matéria transcrita mais abaixo: 
    Todas as pessoas minimamente informadas sobre temas de política externa sabem que a inconsciência diplomática do governo Bolsonaro é incomensurável. Agora, descobrir que o ministro da Economia se revela também um imenso ignorante nessas matérias é mais do que preocupante: é propriamente devastador para o futuro do Mercosul e para a própria credibilidade da diplomacia brasileira.
    Será que estamos entregues a um bando de neófitos, inconscientes, ignorantes?
    Paulo Roberto de Almeida

    Guedes: Brasil pode sair do Mercosul se oposição vencer na Argentina
    O governo brasileiro cogita deixar o Mercosul caso a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner vença a eleição presidencial da Argentina, afirmou o ministro Paulo Guedes (Economia). Uma eventual saída dependeria, segundo Guedes, da intenção da chapa de “fechar a economia” do país vizinho.
    Assim como presidente Jair Bolsonaro, o ministro disse que a reeleição de Maurício Macri facilitaria a relação, mas emendou: “Desde quando o Brasil precisou da Argentina?”. Importante parceiro comercial, os argentinos vivem turbulências na economia há 19 anos.

    Matéria completa: 

    Guedes diz que Brasil pode sair do Mercosul se Kirchner vencer eleição e fechar economia da Argentina

    'Desde quando o Brasil precisou da Argentina?' pergunta ministro sobre o país que é o terceiro maior parceiro comercial brasileiro

    Leo Branco
    O Globo, 15/08/2019 - 16:23 / Atualizado em 15/08/2019 - 22:04
    O ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Reuters
    O ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Reuters
    SÃO PAULO - O ministro Paulo Guedes disse nesta quinta-feira que o Brasil pode sair do Mercosul caso a candidatura do peronista Alberto Fernández, em que a ex-presidente Cristina Kirchner é candidata a vice, vença as eleições presidenciais da Argentina, marcadas para outubro.
    — Não podemos ficar pendurados na crise da Argentina. O Mercosul, claro, é um veículo de inserção do Brasil no comércio internacional. Mas, se a (Cristina) Kirchner quiser entrar e fechar a economia deles? Se quiser fechar a gente sai do Mercosul. Se ela quiser ficar aberta? Beleza, continuamos. O Brasil é uma economia continental. Temos que recuperar a nossa economia — disse Guedes, em evento a empresários e investidores promovido pelo banco Santander, em São Paulo.
    Para Guedes, uma continuidade do governo Macri facilitaria a abertura comercial do Brasil, inclusive com os Estados Unidos, por causa da proximidade entre Macri, Bolsonaro e o presidente americano Donald Trump.
    — Evidentemente há química excelente do (Mauricio) Macri com o presidente Bolsonaro, e os dois com Trump. Isso tudo facilita as coisas (para uma abertura comercial). Agora, o destino é dos argentinos. Nós somos um país continental e precisamos resolver a nossa dinâmica de crescimento. Desde quando o Brasil precisou da Argentina? — disse Guedes, dizendo que o governo tem preocupação “zero” com um eventual aprofundamento da crise no país vizinho.
    À tarde, em palestra durante seminário de gás natural no Rio, Guedes disse que não teme efeitos de uma eventual crise na Argentina ou no mundo, e que o Brasil poderá se aproveitar de eventuais oportunidades em tal cenário — promovendo, por exemplo, o crescimento da atividade de setores da indústria.
    — Não vai ser nenhum ventinho do Sul, ou ventania do mundo inteiro que vai dessincronizar o Brasil — disse Guedes. — Não tenho nenhuma preocupação. É evidente que, quando se tem o vento favorável,  fica melhor para o país. Mas nós temos muita convicção de que a dinâmica de crescimento da economia brasileira é própria. O Brasil é uma economia continental. Durante os últimos 15 anos o mundo estava crescendo aceleradamente  e nós não estávamos participando disso. Agora pode ser o contrário, o mundo pode desacelerar e podemos acelerar.
    De acordo com o ministro, o país sempre teve uma dinâmica própria de crescimento.
    — O Brasil foi até um pouco desindustrializado durante o período em que o câmbio se valorizou  — disse  Guedes. — Agora pode ser o contrário, se o mundo desacelera e caem os preços das commodities, o dólar pode subir um pouco menos e em compensação, com  energia mais barata e o câmbio um pouco mais alto, você  vai reindustrializar vários setores, como autopeças, móveis, sapatos, indústria têxtil. Nós não devemos temer o efeito contágio, o Brasil tem uma dinâmica própria. É  uma ventania que incomoda um pouquinho.
    A Argentina é o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, depois da China e dos Estados Unidos. Atualmente, a Argentina compra mais do Brasil do que países como Alemanha e Holanda, e é a principal compradora de produtos manufaturados brasileiros.
    No domingo, a candidatura de Fernández ficou com 47% dos votos nas primárias obrigatórias, uma espécie de prévia da votação de 27 de outubro. A chapa do presidente Maurício Macri, de cunho liberal, ficou com 32% dos votos.
    O fraco desempenho de Macri, muito abaixo das previsões de analistas, provocou pânico no mercado financeiro na Argentina e com repercussões no Brasil. O risco, para muitos analistas, é de que a volta de Cristina ao poder prejudique a abertura comercial e a liberalização econômica promovida por Macri e, também, o acordo comercial assinado entre Mercosul e a União Europeia, assinado em julho.
    Guedes avaliou ainda que o Brasil está preparado para a turbulência global causada pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, e agravada entre os países do Mercosul pela incerteza causada pelo resultado pré-eleitoral da Argentina. Para o ministro, a economia brasileira tem uma “dinâmica de crescimento própria” por ser uma das mais fechadas do mundo.
    — Vamos continuar abrindo a nossa economia. Não somos dependentes da crise. Fechamos a nossa economia e por isso somos uma ilha, temos uma dinâmica própria de crescimento — disse à plateia.
    Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não quis fazer uma previsão sobre o futuro do Mercosul caso Alberto Fernández vença a eleição presidencial na Argentina. Fernández e Cristina são tratados por Jair Bolsonaro como “ bandidos de esquerda ”. Em resposta, o candidato da oposição argentina chamou o brasileiro de "racista, misógino e violento".
    — Temos que ver qual a plataforma que eles trariam nesta hipótese — disse o ministro.
    Após três dias de perdas, a moeda argentina se valorizou 4,88% nesta quinta-feira, fechando a 57,10 pesos, um dia depois que Macri e o candidato opositor Alberto Fernández pediram calma aos mercados. Os papeis das empresas argentinas em Wall Street também subiram, e risco país, que mede o risco de não pagamento da dívida, caiu 8,5%, para 1.780 pontos — uma queda de 166 pontos em relação ao fechamento anterior.


    quarta-feira, 14 de agosto de 2019

    Vargas Llosa chora pela Argentina (La Nación)

    Sí, lloro por ti Argentina

    Argentina, un país que era democrático cuando tres cuartas partes de Europa no lo eran, un país que era uno de los más prósperos de la Tierra cuando América Latina era un continente de hambrientos, de atrasados.

    El primer país del mundo que acabó con el analfabetismo no fue Estados Unidos, no fue Francia, fue la Argentina con un sistema educativo que era un ejemplo para todo el mundo. Ese país que era un país de vanguardia ¿Como puede ser que sea el país empobrecido, caótico, subdesarrollado que es hoy? ¿Qué pasó? ¿Alguien lo invadió? ¿Estuvieron enfrascados en alguna guerra terrible?
    No, los argentinos se hicieron eso ellos mismos. Los argentinos eligieron a lo largo de medio siglo las peores opciones.
    ¿Cómo se entiende eso? Un país con gentes cultas, absolutamente privilegiado, una minoría de habitantes en un enorme territorio que concentra todos los recursos naturales. ¿Por qué no son el primer país de la Tierra? ¿Por qué no tienen el mismo nivel de vida que Suecia, que Suiza?
    Porque los argentinos no han querido. Han querido en cambio ser pobres. Seguir a “caudillos” de pacotilla, “salvadores” de porquería, locos, desquiciados por su mismo odio a todo lo que sea diferente a su locura. Han querido vivir bajo dictaduras, han querido vivir dentro del mercantilismo más espantoso. Hay en esto una responsabilidad del pueblo argentino.
    Para mí es espantoso lo que ha ocurrido en Argentina. La primera vez que fui allí quedé maravillado. Un país de clases medias, donde no había pobres en el sentido latinoamericano de la pobreza. ¿Cómo pudo llegar a la presidencia una pareja tan diabólica, manipuladora, populistas en grado extremo, corruptos de calle como los Kirchner gobernando ese país?. Al menos ya uno no está!.
    Esperemos que la que queda no pueda seguir hundiendo a ese otrora gran país argentino!
    Sin embargo, a juzgar por sus diabólicas relaciones estrechísimas con el desquiciado, paria, bestia troglodita, de la extinta y queridísima República de Venezuela, todo parece indicar que ahora “Cristinita” se apegará aún más a ese escoria, aprendiz de dictadorzuelo, quien ya bastante le ha financiado su mandato a costa del noble pero incomprensiblemente inerte pueblo Venezolano.
    ¡Qué degradación política, qué degradación intelectual! Argentina y Venezuela, dos países extraordinarios vueltos pedazos por una sarta de demoníacos desquiciados!!!
    Por eso me pregunto ¿Cómo es eso posible?
    Mario Vargas Llosa

    segunda-feira, 12 de agosto de 2019

    Argentina: Bolsonaro criou um problema para si mesmo e para a diplomacia brasileira

    Como sempre, o presidente perdeu mais uma oportunidade de ficar calado. Todos os dias, compulsivamente, ele vive falando sobretudo e sobre todos, em especial sobre assuntos que ele não conhece.
    Em lugar de demonstrar sua ignorância enciclopédia, o presidente faria bem em ficar calado, não por um dia ou dois, mas por semanas, talvez sobre meses, melhor ainda até o final do mandato.
    Quem é boquirroto, acaba dando bom dia a cavalo, como já se disse.
    Paulo Roberto de Almeida

    Bolsonaro deveria reavaliar discurso sobre Argentina, avaliam militares e diplomatas

    Chapa de Cristina Kirchner venceu as primárias, o que representa revés para líder brasileiro

    A vitória da chapa de oposição nas primárias presidenciais argentinas representou um revés para o presidente Jair Bolsonaro, na avaliação de integrantes da cúpula militar e da diplomacia brasileira.
    O diagnóstico feito por eles à Folha, em caráter reservado, é de que o presidente brasileiro se equivocou ao ter se envolvido de maneira ativa na disputa do país vizinho e que seria adequado, neste momento, reavaliar o discurso, moderando o tom.
    A chapa liderada por Alberto Fernández, que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice, venceu com larga vantagem as primárias presidenciais argentinas realizadas neste domingo (11), apontam os resultados preliminares.
    Desde maio, Bolsonaro tem feito reiterados ataques a Cristina, inclusive em entrevista à imprensa estrangeira, e pedido à população argentina que não votasse nela. Para ele, o retorno da hoje senadora ao Poder Executivo pode fazer com que a Argentina se torne uma Venezuela.

    Nas palavras de um assessor palaciano, as críticas foram "desnecessárias" e acabaram apenas por criar um ônus ao presidente brasileiro sobre um assunto no qual ele não tem relação direta.
    A avaliação de auxiliares presidenciais é de que a manutenção do discurso belicoso, diante da chance de vitória da oposição, pode dificultar uma composição entre Brasil e Argentina no futuro, sobretudo no momento em que se negocia o acordo entre Mercosul e União Europeia.
    Para evitar um contratempo, eles defendem que Bolsonaro interrompa os ataques à chapa vencedora e faça gestos de diálogo, mesmo que ele siga se opondo à esquerda. Um assessor diplomático, no entanto, ressalta que não é do temperamento do presidente recuar em questões ideológicas.
    Fernández já disse que pretende rever o pacto comercial com a União Europeia, porque, na opinião dele, foi feito de maneira precipitada devido à disputa eleitoral e pode prejudicar a indústria argentina.
    À tarde, no Twitter, o candidato kirchnerista agradeceu mensagem do ex-presidente brasileiro Lula, também publicada na rede social, em que parabenizava a vitória nas primárias.
    “Muito obrigado, querido amigo Lula. Como você bem diz, devemos dar esperança ao nosso povo e cuidar de quem mais precisa. Te mando um forte abraço que espero poder te dar em breve.”
    Caso os números das primárias se repitam na eleição, marcada para o fim de outubro, Fernández seria eleito em primeiro turno. Para isso, ele precisa ter mais de 45% dos votos ou mais de 40% e no mínimo 10 pontos percentuais de vantagem para o segundo colocado. 
    De acordo com os dados oficiais, o comparecimento às urnas foi alto, com a participação de 75% dos eleitores. As chamadas Paso (Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias) foram criadas em 2009, com a intenção de diminuir o número de candidaturas que concorriam na eleição.
    As primárias argentinas servem mais como uma espécie de pesquisa eleitoral confiável, pois o voto é obrigatório, do que para definir as chapas, que já foram escolhidas por cada coalizão.
    Na última eleição, em 2015, o kirchnerismo ganhou nas primárias e no primeiro turno, com Daniel Scioli. No entanto, Macri venceu no segundo turno e se tornou presidente.

    Leia mais:

    quarta-feira, 15 de maio de 2019

    Argentina-FMI sempre discutindo a relacao, e um descontentamento renovado

    International Monetary Fund – 15.5.2019
    IMF’s reputation on the line in Argentina
    Some fear fund’s largest bailout is fraying and might not survive an electoral jolt
    Colby Smith and Benedict Mander

    New York and Buenos Aires - When the IMF completed its third review of Argentina’s economy in early April, managing director Christine Lagarde boasted that the government policies linked to the country’s record $56bn bailout from the fund were “bearing fruit”. 
    Less than a month later, amid darkening political prospects for incumbent president Mauricio Macri, the country’s currency crisis reignited and bond yields spiked, threatening not only the IMF’s Argentina programme but its reputation and that of its leader. 
    Argentine assets have stabilised somewhat in recent weeks, with the country’s central bank now allowed to use IMF resources to intervene in the peso. But many analysts and investors are concerned that the programme is fraying and could collapse if the populist opposition, led by former leftist president Cristina Fernández de Kirchner, wins the presidential election in October. A victory would be devastating for the IMF given its strong backing of Mr Macri.
    “This is the biggest single programme that they’ve ever put up, and their reputation is on the line,” said Bill Rhodes, a former top Citi executive with wide experience handling past Latin American debt crises.
    Even former senior fund officials are concerned by the organisation’s exposure to Argentina, and the potential fallout should its biggest ever programme implode.
    “Lagarde has really gone out on a limb for this programme and has been supporting it wholeheartedly,” said Claudio Loser, former head of the IMF’s western hemisphere department during Argentina’s historic debt default in 2001. A failed programme would lead to a “loss of credibility” for the fund, he adds.
    Plans have already veered off course significantly, with Mr Macri forced to return to the IMF to revamp the deal scarcely three months after the original agreement was unveiled in May last year. In September, the IMF announced it would lend an additional $7.1bn to Argentina and allow the country to receive more cash upfront in exchange for a harsher austerity programme.
    The deal required Argentina to run a balanced budget by 2019 and to shrink its external deficit. On both counts, the country has seen success.
    By the end of last year, the primary fiscal deficit sat at 2.6 per cent of GDP — lower than the IMF’s target and a far cry from the 3.8 per cent level posted in 2017. Argentina has also made strides on the trade balance, which has swung from a large deficit to a surplus of $1.18bn as of March, amid a deepening recession.
     “There have been significant changes in the Argentine economy — from reliable official data to important fiscal and external sector improvements — and we want to help Argentina continue this process of transformation,” said one IMF official involved in the programme. “It is challenging and we feel a sense of responsibility in trying to help the country in this effort.”
    Yet on other metrics, Argentina has struggled. Inflation remains elevated at nearly 55 per cent, despite the central bank tightening the monetary screws. Poverty levels have also skyrocketed to more than 30 per cent of the population, dredging up haunting memories of past crises and IMF programmes. 
    For many locals, the IMF has become a comic-book villain given its long and chequered history with the country. Since it first sought the fund’s help in 1958, Argentina has signed 22 agreements with it, most of which ended with bitterness on both sides. 
    Few forget the disastrous finale of the IMF’s last Argentina programme, when, just two months before the country defaulted in 2001, it borrowed another $8bn from the fund — most of which was used to buy pesos from institutional investors wanting to get out of Argentina. 
    “Obviously, the IMF does not want to make the same mistake again,” said one former IMF staffer. “But it is a very different organisation from when it last got burnt in Argentina.”
    For one, the IMF has placed an inordinate emphasis on “protecting society’s most vulnerable” when discussing its austerity package. In fact, the IMF’s current programme is the first to allow the country to exceed its fiscal deficit target if the additional spending is to be used for social assistance. 
    In light of recent market ructions, the IMF has also shown flexibility in the government’s economic policies, with both the IMF and Donald Trump, US president, expressing their support as recently as last week of the course of action taken by Mr Macri.
    In mid-April, Argentina relaunched a controversial programme of price controls in the hope of providing some reprieve for locals. Weeks later, the central bank announced it had full discretion to intervene in the currency market whenever it saw fit, a sharp diver.
    gence from the free-floating currency principle once espoused by the fund. “We are working with the authorities to overcome the current difficulties and this implies a degree of flexibility to adapt when circumstances change to maintain the core objectives of the programme,” said the IMF official.
    Mr Macri’s approval ratings have tanked with the economy. But according to Mark Sobel, a former senior US Treasury official and executive director at the IMF, staying the course with the fund’s programme is his best bet to beat Ms Fernández should she choose to run.
    “If this programme is carried out, Argentina will turn around,” he said. “But if Kirchner wins and we see a return to the woefully errant policies of her and her husband, many will blame the fund and its reputation will suffer.”

    (Grato a Pedro Luiz Rodrigues pela informação)