O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

Mostrando postagens com marcador Rússia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rússia. Mostrar todas as postagens

domingo, 10 de novembro de 2019

Rússia de Putin: a pretensão frustrada de ser uma grande potência - revista Time

30 Years After the Fall of the Berlin Wall, Russia Is Only Pretending to Be a Major Power

Time magazine, October 9, 2019

Vladimir Yakunin, the former Russian Railways boss and KGB spy, leaned forward to describe the way the world is going. It was the middle of October, and he had just convened an annual gathering of statesmen from countries that are, as a rule, sympathetic to the Kremlin. Held each fall on the Greek island of Rhodes, the summit provides a chance for Russia’s allies to compare notes, assess opportunities and make plans for the future. Yakunin, an old friend of Russian President Vladimir Putin, serves as the master of ceremonies.
The global context this year seemed to suit his message perfectly. Five days before the summit opened at the Rhodes Palace, the island’s most luxurious hotel, the U.S. had announced that it was withdrawing U.S. troops in northern Syria, effectively abandoning the Kurds and giving Turkey and Russia free reign to do what they want in the region. The U.K.’s plan to leave the European Union had also just hit another embarrassing snag, as its government was forced to ask for yet another Brexit extension. Yakunin clasped his hands as he considered what all this meant for Russia and the world. “We can say the West is declining,” he told TIME. “The global architecture is changing.” He took a sip from his espresso, and added, “The liberal order will be changing.” 

But judging by the turnout in Rhodes this year, Yakunin and his allies back in Moscow are not in a prime position to define the terms of a new world order. The only head of state who showed up was Mahamadou Issoufou, the President of Niger. The handful of attending politicians from Europe were years out of office. Few stayed for the entire weekend. Martin Schulz, the former President of the European Parliament, left before the end of the first day of the conference.
It seemed like a sign of the times for Russia. Compared to its influence in the late Soviet era, when Yakunin served as a KGB spy under diplomatic cover in New York City, the Kremlin today has little claim to the status of a modern superpower. Under President Vladimir Putin, Russia has played a central role in conflicts from the Middle East to Latin America. But its messengers, like Yakunin, have a tendency to overstate their country’s strength. Political experts insist that Putin lacks a strategy for filling the vacuum that President Donald Trump has left behind in Syria. Nor does Moscow have enough money to sustain a system of reliable alliances, the way that China has tried to do by investing billions of dollars each year in countries across Africa.
“Russia can’t really fill this vacuum,” neither in Syria nor the broader Middle East, says Stefan Meister, head of the Program for Eastern Europe and Russia at the German Council on Foreign Relations in Berlin. “It will only play with it. It can destroy, but it’s not able to build up the region.” Whether President Trump likes it or not, the U.S. is still the only power that can do that, says Shada Islam, a director at a Brussels based think tank, Friends of Europe. “The player in chief is still the U.S.—it’s the power that counts in the region,” she says. 
The Russians, of course, don’t quite see it that way. One of Yakunin’s guests in Rhodes this year was Vyacheslav Nikonov, the Chairman of the Education and Science Committee in the Russian parliament, who also happens to be the grandson of the legendary Soviet foreign minister, Vyacheslav Molotov. (The Molotov cocktail was named after him, though he was not its inventor; during the Soviet invasion of Finland in 1939-1940, Finnish guerillas used the crude petrol bombs against the Russian troops.)
Less than a week after the forum in Rhodes, some 1,000 miles to the east in the city of Manbij, Russian troops faced no resistance as they moved into northern Syria. It was a scene of triumph for Moscow to broadcast on state TV, as Russian reporters streamed videos from bases that had just been abandoned by American troops. 
But those images were hardly a reliable measure of Russia’s power in the Middle East. Since Putin intervened in the Syrian war in 2015 to defend the regime of Bashar Assad, Moscow’s role in the region has come with costs that Russia will have trouble bearing in the long run. “Many in Russia are reluctant to place the country in the position of a security provider because this would involve multifarious responsibilities. This is understood at Russia’s top leadership,” says Elena Chebankova, a Russian politics lecturer at Lincoln University. Russia will not go too far to act as “a world ‘policeman’ to the extent as the USSR did,” she says.
In July, Russia unveiled a proposal for a new alliance in the Middle East, dubbed the Collective Security Concept for the Persian Gulf Region. Its aim is to create stability in the Persian Gulf and involve major global and regional players including China, Russia, India, the U.S. and the E.U. But the plan left many Gulf officials wondering what Russia would do to guarantee the security it promised, says Nikolay Kozhanov, a Senior Research Fellow at the Institute of World Economy and International Relations in Moscow. “And the answer was quite obviously, nothing,” says Kozhanov. “Russia is a major player without any special cards in its hands.”
During Putin’s visits to Abu Dhabi and Saudi Arabia in October, their leaders rolled out the red carpet for the Russian President and declared a new era in relations with Moscow. But the trips turned out to be short on substance, says Rauf Mammadov, an energy policy expert at the Middle East Institute, a U.S.-based think tank. Putin came away with $3 billion in deals—a modest sum compared to the $300 billion Trump secured during his visit to Saudi Arabia in 2017. 
Saudi Aramco, the kingdom’s oil company, signed up to buy a stake in a new gas project in the Russian Arctic October 2018, but so far it has not materialized. A much lauded partnership between Russia’s sovereign wealth fund and a UAE-based global investment firm Mubadala was created in 2013, but the two sides have only allocated a third of the $7 billion that is up for investment. Russia’s economic ties to Persian monarchs are “still a nascent process,” says Mammadov. Likewise in Egypt, Putin agreed a deal in 2014 to build a Russian free-trade zone on the Suez Canal—a project that remains on the drawing board, wrapped up in Egyptian red tape. But that did not stop Egyptian President Abdul Fattah Al-Sisi from touting the project during a meeting with Putin in Russia last month. 
The economic ties between Russia and China have also tended to produce more headlines than substance. Though Putin has hailed these relations as the “best they’ve ever been,” the primary proof has been the recent series of joint military drills, alongside plans announced last month for Russia to “radically enhance China’s defense capability” by helping the country to build a missile defense system.
Putin and his Chinese counterpart are more like frenemies than allies, says Mathieu Boulègue, a Research Fellow at the Russia and Eurasia Programme at Chatham House. For one thing, Russia is painfully aware that, with an economy 8 times smaller than that of China, it would need to accept the role of junior partner in any alliance with Beijing. “It’s not about cooperation,” says Boulègue, “but the messages it sends to the rest of the world.” The intended message is clear enough, he says: “‘We are not alone.’”

But loneliness may be wiser than some of the partnerships Russia is courting. Consider its recent moves in Africa. Through a series of security deals and mining ventures, the Kremlin managed to build an alliance in the last two years with the Sudanese dictator Omar al-Bashir—only to watch him deposed in a popular uprising this summer. At the end of October, Putin brought the heads of state from 43 African countries to Sochi, his favorite resort on the Black Sea coast.
The event produced another round of headlines around the world about Russia’s prowess in foreign affairs. But other than the pageantry, it was hard to see what Moscow stood to gain from these alliances. Only 3.7% of Russian goods end up in Africa today, while African goods account for just 1.1% of Russian imports. Russia’s current bilateral trade of $20 billion is just an eighth of China’s and half of the U.S.’s. Paul Stronski, a senior fellow at the U.S.-based Carnegie Endowment for International Peace, sees Russian clout in Africa “tied to a handful of client states with relatively limited strategic significance.” That means Putin is still “nowhere near restoring the status that the Soviet Union once enjoyed on the continent,” Stronski told the BBC. 
The same can be said of Yakunin. Though he clearly enjoyed the chance to address his audience of hundreds in Rhodes, the spectacle of the event felt hollow. “It has no real meaning other than maintaining an attractive image of Russia,” says Elisabeth Schimpfossl, the author of Rich Russians: From Oligarchs to Bourgeoisie, who first attended the Rhodes summit in 2009. Then, as now, the gathering was mostly a “PR event,” she says. And in that sense, at least, it resembles a lot of Russia’s recent moves in international affairs. 

Contact us at editors@time.com.

terça-feira, 11 de junho de 2019

Relações Brasil-Russia, no CEBRI - Emb. Antonio Espinola Salgado

Temos a satisfação de convidá-los para a mesa-redonda "Relações Brasil-Rússia: balanço e perspectivas", com o Embaixador Antônio Luis Espinola Salgado* que será realizada no dia 27 de junho, quinta-feira, das 10:30 às 12:00, na sede do CEBRI (Rua Marquês de São Vicente, 336 – Gávea, Rio de Janeiro), antecedido de um welcome coffee às 10:00.   
O evento contará também com a participação dos Conselheiros José Pio Borges, Presidente do Conselho Curador e Renato G. Flôres Jr., Diretor da FGV IIU - International Intelligence Unit.
Esperando contar com a sua presença, pedimos a gentileza de confirmar a sua participação, pelo e-mail rsvp@cebri.org.br ou pelo telefone (21) 2206-4403. 

*Embaixador Antônio Luis Espinola Salgado é graduado em Ciências Jurídicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Ingressou na carreira diplomática em 1980, e desde então já ocupou o cargo de embaixador no Irã e na Turquia, além de ter passado pelas embaixadas brasileiras no Chile, na Suíça, Panamá e Rússia, onde cumpriu sua última missão.

sábado, 15 de dezembro de 2018

Soljenitsyn: um gigante na literatura de resistência - Jessica Hooten Wilson

Alexander Soljenitsyn, tanto quanto Ronald Reagan e a sua denúncia do "império do mal", tanto quanto João Paulo II e sua condenação do "império ateu", foi absolutamente essencial no desmantelamento do "império da mentira e da opressão", representado pela União Soviética e pelo Estado totalitário do Partido Comunista. Ele não tinha atrás de si todo o poderio econômico e militar do grande império americano, como Reagan, tampouco todo o poderio espiritual e ideológico da Igreja Católica, como João Paulo II (o bispo polonês Karol Wojtylla); ele, na verdade, não tinha nada, a não ser a força das palavras, o poder das ideias, o ariete da verdade, com seus escritos, suas denúncias, sua coragem de arrostar a repressão soviética e ousar proclamar que o imperador estava nu, que o imenso império totalitário fundado sobre a mentira e a opressão não tinha, na verdade, nada a oferecer ao povo russo, senão mentiras, penúria, opressão. Defender ideias pode ser perigoso, mas são elas que, em última instância, fazem a diferença. Não foi o poderio econômico e militar do império americano que liquidou o império soviético, e sim a ideia de liberdade, o poder da verdade, tanto quanto demonstrou o papa João Paulo II.

Paulo Roberto de Almeida

Solzhenitsyn's Literary Ascent

The year 2018 marks the 50th anniversary of Aleksandr Solzhenitsyn’s In the First Circle. Because the Soviets were in power in Russia at the time that Solzhenitsyn wrote the novel, it was only partially published and only in the West. Not until 2009 was the book fully restored and has gained prominence in Russia. Although the title alludes to Dante’s Divine Comedy (the “first circle” refers to limbo where the pagan intellectuals reside in hell), the novel goes largely unread by Western audiences, never discussed alongside Dante. In the passing decades, Russians have come to embrace the novel and view its author as a descendant of Tolstoy or Dostoevsky. However, if In the First Circle is read in the West, at all, it has a flickering life among political thinkers for what it reveals about Soviet ideology.
Even a decade after his death, Solzhenitsyn remains one of the most misinterpreted writers of the twentieth century. As Hilton Kramer noted in 1980, Solzhenitsyn, “although world famous, is virtually unrecognized as a literary artist.” Readers reduce his work to messages. If Americans know of Solzhenitsyn, they regard him through a “political prism,” to use Edward E. Ericson’s words, which “distort[s] his image.” Based on his political views, the Western media denigrated Solzhenitsyn as “a freak, a monarchist, an anti-semite, a crank, a has-been.”[1] When Solzhenitsyn was asked in a 1993 interview to respond to these charges, he lamented that the Western Press did not “read my books. No one has ever given a single quotation from any of my books as a basis for these accusations. But every new journalist reads these opinions from other journalists.” Apparently, the West is as guilty of group-think, in Solzhenitsyn’s estimation, as the “Soviet press was before.”
A corrective to this political lens would be a critique of Solzhenitsyn’s fiction that centers on the aesthetic merits. For instance, if we read In the First Circle in conversation with Dante, we would note how Solzhenitsyn’s setting, the Marfino sharashka, a prison outside of Moscow, resembles the initial realm of inferno. While Dante’s sinners, the likes of Ptolemy, Homer, and Socrates, recline in a verdant field discussing lofty ideas, Solzhenitsyn’s zeks, as the prisoners were called, are assigned tasks in a more hospitable version of prison than the rest of the gulags. As one of Solzhenitsyn’s characters reflect, “The special prison is the highest, the best, the first circle of hell. It’s practically paradise.”[2] In Inferno, the scene is seductive, so much so that readers can almost forget that we are in hell. Only after Dante has journeyed to the darkest regions of the infernal pit does he come to realize how forsaken are even these souls, how meaningless their conversations, which have no further bearing on life and no connection to the “Love that moves the sun and other stars.” It is this abject state and its guises of liberty that Solzhenitsyn explores in his novel.
Like Dante’s poem, which relies on the voices of hundreds of shades in the afterlife to tell of one shared journey, so Solzhenitsyn chooses not a single narrator but thirty-five perspectives, including that of Stalin. Solzhenitsyn exercises polyphony as a way of countering the one-voiced narrative of the Soviet regime. Whereas the Party allows only one view of things, determined by its ignoble head, the self-titled “great man” Stalin, Solzhenitsyn’s novels exhibit dozens of perspectives all in conversation with one another and not in harmonious accord.
The Stalin of In the First Circle exhibits a constricted vision. Readers observe him lounging in his study, paging through his own Biography, an example of his inwardly bent, tautological vision. He mistakes himself as the center of the universe, fated to be Emperor of the Earth, more significant than any other human being on the planet. Yet, he is locked within his room because he fears assassination. The master enslaver is himself enslaved unawares. And, while Stalin stays up at night, attempting to “perform some great scientific feat” by contributing to philology—an obvious joke on Solzhenitsyn’s part, he is unable to engage in dialogue with others: “There was no one he could consult;” “Stalin felt so lonely because he had no one to try out his thoughts on, no one to measure himself against.” In contrast to the rest of In the First Circle, Stalin is monologic, speaking only to himself, about himself, and for himself.
Because of Stalin’s Article 58, which purged the nation of those that he deemed a threat to his power, Solzhenitsyn was arrested and sent to the gulags; he spent four years at Marfino. Like Dante banned from Florence by Boniface VIII, Solzhenitsyn used his suffering to produce art that would defeat the lies of the false rulers. While The Divine Comedy may be read as a political poem—as might we read In the First Circle—it may also be experienced as a love poem, and I would argue the latter reading more suited to both works.
A Russian philosopher who greatly influenced Solzhenitsyn’s thought, Vladimir Solovyov, believed “that Christian love, embodied in the Church, was the supreme political value” (paraphrased here). Politics is only a means toward a greater end. “True progress,” as Solzhenitsyn puts it (in his 1993 Liechtenstein Address), is “the sum total of spiritual progresses of individuals.” Just as Dante tells not the story of his but “our” journey, as it says in the opening line of The Divine Comedy, so Solzhenitsyn invites everyone into his narratives. His tales are never merely the record of one life but represent the lives of millions. Moreover, Solzhenitsyn, again like Dante, writes in such a way that his stories may be read fifty years later and still be “our” story. If we read In the First Circle alongside Dante, we won’t consign the novel to a political treatise or mere journalism, good for one political moment and not for others.
The beginning of In the First Circle is a parable for the relationship between Solzhenitsyn and his Western audience. It opens with a riveting scene in which one hero, Innokenty Volodin, calls the American Embassy to warn them about his Soviet commanders’ plans to assemble an Atomic Bomb. The distance between the two parties, coupled with the language barrier, causes a miscommunication. In response to the frenetic speech of Volodin, the attaché calmly responds, “I don’t quite understand.” One hears this as Americans’ response to Solzhenitsyn’s attempts to caution us. “Listen! Listen!” Volodin cries “in despair.”Instead of heeding his words, the attaché questions him: “Who are you, anyway? How do I know you’re speaking the truth?” This is the question for all prophets—on whose authority do you speak? As evidence for his claims, Volodin exclaims, “Do you know what a risk I’m taking?”Likewise, Solzhenitsyn risked his very life to tell the true story of what was happening in Soviet Russia. His risk got him arrested, as Volodin’s phone call does for him.
The novel ends with another warning to the West, or rather an indictment. A Moscow correspondent from the West “on his way to a hockey match” observes a meat truck passing by him and jots down in a notebook, “Every now and then, one encounters on the streets of Moscow food delivery trucks, spick-and-span and impeccably hygenic. There can be no doubt that the capital’s food supplies are extremely well organized.” What the correspondent does not realize is that the “gaily painted orange-and-blue truck” is a prisoner transport truck, carrying zeks to a lower level of hell.
Solzhenitsyn is a descendant of Dante, Tolstoy, and Dostoevsky, writers who believed in literature’s power to transform culture. Ericson writes, “Instead of camouflaging the didactic impulse, [Solzhenitsyn] accepts the age-old definition of literature as delightful instruction.” His novel cannot be reduced to its kerygma or moral, for the meaning would wilt away without its form. If we are to understand, we must listen. If we are to know the truth, we must trust the authority of the speaker, who risks everything to tell us what is happening. We must practice habits of imagination, like those of Solzhenitsyn, which grant us a prophet’s knowledge of our own time.

[1] Joseph Pearce, Solzhenitsyn: A Soul in Exile (Ignatius Press, 2011), p. 280.
[2] Aleksandr Solzhenitsyn, In the First Circle, translated by Harry Willets, Foreword by Edward E. Ericson, Jr., (Harper Perrenial, 2009), p.  740.

Jessica Hooten Wilson is an associate professor of literature and creative writing at John Brown University. She is the author of three books, including  Walker Percy, Fyodor Dostoevsky & the Search for Influence and Reading Walker Percy's Novels.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Russia: o exercito das fake news se prepara para entrar em acao nas eleicoes brasileiras

Como faço a cada grande processo eleitoral, como as campanhas presidenciais, preparo-me para seguir atentamente os programas de cada candidato, comentar seus programas econômicos e de política externa, criando para isso um blog especializado, ainda que temporário.
Fiz isso para diversas eleições desde duas décadas, e repeti a iniciativa desta vez criando este blog:
Ele permanece pouco frequentado, inclusive porque não tenho feito "publicidade" em torno dele.
Hoje, no entanto, ao postar os resultados de uma nova pesquisa eleitoral, resolvi consultar as estatísticas de acesso, e deparei-me com este quadro:

Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Rússia
84
Estados Unidos
6
Alemanha
1

Parece que o centro produtor das Fake News, a Rússia de Putin, está investigando meu site, para ver se conseguem ganhar algum dinheiro em torno disso.
Vou continuar seguindo as estatísticas de acesso, apenas para ter confirmação dessa "atração"  inesperada...
Paulo Roberto de Almeida

Addendum:
Aproveito para informar sobre o livro de autor que compus a partir de meus trabalhos conectados às eleições e campanhas presidenciais e temas de política externa:
Eleicoes presidenciais no Brasil: relacoes internacionais, politica externa e diplomacia brasileira, 1985-2018
https://www.academia.edu/35761286/Eleicoes_presidenciais_no_Brasil_relacoes_internacionais_politica_externa_e_diplomacia_brasileira_1985-2018

domingo, 4 de março de 2018

Celso Amorim e a conexão russa do PT - Claudio Humberto

Claudio HuMberto
04 DE MARÇO DE 2018
Se for escolhido candidato a presidente pelo PT em lugar de Lula, como sua turma espalha, o diplomata Celso Amorim terá de dar muitas explicações sobre sua incansável insistência, quando foi ministro da Defesa, para que o Brasil comprasse baterias antiaéreas russas Pantsir-S1, um negócio estimado em US$1 bilhão (R$3,2 bilhões em valores atualizados), contra a vontade das Forças Armadas.

Por serem incompatíveis com o sistema militar brasileiro, as baterias foram rejeitadas pelos militares. Mas Amorim não parou de insistir.

As Pantsir-S1 que fazia Celso Amorim revirar os olhos custariam mais que o programa de modernização do sistema brasileiro, R$2,3 bilhões.

Até hoje militares brasileiros fogem de eventos internacionais com os russos. Não agüentam mais a ladainha: “Mr. Amorim prometeu...”.
  •  
  •  

  • Nunca ficou claro para generais brasileiros se o negócio das baterias antiaéreas eram interesse de Celso Amorim ou do esquema Lula-PT.

    domingo, 19 de fevereiro de 2017

    Brasil, um pais socialista; China, um pais capitalista, e mais livre que o Brasil - Economic Freedom of the World

    Brasil despenca em ranking de liberdade econômica: somos mais socialistas do que China e Rússia

    Instituto Liberal de São Paulo
    http://www.ilisp.org/noticias/brasil-despenca-em-ranking-de-liberdade-economica-somos-mais-socialistas-do-que-china-e-russia/

    Lançada hoje, a versão 2017 do Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation mostra o efeito do desastre criado pelos últimos anos do governo Dilma Rousseff (e até o momento não revertido por Michel Temer) na liberdade econômica do país.
    Apenas em um ano, o país caiu 3,6 pontos percentuais no ranking, estando agora na 140a posição. Em outras palavras, somos tão socialistas quanto Togo (138°), Burundi (139°), Paquistão (141°) e Etiópia (142°), e mais socialistas do que países como Gabão (103°), Tadjiquistão (109°), China (111°, ainda controlada pelo Partido Comunista), Rússia (114°, o coração da antiga União Soviética), Nigéria (115°), Congo (117°), Senegal (120°), Zâmbia (122°), Tunísia (123°), Grécia (127°) e Quênia (135°).
    Comparação da liberdade econômica de Brasil (cinza), China (amarelo) e Rússia (azul) nos últimos anos em relação à média mundial (rosa) Fonte: Heritage Foundation
    De acordo com a análise da Heritage Foundation em relação ao Brasil, a interferência do estado na economia brasileira tem sido crescente, enquanto os serviços estatais continuam sendo de péssima qualidade. A implantação de qualquer reforma tem sido difícil e as barreiras ao empreendedorismo incluem altas taxas, excesso de regulação e uma rígida legislação trabalhista (a fascista CLT). Os escândalos de corrupção fizeram a população acreditar cada vez menos nas instituições, contribuindo para a queda do país no Ranking de Competitividade do Fórum Econômico Mundial (uma das 42 variáveis que compõem o ranking da Heritage). O aumento dos gastos do governo (39,5% do PIB), o contínuo aumento da burocracia para abertura ou expansão de empresas e o excessivo protecionismo governamental em relação às importações contribuíram para a queda do país no ranking.
    Em relação à China, a análise da Heritage Foundation destaca que o país continua majoritariamente socialista (com o estado controlando todas as terras, por exemplo), mas que os avanços feitos no sentido de reduzir impostos, a manutenção de certa liberdade trabalhista (maior do que a brasileira) e uma maior liberdade para importação e exportação colocaram o país à frente do Brasil no ranking.
    No caso da Rússia, a análise destaca que o país está igualmente longe de ter liberdade econômica (com uma crescente intervenção do estado na economia gerando problemas para empresas privadas e maior inflação), mas que o país tem impostos menores do que o Brasil – alíquota de imposto de renda para pessoas físicas fixa em 13% e uma alíquota máxima de 20% para empresas, em comparação com as alíquotas de até 27,5% para pessoas físicas e até 34% de impostos para empresas -, menores gastos e dívida pública (17,7% do PIB na Rússia contra 73,7% do PIB no Brasil), maior liberdade para abertura e fechamento de empresas do que o Brasil e maior facilidade para importação e exportação, garantindo a Rússia na 114a posição do ranking.
    Os países com maior liberdade econômica (ou seja, com maior liberdade para trocas capitalistas e menor intervenção do estado na economia em comparação com os demais) do mundo continuam sendo Hong Kong, Singapura, Nova Zelândia, Suíça e Austrália. No continente americano, os países com maior liberdade econômica atualmente são Canadá (7°), Chile (10°) e Estados Unidos (17°, a cada ano caindo mais no ranking).

    terça-feira, 13 de setembro de 2016

    Transsiberiana, transmongoliana, atravessando a Asia de trem - Edson Veiga (Estadao)

    Um mês nos trilhos da Transiberiana

    Foram oito cidades, três países e sete trens para vencer os 7.865 quilômetros entre Moscou, na Rússia, e Pequim, na China. Com uma criança de menos de 3 anos a bordo
    O Estado de S.Paulo, 13/09/2016 | 00h4013
    EDSON VEIGA - ESTADÃO

    Trem passa na área da cidade de Krasnoyarsk, na Sibéria
    Trem passa na área da cidade de Krasnoyarsk, na Sibéria Foto: Ilya Naymushin/Reuters
    Intenso. Cheio de ineditismos. Com uma surpresa atrás da outra. O mês começou na Praça Vermelha, em Moscou, e terminou na Grande Muralha, a 2 horas de Pequim. Foram seis fusos horários, sete trens, incontáveis pacotes de macarrão instantâneo e 7.865 quilômetros a bordo de uma das versões da clássica rota Transiberiana – no caso, a Transmongoliana. Oito cidades, três países, 25 dias de trilhos. E muitas nuances culturais.
    Paisagens deslumbrantes, amizades improváveis e experiências únicas são comuns a todos os que encaram a rota. Mas, antes de mais nada, é preciso tirar o glamour: muna-se de espírito aventureiro para cortar três dos maiores países do mundo em trens antigos que raramente ultrapassam os 60 km/h. Mas é essa morosidade que dá graça à aventura e a vontade de fazer tudo de novo, por rotas alternativas e cidades não exploradas.
    O planejamento começou seis meses antes da jornada. Na Transiberiana, ao contrário da malha ferroviária europeia, não existem passagens que dão direito a embarques múltiplos. É preciso definir exatamente onde serão as paradas, pois os tíquetes têm de ser comprados trecho a trecho. É possível deixar para comprar tudo nas estações, mas, para não correr o risco de encontrar passagens esgotadas – principalmente no verão –, é melhor se programar. Vale lembrar que, nas estações, os funcionários raramente falam inglês. Logo, dicionários, aplicativos tradutores e a boa e velha mímica serão requisitados com frequência.
    Os bilhetes podem ser adquiridos ainda no Brasil. A 45 dias da data do embarque, a venda é disponibilizada pelo site (em inglês) da companhia férrea russa, a RZD. Já nos trechos internacionais – da Rússia para a Mongólia e da Mongólia para a China –, o mais seguro é comprar com agências de viagem. Como há uma burocracia nas fronteiras, vale a pena pagar um pouco mais pela garantia de tíquetes corretos.
    Há três categorias a bordo. Na primeira classe, o passageiro fica em uma cabine com duas camas – normalmente uma ao lado da outra mas, em alguns trens, pode ser beliche – e uma mesinha para refeições. Na segunda, as cabines também são fechadas, mas o espaço comporta dois pares de beliches. A terceira classe é um amontoado de beliches em um espaço comum para 54 pessoas: ideal para sociabilizar, mas sem privacidade. Independentemente da classe dos vagões, eles sempre contam com dois banheiros. 
    CONFIRA AS CIDADES DO TRAJETO NA GALERIA ABAIXO
    20 imagens


    Na maior parte da viagem, fui de primeira classe – principalmente por estar com meu filho Chico, então com 2 anos e 7 meses –, exceto nas 18 horas e 30 minutos entre Krasnoyarsk e Irkutsk, quando encarei a terceira para viver a “real experiência” da coisa. Não me arrependi – foi onde fizemos mais amizades.
    Tirando Moscou e Pequim, onde o custo de vida é semelhante ao de São Paulo, comer e se divertir nas cidades do trajeto cabem bem no bolso de qualquer viajante. Um bom almoço com cerveja local raramente custa mais do que R$ 30 por pessoa. Dentro dos trens, leve comida: queijos, embutidos, pães, macarrão instantâneo. Em todos há um vagão-restaurante, com cardápio restrito e comida similar às servidas em avião. A cada 3 horas, os trens fazem paradas de 10 a 30 minutos – é a chance de comprar, nas plataformas, framboesas e morangos recém-colhidos, picolés, peixes defumados expostos em cabides. E, para quando a fome bater de verdade, mais macarrão instantâneo.
    Chico, aos 2 anos e 7 meses, curte o visual da plantação de lavanda
    Chico, aos 2 anos e 7 meses, curte o visual da plantação de lavanda Foto: Mariana Veiga/Estadão
    NEM LOUCOS, NEM HERÓIS
    "Vocês são loucos” ou “vocês são verdadeiros super-heróis” foi o que mais ouvimos, minha mulher e eu, quando fazíamos alguma amizade ao longo da transiberiana. Não pela aventura em si, mas pelo fato de que, sim, levamos a bordo um animado mascotinho humano: nosso filho Chico, então com 2 anos e 7 meses, muita energia e uma vontade incrível de descobrir o mundo. 
    Nem loucos nem heróis. Apenas acreditamos que o fato de ter um filho não implica necessariamente em abrir mão de sonhos – no caso, viajar, viajar e viajar. Também há a realidade: as férias são o único mês do ano em que podemos passar, mãe e pai, 24 horas por dia com ele. E temos a convicção de que ele, mesmo que no futuro não se lembre claramente de tudo o que viveu nessa viagem, incorporou experiências que serão importantes para o cidadão que ele vai se tornar.
    Em resumo: é possível fazer a Transiberiana com um moleque de menos de 3 anos. E, em nosso caso, isso foi a garantia de diversos pontos altos da viagem. Havia uma brincadeira diária: eu dizia a ele o nome da cidade e do país onde estávamos e explicava para onde estávamos indo; já no Brasil, ele se recorda de cada uma dessas paradas, quando perguntado sobre uma foto ou um brinquedo. 
    Por mais incrível que pareça, ao longo do roteiro há lugares incríveis para serem vividos na companhia de crianças. A começar por Moscou. Na capital russa existe o Detsky Mir – ou Mundo da Criança –, uma espécie de shopping dedicado ao universo infantil. Resquício do regime soviético, foi inaugurado em 1953 e, em 2015, totalmente remodelado e ampliado. Trata-se de uma coleção de lojas de brinquedos, roupas e quaisquer utensílios relacionados a crianças. O bacana é que em todas as lojas há brinquedos – de trenzinhos a minifoguetes, de escorregadores a labirintos – em que as crianças podem se esbaldar à vontade.
    Em Yekaterimburg, vale a pena reservar um dia para o Limpopo, um parque aquático em que toboáguas, piscinas – uma delas, com ondas artificiais – e brinquedos de todo o tipo servem como refrescante entretenimento no verão russo. Na Mongólia, em nossa experiência com a família nômade, Chico também aproveitou intensamente. Rapidamente fez amizade com o caçula da família, de 8 anos – para crianças, não existe barreira idiomática. Corria com ele pelo gramado, divertiu-se observando os animais e, na hora de ir embora, queria ficar de todo o jeito. 
    Todas as cidades do percurso contavam com boa estrutura verde para a criançada: parques e praças eram comuns e, em todas elas, havia playgrounds que eram um respiro – funcionavam como pequenas pausas para nossas caminhadas turísticas quando o deixávamos correndo para lá e para cá enquanto podíamos buscar um banco e relaxar.
    O trem também é uma aventura à parte para o imaginário infantil. Ao contrário do avião, há espaço para a criança correr. E, em cada trecho, Chico fazia amizades, brincava e era paparicado – estávamos sobre trilhos, mas o tempo voava. Já nos trechos aéreos – de São Paulo a Moscou; de Pequim a São Paulo; em ambos, com conexão em Dubai –, contamos com a eficiente estrutura de entretenimento proporcionada pela companhia Emirates. Chico ganhou brinquedos – bichos de pelúcia, lousa magnética e uma mochila com livretinhos de viagem – e, é claro, divertiu-se com os filminhos infantis das TVs de bordo. 

    EXTREMOS NOTÁVEIS
    Do maior para o maior. Para quem gosta de “curiosidades de almanaque”, o roteiro escolhido tem uma boa: trata-se de uma viagem que parte do maior país em área do mundo para o maior país em população do mundo. A Rússia estende-se por 17 mil quilômetros quadrados, parte na Europa, parte na Ásia; na China vivem 1,4 bilhão de pessoas. 
    Lago Baikal. Em Listvyanka, perto de Irkutski, na Rússia, fica o azulzinho Lago Baikal. Com 636 quilômetros de comprimento e 80 quilômetros de largura, é o maior lago de água doce da Ásia, o maior em volume de água do mundo, o mais antigo (formou-se há 25 milhões de anos) e o mais profundo da Terra, com 1.680 metros no seu ponto mais profundo. É destino obrigatório. 
    Na Mongólia, monumento a Gengis Khan
    Na Mongólia, monumento a Gengis Khan Foto: Edson Veiga/Estadão
    Gengis Khan. A maior estátua equestre do mundo foi erguida em 2008, a cerca de 1 hora de Ulan-Bator, a capital da Mongólia. Trata-se de um homenagem ao guerreiro mongol Genghis Khan, o personagem mais famoso do país. Seus 40 metros de altura impressionam. É possível tomar um elevador e subir até o topo, de onde se tem uma bela vista das estepes da região. 
    Grande Muralha. Com diversos trechos diferentes, erguidos ao longo de 2 mil anos, a Muralha da China é considerada a maior construção militar da história da Humanidade. Se somados todos os pontos – inclusive os que já não existem mais – a extensão total chegaria a incríveis 21 mil quilômetros – a uma altura média de 7 metros. Foi o ponto (alto) final da viagem.