O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

Mostrando postagens com marcador EUA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador EUA. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

O FMI agora se preocupa com a concentração de renda nos EUA e acha que as políticas públicas devem colaborar para reduzi-la

 

VIEW IN BROWSER   

FD Header
Heather


Dear Colleague,

Tomorrow here in Washington is the inauguration of Joe Biden as the 46th president of the United States. Among the many crises on his plate, inequality is perhaps the most pervasive. Heather Boushey, an incoming member of President-elect Biden's White House Council on Economic Advisors, carved out a blueprint to address this very issue in our latest edition of F&D.

She writes that workers and their families on the wrong side of the many US economic disparities are there for several reasons—including a stubborn reliance by policymakers on markets to do the work of government, and the racism and sexism, sometimes written into law, that blind policymakers to injustice and to economic sense.

Interested in learning more? Jump to the 1800-word piece or download the PDF. I've also included the full article below.

###

The COVID-19 pandemic is shining an unforgiving spotlight on the many inequalities in the United States, demonstrating how pervasive they are and that they put the nation at risk for other systemic shocks. To stop the spread of the virus and emerge from a crushing recession, these fundamental inequalities must be addressed. Otherwise not only is a slow economic recovery more than likely, but the odds grow that the next shock—health or otherwise—will again throw millions out of work and subject their families to fear, hunger, and lasting economic scars.

Before the pandemic, the United States was in the midst of a decade-long recovery from the Great Recession, which began in December 2007. But not all Americans experienced that recovery in the same way. The top 1 percent emerged as strong as ever in terms of wealth, regaining what they had lost by 2012. As of March 2020, however, US working- and middle-class families had barely recovered their lost wealth, and many families, especially those of color, never recovered. Even amid a strong recovery, the United States was burdened by extraordinary economic and racial inequality.

Today, stark differences among US workers and their families make the current recovery neither U- nor V-shaped but rather one that resembles a sideways Y, with those benefiting from a stock market recovery or employed standing on the branch of the Y that points up unaffected by the recession, and those on the bottom branch facing perhaps years of struggle. And there are stark differences of race and class between the upper and lower legs of that sideways Y. This recession provides an opportunity for policymakers to address these inequalities with transformative policy changes to produce a healthier and more resilient economy that delivers strong, stable, and broad-based growth and prosperity.

Disparities abound

Workers and their families on the wrong side of the many US economic disparities are there for several reasons—including a stubborn reliance by policymakers on markets to do the work of government and the racism and sexism, sometimes written into law, that blind policymakers to injustice and to economic sense.

This article will identify specific causes of economic inequality in the United States and then explain how to address them.

Markets: Beginning in the 1980s, conservative economists began to make the case that unfettered markets were the only way to deliver sustained growth and well-being. This ideology, with modest exceptions, has governed US economic policymaking ever since. But it has not delivered. Moreover, the supposedly neutral and fair rules that govern markets have in fact shifted economic risk away from corporations and the wealthy toward medium- and low-income families. This has never been more apparent than now, when the coronavirus has caused mostly low-income workers to either lose their jobs or have to work in employment that exposes them to the risk of contracting and spreading the disease.

Tax cuts, weak public investment: President Donald Trump’s 2017 tax cut, which benefited largely the better-off, is only the most recent manifestation of a tax-cutting philosophy that has governed US fiscal policy for decades. These measures have starved the nation of resources that could be used to fund basic governmental functions and critical public investments. As a result, public investment as a share of GDP—the value of goods and services produced in the United States in a year—has fallen to its lowest level since 1947.

Eroding worker power: The ability of US workers to bargain for higher wages and benefits and better and safer working conditions has been sapped by years of anti-union court and administrative rulings. And in 27 states, right-to-work laws make it harder for unions to form. As employers gained the upper hand, wages stagnated, and worker safety has suffered, especially during the pandemic.

Economic concentration: US antitrust policy and enforcement have allowed industries across the United States to become increasingly concentrated, giving large businesses market power to set prices, eliminate competitors, suppress wages, and hobble innovation. What’s more, there is evidence that this is dampening firms’ investment. Some are thriving in the midst of—indeed because of—the pandemic, while small businesses struggle to survive.

Measuring the economy: Before the 1980s, when US economic inequality began its upward trajectory, growth in GDP was a reasonably reliable indicator of the well-being of most Americans. But as economic inequality has risen close to its 1920 levels, the benefits of GDP growth have gone disproportionately to the top 10 percent of earners, while income growth for the vast majority of people has been slower than that of GDP—in some cases, none at all. For that reason, GDP reflects mostly how the better-off are doing. As GDP recovers in the coming months, therefore, it will give policymakers false signals about whether average Americans are recovering.

Racism and sexism: The disparate health and economic consequences of the coronavirus recession reinforce the reality and history of racism and sexism in the United States. The median earnings for a Black household are 59 percent of those of a White household, and for men and women of all races, a median woman earns 81 cents for every dollar earned by a man. The results of job segregation are apparent, with health care and service workers on the pandemic front lines. Despite being essential, some of these jobs—in which women and minorities are overrepresented—are the least likely to have benefits such as paid sick time or employer-provided health insurance.

These problems are largely the result of decades of failed policies supported more by ideology than evidence. A distorted economic narrative that lionizes markets has led to the weakening of public institutions and the acceptability of less funding for democratic institutions of governance, greater economic concentration, reduced worker power, and the discriminatory effect of laissez-faire labor rules. The role of policy choices in arranging the market structure is unmistakable and enduring.

Building a strong, equitable economy

Transforming the US economy requires policymakers to recognize that markets cannot perform the work of government.

The first step is to eradicate COVID-19. It has to be the first priority, not only for public health but also for the US economy. Beyond that, encouraging a strong and sustained recovery that delivers broadly shared growth also requires the United States to address its long-term problems: a costly health system that leaves millions with insufficient care, an education system designed not to end inequality but to preserve it, lack of basic economic stability for most families, and climate change.

Major public investments are required to deal with each issue. While it is not necessary to worry now about paying for them, the nation should put in place significant tax increases, primarily or entirely on the wealthy, to begin investing in these long-term solutions. The country should tax the enormous wealth concentrated at the top that is being saved, or kept overseas, and not being invested in the economy or in solving societal problems.

Policymakers also must address the economic concentration that has created monopsony power (a single or handful of buyers or employers) that keeps wages down and threatens small businesses, which are the lifeblood of innovation and economic dynamism. The first step is to ensure that the recession and the programs designed to help businesses survive the crisis don’t exacerbate this trend. Thus far, federal policies to address the economic downturn have provided far greater aid to large businesses than to small ones.

Policymakers also must ensure that federal government funds are directed to productive uses that support workers and customers, and not to rewarding wealthy shareholders. Corporations receiving aid should be barred from issuing dividends and carrying out stock buybacks, and banks should be required to suspend capital distributions during the crisis to support lending to the real economy.

Even more fundamental to addressing excessive concentration is strengthening US antitrust enforcement, which is weaker than it has been in decades. The antitrust laws themselves also need to be bolstered, particularly with respect to the rules governing mergers and exclusionary conduct. Legislators should consider creating a digital regulatory authority to enforce privacy laws and enhance competition in digital markets.

The country also needs to better understand who benefits, or does not, from recovery policies and what further actions are needed. Because overall GDP is not up to that task, income must be disaggregated at all levels to measure progress or lack thereof for all groups—which would enable the United States to lay the groundwork for understanding what other actions are needed to ensure more people benefit from the recovery.

US economic inequality is firmly tied to the issue of racial inequality. The unmistakable message of the Black Lives Matter movement is that Americans of color never have been able to trust government to act on their behalf. Government must work to ensure that low-income Black, Latinx, and Native American people can both develop and deploy their talents and skills in the economy.

Taxing wealth, which is disproportionately owned by White Americans, is one solution. But for that to address racial inequities adequately, the proceeds of the wealth tax must benefit the majority of the nonwealthy. The proceeds must be directed to the most urgently needed investments, such as in COVID-19 testing and treatment in communities of color, in policies that expressly and progressively support low-wage workers and care workers, and in engagement with minority-owned small businesses. Otherwise, pervasive inequities will be further entrenched.

A significant reason for the gender earnings gap is the lack of a national paid family and medical leave policy and the absence of a national program to ensure that families have access to quality, affordable childcare and prekindergarten education. Families with children that do not have access to paid leave and childcare—or cannot afford them—have little choice but to put careers on hold. This happens to women far more often than to men. Legislation has been introduced in Congress to accomplish both of these goals, and these measures should get serious consideration in the next Congress.

Reason for optimism

There is reason to believe that the United States can enact policies to transform its economy and society. Until recently, some of the conversations taking place among policymakers and around dinner tables—inspired by COVID-19, the deep recession, the Black Lives Matter movement, and the recent presidential election—would have been relegated to the edges of public debate. Today that is not the case.

Yet the US political system is beset by deep partisanship and a constitutional and electoral system that makes it far easier to block transformative policies than enact them. But I am an optimist, and I still believe that the country could be at an inflection point, with the advantage going to those who develop and advocate progressive policies to reduce inequality and build an economy that produces strong, stable, and broad-based growth.

###

As always, if you have any comments or feedback about this article, or if you have ideas about future contributors and topics to explore, please do write me a note directly. I would love to hear from you.

Take good care and see you next week,

Rahim Kanani


Rahim Kanani
Digital Editor, F&D
rkanani@IMF.org

_____

Surprise a colleague: forward this email
First-time reader? Sign up here
Update your profile for tailored content
View all IMF newsletters

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

O Brasil, a China, os EUA e o 5G - Yang Wanming (embaixador da China em Brasília)

01:01:30 | 13/01/2021 | Economia | Folha de S.Paulo | Mundo | BR

EUA estão coagindo Brasil a sacrificar seus interesses ao vetar Huawei da rede 5G

    Yang Wanming

    Para embaixador chinês, Washington quer preservar monopólio e criar barreiras a emergentes ao pressionar para banir empresa

    Yang Wanming, 56

    Embaixador da China no Brasil desde 2018, já foi também embaixador na Argentina (2014-2018) e no Chile (2012-2014). Nascido em Pequim, tem mestrado em economia e doutorado em direito


    ENTREVISTA

    Patrícia Campos Mello

    O governo americano está coagindo países como o Brasil a sacrificarem seus próprios interesses ao vetarem a Huawei da rede 5G com o objetivo de "preservar o monopólio e a hegemonia dos EUA no campo da ciência e tecnologia", afirma o embaixador da China no país, Yang Wanming.

    Em entrevista por email à Folha, o diplomata criticou a campanha de Washington contra empresas chinesas e negou que as companhias de seu país compartilhem os dados com o governo de Pequim.

    "Certos políticos norte-americanos forjam mentiras sobre uma suposta espionagem cibernética chinesa para confundir e coagir outras nações a sacrificarem seus próprios interesses e criarem barreiras ao avanço de países em desenvolvimento na alta tecnologia", diz Yang.

    Segundo o embaixador, a China defende a proteção da segurança de dados de todas as nações, "diferentemente de certos países que gritam 'pega ladrão' enquanto agem como ladrões".

    Yang já se envolveu em mais de um bate-boca com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pelas redes sociais. Tanto o congressista quanto seu pai, o presidente Jair Bolsonaro(sem partido), são críticos do regime chinês e apoiadores do americano Donald Trump, que deu início a uma guerra comercial contra Pequim.

    Apesar disso, o diplomata chinês adotou uma posição conciliadora durante a entrevista. Indagado sobre possíveis retaliações econômicas contra o Brasil no caso de veto à Huawei, Yang disse apenas acreditar que Brasília vai respeitar as regras de mercado e que não vai tomar ações discriminatórias.

    O embaixador, porém, não respondeu a algumas das questões enviadas pela reportagem, incluindo perguntas sobre as críticas que o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, já fez ao governo chinês.

    Em relação às denúncias internacionais sobre repressão à minoria muçulmana uigur em Xinjiang (região no noroeste da China), o diplomata afirmou que são "mentiras fabricadas" por políticos americanos.

    *

    Por que seria do interesse do Brasil não barrar a Huawei de sua infraestrutura 5G? De que forma isso seria benéfico para os consumidores e para as operadoras de telefonia brasileiros? 

    A tecnologia 5G é uma importante alavanca para a inovação tecnológica e atualização industrial, além de ser essencial para aumentar a competitividade nacional. É crucial, para qualquer país, a escolha de equipamentos de 5G avançados, seguros e de ótimo custo-benefício. A Huawei, que é o maior fornecedor mundial de equipamentos de telecomunicação e líder no 5G, oferece produtos competitivos. As soluções 5G da Huawei estão, pelo menos, um a dois anos à frente das de seus concorrentes.

    No que diz respeito à confiabilidade, a Huawei construiu mais de 1.500 redes de telecomunicações no Brasil e em outros 170 países e territórios, atendendo a mais de um terço da população global, e não teve, sequer, um único incidente de segurança cibernética. Aliás, nenhum país consegue apresentar prova que indique a existência de uma suposta "backdoor" [espécie de saída nos equipamentos que, supostamente, permitiria acesso completo aos dados trafegados pela rede] em produtos da empresa.

    Com 22 anos de atuação no Brasil, a Huawei criou mais de 16 mil postos de trabalho, mantém boa cooperação com nada menos de 500 empresas brasileiras e fornece equipamentos a quase metade das redes de telecomunicação e 40% da rede de base do país, atendendo a 95% da população brasileira. Seus produtos e serviços são altamente reconhecidos pelo mercado.

    Segundo os cálculos da Feninfra (Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática), banir a Huawei demandaria um custo adicional de R$ 100 bilhões, atrasaria a implementação do 5G por três anos e causaria perda de 2,2 milhões de empregos.

    Como a China pode garantir que não haverá compartilhamento de dados entre a Huawei e o governo chinês, se a legislação da China prevê isso? 

    A Huawei é apenas um fabricante de equipamentos e não trabalha com serviços de informação. É como a relação entre a estrada e o carro. A Huawei construiria apenas as estradas e não teria como saber que carros circulariam nessas estradas e quem transportariam.

    Evidentemente, é legítimo que os países se preocupem com a segurança cibernética. No entanto, os critérios sobre a confiabilidade dos equipamentos do 5G devem se basear em fatos, testes e regulamentações. O governo chinês segue à risca os princípios sobre a proteção da segurança de dados. Nunca exigiu e jamais exigirá que as empresas da China forneçam dados obtidos fora das fronteiras, violando a legislação de outros países.

    Além disso, defendemos uma melhor governança global do ciberespaço, com regras abertas e transparentes para uma proteção efetiva da segurança de dados de todas as nações, diferentemente de certos países que gritam "pega ladrão" enquanto agem como ladrões, além de se ocuparem em fabricar difamações. A China propôs a Iniciativa Global sobre Segurança de Dados, que se opõe ao uso da tecnologia de informação para roubar dados essenciais e prejudicar a privacidade individual. A Iniciativa também é contra o abuso dessa tecnologia na vigilância em massa de outros países e veta qualquer dispositivo de backdoors em produtos e serviços.

    A Huawei também se colocou à disposição dos países parceiros para assinar acordos contra backdoors, além de estabelecer centros de avaliação de segurança cibernética em qualquer lugar. Creio que a Huawei, com abertura e transparência, está pronta para dialogar com todos os setores do Brasil e encontrar maneiras de atender às preocupações brasileiras através de testes ou acordos.

    Certos políticos norte-americanos forjam mentiras sobre uma suposta espionagem cibernética chinesa para confundir e coagir outras nações a sacrificarem seus próprios interesses e criarem barreiras ao avanço de países em desenvolvimento na alta tecnologia. O seu objetivo é preservar o monopólio e a hegemonia dos Estados Unidos no campo da ciência e tecnologia.

    A comunidade internacional está ciente dessas intenções escusas. Portanto, são poucos os governos que vetaram publicamente a tecnologia chinesa do 5G [Austrália, Nova Zelândia, Japão, Taiwan e os EUA vetaram a Huawei e irão retirar equipamentos da companhia de sua infraestrutura; o Reino Unido baniu a empresa de algumas partes da infraestrutura]. Mesmo que quando aconteceu, tais decisões foram tomadas, em grande medida, por coação dos Estados Unidos e encontraram forte resistência nos seus próprios países.

    O governo brasileiro, por meio do ministro Ernesto Araújo, anunciou apoio à iniciativa Clean Network do Departamento de Estado dos EUA. A iniciativa, segundo o secretário de Estado Mike Pompeo, visa a "proteger os ativos das nações incluindo a privacidade dos cidadãos e a informação mais sensível de invasões agressivas de atores malignos, como o Partido Comunista Chinês". Uma vez que o Brasil apoia a iniciativa, quais são os efeitos? 

    [O diplomata não respondeu.]


    Os Estados Unidos ofereceram financiamento às operadoras brasileiras para comprarem equipamento 5G da Ericsson e Nokia. A China oferece algum tipo de financiamento para instalação de equipamentos Huawei?

    China e Brasil mantêm, no setor de financiamento, uma cooperação de grande escala, vasta abrangência e ampla diversificação. Além das opções comerciais, existe, entre os dois países, um grande número de mecanismos de investimento e financiamento nos âmbitos bilateral, regional e multilateral. Podemos citar, como exemplos, a linha de crédito que a China destina à América Latina com US$ 35 bilhões, o Fundo de Cooperação Brasil-China para a Expansão da Capacidade Produtiva com US$ 20 bilhões, além dos instrumentos disponibilizados pelo Novo Banco de Desenvolvimento e pelo Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura. O lado brasileiro pode escolher a melhor alternativa de financiamento conforme suas necessidades.

    Gostaria de salientar que o governo chinês nunca colocou nem jamais colocará requisitos exclusivos contra empresas de um outro país como condições para conseguir apoio financeiro. Exigimos também que os Estados Unidos deixem de abusar das medidas discriminatórias e que respeitem de fato os princípios da economia de mercado e da concorrência leal, assim como as regras que regem o comércio e os investimentos internacionais.

    A Austrália baniu a Huawei do 5G e está pedindo uma investigação internacional sobre a origem do coronavírus. Neste ano, a China restringiu ou impôs tarifa sobre importações de carvão, cevada, quatro plantas de processamento de carne, abriu investigação antidumping sobre o vinho australiano e desaconselhou turismo e estudos no país. Não foi atingida a exportação de minério de ferro âa China depende da Austrália para esse fornecimento. Que ensinamento podemos tirar disso? 

    [O diplomata não respondeu.]


    Em uma perspectiva histórica, em comparação com os governos brasileiros anteriores, como é a relação da China com a administração do presidente Bolsonaro? 

    Ao longo dos 46 anos de relações diplomáticas, o relacionamento bilateral vem amadurecendo e se consolidando. Nos últimos dois anos, a relação sino-brasileira manteve um crescimento estável. Em 2019, a troca de visitas dos dois presidentes colocou a Parceria Estratégica Global entre os dois países em um novo patamar. Ao longo de 2020, os dois chefes de Estado mantiveram o diálogo por telefone e por correspondências e alcançaram importantes consensos sobre a parceria no enfrentamento da Covid-19 e o aprofundamento da cooperação bilateral no pós-pandemia.

    A China valoriza muito a amizade com o Brasil e está firme e permanentemente disposta a aprofundar as relações bilaterais. A China respeita plenamente a soberania nacional e a integridade territorial do Brasil e nunca interferiu nem interferirá nos seus assuntos internos. Os dois lados sempre se respeitaram e compreenderam um ao outro em questões de interesse vital.

    Olhando para a era pós-pandemia, China e Brasil, os maiores países em desenvolvimento dos hemisférios oriental e ocidental, compartilharão cada vez mais interesses e demandas no processo de ajustamento da ordem internacional. Junto com o governo e toda a sociedade civil do Brasil, a China está disposta a levar adiante as relações bilaterais e fortalecer a comunicação em agendas como o multilateralismo e o livre comércio. Vamos trabalhar em conjunto para melhor defender a igualdade e a justiça, a ordem internacional baseada em regras, assim como os interesses comuns dos mercados emergentes e das nações em desenvolvimento.

    Até 2018, o investimento externo chinês foi o que mais cresceu no Brasil. A dificuldade política com o governo brasileiro pode atrapalhar a lógica das decisões empresariais chinesas e eventualmente levar a redução no investimento? E restrições à Huawei podem levar a mudanças na lógica de investimentos no Brasil? 

    China e Brasil são parceiros estratégicos globais. É explícita e consistente a disposição chinesa de aprofundar a confiança política com o Brasil e expandir a cooperação bilateral em todos os campos. A China é um dos principais investidores do Brasil, com um volume de aportes em rápida ascensão. Essa realidade é definida pela natureza complementar da parceria bilateral e pelas respectivas demandas de desenvolvimento. Em termos cumulativos, a China tem no Brasil um investimento de quase US$ 80 bilhões em uma ampla gama de setores como agricultura, energia e mineração, infraestrutura, telecomunicações e manufatura, criando mais de 40 mil empregos diretos.

    Apesar dos impactos da pandemia, os investimentos chineses no Brasil conheceram novos avanços em 2020. Em novembro passado, um consórcio formado por empresas chinesas assinou o acordo com o governo do estado da Bahia sobre o projeto da ponte marítima Salvador-Itaparica. A obra terá um investimento de R$ 8,9 bilhões e será a maior ponte marítima da América Latina. Isso demonstra que a cooperação sino-brasileira em investimentos traz benefício para ambos os lados e tem um grande potencial, servindo como um propulsor da retomada econômica do Brasil. A China não vai fazer ingerências em nenhum país na sua escolha de parceiros do 5G. Acreditamos que o Brasil criará, com base nos fatos, regras de mercado e ambiente de negócios abertos, imparciais e não discriminatórios para todos.

    O chanceler Ernesto Araújo frequentemente se refere ao coronavírus como "comunavírus". Como o senhor vê esse posicionamento? 

    [O diplomata não respondeu.]


    O FMI prevê que a China deve encerrar o ano de 2020 com crescimento de 1,9%, enquanto a maioria dos países do mundo terá encolhimento do PIB. Qual é a explicação para essa recuperação econômica? 

    Essa recuperação se deve, principalmente, a dois fatores. Por um lado, como o primeiro país a ser atingido pela Covid-19, a China adotou as medidas de contenção mais abrangentes, rigorosas e minuciosas, sempre valorizando o povo e sua vida. Conseguimos controlar efetivamente a propagação da doença no menor tempo possível, graças a testagem massiva e ao rastreamento do elo de transmissão. Tudo isso criou condições necessárias para a retomada de trabalho e produção, assim como a volta à normalidade da sociedade.

    Por outro lado, diante das mudanças nas condições internas e externas, a China reforçou a regulação da macroeconomia e adotou políticas fiscais e monetárias que visam mitigar as dificuldades e estimular o dinamismo do mercado. Por exemplo, emitir títulos especiais do tesouro nacional para o enfrentamento da pandemia para ampliar o consumo e o investimento. Reduzir os custos operacionais das empresas, especialmente as de pequeno e médio porte, através da desoneração de encargos sociais e do fortalecimento de suportes financeiros. Aumentar o investimento para apoiar projetos essenciais para a qualidade de vida, tais como aplicações do 5G, redes de informação e veículos movidos a novas energias.

    De acordo com as estatísticas, no terceiro trimestre, a economia chinesa cresceu 4,9% sobre o mesmo período do ano passado, e crescerá ainda mais no quarto trimestre, tornando a China o único país, entre as principais economias do globo, a registrar crescimento em 2020. O 14º Plano Quinquenal da China entrará em vigor em 2021. Esse plano terá como ponto principal a expansão da demanda interna, o fortalecimento da ciência e inovação e a ampliação da abertura ao exterior, construindo, assim, um novo paradigma de desenvolvimento em que a circulação doméstica será o esteio e as circulações doméstica e internacional se reforçarão mutuamente. Nos últimos 13 anos, a China respondeu, em média, por mais de 30% do crescimento da economia mundial. Seguindo esse novo conceito de crescimento, a China permanecerá como motor da economia global e criará oportunidades para o Brasil e os demais países.

    Em 2020, a China absorveu 33,4 % das exportações brasileiras, diante de 29,2% em 2019, e foi responsável por 66% do nosso superávit comercial. O Brasil depende excessivamente da China, e deveria diversificar seus clientes? 

    A pandemia atingiu duramente o comércio internacional e entre os dez principais parceiros comerciais do Brasil, a China é o único que registra crescimento no seu comércio com o país, mantendo, dessa forma, a posição de maior parceiro comercial e maior importador do Brasil por 12 anos consecutivos. Não foi fácil conseguirmos esse resultado, que não só trouxe receitas fiscais para o governo, como empregos para a sociedade e lucros para as empresas. Pode haver alguém que interprete isso como uma excessiva concentração das exportações brasileiras. Mas vejo nele a resiliência e o vigor da parceria comercial entre os dois países. A estrutura do comércio sino-brasileiro é ditada pelas vantagens comparativas dos dois países e pela oferta e procura do mercado.

    Hoje, a China é o maior parceiro comercial de mais de 130 países e territórios. Isto é em parte devido à forte procura interna da China. Temos uma população de 1,4 bilhão de pessoas, entre elas uma classe média de 400 milhões. Trata-se do maior mercado consumidor do mundo. O verdadeiro desafio que temos pela frente no comércio bilateral não é que esse comércio cresça demais em volume, mas que continue sem explorar seu pleno potencial. Vale lembrar que o comércio sino-brasileiro representa apenas 2,6% do total das importações e exportações da China. Gostaríamos de ver mais produtos de qualidade e de alto valor agregado do Brasil no mercado chinês, promovendo, assim, a diversificação da pauta de exportação brasileira.

    Existe uma corrente de pensamento de que o Brasil não precisa temer retaliações da China se banir a Huawei do 5G, porque a China depende da soja brasileira para sua segurança alimentar e não tem alternativas. A China tem uma dependência excessiva da soja brasileira? A China está discutindo com a Argentina aumento de produção e exportação de soja? Está desenvolvendo parcerias para aumentar a produção de grãos na África, em países com savana? 

    No agronegócio bilateral sino-brasileiro, que é mutuamente benéfico, há uma interdependência entre produtores e consumidores de ambos os países. As exportações brasileiras de itens agropecuários para a China aumentaram mais de 34% no ano passado e foram a principal fonte do superávit do comércio exterior do Brasil. Isso indica que a parceria nesse setor é altamente complementar e ainda tem um grande potencial a explorar.

    No longo prazo, a demanda por produtos agrícolas de qualidade e por alimentos processados crescerá continuamente no mercado chinês. Para assegurar um abastecimento seguro e estável de alimentos, a China tem se esforçado para aumentar a produtividade agrícola e fortalecer a capacidade de autossuficiência, ao mesmo tempo que procura diversificar a origem das importações. Com os esforços conjuntos, a parte chinesa espera promover a diversificação da pauta do comércio bilateral e construir uma parceria de agronegócio de longo prazo que traga segurança e confiabilidade. Além disso, vamos criar uma atmosfera favorável para a cooperação bilateral em vários campos e dar apoios institucionais mais propícios ao ambiente de negócios.

    O que muda na ordem global após a pandemia de Covid-19e a eleição de Joe Biden nos EUA? 

    O impacto da pandemia na conjuntura internacional é profundo, sistêmico e de longo prazo. Atualmente, a economia mundial encontra-se em grave retração e, nesse contexto, surgiu uma contracorrente que defende o unilateralismo, o protecionismo e a desglobalização. Diante desses riscos e desafios jamais vistos, o que precisamos agora é fortalecer a união em vez de criar divisões, focar no consenso em vez de fomentar confrontos, e levar adiante a cooperação em vez de provocar o conflito. Só uma comunidade de futuro compartilhado poderá promover e proteger realmente os interesses de todos nos quesitos de segurança, saúde e desenvolvimento.

    Evidentemente, o atual sistema de governança global ainda tem deficiências, mas o problema não será sanado com o simples abandono da governança e o retorno à era da "lei da selva". Em vez disso, devemos nos engajar em reformas necessárias e consultas abrangentes a fim de reforçar a autoridade e a eficiência dos organismos multilaterais. Precisamos reduzir a divisão Norte-Sul e defender os legítimos direitos e interesses dos países em desenvolvimento e das economias emergentes.

    Maiores economias do mundo e membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, China e Estados Unidos têm diferentes percursos históricos, culturas, sistemas sociais e vias de desenvolvimento, mas partilham amplos interesses comuns e um vasto espaço de cooperação. A evolução estável desse relacionamento traz benefícios aos povos dos dois países e do mundo inteiro. A política externa da China para com os Estados Unidos tem sido sempre clara e coerente. Com o espírito de não-conflito, não-confrontação, respeito mútuo e cooperação ganha-ganha, a China está disposta a trabalhar com os Estados Unidos para focar na cooperação, gerenciar as divergências e desenvolver as relações de forma sadia e estável. Com isso, podemos conduzir, de forma mais proativa, os esforços para modelar a ordem mundial no pós-pandemia e para aperfeiçoar a governança global.

    O presidente eleito Joe Biden, em seu programa de governo, prevê que um de seus primeiros passos será realizar uma "cúpula global para a democracia" em seu primeiro ano de governo para confrontar países não democráticos. Em outras palavras, uma aliança anti-China. Como o senhor vê isso? 

    [O diplomata não respondeu.]


    O presidente Jair Bolsonaro afirmou no ano passado que a vacina chinesa não transmite segurança "pela sua origem", que a Coronavac não tem "credibilidade". A vacina Sinovac-Butantan é confiável? 

    O governo chinês orienta os laboratórios a seguir rigorosamente padrões científicos e exigências regulatórias para desenvolver pesquisas e estudos, com o objetivo de comprovar a segurança e a eficácia das vacinas. As parcerias internacionais nesse campo também devem ser realizadas em conformidade com as normas internacionais e a legislação vigente. Vários imunizantes chineses foram testados em ensaios clínicos de fase 3 em diversos países e obtiveram resultados tão promissores que já conseguiram a aprovação do registro para o uso por autoridades sanitárias de alguns países. A China aderiu à plataforma Covax e vai honrar o compromisso de tornar as vacinas chinesas um bem público global, uma vez colocadas em uso clínico. Será a contribuição chinesa para garantir a disponibilidade e o preço acessível do imunizante nos países em desenvolvimento.

    Segundo a ONU e outros órgãos, há uma política sistemática de perseguição à minoria muçulmana uigur em Xinjiang, com "desaparecimentos", prisões e campos de reeducação. O Alto Comissariado da ONU afirmou que não conseguiu ter "acesso total" à província para poder avaliar a situação. Por que não houve esse acesso? 

    Você deve estar se referindo às mentiras relacionadas a Xinjiang fabricadas por certos políticos dos EUA usando a plataforma da ONU. Gostaria de esclarecer que nunca houve qualquer tipo das chamadas "perseguições sistemáticas" ou "campos de reeducação" em Xinjiang. Essas afirmações sem fundamento são desculpas para que certos países ocidentais ataquem a China sob o pretexto da religião e dos direitos humanos, com o objetivo de desestabilizar Xinjiang e desacreditar a imagem da China.

    Tal como o Brasil, a China é um país multiétnico e multirreligioso. A Constituição chinesa garante os direitos legítimos de todos os grupos étnicos e veta qualquer forma de discriminação étnica. Xinjiang é a maior região autônoma da China em extensão territorial e em percentagem de população de minorias étnicas. O governo central dá grande valor à estabilidade e ao progresso dessa região. Em resposta aos recorrentes casos de violência e atentados terroristas em Xinjiang nos últimos anos, foram adotadas várias iniciativas de combate ao terrorismo e desradicalização, como a abertura de centros de educação e formação profissional, com o objetivo de capacitar pessoas atingidas pelo extremismo a se reintegrarem na sociedade. Durante os quase quatro anos da implementação dessas medidas, não se registraram mais incidentes graves de violência na região. Isso não só trouxe uma melhora significativa da segurança regional, como também contribuiu de maneira notável para o combate internacional ao terrorismo.

    Desde o final de 2018, mais de 1.000 pessoas de 90 nacionalidades, entre elas diplomatas, funcionários de organizações internacionais, jornalistas e figuras religiosas visitaram Xinjiang. Portanto, as questões relacionadas a Xinjiang não são do cerne étnico, religioso ou de direitos humanos, mas dizem respeito a ações contra a violência, o terrorismo e o separatismo. Certos políticos nos Estados Unidos ignoram os fatos, atacam a política do governo chinês para com Xinjiang e distorcem a situação dos direitos humanos na região. Fazem isso para desacreditar os esforços da China no combate ao terrorismo, numa tentativa de minar o direito do povo local de viver em paz. Repudiamos essa atitude. No entanto, gostaria de deixar o convite a você e aos amigos brasileiros da imprensa para ir a Xinjiang e descobrir a verdade com seus próprios olhos.


    Wang Yi, ministro das relações exteriores da China, disse em maio sobre a postura mais assertiva dos diplomatas chineses: "Nós nunca começamos uma briga ou fazemos bullying, mas nós temos princípios e coragem. Nós vamos reagir a qualquer insulto deliberado para defender de forma resoluta nossa honra e dignidade nacional". No Brasil, existe um aumento de críticas ao governo chinês e de declarações sinofóbicas. O senhor pretende continuar respondendo de forma assertiva? 

    [O diplomata não respondeu.]


    O senhor foi recebido em audiências por ministros brasileiros nos últimos 30 dias? Por quais? 
    [O diplomata não respondeu.]

    sábado, 19 de dezembro de 2020

    O labirinto do isolamento: Bolsonaro, a China e os EUA - Mauricio Santoro (Nexo Jornal)

     O labirinto do isolamento: Bolsonaro, a China e os EUA

    Maurício Santoro


    Ao se aliar ideologicamente a Trump e adotar um discurso hostil contra o país asiático, o Brasil se colocou em uma situação inédita, correndo risco de retaliações de seus principais parceiros comerciais

    Em 2020 o Brasil enfrentou uma sucessão de crises — sanitária, econômica, política — e ao longo do ano as relações do governo brasileiro degeneraram em hostilidade com os dois maiores parceiros comerciais do país, China e Estados Unidos. Como isso aconteceu e quais serão as consequências?

    Há uma nova ordem global em gestação, marcada pela ascensão chinesa e pelo acirramento das tensões entre Pequim e Washington. As pressões cruzadas têm levado muitos países a terem que fazer escolhas difíceis: devem permitir que a Huawei, gigante chinesa de telecomunicações, participe da instalação do padrão 5G de internet? Irão aderir à Nova Rota da Seda, o projeto chinês de investimentos globais em infraestrutura? Nesse contexto, o que distingue o Brasil foi ter tomado decisões que o deixaram indisposto com ambos, sem conseguir ganhar benefícios em termos de seus interesses nacionais.

    O Brasil estabeleceu relações diplomáticas com a República Popular da China em 1974. O diálogo entre a ditadura brasileira, anticomunista, e o regime marxista de Mao Tsé-Tung se deu com base na percepção de que ambos compartilhavam interesses na política internacional, como grandes países em desenvolvimento que com frequência discordavam das nações ricas do Ocidente.

    Em 1993, Brasília e Pequim firmaram uma parceria estratégica. Na década de 2000, com o boom global de commodities, a China se tornou o maior mercado para as exportações brasileiras, sobretudo de soja, minério de ferro, petróleo e carnes. Em anos recentes, os chineses viraram também investidores significativos no Brasil, em especial no setor de energia elétrica.

    Jair Bolsonaro é o primeiro presidente brasileiro desde Ernesto Geisel (1974-79) a chegar ao Planalto com um discurso hostil à China, que enxerga como um país comunista cuja influência econômica seria uma ameaça à segurança nacional brasileira. Contudo, a visão ideológica do capitão esbarrou nos interesses dos grandes grupos empresariais do Brasil, para os quais a China é um sócio importante. No primeiro ano de seu governo, em linhas gerais, se manteve a parceria estratégica dos 25 anos anteriores, ainda que permanecessem tensões latentes como a questão da Huawei e do 5G.

    Isso mudou com a pandemia. A família Bolsonaro replicou no Brasil o discurso anti-China de Donald Trump, e os filhos do presidente usaram as redes sociais para incitar seus apoiadores contra o país asiático, a quem culpavam pelo coronavírus, e a ameaçar a Huawei. O clã presidencial se engajou na campanha pela reeleição de Trump e entrou em uma disputa partidária com o governador de São Paulo pela distribuição da vacina chinesa junto à população brasileira. Os diplomatas chineses no Brasil responderam em tom de agressividade inédita, com críticas públicas ao governo.

    O MAIOR ERRO DO ALINHAMENTO COM OS EUA FOI A VINCULAÇÃO DE BOLSONARO A TRUMP, IGNORANDO A REALIDADE DE UMA SOCIEDADE AMERICANA PROFUNDAMENTE DIVIDIDA COM RELAÇÃO A SEU PRESIDENTE

    A pandemia é um marco em uma diplomacia chinesa mais assertiva contra os críticos do país, com uma nova geração de diplomatas muito atuantes nas redes sociais e na política doméstica das nações onde servem — os chamados “lobos guerreiros”. O Brasil se tornou um campo para esse tipo de ativismo em política externa e corre o risco de sofrer represálias comerciais, como as que a China implementa contra a Austrália.

    O pilar da política externa de Bolsonaro em seus dois primeiros anos de governo foi a busca de relação preferencial com os Estados Unidos, o que na prática significou o alinhamento ideológico com Donald Trump e conflitos com o Partido Democrata, que mesmo na oposição controlava a Câmara dos Deputados. Esses esforços resultaram em ganhos partidários para a família Bolsonaro, como visitas à Casa Branca e fotos com Trump, mas não renderam benefícios tangíveis para o Brasil. Produtos brasileiros sofrem com o impacto negativo do aumento do protecionismo americano e o país se indispôs com parceiros importantes na Organização Mundial do Comércio e nas instituições latino-americanas por seguir as diretrizes de Washington em detrimento das posições de outras nações em desenvolvimento.

    O alinhamento com os Estados Unidos havia sido uma parte importante da diplomacia brasileira no passado, em particular no período em que o barão do Rio Branco foi ministro (1902-12) e na Segunda Guerra Mundial. Nesses dois momentos, os americanos eram o maior mercado para as exportações brasileiras de café, produto que dominava o comércio exterior do Brasil. O cenário hoje é distinto, e atualmente os Estados Unidos não compram sequer 10% das exportações nacionais, que se tornaram mais diversificadas tanto em mercadorias quanto em mercados, com parceiros significativos na Ásia, União Europeia e América Latina

    Contudo, o maior erro dessa estratégia foi a vinculação de Bolsonaro a Trump, ignorando a realidade complexa de uma sociedade americana profundamente dividida com relação a seu presidente. A vitória dos democratas nas eleições presidenciais de 2020 leva de volta à Casa Branca agendas de meio ambiente e direitos humanos, em conflito com as ações de Bolsonaro, em particular no que toca ao desmatamento da Amazônia e a seus impactos sobre o aquecimento global.

    O Brasil tem pela frente um 2021 bastante difícil, com a pandemia se aproximando dos 200 mil mortos no país e os impactos mais duros da recessão, com o fim do auxílio emergencial. Em meio a tudo isso, a situação inédita de correr risco de retaliações de seus dois principais parceiros comerciais, China e Estados Unidos. O Brasil é uma das dez maiores economias do mundo, ator-chave em várias negociações globais, do comércio à mudança climática. Os conflitos e isolamento que o país arrisca não são uma tragédia inevitável, são fruto de escolhas ideológicas. Como, aliás, sua catástrofe humanitária durante a pandemia.

    Maurício Santoro é doutor em ciência política pelo Iuperj (Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro) e professor-adjunto do departamento de relações internacionais da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).


    sábado, 5 de dezembro de 2020

    Por uma nova política externa - Philip Yang (Valor)

    Por uma nova política externa 

    Na consolidação do “século asiático”, precisamos indagar qual direção deve ser dada à nossa diplomacia

    Philip Yang 

    Valor Econômico, 04/12/2020

     “O que é o mais difícil de tudo? Ver com seus olhos o que seus olhos colocam diante de você.” 

    (Goethe)

     Introdução: a necessária mudança de rumos 

    Grandes transformações da ordem mundial requerem grandes ajustes de política externa. Foi assim nas primeiras décadas do século XX. 

    Deverá ser assim também nas primeiras décadas do século XXI. Com o deslocamento do eixo de poder da Europa para os EUA, o Brasil de Rodrigues Alves (1902-1906) mudava a orientação de sua diplomacia, construindo uma aproximação a Washington. Hoje, neste momento em que assistimos à emergência e consolidação do “século asiático”, precisamos (i) indagar qual direção deve ser dada à diplomacia brasileira e (ii) buscar entender — à luz do declínio econômico relativo do Ocidente — qual tipo de inserção internacional desejamos construir para o país. 

    Enfatizo o verbo construir, pois o desenho de novas políticas demanda um ato volitivo, que nos arranque das forças inerciais, das rotinas do cotidiano, de determinismos vários, das tradições e molduras analíticas que inadvertidamente tomam conta de nossas visões de mundo. 

    No início do século XX, a aproximação com os EUA derivou de ação voluntária e proativa de nossa chancelaria (1). Tivéssemos adotado postura burocrática, presa ao hábito ou à tradição, a guinada não teria ocorrido. O governo americano não tinha grande entusiasmo por qualquer vinculação especial com o Brasil, e o condutor do estreitamento de laços com os Estados Unidos pelo lado brasileiro, o Barão do Rio Branco (1845-1912), precisou romper com sua visão de mundo tradicional de inclinação europeísta para de fato forjar uma política afinada com os novos tempos e condizente com nossos interesses nacionais permanentes (2). Ou seja, o deslocamento de foco externo do Brasil, da Europa para os EUA, foi algo construído. 

    Recorro a esse evento ocorrido há mais de cem anos, dado que a profundidade das transformações que ocorrem hoje no mundo — políticas, geoeconômicas e tecnológicas — demandam mudanças de rumo e força de decisão na área externa que não encontram paralelo no nosso passado recente. Na passagem do século XIX para o século XX, assistíamos, no plano externo, à emergência de uma nova potência hegemônica e, internamente, conduzíamos tardiamente o país para um novo paradigma produtivo, industrial e assalariado. A política externa de Rio Branco visionariamente refletia o conjunto de anseios e demandas que derivavam dessa dupla transição — de poder internacional e no modo de produção. 

    Hoje, um século depois, uma dupla transição, de natureza semelhante, se desenrola a olhos vistos. A China — nova expoente da Quarta Revolução Industrial — emergiu e se consolida como nova superpotência global, numa nova economia que tem as tecnologias digitais nos campos de automação, controle e informação como pilares estruturantes. Nós, no Brasil, de novo tardiamente, buscamos conduzir o país para esse paradigma produtivo da Indústria 4.0. 

    Terá o Brasil, nas últimas décadas, desenvolvido política externa condizente com essa nova realidade internacional e tecnológica? Em outras palavras, terá a diplomacia brasileira desenvolvido ação externa que, a exemplo do que aconteceu no começo do século passado, promoveu a inserção internacional do país em sintonia com as evoluções no campo político e tecnológico? 

    Certamente não. 

    Antecedentes e diagnóstico do que fizemos: uma política externa “insuficiente”

     Começo de frente para trás, da administração atual para as anteriores. Vivemos hoje uma postura política externa que sistematicamente agride a China. Qual seria a lógica de interesse nacional de ofender a superpotência política, geoeconômica e tecnológica emergente, que, ademais disso, é nosso principal parceiro comercial? Tal postura constitui contrassenso óbvio e erro primário de estratégia, além de grotesco em sua forma. O primarismo fica mais evidente quando se registra que a atual política ostensivamente antichinesa é feita de modo personalista, como forma de demonstração de lealdade pessoal (e de subordinação) ao presidente americano, que, como acabamos de ver, não foi reconduzido à Casa Branca. 

    Nos governos anteriores — Temer, Dilma, Lula, FHC, Itamar, Collor e Sarney — que mais ou menos coincidem com as décadas de início e florescimento do notável crescimento da China derivado das reformas econômicas da era Deng —, nossa diplomacia atuou de forma correta no relacionamento com o país asiático, dentro dos valores e princípios que norteavam a política externa brasileira. Como pano de fundo para debate, podemos dizer que o diálogo do Brasil com a China e com a Ásia nesse arco temporal que vai de Sarney a Temer foi construtivo, mas insuficiente. Sim, insuficiente no sentido de que não antecipou o deslocamento de poder para a Ásia, de tal forma a gerar ações relevantes, estratégicas e concretas. Também insuficiente no sentido de que o diálogo não alterou substancial e estruturalmente, pela via diplomática bilateral, o curso natural de nossa realidade econômica, social e de desenvolvimento tecnológico. 

    Se concordamos com essa tese da insuficiência, cabe indagar qual seria então, no plano da diplomacia geográfica, uma política externa suficiente e adequada para o contexto atual. Critério mais óbvio: a melhor política externa é aquela que alavanca o processo de desenvolvimento econômico e social dos países envolvidos, a partir de processos de trocas que sejam complementares, mutuamente benéficas e sustentáveis no tempo. Qual seria então essa política? 

    Hipóteses 

    No abstrato, as alternativas não são muitas. No contexto da rivalidade sino-americana que se aprofunda, caberia em primeiro lugar uma escolha simplista “por um dos lados” no contexto de uma suposta nova bipolaridade. Para os que enxergam uma geometria de poder menos bipolar e mais tripolar, a Europa como pilar de poder mundial — fortalecida pelo processo de integração da União Europeia e detentora de economia com grau superior de complementaridade ao Brasil em relação aos EUA — constitui opção de prioridade relacional. 

    Aos que entendem o agrupamento Brics como alternativa de coligação viável, uma política calcada no fortalecimento do bloco emerge também como vetor de peso importante. Variante dessa perspectiva seria uma aposta em parceria mais estruturante que priorize fortemente a Índia, país visto por muitos como “a próxima China”, em termos de tamanho de mercado, desempenho econômico e inovação tecnológica. A Rússia, reerguida depois do colapso de 1991, permanece como ator relevante, no plano militar, energético e tecnológico, domínio em que o país se reinventou como potência (3). 

    Aos autonomistas, restariam alternativas voltadas para conjunto de políticas que privilegiassem as relações no Sul global ou, ainda, iniciativas de corte sub-regional na América do Sul. E, claro, aos mais indecisos, aqueles adeptos do “somos amigos de todos”, teríamos mesclas difusas desses vetores, que se misturariam com todos os temas importantes da agenda multilateral que, por razão de espaço, serão deixados de lado neste texto: meio ambiente, comércio internacional, não proliferação e desarmamento etc. 

    Ao refletirmos mais concretamente, nossas escolhas devem estar condicionadas à realidade interna brasileira — nossas aflições, angústias, limitações, premências e necessidades coletivas cronicamente não atendidas. Do lado positivo, o que temos a oferecer, competitivamente no plano material, como realidade presente e promessa de futuro. 

    Num patamar de ainda maior realismo, temos de lembrar do velho ditado: “it takes two to tango”. De nada nos adianta idealizar novas associações e geometrias de poder se, numa parceria imaginada, não pudermos contar com a conjunção de duas vontades. Portanto, encontrar parceiros que nos enxerguem como nação e Estado de valor é condição essencial para qualquer diplomacia estruturante. 

    Critérios para uma nova política 

    No momento histórico em que nos encontramos, um ponto de partida inevitável para pensarmos nossa ação externa é o risco da irrelevância. Esse Brasil que apresenta há quatro décadas curva de produtividade do trabalho basicamente horizontal, taxas anêmicas de crescimento, baixa contribuição aos processos de inovação, desempenho educacional medíocre, reduzida poupança interna e incapacidade sistêmica de conceber e executar grandes projetos de infraestrutura tende inexoravelmente à insignificância e marginalização sistêmica. 

    Diante de um contexto calamitoso como esse, não temos outro remédio que não seja tomar o fator tempo como variável fundamental para as nossas decisões diplomáticas. Em outras palavras, o sentido de urgência deve ser elemento central na construção de nossa política externa. Claro que há um enorme dever de casa no plano doméstico a ser realizado, mas não podemos deixar de perguntar qual política externa que — em prazos mais curtos — pode nos ajudar a sair desse pântano em que nos metemos (4).

     Um segundo fator que deve ser levado em consideração é o estágio tecnológico em que o Brasil se encontra, no contexto da transição de paradigma produtivo pela qual o mundo atravessa. Os núcleos dinâmicos da economia mundial caminham irremissivelmente para um quadro de ubiquidade digital, caracterizado pela constituição de novos ecossistemas nos quais a arquitetura de redes de alta velocidade, robótica, big data, internet das coisas e inteligência artificial dominam as infraestruturas urbanas, o ambiente de trabalho e de convívio social. A realização tardia desse ambiente digital nos condena a atraso ainda maior. Portanto, nossas escolhas devem buscar parcerias que nos alavanquem para um “leapfrog” em direção à Indústria 4.0. 

    Entre outros tantos aspectos que merecem ser suscitados, limito-me a sublinhar por fim um terceiro fator importante que deriva da necessidade brasileira urgente por investimentos, notadamente nos segmentos de infraestrutura geral e urbana, das novas indústrias e de energia limpa, que configuram o ambiente virtual e a logística física da nova economia. Como mencionado antes, o Brasil apresenta taxas internas de poupança baixas e declinantes, o que compromete nossa capacidade de inversão, limita o potencial de crescimento e nos coloca numa posição de demanda por investimentos estrangeiros diretos (5). Assim, no esforço de inserção internacional, a capacidade de investimento de potenciais parceiros — notadamente em segmentos de infraestrutura digital e física multimodal, pilares da nova economia — deve ser avaliada como requisito central. 

    Cenários plausíveis 

    Entre os diferentes cenários delineados acima, destaco dois. Talvez sejam esses que se afiguram mais plausíveis e apresentam maior interesse para nós. Talvez seja possível, nesses dois cenários, que tenhamos chances de buscar, pela via da negociação, com boa dose de pragmatismo e à luz das lições da história, a melhor alternativa de inserção do Brasil no mundo. Talvez seja num desses dois cenários que a configuração de poder mundial possibilite uma inserção internacional do Brasil que efetivamente nos conduza para o ambiente da nova economia. 

    Claro, trata-se de exercício de inegável simplificação de realidades complexas. As relações internacionais não se situam no campo das ciências naturais, domínio em que podemos realizar experimentos controlados. Trato aqui de trazer para primeiro plano esses dois caminhos possíveis, deixando em plano secundário diversos outros cenários e variáveis que deliberadamente permanecerão na sombra, para que possamos examinar, explorar e, quem sabe, induzir hipótese específica de inserção do Brasil na ordem internacional que se consolida. 

    A opção convencional 

    O primeiro cenário conta com o peso da história e a força do determinismo geográfico. Nele, buscaríamos uma aliança com os EUA, em contexto marcado pelo regionalismo crescente e/ou pelo acirramento do confronto sino-americano. Nesse cenário cada vez mais enrijecido pela polarização, os contendores principais admitiriam, tal como na Guerra Fria, que potências médias e secundárias se alinhassem exclusivamente a uma ou outra superpotência. Em tal cenário, caso radicalizado, seríamos instados a participar de bloco regional de natureza política e econômica e a aderir a regimes regulatórios que, de um lado, serviriam para integrar as duas economias (e outras da região) e, de outro, dificultariam e discriminariam, de forma mais ou menos velada, direta ou indireta, o relacionamento econômico/tecnológico/comercial com o polo oposto de poder principal. 

    Se adotássemos esse caminho, aceitaríamos tacitamente (decerto de forma mais pragmática e inteligente do que se faz na presente administração) o ressurgimento das duas faces da Doutrina Monroe — hegemônico/ofensiva e paternalista/defensiva —, implícita no seu bordão definidor, “A América para os americanos”. Em certa medida, esse caminho poderia configurar uma resposta das Américas à recente iniciativa do Regional Comprehensive Economic Partnership — a RCEP, que reúne 15 países da Ásia. Num eventual cenário em que a presença americana no regionalismo do Pacífico se enfraqueça, dada a retirada dos EUA da Parceria Transpacífica (TPP), a integração interamericana pode ganhar relevância. 

    Vale aqui sublinhar que uma tal opção pró-EUA não guardaria qualquer semelhança com a política próTrump hoje em vigor e agora transformada em cadáver insepulto. Se quisermos manter uma relação forte e produtiva com os EUA, teremos imperativamente, de construir elevado diálogo com a China. A necessidade de competir com os chineses será a única maneira de fazer com que os EUA estendam concessões reais ao Brasil. Se queimamos nossas pontes com a China, como quer o chamado “bolsotrumpismo”, Washington nos tomaria por certos, “for granted”, sem atribuir valor ao nosso peso específico. 

    Pesaria em favor dessa escolha (até onde tivermos a capacidade e a possibilidade de escolher nossos caminhos): (i) visões de mundo nos dois países que, apesar de diferentes, são derivadas de uma mesma matriz ocidental judaico-cristã grego-romana, (ii) proximidade geográfica relativa, (iii) parentesco dos idiomas que falamos, ambos de origem indo-europeia e baseados na escrita em alfabeto romano, (iv) volume de comércio substancial, (v) histórico significativo de trocas no plano das sociedades, (vi) “establishment” estadunidense no campo estratégico-militar-tecnológico que enxerga no Brasil, embora de forma não unânime, algum valor geoestratégico no ordenamento mundial, mesmo que secundário, (vii) o valor dos EUA como polo de inovação tecnológico e de produção de conhecimento.

     Em contrário a essas vantagens presumidas, contrapõem-se (a) a baixa taxa de poupança interna que historicamente prevalece nos EUA, o que em tese impossibilita o fluxo de investimento na escala que necessitamos, (b) pauta exportadora frontalmente concorrente, (c) remotas possibilidades de abertura comercial nos EUA que pudesse nos beneficiar, (d) a baixa prioridade tradicionalmente atribuída ao Brasil como parceiro estratégico ou, talvez em outros termos, o papel calibradamente limitado que os americanos conferem ao Brasil (6). 

    Outro caminho 

    A alternativa seria a construção de parceria estratégica com a China, em patamar de relacionamento diferenciado e sem precedentes. Em desfavor desse cenário, incidiriam fatores críticos como (A) o desconhecimento recíproco que prevalece nas duas sociedades, agravado pela distância históricocultural, linguística, geográfica e político-jurídico-normativa que nos separa; (B) a ausência no Brasil de massa crítica sobre a China no mundo empresarial, acadêmico e na sociedade em geral; (C) a inexistência nos quadros diplomáticos do Itamaraty de um corpo estável e especializado em Ásia em geral e em China em particular, com formação específica em língua, cultura e economia política. A propósito, como indicador desse panorama, basta lembrar que a cada ano cerca de 20 mil estudantes brasileiros ingressam em instituições de ensino dos EUA, enquanto que o fluxo anual estudantil brasileiro na China não passa de dois dígitos (7). 

    Entre os fatores favoráveis a parceria com a China vale citar (1) a capacidade política chinesa de mobilização de agentes econômicos na direção de políticas estratégicas (dentro e fora do país), (2) o poder governamental chinês de direcionar investimento externo em setores de infraestrutura, (3) a consolidação da China como polo de inovação e de provimento de soluções tecnológicas de interesse estratégico para o Brasil, (4) taxas elevadas de poupança, (5) a grande e crescente demanda chinesa por produtos de nossa pauta exportadora, notadamente produtos agropecuários, (6) o interesse da China no setor energético brasileiro, (7) a condição de país que mais investe em sustentabilidade, energias renováveis, que incluiu em sua constituição o desafio de se tornar “uma civilização ecológica”. 

    Uma nova diplomacia triangular? 

    A partir das variáveis acima listadas, e entre tantas outras que o leitor certamente poderá acrescentar, podemos especular livremente sobre qual cenário melhor nos atende. No entanto, de nada nos valerá esse esforço especulativo se não nos lembrarmos que parcela decisiva dessa escolha não se encontra nas nossas mãos. Voltando para o argumento do início do texto, nossa escolha precisa ser construída. Parte considerável das vantagens que podemos auferir em um ou outro cenário deriva do valor que cada um dos potenciais parceiros atribui ao Brasil. E o valor com o qual desejamos ser vistos depende também da capacidade interna de articular nossas vantagens materiais como elementos de negociação com cada um dos interlocutores.

     Não nos adianta deter grande mercado consumidor e riquezas dispersas nos diversos setores da economia se essas vantagens não constituírem uma pauta de negociação articulada pelas forças da sociedade, de mercado e do governo. E tal habilidade não é algo dado; trata-se de ação que depende de uma construção, de uma vontade coletiva que precisa ser ordenada. Nesse sentido, vale lembrar, a negociação diplomática não se limita a negociações no front externo; ela implica, necessariamente, a arregimentação e coordenação de forças internas. A chancelaria brasileira precisa, portanto, se esse for o nosso desígnio, fortalecer competência nesse domínio. 

    Na década de 1970, no contexto da confrontação Leste-Oeste, EUA-URSS, Washington vislumbrou o valor estratégico que a China poderia desempenhar no equilíbrio de poder daquela velha ordem bipolar. Iniciava-se ali, sob as lideranças de Mao Tsé-tung (1893-1976) e Richard Nixon (1913-1994), a chamada diplomacia triangular. Pequim distanciava-se de Moscou e alterava assim a geometria de poder da era bipolar, abrindo as portas para cooperação com os Estados Unidos que trouxe consequências profundas para o desenvolvimento econômico da China. 

    Tal recuo no tempo nos é útil como referência histórica, dado que a aliança sino-americana, no contexto da antiga rivalidade bipolar EUA x URSS, desencadeia a profunda, complexa e sofisticada interdependência econômico-financeira e comercial bilateral hoje em vigor. Nessa janela de oportunidade, derivada das tensões da Guerra Fria, a China encontra as portas para o seu ingresso na Terceira Revolução Industrial e abre o caminho da prosperidade econômica que conhecemos. 

    Tomando esse evento histórico e decisivo, no qual um país continental como a China — que se encontrava em situação de ruína, fome e depauperamento — resgata, em poucas décadas, o seu lugar no Olimpo das grandes potências, cabe nos perguntarmos se, ante o acirramento da confrontação sinoamericana, teríamos também, no jogo de nova diplomacia triangular, condições de possibilidade para construir parceria internacional que alavanque nosso processo de desenvolvimento, acelerando a transição do Brasil para o ambiente da Indústria 4.0. 

    Como sabemos, a fórmula do extraordinário caminho da China envolveu cinco ingredientes principais. Relaciono-os abaixo como marco de referência para a construção de possível “entente” com o mesmo nível de alcance e profundidade.

     Primeiro: um conjunto de decisões estratégicas de alto nível. No caso da reaproximação EUA-China, as iniciativas foram corroboradas pelos encontros secretos entre Henry Kissinger e Zhou Enlai (1898-1976), seguidos pelas conversações Nixon-Mao no início dos anos 1970 e a adoção, na sequência, da política de portas abertas por Deng Xiaoping (1904-1997) em 1978 (8). 

    À luz dessas decisões de alto nível, o segundo ingrediente da trajetória chinesa é representado pela capacidade notável da China de assegurar ambiente propício para a realização de investimentos maciços e de atividades de transferência tecnológica dos EUA, demais países do Ocidente e do Japão (9). 

    Terceiro: a existência na China de fatores competitivos que eram interessantes para os EUA — enorme força de trabalho e imenso mercado consumidor. 

    Em mesmo nível de importância dos anteriores, o quarto ingrediente é dado pelo incentivo sistêmico aos EUA para a reaproximação com a China, que apontava para um reequilíbrio de forças em favor de Washington no contexto da rivalidade da Guerra Fria. Dado o seu peso específico, a China passava a ser vista pelos EUA como “the Chinese card”, ator capaz de alterar fundamentalmente a geometria do poder mundial. 

    E, finalmente, constitui o quinto ingrediente a consciência, junto à elite dirigente da RPC, de que a aproximação aos EUA não deveria implicar qualquer forma de exclusivismo ou de subordinação política, consciência essa que conferiu à China ampla liberdade de ação junto a diversos outros países. 

    Em termos muito simplificados, esses foram os elementos do salto da China para a Terceira Revolução Industrial, processo que veio como enorme benefício mútuo para a China e os EUA — e também para o sistema internacional. 

    Conclusão 

    Seria plausível imaginar que o Brasil poderia tornar-se vértice de uma nova diplomacia triangular no contexto da confrontação sino-americana em curso? Poderíamos ser alçados à condição de “carta brasileira”, como ator fundamental no tabuleiro da confrontação China-EUA? Hipótese central deste texto, esta será talvez a nossa única chance de construirmos uma “grand strategy” na cena internacional que nos apoie estruturalmente no plano doméstico, em escala de transformação semelhante à que a China experimentou nas últimas quatro décadas. Mas a construção de parceria dessa envergadura envolvendo o Brasil — que fosse capaz a um só tempo de nos ajustar de forma altiva à geometria de poder mundial e alavancar a transição tecnológica de país com nossa dimensão territorial e populacional — encontra dois obstáculos. 

    Em primeiro lugar, tomando de empréstimo uma clássica expressão “schopenhaueriana”, não há no Brasil, uma “vontade e representação” coletiva de um mundo que desejamos alcançar. Falta-nos, por razões que não cabem neste texto, uma visão e um desígnio, um destino manifesto. Carecemos não só de uma política externa, mas também de condições internas — no Estado e na sociedade — que constituiriam o substrato para sua implementação no âmbito internacional. Ambas precisam ainda ser construídas. Os componentes materiais para a construção estão presentes: somos uma superpotência agrícola, superpotência ambiental, superpotência energética e um mercado consumidor de 220 milhões de pessoas, 87% das quais habitantes de espaços urbanos, campos abertos para a experimentação e a construção da ubiquidade digital da nova economia. Falta-nos, talvez, “simplesmente”, a determinação coletiva, política, uma visão estratégica de fazer desse patrimônio um ativo interno que nos articule com força na ordem internacional. 

    Em segundo lugar, neste cenário bipolar, nem os EUA nem a China, até o momento, enxergam qualquer valor estratégico que o Brasil possa apresentar como parceiro sério e confiável, com potencial de alavancagem de interesses geopolíticos e geoeconômicos. Certamente por nossa própria culpa, pela falta de compromisso coletivo transformador, pela mesquinhez e pela ausência de massa crítica e iluminada em nossa elite, pelo baixo nível educacional da população em geral, fomos incapazes de articular ativos que, na ausência de uma vontade coletiva, atendem exclusivamente interesses particularistas situados à margem da sociedade e dos governos. 

    Caminhando para o fim, volto a sublinhar que esses dois cenários são aqui tomados como principais, tanto por uma questão metodológica quanto pela inconfessável angústia do autor, que de alguma forma busca enxergar na complexa dinâmica internacional alguma clareza que nos abrisse a oportunidade, em horizonte temporal mais próximo, de enfrentar, com o apoio da diplomacia, as tantas mazelas sociais que nos cercam e o nosso subdesempenho econômico. Evidentemente, as tais hipóteses não são excludentes de outros arranjos que a dinâmica internacional venha nos propiciar em prazos eventualmente mais longos. 

    A cautela sempre dirá que, mesmo diante de reflexões que nos apontem para cenários mais circunscritos, a ação diplomática deve sempre se pautar por política externa de arquitetura aberta, pragmática e ecumênica, tendo como fundamento os interesses nacionais permanentes. Por exemplo, a Índia já é hoje a terceira maior economia do mundo pelo critério de paridade de compra e certamente poderia ser objeto de parceria estratégica para o Brasil, conforme indicado anteriormente, em função da promessa que representa no plano do desenvolvimento econômico e tecnológico, além de seu imenso e crescente mercado consumidor. O Japão, país com que manteve relação migratória importante e que no passado foi relevante financiador de projetos de infraestrutura brasileiro, poderia resgatar com vigor o seu interesse pelo país. Da mesma forma, não podemos esquecer Euclides da Cunha (1866-1909), para quem a geografia pré-configura a história. Nesse quadro, não poderemos abrir mão das nossas possibilidades de articulação de arranjo político na América do Sul e na África Ocidental, regiões que perfazem uma população de mais de 1 bilhão de pessoas. 

    Mas ao mesmo tempo não podemos descurar da hipótese de que, em função do nosso peso específico e das atratividades nos domínios acima citados (agropecuária, bioeconomia, energético e infraestrutura urbana), possamos construir uma alta estratégia, com dinâmica favorável aos nossos interesses, a partir de nova diplomacia triangular derivada, desta feita, da rivalidade entre China e EUA. 

    O que fazer? Que expectativa realista podemos ter? No plano externo, cabe a nós, sistematicamente, sondar e provocar pelos canais institucionais, em Washington e em Pequim, as condições de possibilidade para a construção da parceria que melhor nos atenda no desafio de encontrar com urgência, a partir de salto tecnológico, o nosso caminho de prosperidade e equidade. Com habilidade, devemos seguir uma coreografia inteligente, navegando entre as duas potências, sem jamais nos aproximarmos ou distanciarmos excessivamente de um e de outro potencial parceiro, ao menos num primeiro momento, até que uma fórmula mais profunda de enlaçamento e intercâmbio reais sejam vislumbrados (10). 

    Entre as possibilidades indicadas, minha preferência analítica pessoal transpira nos parágrafos acima. Mas os contornos de parcerias de tal estatura não podem ser derivados apenas de uma vontade analítico-especulativa. Dependem, sobretudo, de trabalho e articulação político-diplomática que, tristemente, estão ausentes em nosso horizonte. Se nenhuma delas for viável agora, que ao menos sejamos capazes de, internamente, construir as condições de contorno para um futuro melhor. Como nos lembra Rubens Ricupero, referência sempre central do pensamento brasileiro, não há exemplo histórico de país que tenha se desenvolvido apenas ou principalmente por meio da política externa. Esta, por mais brilhante que seja, é sempre necessariamente ancilar. O impulso decisivo tem sempre de vir de dentro. 


    Philip Yang é fundador do Instituto Urbem e Senior Fellow do Cebri - Centro Brasileiro de Relações Internacionais 

    P.S. No contexto pós-Trump, marcado pela exacerbada animosidade entre Biden e Bolsonaro, podemos assistir a uma inflexão dada pelas indicações de aproximação pessoal do atual presidente brasileiro ao presidente Putin. Tal movimento apresenta potencial de provocar importantes implicações na nossa política externa e introduzir complexidade ainda maior. Cabe lembrar que o atual sistema russo não é nem socialista nem capitalista, apresenta visão militarista e forte presença do Estado, tanto ao gosto do dirigente brasileiro. Nesse cenário, a Índia, sob o populismo nacionalista e conservador de Modi, também entraria como saída para minimizar o isolamento do Brasil, que hoje se confronta de maneira veemente tanto com os EUA quanto com a China. Não teríamos mais os Brics, mas sim o RIB, criando uma nova costela nas relações internacionais. 

    1. À época, a chancelaria brasileira encontrava-se em período formativo como órgão de Estado. A mudança de orientação da política externa foi concebida e implementada pelo Barão do Rio Branco, com apoio de Joaquim Nabuco (1849-1910) e Rui Barbosa (1849-1923). 

    2. Vale resgatar a contribuição de Joaquim Nabuco para a mudança do centro de gravidade da política externa brasileira no texto de Leslie Bethell, intitulado “Nabuco e o Brasil entre Europa, EUA e América Latina” (Novos Estudos - Cebrap nº 88 São Paulo Dec. 2010) 

    3. Tal tendência precisa sempre ser examinada à luz das perspectivas de crescimento econômico do país, que não se mostram exatamente alvissareiras, dado o seu elevado grau de dependência ao petróleo. 

    4. O sentido de urgência se agrava quando lembramos que a janela do nosso bônus demográfico se fecha. Não há registro na história de casos de desenvolvimento econômico após o término dessa transição. 

    5. Claro que eventual flexibilização do teto de gastos para aumento de investimento e a utilização de ferramentas de política monetária como os mecanismos de “quantitative easing” poderiam reduzir dependência a investimentos externos, mas dada a escala da demanda infraestrutural brasileira parece certo afirmar que a entrada de investimentos estrangeiros será sempre fator importante para a retomada do crescimento. 

    6. A esse respeito vale a leitura do livro “The Americanization of Brazil: A Study of U.S. Cold War Diplomacy in the Third World, 1945-1954”, de Gerald K. Haines. 

    7. Temos fundações privadas dedicadas ao envio de estudantes brasileiros a instituições de ensino nos EUA e à Europa, mas nenhuma homóloga voltada para universidades da China ou Cingapura, por exemplo. 

    8. O arco da aproximação sino-americana se inicia com a chamada Diplomacia do Ping Pong, em abril de 1971 e culmina com o reconhecimento formal da RPC pelos EUA em 1979. 

    9. O livro “Unlikely Partners – Chinese Reformers, Western Economists, and the Making of Global China”, de Julian Gewirtz, retrata a construção do pensamento econômico chinês e a formação doutrinária do “socialismo de mercado”. 

    10. Os mecanismos da diplomacia pendular não são desconhecidos da tradição diplomática brasileira. Durante o período Vargas, o Brasil foi cortejado pelos aliados e pela potências do Eixo e soube extrair dessa concorrência o financiamento para a construção da Companhia Siderúrgica Nacional. 

    Esse artigo foi publicado originalmente em: https://valor.globo.com/eu-e/noticia/2020/12/04/philipyang-por-uma-nova-politica-externa.ghtml