O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quinta-feira, 29 de maio de 2008

877) A linguagem da globalizacao

Perhaps not, or better, broken English for sure...

What Will Globalization Do to Languages? A Freakonomics Quorum
By Stephen J. Dubner
May 28, 2008, 2:46 pm

The headline says it all, although the unspoken question is: will globalization indeed result in the hegemony of English, as has long been promised/threatened?

We gathered up some wise people who spend their time thinking about such things -- Christian Rolling, Mark Liberman, Henry Hitchings, and John Hayden -- and asked them to answer our question. Many thanks for their insights.

Christian Rolling, senior interpreter and next chief of the French interpretation section at the U.N. in New York.

"The Internet has helped curtail English language domination."

As an interpreter, I tend to focus more on spoken words; and I suspect (being French) that you would love to read that English is (finally) going to be the universal language thanks to globalization.

But No! The Internet has helped curtail English language domination: Just over half the number of Web pages are in English.

Rudimentary English might still be the most convenient means of oral or written communication between strangers of different cultures on planet Earth, but globalization is giving a new (virtual) planetary presence to hundreds of languages and cultures through millions of Web sites, mixing text and videos.

The big loser? Grammar.

With the proliferation of text messages, e-mails, emoticons, strange abbreviations (The French love CUL, which means a**) why bother about style or form?

Web sites are more polished, but even there, spelling mistakes abound.

John Hayden, president of Versation, parent company of English, baby!, a social networking site for English language learners around the world.

"English is like a cell phone provider offering the best plan. But if the dollar continues to drop, the most viable option could shift."

Globalization is synonymous with homogenization. What does this mean for languages?

We'll be losing all but one of them, and guess which one.

Although ludicrous, this point of view is common. My friends and colleagues question me from time to time about whether a website like mine that helps people around the world learn English is necessarily a good thing.

But last I checked, learning one language doesn't cause you to forget another. More than half the world plays soccer, but other sports continue to thrive. Why should languages be any different?

In fact, it seems widely agreed upon that a person who speaks more than one language is worthy of admiration. The fact that nearly two billion people are learning English means that there are more bilingual people than ever before.

Though shared languages between countries are necessary for globalization to thrive, the popularity of English is incidental and could change.

English is a tool, just like a piece of technology. Much of the world's economy is tied up in English-speaking countries and for that reason, English is like a cell phone provider offering the best plan. But if the dollar continues to drop, the most viable option could shift. Mexico and Korea don't need English to communicate if Korea begins to find it profitable to learn Spanish.

This flexibility exists because other languages aren't going away. It's important to understand that English is growing as a second or
third language.

I've yet to hear of a country changing its first language to English to better compete globally and I doubt that will happen.

A Bulgarian woman might fly to the U.S. for a meeting, but will still walk to the grocery store. She might send American partners news via e-mail, but will still gossip on her neighbor's porch, read and sing in Bulgarian, and speak it with her family -- and with you if you're smart.

Don't underestimate the value of knowing languages other than English in a globalized world. Nothing makes a trip to Japan better than knowing Japanese and if you're bidding on a contract in India, the proposal written in Hindi is sure to stand out. A philosopher who can read German articles before they're translated has an edge on his peers.

In fact, globalization means that we have more reason than ever to learn a language. While globalization has its benefits and drawbacks, learning a language, like almost any other skill, is at best useful and at least a bit of personal edification (like learning Ancient Greek or fly fishing).

But at the moment, English is about as valuable as a computer in terms of the amount of cultural exchange and access to information it affords. Of course, the two are most powerful together, which is why we started English, baby!. It was a reaction to a demand.

More often than not, a new member's first blog is something to the effect of, "This is the first day of my life," which demonstrates a mind-boggling enthusiasm for, and faith in this language and technology.

Mark Liberman , professor of linguistics at the University of Pennsylvania, blogs at Language Log.

"If you're going to combine many countries with different national languages -- and do it by political compromise rather than by military conquest -- then you can't impose any single national language on the result."

The obvious things to say about this are, well, obvious. But not everything that's obvious is entirely true, and there are some surprises behind the "duh"s.

It's obvious that English promotes American power in the global linguistic marketplace -- but a slogan of Li Yang's Crazy English movement is "Conquer English to Make China Stronger!"

It's obvious that globalization will tend to wipe out smaller languages and cultures -- but if you search the web for "soomaaliya" or "gabay ka," you'll find more text from the world-wide Somali diaspora than was ever produced in the horn of Africa. It's obvious that globalized communications and popular culture will tend to homogenize local language varieties -- but some varieties of English seem to be diverging more rapidly than ever.

Much of today's linguistic politics are rooted in the residues of colonial rule, itself an earlier form of globalization -- but paradoxically, the recent spread of former colonial languages is sometimes driven by local resistance to domination by outsiders.

In 1950, the Indian constitution established Hindi as the official language of the central government, and the use of English as a "subsidiary official language," inherited from the days of British colonial rule, was supposed to end by 1965. However, less than a sixth of the Indian population speaks Hindi natively, and for elite speakers of India's other 400-odd languages, especially in the south, the imposition of Hindi felt like a kind of conquest, whereas continued use of English was an ethnically neutral option. So today, the authoritative version of acts of parliament is still the English one, Supreme Court proceedings are still in English, and so on.

The rise of English as the language of global economic opportunity just reinforces this pattern, which also applies in Pakistan, in Nigeria, and in several other former British colonies.

A particularly intense version of this sort of thing is happening in Iraq.

Kurdish officials resist being forced to do business with the central government in Arabic, and sometimes insist on English, even if their command of Arabic is excellent. They recognize that they can't force the central government to deal with them in Kurdish, but they see English, the language of the former colonial power, Britain -- and of the current occupying power, the United States -- as a symbol of resistance to the cultural and political hegemony of the Arabic-speaking majority.

The situation in former French colonies is more subtle. French is the ethnically-neutral lingua franca there, and the linguistic gateway to opportunity and migration. But many individuals in the Francophone world are starting to see English as a better opportunity -- and the rulers of some Francophone countries have begun to feel the same way -- to the immense chagrin of the French government, which works hard by various means to keep the former colonies in La Francophonie. In that context, promoting (for example) English-language schools can become a form of resistance to neocolonialism.

And at the same time that big languages like English, French, Chinese, and Arabic have been spreading among present or past imperial subject populations, local linguistic nationalism has been increasing in strength, and winning some victories.

In Belgium -- which is number one in the 2007 KOF Index of Globalization -- Flemish cultural nationalism, very much based on language, is threatening to split the country in two.

Less dire versions of the same process have been happening elsewhere in Europe. Anyone who's been in Barcelona recently knows that the dominance of Catalan there has been officially acknowledged, and Spain's ratification of the European Charter for Regional or Minority Languages has also led to co-official status for Basque and Galician in their regions.

As a result of the same European Charter, two centuries of French official suppression of minority languages came to an end, at least officially, in 2001. (Actually, France rejected the charter as contrary to its constitution, but the Ministry of Education decided anyhow that education in Occitan, Corsican, Breton, Basque, and so on could at least in principle be allowed.)

Paradoxically, the force that freed "regional and minority" languages throughout Europe was exactly the economic and political unification created by that poster child of globalization, the European Union.

If you're going to combine many countries with different national languages -- and do it by political compromise rather than by military conquest -- then you can't impose any single national language on the result. And once you admit a dozen or so national languages to official status in the resulting union, why not throw in a hundred more -- even if the local nation-states have been busily trying to promote national unity by suppressing them for the past few centuries?

Henry Hitchings, author of Dr. Johnson's Dictionary: The Extraordinary Story of the Book that Defined the World, and his most recent, The Secret Life of Words: How English Became English.

"One of the intriguing consequences of globalization is that English's center of gravity is moving."

"It's interesting that we think of nature conservation as something rather sexy, but language conservation on the whole gets dismissed as naïve and backward-looking. "

This isn't a question that belongs in the future tense; it's happening right now, and we're seeing dramatic change in the whole global system of languages. So the succinct answer would be "a lot." But I'd like to expand on this.

Today there are about 6,500 different natural languages. Eleven of them account for the speech of more than half the world's population. Those eleven are Mandarin Chinese, Spanish, Hindi, French, Bengali, Portuguese, Russian, German, Japanese, Arabic, and -- of course -- English.

English is distinguished from the others in this list by having very significant numbers of non-native speakers, and, for reasons I'll come back to, I think it's going to be the one most affected by globalization.

At the opposite end of the scale there are languages teetering on the brink of extinction. More than half the world's languages have fewer than 5,000 speakers, and there are many hundreds that have as few as a dozen. Languages are disappearing all the time -- it's estimated that a language becomes extinct roughly every two weeks. Some of those under threat are American languages -- the likes of Kashaya, spoken in a small part of northern California, and Menominee in Wisconsin.

I think we can say that almost everywhere is part of the "world system" now, and the thing about any system that integrates people is that it benefits its architects. Yes, you're going to see cultural cross-pollination, but, fundamentally, imported cultures are going to push out indigenous ones. We can look at the example of Canada: when it was colonized, more than sixty languages were spoken there, but English and French wiped almost all of them out, and only one, Inuktitut, has really clung on at all.

In the future, things that don't happen in the world's major languages are likely to be marginalized in favor of very possibly less worthy things that do happen in them. We see this a good deal already. For instance, we know that by and large a book published in English is going to have a far wider reach than one published in Czech, regardless of their respective merits.

One of the consequences is that, as students and scholars look to enhance their credentials and the visibility of their work, universities, which used to be national institutions, have become an international marketplace.

It's clear that globalization is making English especially important not just in universities, but in areas such as computing, diplomacy, medicine, shipping, and entertainment. No language is currently being learned by more people -- there may soon be 2 billion actively doing so -- and the desire to learn it reflects a desire to be plugged into a kind of "world brain."

To many people, then, the spread of English seems a positive thing, symbolizing employment, education, modernity, and technology. But to plenty of others it seems ominous.

They hold it responsible for grinding down or homogenizing their identities and interests. It tends to equalize values and desires, without doing the same for opportunities.

While English-speakers may think the spread of their language is simply a force for good, opening up the world and helping to advance things like feminism and human rights awareness in places they might not otherwise reach, to many other people this spread is a symptom of things they don't want: the Christian faith, for instance, and political paternalism.

So far, so unsurprising, you might say; but globalization may well have a kind of revenge effect. There's a distinct chance, I think, that it will actually undermine the position of the very native speaker who, by virtue of having a mastery of this obviously valuable language, thinks he or she is in a strong position.

Why? Because one of the intriguing consequences of globalization is that English's center of gravity is moving. Its future is going to be defined not in America or Britain, but by the new economies of places like Bangalore, Chongqing, and Bratislava.

Internationally, English is becoming the language of the urban middle classes, and as the ability to use English becomes a kind of basic skill for such people, the prestige that attaches to being able to speak it with native fluency is going to shrink. People who have a stripped-down, second-language knowledge of it may start to cut native speakers out of the equation. At the same time we're going to see a proliferation of what are sometimes called 'glocal' Englishes -- noticeably different forms of the global language that preserve their local roots. One of the ultimate effects may be that native speakers of English will be at a professional disadvantage, because they're seen as obstructions to the easy flow of business talk and they're competent in just this one "basic" language.

Branching out beyond English, I think it's safe to say that one of the things we are seeing, as technology breaks down borders, is that it is no longer sensible to think of a precise association between particular languages and particular territories.

Nobody owns languages any more. And this is likely to be especially troubling for anyone whose language is widely used by people who aren't native speakers.

As it advances, globalization seems to be whipping up its own backlash, and I'm sure we are soon going to see language learning and language conservation become more contentious political issues. It's interesting that we think of nature conservation as something rather sexy, but language conservation on the whole gets dismissed as naïve and backward-looking. My hunch is that if there's one language in the top eleven I mentioned earlier that is really going to get squeezed, it's German.

Realistically, fifty years from now the world's big languages may be as few as three: Mandarin Chinese, Spanish, and English. Hindi, Bengali, Urdu, and Punjabi will also be pretty big -- but chiefly because of massive population growth on their home turf. Arabic, too, will have grown -- for religious reasons at least as much as economic ones.

At the other end of the scale, many languages will have disappeared, irrecoverably, and with them will have disappeared their cultures.

sexta-feira, 23 de maio de 2008

876) Forum do Instituto Nacional de Altos Estudos, Rio de Janeiro

Abaixo a programação do Fórum Nacional.O Fórum é organizado pelo ex-ministro João Paulo dos Reis Veloso, através do seu Instituto Nacional de Altos Estudos, e será realizado nas instalações do BNDES.

XX Fórum Nacional - 2008
BRASIL - "Um Novo Mundo nos Trópicos" *:
200 Anos de Independência Econômica e 20 Anos de Fórum Nacional
(sob o signo da incerteza)
26 a 30 de maio de 2008 (segunda a sexta-feira)
Local: BNDES (Rio de Janeiro)**

"Eu quase que nada não sei.
Mas desconfio de muita coisa;"
Riobaldo Tatarana, "Grande Sertão:
Veredas" (Guimarães Rosa)

"O Brasil não é para amadores"
Tom Jobim

"Todos os seres humanos nascem livres
e iguais em dignidade e direitos".
Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948
(baseada na Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão, 1789).

Programação

Dia 26.5 – Segunda-feira (manhã) - Início às 10h30

Sessão de Abertura
20 Anos de Fórum Nacional, 200 Anos de Independência Econômica (sob o signo da incerteza)

Idéia: A preocupação central é tomar a Odisséia brasileira, nesses 200 anos desde a Abertura dos Portos (com a chegada da Família Real Portuguesa), como ponto de partida para indagar: Para onde vai o Brasil?

Com esse objetivo, faz-se uma comparação entre as duas Aberturas, a de 1808 e a dos Anos 90 para cá, a fim de poder colocar a questão: que Visão de Desenvolvimento adotar? Ou: Para onde vai o País, Econômica, Social e Politicamente?

Abertura:
Convidado de Honra - Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva: Para onde vai o Brasil – Econômica, Social e Politicamente – sob o signo da incerteza (Sugestão: 30 minutos).

Convidado Especial - Apresentação do Professor Edmund Phelps - Universidade de Columbia, Nova York, Prêmio Nobel de Economia de 2006: Brasil – Visão de Desenvolvimento, sob o signo da incerteza (sugestão: 30 minutos).

I – Apresentação (position paper): Roger Cohen, Colunista do New York Times: O futuro do Brasil é agora (20 minutos).

II – Comentário Especial: Embaixador do Japão no Brasil, Ken Shimanouchi: 100 anos de parceria Brasil-Japão (Imigração Japonesa) (15 minutos)

III – Comentário Especial: Albert Fishlow, da Universidade de Columbia: Desenvolvimento brasileiro, Presente, Passado e Perspectivas – Visão de Síntese (15 minutos).

IV - Debate geral.

Dia 27.5 – Terça-feira (manhã) - De 10 horas às 13 horas

Painel I
"O Brasil Tem Jeito?"

Idéia: Discutir, principalmente:

Modernização das Instituições Políticas do Brasil, envolvendo: Modernização do Estado (Modernização do Modelo de Estado – principalmente Modelo de Gestão do Estado –, para evitar "apagões" e invasão da Administração Pública pelo vandalismo político); Modernização do Congresso e do Sistema de Partidos, para torná-los co-responsáveis pelo Desenvolvimento e pelas Reformas e capazes de dialogar com o Governo.
Como dar Oportunidade aos pobres? E a importante contribuição do Fórum – O ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (IDS), como instrumento para análise da Situação Social, no Brasil, nas Grandes Regiões e nos Estados.
Rumos do Desenvolvimento brasileiro (necessidade de uma nova Estratégia?).
Implicações da presente incerteza nos Mercados Globais.
A Sociedade Civil está cumprindo o seu papel de monitorar e dialogar com o Estado, para não continuar "tolerando o intolerável"? E fazer cobranças?
Abertura:
Lançamento do IDS (Índice de Desenvolvimento Social): Roberto Cavalcanti de Albuquerque, Diretor-Técnico do Fórum Nacional (15 minutos).

I – Apresentação (position paper): Arthur Ituassu e Rodrigo de Almeida - Organizadores de "O Brasil tem jeito - 1?" e "O Brasil tem jeito - 2?". O primeiro é Jornalista e Professor da PUC e o segundo, Jornalista e Pesquisador do IUPERJ: "O Brasil tem jeito – principais questões"? (20 minutos)

II – Comentário Especial: Roberto da Matta, Sociólogo e Escritor: O Brasileiro e o Brasil (15 minutos).

III – Mesa-redonda (O Brasil tem jeito?) (15 minutos cada um):

Mary Del Priore, Historiadora e Escritora.
Jaime Pinsky, Historiador, Professor e Escritor - Autor de "O Brasil tem futuro?", Editora Contexto, 2006.
Sérgio Quintella, Vice-presidente da FGV.
IV - Debate geral.

Encerramento:
Pronunciamento do Embaixador Alberto da Costa e Silva, Coordenador da "Comissão Dom João VI" (Membro da Academia Brasileira de Letras): O Brasil de Dom João VI e sua significação para o futuro do País (15 minutos).

De 13 horas às 14h30 - Almoço

De 14h30 às 17h30

Painel II
Construção das Bases – Mensagens da Sociedade:
Redução da Carga Tributária, com Contenção de
Despesas de Custeio e Reforma Tributária.
e Modernização da Infra-estrutura

Idéia: O Painel se volta, principalmente, para o que falta fazer para que o País tenha bases econômicas sólidas e caminhe no sentido de um novo ciclo de Alto Crescimento, após os avanços realizados quanto às Novas Famílias de Políticas Macroeconômicas e a elevar um pouco a taxa de Crescimento.

A situação Macroeconômica tem permitido ao Brasil reduzir a Vulnerabilidade Externa – fantasma de outros períodos de Crescimento –, ter mais credibilidade interna e externa e sair da fase dos "vôos de galinha". Mas ainda há uma espécie de camisa de força (baixa margem de manobra), no Setor Público e na Iniciativa Privada.

Daí o foco, no Painel, em levantar questões relativas ao que falta fazer na área das Políticas Macroeconômicas e da Infra-estrutura, principalmente. Fator favorável, que não deve ser subestimado, é a verdadeira Revolução que está ocorrendo no Mercado de Capitais. E sempre a dúvida: as condições políticas do País são favoráveis a essa criação de bons fundamentos?

Abertura:
Pronunciamento da Ministra Dilma Rousseff, Chefe da Casa Civil, Presidência da República: Modernização da Infra-estrutura (20 minutos).

Pronunciamento do Ministro Guido Mantega, da Fazenda: Perspectivas da Política Econômica do Governo (inclusive considerando a Turbulência Internacional) (20 minutos).

I – Apresentação (paper): Affonso Celso Pastore - Professor da USP e da EPGE (FGV), ex-Presidente do Banco Central: Bases para o Alto Crescimento – Onde estamos e o que falta fazer (inclusive considerando a Turbulência Internacional) (20 minutos).

II - Apresentação (paper): Raul Velloso - Consultor de Empresas. Ex-Secretário para Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento: Sustentabilidade de Longo Prazo das Contas de Governo (Redução da Carga com Contenção de Despesas) (20 minutos).

III – Mesa-redonda (Construção das Bases) (15 minutos cada um):

Senador Aloizio Mercadante, Presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal.
Deputado Arnaldo Madeira.
Carlos Rocca, Diretor-técnico do IBMEC (Mercado de Capitais).
IV – Debate geral.

Dia 28.5 – Quarta-feira (manhã) - De 10 horas às 13 horas

Painel III
Estratégia da "Economia Criativa":
"Partindo dos Recursos Naturais para Chegar à Economia do Conhecimento"
(sob o signo da incerteza)

Idéia: Com esse painel, chega-se ao cerne da questão de para onde vai o Desenvolvimento brasileiro.

Se desejamos, realmente, o Alto Crescimento, não é mais possível continuar fazendo "mais do mesmo". Ou seja, deixar o Crescimento brasileiro limitado à expansão de cadeias produtivas voltadas para commodities primárias e industriais, e algumas poucas de linhas de produtos nas Áreas de Tecnologias Avançadas (além de um vasto manancial de Serviços, na maioria fora da área de Serviços de Alta Tecnologia).

A reorientação tem de ser no sentido de evoluir para uma Estratégia de "Economia Criativa", com as aptidões modernas proporcionados pela Economia do Conhecimento.

Ora, o Brasil é rico – talvez até rico demais, para seu próprio bem, em Recursos Naturais. Nesse caso, a Estratégia que se propõe – num mundo com a marca da China e sujeito a turbulências – é tomar o desenvolvimento dos Setores Intensivos em Recursos Naturais, com base naquelas aptidões modernas, procurando chegar à criação de Vantagens Comparativas, seletivamente, em áreas de Tecnologias Avançadas.

Entretanto, o signo de incerteza na Economia Internacional cria a necessidade de termos margens de manobra.

Abertura:
Pronunciamento do Ministro Miguel Jorge, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Estratégia de Competitividade para o Brasil, no mundo da Economia do Conhecimento (20 minutos).

I – Apresentação (paper): Antonio Barros de Castro, Assessor Especial da Presidência do BNDES: Estratégias para o Brasil, num mundo com a marca da China (20 minutos).

II – Apresentação (paper): José Roberto Mendonça de Barros, Luiz Carlos Mendonça de Barros e Paulo Pereira Miguel - Economistas e Consultores Empresariais: A marca da China – As três cabeças do dragão (20 minutos).

III – Apresentação (paper): João Paulo dos Reis Velloso: Modelo de Economia do Conhecimento para o Brasil – A "Economia Criativa": "Partindo dos Recursos Naturais para chegar à Economia do Conhecimento" (20 minutos).

Complemento: Antonio Carlos Rego Gil, Presidente da BRASSCOM - Associação Brasileira das Empresas de Software e Serviços para Exportação (5 minutos).

IV – Comentário Especial: Roberto Hukai, Prof. do Instituto de Energia Eletrotécnica da USP: O Brasil como Centro Mundial de Energia? (15 minutos).

V – Comentário Especial: Aziz Ab'Sáber, Prof. da USP: Aquecimento Global – Avaliação (15 minutos).

VI – Debate geral.

De 13 horas às 14h30 - Almoço

De 14h30 às 17h30

Painel IV
O Brasil e suas Empresas Globais

Idéia: Inegável que a atual Globalização, baseada em Paradigma Econômico Moderno (Economia do Conhecimento) e em mercados mundiais, freqüentemente, oligopolísticos, tem seu grande instrumento nas Empresas Globais.

O Brasil já dispõe de certo número de Empresas Globais. Mas precisa avançar em duas direções. De um lado, fortalecer as Empresas Globais existentes e apoiar a emergência de muitas outras, na mesma categoria.

De outro lado, avaliar se essas Empresas Globais estão realmente atuando no sentido de acelerar o Desenvolvimento brasileiro.

I – Apresentação (paper): Cláudio Frischtak - Consultor de Empresas. Ex-economista Sênior do Banco Mundial: O Brasil diante da nova Competição Global – Como desenvolver novas Empresas Globais, apoiando as existentes. E o papel que devem desempenhar (20 minutos).

II – Apresentações: O Planejamento Estratégico das Empresas Globais brasileiras (15 minutos cada um):

Roger Agnelli, Diretor-Presidente da VALE.
Jorge Gerdau Johannpeter, Presidente do Conselho do Grupo GERDAU.
José Sérgio Gabrielli de Azevedo, Presidente da PETROBRAS.
Frederico Fleury Curado, Diretor-Presidente da EMBRAER.
Emílio Odebrecht, Presidente do Conselho de Administração da ODEBRECHT.
Alessandro Carlucci, Diretor-presidente da NATURA.
III – Debate geral.

Dia 29.5 – Quinta-feira (manhã) - De 10 horas às 13 horas

Painel V
Universalizando a Inovação nas Empresas Brasileiras

Idéia: Desde os anos 70, o Brasil construiu as bases de um Sistema Nacional de Inovação, e de lá para cá evoluiu bastante no sentido de criar um bom sistema de Incentivos à Inovação – financeiros e fiscais, principalmente.

No momento, duas tarefas básicas se impõem. Primeiro, avaliar se o Sistema de Inovação está funcionando bem – e sabemos que não, por não haver suficiente número de parcerias entre Universidade (e Institutos de Pesquisa) e o Setor Privado.

Em segundo lugar, promover a Universalização da Inovação, através de um Programa Nacional (proposto pelo IPEA) que atinja, inclusive, a Pequena Empresa, multiplicando a geração de Pequenas Empresas Tecnológicas (que devem, também, ser Pequenas Empresas Exportadoras).

Abertura:
Pronunciamento do Ministro Sérgio Rezende, da Ciência e Tecnologia: Universalizando a Inovação – como chegar lá (20 minutos).

Pronunciamento do Presidente Luciano Coutinho, do BNDES: O BNDES e a Universalização da Inovação nas empresas (20 minutos).

Pronunciamento do Presidente Luis Manuel Rebelo Fernandes, da FINEP: A FINEP e a Inovação nas Pequenas Empresas (20 minutos).

I – Apresentação (paper): Presidente Marcio Pochmann, do IPEA: Como implementar o Programa de Universalização da Inovação nas Empresas brasileiras (20 minutos).

II – Comentários Especiais (Inovação em Pequenas Empresas) (15 minutos cada um):

Paulo Tarciso Okamotto - Diretor-presidente do SEBRAE.
Marisa dos Reis Azevedo Botelho - Professora do Instituto de Economia da Universidade Federal de Uberlândia, Michelle de Castro Carrijo - Doutoranda do Instituto de Economia da Universidade Federal de Uberlândia, Gilsa Yumi Kamasaki - Economista da Eletronorte
Fernando Sandroni - Presidente do Conselho Empresarial de Tecnologia da FIRJAN.
José Ricardo Roriz Coelho - Diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da FIESP.
III – Debate geral (Abertura: Carlos Alberto dos Santos - Diretor de Administração e Finanças do SEBRAE).

De 13 horas às 14h30 - Almoço

De 14h30 às 17h30

Painel VI
Para onde vão aa Cidades Brasileiras? Planejamento Urbano (Desenvolvimento, Infra-estrutura, Segurança, Favelas) e Senso de Comunidade

Idéia: O Brasil tem passado por um processo de explosão da urbanização, que remonta a várias décadas atrás.

Só que, nas décadas recentes, a idéia de Planejamento Urbano, no País, praticamente deixou de constituir prioridade dos Governos – Federal, Estaduais e Municipais. A noção de Região Metropolitana deixou de ter sentido. Desapareceu o senso de comunidade e as favelas (e periferias) tenderam a transformar-se em guetos – território ocupado pelo narcotráfico, ante a ausência do Estado, seja sob a forma de Lei e Ordem (Polícia), seja sob a forma de Políticas Sociais e Políticas de Emprego.

Surgem, então, as previsões catastróficas – talvez até realisticamente.

O painel procura avaliar se as cidades brasileiras caminham para a inviabilidade. E definir estratégias para que haja a volta da Reforma Urbana e do Desenvolvimento Urbano. E do senso de comunidade, com a reintegração das favelas à cidade.

"Naquele dia, eu xinguei Deus"
(Garota de rua, 13 anos, depois que uma
"gringa" quis comprar-lhe a filha).

Abertura:
Pronunciamento do Ministro Márcio Fortes, das Cidades: Desenvolvimento Urbano no Brasil (20 minutos).

I – Apresentação (position paper): Luiz César de Queiroz Ribeiro - Coordenador do Observatório das Metrópoles (IPPURR-UFRJ): Para onde vão as cidades brasileiras? (Dinâmica da Geografia Urbana, Crise das Cidades, Desenvolvimento, Favelas) (20 minutos).

II – Mesa-redonda (Para onde vão as cidades brasileiras) (15 minutos cada um):

José Luiz Alquéres, Presidente da Light e Coordenador do "Projeto Megacidades" (ACRJ).
Cel. José Vicente da Silva Filho - Secretário Municipal de Valorização da Vida e Prevenção da Violência. Professor da UERJ. Ex-Secretário Nacional de Segurança Pública .
Luiz Eduardo Soares - Sociólogo, ex-Secretário Nacional de Segurança Pública.
Rossino de Castro, Presidente da FAFERJ (Federação das Associações de Favelas – RJ).
II – Síntese e Conclusões (position paper): Hamilton Tolosa, Professor da Universidade Cândido Mendes e Ex-Superintendente do IPEA (RJ). (20 minutos).

III – Debate geral.

Dia 30.5, sexta-feira (manhã) - De 10 horas às 13 horas

Sessão de Encerramento
O Amor em Tempos de Desamor

"Inferno, ausência de amor"
Georges Bernanos

Idéia: Vivemos em "tempos de cólera" (ou, de forma mais branda, "tempos de desamor"). A Ordem Mundial dos tempos da Guerra Fria (com seu latente Apocalipse) parece ter sido substituída pela Desordem Mundial: volta do Terrorismo, guerras intermináveis no Oriente Médio, guerras civis em diferentes regiões, ameaças de guerras nucleares. Por outro lado, a sociedade passa por profundas transformações, nos ways of life, nas relações entre pessoas e grupos, nas repercussões das drásticas e altamente velozes mudanças econômicas e tecnológicas.

O cenário da América do Sul (pressupondo existir essa entidade–abstração) é inquieto, para não dizer conturbado.

No País, ao lado dos "circos de horrores" (crises políticas, escândalos, "conexões"), o problema da Segurança Pública e a crescente falta de integração das favelas na cidade criam a sensação de ausência do senso de comunidade.

Nesse cenário de dúvidas e pesadelos, parece chegado o momento de uma reflexão sobre o Amor, em suas múltiplas formas, como elemento de comunhão e convivência, desde o plano individual ao universal.

Como não há tabus para o Fórum – que já realizou painéis sobre a condição da Mulher, o "defeito da cor", Política de Cinema –, e tem o universo como seu campo de discussão e propostas, deseja-se aproveitar a oportunidade especial proporcionada pelo nosso vigésimo aniversário para navegar por mares nunca dantes navegados. Daí, esta Sessão de Encerramento, que procura captar sinais de esperança nos "tempos de cólera".

I – Apresentação (paper): Maria Adelaide Amaral, Escritora: Grandes Amores Universais (20 minutos).

II – Apresentações: AMOR ROMÂNTICO (à la Século XXI) (15 minutos cada um):

Maria Clara Bingemer, Escritora, Decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas (PUC-Rio): A Bossa Nova e o Amor (50 anos).
Renato Mezan, Filósofo, Psicanalista e Escritor: Amor Romântico e Filosofia.
II – Apresentação: AMOR-AMIZADE: Danilo Marcondes, Professor de Filosofia da PUC-Rio (15 minutos).

III – Apresentação: AMOR À PÁTRIA: Gilberto de Mello Kujawski, Filósofo e Escritor (15 minutos).

IV – Apresentação: AMOR EM ESCALA UNIVERSAL ("Homem algum é uma ilha, completo em si mesmo; todo homem é uma peça do continente, uma parte do todo": John Donne): Miriam Nunes, Professora de Letras da UFRJ (15 minutos).

V – Debate geral.

Encerramento

_________________
* Ver "New world in the tropics", Gilberto Freyre, Alfred P. Knopf, Nova York, 1959.
** Edifício do Banco – Av. Chile, 100

quinta-feira, 22 de maio de 2008

875) Brazil Rising, in a American Radio

Brazil Rising
(Coming Summer 2008)

Brazil. It conjures up images of carnival, the beaches of Rio, The Girl From Ipanema, and the samba.

But a new Brazil is emerging on the world stage. Brazil today is one of the fastest growing players in the global economy, a bio-fuels pioneer on the fast track to energy self-sufficiency, a booming haven for foreign investment, and a test case for a new approach to governance in Latin America.

Can Brazil successfully chart a new path that overcomes the country’s grinding poverty and its tide of violent crime, while still preserving the country’s unique environment?

Will the new Brazil continue as a strategic partner for the United States or could it become a formidable competitor? How will the rest of the world accommodate Brazil’s seemingly unstoppable growth?

In “Brazil Rising,” scheduled for release in Summer 2008, veteran public radio journalist David Brown takes listeners on a personal journey across the country, exploring Brazil’s view of itself, its neighbors, and the world.

“Brazil Rising” — produced by Simon Marks, Kristin McHugh, and Keith Porter—is a Stanley Foundation production in association with KQED Public Radio and KUT Austin.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

874) II Encontro Nacional de Estudos de Defesa, Niteroi, 15-19 de julho de 2008

A Associação Brasileira de Estudos da Defesa, ABED, estará realizando, entre os próximos dias 15 e 19 de julho deste ano, o seu Segundo Encontro Nacional no Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense.
Os interessados podem ainda enviar suas propostas para a sessões temáticas até o dia 31 de maio deste ano para a Comissão de Recepção no endereço eletrônico: abed@vm.uff.br.
Maiores informações podem ser obtidas nos sites www.uff.br/pgcp/abed.html e www.arqanalagoa.ufscar.br/abed/default/asp.
Prof. Eurico de Lima Figueiredo
Presidente da Comissão Organizadora UFF - ABED II

domingo, 18 de maio de 2008

873) Ainda as Farc, e as relacoes Colombia com vizinhos

Este editorial do Washington Post recomenda uma linha de cautela para o governo americano (e não fala nada dos 12 ou 15 por cento do aprovisionamento americano em petróleo, que vem da Venezuela) e recomenda uma linha ofensiva para o governo da Colômbia, na OEA, ONU (e quem sabe até na Corte da Haia).
A responsabilidade do governo brasileiro é tambem enorme...
-------------
Paulo Roberto de Almeida

Hard-Drive Diplomacy
Evidence of Venezuela's support for terrorism could carry Hugo Chávez to the pariah status he deserves.
The Washington Post, Sunday, May 18, 2008; B06

THE CONFIRMATION by an international forensics team that laptops and hard drives captured by Colombia originated in a camp of FARC terrorists ought to open a new era in relations between the democratic world and Hugo Chávez's Venezuelan government. Whether it does will depend to a large extent on how Colombia and the United States handle a rich but tricky diplomatic opportunity.

The computers and drives contain a staggering 610 gigabytes of data, according to Interpol, including 983 encrypted files opened by its team. What is already known is enough to demonstrate that Mr. Chávez and senior members of his government, army and intelligence service had a far-reaching clandestine relationship with the FARC and that Venezuela offered the group weapons, money and harbor on its own territory. Ecuador, which under President Rafael Correa has become a Venezuelan satellite, had lesser but also incriminating ties to the group, which specializes in drug trafficking, kidnapping and massacres of civilians.

On its face the evidence is enough to convict Mr. Chávez and his collaborators of backing terrorism against a democratic government. If Venezuela were a European or Asian country, it would surely become an international pariah virtually overnight. But Venezuela is in Latin America -- where governments are reluctant to criticize their neighbors, terrorist groups professing a left-wing ideology have often won sympathy in Europe and the United States, and demagogues such as Mr. Chávez are able to turn hostility from Washington to their advantage. That of course is the Venezuelan strategy: Rather than even attempt to respond to the contents of the laptops, Mr. Chávez is describing them as a CIA plot and a pretext for a U.S. invasion.

Therein lies the best approach for Colombia and the United States. Since neither Mr. Chávez nor Mr. Correa has offered any credible or even serious response to the laptop material, they should be firmly, repeatedly and relentlessly confronted with the evidence and asked for answers. Colombia can do this by petitioning the Organization of American States to determine whether Venezuela and Ecuador have breached its charter; it could also ask the U.N. Security Council to judge whether the two governments violated Resolution 1373, passed in September 2001, which prohibits all states from providing financing or havens to terrorist organizations. President Álvaro Uribe should order that all of the captured material be posted on the Internet. This should at least expose Mr. Chávez's behavior to global scrutiny and make it more difficult for countries and political leaders who have tried to ignore or excuse it, ranging from neighbors such as Brazil to some U.S. Democrats.

Some in Congress are already calling for Venezuela to be placed on the State Department's list of state sponsors of terrorism. While the designation may be justified and even mandated by U.S. law, it could simply bolster Mr. Chávez's anti-American narrative. A better course would be to single out and sanction Venezuelan companies and individuals compromised by the laptop evidence, such as the generals who have been secretly meeting and doing business with FARC leaders. Punishment of Venezuelans as a whole would serve little purpose. After all, the country recently voted down Mr. Chávez's attempt to prolong and institutionalize his rule. If managed correctly, the laptop scandal will surely deepen the domestic political hole into which the would-be "Bolivarian" revolutionary is sinking.

872) Dois comentarios sobre as Farc e diplomacia brasileira

Da imprensa, domingo, 18 de maio de 2008. ambos Folha de São Paulo:

O Foro e as Farc
LIMA - Um trecho dos documentos que o governo da Colômbia deixou vazar para a mídia contendo informações armazenadas num computador das Farc avaliza argumento do PT, ou mais exatamente de Marco Aurélio Garcia, assessor diplomático do presidente Lula. Garcia afirma que o partido deixou de ter contatos com o grupo colombiano há muito tempo. De fato, o material diz que o líder histórico das Farc, Manuel Marulanda, o "Tirofijo", queixa-se dos governos que chama de "social-democratas", entre eles o de Lula. Bom deixar claro que, no vocabulário da extrema esquerda, "social-democrata" é palavrão.
Marulanda reclama de que esses governos agora querem expulsar as Farc do Foro de São Paulo, o conglomerado de grupos e partidos de esquerda e extrema esquerda criado nos anos 90 por iniciativa principalmente do PT. A participação das Farc nessa coalizão sempre foi utilizada pelos críticos do PT pela direita para tentar demonstrar que o partido não passa de um bando de comunistas que se vestem de cordeiros, mas são lobos.
Na semana que vem, o Foro volta a se reunir. Será em Montevidéu, capital de um país governado por outro partido que o integra, a Frente Ampla, do arqui-moderado Tabaré Vázquez. Com um reforço: o bispo, agora suspenso pelo Vaticano, Fernando Lugo, presidente eleito do Paraguai, tem na multifacetada coalizão que o elegeu um partido ("Pátria Livre"), igualmente do Foro.
Será, portanto, uma oportunidade de ouro para que esses presidentes, mais o PT, acertem as contas, para o bem ou para o mal, com as Farc. Se as consideram forças beligerantes, como o venezuelano Hugo Chávez acha que elas são, fica tudo como está. Se, ao contrário, as vêem como terroristas, como diz o colombiano Álvaro Uribe, que as expulsem. Só não vale assobiar e olhar para o lado.
CLÓVIS ROSSI (crossi@uol.com.br)


E agora, Josés?
BRASÍLIA - A perícia técnica da Interpol, concluindo que os arquivos do computador do líder das Farc Raúl Reyes são autênticos, deixam o nosso Hugo Chávez em maus lençóis. A principal revelação dos arquivos é que o Equador tem mesmo relações com as Farc e que a Venezuela estaria disposta até a enviar armas e US$ 250 milhões para o grupo guerrilheiro.
Até agora, a diplomacia do governo Lula tem sido até agressiva, nuns casos, e compassiva, em outros, quando se trata de países pobres que vêm adernando à esquerda, como Bolívia, Equador e Paraguai. Foi, também, determinante para a recriminação da Colômbia pela invasão do território equatoriano para aniquilar o acampamento das Farc liderado por Reyes.
A mesma forma incisiva, porém, não se repete quando o tema em questão é a guerrilha colombiana nem quando o personagem envolvido é Chávez. Nesses casos, a braveza descamba para a complacência, sob o argumento da "não ingerência". Em suma, a diplomacia parece recuar diante das velhas alianças do partido do poder com movimentos considerados de esquerda no continente -como as Farc, que, para o Brasil, são "um problema interno da Colômbia".
O documento da Interpol, porém, força o Brasil a refletir e provavelmente rever duas posições. Quanto às Farc: até quando é possível lavar as mãos? Quanto a Chávez: ele é inofensivo ou está financiando uma guerrilha para derrubar um governo legal e constitucional?
A reação imediata de Chávez foi, como sempre, retórica. Para ele, o trabalho da Interpol (polícia internacional) foi "um show vergonhoso" e "ridículo". E, para o Equador, o documento "não tem valor jurídico". Mas eles estão contra a parede.
Uribe, da Colômbia, deve estar morrendo de rir. Já o Brasil vai ter de, enfim, enfrentar o touro, as Farc e a Venezuela a unha, e não deve estar achando graça nenhuma.
ELIANE CANTANHÊDE (elianec@uol.com.br)

sábado, 17 de maio de 2008

871) Cadê o passarinho que estava aqui? (As Farc sumiram)

A lista abaixo constitui a relação atualizada dos membros do Foro de São Paulo. Eu tinha quase certeza de que as Farc integravam esse simpático grupo de organizações progressistas, dedicadas à elevação moral e espiritual dos países da América Latina, ao seu desenvolvimento econômico e social, sem mencionar sua luta sem tréguas contra os perversos imperialistas e as forças do mal do capital financeiro internacional, o neoliberalismo e outras ameaças à paz e à integridade política e social da região.
Pois não é que as Farc simplesmente desaparecem do circuito? Talvez estejam em quarentena de dengue, febre alta ou algo do gênero...
Curioso que também o Partido Socialista Unificado da Venezuela, novo rebento progressista na região, também não consta mais da lista.
Algo precisa ser feito para encontrá-los...
Outra curiosidade é que o menor país do continente, o Uruguai, é o mais prolífico em matéria de organizações: deve ser uma lei da proporcionalidade inversa...

Lista de organizações integrantes do Foro de São Paulo
Atualizada em maio de 2008

Argentina
1. Frente Grande
2. Frente Transversal Nacional y Popular
3. Movimiento Libres del Sur
4. Partido Comunista
5. Partido Comunista Revolucionario
6. Partido Humanista
7. Partido Intransigente
8. Partido Obrero Revolucionario-Posadista
9. Partido Socialista
10. Unión de Militantes por el Socialismo

Bolivia
1. Movimiento al Socialismo
2. Movimiento Bolivia Libre
3. Partido Comunista de Bolivia
4. Partido Patria Socialista-Movimiento Guevarista

Brasil
1. Partido de los Trabajadores
2. Partido Comunista de Brasil

Chile
1. Izquierda Cristiana
2. Partido Comunista
3. Partido Humanista
4. Partido Socialista

Colombia:
1. Partido Comunista Colombiano
2. Partido Democrático Alternativo
3. Presentes por el Socialismo

Cuba
1. Partido Comunista de Cuba

Ecuador
1. Movimiento de Unidad Plurinacional Pachakutik - Nuevo País
2. Movimiento Popular Democrático
3. Partido Comunista de Ecuador
4. Partido Comunista Marxista-Leninista del Ecuador
5. Partido Socialista-Frente Amplio

El Salvador
1. Frente Farabundo Martí para la Liberación Nacional

Guatemala:
1. Alianza Nueva Nación
2. Unidad Revolucionaria Nacional Guatemalteca

Honduras:
1. Unificación Democrática

Martinica:
1. Partido Comunista por la Independencia y el Socialismo

México:
1. Partido Comunista de los Mexicanos
2. Partido Comunista de México
3. Partido de la Revolución Democrática
4. Partido del Trabajo

Nicaragua:
1. Frente Sandinista de Liberación Nacional

Panamá:
1. Partido del Pueblo de Panamá

Paraguay:
1. Partido Comunista Paraguayo
2. Partido Democrático Popular
3. Partido Patria Libre (ex Movimiento Patria Libre)
4. Convergencia Popular Socialista
5. Partido Humanista de Paraguay

Perú:
1. Partido Comunista del Perú-Patria Roja
2. Partido Comunista Peruano
3. Partido Nacionalista del Perú
4. Partido Socialista

Puerto Rico:
1. Frente Socialista
2. Movimiento Independentista Nacional Hostosiano
3. Partido Nacionalista de Puerto Rico

República Dominicana:
1. Alianza por la Democracia
2. Fuerza de la Revolución
3. Movimiento Izquierda Unida
4. Partido Comunista del Trabajo
5. Partido de la Liberación Dominicana
6. Partido de los Trabajadores Dominicanos
7. Partido Revolucionario Dominicano

Uruguay:
1. Asamblea Uruguay - FA
2. Corriente de Unidad Frenteamplista - FA
3. Frente Amplio
4. Movimiento 26 de marzo - FA
5. Movimiento de Liberación Nacional Tupamaros - FA
6. Movimiento de Participación Popular
7. Partido Comunista de Uruguay
8. Partido Obrero Revolucionario Troskista-Posadista - FA
9. Partido por la Victoria del Pueblo - FA
10. Partido Socialista de los Trabajadores
11. Partido Socialista de Uruguay - FA
12. Vertiente Artiguista - FA

Venezuela:
1. Liga Socialista
2. Movimiento Electoral del Pueblo
3. Partido Comunista de Venezuela

terça-feira, 13 de maio de 2008

870) Rappers de Chicago homenageiam a The Economist

Teen rappers drop some verse about The Economist
The Economist, Tue, June 6/2008

Maybe we don't have to worry that Americans are too dumb to read the Economist after all.
A teenage rap duo in Chicago has recorded a track, aptly called "The Economist," that extols the British publication's breadth and brevity and samples podcast commentary by correspondents Edward Lucas and Anthony Gottlieb.
"The style in which they write is simple and concise, how do they get their sentences so precise?" the rappers wonder.
[UPDATE: Matt Yglesias quips, "The answer, of course, is 'heavy-handed editing' facilitated by lack of bylines."]
And the chorus is a gem, too: "He reads the Economist so he can get the gist, its solid competence gives him confidence that his intelligence is correct."
The rappers also weigh in on accusations that the Economist pushes a particular line: "Yes, they have a bias; it's pro-democratic. And pro-free trade; they are very emphatic."
Jay-Z it is not. But it is funny stuff.

http://www.guardian.co.uk/media/audio/2008/may/06/economist.rap

Of the Economist he is now an avid reader
Hopes to grow up to be a world leader
The magazine that tells the world how it should be
Cream of the crop since 1843

He reads the Economist so he can get the gist
Its solid competence gives him confidence that his intelligence is correct.

He reads Economist so he can understand
It does a brain scan tryin' to do Iran
So he knows what to expect.

The style in which they write is simple and concise
How do they get their sentences so precise?

It's reasonable like sensible shoes
Not in a bad way, take long-range views
In a land of wackos, they're detached and amused
Those who deserve it, verbally abused
Look, hey, whoa, they even quote The Onion
Smash status quo like old Paul Bunyan
Better than a crystal ball and psychic
When they predict, you go that's more like it

Yes, they have a bias; it's pro-democratic.
And pro-free trade; they are very emphatic.

I guess reading it makes me kind of boring
Well if that's the price I pay for being well informed - too fucking bad.

sábado, 10 de maio de 2008

869) Roubo institucionalizado: a representacao politica brasileira

O tema não tem absolutamente nada a ver com o objeto deste blog, tratando-se apenas de uma reação de um cidadão que, como a maior parte dos brasileiros, trabalha honestamente, cumpre seus deveres cívicos, paga impostos, não sonega (inclusive porque o sistema é extremamente eficiente e reduz ao mínimo essa possibilidade), acompanha a atualidade política e não cessa de se alarmar com o roubo institucionalizado que representa, hoje, nosso sistema político, com politicos profissionais ocupados em transferir renda do conjunto da populacao para seus bolsos (com honrosas e pouquíssimas exceções).
Por isso mesmo, julgo ser do meu dever, alem de ficar inutilmente indignado com o festival de bandalheiras e patifarias a que assistimos TODOS os dias, sem exceção, no cenário político, divulgar ao máximo o custo absurdo desses "representantes" de si mesmos, na esperança de que, outros cidadãos, conscientes, se mobilizem para tentar acabar com esse escândalo.
Nao tenho nenhuma ilusão de que isso ocorra any time soon, mas seria preciso dizer a esses bandidos oficiais que nos governam que ao menos eles não podem nos tomar por idiotas...
-------------
Paulo Roberto de Almeida

Perdulário, submisso e impune
Claudio Weber Abramo
Folha de S. Paulo, 08.05.2008

Dado o peso financeiro das nossas representações parlamentares, é inevitável especular sobre a respectiva relação custo/beneficio

A Mesa Diretora da Câmara dos Depútados aumentou a verba mensal que cada deputado tem à disposição para pagamento de "as­sessores" de gabinete (cabos eleitorais, na verdade). O estipêndio passou de R$ 50 mil paraR$ 60 mil por mês. Cálculo da ONG Contas Abertas es tima que, com o aumento, o custo direto de cada deputado federal se ele vou a R$114 mil mensais. Isso inclui o seu salário, a tal remuneração a cabos eleitorais, uma mesada chamada "in denizatória", despesas com viagens e outros auxílios. Ao todo, R$ 1,368 milhão por ano para cada deputado.

A título de comparação, um membro da Casa dos Comuns britânica custa, por ano, 160 mil libras. Ao câmbio médio de abril de 2008, isso equivale a R$ 536 mil. Ou seja, o custo no minal de um deputado federal brasileiro é mais de 150% superior ao de um parlamentar britânico.
Na verdade, tal comparação é inadequada, pois não leva em conta as diferenças de renda e de custo de vida entre os dois países. Fatorando os números pelo PIB per capita (o da Grã Bretanha é quase quatro vezes superior ao do Brasil), resulta que o custo direto real de cada deputado federal brasileiro é dez vezes maior do que o que se observa na Grã-Bretanha.

Todas as Casas legislativas do país distribuem dinheiro a seus integrantes por conta da "indenização" de despesas alegadamente incorridas no exercício do mandato. Poucas exibem os números. Naquelas que o fazem, observam-se fenômenos curiosos. Por exemplo, cada deputado esta dual gaúcho tem o direito de gastar até R$ 6.100 por mês com combustíveis e manutenção de veículos. Quase todos usam o dinheiro integralmente, sem que a Casa dê a conhecer os respectivos comprovantes. Na Câmara dos Deputados, no Senado e em diversas. outras Casas, é igual: "indenizam-se os parlamentares, mas os comprovantes são mantidos em segredo.

Essa verdadeira festa da uva se repete na virtual totalidade das Casas legislativas do país. Estudos divulgados no ano passado pela Transparência Brasil sobre os orçamentos (ou se ja, custos globais; não apenas os custos diretos incorridos por cada parlamentar) do Congresso, de todas as Assembléias Legislativas estaduais e de todas as Câmaras Municipais de capitais revelam um quadro escandaloso. Para cada brasileiro, e em termos do salário mínimo anual, o peso de manter o Congresso Nacional (Câmara e Senado) é dez vezes superior ao peso correspondente para um cidadão britânico ou alemão, 8,8 vezes para um espanhol; cinco vezes para um norte-americano e assim por diante.

A maioria das Assembléias Legisla tivas estaduais custa mais para o cidadão do que custam todas as Assembléias nacionais européias. Duas Câmaras Muncipais (São Paulo e Rio de Janeiro) estão entre as campeãs mundiais de gastos. Tendo em vista o peso financeiro das representações parlamentares do país, é inevitável especular sobre a respectiva relação custo/benefício. E óbvio que a generosidade financeira, aliada à falta de controle, atrai caçadores de renda. .

Dados acumulados no projeto Excelências da Transparência Brasil mostram que a Câmara dos Deputados inclui entre seus integrantes nada menos que 178 indivíduos (ou seja, 35% do total de 513 deputados) que respondem em segunda ou terceira instância a processos judiciais por delitos graves ou já foram punidos por Tribunais de Contas. No Senado, essa razão é de 38%. Na Assembléia Legislativa de Goiás, eles são 73%, na de Rondônia, 58% etc.

Ao lado disso, os parlamentos brasileiros se entregam vorazmente ao jogo de cooptação orquestrado pelo Executivo. Como no Brasil o presidente da República pode nomear cerca de 24 mil pessoas para ocupar cargos de confiança, como o governador de São Paulo (por exemplo) nomeia 20 mil indivíduos, e isso se repete em todos os lugares, os Executivos usam a prerrogativa para comprar o apoio dos partidos, populando a administração com exércitos de agentes políticos cuja preocupação com o interesse público pode ser aquilatada pela estatística de casos de corrupção noticiados pela imprensa - nada menos de 1.240 novos escândalos por ano.

Disso só pode resultar o descrédito com a política que se observa no Bra sil, com desgaste da legitimidade da representação eleitoral. Isso só poderá ser revertido por alterações institucionais. Três sobressaem: reduzir de forma drástica a prerrogativa de o Poder Executivo nomear pessoas para ocupar cargos na administração; impedir que pes soas já condenadas em segunda instância em processos criminais participem da vida política; cortar a pelo menos um quinto os orçamentos dos Legislativos.

CLAUDIO WEBER ABRAMO, matemático pela USP e mestre em lógica e filosofia da ciência pela Unicamp, é di retor-executivo da Transparência Brasil, organização de dicada ao combate à corrupção.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

868) Ainda a reforma ortografica: dicas

O que muda com a reforma da língua portuguesa
Brasil se prepara para reforma ortográfica
DANIELA TÓFOLI
da Folha de S.Paulo

O fim do trema está decretado desde dezembro do ano passado. Os dois pontos que ficam em cima da letra u sobrevivem no corredor da morte à espera de seus algozes. Enquanto isso, continuam fazendo dos desatentos suas vítimas, que se esquecem de colocá-los em palavras como freqüente e lingüiça e, assim, perdem pontos em provas e concursos.

O Brasil começa a se preparar para a mudança ortográfica que, além do trema, acaba com os acentos de vôo, lêem, heróico e muitos outros. A nova ortografia também altera as regras do hífen e incorpora ao alfabeto as letras k, w e y. As alterações foram discutidas entre os oito países que usam a língua portuguesa --uma população estimada hoje em 230 milhões-- e têm como objetivo aproximar essas culturas.

Não há um dia marcado para que as mudanças ocorram --especialistas estimam que seja necessário um período de dois anos para a sociedade se acostumar. Mas a previsão é que a modificação comece em 2008.

O Ministério da Educação prepara a próxima licitação dos livros didáticos, que deve ocorrer em dezembro, pedindo a nova ortografia. "Esse edital, para os livros que serão usados em 2009, deve ser fechado com as novas regras", afirma o assessor especial do MEC, Carlos Alberto Xavier.

É pela sala de aula que a mudança deve mesmo começar, afirma o embaixador Lauro Moreira, representante brasileiro na CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa). "Não tenho dúvida de que, quando a nova ortografia chegar às escolas, toda a sociedade se adequará. Levará um tempo para que as pessoas se acostumem com a nova grafia, como ocorreu com a reforma ortográfica de 1971, mas ela entrará em vigor aos poucos."

Tecnicamente, diz Moreira, a nova ortografia já poderia estar em vigor desde o início do ano. Isso porque a CPLP definiu que, quando três países ratificassem o acordo, ele já poderia vigorar. O Brasil ratificou em 2004. Cabo Verde, em fevereiro de 2006, e São Tomé e Príncipe, em dezembro.

António Ilharco, assessor da CPLP, lembra que é preciso um processo de convergência para que a grafia atual se unifique com a nova. "Não se podem esperar resultados imediatos."

A nova ortografia deveria começar, também, nos outros cinco países que falam português (Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor Leste). Mas eles ainda não ratificaram o acordo.

"O problema é Portugal, que está hesitante. Do jeito que está, o Brasil fica um pouco sozinho nessa história. A ortografia se torna mais simples, mas não cumpre o objetivo inicial de padronizar a língua", diz Moreira.

"Hoje, é preciso redigir dois documentos nas entidades internacionais: com a grafia de Portugal e do Brasil. Não faz sentido", afirma o presidente da Academia Brasileira de Letras, Marcos Vilaça.

Para ele, Portugal não tem motivos para a resistência. "Fala-se de uma pressão das editoras, que não querem mudar seus arquivos, e de um conservadorismo lingüístico. Isso não é desculpa", afirma.

As novas regras da língua portuguesa devem começar a ser
implementadas em 2008. Mudanças incluem fim do
trema e devem mudar entre 0,5% e 2% do
vocabulário brasileiro. Veja abaixo quais são as mudanças.

HÍFEN
Não se usará mais:
1. quando o segundo elemento começa com s ou r,
devendo estas consoantes ser duplicadas, como em
"antirreligioso", "antissemita", "contrarregra",
"infrassom". Exceção: será mantido o hífen quando
os prefixos terminam com r -ou seja, "hiper-",
"inter-" e "super-"- como em "hiper-requintado",
"inter-resistente" e "super-revista"
2. quando o prefixo termina em vogal e o segundo
elemento começa com uma vogal diferente.
Exemplos: "extraescolar", "aeroespacial", "autoestrada"

TREMA
Deixará de existir, a não ser em nomes próprios e seus derivados

ACENTO DIFERENCIAL
Não se usará mais para diferenciar:
1. "pára" (flexão do verbo parar) de "para" (preposição)
2. "péla" (flexão do verbo pelar) de "pela"
(combinação da preposição com o artigo)
3. "pólo" (substantivo) de "polo" (combinação antiga e popular de "por" e "lo")
4. "pélo" (flexão do verbo pelar), "pêlo"
(substantivo) e "pelo" (combinação da preposição com o artigo)
5. "pêra" (substantivo - fruta), "péra"
(substantivo arcaico - pedra) e "pera" (preposição arcaica)

ALFABETO
Passará a ter 26 letras, ao incorporar as letras "k", "w" e "y"

ACENTO CIRCUNFLEXO
Não se usará mais:
1. nas terceiras pessoas do plural do presente do
indicativo ou do subjuntivo dos verbos "crer",
"dar", "ler", "ver" e seus derivados. A grafia
correta será "creem", "deem", "leem" e "veem"
2. em palavras terminados em hiato "oo", como
"enjôo" ou "vôo" -que se tornam "enjoo" e "voo"

ACENTO AGUDO
Não se usará mais:
1. nos ditongos abertos "ei" e "oi" de palavras
paroxítonas, como "assembléia", "idéia", "heróica" e "jibóia"
2. nas palavras paroxítonas, com "i" e "u"
tônicos, quando precedidos de ditongo. Exemplos:
"feiúra" e "baiúca" passam a ser grafadas "feiura" e "baiuca"
3. nas formas verbais que têm o acento tônico na
raiz, com "u" tônico precedido de "g" ou "q" e
seguido de "e" ou "i". Com isso, algumas poucas
formas de verbos, como averigúe (averiguar),
apazigúe (apaziguar) e argúem (arg(ü/u)ir),
passam a ser grafadas averigue, apazigue, arguem

GRAFIA
No português lusitano:
1. desaparecerão o "c" e o "p" de palavras em que
essas letras não são pronunciadas, como "acção",
"acto", "adopção", "óptimo" -que se tornam "ação", "ato", "adoção" e "ótimo"
2. será eliminado o "h" de palavras como "herva"
e "húmido", que serão grafadas como no Brasil -"erva" e "úmido"

===================

Livros didáticos de 2010 já terão nova ortografia

MEC também autoriza editoras a fazerem adaptações nas obras a partir do ano que vem; para associação do setor, decisão é precipitada

O Ministério da Educação (MEC) publicou ontem uma resolução no Diário Oficial da União exigindo que os livros didáticos que serão comprados para as escolas públicas a partir de 2010 estejam de acordo com as novas normas ortográficas da Língua Portuguesa.

O mesmo documento também autoriza as editoras a já fazerem essa adaptação no ano que vem. O governo brasileiro é um dos maiores compradores de livros didáticos do mundo; em 2007 foram cerca de 120 milhões de exemplares.

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa foi assinado em Lisboa, em dezembro de 1990, e ratificado pelo Brasil e por outros três países de língua portuguesa. O parlamento de Portugal deve votar o acordo no dia 15, mas sua aprovação é contestada por intelectuais que já reuniram mais de 17 mil assinaturas contra o projeto. Entre as principais mudanças no Brasil, estão a eliminação do trema e dos acentos diferenciais.

O acordo deve entrar em vigor em 1º de janeiro de 2009 no País. “Já preparamos uma minuta sobre isso que ainda precisa ser assinada pelo presidente da República”, diz a integrante da Comissão de Definição da Política de Ensino, Aprendizagem, Pesquisa e Promoção da Língua Portuguesa (Colip), ligada ao MEC, a lingüista Estella Maris Bortoni. O grupo é responsável pelas discussões das novas normas no Brasil.

“Foi uma decisão precipitada, já que não existe nem um vocabulário oficial da nova norma”, diz o presidente da Associação Brasileira de Editores de Livros (Abrelivros), Jorge Arinos. Segundo ele, as editoras estão tendo de contratar profissionais para corrigir página por página dos protótipos dos livros que serão vendidos em 2010, mas que já devem ser enviados ao MEC até julho. “Não há sequer um corretor em computador que faça isso.”

Segundo o diretor do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do MEC responsável pelos livros didáticos, Rafael Torino, a parte da resolução que fala sobre os livros de 2009 atendeu a um pedido de editoras. Ele explica que o edital do programa do livro pede que as empresas entreguem ao MEC exatamente o mesmo livro que foi apresentado para avaliação. “Como muitas já estavam fazendo as mudanças agora, resolvemos autorizar que elas entregassem esses livros diferentes em 2009.”

É o caso dos produtos da Editora Nova Geração, que, segundo seu diretor, Arnaldo Saraiva, já foram todos adaptados à nova norma. “Essa resolução está até atrasada, o País todo já deveria estar se adaptando”, diz. Já a Editora FTD, que vende cerca de dez coleções para o MEC, ainda não tem livros com a ortografia modificada para oferecer em 2009. “Vamos correr, mas é impossível mudar todos”, diz a coordenadora editorial da FTD, Silmara Vespasiano.

No ano que vem, o MEC enviará às escolas cerca de 50 milhões de exemplares para o ensino médio e outros livros para um programa que equipa bibliotecas. Em 2010, haverá compras para alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. “Serão livros completamente novos, que ainda serão produzidos, por isso devem vir obrigatoriamente com a nova ortografia”, diz Torino.

Mudanças
Trema: Deixará de existir, a não ser em nomes próprios
Hífen 1: Não será mais usado quando o segundo elemento começar com “r” ou “s”. Essas letras deverão ser duplicadas. Exemplos: antissemita e contrarregra
Hífen 2: Não será mais usado quando o primeiro elemento termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. Exemplos: extraescolar e autoestrada
Acento circunflexo 1: Não será mais usado nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar, ler e ver. Exemplos: creem, leem, deem
Acento circunflexo 2: Não será mais usado em palavras terminadas com hiato “oo”, como em enjoo e em vôo
Acento agudo: Não será mais usado em palavra terminada em “eia” e “oia”. Exemplos: ideia, jiboia
(O Estado de SP, 9/5)

sexta-feira, 2 de maio de 2008

867) Trabalhos PRA sobre integração regional (Mercosul and the like)

Regionalismo comercial, integração sul-americana, Mercosul
Trabalhos de Paulo Roberto de Almeida
(maiores informações no site www.pralmeida.org)

Livros e capítulos de livros:

“Acordos minilaterais de integração e de liberalização do comércio: Uma ameaça potencial ao sistema multilateral de comércio” in Sidney Guerra (org.), Globalização: Desafios e Implicações para o Direito Internacional Contemporâneo (Ijuí: Ed. Unijuí, 2006, 458 p.; ISBN: 85-7429-522-1; p. 187-203)
“O Brasil e o processo de formação de blocos econômicos: conceito e história, com aplicação aos casos do Mercosul e da Alca” in Eduardo Biacchi Gomes e Tarcísio Hardman Reis (orgs.), Globalização e o Comércio Internacional no Direito da Integração (São Paulo: Aduaneiras, 2005; ISBN: 85-7129-449-6, p. 17-38).
“Mercosul e Alca na perspectiva do Brasil: uma avaliação política sobre estratégias de atuação diplomática”, in Wagner Menezes (org.), O Direito Internacional no Cenário Contemporâneo (Curitiba: Editora Juruá, 2003, ISBN 85-362-0281-5, 326 p., p. 199-215).
“A Alca e o interesse nacional brasileiro: doze questões em busca de um debate racional”, in Wagner Rocha D’Angelis (org.), Direito Internacional do Século XXI: integração, justiça e paz (Curitiba: Ed. Juruá, 2003, 388 p.; p. 127-154).
“Trajetória do Mercosul em sua primeira década (1991-2001): uma avaliação política a partir do Brasil”, in Luiz Otávio Pimentel (org.), Direito da Integração: Estudos em Homenagem a Werter R. Faria (Curitiba: Juruá, 2001, 2 v., ISBN 85-7394-855-8; II, p. 305-362).
“Dez Anos de Mercosul: uma visão brasileira” in GEDIM (Globalização Econômica e Direitos no Mercosul) (org.), Anuário GEDIM 2001 (Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001, v. 1, p. 127-174).
“O futuro do Mercosul: Os desafios da agenda interna e da liberalização hemisférica” in Marcos Costa Lima; Marcelo de Almeida Medeiros (orgs.), O Mercosul no limiar do século XXI (São Paulo-Buenos Aires: Cortez-Clacso, 2000, v. 1, p. 17-26).
Mercosud: un marché commun pour l’Amérique du Sud (Paris: L’Harmattan, 2000)
“O Brasil e o futuro do Mercosul: dilemas e opções” in Paulo Borba Casella (coord.), MERCOSUL: integração regional e globalização (Rio de Janeiro: Renovar, 2000, p. 13-38)
Mercosul, Nafta e Alca: a dimensão social (São Paulo: LTr, 1999, 272 p.; ISBN: 85-7322-635-8; co-organizado com Yves Chaloult).
“Problemas da Integração no Mercosul: Obstáculos Estruturais e Conflitos Negociais” in Araminta de Azevedo Mercadante; José Carlos de Magalhães (orgs.), Solução e Prevenção de Litígios Internacionais (Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999, v. 2, p. 469-492).
Mercosul: Fundamentos e Perspectivas (São Paulo: Editora LTr, 1998, 160 p.; ISBN: 85-7322-548-3)
“O Mercosul no contexto global” in Celso Ribeiro Bastos; Cláudio Finkelstein (orgs.), Mercosul. Lições do Período de Transitoriedade (São Paulo: Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, 1998, p. 109-135).
“Mercosur y Unión Europea: de la cooperación a la asociación” in Georges Couffignal e Germán A. de la Reza. (org.). Los Procesos de Integración en América Latina: enfoques y perspectivas (Estocolmo: Institute of Latin American Studies, University of Stockholm, 1996, v. 1, p. 113-130).
L’Intégration latino-américaine et le Mercosud (Paris: Ambassade du Brésil, avril 1995, 68 pp.).
O Mercosul no contexto regional e internacional (São Paulo: Edições Aduaneiras, 1993, 204 p.; ISBN: 85-7129-098-9)

Artigos:

1844. “Integração regional e inserção internacional dos países da América do Sul: evolução histórica, dilemas atuais e perspectivas futuras”, Brasília, 12 dezembro 2007, 55 p. Em publicação.
1836. “Regionalismo Sul-Americano: uma visão a partir do Brasil”, Pontes entre o comércio e o desenvolvimento sustentável (ICTSD; Direto FGV; vol. 3, nr. 6, dezembro 2007; ISSN: 1813-4378; p. 10-11; link: http://www.ictsd.org/monthly/pontes/PONTES3-6.pdf).
1820. “Mercosul e América do Sul na visão estratégica brasileira: revisão histórica e perspectivas para o futuro”, Brasília, 7 outubro 2007, 32 p.
1786. “Tendências do regionalismo comercial: evolução histórica e perspectivas atuais”, Brasília, 22 agosto 2007, 30 p. Capítulo de livro sobre integração econômica regional, sob coordenação de Eduardo Lobo e Frederico Marchiori, a ser editado pela Saraiva.
1612. “América do Sul: rumo à desintegração política e à fragmentação econômica?”, Carta Internacional (São Paulo: Nupri-USP; vol. 1, n. 2, julho 2006, ISSN: 1413-0904; p. 6-10; link: http://www.usp.br/cartainternacional/modx/index.php?id=59; formato pdf: http://www.usp.br/cartainternacional/modx/assets/CartaInter_2006-02.pdf).
1596. “Benefícios econômicos da integração européia”, seminário sobre “Integração Regional: Experiências da União Européia e América Latina” (Brasília, Finatec, 10 maio; postado no site da Delegação da Comissão Européia no Brasil, link: http://www.delbra.ec.europa.eu/pt/downloads/PauloRobertoAlmeida_UE-AL.ppt).
1564. “O Mercosul aos quinze anos”, O Povo (Fortaleza: domingo, 26 março 2006, link: www.opovo.com.br; editoria de Economia).
1549. “Problemas conjunturais e estruturais da integração na América do Sul: a trajetória do Mercosul desde suas origens até 2006”, Meridiano 47 - Boletim de Análise da Conjuntura em Relações Internacionais (Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, ISSN 1518-1219, nº 68, março 2006, p. 4-9; link: links: http://www.relnet.com.br/cgi-bin/WebObjects/RelNet.woa/1/wo/q8MpTi97BtDaoz6uzO0by0/4.28.1.1.1.0.0).
1458. “O Mercosul não é para principiantes: sete teses na linha do bom senso”, Espaço Acadêmico (a. V, n. 53, out. 2005; http://www.espacoacademico.com.br/053/53almeida.htm).
1553. “La dimension sociale de l’intégration en Amérique du Sud: politiques stratégiques et options sociales”, Symposium de Haut Niveau sur les Dimensions Sociales des processus d’intégration régionale (Paris: Unesco, série Multilatéralisme régional, nº 6, 15 p.; SHS-2006/WS/MR/6; disponível no link: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001462/146221F.pdf).
1424. “Políticas de Integração Regional no Governo Lula”, revista Política Internacional (Lisboa, Portugal: nº 29, II série, dezembro 2005, p. 33-60; número especial “O Brasil de Lula: retrospectiva 2003-2005, perspectiva 2006”; orgs.: Clóvis Brigagão e Silvério Zebral).
1404. “O Plebiscito Impossível: Treze más razões para opor-se à Alca e uma boa para dizer não”, Brasília, 7 mar. 2005, 13 p. Comentários a texto circulando na Internet, intitulado “Plebiscito: Treze razões para dizer não à Alca”. Publicado na revista Espaço Acadêmico (a. IV, n. 48, mai. 2005; http://www.espacoacademico.com.br/048/48pra.htm).
1342. “Do afastamento à integração: as relações do Brasil com a América Latina, do século XIX ao século XXI” (“Laços Latinos”), Revista de História da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro: ano 1, nº 8, fevereiro-março 2006, p. 76-81; ISSN: 1808-4001).
1094. “Democracia e desenvolvimento: uma perspectiva hemisférica”, revista eletrônica Achegas (Rio de Janeiro, n. 13, 9 nov. 2003; ISSN: 1677-8855; www.achegas.net/numero/treze/pralmeida_13.htm).
1087. “A Alca e o interesse nacional brasileiro: doze questões em busca de um debate racional”, Espaço Acadêmico (Maringá, n. 27, ago. 2003; ISSN: 1519.6186; http://www.espacoacademico.com.br/027/27pra.htm).
1081. “A Alca Possível: Comentários a artigo do Ministro de Estado”, Washington, 17 jul. 2003, 9 p. Comentários ao artigo do Ministro de Estado, Celso Amorim, “A Alca Possível” (Folha de São Paulo, 8.07.03).
1079. “A Alca do gigante e a Alca dos anões: incompatibilidade de gênios?”, Resenha de Tullo Vigevani e Marcelo Passini Mariano, Alca: o gigante e os anões (São Paulo: Editora Senac-São Paulo, 2003; ISBN: 85-7359-305-9; 174 p.). Publicado em versão completa no site Parlata (http://www.parlata.com.br/parlata_indica_interna.asp?seq=15); e na revista Plenarium (Brasília: Câmara dos Deputados, a I, n. 1, nov. 2004, p. 255-264; http://www2.camara.gov.br/publicacoes/edicoes/plenarium1), disponível no site pessoal: http://www.pralmeida.org/06LinksColabor/04Plenarium.html).
1074. “A quem interessa a ALCA?: uma tentativa de resposta”, Washington, 5 jul. 2003, 15 p. Texto de comentários ao artigo “A quem interessa a ALCA?”, de Henrique Rattner (rattner@abdl.org.br; www.abdl.org.br/rattner/inicio.htm), publicado na revista Espaço Acadêmico, n. 26, jul. 2003; ISSN: 1519.6186; http://www.espacoacademico.com.br/026/26rattner.htm). Encaminhado em caráter particular ao autor, em 5/07/2003.
1009. “O Mercosul em crise: que fazer?”, Boletim de Comércio Internacional (Rio de Janeiro: Castro, Barros, Sobral e Gomes Advogados, a. I, n. 2, mai/jun. 2004, p. 3-14; http://www.cbsg.com.br/pdf_publicacoes/boletim_de_comercio_internacional_MAIO_JUNHO_04%20.pdf); “O Mercosur e a crise: ¿que facer?” na revista galega Tempo Exterior, revista de análise e estudios internacionales (Baiona: IGADI - Instituto Galego de Análise e Documentación Internacional (http://www.igadi.org); Segunda etapa; v. IV, n. 6, Xan/Xuño 2003, p. 111-122; http://www.igadi.org/arquivo/pdf/te_se06/te18_6_111paulo_roberto_almeida.pdf).
943. “Sinais Trocados na Alca: Teria a esquerda deixado de ser progressista e passado a trabalhar contra os interesses daqueles com quem supostamente se identifica?”, Revista Autor (a. II, n. 17, especial, nov. 2002); sob o título de “Sinais trocados na Alca” no website Gramsci e o Brasil, (11.11.02; http://www.artnet.com.br/gramsci/arquiv233.htm); incorporado ao livro (Relação de Trabalhos n. 976) A Grande Mudança: conseqüências econômicas da transição política no Brasil (São Paulo: Códex Editora, 2003).
940. “A Alca e os interesses do Brasil”, Washington, 3 set. 2002, 7 p. Comentários a propósito da síntese elaborada por D. Demétrio Valentini (CNBB) em torno do “Pronunciamento dos Bispos do Canadá sobre a Alca”, demonstrando equívocos e inconsistências na posição dos opositores da Alca, por ocasião do plebiscito nacional organizado pela CNBB (e outras organizações) para “rejeitar” a participação do Brasil nas negociações.
855. “Mercosul: da união alfandegária à união monetária”, revista Estratégia (Lisboa; Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais).
850. Mercosul em sua primeira década (1991-2001): uma avaliação política a partir do Brasil, INTAL-BID, (Buenos Aires: Documento de Divulgação n. 14, Série INTAL/ITD/STA, Divisão de Integração, Comércio e Assuntos Hemisféricos, Unidade de Estatística e Análise Quantitativa, abr. 2002, 64 p.; http://www.iadb.org/INTAL/aplicaciones/uploads/publicaciones/p_INTALITDSTA_DD_14_2002_deAlmeida.pdf); revista Impulso (Piracicaba, SP: Editora Unimep, ISSN: 0103-7676; v. 13, n. 31, mai/ago. 2002, p. 9-45).
811. “Uma Constituição para o Mercosul?: uma proposta modesta: recuar, para melhor saltar”, Washington, 12 set. 2001, 5 p. Comentários sobre a crise e proposta de nova arquitetura institucional para o Mercosul. Inédito.
791. “O Brasil e os blocos regionais: soberania e interdependência”, São Paulo em Perspectiva (São Paulo: Fundação SEADE, trimestral, v. 16, n. 1, jan/mar. 2002, número especial sobre o “Brasil e os blocos internacionais”; p. 3-16; http://www.scielo.br/pdf/spp/v16n1/12119.pdf (link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000100002&lng=en&nrm=iso).
701. “A Experiência de Integração Européia e a Evolução do Mercosul”, Civitas, Revista de Ciências Sociais (Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUC-RS, ano I, nº 1, junho de 2001, pp. 37-53).
700. “Mercosul: problemas da coordenação de políticas macroeconômicas e de uma futura união monetária”, Brasília, 28 julho 1999, 19 pp. Palestra em seminário da Fundação Konrad Adenauer no Rio de Janeiro, em painel sobre integração monetária na UE e no Mercosul.
693. “A integração Brasil-Argentina e o Mercosul”, Brasília, 25 junho 1999, 27 pp. Apostila para curso de pós-graduação em Comércio Exterior e Câmbio, ministrado na Fundação Getúlio Vargas (Brasília), em 29-30.06.99 e 1º.07.99, em três módulos sucessivos: 1. O PICE e o Mercosul; 2. Tratado de Assunção e Protocolo de Ouro Preto e 3. Tarifa Externa Comum, listas de exceção, listas de adequação.
671. “Relações Brasil-Estados Unidos da União Americana à ALCA”, Brasília 16 março 1999, 9 pp. Comentários preliminares ao texto de Clodoaldo Bueno: “Relações Brasil-Estados Unidos na Primeira República: uma referência para a atual tensão Mercosul-Nafta”, em discussão em seminário no IEA-USP, em 17.03.99.
559. “O Mercosul e os processos de integração nas Américas no contexto do sistema econômico internacional: uma cronologia comentada”, Boletim de Diplomacia Econômica (Brasília: Ministério das Relações Exteriores, SGIE/GETEC: nº 20/21, 1996/97, pp. 70-76).
566. “A marcha da integração no MERCOSUL: vivace ma non troppo”, Brasília, 11 junho 1997, 12 p. Artigo-resenha cobrindo os seguintes livros: Felipe A. M. de la Balze (comp.): Argentina y Brasil: enfrentando el Siglo XXI (s.l. [Buenos Aires:] Consejo Argentino para las Relaciones Internacionales-Asociación de Bancos de la República Argentina, 1995, 487 p.); Hélio Zylberstain, Iram Jácome Rodrigues, Maria Silvia Portella de Castro, Tullo Vigevani (orgs): Processos de Integração Regional e Sociedade: o sindicalismo na Argentina, Brasil, México e Venezuela (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996, 381 p.); Haroldo Pabst: MERCOSUL: direito da integração (Rio de Janeiro: Forense, 1997, 278 p.); Ana Cristina Paulo Pereira: MERCOSUL: o novo quadro jurídico das relações comerciais na América Latina (Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 1997, 208 p.); Luizella Giardino B. Branco: Sistema de Solução de Controvérsia no MERCOSUL: perspectivas para a construção de um modelo institucional permanente (São Paulo: Editora LTr, 1997, 180 p.); Deisy de Freitas Lima Ventura: A ordem jurídica do MERCOSUL (Porto Alegre: Livraria do Advogado editora, 1996, 168 p.); MERCOSUL: acordos e protocolos na área jurídica (Porto Alegre: Livraria do Advogado editora, 1996, 153 p.). Publicado, com cortes, na Revista Brasileira de Política Internacional (ano 40, nº 1, 1997, pp. 222-231).
535. “O Mercado Comum do Sul: histórico e estrutura institucional”, Brasília, 11 Setembro 1996, 47 p. Texto preparado, com base no livro sobre o Mercosul e trabalhos esparsos, para servir de suporte a duas palestras inaugurais no curso “Mercosul: estrutura e viabilização de negócios”, ministrado a convite da Gerência do Programa de Comércio Exterior da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda na Escola de Administração Fazendária, Brasília, nos dias 23 e 24 de setembro de 1996. Feita apostila (anexos: Tratado de Assunção e Protocolo de Ouro Preto) e transparências do curso.
518. “O Mercosul por quem o fez”, Brasília, 17 março 1996, 3 p. Resenha de Sérgio Abreu e Lima Florêncio e Ernesto Henrique Fraga Araújo: Mercosul Hoje (São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1996). Inédito na versão completa. Publicado em versão resumida na Revista Brasileira de Política Internacional (vol. 39, n° 1, janeiro-julho 1996, p. 175-177).
477. “Cronologia da Integração Latino-Americana no Contexto do Sistema Econômico Internacional”, Boletim de Integração Latino-Americana (Brasília: n° 16, janeiro-abril de 1995, pp. 143-150).
441. “Mercosul e União Européia: Vidas Paralelas ?”, Boletim de Integração Latino-Americana (Brasília: n° 14, julho-agosto-setembro de 1994, pp. 16-25).
nº 1, junho-julho-agosto 1994, pp. 84-96).

Lista efetuada em 3 de maio de 2008

(trata-se de uma seleção de publicados, entre outros mais que permaneceram inéditos)