O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Balanço geral ao final de 2014: algumas estatísticas - Paulo Roberto de Almeida


Balanço geral ao final de 2014: algumas estatísticas:
Contabilidade elementar de um ano produtivo

Paulo Roberto de Almeida


Todo final de ano, assim como os começos de um novo ano, na verdade as grandes etapas cronológicas e de calendário civil que balizam as nossas vidas, servem invariavelmente para fazer algum balanço quantitativo, se possível qualitativo também, do período encerrado, com alguma contabilidade rudimentar e alguma avaliação do que foi feito. Os mais precavidos, ou organizados – o que não é exatamente o caso deste que aqui escreve – também aproveitam para fazer para algum planejamento para o período mais à frente, que pode ser um ano mais, ou vários, até uma década inteira, dependendo dos horizontes que podem ser descortinados para cada um, em função de seus objetivos de vida, de suas prioridades, ou até de seus compromissos já assumidos, ou de simples necessidades corriqueiras.
Não é diferente comigo, a despeito do fato que tenho feito, regularmente, um simples registro contábil dos trabalhos produzidos, bem como daqueles publicados, duas listas separadas, e regularmente revistas e corrigidas, que mantenho desde o dia, aí no começo dos anos 1980, em que percebi que eu estava me perdendo na pletora de cópias em papel (alguns até no velho carbono, ou em xerox descoloridas) que mantinha de meus antigos trabalhos (os que se salvaram das muitas mudanças de residência desde a juventude), e da dispersão de vários outros, em formatos diversos, nos lugares mais impossíveis. Comecei então a organizar esses trabalhos em ordem cronológica, desde o mais antigo recuperado (que não era, obviamente, o mais antigo produzido) até o mais recente salvo da desordem anterior; coloquei-os em pastas, que eram os antigos classificadores de escritório, com os dois tradicionais furos à esquerda, embora eles fossem de tamanhos diversos, papeis enegrecidos por máquinas de escrever manual, até o modelo mais recente de que dispunha então: uma IBM elétrica, de esferas, que comprei especificamente para redigir a tese de doutorado, junto com uma copiadora pessoal, ambos me custando, na Suíça, o equivalente de um carro usado, pelo menos.
Na verdade, comecei a fazer o registro, e a guarda dos papeis, depois de terminada a tese de doutorado, dois alentados volumes, em francês, sobre a revolução burguesa no Brasil – já em transição de uma explicação tipicamente marxista, ou “florestânica”, do processo, para uma interpretação mais eclética do fenômeno – e já de volta ao Brasil, depois de um primeiro período como diplomata no exterior, entre a Suíça e a Iugoslávia (com dezenas de viagens por toda a Europa, e uma reflexão profunda sobre regimes econômicos e sistemas políticos, justamente, numa fase de socialismo terminal). Ao dar início, ou ao retomar, uma carreira acadêmica antes iniciada mas interrompida por razões profissionais e familiares, decidi, portanto, colocar em ordem os papeis sobreviventes, e começar a anotar sistematicamente tudo o que eu escrevia (de definitivo, ou seja, trabalhos terminados) e tudo o que era publicado (até então pouca coisa, inclusive algumas com nom de plume, dado o regime militar). As duas listas foram continuadas invariavelmente em todas as circunstâncias, geralmente em bases anuais, embora no começo, e retrospectivamente, juntando vários anos, o que tem sido feito com algum cuidado nos últimos 30 anos.
Todas essas listas encontram-se à disposição dos poucos curiosos em meu site, onde existem, justamente, duas seções em destaque, uma dedicada aos originais, outra aos publicados. Nem todas as listas foram atualizadas – pois ocorreram correções ulteriores – mas elas registram com absoluta fidelidade e transparência o que tenho produzido como esforço intelectual, para fins profissionais (dispensando os expedientes oficiais, obviamente), para finalidades acadêmicas, ou de simples divertimento pessoal. Ao longo do período, melhorias tecnológicas foram sendo introduzidas, a mais relevante sendo a passagem da máquina de escrever, condenada ao produto único, ao computador, esse monstro obediente que veio incrementar a produtividade e até algumas más práticas, como pode ser o recurso exagerado ao Lavoisier (para quem não sabe, trata-se daquele sábio francês do Iluminismo e da Revolução, que disse uma vez algo do tipo “na vida, nada se perde, nada se ganha, tudo se transforma”).
O computador entrou na minha vida no ano tardio de 1987 –  os chamados PCs já existiam desde o início da década, mas na época eles eram absurdamente caros, e no Brasil o dobro, sempre o dobro, talvez até o triplo, como vocês podem imaginar – e só quando eu já tinha um salário razoável no exterior, e ainda assim foi caro. Lembro-me até hoje do meu primeiro, e único, MacIntosh Plus, sem disco rígido, tudo cabendo num pequeno floppy disk de 720kb: sistema operacional, programa de redação, e todos os arquivos. Muita coisa não cabia, obviamente, assim que a minha segunda aquisição da era da informática foi um disco rígido externa, na época fabricado na Irlanda, e não no México, o que chamou a minha atenção para esse pequeno país europeu que ainda era um dos mais pobres da então Comunidade Econômica Europeia. Logo passei a um Mac SE, com disco rígido interno (mas ainda limitado) e os mesmos floppy disks de arquivo e transferência de dados. A internet ainda não tinha vigência, ou pelo menos não existia comercialmente, o que veio a ocorrer no início dos anos 1990, quando me associei à Compuserve, um dos primeiros serviços nessa área, mas ainda dependentes de lentíssimos modens utilizando a linha telefônica discada. Que atraso magnífico, que progressos fantásticos!
A opção pelo sistema da Apple, excludente e exclusivamente proprietário, sempre teve um custo adicional, em relação aos horríveis PCs, da linha MS-DOS, então disponíveis amplamente, a um custo mais baixo; esse custo se traduzia não apenas pelo preço superior de comercialização dos Macs, mas também pela quase ausência de comunicação direta com o mundo dos PCs, então como agora dominantes no mundo profissional. A decisão da Apple de nunca licenciar sua tecnologia para terceiros fabricantes impunha esse custo adicional à sua clientela fiel, que se dispunha a pagar em torno de um terço a mais para dispor de uma tecnologia superior. No universo pré-Windows – que sempre foi uma cópia mal feita do Mac-OS, um Rwuindows, como dizíamos – éramos obrigados a ter filtros especiais para transpor determinados arquivos preparados no Mac para a plataforma MS-DOS, bem mais atrasada e limitada.
Depois, a grande briga entre Apple e Microsoft amainou – os processos recíprocos por infração à propriedade intelectual descontinuados – e o diálogo se estabeleceu perfeitamente, sem que exista, atualmente, qualquer dificuldade de transposição de arquivos, muito embora os programas e as plataformas ainda continuem incompatíveis em grande medida (com exceção, atualmente, das ferramentas via web, que usam praticamente a mesma linguagem). E por que digo tudo isso? Porque, no início de minha “vida informática” eu era a trabalhar em ambiente hostil, no trabalho e especialmente no Brasil, onde os Macs eram raríssimos, obrigados os usuários a se manter em contato quase que numa verdadeira confraria de iniciados.
Mas eu me desvio do tema principal deste texto, que é apenas dedicado ao balanço deste ano que se encerra, não a uma história completa de minha proliferação produtiva, reconhecidamente exagerada, sob diversos critérios. Pois bem, o que podemos sumarizar a partir das estatísticas disponíveis? Vamos dividir este balanço segundo as grandes seções correntemente usadas nos registros: originais, publicados e trabalhos variados em plataformas específicas (como podem ser meus blogs e os de terceiros). Comecei o ano de 2014 pelo trabalho de número 2.551, terminando por este de n. 2.740, o que perfaz, portanto, 189 trabalhos completos (e eu só dou um número quando o trabalho é considerado finalizado, deixando os incompletos em diversas pastas de working files). Alguns desses 189 trabalhos representam mera assemblagem de textos anteriores, o que significaria diminuir ligeiramente o volume total, mas também seria válido considerar algumas dezenas de outros que ficaram incompletos no decurso do ano, a despeito de acumularem um número indefinido de páginas produzidas.
Considerando, portanto, esses 189 trabalhos, eles totalizaram 2.641 páginas, com alguma repetição no ano, como afirmado acima, como resultado da recuperação de trabalhos de anos anteriores, e por incorporação de artigos já escritos anteriormente em um volume maior (é o caso dos livros), mas que de toda forma implicaram em revisão de cada um deles, página por página, linha por linha, e a introdução de correções e novos acréscimos e modificações em diversas partes. Tal volume representa a redação, ou trabalho equivalente, de 220 páginas por mês, ou cerca de 7,3 páginas por dia, o que representa esforço considerável, para todos os efeitos. Mesmo se descontarmos todas as “repetições” (ou recuperações), ainda assim teríamos aproximadamente cinco páginas diárias de redação, o que também representa algum esforço de pesquisa e de reflexão.
Em termos de dimensão dos trabalhos produzidos existe grande disparidade entre eles, já que a média aparente representaria quase 14 páginas por trabalho. Mas aqui seria preciso novamente considerar que a maior parte dos trabalhos permanece na casa de um único dígito, mas os livros distorcem o número de páginas para cima. De fato, se formos computar apenas o total de páginas dos livros produzidos, do qual já descontei pelo menos a metade considerando a “recuperação” com breve revisão, o número pode representar algo em torno de 1.600 páginas, não integradas de forma completa naquela contagem acima. Desses livros, apenas um se destinou a editora comercial, sendo quatro outros elaborados em formato digital e disponibilizados via Kindle ou na plataforma Academia.edu, livremente, portanto. Haveria também de considerar os capítulos de livros escritos, em total de três, tendo sido apenas um publicado no ano (em inglês e em edição Kindle), outros dois reservados para 2015.
Não estou computando todos os pareceres que ofereci a revistas da minha área, alguns deles representando certo volume de observações tópicas e considerações gerais que poderiam facilmente agregar mais duas dezenas de páginas. Tampouco computo aqui as dezenas, provavelmente centenas de comentários iniciais a postagens de materiais diversos no meu blog Diplomatizzando, o considero impossível de ser agora estimado quanto ao equivalente em número de páginas, dado o efêmero da produção. Alguns desses comentários iniciais acabaram representando certo esforço analítico e, talvez, originalidade, e acabaram sendo recuperados ex-post para a série “oficial”, mas os que entram nesse caso foram muito poucos, menos de uma dezena, dentre as centenas, milhares de postagens com alguma “introdução” de minha parte. Apenas para se ter uma ideia desse volume de comentários iniciais, registre-se que o blog conheceu em 2014 mais de 3.125 postagens (digo “mais de” porque o ano ainda não terminou e é bem provável que eu continue postando até o calendário virar automaticamente).
Quanto à contabilidade de trabalhos publicados, ela é mais simples já que necessariamente menos numerosa. Se meus registros não falham – eles falham, por vezes, já que alguns trabalhos são publicados à minha “revelia”, sem que eu saiba exatamente quando; daí a existência de alguns números-bis na lista de publicados – eu comecei o ano com o trabalho n. 1.119 e termino com o de n. 1.158, sendo, portanto, de 39 o número total de trabalhos públicos, dos quais um livro por editora comercial, um dotado de ISBN no Kindle (em inglês, em conjunto com meu amigo brasilianista Ted Goertzel), e mais quatro outros no Kindle, apenas coletando trabalhos anteriores, que andavam dispersos ou já não estavam disponíveis. A maior parte dos publicados o foi em revistas, impressas ou digitais, dos quais vários com pareceres incógnitos. Uma consulta à lista de publicados (que estou atualizando, mas é possível que eu só receba no decorrer de 2015 alguns periódicos que são datados de 2014) revela a diversidade de veículos e a gama de assuntos abordados, o que corresponde ao que efetivamente leio, anoto e acaba servindo como reflexão e matéria prima para novos trabalhos.
Quanto ao blog Diplomatizzando, especificamente, que não foi feito para registrar ou divulgar produção – senão episodicamente – ele se situa, como já dito diversas vezes, no quadro de diversos outros blogs anteriores, criados e interrompidos por clara incompetência deste blogueiro inepto. Em todo caso, ele é uma ferramenta a mais de disseminação de materiais interessantes que acabam cruzando meu itinerário de leituras cotidianos – um vasto mundo, feito de todos os tipos de informações diárias, boletins especializados, estudos de instituições, e muito do recebo em minha caixa postal, que são processadas, geralmente comentadas, ou “introduzidas”, e postadas nesse espaço que acaba sendo uma espécie de arquivo ou repositório de material útil, para referência em caso de necessidade (esperando que as ferramentas de indexação não falhem na hora de alguma busca). Meu acesso às estatísticas do blog – assim como às do site pessoal – é muito errático e precário: de vez em quando me lembro de consultar os dados disponíveis, não tanto para me vangloriar quanto aos números, e mais para ver o que andam buscando como informação e trabalhos meus, para algum trabalho na base do “copy and paste” (tampouco me dou o trabalho de verificar o que andam copiando por aí, o que seria de toda forma inútil). Em todo caso, talvez pudesse referir alguns números, mas não tenho nenhuma base comparativa para aferir sua validade, nem pessoal, própria, como o que eu “tinha” anteriormente, nem com outros blogs.
O que eu me lembro, uma vez que ofereci um dos meus livros gratuitamente, é que em janeiro de 2012, eu tinha alcançado 500 “seguidores”, mas não me perguntem o que isso significa, ou se todos eles acessam ou recebem minhas postagens a cada vez: simplesmente não sei e não me importo muito com isso. Atualmente, ou seja, quase dois anos depois, o número de seguidores registrado numa das janelas do blog é de 797, ou seja, quase 60% a mais (tampouco sei se existe alguma sobreposição com o Google+).
No momento em que escrevo, o total de visualizações de página no blog Diplomatizzando é de 3.168.368, mas tampouco sei distinguir entre os acessos e visitas legítimas – ou seja, de pessoas direcionadas exatamente ao que buscavam – e aquelas “intrusões” dos instrumentos de busca ou até dos serviços de informações de potências poderosas, para ser redundante, buscando sabe-se lá o que neste modesto veículo. Exatamente um ano atrás, em 30/12/2013, o número de visualizações totais marcava exatamente 1.948.037 (o blog existe com este título desde junho de 2006).
Existem lições, ou pelo menos alguma lição, a tirar deste pequeno relatório sobre a produção anual? Certamente, não sei se para os leitores, mas obviamente para mim: a de que eu devo deixar de me dispersar em dezenas de pequenos trabalhos sem maior profundidade – e sobretudo com os divertissements do blog e do Facebook, quando muito besteirol vem junto com uma ou outra coisa válida – e concentrar-me nas pesquisas mais sérias que devem integrar meu segundo volume sobre a história da diplomacia econômica no Brasil, desta vez cobrindo o período 1889-1944 (terminando, portanto, em Bretton Woods, por razões mais do que evidentes). Este é o programa para 2015, e vou ter de demonstrar disciplina e foco no alvo central para tentar terminar aquilo que já deveria ter feito há pelo menos oito ou dez anos.
Com isto encerro esta avaliação, e desejo a todos um ano tão produtivo quanto eu espero manter igualmente. Meus bons votos para o ano que começa em poucas horas.

Paulo Roberto de Almeida
Hartford, 2740, 30 dezembro 2014
Postar um comentário