O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

Mostrando postagens com marcador reunificacao. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador reunificacao. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Sobre muros e Alemanhas: o que se seguiu à reunificação - Renato Ventocilla Franco

Sobre muros e Alemanhas: o que se seguiu à reunificação

Renato Ventocilla Franco 
Nexo, 06 Nov 2019 

A comemoração da queda do muro de Berlim completa 30 anos em 2019. País passa por um momento de inflexão política, com o recrudescimento da extrema direita e a volta de problemas que têm origem em 1989 

O resultado das eleições da Turíngia, região localizada no leste da Alemanha, no final de outubro de 2019, causou espanto entre analistas às vésperas da comemoração dos 30 anos da queda do muro de Berlim. A vitória do partido A Esquerda (Die Linke), que obteve 31% dos votos, e do partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha (conhecido pela sigla AfD), com 23,4% dos votos, acentuou cisões existentes entre duas Alemanhas que muitos presumiam inexistentes. Tal conflito ameaça até a existência da grande coalizão entre o partido conservador CDU (União Democrata-Cristã) e o representante da centro-esquerda SPD (Partido Social-Democrata da Alemanha), que vigora desde 2013. 

Depois de resultados expressivos nos últimos meses nos estados da Saxônia e de Brandemburgo, ambos territórios da antiga Alemanha Oriental, o AfD se consolidou como principal oposição ao governo de Angela Merkel. O avanço do partido na região simboliza uma insatisfação recorrente entre aqueles que não fizeram parte da ascensão alemã desde a reunificação. Simon Bulmer, professor da Universidade de Sheffield, denominou o papel da Alemanha como o de um “hegemon relutante” na Europa, por conta de seu protagonismo na crise do euro, na abertura alemã para o fluxo de refugiados e na questão ucraniana. No entanto, para alguns alemães, o avanço em questões europeias não coaduna com os problemas existentes no país. 

A queda do muro é associada com a reunificação alemã em razão dos atos dos alemães orientais – a chamada revolução amigável (friendliche Revolution) de 1989 –, mas não deu origem à reunificação dos dois estados, que ainda precisava de um aceno das potências da época, ou seja, dos Estados Unidos e da União Soviética. Alguns líderes europeus temiam que o ressurgimento de uma Alemanha unificada poderia desestabilizar o equilíbrio de poder existente na Europa desde o final da Segunda Guerra, de modo que fizeram o possível para vetar a proposta ou fortalecer o comprometimento da Alemanha com o projeto europeu. Uma das lideranças céticas em relação às intenções alemãs foi a britânica Margaret Thatcher, que pressionou Gorbatchev, secretário-geral da União Soviética, para vetar a reunificação sob o argumento de que seria uma questão de tempo até um novo conflito na Europa. Enquanto os ingleses temiam uma nova Alemanha, François Mitterrand, presidente da França, via nela uma oportunidade para vincular o franco francês ao estável marco alemão, fortalecendo assim o projeto europeu por meio da criação de uma moeda única. As negociações que permitiram o surgimento do euro resultaram na criação do Banco Central Europeu, que substituiria o Bundesbank como instituição financeira mais forte da Europa e que teria protagonismo na contenção da crise financeira que afetaria o continente anos mais tarde. 

A perspectiva de ganhos não estava restrita apenas à França. Na República da Alemanha, o chanceler Helmut Kohl vislumbrou o projeto de uma Alemanha unificada como um trunfo eleitoral e uma forma de tomar protagonismo histórico na integração europeia. Embora os alemães ocidentais não aprovassem os custos que a reunificação ensejaria, e os orientais temessem os efeitos de um choque econômico na região, o chanceler do CDU desconsiderava essas questões e abordava somente os ganhos para o projeto europeu. Dominando os debates e criticando os céticos como chauvinistas, nacionalistas e antieuropeus, Kohl conseguiu sintonizar a reunificação com a criação da União Europeia por meio do tratado de Maastricht. 

AO ABSORVER VOTOS DA ESQUERDA E DA ALA MAIS À DIREITA DO CDU, O AFD REPRESENTA QUESTÕES FUNDAMENTAIS QUE NÃO FORAM RESOLVIDAS COM A REUNIFICAÇÃO 

Desse modo, a reunificação alemã ficou associada com a queda do muro e não com um processo que perdura até os dias atuais. As privatizações das empresas estatais pela agência Treuhand, o número elevado de alemães que migraram para o oeste e os efeitos do plano econômico “Hartz IV” em anos posteriores tiveram como principal consequência o aumento da desigualdade nesse período. Além disso, a política de “solidariedade” financeira de “Wessis” (apelido dado para alemães ocidentais) em relação a “Ossis” (orientais) para a modernização de infraestrutura foi considerada um fracasso. No entanto, é válido ressaltar que a reunificação também gerou a entrada de mão de obra qualificada no mercado alemão, com a expansão de empresas alemãs para os estados do leste e demais antigos países da órbita soviética. 

Com a reunificação, o fim do partido Socialista Unificado da Alemanha, antes ator único na Alemanha Oriental, gerou uma nova configuração de forças políticas no país. Integrando A Esquerda (Die Linke), a antiga esquerda socialista começou a disputar votos com o SPD e com os verdes (Die Grünen). Embora A Esquerda continuasse com uma proporção de votos representativos nos antigos estados orientais, o crescimento do AfD no leste da Alemanha ameaça desestabilizar novamente a configuração de partidos do país. 

Economistas e antigos membros do CDU criaram o AfD em 2012, como forma de protesto contra as medidas adotadas pela Alemanha para conter a crise do euro. No entanto, a sigla começou a abraçar movimentos xenófobos como forma de ganhar maior apoio popular, chegando a acarretar a expulsão de seus membros originais em 2015. Essa ala mais radical é hoje capitaneada por Björn Höcke, que se manifesta em favor do revisionismo das políticas de memórias do Holocausto. 

O radicalismo da AfD se alimenta, portanto, do descontentamento dos alemães orientais e das políticas da grande coalizão do governo de Angela Merkel. Ao absorver votos da Esquerda e da ala mais à direita do CDU, o AfD representa questões fundamentais que não foram resolvidas com a reunificação. A Alemanha possui uma das maiores taxas de desemprego de longa-duração entre países membros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), chegando a 41,4% entre o total de desempregados. Desse conjunto de pessoas, grande parte reside nos antigos estados orientais. Além disso, pesquisas apontam que quase 60% dos alemães orientais se sentem como cidadãos de segunda classe em comparação com aqueles de outras regiões. O descontentamento com o status quo é tal, que até a chanceler Angela Merkel reconheceu recentemente que existiu uma falta de diálogo entre o leste e o oeste sobre as diferentes expectativas quanto ao futuro da Alemanha. 

É curioso que Merkel esteja caminhando para o fim do seu último mandato no momento em que as discussões sobre a reunificação voltaram. O modelo de governo da chanceler alemã, capaz de suportar a crise econômica na Europa e o aumento do fluxo migratório para o país, parece se esgotar em meio à ascensão dos verdes e da extrema direita. Enquanto o CDU discute quem pode ser o seu futuro sucessor, o SPD passa por uma crise existencial, por conta da constante perda de popularidade com seu eleitorado. No entanto, isso não significa uma ameaça para a democracia alemã, senão a transição de um governo majoritário para um sistema mais plural, que pode atender múltiplos interesses. Isso pode ser uma oportunidade para que, além da reunificação do Estado alemão, a Alemanha continue o processo de integração dos alemães que se sentiram abandonados após a queda do muro no dia 9 de novembro de 1989. 


Renato Ventocilla Franco é mestre em relações internacionais, mestrando em políticas públicas pela Hertie School e integrante do Instituto Jacques Delors para Estudos Europeus. 

OS ARTIGOS PUBLICADOS NO NEXO ENSAIO SÃO DE AUTORIA DE COLABORADORES EVENTUAIS DO JORNAL E NÃO REPRESENTAM AS IDEIAS OU OPINIÕES DO NEXO. O NEXO ENSAIO É UM ESPAÇO QUE TEM COMO OBJETIVO GARANTIR A PLURALIDADE DO DEBATE SOBRE TEMAS RELEVANTES PARA A AGENDA PÚBLICA NACIONAL E INTERNACIONAL. PARA PARTICIPAR, ENTRE EM CONTATO POR MEIO DE ENSAIO@NEXOJORNAL.COM.BR INFORMANDO SEU NOME, TELEFONE E EMAIL. TODOS OS CONTEÚDOS PUBLICADOS NO NEXO TÊM ASSINATURA DE SEUS AUTORES. PARA SABER MAIS SOBRE ELES E O PROCESSO DE EDIÇÃO DOS CONTEÚDOS DO JORNAL, CONSULTE AS PÁGINAS NOSSA EQUIPE E PADRÕES EDITORIAIS. PERCEBEU UM ERRO NO CONTEÚDO? ENTRE EM CONTATO. O NEXO FAZ PARTE DO TRUST PROJECT. SAIBA MAIS.

Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2019/Sobre-muros-e-Alemanhas-o-que-se-seguiu-%C3%A0-reunifica%C3%A7%C3%A3o?utm_campaign=anexo&utm_source=anexo

© 2019 | Todos os direitos deste material são reservados ao NEXO JORNAL LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A Alemanha, 22 anos depois da reunificacao - Deutsche Welle


Alemanha: 22 anos após unificação, ajuda ao leste gera polêmica

Deutsche Welle, 3 de outubro de 2012
Desde o colapso da antiga Alemanha Oriental, estados do leste do país são financiados com bilhões de euros. Hoje, porém, cada vez mais cidades localizadas no lado ocidental necessitam de apoio financeiro.
Passados 22 anos desde a reunificação da Alemanha, a distância entre os estados do Leste e do Oeste voltou a aumentar. O Produto Interno Bruto (PIB) dos antigos estados orientais caiu 2% e corresponde, hoje, a 71% do PIB dos ocidentais. Diante de tais perspectivas, jovens abandonam suas cidades e deixam uma lacuna de mão de obra jovem no Leste, onde os salários são quase 25% abaixo do nível verificado no Oeste.
Mas regiões da parte ocidental, como a do Vale do rio Ruhr, também têm de lidar com as consequências das mudanças estruturais pós-reunificação. Há muito tempo se sabe que as linhas de financiamento precisam ser reorganizadas. Passada a euforia da reunificação, a realidade bate à porta.
Previsão equivocada
Errar é humano, e Erich Honecker, que governou a Alemanha Oriental entre 1976 e 1989, passou por tal experiência de maneira trágica em seu último ano no cargo. Em janeiro de 1989, os estados e o chefe de governo do Leste fizeram uma previsão que, dez meses mais tarde, se revelaria um grande engano.
Honecker preocupava-se com o futuro do Muro de Berlim. "Ele ainda vai existir dentro de 50 ou 100 anos, se os motivos para a sua existência não forem eliminados", acreditava. Segundo seu ponto de vista dogmático distorcido, o capitalismo era nessa época o maior obstáculo para a queda do "muro de proteção antifascista".
Na Alemanha reunificada, o capitalismo e a economia de mercado mostram-se como uma forma social resistente e compassiva. Para Honecker, se a economia de mercado não fosse mais eficiente do que a economia planificada, a antiga República Democrática Alemã (RDA), a Alemanha Oriental, ainda existiria.
23 de agosto de 1990
O trabalho de reorganizar um país dividido por quase 41 anos foi e é uma tarefa sem precedentes. E, por isso mesmo, erros foram e são cometidos. Mas o mais importante nesse processo é que a população da Alemanha Oriental se decidiu contra a opressão estatal e a favor da liberdade e da unificação.
A condição para isso foi a resolução da Câmara do Povo, em 23 de Agosto de 1990, sobre a "entrada da Alemanha Oriental no âmbito de aplicação da Constituição da República Federativa da Alemanha, de acordo com seu Artigo 23".
O Dia da Unidade Alemã, 3 de Outubro de 1990, marcou também o auge de uma impressionante mudança. No último ano de sua existência, a RDA se tornou realmente uma república democrática alemã, o que nunca havia sido.
Pacto de Solidariedade 
De acordo com uma premissa do ex-chanceler federal alemão Willy Brandt, o que junto pertence deve crescer junto politicamente, geograficamente e socialmente. Em um primeiro momento, a economia não era incluída.
A indústria do Leste não era competitiva no contexto internacional, havia empregados demais, a produtividade era baixa, e a qualidade dos produtos era inferior aos do Oeste. Cerca de 14 mil empresas estatais foram vendidas em poucos anos. A antiga Alemanha Oriental se encontrava em uma espécie de "liquidação de final de estação".
Com o chamado Pacto de Solidariedade um gigantesco programa de cerca de 1,4 trilhão de euros foram injetados no Leste alemão entre 1990 e 2010, sendo que cerca de dois terços foram e são investidos em serviços sociais. O histórico contrato é válido até 2019 e, até lá, os recursos financeiros para o Leste serão reduzidos gradativamente.
Distribuição de recursos
Do ponto de vista do Leste alemão, o fato da esgotada economia socialista ter sido saneada com a ajuda do poder econômico da antiga Alemanha Ocidental foi um golpe de sorte. Já para os alemães do Oeste, a regulação do Pacto Solidário juntamente com a introdução de novos impostos foi algo natural. Mas, passados 21 anos desde a implementação do pacto, o financiamento do Leste enfrenta dificuldades de aceitação.
A distribuição desse suporte financeiro é particularmente polêmica. Há muito tempo, em algumas regiões do Oeste verificam-se sintomas parecidos com os dos novos estados orientais pós-reunificação: desaparecimento da indústria, alta taxa de desemprego, emigração e municípios endividados.
Pede-se cada vez mais por uma distribuição de recursos utilizando o critério de necessidade principalmente nas velhas regiões industriais do Vale dos rios Ruhr e Reno. Até mesmo políticos do Leste alemão reconhecem o pedido do Oeste. Papéis invertidos
Oberhausen, Gelsenkirchen e Wanne-Eickel, na porção ocidental do país, por exemplo, não estão em melhores condições do que alguns municípios do Leste. Por vezes, a situação chega a ser pior. Com isso, alguns prefeitos do Oeste não querem mais ter a obrigação de financiar o lado oriental. E o mesmo sentem cada vez mais alemães do lado ocidental, que vivenciam o fechamento de bibliotecas, piscinas públicas e repartições públicas.
Uma coisa é certa: a síndrome de ajuda enfraqueceu-se no Oeste e a posição de vítima da parte oriental da Alemanha é vista agora de forma crítica. Muitos municípios dos Estados orientais da Saxônia e da Turíngia não precisam mais de subsídios e, em contrapartida, parte do norte da Alemanha e da região do Vale do rio Ruhr estão endividados há muito tempo.
O Pacto da Solidariedade em sua configuração atual será assunto após as eleições parlamentares de 2013 na Alemanha. Ao final das discussões, pode ser que seja criado um pacto de solidariedade para todos os estados alemães.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Alemanha ocidental tentou comprar da Russia reunificacao das duas Alemanhas

Bem, parece que ela fez o mesmo em 1991: pagou uma soma milionária à URSS para ela retirar os seus soldados (antes que a própria URSS se dissolvesse, e o dinheiro se dissolvesse em cofres jamais identificados), e depois pagou aos próprios alemães de leste, aliás continua pagando até hoje...
Paulo Roberto de Almeida


Posted: 02 Oct 2011 06:32 PM PDT
Documentos recém-disponibilizados nos Estados Unidos indicam que, na década de 1960, o então chefe de governo da Alemanha Ocidental, Ludwig Erhard, pensou seriamente em oferecer uma soma bilionária à União Soviética em troca da reunificação dos dois Estados alemães.