O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A miopia da política externa brasileira - Rubens Ricupero

Devo dizer, de imediato, que não concordo com o título dado pelo autor. Miopia é uma condição não provocada: ela existe, ou surge, independentemente da vontade do portador. Neste caso, talvez se trate de cegueira voluntária, ou viseiras deliberadas, se não for perversão política e compulsão ideológica para estar ao lado de ditaduras abjetas...
Paulo Roberto de Almeida

Miopia moral
Rubens Ricupero
Gazeta do Povo, Domingo, 22 de agosto de 2010.

Quem faz elos estratégicos com regimes ditatoriais vende a própria alma e joga fora valores éticos

Cumplicidade interna com a corrupção sob pretexto de governabilidade e complacência externa com tiranos e violadores de direitos humanos em nome do realismo são as manchas principais da situação que se vive hoje no Brasil.

Nos dois casos, os valores morais e o aperfeiçoamento da democracia são sacrificados a ganhos imediatistas. É a miopia moral que se concentra nos lucros perto e não enxerga os prejuízos a maior distância.

Em artigo intitulado ‘A democracia precisa de confiança’, o ‘clarificador da cultura política’ italiana Norberto Bobbio explicava porque nenhum regime democrático sobrevive à corrupção sistêmica e institucionalizada.

A condição da possibilidade da democracia, ensinava, é a confiança recíproca entre os cidadãos e destes nas instituições. A corrupção generalizada aniquila a confiança e provoca a degeneração das instituições, incapazes de funcionar bem.

Cedo ou tarde o processo termina por destruir os governos. O suicídio de Vargas em 1954 resultou da ocasião oferecida pela corrupção ao moralismo lacerdista. Em 1992, sem interferência do moralismo, de novo a corrupção conduziu-nos a crise gravíssima.

Uma estratégia eleitoral baseada em aliança com partidos estruturalmente dependentes da corrupção pode até ganhar eleições no presente ao custo de semear desgraça e crise futuras.

Quem promove tais estratégias assume grave responsabilidade perante a história; quem vota por elas não ignora que contribui para pôr em risco todos os avanços recentes no país.

Não é moralismo cumprir quase o dever médico de alertar que o mesmo vírus de doença passada acabará por produzir efeito igual no organismo da nação.

No plano externo, chamar de estratégica relações com regimes ditatoriais que condenam mulheres ao apedrejamento pode também conquistar aplausos ideológicos ou lucros comerciais. Contudo, quem faz isso vende a própria alma, jogando fora os valores éticos e arruinando o prestígio nascido do exemplo.

Os americanos desmoralizaram os ideais de sua diplomacia com o apoio a ditadores militares na América Latina e os crimes no Iraque.

Para o Brasil, país que não é potência militar nem econômica, só dispondo do poder da persuasão e do exemplo, ainda é mais grave, pois nos empobrecemos do nosso único trunfo e riqueza.

No exterior já se multiplicam artigos afirmando que o Brasil é o melhor amigo dos tiranos e que nossa política errática e irresponsável ameaça a aspiração a membro permanente do Conselho de Segurança.

Argentina e México, também candidatos da América Latina, são exemplares na atuação no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, contrastando com o Brasil, aliado de Cuba, Paquistão e demais bloqueadores da investigação e luta contra as piores violações na Coreia do Norte, Irã, Congo, Sri Lanka, Darfur etc.

Alega o governo preferir agir em silêncio, mas, quando podia, nada fez para ajudar a liberar prisioneiros em Cuba. Pressionado pela opinião, teve de intervir de público em favor da condenada no Irã.

Essa incoerência revela calculismo oportunista e confusão de valores. O calculismo, porém, tem fôlego curto: no longo prazo liquidará a governabilidade e o prestígio externo.

Rubens Ricupero é diretor da Faculdade de Economia da Faap e do Instituto Fernand Braudel de São Paulo, foi secretário-geral da Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) e ministro da Fazenda no governo Itamar Franco.

Um comentário:

Anônimo disse...

Prezados,

Constatamos que a história não é "linear", e esta que é êmula do tempo, repete-se, quiçá, como "farsa" ou pior como "tragédia":

"O Brasil teve na fundação e nos primeiros anos de vida da Sociedade das Nações um belo papel que era o que lhe tocava pela sua situação continental.(...)A infelicidade desta justa pretensão(...um assento permanete no Conselho da S.D.N...) foi ter coincidido com um período nacional de Govêrno inoperante. As fórmulas prudentes foram postas de margem. O resultado foi que perdemos a partida com a intervenção do nosso Govêrno. Já não se tratava de resolver um problema diplomático bem proposto, uma pretensã discreta e razoável, mas de impor uma pretensão pela fôrça da vontade insubmissa à reflexão, incoerente, mas tenaz, sem perspicácia, mas obstinada e inflexivel.(...)

A evidência do erro cometido em Genebra pelo Govêrno Brasileiro decorre o isolamento total a que se condenou o nosso país na Assmbléia das Nacões.(...)

A crise das Sociedade das Nações em 1926 encerra ensinamentos que devem concorrer para o aperfeiçoamento das instituições que vivem a vida moral da Nação.(...)Resgatemos a manobra infeliz do veto(..a entrada da Alemanha no Conselho da S.D.N. como membro permanente...), gesto de incultura diplomática sem paralelo na história do mundo. É inútil perdermos pé nas realidades políticas das atuais relações internacionais.(...)

Sentimento de responsabilidade, ação efetivamente realizadora, fórmulas refinadas de grande cultura, polidez, civilização, eis aí já traçado um programa para quando, retomado o nosso lugar no grêmio das nações, não sirvamos inconscientemente ao furor de falso prestígio, à vaidade. à fatuidade de Governos que passam rápidamente para um esquecimento irreparável."

*José Carlos de Macedo Soares(in apud;"História Diplomática do Brasil"; Carlos Delgado de Carvalho; p.397-398).

Vale!