O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Eleições 2022: Terceira via, miragem e realidade - Demétrio Magnoli (O Globo)

Como eu próprio anunciei, assim que saiu essa novidade da aliança Lula-Alkmin, no último trimestre de 2021, ela está destinada a liquidar a fatura já no primeiro turno, sem precisar sequer fazer campanha, ou fazendo, pró-forma, pois também tem aquela dinheirama toda para gastar.
Paulo Roberto de Almeida

    Terceira via, miragem e realidade

    Demétrio Magnoli

    01:24:54 | 24/01/2022 | Economia | O Globo | Demétrio Magnoli | BR

    O fracasso da "terceira via" está expresso nas sondagens de opinião pública. Segundo as análises convencionais, a explicação para o fracasso encontra-se na polarização política entre Bolsonaro e Lula, que fecharia o caminho a uma candidatura alternativa, de centro. Há bem mais que um simples equívoco no diagnóstico.

    Polarização? As pesquisas evidenciam que a rejeição a Bolsonaro situa-se em torno de 60% do eleitorado. São os que não votariam no presidente em nenhuma hipótese, parcela que chega a 64% entre os pobres e 54% na Região Sul, suposta fortaleza do bolsonarismo. Se o pleito fosse hoje, Lula triunfaria no primeiro turno. A polarização circunscreve-se às redes sociais. Não existe polarização eleitoral.

    A tese da "terceira via" assenta-se exclusivamente sobre a antiga constatação de que o lulismo não controla a maioria do eleitorado. Isso ficou provado nas quatro vitórias consecutivas do lulopetismo, duas de Lula e duas de Dilma, que só tiveram desenlace no segundo turno. Daí os arautos da "terceira via" concluem pela existência de uma vasta parcela dos eleitores dispostos a sufragar uma candidatura alternativa.

    É uma tese que ignora a história. Ao longo de um quarto de século, o sistema político partidário brasileiro equilibrou-se sobre a polaridade PT-PSDB. Contudo, durante a crise aberta pelo impeachment de Dilma (2016) e pela eleição de Bolsonaro (2018), o polo centrista implodiu. A falência do partido de centro manifestou-se duplamente, nas formas do desastre eleitoral da candidatura Alckmin e da adesão das novas lideranças tucanas ao candidato da extrema direita. A miragem da "terceira via" hipnotiza os que se recusam a encarar a morte do PSDB original.

    "Terceira via"? Moro e Doria, que tentam colar o rótulo sobre suas próprias candidaturas, não conseguem decolar, pois são vistos pelos eleitores como ramificações do bolsonarismo. O passado recente esmaga o presente almejado: nenhum dos dois tem legitimidade política para ocupar o centro de uma cena supostamente tensionada entre polos extremos. Ciro, que poderia ocupar essa posição, carece de estruturas partidárias e alcance eleitoral: perambula numa paisagem árida, como um Quixote destituído até mesmo do inseparável Sancho Pança.

    Paradoxalmente, a "terceira via" vai se tornando uma realidade - e atende pelo nome de Lula. O ex-presidente definiu uma estratégia de campanha baseada na ideia de ocupar o centro do tabuleiro político. A democracia unida contra o autoritarismo -eis a mensagem que o candidato procura veicular. A manobra destina-se a fechar o caminho do centro, ocupando-o.

    Não é novidade. Lula operou segundo a mesma estratégia em seu triunfo pioneiro, duas décadas atrás, divulgando a Carta ao Povo Brasileiro e compondo chapa com o empresário José Alencar. A i novação é o passo ousado de articular uma chapa com Alckmin, símbolo de um PSDB que não mais existe. A mensagem: meu governo conectará as políticas sociais lulistas à política econômica tucana. Reconciliação é o nome de seu jogo.

    Nas hostes de esquerda, a valsa da aliança provoca acesa controvérsia. Tipicamente, surgiu um abaixo-assinado de lideranças relevantes e diminutas do PT contra o "pacto com a direita". A margem, os "companheiros de viagem" do PSOL manifestam santa indignação. José Dirceu, um realista que sabe calcular, já apresentou sua defesa do pacto lulista. Para persuadir a esquerda, sugere que a presença de Alckmin destina-se a evitar uma futura desestabilização do governo Lula pelas maléficas elites. Talvez cole, mas Dirceu sabe que a lógica estratégica é outra.

    A alta finança e os empresários financiados pelo BNDES amaram Lula durante dois mandatos e permaneceram com Dilma até 2015, depositando suas esperanças no providencial Joaquim Levy. A ruptura só se deu quando o populismo econômico atingiu o paroxismo, apontando rumo a um túnel argentino ou a um abismo venezuelano. Sem os feiticeiros dilmistas da "nova matriz econômica", Lula não corre risco de desestabilização. A chapa com Alckmin é para inscrever na pedra a "terceira via" - e, assim, triunfar no primeiro turno. 

    2 comentários:

    Anônimo disse...

    Anonimo diz:
    peralá vcs defendendo um corrupto, ladrão e condenado da justiça??
    Onde anda aquele PRA que vivia bradando a quatro ventos que Lula era o maior corrupto da terra e seu partido tinha que ser banido?
    Um senhor de certa idade já, se dizendo intelectual, mas negando seu passado recente?
    Reinaldou-se? Azevedou-se? Acovardou-se??

    Unknown disse...

    Ou seja.
    A chapa de Lula com Alckmin é, ao mesmo tempo, a 1a e 3a vias, para liquidar o jogo...