O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

Mostrando postagens com marcador Guerra Fria Econômica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra Fria Econômica. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 26 de junho de 2019

A batalha do 5G: uma vertente da Guerra Fria Econômica? - Shanghai Daily

Huawei expects to retain lead position on 5G

Huawei expects to retain lead position on 5G
Zhu Shenshen / SHINE
Huawei remains 5G leading position and it calls for "technology back to technology," according to Ken Hu (second from right), the company’s deputy chairman.
Sanctions-hit Huawei Technologies will remain a leading player in the global 5G market, thanks to multiple-layer supply system and overseas expansion outside the United States, the tech giant said on Wednesday.
Huawei made a plea for “non-discriminatory treatment” from the authorities and governments worldwide, the company’s deputy chairman Ken Hu said in Shanghai. 
Huawei Technologies has secured 50 5G commercial contracts globally — two-thirds of the world's total. It has offered 150,000 5G base stations globally now, which is likely to touch 500,000 this year.
US put Huawei on a trade blacklist in May and has since put restrictions on American tech firms to offer chips and services to Huawei. 
“It won’t influence Huawei’s 5G leading position at all,” said Hu. “It’s a huge loss for carriers and consumers to enjoy 5G without Huawei’s devices and advanced technologies.”
Without Huawei, Europe’s 5G development will lag “at least two years," Hu added.
At the opening session of Mobile World Conference Shanghai, China’s biggest telecommunications event held annually in Shanghai, a senior government official also spoke against “technical bullying.”
“Unfair and technical bullying” still exists in the world. They are challenges to the healthy and sustainable development of 5G and the whole digital economy, said Liu Liehong, vice director of the Cyberspace Administration of China. 
JSC Kazakhtelecom, a telecom operator in Kazakhstan, said it’s “open to all vendors” on 5G construction. The country cares about technology and profitability than political reasons.
Huawei’s devices are used in over 30 countries, including Europe, the Middle East, Asia Pacific and Africa. China, as the world’s biggest mobile network, gave out commercial 5G licenses on June 6. Huawei expects new contracts from Chinese operators. 
Huawei has invested US$4 billion on 5G and it will keep increasing investment. It has established a multiple-layer supplier system for chip and software, and does not have to depend solely on US suppliers, said Hu.

domingo, 23 de junho de 2019

A Guerra Fria Econômica entre os EUA e a China se aprofunda - The Economist

Huawei Has Been Cut off From American Technology

The ban will be excruciating at best, and fatal at worst

America is no fan of Huawei. Its officials have spent months warning that the Chinese giant’s smartphones and networking gear could be Trojan horses for Chinese spies (something Huawei has repeatedly denied). They have threatened to withhold intelligence from any ally that allows the firm in. On May 15th they raised the stakes. President Donald Trump barred American firms from using telecoms equipment made by firms posing a “risk to national security”. His order named no names. But its target was plain.
For all the drama, the import ban hardly matters. Huawei has long been barred from America, in practice if not on paper. More significant was the announcement by the Commerce Department, on the same day, that it was adding Huawei to a list of firms with which American companies cannot do business without official permission. That amounts to a prohibition on exports of American technology to Huawei.
It is a seismic decision, for no technology firm is an island. Supply chains are highly specialised and globally connected. Cutting them off — “weaponising interdependence”, in the jargon — can cause serious disruption. When ZTE, another Chinese technology company, received the same treatment in 2018 for violating American sanctions on Iran, it was brought to the brink of ruin. It survived only because Mr Trump intervened, claiming it was a favour to Xi Jinping, China’s president.
Huawei matters more than ZTE. It is China’s biggest high-tech company, and is seen as a national champion. Its name translates roughly as “Chinese achievement”. Revenues of $105bn put it in the same league as Microsoft. Only Samsung, a South Korean firm, sells more smartphones. Huawei holds many crucial patents on superfast 5G mobile networks, and is the largest manufacturer of telecoms equipment. Were it to go under, the shock waves would rattle all of tech world.
By May 20th the impact of the ban was becoming clear. Google said it had stopped supplying the proprietary components of its Android mobile operating system to Huawei. A string of American chipmakers, including Intel, Qualcomm and Micron, have also ceased sales. Later that day the Commerce Department softened its line slightly, saying that firms could continue to supply Huawei for 90 days, but for existing products — for instance, with software updates for Huawei phones already in use. New sales, on which Huawei’s future revenue depends, remain banned.
Interdependence, of course, cuts both ways (see chart). Shares in American technology firms fell after the announcement, because Huawei is a big customer. Qorvo, which employs 8,600 people and makes wireless communication chips, derives 15% of its revenue from Huawei. Micron is in the memory business, of which Huawei is a big consumer. A report from the Information Technology & Innovation Foundation, a think-tank, also released on May 20th, guessed export controls could cost American firms up to $56bn in lost sales over five years.
Unlike Intel, Qualcomm or ZTE, Huawei is privately owned, so lacks listed shares whose price swing would hint at the extent of its distress — though the price of its listed bonds has dropped to 94 cents on the dollar. In public, the firm is staying calm. Ren Zhengfei, Huawei’s founder, said it would be “fine” without access to American technology. Huawei has spoken of activating a “Plan B” designed to keep it in business despite American sanctions. It has been stockpiling crucial components for months, and has made a conscious push to become less reliant on American technology over the past few years. Its phones in particular make extensive use of chips designed by HiSilicon, its in-house chipdesign unit.
Yet few analysts are as sanguine as Mr Ren. Three business areas in particular look vulnerable. Without Google’s co-operation, new Huawei phones will lack the latest versions of Android, and popular apps such as Gmail or Maps. That may not matter in China, where Google’s apps are forbidden. But it could be crippling in Europe, Huawei’s second-biggest market. Its telecoms business needs beefy server chips from Intel. The supply of software to manage those networks could dry up too. Huawei is developing replacements for all three, but they are far from ready.
Two questions will determine whether or not Huawei can weather the storm, says Dieter Ernst, a chip expert and China-watcher at the East-West Centre, a think-tank in Honolulu. The first concerns America’s motives. The timing of the ban, a few days after broader trade talks between China and America had broken down, was suggestive. On one reading, it is a tactical move designed to wring concessions from China. If so, it might prove short-lived, and Huawei’s stockpiles may tide it over.
Paul Triolo of Eurasia Group, a political-risk consultancy, is doubtful. Rather than a negotiating tactic, he sees the ban as “the logical end-game of the US campaign to take down Huawei”. A long-lasting ban would force the firm to look for alternative chips and software that Chinese suppliers would struggle to provide.
The second question concerns the reach of American power. The tangled nature of chip-industry supply chains, says Mr Ernst, means that many non-American companies make use of American parts or intellectual property. They may therefore consider themselves covered, wholly or partially, by the ban. Take Arm, a Britain-based firm whose technology powers chips in virtually every phone in the world, including those made by HiSilicon. Arm says that it will comply with the Commerce Department’s rules. That suggests that Arm will not grant Huawei new licences. It is unclear if Arm will offer support for existing licences, however. As Arm’s technology advances, Huawei risks being left behind.
Other non-American companies are as important. One industry insider with contacts in Taiwan says that American officials are pressing Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), a big and cutting-edge chipmaker, to drop Huawei, which is its third-biggest customer. That would be a crushing blow, for Chinese chip factories are not up to the task of manufacturing HiSilicon’s sophisticated designs. TSMC’s only peer is Samsung — and South Korea is another of America’s allies. TSMC said on May 23rd that it would continue supplying Huawei for now.
Even if the optimists are right, and the ban is lifted in exchange for trade concessions, a return to business as usual seems unlikely. America has twice demonstrated a willingness to throttle big Chinese companies. Trust in American technology firms has been eroded, says Mr Triolo. China has already committed billions of dollars to efforts to boost its domestic capabilities in chipmaking and technology. For its rulers, America’s bans highlight the urgency of that policy. Catching up will not be easy, believes Mr Ernst, for chips and software are the most complicated products that humans make. But, he says, if you talk to people in China’s tech industry they all say the same thing: “We no longer have any other option.”

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Huawei: a guerra fria economica chega a tecnologia - The Economist

Huawei Has Been Cut off From American Technology

The ban will be excruciating at best, and fatal at worst

America is no fan of Huawei. Its officials have spent months warning that the Chinese giant’s smartphones and networking gear could be Trojan horses for Chinese spies (something Huawei has repeatedly denied). They have threatened to withhold intelligence from any ally that allows the firm in. On May 15th they raised the stakes. President Donald Trump barred American firms from using telecoms equipment made by firms posing a “risk to national security”. His order named no names. But its target was plain.
For all the drama, the import ban hardly matters. Huawei has long been barred from America, in practice if not on paper. More significant was the announcement by the Commerce Department, on the same day, that it was adding Huawei to a list of firms with which American companies cannot do business without official permission. That amounts to a prohibition on exports of American technology to Huawei.
It is a seismic decision, for no technology firm is an island. Supply chains are highly specialised and globally connected. Cutting them off — “weaponising interdependence”, in the jargon — can cause serious disruption. When ZTE, another Chinese technology company, received the same treatment in 2018 for violating American sanctions on Iran, it was brought to the brink of ruin. It survived only because Mr Trump intervened, claiming it was a favour to Xi Jinping, China’s president.
Huawei matters more than ZTE. It is China’s biggest high-tech company, and is seen as a national champion. Its name translates roughly as “Chinese achievement”. Revenues of $105bn put it in the same league as Microsoft. Only Samsung, a South Korean firm, sells more smartphones. Huawei holds many crucial patents on superfast 5G mobile networks, and is the largest manufacturer of telecoms equipment. Were it to go under, the shock waves would rattle all of tech world.
By May 20th the impact of the ban was becoming clear. Google said it had stopped supplying the proprietary components of its Android mobile operating system to Huawei. A string of American chipmakers, including Intel, Qualcomm and Micron, have also ceased sales. Later that day the Commerce Department softened its line slightly, saying that firms could continue to supply Huawei for 90 days, but for existing products — for instance, with software updates for Huawei phones already in use. New sales, on which Huawei’s future revenue depends, remain banned.
Interdependence, of course, cuts both ways (see chart). Shares in American technology firms fell after the announcement, because Huawei is a big customer. Qorvo, which employs 8,600 people and makes wireless communication chips, derives 15% of its revenue from Huawei. Micron is in the memory business, of which Huawei is a big consumer. A report from the Information Technology & Innovation Foundation, a think-tank, also released on May 20th, guessed export controls could cost American firms up to $56bn in lost sales over five years.
Unlike Intel, Qualcomm or ZTE, Huawei is privately owned, so lacks listed shares whose price swing would hint at the extent of its distress — though the price of its listed bonds has dropped to 94 cents on the dollar. In public, the firm is staying calm. Ren Zhengfei, Huawei’s founder, said it would be “fine” without access to American technology. Huawei has spoken of activating a “Plan B” designed to keep it in business despite American sanctions. It has been stockpiling crucial components for months, and has made a conscious push to become less reliant on American technology over the past few years. Its phones in particular make extensive use of chips designed by HiSilicon, its in-house chipdesign unit.
Yet few analysts are as sanguine as Mr Ren. Three business areas in particular look vulnerable. Without Google’s co-operation, new Huawei phones will lack the latest versions of Android, and popular apps such as Gmail or Maps. That may not matter in China, where Google’s apps are forbidden. But it could be crippling in Europe, Huawei’s second-biggest market. Its telecoms business needs beefy server chips from Intel. The supply of software to manage those networks could dry up too. Huawei is developing replacements for all three, but they are far from ready.
Two questions will determine whether or not Huawei can weather the storm, says Dieter Ernst, a chip expert and China-watcher at the East-West Centre, a think-tank in Honolulu. The first concerns America’s motives. The timing of the ban, a few days after broader trade talks between China and America had broken down, was suggestive. On one reading, it is a tactical move designed to wring concessions from China. If so, it might prove short-lived, and Huawei’s stockpiles may tide it over.
Paul Triolo of Eurasia Group, a political-risk consultancy, is doubtful. Rather than a negotiating tactic, he sees the ban as “the logical end-game of the US campaign to take down Huawei”. A long-lasting ban would force the firm to look for alternative chips and software that Chinese suppliers would struggle to provide.
The second question concerns the reach of American power. The tangled nature of chip-industry supply chains, says Mr Ernst, means that many non-American companies make use of American parts or intellectual property. They may therefore consider themselves covered, wholly or partially, by the ban. Take Arm, a Britain-based firm whose technology powers chips in virtually every phone in the world, including those made by HiSilicon. Arm says that it will comply with the Commerce Department’s rules. That suggests that Arm will not grant Huawei new licences. It is unclear if Arm will offer support for existing licences, however. As Arm’s technology advances, Huawei risks being left behind.
Other non-American companies are as important. One industry insider with contacts in Taiwan says that American officials are pressing Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), a big and cutting-edge chipmaker, to drop Huawei, which is its third-biggest customer. That would be a crushing blow, for Chinese chip factories are not up to the task of manufacturing HiSilicon’s sophisticated designs. TSMC’s only peer is Samsung — and South Korea is another of America’s allies. TSMC said on May 23rd that it would continue supplying Huawei for now.
Even if the optimists are right, and the ban is lifted in exchange for trade concessions, a return to business as usual seems unlikely. America has twice demonstrated a willingness to throttle big Chinese companies. Trust in American technology firms has been eroded, says Mr Triolo. China has already committed billions of dollars to efforts to boost its domestic capabilities in chipmaking and technology. For its rulers, America’s bans highlight the urgency of that policy. Catching up will not be easy, believes Mr Ernst, for chips and software are the most complicated products that humans make. But, he says, if you talk to people in China’s tech industry they all say the same thing: “We no longer have any other option.”

============

Mourão descarta veto à atuação da Huawei no Brasil

Vice-presidente diz que, apesar do alerta de Trump sobre a Huawei, a atuação da empresa no Brasil é importante para desenvolver o país tecnologicamente

Mourão descarta veto à atuação da Huawei no Brasil
‘Somos um país muito pouco integrado digitalmente’, disse Mourão (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Ouça este conteúdo0:00100%

O vice-presidente Hamilton Mourão – que assumiu interinamente a presidência em decorrência da viagem de Jair Bolsonaro à Argentina – afirmou que o governo brasileiro não tem intenção de banir do país a empresa de tecnologia chinesa Huawei, alvo de um acirrado embate com os Estados Unidos por conta da liderança na tecnologia 5G, a quinta geração de internet móvel.
“Não, não. Aqui não. No nosso governo, não. O presidente não falou isso para mim em nenhum momento. Nós somos um país que precisa, somos um país muito pouco integrado digitalmente. Você sai daqui de Brasília, anda 50 km na estrada e não fala mais no telefone. Temos um marco de telecomunicações que é da década de 1990. Ele não atende mais. As operadoras têm que expandir a rede, mas elas são obrigadas a investir em telefonia fixa, orelhão. Tem que mudar o marco”, disse Mourão, em entrevista concedida ao jornal Valor Econômico, na última quinta-feira, 6.
Mourão confirmou que o presidente americano Donald Trump tocou no assunto durante a visita de Jair Bolsonaro aos EUA, em maio, alertando o presidente brasileiro sobre espionagem por parte da Huawei. Porém, o vice-presidente ressaltou que o Brasil não tem receio desse suposto intuito de espionagem e defendeu a necessidade de desenvolver o país tecnologicamente. 
Mourão lembrou que, em sua viagem à China, também em maio, conversou com o presidente da Huawei e destacou que a empresa precisa criar um ambiente de confiança.
“Disse para ele: ‘Olha, vocês têm que criar um ambiente de confiança na empresa. De modo que nenhum país que vá receber a empresa e a tecnologia que vocês vão instalar fique preocupado com que todos os dados que estarão no seu poder pertencerão também ao governo’. Esta é a discussão”, disse Mourão. 

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Trump vs China: a guerra Fria Econômica se transforma em guerra quente tecnológica

Minha opinião sobre o atual conflito econômico provocado pelo estúpido presidente americano contra a China, uma “trade war” que se converte em feroz guerra tecnológica, estimulada pelos paranoicos do Pentágono. 
O aprendiz de feiticeiro, “defensor da Civilização Ocidental” segundo um patético seguidor brasileiro, acelera assim a decadência da “civilização ocidental” liderada pelo Império americano, tudo em função da “lei das consequências involuntárias” e da ainda mais poderosa Lei de Murphy (aliás, ironicamente, inventada por um americano, assim como o Peter Principle, aquele que eleva um incompetente como Trump ao nível mais alto de sua própria incompetência).

Eu imaginava que a Guerra Fria Econômica se desenvolveria em etapas prolongadas numa série de frentes secundárias, com intermediários diversos, ou seja, uma espécie de protracted war combinada a proxy wars, como ocorreu ao longo de toda a Guerra Fria Geopolítica entre EUA e URSS.
Agora a Guerra Fria Econômica se converte repentinamente numa guerra aberta, suscitada não apenas pela estupidez econômica de Trump — o mais estúpido de todos os presidentes americanos —, mas também pela paranoia estratégica (outra estupidez) dos militares do Pentágono.
Isso vai representar um enorme atraso para o mundo, crescimento lento, perda de oportunidades para todos, mas também, contraditoriamente, um avanço inevitável em certas frentes, ainda que de forma fragmentada.
O mundo será menos global, menos “globalista” (contra o temor, portanto, dos antiglobalistas estúpidos, aliados idiotas de Trump), com menor dinâmica na integração global das economias.
Uma perda temporária, que será aproveitada pela China para deslocar ainda mais o Império americano.
Estaremos pior, em face da “autocracia chinesa”?
Não creio: a China não pretende exportar o seu modelo político autocrático, apenas os seus produtos e serviços, e lucrar muito com isso.
Algum dia, a China será uma democracia.
Idiotas como Trump apenas retardam essa evolução inevitável.
Paulo Roberto de Almeida
Curitiba, 29 de maio de 2019

El País, Madri – 28.5.2019
El problema no está en tu móvil Huawei, el problema se llama 5G
La quinta generación de telefonía móvil se ha convertido en el nuevo arma de destrucción masiva en la guerra declarada por Trump a China
Ramón Muñoz

El veto del Gobierno estadounidense, primero a las redes, y ahora a los móviles del fabricante asiático es una declaración de guerra que va mucho más allá de las hostilidades arancelarias. El anuncio de Google de que dejará de dar soporte a los smartphones de Huawei ha sido un golpe de efecto mundial. Millones de usuarios se levantaban el pasado lunes azorados al enterarse de que su móvil podía convertirse en un cascarón vacío porque Android, el sistema operativo con el que funcionan, ya no dispondría de actualizaciones del sistema de Google.
Siendo gravísimo el hecho de que una decisión gubernamental condene a la obsolescencia a millones de dispositivos, en realidad, es solo el primer aviso del volcán. La mayor erupción, la definitiva, está por venir bajo las siglas 5G. Esta tecnología no es solo un avance más. Gracias a la quinta generación del móvil funcionarán los coches autónomos, los robots industriales podrán procesar en tiempo real cualquier orden, lo que les convertirá en máquinas eficientes y casi humanas capaces no solo de sustituir a operarios de una fábrica sino a un cirujano en un quirófano para realizar una operación a distancia.

El inicio de la era de la invención

“El 5G marcará el comienzo de lo que llamamos la era de la invención. Es mucho más profundo que lo que vimos antes con el paso al 4G o cualquier avance anterior. Y no es una exageración. El 5G y la inteligencia artificial significarán miles de millones de elementos conectados, enormes cantidades de datos y todos ellos en la nube. Cambiará la forma de compartir archivos, las compras online o la reproducción de contenidos”, según dijo Cristiano Amon, presidente de Qualcomm en el Congreso Mundial del Móvil (MWC19) de Barcelona.
El 5G dará paso a la cuarta revolución industrial gracias a saltos de innovación, que supone una disrupción tecnológica total. Las conexiones 5G son 10 veces más rápidas (aunque en laboratorios se han alcanzado velocidades 250 veces más rápidas) que las 4G actuales. Gracias a esa inmediatez, se podrán ver contenidos en realidad virtual o en calidades inimaginables como la televisión en 8K.
En segundo lugar, multiplica por 100 el número de dispositivos conectados con el mismo número de antenas. Se resuelve así el problema de la cobertura en grandes aglomeraciones como estadios de fútbol y conciertos. Además, reduce también a una décima parte el consumo de batería de los dispositivos (alarmas, células o chips) lo que les da más autonomía para funcionar durante años.

Permitirá la conducción autónoma

No obstante, el mayor avance del 5G será la reducción de la latencia, el tiempo de respuesta que tarda un dispositivo en ejecutar una orden desde que se le manda la señal. Cuanto más baja, más rápida será la reacción del aparato que accionemos a distancia. El 5G reduce ese retardo a un milisegundo. Esa repuesta instantánea es la que permite que la conducción autónoma sea segura pero también que se dirija a distancia los sistemas de comunicación, seguridad o defensa. De ahí que Trump haya centrado toda su artillería en Huawei, porque domina la construcción de redes 5G.
Lo que subyace en el pulso tecnológico entre EE UU y China tiene que ver con la más honda preocupación estadounidense por una primacía china en la carrera militar y el 5G figura en el centro de esa inquietud. El Pentágono advierte de ello en un informe al Congreso, en el que destaca el desarrollo de firmas como Huawei y ZTE y señala que el esfuerzo de Pekín por “construir grandes grupos empresariales que logren un rápido dominio del mercado con un amplio abanico de tecnologías complementa directamente los esfuerzos de modernización del Ejército y trae consigo implicaciones militares serias”.

El control de los sistemas de comunicaciones y defensa

En un lenguaje mucho más crudo se expresaba el general retirado James L. Jones: “La tecnología 5G de Huawei es la versión siglo XXI del mitológico Caballo de Troya”, advertía en un documento de recomendaciones publicado el pasado febrero por el Atlantic Council, uno de los grandes laboratorios de ideas de Washington.
“Si China controla la infraestructura digital del siglo XXI —razonaba— explotará su posición para sus propósitos de seguridad nacional y tendrá una influencia coercitiva en EE UU y sus aliados, ya que estas redes procesarán todo tipo de datos, y China desde luego las usará para llevar a cabo espionaje”. Y agregó: “la expansión del 5G chino amenazará la interoperabilidad de la OTAN, ya que EE UU no podrá integrar su red 5G segura con ningún elemento de los sistemas chinos”.
El presidente estadounidense cree que Huawei puede instalar en las redes una capa oculta (lo que se conoce como puerta trasera) con la que el Gobierno chino controlará las comunicaciones de todo el mundo, incluyendo los EE UU. Huawei insistió una y otra vez esta semana en que esa acusación es falsa, y ofrece a cualquier autoridad el acceso a sus redes para que puedan comprobarlo por sí mismas.
Liderazgo en tecnología
En Europa, Huawei tiene una cuota de mercado del 35% que en España se dispara hasta el 60% en las redes de nueva generación. Más de 2.500 patentes relativas al 5G llevan su nombre, y tiene contratos con unos 40 operadores. Si estos, incluyendo los españoles (Telefónica, Vodafone y Orange), secundan el bloqueo a Huawei les sería imposible desplegar a tiempo una red 5G. De hecho, Europa ya va con retraso respecto a países como EE UU, Japón, China o Corea. Solo Nokia y Ericsson le hacen sombra, pero la tecnología y despliegue de la firma china es más avanzada y menos costosa.
“Nuestras tecnologías 5G van al menos dos años por delante y serán líderes mundiales durante mucho tiempo. Nuestras estaciones base de 5G se pueden instalar a mano. No hace falta torres ni grúas ni cortar carreteras para construirlas ya que tienen el tamaño de un maletín. Por eso, es precisamente el departamento de 5G el que ha sido objeto de los ataques de los EE UU”, dijo esta semana Zhengfei en declaraciones recogidas por medios chinos.
El fundador de Huawei, cuya biografía arranca como militar del Ejército Rojo, calmó a una audiencia enfervorecida, y les pidió que no recurrieran al nacionalismo ni al populismo en respuesta al bloqueo estadounidense.

Respuesta de China al desafío de Trump

China tiene muchas armas tecnológicas y comerciales en su arsenal para responder al desafío. La primera es que es el primer inversor mundial en innovación y su retirada de los países occidentales causaría daños considerables. También puede cortar el grifo de las exportaciones de los metales raros, imprescindibles para los teléfonos móviles. Pero sin duda, la más temible es que aplique los planes de contingencia que dice tener para esquivar el aislamiento estadounidense (el plan b del que habla Huawei) y desarrolle un sistema operativo que reemplace a Android, y acabe con el cuasimonopolio de Google, con una cuota de mercado del 85%.
El plan pasa por avanzar también en el desarrollo de sus propios chips de procesamiento y de memoria, rompiendo el cerco que le han impuesto los fabricantes como Intel, Qualcomm, Xilinx, Broadcom, Micron Technology y Western Digital, o la británica ARM. Los conglomerados industriales chinos como Huawei pasarían una larga travesía del desierto pero al final estarían en disposición de destronar a los gigantes norteamericanos como Google, Cisco, Microsoft o Qualcomm, cuyo dominio nadie discute ahora.
Está en juego algo más que la desilusión de millones de usuarios de Huawei. El 5G representará el 15% de las conexiones móviles globales en 2025, y cerca del 30% en mercados como China y Europa, y del 50% en EE UU, según la GSMA. En ese año, la cantidad de conexiones globales del Internet de las Cosas se triplicará hasta los 25.000 millones. Ahora toca decidir si quién controla esas redes inteligentes y maneja a distancia los dispositivos tendrá su despacho en Pekín o en Washington.

TRUMP, ENTRE LA GUERRA FRÍA Y EL ACUERDO COMERCIAL

El temor a que China controle las comunicaciones y los datos en el futuro es lo que convierte lo que parecía una guerra comercial en una liza trascendental en la industrial tecnológica y, en el fondo, en la génesis de una posible carrera armamentística. Es decir, que el problema no es el móvil, ni el 5G a secas, sino todo lo que Pekín pueda llegar a desarrollar con esa red más allá de los usos civiles. Por eso, Washington también se plantea vetar a la compañía china de video vigilancia Hikvision.
La tensión no nace con la Administración de Trump. Sin embargo ha sido esta, nutrida de halcones en materia comercial la que ha apretado las tuercas a Pekín de un modo que Barack Obama, pese a compartir el diagnóstico, no se atrevió.
Eso sí, se trata de una presión contradictoria, marca de la casa en el estilo negociador de Trump, que pese a la escalada de las últimos días pugna por sellar un gran acuerdo comercial con China.
Las proporciones de una guerra económica entre Estados Unidos y China son mayúsculas. El flujo comercial entre ambas potencias mueve unos 2.000 millones de dólares y el actual grado de interconexión entre producción, suministro y finanzas provoca que el pulso, en realidad, afecte a medio planeta. Para Washington, la complicidad de la Unión Europea y el resto aliados en la presión contra Pekín resulta básica, pero la respuesta es mucho más fría de lo que la Casa Blanca querría.

(Grato ao embaixador Pedro Luís Rodrigues, pelo provimento da informação)

sexta-feira, 5 de abril de 2019

A nova Guerra Fria Econômica: retomada e respostas a questoes, nove anos depois - Paulo Roberto de Almeida

Incrível como a gente pode permanecer distraído durante anos e anos. Preciso, antes de mais nada, apresentar minhas humildes desculpas aos três perguntadores, de oito anos atrás, mas o fato é que eu nunca fui avisado das questões apresentadas e, assim, nunca pude responder a eles. Mil perdões: Alex Neves, Bruno e Senna Madureira.
Nem sei se aceitariam, agora, respostas tardias às questões apresentadas, já que pelo menos dois já podem ter abandonado este espaço de Mundorama, por outras terras e "profissões", que não aquelas temporárias de estudantes de RI. Quanto ao terceiro, Senna Madureira, permanece no cenário e fiel leitor de meus anárquicos escritos. Minhas desculpas especiais a ele, mas peço a compreensão: como estou sempre escrevendo, e publicando, os textos vão se acumulando, e outros vão se apresentando, com alguns ficando para trás e invariavelmente submergindo na enxurrada de novos escritos e novas publicações. Essa é a maldição dos "drogados na escrita", como eu sou, para deleite de alguns e desprazer de outros, como podem ser os frustrados leitores que enviaram suas perguntas para o site de Mundorama, esperando receber prontas respostas que nunca chegaram.
Pois vão chegar agora, pois, depois de postar novamente o meu artigo (na verdade, feito inicialmente em inglês um ano antes, ou seja, em 2010), publicado em português em Mundorama em 2011.
Essa repostagem vai me permitir inclusive verificar se as ideias principais do meu artigo ainda mantêm a sua validade, ou se já soçobraram no dilúvio de novos desenvolvimentos nas relações internacionais, com novos líderes na China, na Europa, nas Américas, sobretudo nos EUA, onde um despreparado, ignorante e... (bem, deixa para lá...) presidente, está empenhado em destruir tudo aquilo que o seu país fez em favor de uma ordem econômica internacional desde Bretton Woods.
Vou postar abaixo exatamente o que retirei de Mundorama, e ao final vou me dedicar a responder às perguntas de meus três leitores, aos quais apresento novamente minhas desculpas. O link para a publicação é este aqui: http://www.mundorama.net/?p=7197.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de março de 2019

A Guerra Fria Econômica: um cenário de transição?, por Paulo Roberto de Almeida

A Guerra Fria geopolítica está encerrada definitivamente, ao que parece. A despeito de tensões políticas “normais” e fricções comerciais entre as grandes potências, não existem mais concepções totalmente opostas sobre como organizar o mundo, economicamente ou politicamente. Ninguém mais está dizendo algo semelhante a “nós vamos enterrar vocês”, como ocorreu no passado com um líder soviético. Daniel Bell, recentemente falecido, já tinha antecipado, desde meados dos anos 1950, o “fim das ideologias”, julgamento de certa medida confirmado por Francis Fukuyama. Mas, no que depender de gente como Eric Hobsbawm, e de inocentes úteis desse tipo, as ideologias ainda têm um brilhante futuro pela frente…
O que estamos assistindo agora, na verdade, é uma Guerra Fria econômica, ou algo próximo disso. De fato, não parece haver nada capaz de provocar uma confrontação em grande escala entre as maiores potências. O que temos, na presente conjuntura, são fricções comerciais e desalinhamentos monetários, num cenário de ajustes pós-crise. Existem disputas políticas sobre como as políticas econômicas nacionais devem levar em consideração seus impactos sobre a situação econômica de outros países. Como Mark Twain poderia ter argumentado, os rumores sobre uma guerra cambial global são grandemente exagerados. É certo que ainda não superamos totalmente a presente crise financeira; mas ela é apenas uma, dentre muitas outras, que afetam mercados dinâmicos de forma recorrente desde o começo do capitalismo. Profetas da crise final do capitalismo e outros utopistas do gênero vão novamente se sentir frustrados dentro de alguns meses (sem reconhecer o fato, claro).
Existem muitas concepções errôneas sobre as origens e o desenvolvimento da crise atual, várias delas propagadas pelos mesmos utopistas conhecidos. Não é exatamente verdade que esta crise tenha sido provocada pela desregulação dos mercados financeiros, ainda que a regulação flexível, ou mal implementada, possa ter facilitado a expansão de várias bolhas nos mercados. O maior responsável pela bolha que provocou o desastre, porém, foram as baixas taxas de juros definidas pelos bancos centrais, a começar pelo Federal Reserve, durante um período muito longo. Da mesma maneira, mas talvez por meios e instrumentos um pouco diferentes, que os velhos Lords of Finance dos anos 1920 criaram as condições que levaram à crise de 1929 e à depressão dos anos 1930, pela sua ação ou inação, a presente crise é o resultado de políticas inadequadas dos novos Lords of Finance (ver o livro de Liaquat Ahamed, Lords of Finance: the Bankers who Broke the World; New York: Penguin, 2009.)
Tampouco é verdade que a crise atual, ou as crises – já que são várias, interconectadas – são suficientemente severas para justificar o programa, que muitos recomendam, de um novo Bretton Woods, ou seja, um redesenho completo das relações econômicas mundiais, com a restruturação das organizações existentes. Menções a uma nova arquitetura financeira internacional, ou mesmo de redistribuição do poder econômico mundial, estão em contradição com as realidades mais prosaicas dos nossos dias. Comentaristas superficiais gostam de recorrer a grandes analogias históricas – que em geral são falsas – para falar dos eventos correntes, mas o fato é que não estamos vivenciando nenhum grande ajuste posterior a alguma crise de proporções monumentais, como gostariam alguns. Vivemos, é certo, uma transição, mas não uma revolução, qualquer que seja o sentido que possamos dar a esses conceitos. Vejamos os precedentes.
Não estamos em face de um reordenamento radical e completo da ordem mundial, após algum evento cataclísmico, afetando todos e cada um dos grandes atores da cena internacional, ou mesmo regional. Não estamos em Vesfália, em 1648; não estamos em Viena em 1815; tampouco estamos em Paris ou Versalhes, em 1919, sequer em Bretton Woods em 1944, e muito menos em São Francisco, em 1945. Definitivamente, não estamos em nenhum momento de refundação fundamental da ordem política e econômica internacional. Simplesmente estamos, atualmente, no meio de algo semelhante aos anos 1930, tentando administrar uma grande crise por meio de respostas nacionais, cada uma delas adaptada a circunstâncias específicas de cada país, e desvinculada dos maiores desastres afetando os demais e cada um dos países envolvidos no processo.
Para ser mais preciso, estamos em algum ponto entre 1931 e 1933, ainda no meio de uma recessão, mas não numa depressão. O nível de desemprego não é tão alto quanto em 1933, e está provavelmente alinhado com os padrões dos nossos dias. Os fluxos comerciais e financeiros não foram tão desestruturados quanto nos anos 1930, ainda que a liberalização econômica tenha regredido: apenas revertemos a uma versão light do protecionismo comercial dos velhos tempos, mas sem cotas ou restrições quantitativas ao velho estilo.
Esta nova Guerra Fria Econômica emerge a partir de mudanças estruturais na economia mundial, já em curso desde os anos 1980, quando a China começou a flexionar os seus músculos novamente. Ao mesmo tempo, os países em desenvolvimento deixaram de implementar projetos nacionais, introvertidos, de desenvolvimento nacional e abriram-se aos investimentos estrangeiros. Desde então, o a economia mundial foi transformada irreversivelmente, embora gradualmente.
Mas nem tudo, obviamente, mudou. As principais instituições de tomada de decisões ainda continuam a ser o que sempre foram, com a mesma distribuição dos direitos de voto. O FMI e o Banco Mundial estão no meio de seus labores para definir uma nova repartição de votos, tendo já operado algumas acomodações. Os votos coletivos da China, da Índia e do Brasil é 20% menor do que os da Bélgica, dos Países Baixos e da Itália, a despeito do fato que o PIB conjunto do primeiros países é quatro vezes maior do que aquele de seus contrapartes europeus; eles têm uma população 29 vezes maior. Estas são algumas das razões para uma nova Guerra Fria econômica.
Como administrar estas novas realidades no terreno econômico, dispondo das mesmas alavancas políticas e das mesmas velhas estruturas de tomada de decisão como nos processos do passado? Esta é uma questão complicada, sem uma resposta clara ao dilema. Administrar a economia mundial é uma pretensão que mesmo o velho G7 nunca conseguiu alcançar nos seus tempos gloriosos. Os países desenvolvidos controlavam então uma grande proporção do PIB mundial e dos fluxos comerciais e financeiros. Mas eles nunca foram capazes de coordenar suas políticas macroeconômicas entre eles mesmos; menos ainda se poderia esperar que eles estabelecessem regras e metas para o resto do mundo.
Atualmente, com uma penosa queda nas economias avançadas, parece difícil visualizar o que poderia ser feito para restaurar o crescimento a partir de níveis próximos da estagnação em várias economias europeias. Além dos problemas cíclicos afetando as grandes economias (com as exceções da China, da Índia e de alguns outros países), existem vários desafios globais à frente, entre eles o da pobreza nos países menos avançados, e grandes decisões a serem tomadas em relação a questões ambientais, a violações dos direitos humanos em países não democráticos, e vários outros temas relevantes.
Uma estratégia singular poderia ser a definição de apenas uma grande meta global para a comunidade mundial: teria de ser a promoção do desenvolvimento global, não exatamente através da assistência (ou a tradicional Ajuda Oficial ao Desenvolvimento), mas prioritariamente através de uma real liberalização comercial, especialmente no setor agrícola, a única possibilidade efetiva para que os países menos avançados possam ser integrados à economia mundial. Os Estados Unidos e a União Europeia possuem, evidentemente, a maior responsabilidade nesse terreno.
É altamente improvável que propostas consensuais relativas ao desenvolvimento global possam emergir de um fórum tão amplo quanto o G20 financeiro, muito heterogêneo para ser capaz de alcançar posições comuns. Talvez fosse mais indicado lograr uma evolução informal do atual G8 para um novo G13, interrompendo o ciclo do atual G20 (o que talvez já seja difícil de se obter). Isso representaria agregar aos atuais membros do G8 outras cinco grandes economias, nomeadamente Brasil, China, Índia, África do Sul, e ou Indonésia ou México. A experiência demonstra que pequenos grupos informais estão mais próximos de se entenderam sobre ações concretas do que grandes órgãos institucionalizados que acabam dominados pela lerdeza burocrática e desentendimentos políticos.

Novas Perspectivas?

O que deve ser feito? O maior problema nessa modalidade organizacional de se ter um G20 diminuído seria o de como adquirir a legitimidade implícita ao ato de falar para toda a comunidade mundial partindo de um fórum de apenas 13 países. Para resolver essa limitação se necessitaria de um grau de confiança política entre os líderes desses 13 países, definindo um terreno de entendimentos recíprocos entre eles que teria de ser compatível com a função de representação mais ampla que eles pretenderiam assumir em nome de toda a comunidade de nações.
Encontrar terrenos comuns é uma tarefa dura de ser alcançada no estado atual das relações internacionais, caracterizada, como já se sublinhou, por uma guerra fria econômica típica das fases de transição. Parece ser bastante difícil de se lograr uma coordenação perfeita das agendas dos grandes países avançados e das economias emergentes e, mais ainda, entre eles todos e os demais membros das organizações internacionais que eles pretenderiam “substituir”. O mundo não é, simplesmente, tão globalizado como se requereria para alcançar esse tipo de interação. Disparidades de interesses, diferenças entre níveis de desenvolvimento, desequilíbrios entre os países, vários fatores se combinam para tornar praticamente impossível um exercício de coordenação desse tipo.
Uma proposta mais modesta poderia ser se obter uma interação mais frequente – uma vez ao ano – entre os líderes desse novo G13. Sherpas especialmente designados, encontrando-se duas vezes ao ano, poderiam ser mobiliados para discutir questões comerciais, assuntos ambientais, a proteção dos direitos humanos em países apresentando conflitos, missões de peace-keeping das Nações Unidas e outros temas do gênero, dotados de mandatos específicos de seus líderes políticos. Mas não se deve esperar pela ONU para organizar esse tipo de agenda. Já é difícil implementar qualquer coisa através da ONU, um órgão muito burocrático e passavelmente caótico. Melhor realizar a coordenação de agendas através das três mais importantes agências para a globalização contemporânea: o FMI, o Banco Mundial e a OMC.
A tarefa principal dos “novos sherpas” seria a de assegurar a coordenação econômica internacional em torno dos temas mais relevantes para a comunidade global. Uma sugestão possível seria tentar estabelecer um “global new deal”, um novo pacto mundial, intercambiando uma proteção extensiva aos investimentos e à riqueza proprietária (patentes e coisas do gênero), assim como outras condições apropriadas para o desenvolvimento da atividade produtiva no plano microeconômico, do lado dos países em desenvolvimento (ou recebedores de IDE), contra práticas de licenciamento extensivo e investimentos efetivos e liberalização comercial da parte dos países ricos e dos investidores privados. Esse tipo de pacto, ao ampliar os direitos proprietários para os ricos, poderia resultar no fortalecimento dos fluxos de investimentos financeiros e de comércio para os pobres, dando um grande impulso à globalização.
A assistência tradicional ao desenvolvimento, por ineficiente, deveria ser substituída, essencialmente, por um novo foco nas melhorias educacionais graduais, ou seja, um extenso programa para a qualificação de recursos humanos. A assistência, enquanto tal, deveria ser as limitada à implementação de um programa consistente de erradicação da maior parte das doenças infecciosas nos países africanos e em vários outras nações em desenvolvimento. A maior razão para a persistência da pobreza nesses países não é exatamente a falta de recursos, mas a ausência de governança e sua não-integração à economia mundial através de vínculos comerciais.
Considerando que questões de governança democrática e de proteção dos direitos humanos podem ser um desafio para países como a China, ou mesmo, talvez, para a Rússia, o alvo principal da agenda de um novo G13 poderia ser a adoção de altos padrões de governança pública na acepção técnica desta expressão. Na atual fase de guerra fria econômica pode ser precoce a tentativa de se fazer da governança democrática e do respeito pelos direitos humanos o critério decisivo para a cooperação bilateral ou multilateral. Mas estes devem ser os fins últimos de qualquer tipo governança global. Em última instância, a agenda de Fukuyama permanece atual e absolutamente necessária. Remeto, a propósito, ao meu artigo: “O Fim da História, de Fukuyama, vinte anos depois: o que ficou?” (Meridiano 47, n. 114, janeiro 2010, p. 8-17; link: http://meridiano47.files.wordpress.com/2010/05/v11n1a03.pdf). Esse programa não tem nada a ver com o fim da história, e sim com o fim dos regimes autoritários e fechados economicamente. Se existe algum determinismo na História, este parece ser o único aceitável.
Paulo Roberto de Almeida é Doutor em ciências sociais pela Universidade de Bruxelas (1984); diplomata de carreira do serviço exterior brasileiro desde 1977; professor de Economia Política Internacional no Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário de Brasilia – Uniceub; autor de diversos livros de história diplomática e de relações internacionais (www.pralmeida.org – pralmeida@mac.com).
Print Friendly, PDF & Email
  1. Gostaria de um esclarecimento do professor Paulo Roberto, se possível.
    O senhor é partidário da tese do fim das ideologias?
    Abraços.
  2. A minha e a sua adesão ao programa de Fukuyama mostra muito sobre nós ocidentais, e nossa obliteração do ego…
  3. Nobre Prof. Paulo
    Sem intenção de mudar o foco do seu artigo, e já mudando, gostaria de saber qual o seu fundamento de rotular o Prof. Eric Hobsbawm de “inocente útil”, apenas porque postula as ideologias como eternas ??
    Claro está que conhecendo seu talento como eu conheço, atrevo-me a pedir um artigo de sua pena sobre o assunto.
    As Ideologias ainda são necessárias “para viver” ?
    Senna Madureira
Minhas respostas aos perguntadores: 

1) Alex Neves: 
PRA: Não, não sou partidário da tese sobre o fim das ideologias, formulado em primeiro lugar pelo ex-trotsquista Daniel Bell, em meados dos anos 1950, inclusive porque aderir a uma tal "tese" – se ela merece essa classificação – seria negar o mundo como ele é, com comunidades inteiras, ou pensadores individuais, criando continuamente religiões e crenças políticas. Ideologias sempre vão existir, sobretudo uma que afirma que se pode fazer alguma coisa, qualquer coisa (política externa, por exemplo, ou comércio exterior) "sem ideologia". Os que assim afirmam – lembra alguma coisa ultimamente? – professam eles mesmos pelo menos uma ideologia, a do fim das ideologias, o que já torna ridícula tal postura.
Na verdade, Daniel Bell não tinha a intenção de opor-se a todas as ideologias; ele pretendia apenas afirmar (ou acreditar) que, depois de duas mortíferas guerras, nascidas em tempos diversos do nacionalismo extremado, do imperialismo mais despudorado, do hegemonismo tradicional de grandes potências arrogantes e de ilusões tendentes a fazer crer que, na era da grande indústria, seria possível ter guerras curtas e decisivas. Com a arma nuclear talvez, mas as guerras foram travadas justamente no conceito anterior: de mobilização total, com base em recursos, provisões, ferramentas e táticas bastante semelhantes umas às outras, antes que o instrumento nuclear viesse perturbar os cálculos estratégicos dos generais.
Daniel apenas acreditava que, depois de ideologias mortíferas, como foram, no século XX, os totalitarismos radicais – o fascismo italiano, o nazismo-hitlerismo alemão e o comunismo-bolchevismo-stalinismo da experiência soviética, sem esquecer o militarismo japonês, muito próximo do fascismo –, a humanidade estaria pronta para se livrar dessas pestes mortíferas, que não foram simples "doenças de pele", mas penetraram fundo na psicologia nacional, nos comportamentos sociais, nas posturas culturais, e que também influenciaram políticas econômicas e, mais importante, determinaram aventuras militares com ou sem estratégia.
Acredito que as ideologias vão continuar, como demonstrado mais recentemente, pelo chamado jihadismo, pelo trumpismo, e por novas vertentes da velha direita, sem que se possa afirmar que a esquerda já esgotou suas possibilidades de renovação. Esta última já está em baixa, mas eu não descarto um revival da esquerda, como sempre aparece, disfarçada de qualquer outra coisa (já tivemos o ecologismo anticapitalista).

2) Bruno: 
PRA: Não se tratou propriamente de uma pergunta, mas de uma confirmação de um possível acordo (se interpreto bem) com meus argumentos, e uma espécie de lamentação sobre nosso ego ocidental. Confesso que não sei como reagir, pois não posso me impedir de ser um ocidental, e de valorizar tudo o que o Ocidente fez de bem e de bom, em benefício da humanidade, e tampouco posso me impedir de ter ego, o que é uma postura bastante normal entre nós, humanos.

3) Senna Madureira: 
PRA: Caro e nobre amigo Senna Madureira. Desculpe-me se você admira o Eric Hobsbawm, certamente um dos maiores e mais importantes historiadores do século XX (e XXI), recentemente desaparecido, e fonte de conhecimento (e de formação de opiniões) para milhões de estudantes e leitores all over the world, durante mais de meio século. Reconheço a importância de Hobsbawm, como pesquisador histórico e como vulgarizador do conhecimento histórico, mas sou suficientemente informado (e treinado) no marxismo e no socialismo, no materialismo histórico, e sobre o próprio Hobsbawm, para também considerá-lo um ideólogo, defensor do socialismo, contra o capitalismo, que ele julgava injusto, criador de desigualdades, animado por desejos perversos de exploração dos trabalhadores em  benefício de uma burguesia vil.
Acho, sim, que as ideologias são inevitáveis, incontornáveis e até necessárias, uma vez que o homem não pode evitar ter de sonhar com o futuro, de interrogar-se sobre o passado e de tentar moldar não apenas o conhecimento sobre a flecha do tempo, mas igualmente a trajetória dos desenvolvimentos econômicos, políticos e sociais (até individuais), nos anos à frente. Eu mesmo, por exemplo, por mais objetivo que eu pretendo ser, pratica a ideologia do autodidatismo, pois tendo a acreditar que posso aprender tudo sozinho, apenas lendo meus livros e observando o mundo. Não é assim, claro, pois por mais "independentes" que acreditamos ser, somos sempre prisioneiros de algum ideólogo do passado ou do presente.
Não vou mais desenvolver esse argumento, pois precisamos marcar um encontro, com um bom vinho, para discutirmos sobre coisas mais agradáveis, justamente.

O grande abraço a todos os meus três leitores, na verdade perguntadores (pois imagino que os leitores tenham sido pelo menos o dobro desse número), e prometo prestar atenção ao que vem abaixo de meus artigos, da próxima vez.

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de março de 2019