O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

Mostrando postagens com marcador Luciano Coutinho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Luciano Coutinho. Mostrar todas as postagens

sábado, 31 de agosto de 2013

Brasil: uma politica economica esquizofrenica - Rogerio Werneck, Rodrigo Constantino

Do blog do economista liberal Rodrigo Constantino:


30/08/2013
 às 15:27 \ EconomiaIntervencionismoLiberdade Econômica

O modelo equivocado tem mãe. Ou: O problema vem do andar de cima.

Muita gente torce para alguma indicação mais concreta de que o modelo econômico, visto por quase todos como equivocado, finalmente será alterado. Concessões mais amigáveis aos investidores, fim da contabilidade criativa e maior rigor no combate a inflação. Compram sonhos.
Não só nenhum dos principais nomes envolvidos na concepção do modelo foi rifado apesar dos fracassos, como é preciso constatar que a cabeça da Hidra está um andar acima. Guido Mantega e Luciano Coutinho, por exemplo, exercem sua influência na medíocre gestão da economia, sem dúvida. Só que não basta demiti-los – o que sequer foi feito, pois a crença no nacional-desenvolvimentismo está enraizada em quem dá as cartas.
É o que sustenta Rogério Werneck em sua coluna de hoje no GLOBO, “Um governo em apuros”. Ele diz:
A esta altura, qualquer esforço sério de restauração da credibilidade da política fiscal exigiria mudança da equipe econômica. Algo que o governo obviamente não está disposto a fazer. Não obstante o lamentável desempenho da economia e a extensão do descrédito da política fiscal, a presidente não parece ter intenção de fazer qualquer alteração maior na equipe econômica, seja na Fazenda, seja no Tesouro, seja no BNDES.
Isso sugere que o problema de falta de credibilidade da política econômica é de solução bem mais difícil do que em geral se pensa. É preciso levar mais a sério o que diz a presidente Dilma, quando se dá ao trabalho de esclarecer, com todas as letras, que, na verdade, a central de formulação e condução da política econômica está instalada no terceiro andar do Palácio do Planalto. Só não entende quem não quer.
Exato. Quem determina os rumos das políticas econômicas é a própria presidente. Ela que tem endossado os malabarismos todos, o grau assustador de intervencionismo estatal, o congelamento de preços, os subsídios do BNDES. A visão distorcida acerca do funcionamento da economia não é apenas do segundo escalão, que por lábia aguçada teria persuadido a chefona. É da própria chefe!
E agora, com apenas um dado de crescimento acima do esperado, sendo que todas as previsões já apontam para recuo no próximo trimestre, o governo voltou a vender euforia e ridicularizar os “pessimistas”. Já vimos o fundo do poço, diz Mantega, mais torcedor que qualquer coisa.
Com isso, o equívoco ganha sobrevida. A equipe que vem adotando tantas medidas erradas respira aliviada, aumentando o grau de tensão do mercado. Menos pressão para mudar o rumo. Mais problemas à frente. Tudo devidamente apoiado pela própria presidente Dilma.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Industria brasileira nos anos 90 (livro) - resenha de Mario Salerno

Mais uma reprodução de um livro que pode ter sua importância para analisar a indústria brasileira em épocas passadas, numa resenha feita por acadêmico então trabalhando no Ipea:


Um balanço dos anos 1990ImprimirE-mail
Mario Sergio Salerno
livro020
O livro - uma coletânea de oito capítulos precedidos por breve e genérica introdução -realiza um balanço da abertura da economia brasileira ao comércio internacional e ao investimento direto externo (IDE) realizada nos anos 1990 para sustentar o processo de privatizações e os desequilíbrios na balança comercial que se seguiram à paridade cambial introduzida pelo plano Real. Para tanto, analisa as conseqüências do IDE, os impactos da abertura sobre o conteúdo importado na indústria, a inserção internacional das grandes empresas de capital nacional, os padrões de integração comercial das filiais de empresas transnacionais, as características e impactos das empresas estrangeiras no comércio exterior brasileiro, o papel do Mercosul no processo de internacionalização comercial do Brasil e o Mercosul em si, finalizando com considerações sobre política industrial.

Um problema comum em coletâneas é a heterogeneidade das contribuições. A obra em análise não foge à regra. Ela poderia ser muito potencializada se houvesse uma amarração entre os capítulos - por exemplo, numa introdução ou num capítulo final que fizesse um balanço crítico, comparasse resultados e análises em que as discussões se repetem.

Os autores discutem a literatura que considerava que as transnacionais incrementariam as exportações e a competitividade da economia, sendo as importações um movimento passageiro, que cessaria quando os investimentos industriais se concretizassem. Levantam dados empíricos para contestar tal movimento "virtuoso". Esse é o ponto alto do livro. Os dados mostram que o aumento do IDE não se refletiu na taxa de investimento, pois uma parte considerável foi destinada à compra de ativos já existentes, ao contrário do que ocorreu na China, onde 95% do IDE foi canalizado para novos ativos. O peso das empresas estrangeiras passou de 27% para 42% do faturamento total da indústria brasileira; as filiais de empresas estrangeiras não exportaram proporcionalmente mais e importaram 26% mais do que as nacionais de mesmo tamanho e setor. O processo de abertura dos anos 1990 não resultou em maior presença mundial das empresas nem dos produtos brasileiros, mas aumentou o passivo externo e o consumo de bens intermediários produzidos alhures. Para os mercados centrais eram enviadas fundamentalmente commodities, ao passo que o Mercosul contribuiu para melhorar a inserção de produtos manufaturados.

Se os autores obtêm sucesso nas suas teses sobre as características e o efeito da abertura nos anos 1990, nada falam sobre o ímpeto exportador nos anos 2000, que abre um caminho alternativo de pesquisa. A desvalorização cambial e o regime de câmbio flutuante introduziram um novo cenário, mas há evidências de que as empresas remanescentes saíram fortalecidas, o que, aliado ao incentivo às exportações, principalmente a partir de 2003, promoveu uma forte mudança no quadro externo brasileiro.

Mario Sergio Salerno