O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

Mostrando postagens com marcador fraude política. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fraude política. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A fraude do bolsonarismo: maior do que se pensa: 60 pc de perfis falsos

Bem, parece que o filho das redes sociais e seus associados trabalharam melhor do que se esperava, e por isso o pai se mostra tão reconhecido. Uma grande fraude ao que parece...
Paulo Roberto de Almeida

Rubens Paiva: “companhia afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos”

Companhia afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos. Foto: Reprodução
Diário do Centro do Mundo (já sei, já sei: esquerdista), 10 de maio de 2019

O jornalista Marcelo Rubens Paiva aborda os bots de Bolsonaro em sua coluna no Estado de S.Paulo. “Jair Bolsonaro é assíduo no Twitter. Sua conta, oficial. Através dela, derrubou a bolsa e criou polêmicas. Por ela, governa, critica a imprensa e adversários políticos. Mas parte considerável (dos seguidores) é fake (bots). É o que descobri stalkeando o Twitter mais poderoso da República, @jairbolsonaro, que muitos afirmam ser gerido pelo filho Carlos, o vereador mais influente da mesma, pelas agências e auditorias e controle de contas das rede sociais”.
Ele desenvolve o raciocínio: “A companhia de software SparkToro afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos (spam, bots, propaganda ou inativos). A SparkToro chegou a esses dados após descobrir que 87% deles quase não têm seguidores, 69% usam locações que não se encaixam, 94% não têm URL e 61% das contas foram criadas há menos de 60 dias, além de outros dados que usam para definir o que é falso. O site StatusPeople vai mais longe: apenas 27% dos seguidores são comprovadamente reais, 7% são falsos e 66%, inativos. Já a auditoria TwitterAudit atesta que apenas a metade dos seguidores é real. A outra metade é composta por falsos ou incertos”.
E finaliza: “Não se sabe ao certo quem segue o presidente. Mas sabemos que, quem interessa a ele, segue”.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

A maior fraude da politica brasileira volta a grasnar - Editorial Estadao

Não dá para levar a sério

Editorial O Estado de S. Paulo, quarta-feira, 30 de abril de 2014

Não se deve levar a sério quem não leva a sério a si mesmo. Diante das nuvens que ameaçam carregar de sombras o cenário eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu abrir a caixa de ferramentas e "partir para cima" de quem ou o que quer que seja que represente risco para o projeto de perpetuação do PT no poder.

Tem aproveitado todas as oportunidades para exercitar sua conhecida e inexcedível desfaçatez. Na noite de sábado passado, em entrevista à TV portuguesa, chegou ao cúmulo, ao interromper a entrevistadora que queria saber o nível de suas relações com José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares e sair-se com uma inacreditável novidade: "Não se trata de gente de minha confiança".

Então está tudo explicado. E toda a Nação tem a obrigação de reconhecer que o ex-presidente falava a verdade em agosto de 2006, quando o escândalo do mensalão estourou: "Quero dizer, com franqueza, que me sinto traído. Não tenho vergonha de dizer ao povo brasileiro que nós temos que pedir desculpas". O fato de as pessoas (a "gente") a que Lula se referia serem o seu então ministro-chefe da Casa Civil - na verdade, um primeiro-ministro ad hoc -, o presidente nacional e o tesoureiro de seu partido tinha então toda a importância, a ponto de o presidente se sentir traído.

Mas, em 2006, surfando no prestígio popular garantido pelo sucesso de seus projetos sociais, Lula reelegeu-se presidente e, cheio de si, subestimando como de hábito o discernimento das pessoas, começou a, digamos, mudar de ideia sobre o mensalão.

Afinal, se estava tão bem na foto, por que posar de vítima?

Em novembro de 2009, já na pré-campanha eleitoral do ano seguinte, passou uma borracha nas declarações anteriores e proclamou diante das câmeras de televisão: "Foi uma tentativa de golpe no governo. Foi a maior armação já feita contra o governo".

Exatamente um ano depois, já comemorando a eleição da sucessora que havia escolhido a dedo, anunciou, onipotente, sua primeira proeza tão logo deixasse o governo: "Vou desmontar a farsa do mensalão".

Os fatos acabaram demonstrando que Lula não estava com essa bola toda. Provavelmente até hoje ele não entendeu direito como é que um colegiado de 11 ministros, dos quais 8 - esmagadora maioria - foram escolhidos por ele próprio e por sua sucessora, foi capaz de armar uma falseta dessas contra "nós".

Mas Lula nunca foi de dar bola para os fatos. Quando não gosta deles, simplesmente os descarta. Prefere criar suas próprias versões.

Uma dessas criativas versões, novidade no repertório do grande palanqueiro pela precisão quase científica que aparenta conter, foi revelada nessa entrevista televisiva que concedeu em Lisboa, durante sua estada em Portugal para as comemorações dos 40 anos da Revolução dos Cravos. E bota criatividade nisso: "O mensalão teve praticamente 80% de decisão política e 20% de decisão jurídica". Quer dizer: a Suprema Corte de Justiça do País tornou-se politicamente cúmplice da "maior armação já feita contra o governo".

A entrevistadora da TV portuguesa estranhou a esdrúxula divisão, mas o ilustre personagem não hesitou em, novamente, sacrificar a lógica e a coerência em benefício de sua cruzada contra o Mal. E encerrou o assunto: "O que eu acho é que não houve mensalão".

Pelo menos ele está "achando" - não tem a categórica certeza que demonstrou quando garantiu, na prematura apoteose do pré-sal, que o Brasil se tornara "autossuficiente" em petróleo.

Outra pérola do pensamento lulista foi oferecida aos telespectadores quando a entrevistadora provocou o entrevistado sobre o fato de sua popularidade manter-se incólume enquanto a de sua sucessora despenca. Ato falho ou exacerbação do ego, Lula sentenciou: "O povo é mais esperto do que algumas pessoas imaginam".

De resto, o fato de, certamente julgando a partir de seu próprio exemplo, entender que a "esperteza" é uma grande virtude do povo brasileiro, Lula dá a exata medida dos valores éticos que cultiva, na hipótese generosa de que cultive algum.

Levá-lo a sério é cada vez mais difícil.

sábado, 12 de abril de 2014

Reforma politica a la PT: tudo o que o Brasil NAO precisa

Gracas ao amigo de resistência intelectual contras as mentiras e fraudes companheiras e colega blogueiro Orlando Tambosi, reproduzo abaixo a nova linha diretriz do bureau politico do Comitê Central do partido neobolchevique para a próxima etapa da tentativa de monopolização bolivariana, não menos totalitária, do sistema político e das instituições no país.
Tudo o que aí está é contra o interesse nacional e a cidadania, desde que comandado pelos totalitários potenciais. 
Paulo Roberto de Almeida 
Petistas ainda tramam o golpe bolivariano da "assembleia constituinte"
Recebi, certamente por engano, e-mail da secretaria nacional de organização do PT conclamando os militantes para a segunda etapa da campanha para a reforma política. Entre os "pilares" da proposta do Partido Totalitário está a golpista "assembleia constituinte" - instrumento de que se valeram os vizinhos bolivarianos para solapar as instituições. Segue o texto na íntegra (redação tipicamente petista, haja sic):


Brasília, 11 de abril de 2014.

Prezados(as),

O Partido dos Trabalhadores elaborou um projeto de iniciativa popular para coletar 1,5 milhão de assinaturas a fim de propor alguns pontos de mudança na nossa política. Já estamos nas ruas com uma campanha nacional em busca do apoio da sociedade. No ano passado para a campanha foram enviados documentos e um formulário para recolhimento de adesão/assinaturas. O intuito era que no processo do PED, pudéssemos ter arrecadado o máximo de assinaturas possíveis. Ocorre que alguns estados e municípios ainda não enviaram para o Diretório Nacional.

Iniciaremos a partir de maio próximo a 2° etapa da Campanha, com o objetivo de envolver toda a sociedade civil e queremos fazer do PT o protagonista da grande e necessária Reforma que certamente, mudará os rumos das eleições em nosso país.

A proposta do PT é Fundamentada basicamente em quatro pilares:
FINANCIAMENTO PÚBLICO E EXCLUSIVO DE CAMPANHA;
VOTO EM LISTA PRÉ-ORDENADA PARA OS PARLAMENTOS;
AUMENTO DA PARTICIPAÇÃO FEMININA;
ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE EXCLUSIVA;

Para esta nova etapa, iremos percorrer todo o Brasil, construindo o debate com a nossa base social, levando uma nova narrativa ainda mais convicta da precisão desta Reforma. Haverá também um novo material, com mais didática e acessibilidade levando em conta todo o movimento de junho/2013. Em breve nossa campanha estará nas redes, nas caixas de correios e sobretudo nas mentes e corações de quem quer um Brasil sem corrupção.

Desta forma é fundamental, que você identifique em seu município se houve a campanha, se colheram as assinaturas e por fim que nos envie com grande rapidez, pois precisamos concluir esta 1º etapa até 30 de abril.

Solicitamos que faça contato conosco, através do e-mail:reformapolitica@pt.org.br

Os Formulários já preenchidos e assinados deverão ser enviados para a nacional até 30 de abril para o seguinte endereço:

DIRETÓRIO NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES SCS, Quadra 02, Bloco C, nº 256, Edifício Toufic – 1° ANDAR - Brasília/DF – CEP 70302000

Saudações Petistas,

                        GLEIDE ANDRADE

RUI FALCÃO
Vice-Presidente Nacional do PT
Coordenadora da Reforma Política
Presidente Nacional do PT

sexta-feira, 10 de maio de 2013

De volta ao debate: a Comissão da (In)Verdade e a fraude com a História (3)


Agora as reações despertadas entre leitores, vários me solicitando fazer um depoimento, o que fiz, tempos depois, mas nunca tinha divulgado, o que farei a partir da posta subsequente:

15 comentários:
Anônimo disse...
PRA,
E ate dificil acreditar neste texto, visto que os demais sempre foram favoraveis a economia de mercado, democracia, liberdade.
O Sr. Ja escreveu como deu-se esta mutacao de participante de grupos armados para um diplomata bem intencionado? Quando percebeu que trilhava um caminho inconsistente?
Nao ha muitos com esta autocritica, seja para o que for.
Seria demais interessante ler relato deste periodo sob sua otica.
Gustavo Stein
Gustavo disse...
Faço coro com o xará do post anterior.

Abraços
Anônimo disse...
Até hj só vi o Gabeira e, agora, vc, admitirem isso publicamente.

Existem muitos que já revisaram o pensamento e amadureceram, mas não admitem publicamente, ou admitem com eufemismos - talvez até por uma certa proteção psicológica, já que não deve ser fácil aceitar o fato de ter passado um bocado de tempo enganado.

Infelizmente, ainda existem alguns refratários alocados em algum partido irrelevante ou no PT.

Vc que conhece os bastidores da política e deve saber bem como pensam os petistas do governo, ilumine-me: quando é que chega a luz para os cabras, e quando é que eles se aliarão com o PSDB em prol do progresso social(democrata)? Porque quando cair a ficha dos comunas mais ortodoxos, eles vão virar alguma coisa parecida com tucano, não?

abraços, Zamba
Anônimo disse...
Muito estimulante encontrar mais um indivíduo corajoso, honesto, culto e inteligente como este! Recurso escasso neste pais surrupiado por demagogos e safados........
Gustavo disse...
Parabéns pela coragem e honestidade, Sr Paulo Roberto de Almeida. Texto louvável!
Juliana disse...
Sr Paulo Roberto, meus parabéns pela honestidade moral. Sou educadora e apesar de civil, sinto repugnância dessa grande falsidade chamada comissão da verdade, que descaradamente quer reescrever unilateralmente a história, mesmo que a saibamos cheia de desacertos. Fico feliz em vermos brasileiros corretos e comprometidos com a verdadeira verdade como o senhor. Felicidades e parabéns pelo espaço inteligente e que nos transmite a grande capacidade de que é dotado o seu autor.
Anônimo disse...
Seria interessante que a imprensa abrisse espaço para outras pessoas que viveram aquele período e conhecem a verdade verdadeira sobre os fatos que ocorreram durante a chamada guerra suja. Infelizmente,a imprensa livre faz o jogo seus maiores inimigos de sempre, que são estes que estão no poder. Raramente há uma contestação às inverdades pregada pela esquerda como a luta pela democracia citada pela presidente.
Anônimo disse...
Oh! Inocente Juliana, pergunte ao Dr. Paulo o que ele acha dos pensadores que você estudou durante toda a sua faculdade, como por exemplo, Paulo Freire. Depois ficarei aguardando sua opinião sobre tudo o que disse acima...
Quanto à comisão da verdade é uma das coisas mais ridículas que já vi na política brasileira.
Ass: Alguém
Juliana disse...
Anônimo de 21/5

As menções que faço de Paulo Freire em meu blog (http://umaeducadora.blogspot.com) tratam-no como um embuste tão grande quanto essa comissão da verdade. Quanto a Vygotsky e outros pensadores de esquerda, vejo o que de bom tem na teoria que eles apresentaram à humanidade. Nada é tão ruim que não possa ser filtrado. Como em nosso país não há teóricos na área de educação, os que existem mundo afora devem nortear o trabalho dos educadores interessados em progredir. Quanto ao que pensa o autor deste blog sobre a educação, concordo com seu post de hoje, em que ele apresenta em poucas linhas o caos que foi construído pela esquerda rançosa e primitiva. No mais, de inocente não tenho nada. Felicidades.
Anônimo disse...
Prezada Juliana,
em resposta às suas colocações sobre o que afirmei sobre sua inocência, confesso que derrubou minha argumentação. Acabo de ler seu blog e gostei do que li, apesar de ter feito de forma dinâmica, mas passarei a acompanhar seus escritos. Quanto ao meu blog, infelizmente, não poderei divulgá-lo, mas saiba que temos alguns pensamentos semelhantes.
Felicidades e um beijo carinhoso para você !
Anônimo disse...
Sr Paulo Roberto, vejo que a sua lucidez contrasta com aqueles que hoje pregam de inocentes e vítimas que nunca foram. Entendo que, na juventude, o senhor possa ter sido levado por ideologias retrógradas que hoje permeiam ascabeças dos que estão no poder. Eles sabem a verdade tanto quanto o senhor, só não admitem.
Anônimo disse...
uma leitora
Comissão da verdade , a verdade sempre tem dois lados , estão dando conotação de horror,ao gov militar, será?.. mas o outro lado apavorava psicologicamente a população,com ideias que nem os proprios eram conscientes , eram puramente ideologias ,acredito queriam fazer revolução ideologica
Anônimo disse...
Também me posiciono contra essa comissão pela sua inutilidade, ranço e descarada unilateralidade, que me parece injusta, principalmente com o grande número de vítimas inocentes das desastrosas ações acontecidas.
Espero sinceramente que a sociedade reaja e evoque que sejam investigados então TODOS os atos criminosos, de ambos os lados, pelo bem da Verdade, e que doa a quem doer. Será?
Temos que cobrar isto, afinal, não é a verdade que se busca?
Gostei de ver sua coerência e honestidade, felicidades.
ramos disse...
Prezado Sr Paulo Roberto, parabenizo pela sua hombridade de trazer à público a verdadeira intentona dos comunas. Como seria bom para o país se esses velhos fanáticos -que causaram tantas vítimas inocentes; muitas sem saber ao certo o motivo de tanto sangue derramado – refletirsem , assim como o Sr o fez, e, através da mídia- que tende a enveredar para uma única mão- mostrem ao povo a verdadeira história, não a que lhes covém. Parabéns Sr Paulo Roberto, por contribuir com a verdade.
Eugenio ramos de melo
Anônimo disse...
Elogiável seu texto. Trabalhava numa grande multinacional, na época. Para a população comum e aqueles que trabalhavam em grandes empresas, esses elementos que dizem ter lutado pela democracia eram uma contínua dor de cabeça. Todo executivo de empresas e a população estavam ameaçadas de ser morto por eles. Eles estavam ameaçados pelo regime militar como estão hoje ameaçados os foras da lei. O que se instalou foi uma comissão da inverdade, pois na época lutavam pela instalação de um regime muito pior do que o que tínhamos. Como é um logro e um desfalque ao povo brasileiro as indenizações que se pagam aos que participaram desses movimentos. Pessoas de bem asumem seus erros e não ficam tentando mentir e construir algo em cima de inverdades, para serem beneficiadas por estas. Quem construiu a transição do regime militar para o democrático foi o povo ordeiro e trabalhador do Brasil. Já pensei até em pedir indenização, pois enquanto muitos faziam baderna eu trabalhava duro para construir um Brasil melhor e recebe migalhas de aposentadoria, enquanto os revolucionáriso da época recebem pensões milionárias. Este é o país da mentira e da enganação. JALI

De volta ao debate: a Comissão da (In)Verdade e a fraude com a História (2)


A postagem original; exatamente como foi postada, quase um ano atrás. Podem conferir neste link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2012/05/dou-me-o-direito-de-discordar-comissao.html

quarta-feira, 16 de maio de 2012
Dou-me o direito de discordar (Comissao da "Verdade")
Sobre isto:

A presidente Dilma Rousseff empossou nesta quarta-feira, em Brasília, os sete integrantes da Comissão Nacional da Verdade, grupo de trabalho que irá apurar violações de direitos humanos durante a ditadura militar, entre os anos de 1946 e 1988. Com voz embargada, a presidente negou que o colegiado busque “revanchismo” ou a possibilidade de “reescrever a história”. Ex-integrante da organização clandestina VAR-Palmares, a presidente se emocionou ao relembrar os “sacrifícios humanos irreparáveis” daqueles que lutaram pela redemocratização do país...

peço licença para discordar.
Como ex-integrante de dois desses grupos que alinharam contra o regime militar, no final dos anos 1960 e início dos 1970, posso dizer, com pleno conhecimento de causa, que NENHUM de nós estava lutando para trazer o Brasil de volta para uma "democracia burguesa", que desprezávamos.
O que queríamos, mesmo, era uma democracia "popular", ou proletária, mas poucos na linha da URSS, por nós julgada muito "burocrática" e já um tantinho esclerosada.
O que queríamos mesmo, a maioria, era um regime à la cubana, no Brasil, embora alguns preferissem o modelo maoista, ainda mais revolucionário.
Os soviéticos -- e seus servidores no Brasil, o pessoal do Partidão -- eram considerados reformistas incuráveis, e nós pretendíamos um regime revolucionário, que, inevitavelmente, começaria fuzilando burgueses e latifundiários. Éramos consequentes com os nossos propósitos.
Sinto muito contradizer quem de direito, mas sendo absolutamente sincero, era isso mesmo que TODOS os desses movimentos, queríamos.
Essa conversa de democracia é para não ficar muito mal no julgamento da história.
Estávamos equivocados, e eu reconheço isso. Posso até dar o direito a outros de não reconhecerem e não fazerem autocrítica, por exemplo, dizer que nós provocamos, sim PROVOCAMOS, o endurecimento do regime militar, quando os ataques da guerrilha urbana começaram. Isso é um fato.
Enfim, tem gente que pode até querer esconder isso.
Mas eles não têm o direito de deformar a história ou mentir...

Paulo Roberto de Almeida 
=================

Addendum em 21/05/2012
A revista Veja, em sua edição do sábado 19 (data de capa 23/05/2012), reproduziu trecho desta postagem, desta forma:
O sociólogo Paulo Roberto de Almeida, que pertenceu a grupos de insurreição armada contra o regime militar brasileiro, colocou a questão com muita clareza:
"Como ex-integrante de dois desses grupos que se alinharam contra o regime militar, posso dizer, com pleno conhecimento de causa, que nenhum de nós estava lutando para trazer o Brasil de volta para uma 'democracia burguesa', que desprezávamos. Nós pretendíamos um regime revolucionário, que, inevitavelmente, começaria fuzilando burgueses e latifundiários."
Essa é a verdade. É uma afronta à história tentar romantizar ou edulcorar as ações, os métodos, as intenções e as ligações com potências estrangeiras dos terroristas que agiram no Brasil durante o período militar.

Postado por Paulo Roberto Almeida às 19:14