O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A fraude do bolsonarismo: maior do que se pensa: 60 pc de perfis falsos

Bem, parece que o filho das redes sociais e seus associados trabalharam melhor do que se esperava, e por isso o pai se mostra tão reconhecido. Uma grande fraude ao que parece...
Paulo Roberto de Almeida

Rubens Paiva: “companhia afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos”

Companhia afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos. Foto: Reprodução
Diário do Centro do Mundo (já sei, já sei: esquerdista), 10 de maio de 2019

O jornalista Marcelo Rubens Paiva aborda os bots de Bolsonaro em sua coluna no Estado de S.Paulo. “Jair Bolsonaro é assíduo no Twitter. Sua conta, oficial. Através dela, derrubou a bolsa e criou polêmicas. Por ela, governa, critica a imprensa e adversários políticos. Mas parte considerável (dos seguidores) é fake (bots). É o que descobri stalkeando o Twitter mais poderoso da República, @jairbolsonaro, que muitos afirmam ser gerido pelo filho Carlos, o vereador mais influente da mesma, pelas agências e auditorias e controle de contas das rede sociais”.
Ele desenvolve o raciocínio: “A companhia de software SparkToro afirma que 60,9% dos seguidores de Jair Bolsonaro são falsos (spam, bots, propaganda ou inativos). A SparkToro chegou a esses dados após descobrir que 87% deles quase não têm seguidores, 69% usam locações que não se encaixam, 94% não têm URL e 61% das contas foram criadas há menos de 60 dias, além de outros dados que usam para definir o que é falso. O site StatusPeople vai mais longe: apenas 27% dos seguidores são comprovadamente reais, 7% são falsos e 66%, inativos. Já a auditoria TwitterAudit atesta que apenas a metade dos seguidores é real. A outra metade é composta por falsos ou incertos”.
E finaliza: “Não se sabe ao certo quem segue o presidente. Mas sabemos que, quem interessa a ele, segue”.

Nenhum comentário: