O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Woodrow Wilson: um racista internacionalista, by Patricia O'Toole - Book review

'The Moralist': What drove the 'tragic figure' of Woodrow Wilson?

A century after his term in office, many of Wilson's ideals remain deeply divisive.


In 1913, my great-grandparents – both pioneers in the Oklahoma Territory – decided to honor the brand-new Democratic president of the United States. So they gave the middle names Woodrow and Wilson to a pair of newborn twins – both girls.
My great-aunts each lived nearly a century, one that was deeply influenced by President Woodrow Wilson. He won a war, lost a peace, and pushed progressive values while failing to stand up for minorities, women, and American freedoms.
"He had really great triumphs and really spectacular defeats, and they've been important and lasting," says historian Patricia O'Toole, author of the new book The Moralist: Woodrow Wilson and the World He Made.
Now, nearly 100 years after Wilson began a wrenching decline while in office, some of his ideas remain deeply divisive – especially his landmark commitment to worldwide cooperation instead of isolationist nationalism.
Q: What fascinates you about Woodrow Wilson?
I was collecting books about presidential  greatness, and I took a look at the index of one of them. The Wilson entries just went on and on, and he took up more space than Lincoln, Washington or Roosevelt.
Q: Why did you title the book "The Moralist"?
His conscience and deep moral concern allowed him to get legislation through Congress for six years when he had control of both Houses. Then the country voted Republican in the mid-term election of 1918, and all of a sudden he's a minority president.
He's not used to this. He's still trying to lead by his conscience and notions of morality, but it's not working any more.
His admirable moral sense hardens into moral superiority. He becomes unbending and ever more certain that he's on the right side of history, the guardian of American ideals, and everyone else is a threat. It's an overwhelming moral vanity.
Q: How does he manage to be so progressive while being so backwards at the same time?
He had been a champion of free expression, but he now holds the record of the greatest repression of dissent of any president.
As for race, he believed in segregation, but he knew it wasn’t fair. He just didn’t know any other thing to do about it. He said he did not know how to pass a law that would change people's attitudes.
That, of course, is what people were still saying to Martin Luther King Jr. 50 years later.
Wilson might have taken more a more enlightened stand. You hope that a leader will do that, especially if he knows in his gut that his position is morally wrong. But he knew he would lose, so he just bowed to the pressure.
Q: What surprised you about Wilson?
He was afraid of other powerful men and couldn't schmooze. His only male friend was his doctor, and he had 99% of his meals either alone or with his family.
It's extremely different from Theodore Rosevelt. If you were in his office at 11 in the morning and talking to him about something, he'd be likely to say, "Well, senator, can you have lunch with me and my family? Quentin was asking about your dog the other day." You'd go back to Capitol Hill thinking, "I really like this guy. I'll work with him."
Wilson never had this kind of good will going for him.
The other surprising thing is that he was a terrible negotiator because he didn't approve of negotiation. He never understood that when you make concessions to other people, you can ask for concessions from them.
Q: Despite his dour appearance, Wilson was quite the besotted romantic when it came to women. What did you discover on that front?
Women were not threatening to him.There are love letters between him and his first wife, and it's clear that they could hardly wait to see each other and be in each other's arms.
After he loses her, he's absolutely desolate and doesn't imagine he'll have another wife at all. Then he falls in love at first sight with Edith Bolling Galt. Sometimes he'd walk back to the White House from her house, and he'd be whistling and do a jig.
[She become Wilson's second wife, and many historians believe she managed the White House when he fell ill toward the end of his second term.]
Q: What is Wilson's legacy?
It's internationalism – the idea that there should be one alliance in the world, that everyone would have an interest in preventing war.
He thought global problems required global cooperation and global solutions. It was the most truly revolutionary idea of the 20th century in international relations.
Q: Do you think he's a tragic figure?
I do. He really was a deeply principled man, but there are these blots on his record of race and gender and the repression of dissent.
And then he's a pathetic figure after the mid-term elections of 1918. He can't get anything done, and he's just railing against the world. That's tragic for him and for us.

‘Rodin and the Art of Ancient Greece’ at the British Museum (WSJ)

‘Rodin and the Art of Ancient Greece’ Review: Recasting History

At the British Museum, an exhibition juxtaposes the work of the French sculptor with selections from the Elgin Marbles.

Unmounted youths preparing for the cavalcade, block from the north frieze of the Parthenon (c. 438-432 B.C.)
‘In my spare time, I simply haunt the British Museum,” Auguste Rodin told an interviewer in 1903. The museum had the Elgin Marbles—more than half of the surviving statues and friezes designed by Phidias (c. 480-430 B.C.) for the Parthenon at Athens.

Rodin and the Art of Ancient Greece
The British Museum 
Through July 29
Rodin (1840-1917) was not so much haunted as captivated by Greece. Compelled to incorporate and extend its forms, he created a new genre, the partial figure, and adopted the fragment, archaeology’s gift to Modernism, as the expression of the complete work.
Brilliantly conceived, the British Museum’s new exhibition “Rodin and the Art of Ancient Greece” juxtaposes Rodin with his idol Phidias. More than 80 works in marble, plaster and bronze, many from the Musée Rodin in Paris, are presented alongside selections from the Elgin Marbles in the clear, albeit not Attic, light of the Sainsbury Exhibitions Gallery, whose end wall is a window.

Large plaster version of Rodin’s ‘The Kiss’ (after 1898)
Large plaster version of Rodin’s ‘The Kiss’ (after 1898) Photo: Musee Rodin
The rhythm of surface resemblance runs between the pairings, but it is the deep resonances and contrary pressures that make this exhibition so stunning. Cicero praised Phidias for summoning “a sort of extraordinary apparition of beauty” from his imagination (phantasia). Rodin sought “the entire truth, not only what is on the surface.” His sculptures are immersed in the fragmentary past, but their extraordinary beauty emerges as an intensely present reality.
The nude male in Rodin’s “The Age of Bronze” (1877) raises an arm like the tensely posed unmounted youth who prepares for the cavalcade on the north frieze of the Parthenon. The posture also invokes Michelangelo’s “The Dying Slave” (1513-16), and the Doryphoros (Spear-Bearer) of Polykleitos (440-430 B.C.). Instead of replicating Polykleitos’ arithmetical perfection and Phidias’ impersonal muscularity, Rodin presents a nervous, boyish figure.

Auguste Rodin’s ‘The Walking Man’ (1907); sand cast by Alexis Rudier 1913
Auguste Rodin’s ‘The Walking Man’ (1907); sand cast by Alexis Rudier 1913 Photo: Musee Rodin
“The Kiss” is a modern archetype, so we easily forget that the lovers are the adulterers Paolo and Francesca from Dante’s “Divine Comedy,” and that Giancotto, his brother and her husband, is about to discover and kill them. Pairing a large plaster version of “The Kiss” (after 1898) with two diaphanously draped goddesses from the Parthenon’s East Pediment emphasizes the erotic flow of drapery and flesh-like marble between the goddesses. 
Rodin obscures his mortal’s faces; Phidias’ goddesses have lost their heads which, judging from surviving pedimental heads, would have been impassive. The body must talk, and the conversation runs between the pairings. Unfinished patches behind the goddesses are echoed by the all’antica roughness of the lovers’ seat. The crack where a goddess’s arm has broken is doubled by the crevice in Paolo’s back muscles. The goddesses have never seemed so three-dimensional, or so intimately alive.
The Parthenon sculptures were made as architectural ornaments, but dismantled as art objects. A similar fate befell “The Gates of Hell,” commissioned by the French state in 1880 for a decorative-arts museum in Paris that failed to materialize. Over the next decades, the figures climbed down as independent works, resonant with living myth. 

Rodin in his Museum of Antiquities at Meudon on the outskirts of Paris (c. 1910)
Rodin in his Museum of Antiquities at Meudon on the outskirts of Paris (c. 1910) Photo: Musee Rodin
The river god Ilissos, who once reclined on the West Pediment of the Parthenon, undulates next to “The Earth” (1896), in which Gaia strains against formlessness as though aspiring to pedimental perfection, and “Ariadne” (1905), who began as “Recumbent Woman” in “The Gates of Hell,” before being renamed after the “Sleeping Ariadne” in the Vatican. Time has exposed the hidden plane that predestined Ilissos to emerge from his marble block, a rippled striation that runs diagonally across his back from his left shoulder, and then down his right thigh. Rodin builds the same plane with Ariadne’s sinews.
The Victorian Neo-Hellenists, too late for Byronism and too early for Hollywood, aimed for perfection. Rodin saw the Marbles as they were: damaged and cryptic, defaced by the hammers of Christian zealots and dilapidated by Turkish gunpowder. Then and later, Athenian life was an agōn, a contest of forces. 
Bibi, the Parisian laborer who modeled for “Man With the Broken Nose,” resembles a Silenus or a Sophocles. He is not drunk on wine or language, but dazed by a blow from a shovel. We see the modern agōn in the broken planes of his face. He was denied entry to the Salon of 1865 (though he gained admittance in 1875).
With similar fluidity, Rodin invents the “Sister of Icarus” (1894-96), raises a naked dancer to the pantheon as “Iris, Messenger of the Gods” (1895), and combines fragments into “The Centauress” (1903-04). Her exaggerated stretch anticipates further modern dislocations. Before T.S. Eliot’s “heap of broken images,” Rodin was exploiting his “mutilated gods” as the material of new composites.
This is the first time that the British Museum has mixed Phidias’ Marbles with the work of another artist. Few could endure the contest. And Rodin, who never visited the Acropolis, might have appreciated this exhibition’s implicit argument for retaining the Elgin Marbles in so illuminating a spiritual exile: that the Rodin pairings put them into dialogue with the history of sculpture, rather than the myths of Athens. “What perfect unity there is in this fragment,” he marveled. “Is not the entire Acropolis here?”
—Mr. Green is a historian and critic in Boston.

domingo, 29 de abril de 2018

Ludwig von Mises explica as causas reais da queda do Imperio Romano (Mises Brasil)

Apenas uma mente brilhante como a de Mises, e um homem dotado de cultura clássica e de instinto econômico, como ele, poderia explicar de maneira sintética, algo que os historiadores não souberam interpretar até hoje: a queda do império por "invasões bárbaras".
Na verdade, Edward Gibbon, em sua monumental história do Declínio e Queda do Império Romano já tinha feito um relato excelente sobre as disfunções econômicas do Império, o extrativismo estatal, a inflação, a desorganização monetária, a corrupção, etc.
Recomendo ler os muitos comentários dos leitores que estão na postagem original do Instituto Mises Brasil, neste link: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1348
Vou dar uma aula sobre isso, com base neste texto.
Paulo Roberto de Almeida 

Observações sobre as causas do declínio da civilização romana

Ludwig von Mises
Instituto Mises Brasil, 3 de julho de 2012

A compreensão dos efeitos da intervenção do governo sobre os preços de mercado permite-nos entender as causas econômicas de um evento histórico da maior importância: o declínio da civilização romana.
Não é necessário especificar se a organização econômica do Império Romano poderia ou não ser qualificada como capitalista.  O que interessa é que não há dúvida de que o Império Romano no século II, o período dos Antoninos — os "bons imperadores" —, havia alcançado um alto grau de divisão do trabalho e de comércio interregional.  Diversos centros metropolitanos, um número considerável de cidades médias e inúmeras pequenas cidades eram as sedes de uma civilização refinada.  
Os habitantes dessas aglomerações urbanas eram plenamente supridos de alimentos e matérias-primas, não apenas pelos distritos rurais vizinhos, mas também pelas províncias distantes.  Uma parte destes suprimentos fluía para as regiões urbanas como renda de ricos proprietários de terras que residiam nas cidades.  Mas parte considerável era comprada da população rural que, em troca, recebia os produtos fabricados pelos moradores das cidades.
Havia um comércio intenso entre as várias regiões do império.  Não apenas nas indústrias de transformação, mas também na agricultura, havia uma tendência cada vez maior à especialização.  As várias partes do império já não eram mais economicamente autossuficientes; haviam-se tornado interdependentes.
O que provocou a queda do império e a ruína de sua civilização não foram as invasões bárbaras, mas sim a desintegração dessa interdependência econômica.  Os agressores externos simplesmente se aproveitaram de uma oportunidade que lhes foi oferecida pelo enfraquecimento interno do império.  De um ponto de vista militar, as tribos que invadiram o império nos séculos IV e V não eram superiores aos exércitos que as legiões haviam derrotado facilmente algum tempo antes.  Mas o império havia mudado; sua estrutura econômica e social tornara-se medieval.
A liberdade que Roma concedia ao comércio interno e externo sempre foi limitada.  Em relação ao comércio de cereais e outros gêneros de primeira necessidade, era ainda mais limitada do que em relação às demais mercadorias.  Era considerado injusto e imoral pedir pelo trigo, azeite e vinho — gêneros de primeira necessidade daquele tempo — preços maiores do que os habituais, e as autoridades municipais rapidamente reprimiam o que considerassem especulação.  Impedia-se assim o desenvolvimento de um eficiente comércio atacadista dessas mercadorias. 
A política da annona,[1] que era equivalente à estatização ou municipalização do comércio de cereais, pretendia corrigir essa falha; mas seus efeitos foram bastante insatisfatórios.  Os cereais se tornaram escassos nas aglomerações urbanas e os agricultores se queixavam de que o cultivo não era remunerador. 
A interferência das autoridades impedia que a oferta se ajustasse a uma crescente demanda.
A hora da verdade chegou quando os imperadores, diante dos distúrbios políticos dos séculos III e IV, resolveram recorrer à degradação da moeda.  A combinação de uma política de preços congelados com a deterioração da moeda provocou a completa paralisação tanto da produção quanto do comércio dos gêneros de primeira necessidade, e desintegrou a organização econômica da sociedade.  Quanto mais eficaz era o tabelamento de preços imposto pelas autoridades, maior o desespero das massas urbanas que não tinham onde comprar alimentos. 
O comércio de grãos e de outros gêneros de primeira necessidade desapareceu por completo. 
Para não morrer de fome, as pessoas fugiam da cidade para o campo e tentavam produzir, para si mesmas, cereais, azeite, vinho e o de que mais necessitassem.  Por outro lado, os grandes proprietários rurais reduziram a produção de excedentes agrícolas e passaram a produzir nos seus domínios — as vilas — os produtos artesanais de que necessitavam.  A agricultura em larga escala, já seriamente comprometida pela ineficiência do trabalho escravo, tornava-se completamente inviável pela falta de preços compensadores. 
Os proprietários rurais não conseguiam mais vender nas cidades; os artesãos urbanos perdiam a sua clientela.  Para atender às suas necessidades, os proprietários rurais passaram a contratar diretamente os artesãos para trabalharem em suas vilas. Abandonaram a agricultura em larga escala e se converteram em meros recebedores de rendas de seus arrendatários e meeiros.  Esses coloni eram escravos alforriados ou proletários urbanos que voltavam para o campo. 
As grandes propriedades rurais foram tornando-se cada vez mais autárquicas.  As cidades, o comércio interno e externo, as manufaturas urbanas deixaram de exercer a sua função econômica.  A Itália e as províncias retornaram a um estágio mais atrasado da divisão social do trabalho.  A estrutura econômica da antiga civilização, que havia alcançado um nível tão alto, retrocedeu ao que hoje é conhecido como a organização feudal típica da Idade Média.
Os imperadores se alarmaram com essa evolução que solapava o seu poder militar e financeiro.  Mas reagiram de maneira infrutífera, sem atingir a raiz do mal.  A compulsão e coerção a que recorreram não podiam reverter a tendência de desintegração social que, ao contrário, era causada precisamente pelo excesso de compulsão e coerção. 
Nenhum romano tinha consciência do fato de que o processo era provocado pela interferência do governo nos preços e pela deterioração da moeda.  Em vão os imperadores promulgaram leis contra os moradores que relicta, civitate rus habitare maluerit[2] (abandonavam a cidade, preferindo viver no campo). 
O sistema da leiturgia — serviços públicos que deviam ser prestados pelos cidadãos ricos — apenas acelerou ainda mais o retrocesso da divisão do trabalho.  As leis que dispunham sobre as obrigações especiais dos armadores, os navicularii, não conseguiram sustar o declínio da navegação, da mesma maneira que as leis relativas aos cereais não conseguiram impedir a escassez de produtos agrícolas nas cidades.
A maravilhosa civilização da Antiguidade desapareceu por não ter sabido ajustar o seu código moral e o seu sistema legal às exigências da economia de mercado.  Uma ordem social está fadada a desaparecer se as ações necessárias ao seu bom funcionamento são rejeitadas pelos padrões morais, são consideradas ilegais pelas leis do país e são punidas pelos juízes e pela polícia. 
O Império Romano se esfacelou por ter ignorado o liberalismo e o sistema de livre iniciativa.  O intervencionismo e o seu corolário político, o governo autoritário, destruíram o poderoso império, da mesma forma que necessariamente desintegrarão e destruirão, sempre, qualquer entidade social.

[1] Annona — política adotada pelo Império Romano, e que consistia em distribuir gratuitamente cereais para a população pobre das cidades.
[2] Corpus Juris Civilis, 1, un. C.X. 37

Ludwig von Mises
foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico.  Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política.  Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico.  Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de "praxeologia".
===========================
Ler a íntegra dos comentários dos leitores na postagem original do Instituto Mises Brasil, neste link:
Alguns exemplos: 
LIVIO LUIZ SOARES DE OLIVEIRA  03/07/2012 07:18
Só a genialidade de Mises para, em poucas linhas, explicar as raízes do colapso do Império Romano, que historiadores, economistas e outros especialistas vem tentando explicar há seculos, sem um diagnóstico definitivo. A causa mais consensual apontada até hoje foi a invasão das tribos barbaras. Mas isto não foi uma causa mas consequência de um processo evidente de enfraquecimento da civilização romana, como é bem observado neste artigo. Alguns autores chegaram a apontar, pasmem, o mosquito da dengue como um dos grandes causadores do colapso do poderoso império, em decorrência do sistema ineficiente de saneamento. Outros apontam pestes, quebras de safras. Nietzche chegou a responsabilizar o cristianismo, por supostamente enfraquecer a disposição de luta das legiões romanas. Na verdade, se houve um arrefecimento do moral dos legionários romanos, isso também foi consequência do estado de entropia e de dissolução econômica, política e social do império. 
Mises, do alto de sua impressionante sabedoria e inteligência, aponta em uma palavra a verdadeira causa deste fenômeno: intervencionismo. Por essas e outras considero Mises o maior economista de todos os tempos. Genialidade é isso: simplificar e sintetizar de forma impressionantemente esclarecedora um fenômeno complexo.
--------------------------
Renato  03/07/2012 08:55
Um texto realmente excelente. Abriu minha mente para esta questão.
Mas devo dizer que não é a simplicidade que o faz genial, mas a verdade. Muitas pessoas tem respostas simples e erradas para as mais diversas questões. Mas este texto analisa o problema em foco sem forçar os argumentos, sem distorcer a história, sem tentar levar o leitor a crer em coisas improváveis.
É interessante notar que os romanos não tinham a menor idéia do que estava os destruíndo. Só muitos séculos depois Adam Smith começaria a explicar como funciona o mercado. Quanto mais os imperadores romanos percebiam a doença de sua sociedade, mais tomavam o veneno, pensando que fosse remédio. Seu autoritarismo doentio e sua demagogia empolada teriam conseqüências que eles nunca imaginariam.
--------------------------
Filipe Nava  03/07/2012 13:29
Livio, de fato a questão da depreciação da moeda e do intervencionismo parece ter sido uma das principais causas da gradativa decadência do império romano, mas não devemos nos ater á uma linha de raciocínio histórica apenas, para analisarmos e sintetizarmos os motivos que levaram um grandioso império á ruína quase total. 
A disciplina de História se modificou e evoluiu bastante desde os tempos de Mises e outros economistas de seu tempo. Apesar de tudo isto, hoje, pelo menos nos meios acadêmicos, é praticamente obrigatório a especialização em uma área da História, o que acarreta em uma séria dificuldade de alunos de graduação se aprofundarem em questões mais integrais de grandes processos históricos (como é o caso da queda do império romano). Um dos maiores problemas quando se analisam tais processos, e disto eu tenho experiência, é uma quase inexistente estudo de motivos econômicos para certos acontecimentos. Quando ocorre de o historiador mediano se utilizar da histórica econômica, é para sustentar alguma afirmação marxista ou socialista, o que é lamentável, pois nega qualquer outra metodologia de análise histórica no campo econômico.
Concluindo, o artigo em muito me auxilia e a outros muitos historiadores que se interessam ou trabalhem com o tema Império Romano. Nunca havia ouvido de minha professora de história antiga (e tive muitas aulas com ela sobre Roma) esta razão econômica de derrocada do Império Romano. Me auxiliou muito este artigo, tanto para refletir certo processo histórico em sua integralidade como para me esclarecer, sob novas perspectivas metodológicas, fatos históricos (que o site mises.org.br tem me ajudado bastante). Mas como havia citado, não podemos restringir a história a certos campos disciplinares ou certas metodologias. Você certamente poderá encontrar diversos outros autores que tem ótimo embasamento e fontes para teorias diferentes das da escola austríaca para a derrocada de Roma. Mas certamente todas são muito importantes para contribuir com uma melhor visão de certo momento histórico.
---------------------------
Leandro  03/07/2012 13:38
Prezado Filipe, todas as sociedades que entram em decadência o fazem por motivos econômicos. Sociedades pujantes não definham; elas podem, no máximo, perder sua antiga moralidade e recato, mas, enquanto a economia permanecer robusta, não há motivos para uma sociedade se desintegrar. Sociedades só se esfacelam por motivos econômicos.
Quem quer que esteja em busca de explicações para a queda da civilização romana, mas ignore por completo os fatores econômicos da época, estará apenas construindo um conto de fadas.
--------------------------
Renato  03/07/2012 14:33
Leandro,
Quanto a Roma, o fator econômico parece realmente ter sido preponderante. Mas gostaria de contra-argumentar, pois você fez uma afirmação de âmbito universal.
Certamente uma sociedade pode entrar em colapso por fatores totalmente externos. Uma invasão por um inimigo, que destrua fortemente grande parte da população, a maior parte dos meios de produção, e grande parte dos registros escritos, pode levar uma sociedade a um colapso. Você dirá que a destruição dos meios de produção foi o fator preponderante, mas é importante analisar a causa dessa destruição.
Um país próspero pode entrar em decadência por motivos primariamente culturais e morais, pois a destruição de uma cultura de confiança será um grave entrave ao funcionamento do mercado. Vemos que foi a cultura de liberdade e responsabilidade que tornou possivel um mercado tão aberto nos EUA. E as grandes restrições ao funcionamento do mercado que aconteceram no último século, tiveram também razões culturais.
Note que o ambiente político de culto ao imperador, e demagogia sem fim, tornou possivel a adoção de medidas tão restritivas ao funcionamente normal de economia. Não digo que uma coisa levou à outra, mas digo que uma coisa tornou a outra possível, e até provável.
Veja que a causa primeira da má condução da política econômica normalmente é uma cultura doente. Portanto, o campo real de batalha é a cultura, e a economia seguirá.
----------------------
Leandro  03/07/2012 14:48
"Certamente uma sociedade pode entrar em colapso por fatores totalmente externos. Uma invasão por um inimigo, que destrua fortemente grande parte da população, a maior parte dos meios de produção, e grande parte dos registros escritos, pode levar uma sociedade a um colapso."
Isso só acontece em uma sociedade já debilitada economicamente. Sociedades ricas e pujantes não são atacadas e dominadas.
"Um país próspero pode entrar em decadência por motivos primariamente culturais e morais, pois a destruição de uma cultura de confiança será um grave entrave ao funcionamento do mercado. [...] Veja que a causa primeira da má condução da política econômica normalmente é uma cultura doente."
Ok, mas aí você confirmou o que eu disse. No final, o que será decisivo será a economia. Agora, se a economia degringolou por causa de medidas governamentais ou se foi por causa de uma deterioração da cultura da população, isso é algo secundário. A causa última será econômica. E a função do economista não é dar conselhos morais, mas apenas explicar como as coisas funcionam.

Economistas defendem nova agenda - Marcos Lisboa, Ana Carla Abrão e Vinicius Carrasco (Insper)

OLIVER WYMAN e INSPER lançam o primeiro artigo da série Panorama Brasil /
(Marcos Lisboa, Ana Carla Abrão e Vinicius Carrasco apresentaram um diagnóstico da economia para aprofundar o debate eleitoral)
Apresentação
34 telas
26abr18
.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Economistas defendem nova agenda

Marcos Lisboa, Ana Carla Abrão e Vinicius Carrasco apresentaram um diagnóstico da economia para aprofundar o debate eleitoral

Fernando Dantas e Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo
A falta de reformas na condução da economia do País pode resultar em novos Estados entrando em crises semelhantes à vivida pelo Rio de Janeiro, em uma nova escalada da inflação ou ainda em um eventual calote do governo brasileiro, afirmou nesta quinta-feira, 26, o economista Marcos Lisboa, presidente da instituição de ensino superior Insper, na apresentação de um diagnóstico detalhado dos problemas econômicos do País. 
O documento – cuja coordenação foi feita também pelos economistas Ana Carla Abrão, colunista do Estado e sócia da consultoria Oliver Wyman, e Vinicius Carrasco, professor da PUC-Rio – é o primeiro de uma série batizada como Panorama Brasil. O projeto, de acordo com Lisboa, busca sair do “debate superficial de câmbio e juro” para investigar com rigor acadêmico temas como a complexidade do sistema tributário brasileiro e o comércio exterior fechado.
Segundo Ana Carla, a série de documentos não tem caráter partidário ou eleitoral. “Não é um programa de governo. É uma contribuição para o debate. Por acaso, o momento é bastante propício. Mas nossa ambição é que a série se mantenha viva por muito tempo, independentemente do ciclo eleitoral”, afirmou a economista, que também foi secretária da Fazenda de Goiás entre 2015 e 2016, durante o governo de Marconi Perillo (PSDB). 
Apesar de fugir da ideia de proposta de programa de governo, o projeto aponta a necessidade de reformas, como a abertura comercial, e critica questões como o a concessão de crédito subsidiado por bancos públicos.
Diagnóstico. O relatório apresentado na última quinta-feira, 26, intitulado “Renda e Produtividade nas Duas Últimas Décadas”, mostra que a renda per capita no Brasil cresceu menos, nos últimos 20 anos, que em outros países emergentes e na América Latina. Isso ocorreu devido à falta de melhoras na produtividade, que está estagnada desde 1980 devido, entre outros fatores, à baixa qualidade de educação, à burocracia no ambiente de negócios e a um setor público ineficiente. 
 “Avançamos muito em diversos indicadores sociais e várias pessoas saíram da miséria, no entanto, nosso desempenho foi aquém dos demais países emergentes. Desde 2011, descolamos dos demais países. Enquanto o resto do mundo continuou crescendo, o Brasil passou a andar para trás”, disse Lisboa. Caso o País mantenha a taxa de crescimento dos últimos 20 anos, acrescentou, terá uma economia como a do Chile apenas daqui a 38 anos – daí, a necessidade de reformas.
 “Necessitamos de uma reforma urgente ou vamos ficar piores, ou teremos mais crise nos Estados, com consequências na saúde, na educação e na segurança, ou crise no governo federal, com inseguranças como aumento de impostos, ou risco de inflação ou calote. Com esse ambiente de risco, não se deve estranhar que, mesmo com queda de juros, a economia ainda ande de lado”, destacou Lisboa. 
Investimento. Um dos entraves da produtividade brasileira, para os economistas, é o baixo nível de investimento em infraestrutura, que não apresentou avanços significativos desde 2010. No ano passado, o Brasil estava na 73ª posição entre 137 países em termos de qualidade da infraestrutura, segundo o Global Competitiveness Index (GCI), do Fórum Econômico Mundial. O Chile estava em 41º, o Uruguai em 45º e a Turquia em 53º. 
“O fato de que a produtividade é baixa é sinal de que investimos mal em capital, investimos em máquinas que não foram usadas, em capacidade excessiva. Há evidências de que investimentos muito mal”, disse Vinicius Carrasco. O professor da PUC-Rio lembrou do caso do aeroporto de Viracopos, que recebeu uma injeção de investimentos, mas opera com grande ociosidade.
Ouro problema que impede o País de aumentar sua produtividade é a educação. A qualidade do ensino no Brasil melhorou entre 2006 e 2009, mas não manteve essa tendência nos anos posteriores. A nota dos estudantes brasileiros no Programa Internacional de Avaliação Escolar (PISA) é bastante inferior a dos países emergentes, o que, de acordo com o relatório, indica que a qualidade do ensino não acompanhou o aumento da escolaridade média verificado no País. “O que aconteceu com a educação? Por que aumentamos tanto o gasto (em educação) e nossos indicadores ficaram para traz? Entender esse quadro será nosso objetivo?”, afirmou Lisboa. 
Outros temas abordados na discussão foram a demografia desfavorável à frente, com aumento drástico da razão de dependência (idosos sobre população ativa) até 2050, e a reforma do Estado, com destaque para o peso excessivo da folha salarial nas despesas dos Estados. “Precisamos de uma reforma para melhorar o serviço público. Consumimos 39% do PIB com a máquina pública e temos os serviços públicos avaliados como os piores de mundo”, disse Ana Carla.  
Cadastro positivo. Lisboa e Ana Carla defenderam ainda o cadastro positivo e criticaram os cartórios que se opõem à medida, que aumentaria a concorrência entre os bancos. Para Lisboa, é preciso discutir a eliminação dos cartórios no País. “Por que precisamos de cartórios? Eles dão segurança, geram benefício ou são apenas um pedágio que temos de pagar para o Brasil velho?”, questionou. “O mundo já utiliza outras formas de fazer registros”.

O diagnóstico da Oliver Wyman e do Insper

Marcos Lisboa, presidente do Insper, explica o que é o projeto Panorama Brasil, que junta a Oliver Wyman, consultoria global, e o Insper, instituição de ensino superior e pesquisa. Além disso, e separadamente da agenda Brasil, Lisboa fala de como vem conversando com políticos e técnicos envolvidos com várias candidaturas, com quais candidatos não se interessa em falar, e da necessidade de o País enfrentar os interesses do "velho Brasil" que são um freio ao crescimento da produtividade.

Fernando Dantas 
Envolvido na montagem de um grande e detalhado diagnóstico dos problemas brasileiros baseado na melhor pesquisa acadêmica, o economista Marcos Lisboa, presidente do Insper, instituição de ensino superior e pesquisa, diz que o papel dos técnicos como ele é o de mostrar quais as prováveis consequências das diferentes opções de política públicas. Cabe aos políticos decidir os caminhos a tomar.
Porém, ao fim da sua apresentação no evento ocorrido ontem na sede do Insper em São Paulo de lançamento do primeiro documento – “Renda e produtividade nas duas últimas décadas” – da série “Panorama Brasil”, uma parceria entre a Oliver Wyman, empresa global de consultoria, e o Insper, Lisboa já estava propondo o fim dos cartórios no Brasil tal como hoje funcionam. O técnico não resiste a ser propositivo.
Lisboa, ex-secretário de Política Econômica da Fazenda e ex-presidente do IRB no primeiro governo Lula, está conversando intensamente com políticos e técnicos envolvidos em diferentes candidaturas a presidente da República.
Ele faz questão de separar, porém, o projeto da Oliver Wyman e do Insper das suas iniciativas pessoais. Mas ambos são apartidários. No projeto Panorama Brasil, ele é apenas um dos três coordenadores, em pé de igualdade com Ana Carla Abrão, da Oliver Wyman e ex-secretária da Fazenda de Goiás, que vem trabalhando com afinco no tema da reforma do Estado, e do economista Vinicius Carrasco, ex-diretor de Planejamento do BNDES.
Referindo-se às suas iniciativas pessoais, e não ao Panorama Brasil, Lisboa diz que conversa com qualquer candidatura desde que não seja daquelas que “defendem que a Venezuela é uma democracia com dois lados (legítimos) em disputa”, ou “de gente que propõe fechar museu”. É uma clara alusão à extrema esquerda e à extrema direita na atual eleição, da qual quer distância.
Já Ciro Gomes, que não se encaixa em nenhum dos dois grupos acima, também não conta com a simpatia de Lisboa. Ele vê qualidades no candidato do PDT, “extremamente inteligente e com um bom histórico de gestor no Ceará”. Adicionalmente, seu irmão e aliado político Cid Gomes é responsável pela grande inovação bem-sucedida no ensino fundamental da cidade cearense de Sobral, que depois se espalhou pelo País.
“O problema é que o Ciro tem ideias meio confusas, que oscilam de um extremo ao outro”, diz Lisboa. Ele se refere a ideias desenvolvimentistas de economistas ligados ao candidato que “acham que o problema do Brasil é câmbio e que a abertura comercial e a integração com o resto do mundo pode ser um problema”.
Para o presidente do Insper, “é uma agenda que mistura um pouco o sabor do Brasil velho com a superficialidade da análise que a gente assistiu nos últimos anos, e que deixou resultados muito ruins para o País”. Lisboa acha “surpreendente que economistas que erraram tantas vezes, que foram autores de planos heterodoxos que deram tão errado, que fizeram tão mal ao país, continuem participando do debate sem nenhuma autocrítica”.
Ele acrescenta que a janela de oportunidade para o Brasil resolver os seus problemas está se fechando.
Por vezes Lisboa soa bastante pessimista, como quando diz que “o problema hoje não está na política, mas sim na sociedade, que não quer fazer o ajuste”.
Ele menciona uma longa lista de grupos que se beneficiam de distorções do “Brasil velho” e que resistem a mudanças para melhorar o país: corporações de servidores entre o 1% mais rico do País que se opuseram à reforma da Previdência; o Estado do Rio que, mesmo mais rico que o resto do País, “pede o tempo todo para a União pagar pelos seus (do Rio) pecados”; empresários que não querem pagar tributos ou contribuir com a Previdência; e – algo que está deixando-o especialmente irado no momento – a aliança esdrúxula entre movimentos de defesa do consumidor e cartórios contra o cadastro positivo.
Por outro lado, o presidente do Insper diz que “já esteve mais pessimista”, porque em 2012 e 2013, quando ele e outros economistas alertavam sobre os desastres que estavam por vir, “a negação dos problemas era muito maior”.
Cadastro positivo é um tema que encoleriza Lisboa no momento e o faz pronunciar frases sarcásticas como a de que “o Brasil não é um pais pobre à toa, a gente faz muito esforço para ser pobre”.
Ele considera inacreditável que o País não tenha um sistema funcional de cadastro positivo, algo disseminado entre os países da OCDE e mundo afora, e que existe em “pares” do Brasil como o México.
Para o economista, o cadastro positivo é uma questão de cidadania, e sua ausência é uma grande injustiça com os mais pobres que “só tem a sua reputação” na hora de pedir crédito. Ricos como ele mesmo, explica Lisboa, têm imóvel próprio, automóvel, etc., que podem oferecer como garantia.
“A defesa do consumidor no Brasil foi contra o pobre poder usar o seu bom nome para pegar empréstimo”, atacou o presidente do Insper.
Ele explicou que, pelo sistema proposto de cadastro positivo que emperrou no Congresso, apenas as informações sobre pagamento ou não de créditos são repassadas pelos bancos para os três “birôs” de crédito (o mais conhecido é a Serasa), que são aprovados e supervisionados pelo Banco Central e devem ter patrimônio líquido mínimo de R$ 70 milhões. Os birôs então divulgam apenas as notas de créditos dos consumidores, e se vazarem qualquer informação sobre pagamento ou não de créditos podem ser processados no âmbito da lei de sigilo bancário.
Lisboa comparou o sistema aos “ratings” que praticamente todos os países e muitas empresas recebem de agências de classificação de risco como Moody’s, S&P’s e Fitch. “O país, as empresas e os cidadãos são avaliados com notas de crédito, isso é o normal, o básico”, ele disse.
Porém, na sua visão, as associações de defesa do consumidor, aliadas aos cartórios, “inventaram espantalhos de quebra de sigilos de informações e dados, e não apenas jogaram o bebê fora junto com a água do banho, como afogaram o bebê”.
Lisboa ressalva que a defesa do consumidor tem uma maioria de pessoas bem intencionadas, “mas que mostram um desconhecimento técnico muito impressionante”.
Ele não faz a mesma ressalva positiva em relação aos cartórios, que, para o economista, “hoje são um obstáculo a reformas para melhorar o Brasil”.
O presidente do Insper prossegue no ataque, dizendo que “se tem um exemplo do Brasil velho, do retrocesso, são os cartórios”. Segundo o economista, nas mais diversas partes do mundo já se substituíram sistemas como o que funciona no Brasil por alternativas “mais eficientes, sofisticadas e seguras de controlar registros do que o velho cartório, que não é apenas um custo para o País, mas que ainda por cima impede avanços”.
A série de documentos do Panorama Brasil, segundo Lisboa, na qual a participação da Oliver Wyman é fundamental, busca sair do “debate superficial de câmbio e juro” para investigar com rigor acadêmico a imensa quantidade de problemas específicos que precisam ser enfrentados no Brasil, como a complexidade tributária e o comércio exterior fechado, e que não se resolvem “com uma, duas ou três leis”.
Assim, a proposta da série de estudos é investigar temas como os tipos de reformas de crédito que deram certo no mundo, os efeitos de intervenções setoriais e regulatórias, os impactos das mudanças nas regras de cálculos das concessões, como se dá o arcabouço e a governança dos investimentos em infraestrutura bem sucedidos em outros países, qual o papel das agências reguladoras, como devem ser os mandatos dos diretores do Banco Central, como tratar a remuneração dos servidores públicos, como outros países enfrentaram o corporativismo do funcionalismo quando isto criou asfixia fiscal, etc.
“O Brasil não é um país que se descolou do resto do mundo à toa, nós temos muito coisa torta e esses velhos grupos de interesse que se beneficiam do País atrasado. Essa é uma agenda longa, trabalhosa, mas urgente – podemos não a seguir, tem muito exemplo de pais latino-americano que ficou para trás e está cada dia mais pobre. Mas eu espero que o Brasil não seja um deles”, conclui o economista.
Mas ele ressalva novamente que o trabalho com a Oliver Wyman não é uma agenda de propostas, e sim um mapeamento de diagnósticos, e que cabe aos políticos escolher os caminhos e aos técnicos indicar as prováveis consequências dessas escolhas. (Fernando.dantas@estadao.com)

sábado, 28 de abril de 2018

Os quatro novos cavaleiros do apocalipse moral no Brasil - Percival Puggina

GILMAR, TOFFOLI, MARCO AURÉLIO, LEWANDOWSKI, CAVALEIROS DO APOCALIPSE

 Na visão do apóstolo João, os cavaleiros do apocalipse eram a guerra, a fome, a peste e a morte. Então, neste Brasil de 2018, a cena política nacional está sendo roubada por quatro cavaleiros de pretensões apocalípticas, com assento no plenário do STF. Sim, sim, vamos parar com a enrolation. A essas alturas não há mais o que ocultar nem a tergiversar. Os personagens são conhecidos, suas ações evidentes. Ninguém precisa pedir perícia técnica. As impressões digitais estão por toda parte, mas são mero bis in idem na materialidade das provas. Os quatro cavaleiros do apocalipse nacional deixaram de lado todo pudor e assumiram seu papel na curadoria dos mais conhecidos criminosos do país.
Pela jurisprudência que constroem, malfeitor bem sucedido não pode ser preso. Isso não está de acordo com a tradição nacional. Que diabos pretendem esses novos magistrados, procuradores, policiais atrapalhando negócios que iam tão bem? Os quatro cavaleiros estão dedicados à mais difícil das tarefas: apresentar como bom e judicioso todo o mal que fazem. A nação quer Justiça, mas Justiça, para eles, é uma práxis, se me faço entender. Não é um valor moral (que seria isso?) e, menos ainda, um elemento do bem comum. Para os quatro apocalípticos, a justiça serve a uma causa. A conhecida causa de “Mateus e os seus”.
Eles continuam agindo, articulando tretas e mutretas. Já transformaram a Segunda Turma no refúgio da criminalidade endinheirada. Ao fim de cada jornada, de cada sessão em que são salvaguardados os interesses sob tutela, talvez comemorem felizes. Talvez pensem que retomam o controle e que desarticulam todas as possibilidades de restaurar a dignidade e a honra nacionais.
A presunção dos maus, contudo, é salvaguarda dos bons. Não há a menor possibilidade de seu plano diabólico dar certo. No derradeiro momento, quando o apocalipse se tornar eminente e a guerra, a fome, a peste e a morte estiverem abrindo garrafas para celebrar sua vitória, o Brasil que não se deixou corromper nem mutilar, que preserva a honra e a dignidade, se erguerá, no tempo certo, para fazer a coisa certa. Os quatro cavaleiros do apocalipse não prevalecerão.

* Percival Puggina (73), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil, integrante do grupo Pensar+.

Incerteza global: Como uma guerra comercial entre EUA e China pode afetar a economia do Brasil e do mundo? - Marcos Troyjo, Paulo Roberto de Almeida e Sérvulo Dias (Instituto Millenium)

Incerteza global: Como uma guerra comercial entre EUA e China pode afetar a economia do Brasil e do mundo?

Paulo Roberto de Almeida
 [Objetivo: responder a questões colocadas por jonalista; finalidade: Hangout do Instituto Millenium]
Link disponível para a entrevista: https://youtu.be/wuQZokgpOV4.

Introdução
Fui convidado, em meados de abril, para uma entrevista conjunta com o economista Marcos Troyjo em torno da chamada “guerra comercial China-EUA”, um título jornalístico legítimo, pois é isso o que aparece nas chamadas da mídia, mas pouco apropriado à verdadeira natureza do problema, que deriva dos posicionamentos irrefletidos, absolutamente esquizofrênicos, do atual presidente dos EUA, que pretende governar a sua grande nação, e instruir o mundo, através de tweets, um meio original, certamente espetaculoso, mas totalmente inadequado a uma governança responsável. Esse hangout realizou-se em 26 de abril, sob a coordenação do jornalista Sérvulo Dias.
O ponto de partida foi dado pelo anúncio de salvaguardas à importação de aço e alumínio nos EUA, adotadas em nome de uma suposta “segurança nacional” americana, o que é totalmente falso, no plano objetivo, e que representa uma distorção completa das regras do GATT e da OMC na boa condução do sistema multilateral de comércio. A tal “guerra comercial”, mais propalada do que efetivamente implementada até o momento, consiste na seleção da China como alvo principal dessas medidas, e no anúncio, por representantes chineses, de contramedidas retaliatórias, sob a forma de diversas salvaguardas – ou seja, sobretaxas a importações de diferentes linhas tarifárias – a serem eventualmente aplicadas a produtos de origem americana (mas que podem vir de quaisquer outros países). Ou seja, a insanidade de Trump consegue provocar um imenso distúrbio em fluxos de importações e exportações ao redor do mundo, podendo inclusive prejudicar o Brasil. 
Depois de uma introdução feita pelo jornalista Sérvulo Dias, que já foi postada por mim no meu blog Diplomatizzando(neste link: https://diplomatizzando.blogspot.com.br/2018/04/guerra-comercial-eua-china-hangout-do_26.html), fui levado a responder às seguintes perguntas: 
1) Essa guerra comercial seria majoritariamente uma guerra bilateral entre China e EUA ou a tendência é que se espalhe por todos os continentes? Quais as consequências?
2) O parlamento chinês aprovou em Março uma emenda constitucional que elimina os limites do mandato presidencial, permitindo que o presidente Xi Jinping permaneça no cargo por tempo indefinido, num modelo de mandato vitalício. Tal ampliação no poder do presidente parece indicar total respaldo do Partido Comunista para poder retaliar comercialmente os Estados Unidos à altura. Esse poder ampliado do lado chinês não configura um elemento adicional de preocupação? A China estaria disposta a levar a retaliação comercial às últimas consequências?

O programa todo, incluindo a apresentação do jornalista e as perguntas respondidas por meu amigo Marcos Troyjo, encontra-se agora livremente disponível no site do Instituto Millenium (neste link: https://www.institutomillenium.org.br/recentes/imil-promove-hangout-incerteza-global-nesta-quinta/), sendo que o vídeo gravado aparece imediatamente (link: https://youtu.be/wuQZokgpOV4).
Espero que apreciem...

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 28 de maio de 2018

Marcos Jank: o conflito do frango com a Europa

O conflito do frango com a Europa

Jornal “Folha de São Paulo”, Caderno Mercado, 28/04/2018

Marcos Sawaya Jank (*)
Marília Rangel Campos (**)

Crise de imagem é arma dos produtores europeus de carne para tentar banir o Brasil. 

A União Europeia acaba de embargar as exportações de carne de frango de vinte plantas brasileiras, alegando falta de confiança nos controles oficiais.

O Brasil é o maior exportador de frango para a Europa (quase metade do total importado), suprindo a grande demanda do bloco por peito de frango, que gera quase US$ 800 milhões. 

Apesar de representarem só 3% do consumo, essas exportações sempre foram uma pedra no sapato dos produtores europeus, que há décadas buscam motivos para bloqueá-las.

Até 2000 as exportações de peito desossado ocorriam numa classificação aduaneira sobre a qual incidia uma tarifa de importação de € 1.024/ton, equivalente a 75% do valor do produto na época.

Essa tarifa proibitiva fez com que as empresas optassem por exportar peito de frango congelado com adição de 1,2% de sal, o chamado “peito salgado”, gravado com tarifa bem menor, de 15,4% e sem a limitação de cotas. Com essa manobra, o Brasil passou a responder por 6% do consumo europeu.

A reação dos produtores europeus foi imediata: determinaram que o peito salgado deveria ser reclassificado como frango congelado in natura, ainda que o produto fosse outro. Em 2002, o Brasil recorreu à OMC (Organização Mundial do Comércio). E saiu vitorioso.

Mas, como tudo é complicado nas relações comerciais com a Europa, o bloco aplicou um velho dispositivo que permitia renegociar concessões sobre tarifas consolidadas e impor cotas tarifárias restritivas sobre o peito salgado. Foi nesse momento, em 2007, que nasceu o problema que estamos vivendo hoje e que já está afetando a rentabilidade de toda a cadeia avícola no Brasil, que tem 130 mil avicultores e gera 3,6 milhões de empregos.

A legislação europeia de carne de aves adota critérios microbiológicos que claramente beneficiam o produto local. No frango in natura, sem adição de sal, só dois tipos mais graves de salmonela levam à recusa sumária dos produtos.

Mas no caso do frango salgado a legislação determina a recusa imediata de produtos que contenham qualquer um dos mais de 2.600 tipos de salmonela, inclusive os que não são de preocupação para a saúde pública. Lembramos que esse patógeno é virtualmente eliminado com o cozimento da carne de frango. Ou seja, trata-se de exigência incabível e desmedida que atinge apenas o produto importado.

Foi a aplicação desse sistema de dois pesos e duas medidas que resultou na suspensão das 20 unidades brasileiras. Uma barreira que não visa a proteção do consumidor local, mas a redução drástica do volume importado do Brasil, causando forte impacto negativo dentro do Brasil e no resto do mundo.

Basicamente a UE se aproveitou da crise de imagem que abalou o setor avícola brasileiro após as operações Carne Fraca e Trapaça para impor sanções comerciais arbitrárias sob pretexto técnico. Os lobbies europeus mais radicais querem banir o país como um todo e até retirar as carnes das negociações EU-Mercosul.

O ministro Blairo Maggi anunciou que o Brasil vai à OMC contra essa arbitrariedade, mas sabemos que o resultado final pode levar até três anos. E, mesmo assim, uma vitória no painel nem sempre leva a um resultado final exitoso. Ganhamos o contencioso do frango salgado em 2005, mas perdemos com a limitação do mercado com cotas e, depois, com a discriminação sanitária que se seguiu.

Infelizmente a cadeia de aves e suínos enfrenta hoje crescentes dificuldades na Europa, na Rússia, na China e na Arábia Saudita. É hora de melhor organizar a articulação público-privada, com estratégia sólida, engajamento efetivo de aliados locais nos países, diálogo construtivo e firmeza na contestação.

(*) Marcos Sawaya Jank é engenheiro-agrônomo e especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas.
(**) Marília Rangel Campos é especialista em comércio internacional. Email: marilia.rangel@gmail.com