O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Krugman: o keynesiano das causas erradas (mais que a media...)

Paul Krugman ganhou seu Prêmio Nobel supostamente por seus trabalhos em comércio internacional. Seria melhor que ficasse nessa área, pois como comentarista de jornal, ele virou um homem de causas erradas.
Os keynesianos de vez em quando acertam umas e outras: Krugman tem errado todas.
Paulo Roberto de Almeida 
The New York Times
November 3, 2013

Those Depressing Germans



German officials are furious at America, and not just because of the business about Angela Merkel’s cellphone. What has them enraged now is one (long) paragraph in a U.S. Treasury report on foreign economic and currency policies. In that paragraph Treasury argues that Germany’s huge surplus on current account — a broad measure of the trade balance — is harmful, creating “a deflationary bias for the euro area, as well as for the world economy.”
The Germans angrily pronounced this argument “incomprehensible.” “There are no imbalances in Germany which require a correction of our growth-friendly economic and fiscal policy,” declared a spokesman for the nation’s finance ministry.
But Treasury was right, and the German reaction was disturbing. For one thing, it was an indicator of the continuing refusal of policy makers in Germany, in Europe more broadly and for that matter around the world to face up to the nature of our economic problems. For another, it demonstrated Germany’s unfortunate tendency to respond to any criticism of its economic policies with cries of victimization.
First, the facts. Remember the China syndrome, in which Asia’s largest economy kept running enormous trade surpluses thanks to an undervalued currency? Well, China is still running surpluses, but they have declined. Meanwhile, Germany has taken China’s place: Last year Germany, not China, ran the world’s biggest current account surplus. And measured as a share of G.D.P., Germany’s surplus was more than twice as large as China’s.
Now, it’s true that Germany has been running big surpluses for almost a decade. At first, however, these surpluses were matched by large deficits in southern Europe, financed by large inflows of German capital. Europe as a whole continued to have roughly balanced trade.
Then came the crisis, and flows of capital to Europe’s periphery collapsed. The debtor nations were forced — in part at Germany’s insistence — into harsh austerity, which eliminated their trade deficits. But something went wrong. The narrowing of trade imbalances should have been symmetric, with Germany’s surpluses shrinking along with the debtors’ deficits. Instead, however, Germany failed to make any adjustment at all; deficits in Spain, Greece and elsewhere shrank, but Germany’s surplus didn’t.
This was a very bad thing for Europe, because Germany’s failure to adjust magnified the cost of austerity. Take Spain, the biggest deficit country before the crisis. It was inevitable that Spain would face lean years as it learned to live within its means. It was not, however, inevitable that Spanish unemployment would be almost 27 percent, and youth unemployment almost 57 percent. And Germany’s immovability was an important contributor to Spain’s pain.
It has also been a bad thing for the rest of the world. It’s simply arithmetic: Since southern Europe has been forced to end its deficits while Germany hasn’t reduced its surplus, Europe as a whole is running large trade surpluses, helping to keep the world economy depressed.
German officials, as we’ve seen, respond to all of this with angry declarations that German policy has been impeccable. Sorry, but this (a) doesn’t matter and (b) isn’t true.
Why it doesn’t matter: Five years after the fall of Lehman, the world economy is still depressed, suffering from a persistent shortage of demand. In this environment, a country that runs a trade surplus is, to use the old phrase, beggaring its neighbors. It’s diverting spending away from their goods and services to its own, and thereby taking away jobs. It doesn’t matter whether it’s doing this maliciously or with the best of intentions, it’s doing it all the same.
Furthermore, as it happens, Germany isn’t blameless. It shares a currency with its neighbors, greatly benefiting German exporters, who get to price their goods in a weak euro instead of what would surely have been a soaring Deutsche mark. Yet Germany has failed to deliver on its side of the bargain: To avoid a European depression, it needed to spend more as its neighbors were forced to spend less, and it hasn’t done that.
German officials won’t, of course, accept any of this. They consider their country a shining role model, to be emulated by all, and the awkward fact that we can’t all run gigantic trade surpluses simply doesn’t register.
And the thing is, it’s not just the Germans. Germany’s trade surplus is damaging for the same reason cutting food stamps and unemployment benefits in America destroys jobs — and Republican politicians are about as receptive as German officials to anyone who tries to point out their error. In the sixth year of a global economic crisis whose essence is that there isn’t enough spending, many policy makers still don’t get it. And it looks as if they never will.

A farsa da politica energetica petista: caos regulatorio, prejuizos para os brasileiros - Adriano Pires

Herança maldita

O Estado de S.Paulo, 29 de novembro de 2013
Mercado = intervenção + populismo. É com essa definição que o governo elabora as políticas públicas para o setor de energia. A consequência são o caos e a total desordem pelos quais passa o setor no país.
No petróleo, o governo insiste numa política de preço para a gasolina e o diesel baseada no viés do controle da inflação. Não deixa os preços seguirem a tendência do mercado internacional e, como consequência, a Petrobrás é a única petroleira de capital aberto no mundo que, quanto mais vende gasolina e diesel, mais tem prejuízo. Faz um leilão da maior reserva do pré-sal e só aparece um consórcio. O governo, com seu olhar exclusivamente de curtíssimo prazo e sem nenhuma sensibilidade sobre temas globais como o meio ambiente, prefere desonerar combustíveis poluidores como a gasolina e o óleo combustível em detrimento do etanol e do gás natural.
No gás natural a política não é diferente. A Petrobrás vende gás natural para as térmicas, que são clientes flexíveis – ou seja, não compram o tempo todo -, pela metade do preço pago pelos clientes firmes, no caso as distribuidoras. Com muita intervenção e uma alta dose de populismo, o governo só cria incertezas regulatórias e insegurança jurídica. Isso diminui a atratividade dos investidores privados e a Petrobrás é obrigada a assumir as taxas de retorno patrióticas. Exemplo são as refinarias. Todas as 12 refinarias existentes no Brasil pertencem à Petrobrás e a estatal ainda é obrigada a construir mais 4. Enquanto isso, nos EUA, onde mercado é mercado, existem 144 refinarias, todas privadas, inclusive a famosa Pasadena, da Petrobrás. Faz sentido transportar de caminhão, de São Paulo, a gasolina e o diesel consumidos no Centro-Oeste? Faltam sinais econômicos que atraiam o privado para a construção de dutos.
No setor elétrico, com a publicação da Medida Provisória (MP) 579, em setembro de 2012, o governo tentou revogar a famosa lei da oferta e da procura, e com isso criou enorme bagunça regulatória e jurídica no setor. No que ficou conhecido como o 11 de Setembro do setor elétrico do país, o governo, na hora de renovar as concessões, resolveu, de forma autoritária e populista, reduzir os preços justamente num momento de escassez de energia.
Adriano PiresSe algum cidadão estrangeiro desavisado chegasse ao país no dia11/9/2012 e comprasse um jornal, leria duas notícias. A primeira era que os reservatórios brasileiros estavam com níveis baixos e isso obrigaria o governo a ligar as térmicas, que são mais caras. A segunda notícia era o governo anunciando uma redução no preço da energia. Essa política gerou enormes prejuízos para a Eletrobrás e empresas como Cesp e Cemig, que não aderiram à MP, hoje apresentam resultados positivos. Outra curiosidade: no período úmido, quando chove, os preços da energia são mais caros do que nos períodos de seca. Dá para entender? Se algum de nós andar pelas ruas das principais cidades brasileiras, vai verificar que a maioria dos prédios comerciais e residenciais de luxo tem geradores a diesel. Qual seria a explicação? Falta de confiabilidade no sistema elétrico, afinal, comprar um apartamento de R$ 10 milhões ou mais e se arriscar a ficar sem elevador e ar-condicionado não dá. No caso dos estabelecimentos comerciais, no horário de pico, gerar com diesel é mais barato do que a tarifa da concessionária. É bom lembrar que o diesel é poluente e importado. Esse é o “mercado” elétrico brasileiro.
Ao desafiar as regras de mercado, tentando subvertê-las para controlar a inflação e, ao mesmo tempo, ser um ingrediente para ganhar eleições, o governo transformou as ações da Petrobrás e da Eletrobrás em ações preferenciais de especuladores. As ações das duas principais estatais brasileiras passaram a subir e descer impulsionadas por boatos e suposições, e não pelos seus fundamentos. Ao fim e ao cabo, mercado = intervenção + populismo gera incerteza regulatória, insegurança jurídica e transforma país rico em energia em país dos apagões e dos especuladores. Isso, sim, é herança maldita.

A farsa das privatizacoes petistas: dinheiro publico para gruposprivados - Sergio Lazzarini

Posso apostar que a aposta petista na premiação antecipada dos seus capitalistas favoritos vai ser premiada posteriormente com generosas doações ao partido dos quadrilheiros, antes, durante e depois das eleições.
Paulo Roberto de Almeida 

Subsídios para quem não precisa

O Estado de S.Paulo, 28 de novembro de 2013 
Sergio Lazzarini
Sob a ótica do governo, os recentes leilões de concessão têm mostrado, ao contrário do que dizem os críticos, um imenso interesse do capital privado em projetos públicos. Os aeroportos do Galeão e de Confins, por exemplo, não somente atraíram vários grupos, como o ágio pago pela concessão teria, em tese, superado todas as expectativas.
Mas a verdade é outra. Novamente, para atrair capital privado, o governo se vale de maciços subsídios e capital público. No caso dos aeroportos, o BNDES deverá financiar cerca de 70% dos investimentos do grupo vencedor do leilão. A estatal Infraero, sócia minoritária com 49% do capital, também deve participar dos investimentos, bancada por aportes do Tesouro Nacional.
O curioso é que o próprio ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, havia alertado que a entrada da Infraero nos consórcios seria um “sacrifício” de recursos. Moreira Franco foi prontamente corrigido por Gleisi Hoffmann, ministra da Casa Civil, que insistiu na presença da Infraero para que a estatal aprenda com os parceiros privados como melhor gerir aeroportos.
Moreira Franco estava certo. Já com dificuldade de fechar as suas contas e enfrentando protestos por melhores serviços, o governo deveria colocar foco em atividades de alto impacto social e com menor interesse pelo setor privado. Mas um aeroporto de grande porte não só tende a atender populações de mais alta renda, como também é, por si só, um ótimo negócio – um monopólio local, com receitas mais ou menos estáveis, incluindo aquelas advindas de atividades acessórias como lojas e restaurantes. Por que, então, subsidiar grupos privados se o projeto, em si, é naturalmente lucrativo?
Em vez de querer que a Infraero aprenda como gerir aeroportos, é o próprio governo que deveria aprender como melhor gerir os nossos recursos


A resposta a essa pergunta reside numa prática muito recorrente em concessões e privatizações no Brasil: o uso de subsídios pela porta dos fundos para inflar o resultado dos leilões. No atual governo, com uma inclinação até mais forte de microgerenciar preços, a prática tem tomado proporções ainda maiores. Empresários têm dito que os subsídios são necessários para compensar a pressão do governo de limitar os lucros dos concessionários privados.
Mas isso é apenas trocar seis por meia dúzia, com a agravante de tornar o processo pouco transparente para a população. Além disso, chegamos a uma situação surreal em que o governo tem de compensar investidores privados pelos riscos de intervenção que ele próprio cria. Isso é ainda mais crítico no caso de projetos naturalmente mais arriscados que os aeroportos. No último leilão de transmissão elétrica, de 13 lotes leiloados, só 10 atraíram interesse, sendo 6 com forte participação de estatais.
Defensores desse modelo dizem que a presença estatal é uma forma de evitar a tão demonizada “privatização” dos serviços públicos. Mas, na prática, o que está sendo feito é simplesmente passar o controle da atividade para grupos privados à custa de subsídio e capital público coadjuvante. Como minoritária, a Infraero terá capacidade limitada de influenciar as operações. No fundo, não deixará de ser uma privatização irrigada por subsídios para quem não precisa.
A estratégia deveria ser outra. No caso de projetos naturalmente lucrativos, como os aeroportos, o governo deveria eliminar o financiamento público e criar um marco para monitorar os investimentos contratados, os preços cobrados e a qualidade dos serviços. Com isso, sobrariam mais recursos para apoiar projetos de maior impacto social e mais difíceis de serem financiados somente no âmbito do setor privado. Transporte urbano barato, saneamento básico, prisões e rodovias em áreas remotas são exemplos.
Em vez de querer que a Infraero aprenda como gerir aeroportos, é o próprio governo que deveria aprender como melhor gerir os nossos recursos, cada vez mais escassos.

Relacoes Internacionais Contemporaneas: visoes brasileiras - Carlos Ardissone, Andre L.P. Sena orgs.) - Ed. Appris

Acabo de tomar conhecimento da publicação de um novo livro na área, onde meu amigo Fabio Koifman tem um um artigo intitulado "A pretensão brasileira por uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU", pp. 145 - 184.
Transcrevo o sumário do livro mais abaixo.
Espero lê-lo, dentro de algumas semanas.
Paulo Roberto de Almeida

SUMÁRIO

CARLOS MAURÍCIO ARDISSONE (ORG.)
APRESENTAÇÃO ...............................................................................15
CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS
AMADO LUIZ CERVO
CONCEITOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS ...............................17
HUSTANA MARIA VARGAS E CARLA MARIA MEDINA
IMPULSOS TEÓRICOS PARA A PRÁTICA DAS ORGANIZAÇÕES
NÃO GOVERNAMENTAIS INTERNACIONAIS: A GLOBALIZAÇÃO
REFERENCIADA ................................................................................45
COMÉRCIO INTERNACIONAL
ARILDA TEIXEIRA
DUAS DÉCADAS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL (1990-2010) ....69
MIRNA LARISSA WACHHOLZ
AS RELAÇÕES BRASIL – CHINA: O CASO DO ETANOL ...................89
SEGURANÇA INTERNACIONAL
CARLOS MAURÍCIO ARDISSONE
REFLEXÕES ÉTICAS SOBRE A VIOLÊNCIA TERRORISTA
TRANSNACIONAL: EM BUSCA DE NOVAS FRONTEIRAS E
ESPAÇOS DE DIÁLOGO PARA O “PROBLEMA DA DIFERENÇA” NO
INTERNACIONAL MODERNO ........................................................121
EMERSON MAIONE DE SOUZA
ORDEM E JUSTIÇA NA SOCIEDADE INTERNACIONAL PÓS-11 DE
SETEMBRO ......................................................................................157
FÁBIO KOIFMAN
A PRETENSÃO BRASILEIRA POR UMA CADEIRA PERMANENTE
NO CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU ........................183
INTEGRAÇÃO REGIONAL E DIREITO COMUNITÁRIO
JOÃO MARCELO DALLA COSTA
INTEGRAÇÃO POLÍTICA NA UNIÃO EUROPEIA: DE LUXEMBURGO
A LISBOA ........................................................................................241
RICKSON RIOS FIGUEIRA
APROXIMACIÓN AL RÉGIMEN JURÍDICO DE LA CONTRATACIÓN
INTERNACIONAL EN IBEROAMÉRICA CON ESPECIAL REFERENCIA A
LA SITUACIÓN EXISTENTE EN EL MERCOSUR ..............................265
TEMAS DA AGENDA INTERNACIONAL CONTEMPORÂNEA
EMIR BOSNIC
ÉTICA E GESTÃO DE RECURSOS NATURAIS NO AMBIENTE
INTERNACIONAL ...........................................................................307
LAURO PARENTE (IN MEMORIAM)
RELAÇÕES INTERNACIONAIS NUM MUNDO MIDIATIZADO 331
ESTUDOS DE NAÇÕES ...................................................................357
ANDRÉ LUIS PRUDÊNCIO SENA
POVO PALESTINO: UMA IDENTIDADE NACIONAL EM
CONSTRUÇÃO ...............................................................................357
CLÁUDIO DE ARAÚJO SANTOS FERREIRA
O PARAGUAI DE FERNANDO LUGO: A REVISÃO DO TRATADO DE
ITAIPU E O COMÉRCIO DE REEXPORTAÇÃO .................................371
ROBERTO MOLL NETO
ENTRE O AMOR E O ÓDIO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS E A
CONSTRUÇÃO NACIONAL ANGOLANA APÓS A INDEPENDÊNCIA 385
POLÍTICAS PÚBLICAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS .................409
LEOPOLDO NASCIMENTO COUTINHO
A PARTICIPAÇÃO DE ÓRGÃOS PÚBLICOS NAS RELAÇÕES
INTERNACIONAIS: O CASO DO INSTITUTO NACIONAL DA

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - INPI ................................................409

Macchiavel in Paradise: 500 years of The Prince - Exhibition

Uma exposição que pretendo ver em New York:

Monday, November 11, 2013 - Wednesday, November 27, 2013
ON VIEW NOV 12-27 (by appointment): ( click here )-

EXHIBITION: Niccolò Machiavelli: The Prince and its Era. 1513-2013

EXHIBITION OPENING
-
EXHIBITION: Niccolò Machiavelli: The Prince and its Era. 1513-2013
To celebrate the 500th anniversary of the composition of The Prince, this exhibit explores the essential role Niccolò Machiavelli has played in the history of modern political thought, his influence on generations of politicians and intellectuals as well as on popular culture.
Organized by the Italian Ministry of Foreign Affairs and the Embassy of Italy in Washington DC, with the support of the Italian Ministry of Cultural Heritage, Activities and Tourism.
An initiative of the Istituto della Enciclopedia Italiana founded by Giovanni Treccani.
Organization and Production of the Exhibition: Comunicare Organizzando
This exhibition is conceived as a journey both in time and space. It starts in the Renaissance —placing Machiavelli and his work in their historical context — then reaches the modern day —illustrating the different ways the writer and his masterwork have been seen up to today.  It does not intend to offer a definitive or "correct" interpretation of The Prince and its author; rather, it allows visitors to linger on the fascinating facts behind and around this short treaty and to have a glimpse of its persisting presence in our own time. 

 The exhibition is divided into four sections:
  • Machiavelli and his historical context
  • The Prince
  • Fortune and Diffusion of The Prince
  • “Uses” and “Abuses” of Machiavelli and The Prince
It features documents, books, paintings, costumes, videos, manuscripts, and objects which explore not only Machiavelli’s life and some cultural and historical events of his era, but also the impact he has had on popular culture, becoming the star of video games, comic books and much more.
November 12-27, 2013
(Monday to Friday from 10am-12/2pm-4pm)


COVER IMAGE: Antonio Maria Crespi detto il Bustino - Ritratto di Niccolò Machiavelli particolare - olio su tela, 60x51 cm - Milano,Veneranda Biblioteca Ambrosiana, Pinacoteca Ambrosiana, inv. n. 1382
© Veneranda Biblioteca Ambrosiana - Milano/De Agostini Picture Library

Machiavelli and his times. This section outlines the historical context in which Macchiavelli lived, noting the major events and contemporaries of the period. 

The Prince. The centerpiece of the exhibition, this section is dedicated to the celebrated treatise and displays the most important and influential editions and prints, from one of the nineteen manuscript codices that still exist in the world and the first print edition, 1532 Florence, published after Machiavelli’s death by Bernardo Giunta and today conserved at the Biblioteca Augusta in Perugia. One part of this section is dedicated to the major translations of The Prince in various languages. The print and art works are introduced in an inspiring video by Pierfrancesco Favino who reads the letter that Niccolò Macchiavelli wrote to Francesco Vettore on 10 December 1513 announcing that he had composed the celebrated treatise.

The Prince-its fortune and dissemination. The purpose of this section is to evidence how The Princehas come down to us over history, through observations over time, collector’s editions and contemporary translations, but also in plagiarized and manipulated versions.

Machiavelli and our times: uses and abuses. This section is dedicated to uses and abuses of the treatise. Table games, videogames, stamps, postcards, and marketing manuals inspired by Machiavellian ‘theory’. This part is intended to evidence how the finest political mind in contemporary culture has influenced various fields of political thought. In fact, the exhibition will display paintings, medals, stamps, ancient manuscripts and incunabula, alongside table and parlor games, postcards, vinyl records, as well as very bizarre and peculiar Machiavellian paraphernalia. Machiavelli, who was an irreverent spirit but mainly a great innovator, would probably have appreciated this type of corruption and would not have felt at all offended to see his own name or that of his masterpiece linked to a package of cigarettes, a musical group, or a child’s puppet.


-
Information
Date: Monday, November 11, 2013 - Wednesday, November 27, 2013
Time: 6PM
Venue: Embassy of Italy
Organized by: Embassy of Italy/Italian Cultural Institute
In collaboration with: Italian Ministry of Cultural Heritage, Activities and Tourism, Comunicare Organizzando

Chefe da quadrilha esta acima de qualquer poder (ou pensa que esta)

O Stalin sem Gulag continua zombando do STF e dos brasileiros.
Paulo Roberto de Almeida

Mensalão

Mensaleiros voltam a receber visitas na Papuda

José Dirceu e Jacinto Lamas receberam visitas nesta sexta-feira, apesar de decisão contrária da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal

Gabriel Castro, de Brasília
Foto 1 / 43
AMPLIAR FOTOS
Simone Vasconcelos e Kátia Rabelo (de chapéu claro) andam no 19 do Batalhão da Polícia Militar do DF, que é parte do complexo do presídio da Papuda
Simone Vasconcelos e Kátia Rabelo (de chapéu claro) andam no 19 do Batalhão da Polícia Militar do DF, que é parte do complexo do presídio da Papuda - Daniel Vorley/Frame/Folhapress
Apesar da determinação da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal para que os mensaleiros presos recebam o mesmo tratamento dos outros condenados, pelo menos dois deles receberam visitas nesta sexta-feira no Complexo Penitenciário da Papuda: José Dirceu e Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL.
A informação de que Dirceu recebeu visitas foi confirmada por funcionários do presídio, mas os nomes não foram divulgados. No caso de Lamas, entre os visitantes, um deles era um padre da congregação religiosa Legionários de Cristo.
Nesta quinta-feira, a Vara de Execuções Penais atendeu a um pedido do Ministério Público e decretou o fim de qualquer tratamento diferenciado aos mensaleiros. Os privilégios teriam causado, segundo a decisão, "clima de instabilidade e insatisfação" no presídio. 
A decisão significa que os parentes e amigos de criminosos como Dirceu e Marcos Valério teriam de comparecer no complexo prisional às quartas e quintas-feiras e se submeter aos mesmos procedimentos dos outros visitantes – o que inclui uma longa fila e a passagem por uma revista individual.
A direção do sistema penitenciário informa que não há privilégios, e diz que o tratamento diferenciado é uma forma de proteger a vida dos presos mais conhecidos e de suas famílias. Mas, pela decisão judicial, as autoridades do governo local estão sujeitas a punição por desrespeitarem a isonomia entre os detentos.
Após a constatação do desrespeito à determinação judicial, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal informou ao site de VEJA que cabe ao Ministério Público informar a Vara de Execuções Penais sobre possíveis irregularidades no tratamento aos presos. As seis promotoras que redigiram a recomendação confirmada pela Justiça ainda não se pronunciaram sobre o episódio.