O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Henry Kissinger. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Henry Kissinger. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Nixon e Kissinger: dois cinicos ambiciosos - book review Robert Dallek

https://www.nytimes.com/2007/05/13/books/review/Lawrence-t.html?

The Odd Couple

Visionaries or cynics? Peacemakers or warmongers? Few individuals in recent times have provoked as much controversy as Richard Nixon and his partner in foreign affairs, Henry Kissinger. Admirers laud the two men for dramatically easing the cold war and sensibly recognizing the limits of American power to shape the world. Critics castigate them as Machiavellians who undertook reckless policies in the third world, often throwing American power behind brutal tyrants in elusive quests for international stability.
Robert Dallek argues for another possibility: the two men were visionaries and cynics at the same time. On first consideration, this is an unremarkable conclusion. And yet “Nixon and Kissinger: Partners in Power” makes a valuable contribution to the study of American policy making during the turbulent years from 1969 through 1974. Partly, it does this by transcending the stale polemics that have surrounded the study of Nixon and Kissinger. But its more significant, if not wholly convincing, achievement is to connect the unevenness of their policy-making performance with the ups and downs of their peculiar personalities. “The careers of both Nixon and Kissinger,” Dallek asserts, “reflect the extent to which great accomplishments and public wrongdoing can spring from inner lives.”
This isn’t the first time Dallek, a prolific biographer of American presidents, has challenged simplistic characterizations of public men by delving into their private behavior. In 2003, his best-selling study, “An Unfinished Life: John F. Kennedy, 1917-1963,” drew on long-secret medical records to describe Kennedy’s epic struggles against a variety of ailments. “Nixon and Kissinger” contains no such spectacular revelations. Indeed, Dallek’s extensive use of recently declassified material — millions of pages of national security documents, 2,800 hours of Nixon’s secret tape recordings and 20,000 pages of transcriptions of Kissinger’s phone calls — seems to have turned up nothing to revise the broad contours of either man’s life. Rather, Dallek exploits this new material mainly for the quotations and fresh details that enable him to paint rich portraits of his two subjects.
Associated Press 
Superficially, Nixon and Kissinger, who served first as Nixon’s national security adviser and then as his secretary of state, had precious little in common. The president, son of a California grocer, identified with the hopes and grievances of middle America and bristled with resentment against East Coast sophisticates. Kissinger, a German-born Jew, rose to prominence as a pathbreaking scholar of international politics at Harvard and reveled in his acceptance among the political and intellectual elite.
But fundamentally, Dallek shows, the two were remarkably alike. Both wanted desperately to leave a deep imprint on history. Both were ruthless pragmatists who disregarded decorum, principle and sometimes the law to get what they wanted. And both were insecure loners who distrusted, deceived and abused just about everyone, including each other. For these troubled men, Dallek writes, politics offered “a form of vocational therapy” — an arena where they could exercise control and find approval.
Shared neuroses led to jealousy and hostility. Kissinger privately assailed Nixon as “that madman” and “the meatball mind.” Nixon returned the favor, demeaning Kissinger as his “Jew boy” and calling him “psychopathic.” He fretted incessantly that Kissinger was getting too much credit for the administration’s accomplishments and repeatedly considered firing him. Still, Dallek writes, their common characteristics did even more to bond the two men, who formed “one of or possibly the most significant White House collaboration in U.S. history.”
Under some circumstances, Dallek suggests, their blend of ideological flexibility and monumental egotism produced bold foreign policy advances, most notably the opening of relations with Communist China in 1971-72. And he praises Nixon and Kissinger even more exuberantly for initiating détente with the Soviet Union. Agreements negotiated with Moscow, he argues, helped end the cold war by lowering Soviet hostility to the outside world and opening the country to Western influences, which ate away at Communist rule from the inside. Kissinger’s efforts to make peace in the Middle East after the 1973 Arab-Israeli war similarly laid the groundwork for a later breakthrough, in this case the landmark 1978 accord between Egypt and Israel.
Associated Press 
On other occasions, Dallek writes, Nixon and Kissinger’s cynicism and unreasonable fear of defeat interacted to produce some of the administration’s ugliest moments. Above all, the two men needlessly prolonged and expanded the Vietnam War in a disastrous attempt to stave off a Communist victory at a moment when most Americans and most of the world wanted the fighting to end. In Chile, Nixon and Kissinger conspired to overthrow the Socialist government of Salvador Allende — and to bring the murderous regime of Augusto Pinochet to power — even though they could not identify any specific way in which Allende threatened the United States. Their fear that a leftist government in Chile might inspire radicals throughout Latin America was, Dallek charges, “nothing more than paranoia.”
What’s more, Dallek presents a devastating account of irresponsibility and dysfunction within the White House as the Watergate scandal unfolded. Desperate to save their careers, Nixon and Kissinger schemed to manipulate foreign policy to distract attention from the deepening domestic crisis. When these efforts failed, an increasingly unbalanced and alcohol-fogged Nixon abandoned foreign affairs almost entirely, leaving Kissinger in charge as a sort of unelected “co-president.” At the start of the 1973 Middle East war, Kissinger delayed informing Nixon for two and a half hours because of uncertainty about the politically embattled president’s ability to cope with urgent decisions.
Dallek’s attention to personalities makes “Nixon and Kissinger” remarkably engaging for a 700-page study of policy making. But this emphasis also underlies its chief weakness: the implication that the foreign policy devised by Nixon and Kissinger lacked intellectual coherence. Curiously, Dallek fails to describe at any length the rapidly shifting geostrategic landscape that confronted the Nixon administration as it entered office in 1969 — above all, the relative decline of American power due to the Vietnam War and the Soviet Union’s attainment of nuclear parity with the United States. Nor does he adequately explore Nixon’s or Kissinger’s innovative response to this new situation. Champions of realpolitik, the two men deliberately favored cool-headed calculation of national interests over ideological consistency. Without this essential background, their decisions seem haphazard rather than parts of a strategy to shore up United States influence by cultivating a new partner in China, easing the cost of the arms race with Moscow, bolstering pro-American leaders in the third world and avoiding defeat in Vietnam.
The narrow focus on character also obscures the full extent of the two men’s failures as policy makers. To be sure, their compulsive secretiveness and paranoia contributed to the downfall of the Nixon administration, precisely as Dallek suggests. But the two failed in a more profound sense as well. Their policies, rooted in the cold calculation of American interests, generated a powerful backlash from both liberals, angered by the brutalization of the third world, and conservatives, who objected to the coddling of Communists. The liberals helped elect Jimmy Carter in 1976, the conservatives Ronald Reagan in 1980 — presidents who, despite their many differences, shared a deep hostility to the lack of moral principle at the heart of Nixon-era foreign policy. The ideas of Nixon and Kissinger, not just their characters, have languished in disrepute ever since.

sábado, 5 de maio de 2018

Pequena licao de Realpolitik - Paulo Roberto de Almeida

Como o artigo precedente, sobre Henry Kissinger (com o qual este possui conexões), este também é de dez anos atrás. Mudou algo na geopolítica mundial desde então?
Provavelmente nada, mas mudou a geoeconomia do mundo, com a irresistível ascensão da China aos pináculos do sucesso em termos de crescimento, ganhos de produtividade, inovação tecnológica, ganhos de mercado.
Todo mundo tem direito a uma "tese". Pois a minha é esta aqui. A velha Guerra Fria geopolítica terminou não por um Bang, mas por um bing, com a implosão do socialismo, que deu dois suspiros e depois morreu. Estamos agora numa nova Guerra Fria, mas geoeconômica, e a China já ganhou essa guerra, inclusive porque a Europa continua letárgica e os EUA se encontram paralisados por um estupor de presidente, que abre um tapete vermelho para a maior glória do gigante asiático.
Vou ter de reler esse meu texto abaixo, o que ainda não fiz, para ver se tenho de corrigir alguma coisa, mas não costumo fazer isso em meus textos. Penso muito antes de escrever, pois subi em ombros de gigantes para ver melhor, como Raymond Aron, por exemplo...
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de maio de 2018

Pequena lição de Realpolitik, por Paulo Roberto de Almeida

<
p style=”text-align:justify;”>Seria totalmente justificado o mau (pré)conceito que carrega a Realpolitik no plano das atitudes possíveis de serem adotadas pelos estadistas e outros responsáveis pelas relações internacionais dos Estados modernos? Leva ela, necessariamente, a um comportamento egoísta no confronto com alternativas menos estado-cêntricas e mais voltadas para o bem comum da comunidade internacional? Mas será que existe, de fato, uma coisa chamada “comunidade internacional”? Estadistas responsáveis podem adotar outra postura que não a pragmática, focada no interesse nacional, quando se trata de administrar as relações exteriores de seus países? Vejamos o que seria possível argumentar em torno desse conceito numa espécie de curso concentrado.
Realpolitik é mais um método do que uma doutrina, completa e acabada. Ela pode ser vista como uma escola de pensamento que não é boa, ou má, em si, e sim que pode, ou não, servir os interesses daqueles que presumidamente se guiam por seus “princípios”, algo vagos, de análise e de ação. O que ela quer dizer, finalmente? A rigor, trata-se de um simples cálculo utilitário, baseado nos interesses primários de um país, um Estado, um indivíduo. Ela tende a considerar os dados do problema e não se deixa guiar por motivações idealistas, generosas ou “humanitárias” de tal decisão ou ação, mas apenas e exclusivamente pelo retorno esperado de um determinado curso de ação, que deve corresponder à maior utilidade ou retornos possíveis para o seu proponente ou condutor da ação.
Como tal, ela responde a objetivos estritamente pragmáticos e “racionais”, num sentido estrito, de uma determinada interação humana, social ou estatal. Ela parte de um pressuposto básico, na vida ou na sociedade: indivíduos e grupos sociais guiam-se, basicamente, por seus instintos de sobrevivência ou por seus interesses imediatos de conforto, bem-estar, segurança, maximização de satisfação, de prazer ou de riqueza e poder, no caso de sociedades mais complexas. Não se pode negar que, nessa perspectiva, ela corresponde, aparentemente, à natureza humana, ou pelo menos a certa concepção da natureza humana, tal como vista pelos filósofos utilitaristas ou individualistas.
O que oferece, em seu lugar, aquela que seria, presumivelmente, sua contrapartida teórica, ou até prática, a Idealpolitik? Esta, supostamente, se deixaria guiar por nobres ideais, altruística em seus princípios e motivações, generosa nas suas interações e ações, voltada para o bem comum, a solidariedade, a elevação moral da humanidade e a promoção de valores vinculados aos direitos humanos, à democracia, ao primado do direito sobre a força, à construção de uma institucionalidade que supere, justamente, o interesse egoísta de indivíduos e Estados. Ainda que se possa conceber a existência, e mesmo a atuação, de indivíduos, instituições e Estados que se deixem guiar por tal conjunto de princípios e valores, não tenho certeza de que eles são seguidos na prática quando se trata do interesse maior de indivíduos e sociedades organizadas, que são os da sua segurança e da sua sobrevivência física.
Em qualquer hipótese, algumas distinções são possíveis, e passíveis, de serem feitas e elas têm a ver com a organização geral das ações do Estado no plano exterior. Teoricamente, a “doutrina” idealista seria mais comprometida com a cooperação internacional – no plano bilateral ou multilateral – e com a promoção de instituições comprometidas com tal finalidade, atualmente representadas pela ONU (mesmo com toda a corrupção e desvios comprovados), ao passo que a “doutrina” realista teria unicamente como base o interesse egoísta dos Estados, fechados, portanto, a esforços de cooperação ampliada, assistência a necessitados ou promoção de interesses comuns da humanidade. Tal dicotomia é dificilmente encontrável na prática, pois todos os Estados, e indivíduos, acabam cooperando na prática, ainda que tratando de cuidar, primariamente, de seu interesse próprio.
Finalmente, pode-se conceber uma Realpolitik “esclarecida” que, voluntariamente ou não, busca, de forma ativa ou secundária, a promoção de valores “altruísticos”, uma vez que eles poderiam ser funcionais, em última instância, para a promoção e a manutenção do interesse próprio do Estado ou do indivíduo em questão. Ou seja, a busca do “bem” redundaria em maior bem primeiramente para o seu promotor.
Estas considerações, necessariamente de cunho generalizante ou conceitual, não têm muito a ver com realizações práticas, ou correntes, de alguma Realpolitik em ação, “esclarecida” ou não. Normalmente se tende a identificar o exercício desse tipo de política com manifestações práticas de “diplomacia blindada” de alguma grande potência, na suposição de que apenas potências dominantes têm condições de cuidar de seu interesse próprio de maneira egoísta ou arrogante, o que é um entendimento enviesado, ou capcioso, do que seja Realpolitik. Por certo, pequenos Estados ou indivíduos desprovidos de poder próprio não têm condições de impor sua vontade aos demais, daí a identificação da Realpolitik com a política de poder. A rigor, qualquer indivíduo ou Estado pode tentar exercer seu quantum de Realpolitik, embora dentro de limites próprios à sua liberdade de ação (ou de reação).
Para tocar num exemplo sempre invocado de doutrina “realista” do interesse nacional, num sentido estreitamente egoísta e unilateral, referência é feita à chamada “doutrina Bush” de ação preventiva, com vistas a antecipar a qualquer iniciativa por parte de Estados inimigos ou grupos terroristas de atacar os EUA, o que justificaria, aos olhos de seus dirigentes, um ataque preventivo contra esses supostos inimigos. Ao mesmo tempo, caberia lembrar que essa doutrina vem sendo apresentada ou vem “envelopada” num conjunto de argumentos justificadores da ação americana, condizentes, supostamente, com uma visão mais “altruística” das relações internacionais, posto que identificada com a promoção da democracia, a defesa dos direitos humanos – em especial da mulher -, a capacidade de iniciativa individual no plano econômico, a liberdade religiosa e vários outros elementos de natureza supostamente “iluminista”.
Que isto esteja sendo feito por bombas e ocupação militar, e não por professores e missionários, poderia ser visto como secundário do ponto de vista da escola “realista”, embora não o seja para os “destinatários” da ação: afinal de contas, parece difícil implementar a democracia na ponta dos fuzis, ou mediante canhões e mísseis. Desse ponto de vista, a visão e a ação de Kissinger pareciam sinceras, ainda cinicamente realistas: ele não pretendia “melhorar” o mundo, apenas torná-lo suportável no plano dos interesses nacionais americanos, o que já lhe parecia um programa realisticamente enorme (em face dos perigos percebidos, reais ou ilusórios).
A Realpolitik, portanto, recomendaria deixar cada povo cuidar dos seus afazeres, sem interferência dos demais, até o limite dos efeitos indiretos sobre a segurança de outros da soberania exclusiva assim exercida (ou seja, eventuais spill-overs da potestade interna exercida de maneira excludente). Atualmente se invoca, ao lado do “dever de ingerência” – que seria a intervenção direta nos assuntos internos de outros Estados em caso de graves atentados aos direitos humanos – o chamado princípio da “não-indiferença”, que seria uma motivação altruística para exercer a cooperação ativa em prol do bem estar de povos menos bem aquinhoados pela natureza ou pela sua organização estatal ou social. A diferença entre um e outro estaria em que, no primeiro caso, a intervenção se daria contrariamente aos desejos ou capacidade de reação do Estado em questão, ao passo que no segundo, em total concordância e em cooperação com seus dirigentes.
Num primeiro caso, teríamos, então, a Realpolitik bem intencionada, no segundo a Idealpolitik explícita e aberta. O que se deve julgar, na verdade, é a eficiência das ações empreendidas com relação a objetivos bem determinados: no primeiro caso, o possível resultado é o salvamento de pessoas que de alguma forma pereceriam na ausência de intervenção, o que significa, simplesmente, a diferença entre a vida e a morte. No segundo caso, as ações altruísticas empreendidas podem ser rigorosamente inócuas, caso a não indiferença se exerça em direção de objetivos secundários ou totalmente marginais em relação aos verdadeiros problemas do país ou sociedade assim beneficiados com tal ação humanitária.
Não há, como se vê, um critério uniforme para se julgar princípios de ação, ou suas motivações teóricas: o que existem são situações objetivas e resultados tangíveis, em função dos quais julgar da efetividade de iniciativas e empreendimentos tomados por estadistas. O realismo e o idealismo podem ser invocados em circunstância diversas, e produzirem resultados totalmente contraditórios, em função dos objetivos pretendidos e dos meios mobilizados.
O que teria Kissinger a ver com isto, finalmente? Provavelmente nada, a não ser a perspectiva da história profunda e o sentido da razão, sempre bons conselheiros em matéria de políticas de Estado, em qualquer área que se pretenda atuar. Com todo o seu realismo cínico, Kissinger foi provavelmente um estadista altamente eficiente do ponto de vista dos interesses egoístas – portanto realistas – dos EUA. Teria sido ele tão eficiente assim caso tivesse sido, hipoteticamente, guindado à frente das Nações Unidas, num papel de cunho profundamente altruístico e humanitário? Provavelmente não, pois lhe faltaria a alavanca necessária para ser bom (ou mau, com os ditadores), segundo as circunstâncias: o poder de ordenar e de ser obedecido.
Não é segredo para ninguém que a ONU, com todos os seus bons princípios – e a despeito de uma maquinaria emperrada, por vezes corrupta – não é sequer capaz de fazer cumprir seus objetivos prioritários, e ela não o será pelo futuro previsível. Isto talvez seja uma demonstração cabal de que o realismo prático, com todos os seus supostos defeitos congenitais, ainda constitui uma boa alavanca para a ação.
Talvez, então, a melhor combinação possível, se as escolhas nos são dadas, fosse armar-se de uma doutrina inspirada nos bons princípios da Idealpolitik, ao mesmo tempo em que, no terreno da ação prática (e efetiva), buscaríamos guiar-nos pelos velhos e surrados princípios da Realpolitik. Acredito que mesmo um cínico como Kissinger não desgostaria desta combinação. Provavelmente é mais fácil propor do que implementar tal tipo de mini-max, ou seja, uma mistura de boas intenções com uma mão de ferro na sua consecução: poucos seriam capazes de fazê-lo, talvez apenas os “realistas-idealistas”. Ou serão os “idealistas- realistas”? Grande questão…
Paulo Roberto de Almeida é Doutor em ciências sociais pela Universidade de Bruxelas (1984); diplomata de carreira do serviço exterior brasileiro desde 1977; professor de Economia Política Internacional no Mestrado em Direito do Centro Universitário de Brasilia (Uniceub); autor de diversos livros de história diplomática e de relações internacionais (www.pralmeida.org; diplomatizzando.blogspot.com).

Henry Kissinger at 95: alive and kicking - Paulo Roberto de Almeida

Não diria que se trata exatamente de uma homenagem. Era para ser um "obituário" preventivo, mas o homem se recusa a morrer, como o velho George Kennan (nenhuma semelhança entre os dois, inclusive porque Kennan tinha, como diria Adam Smith, "sentimentos morais").
Não mudo nada do que escrevi dez anos atrás, apenas acrescentaria alguns novos comentários sobre as "afinidades" pouco eletivas entre Mr Kissinger e a China, como realista cínico que ele sempre foi.
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de maio de 2018

O legado de Henry Kissinger, por Paulo Roberto de Almeida

<
p style=”text-align:justify;”>Não, o velho adepto da realpolitik ainda não morreu. Mas tendo completado 85 anos em maio de 2008, o ex-secretário de Estado e ex-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Henry Kissinger aproxima-se das etapas finais de sua vida. Seus obituários – não pretendendo aqui ser uma ave de mau agouro – devem estar prontos nas principais redações de jornais e revistas do mundo inteiro, e os comentaristas de suas obras preparam, certamente, revisões de análises anteriores para reedições mais ou menos imediatas, tão pronto este “Metternich” americano passe deste mundo terreno para qualquer outro que se possa imaginar (na minha concepção, deverá ser o mundo das idéias aplicadas às relações de poder).
Talvez seja esta a oportunidade para um pequeno balanço de seu legado, que alguns – por exemplo Cristopher Hitchens, em The Trial of Henry Kissinger – querem ver por um lado unicamente negativo, ou até criminoso, como se ele tivesse sido apenas o inimigo dos regimes “progressistas” e um transgressor consciente dos direitos humanos e da autodeterminação dos povos. Ele certamente tem suas mãos manchadas de sangue, mas também foi o arquiteto dos acordos de redução de armas estratégicas e da própria tensão nuclear com a extinta União Soviética, além de um mediador relativamente realista nos diversos conflitos entre Israel e os países árabes, no Oriente Médio. Sua obra “vietnamita” é discutível, assim como foi altamente discutível – ou francamente condenável – o prêmio Nobel da Paz concedido por um simplesmente desengajamento americano, que visava bem mais a resolver questões domésticas do que realmente pacificar a região da ex-Indochina francesa.
Pode-se, no entanto, fazer uma espécie de avaliação crítica de sua obra prática e intelectual, como reflexão puramente pessoal sobre o que, finalmente, reter de uma vida rica em peripécias intelectuais e aventuras políticas. Sua principal obra de “vulgarização” diplomática, intitulada de maneira pouco imaginativa Diplomacia simplesmente, deve constituir leitura obrigatória em muitas academias diplomáticas de par le monde. Seu trabalho mais importante, uma análise do Congresso de Viena (1815), é mais conhecido pelos especialistas do que pelo grande público, mas ainda assim merece ser percorrido pelos que desejam conhecer o “sentido da História”.
O legado de Henry Kissinger é multifacético e não pode ser julgado apenas pelos seus atos como Conselheiro de Segurança Nacional de Richard Nixon, ou como Secretário de Estado desse presidente e do seguinte, Gerald Ford, quando ele esteve profundamente envolvido em todas as ações do governo americano no quadro da luta anti-comunista que constituía um dos princípios fundamentais da política externa e da política de segurança nacional dos EUA. Esse legado alcança, necessariamente, suas atividades como professor de política internacional, como pensador do equilíbrio nuclear na era do terror – doutrina MAD, ou Mutually Assured Destruction -, como consultor do Pentágono em matéria de segurança estratégica, e também, posteriomente a seu trabalho no governo, como articulista, memorialista e teórico das relações internacionais.
A rigor, ele começou sua vida pública justamente como teórico das relações internacionais, ou, mais exatamente, como historiador do equilíbrio europeu numa época revolucionária, isto é, de reconfiguração do sistema de poder no seguimento da derrocada de Napoleão e de restauração do panorama diplomático na Europa central e ocidental a partir do Congresso de Viena (1815). Sua tese sobre Castlereagh e Metternich naquele congresso (A World Restored, 1954) é um marco acadêmico na história diplomática e de análise das realidades do poder num contexto de mudanças nos velhos equilíbrios militares anteriormente prevalecentes. Depois ele foi um fino analista dessas mesmas realidades no contexto bipolar e do equilíbrio de terror trazido pelas novas realidades da arma atômica. Ele se deu rapidamente conta de que não era possível aos EUA manter sua supremacia militar exclusiva, baseada na hegemonia econômica e militar e no seu poderio atômico, sem chegar a algum tipo de entendimento com o outro poder nuclear então existente, a União Soviética, uma vez que, a partir de certo ponto, a destruição assegurada pela multiplicação de ogivas nucleares torna ilusória qualquer tentativa de first strike ou mesmo de sobrevivência física, após os primeiros lançamentos.
Daí sua preocupação em reconfigurar a equação dos poderes – aproximando-se da China, por exemplo – e em chegar a um entendimento mínimo com a URSS, através dos vários acordos de limitações de armas estratégicas. O controle da proliferação nuclear também era essencial, assim como evitar que mais países se passassem para o lado do inimigo principal, a URSS (o que justifica seu apoio a movimentos e golpes que afastassem do poder os mais comprometidos com o lado soviético do equilíbrio de poder). Numa época de relativa ascensão da URSS, com governos declarando-se socialistas na África, Ásia e América Latina, a resposta americana só poderia ser brutal, em sua opinião,  o que justificava seu apoio a políticos corruptos e a generais comprometidos com a causa anti-comunista. Não havia muita restrição moral, aqui, e todos os golpes eram permitidos, pois a segurança dos EUA poderia estar em jogo, aos seus olhos.
Ou seja, todas as acusações de Christopher Hitchens estão corretas – embora este exagere um pouco no maquiavelismo kissingeriano – mas a única justificativa de Henry Kissinger é a de que ele fez tudo aquilo baseado em decisões do Conselho de Segurança Nacional e sob instruções dos presidentes aos quais serviu. Não sei se ele deveria estar preso, uma vez que sua responsabilidade é compartilhada com quem estava acima dele, mas certamente algum julgamento da história ele terá, se não o dos homens, em tribunais sobre crimes contra a humanidade. Acredito, pessoalmente, que ele considerava as “vítimas” de seus muitos golpes contra a democracia e os direitos humanos como simples “desgastes colaterais” na luta mais importante contra o poder comunista da URSS, que para ele seria o mal absoluto.
O julgamento de alguém situado num plano puramente teórico, ou “humanista” – como, por exemplo, intelectuais de academia ou mesmo jornalistas, para nada dizer de juizes empenhados na causa dos direitos humanos ou de “filósofos morais” devotados à “causa democrática” no mundo -, tem de ser necessariamente diferente do julgamento daqueles que se sentaram na cadeira onde são tomadas as decisões e tem, portanto, de julgar com base no complexo jogo de xadrez que é o equilíbrio nuclear numa era de terror, ou mesmo no contexto mais pueril dos pequenos golpes baixos que grandes potências sempre estão aplicando nas outras concorrentes, por motivos puramente táticos, antes que respondendo a alguma “grande estratégia” de “dominação mundial”. Desse ponto de vista, Kissinger jogou o jogo de forma tão competente quanto todos os demais atores da grande política internacional, Stalin, Mao, Kruschev, Brejnev, Chu En-lai, Ho Chi-min e todos os outros, ou seja, não há verdadeiramente apenas heróis de um lado e patifes do outro. Todos estão inevitavelmente comprometidos como pequenos e grandes atentados aos direitos humanos e aos valores democráticos.
Não creio, assim, que ele tenha sido mais patife, ou criminoso, do que Pinochet – que ele ajudou a colocar no poder – ou de que os dirigentes norte-vietnamitas – que ele tentou evitar que se apossassem do Vietnã do Sul (e, depois, jogou a toalha, ao ver que isso seria impossível cumprir pela via militar, ainda que, na verdade, os EUA tenham sido “derrotados” mais na frente interna, mais na batalha da opinião pública doméstica, do que propriamente no terreno vietnamita). Ou seja, Kissinger não “acabou” com a guerra do Vietnã: ele simplesmente declarou que os EUA tinham cumprido o seu papel – qualquer que fosse ele – e se retiraram da frente militar.
Seu legado também pode ser julgado como “comentarista” da cena diplomática mundial, como memorialista – aqui com imensas lacunas e mentiras, o que revela graves falhas de caráter – e como consultor agora informal de diversos presidentes, em geral republicanos (mas não só). Ele é um excelente conhecedor da História – no sentido dele, com H maiúsculo, certamente – e um grande conhecedor da psicologia dos homens, sobretudo em situações de poder. Trata-se, portanto, de um experiente homem de Estado, que certamente serviu ardorosamente seus próprios princípios de atuação – qualquer que seja o julgamento moral que se faça deles – e que trabalhou de modo incansável para promover os interesses dos EUA num mundo em transformação, tanto quanto ele tinha analisado no Congresso de Viena.
Desse ponto de vista, pode-se considerar que ele foi um grande representante da escola realista de poder e um excelente intérprete do interesse nacional americano, tanto no plano prático, quanto no plano conceitual, teórico, ou histórico. Grandes estadistas, em qualquer país, também são considerados maquiavélicos, inescrupulosos e mentirosos, pelos seus adversários e até por aliados invejosos. Esta é a sina daqueles que se distinguem por certas grandes qualidades, boas e más. Kissinger certamente teve sua cota de ambas, até o exagero. Não se pode eludir o fato de que ele deixará uma marca importante na política externa e nas relações internacionais – dos EUA e do mundo – independentemente do julgamento moral que se possa fazer sobre o sentido de suas ações e pensamento.
Por uma dessas ironias de que a História é capaz, coube a um dos presidentes mais ignorantes em história mundial (Ronald Reagan) enterrar, praticamente, o poder soviético com o qual Kissinger negociou quase de igual para igual durante tantos anos. Ele, que considerava o resultado de Viena um modelo de negociação – por ter sido uma paz negociada, justamente, não imposta, como em Versalhes – deve ter sentido uma ponta de inveja do cowboy de Hollywood, capaz de desmantelar o formidável império que tinha estado no centro de suas preocupações estratégicas – e que ele tinha poupado de maiores “desequilíbrios” ao longo dos anos. Seu cuidado em assegurar o “equilíbrio das grandes potências” saltou pelos ares com o keynesianismo militar praticado por Reagan, um desses atos de voluntarismo político que apenas um indivíduo totalmente alheio às grandes tragédias da História seria capaz. Talvez Kissinger tivesse querido ser o arquiteto do grande triunfo da potência americana, mas ele teve de se contentar em ser apenas o seu intérprete tardio. Nada mal, afinal de contas, para alguém que foi, acima de tudo, um intelectual…
Paulo Roberto de Almeida é Doutor em ciências sociais pela Universidade de Bruxelas (1984); diplomata de carreira do serviço exterior brasileiro desde 1977; professor de Economia Política Internacional no Mestrado em Direito do Centro Universitário de Brasilia (Uniceub); autor de diversos livros de história diplomática e de relações internacionais (www.pralmeida.org; diplomatizzando.blogspot.com).

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Kissinger: 95 anos; algumas citações selecionadas...


Henry Kissinger
Henry Kissinger > Quotes


Henry Kissinger quotes (showing 1-30 of 231)

“Corrupt politicians make the other ten percent look bad.”
― Henry Kissinger
“Nobody will ever win the battle of the sexes. There is too much fraternizing with the enemy.”
― Henry Kissinger
“Military men are just dumb, stupid animals to be used as pawns in foreign policy.”
― Henry Kissinger
“It is not a matter of what is true that counts, but a matter of what is perceived to be true.”
― Henry Kissinger
“There can't be a crisis next week, my schedule is already full.”
― Henry Kissinger
“The task of the leader is to get his people from where they are to where they have not been. ”
― Henry Kissinger
“America has no permanent friends or enemies, only interests”
― Henry Kissinger
“Power is the ultimate aphrodisiac.”
― Henry Kissinger
“Don't be too ambitious. Do the most important thing you can think of doing every year and then your career will take care of itself.”
― Henry Kissinger
“The nice thing about being a celebrity is that if you bore people they think it's their fault.”
― Henry Kissinger
tags: humor
“The absence of alternatives clears the mind marvelously.

― Henry Kissinger
“Every victory is only the price of admission to a more difficult problem”
― Henry Kissinger
“The issues are too important to be left for the voters.”
― Henry Kissinger
“A country that demands moral perfection in its foreign policy will achieve neither perfection nor security”
― Henry Kissinger
“The illegal we do immediately. The unconstitutional takes a little longer.”
― Henry Kissinger
“There cannot be a crisis next week. My schedule is already full.”
― Henry Kissinger
“It is not often that nations learn from the past,even rarer that they draw the correct conclusions from it.”
― Henry Kissinger
“Behind the slogans lay an intellectual vacuum.”
― Henry KissingerDiplomacy
“Poor old Germany. Too big for Europe, too small for the world”
― Henry Kissinger
tags: germany
“Blessed are the people whose leaders can look destiny in the eye without flinching but also without attempting to play God”
― Henry Kissinger
“In his essay, ‘Perpetual Peace,’ the philosopher, Immanuel Kant, argued that perpetual peace would eventually come to the world in one of two ways, by human insight or by conflicts and catastrophes of a magnitude that left humanity no other choice. We are at such a juncture.”
― Henry KissingerOn China
“The state is a fragile organization, and the statesman does not have the moral right to risk its survival on ethical restraint.”
― Henry KissingerWorld Order
“A diamond is a chunk of coal that did well under pressure.”
― Henry Kissinger
“It is one of history's ironies that Communism, advertised as a classless society, tended to breed a privileged class of feudal proportions.”
― Henry KissingerOn China
“I am being frank about myself in this book. I tell of my first mistake on page 850.”
― Henry Kissinger
“The reason that university politics is so vicious is because stakes are so small”
― Henry Kissinger
“We fought a military war; our opponents fought a political one. We sought physical attrition; our opponents aimed for our psychological exhaustion. In the process we lost sight of one of the cardinal maxims of guerrilla war: the guerrilla wins if he does not lose. The conventional army loses if it does not win. The North Vietnamese used their armed forces the way a bull-fighter uses his cape — to keep us lunging in areas of marginal political importance.”
― Henry Kissinger
“A turbulent history has taught Chinese leaders that not every problem has a solution and that too great an emphasis on total mastery over specific events could upset the harmony of the universe.”
― Henry Kissinger
“In Washington...the appearance of power is therefore almost as important as the reality of it. In fact, the appearance is frequently its essential reality”
― Henry KissingerThe White House Years
“It's a pity both sides can't lose (commenting on Iran-Iraq war, 1980 – 1988)”
― Henry Kissinger

domingo, 8 de janeiro de 2017

After Obama years, back to Kissinger years? - Eli Lake

Bom artigo, equilibrado, informativo, analítico.
Grato a meu amigo Stelio Amarante, pelo envio.
Paulo Roberto de Almeida

BLOOMBERG VIEW - POLITICS
Kissinger's Washington Is Coming Back Around
JAN 4, 2017 6:00 AM EST
By Eli Lake

Let’s take a moment to savor what looks to be Henry Kissinger’s final act. The man is 93 years old. At that age, most people are lucky to have enough energy for “Wheel of Fortune” and a few Facebook posts. Not Kissinger. These days, he’s playing the influence game against insiders who hadn’t even been born when he was Richard Nixon’s secretary of state.
Officials with Donald Trump’s transition team tell me Kissinger has spent several hours since the election advising incoming national security adviser Michael Flynn and his team. He’s also putting his network in place. He recommended his former assistant, K.T. McFarland, to be Flynn’s deputy, and urged Trump to nominate Rex Tillerson, the chief executive officer of Exxon Mobil, as his secretary of state. Kissinger is one of the few people in Trump’s orbit who can get him on the phone whenever he wants, according to one transition adviser.
That’s just behind the scenes. Consider that Kissinger is also an important validator for Trump in the press. When some Republicans questioned Tillerson’s closeness to Russian President Vladimir Putin, Kissinger defended the pick on “Face the Nation.” Kissinger helped soften the blow of Trump’s phone call with Taiwan’s president in December before the Committee of 100, which advocates for the U.S.-China relationship. Before that, Kissinger winged his way to Oslo to urge his fellow Nobel laureates to give the next president’s foreign policy a chance. It feels like 1975 all over again. I’m half-expecting to read something in the tabloids about a Kissinger affair with a Hollywood starlet.   
It should be said that almost all recent presidents and secretaries of state at one time or another have consulted Kissinger for advice. But in the Obama years, Kissinger was not that influential. After he co-authored an op-ed critical of the Iran nuclear deal, State Department deputy spokeswoman Marie Harf dismissed it as “big words and big thoughts” with few specifics.
It’s nonetheless strange that Kissinger would have Trump’s ear. To start, he is the author of many of the policies Trump is hinting he will undo. It’s not just the one-China policy, which forbids official recognition of Taiwan, even though it allows the U.S. to arm the island. Kissinger is also an architect of arms-control deals that recent Trump tweets suggest may be in jeopardy.
“Kissinger is apparently willing to advise someone who has publicly questioned the essential building blocks of the international system that Kissinger himself helped create,” Tim Naftali, a former executive director of the Richard Nixon Presidential Library and Museum, told me.
Then there’s the matter of how Trump won the presidency. Remember his closing argument: “For those who control the levers of power in Washington and for the global special interests, they partner with these people who don’t have your good in mind.” That’s not an unreasonable description of Kissinger’s own consulting firm, which has provided strategic advice to foreign governments and big corporations since 1982.
Of course, Kissinger has always contained multitudes. For his supporters, he is the American Metternich, the 19th-century Austrian diplomat and scholar who both shaped and explained the geopolitics of his era. It’s no coincidence that Metternich was a subject of Kissinger’s first book, published in 1957.
Niall Ferguson, the historian and Kissinger biographer, put it like this: “The reason Trump has turned to Kissinger is that he rightly sees him as the most brilliant and experienced geopolitical theorist and diplomatic practitioner in the United States today, and he realizes he could use Kissinger’s advice to sort out his strategic priorities.”
This is no doubt music to the ears of the Washington and New York foreign-policy establishment. For idealists on the left and right, however, Kissinger’s influence on Trump is a red flag. For all of his foreign-policy success, Kissinger is also an author of more dubious moments in Cold War history. He helped orchestrate the 1973 coup that toppled Chile’s elected president, Salvador Allende. Kissinger devised the strategy to bomb North Vietnamese Army positions in Cambodia, something he kept from Congress. This history earned Hillary Clinton a rebuke from Bernie Sanders during the Democratic primary, when he questioned the judgment of anyone who would consider Kissinger to be a personal friend.
But Kissinger is not just a bête noire for the left. He also clashed with neoconservatives when he was Richard Nixon’s national security adviser. Democratic Senator Henry “Scoop” Jackson pushed the Nixon administration to adopt sanctions on the Soviet Union tied directly to its treatment of Jewish dissidents. Kissinger famously opposed this policy because it would undermine his own policy to lower tensions with Moscow, known as detente.
As Trump prepares to take power, Russia is once again dividing Washington. The Obama administration just last week released a report from the FBI and Department of Homeland Security that concluded Russian intelligence services hacked leading Democrats and leaked the information to the press. Trump and his transition team have cast doubt on the intelligence. 
Kissinger hasn’t weighed in on that. But he has been saying for the past few years that it would be smart to find ways to work more closely with Putin. In a speech in February at the Gorchakov Foundation in Moscow, he said, “In the emerging multipolar order, Russia should be perceived as an essential element of any new global equilibrium, not primarily as a threat to the United States.”
This perspective meshes nicely with Trump’s own view that a deal can be done with Putin. Ferguson told me that one of the appeals of Kissinger for Trump is that voters were fed up with the approaches of George W. Bush and Barack Obama to foreign policy. “Kissinger was associated with neither approach, though he was much less openly critical of the former,” he said. “I think Trump is attracted to Kissinger’s reputation as a realist, though -- as I have argued -- this is rather an inaccurate characterization of him. He surely also appreciates the unique network of relationships Kissinger brings to the table: Think only of his regular meetings with Presidents Putin and Xi.”
Delicious. The president-elect who waged a campaign against global elites is turning to a man who knows most of them on a first-name basis. It’s an irony Henry Kissinger’s former clients likely appreciate.