O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org. Para a maior parte de meus textos, ver minha página na plataforma Academia.edu, link: https://itamaraty.academia.edu/PauloRobertodeAlmeida;

Meu Twitter: https://twitter.com/PauloAlmeida53

Facebook: https://www.facebook.com/paulobooks

Mostrando postagens com marcador diplomacia bolsolavista. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador diplomacia bolsolavista. Mostrar todas as postagens

domingo, 20 de setembro de 2020

Os descaminhos da nossa diplomacia servil a Trump - Janaina Figueiredo (La Nación)

La gira de Pompeo fortalece el alineamiento automático de EE.UU. y Brasil


La Nación, 20/09/2020
El secretario de Estado norteamericano, Mike Pompeo
El secretario de Estado norteamericano, Mike Pompeo  Fuente: AFP
19 de septiembre de 2020  • 19:52

RÍO DE JANEIRO.- En su libro Miedo: Trump en la Casa Blanca , el periodista norteamericano Bob Woodward menciona la estrecha relación entre el presidente y su par brasileño, Jair Bolsonaro , a quien alguna vez llamó "el Trump de los trópicos" . En uno de sus relatos, Woodward asegura que en marzo pasado, cuando la pandemia de coronavirus ya era una realidad en el continente y Washington sabía de su gravedad, el republicano hizo una excepción en su agenda externa y aceptó recibir a Bolsonaro en su residencia Mar-a-Lago, en Florida . Días después, tres integrantes de la comitiva brasileña confirmaron tener Covid-19 y el consejero de Seguridad Nacional, Robert O'Brien, relató a Woodward que "temió transformarse en el responsable de exponer Trump al virus".

Lo narrado por el periodista retrata el grado de cercanía entre los dos presidentes, que para importantes dirigentes brasileños ya es consideradainconstitucional Trump es el mayor ídolo de Bolsonaro y usa al gobierno brasileño como pieza clave en su estrategia regional. En este contexto debe entenderse la visita del secretario de Estado norteamericano, Mike Pompeo, al estado brasileño de Roraima ayer. Una visita que causó polémica en Brasil y llevó el presidente de la Cámara de Diputados, Rodrigo Maia, a calificarla de"ofensa a las tradiciones de autonomía" de la política exterior nacional.

La escala en Roraima tuvo el objetivo de discutir la crisis venezolana y enviarle un fuerte mensaje a Nicolás Maduro . En un estado brasileño que tiene una amplia frontera con Venezuela , el secretario de Estado, recibido con honores por el canciller Ernesto Araújo, le pidió a Maduro que renuncie. Para Maia y otros dirigentes, el gobierno de Bolsonaro cometió un acto inconstitucional al violar los principios de independencia nacional.

Para Trump, esa escala en territorio brasileño era importante por varios motivos. Seguir estrechando el vínculo con un aliado estratégico; enviarle un mensaje a los electores latinos de Florida y a su archienemigo venezolano. La sociedad con Bolsonaro le ha dado buenos resultados al magnate. El fin de semana pasado, el apoyo indispensable de Brasil le permitió a Estados Unidos ocupar, por primera vez en sus 60 años de historia, la presidencia del Banco Interamericano de Desarrollo (BID). Con un alto nivel de abstención, fue electo el norteamericano de origen cubano Mauricio Claver-Carone.

Si Brasil hubiera presentado un candidato a la altura de las circunstancias, hubiera tenido chances de quedarse con el cargo. Muy por el contrario, propuso al empresario y banquero Rodrigo Xavier, cercano al ministro de Economía, Paulo Guedes, que, según fuentes del BID, ni siquiera habla bien español. Con el lanzamiento de la candidatura de Claver-Carone, el gobierno de Bolsonaro retiró inmediatamente a Xavier y se puso en campaña para respaldar al hombre de Trump.

La alianza entre Brasil y Estados Unidos también hizo jugadas fuertes en la Organización de los Estados Americanos ( OEA ), donde apoyaron a principios de año la reelección del uruguayo Luis Almagro como secretario general. Meses más tarde, Bolsonaro logró que Almagro diera un fuerte impulso a varias denuncias administrativas contra Paulo Abrão, ahora exsecretario general de la Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH). Abrão fue funcionario de los gobiernos del Partido de los Trabajadores (PT) y, además de eso, promovía investigaciones sobre supuestas violaciones de los derechos humanos en países como Brasil.

Para completar el cuadro, Bolsonaro acaba de enviar a su exasesor especial Arthur Weintraub a Washington para ocupar una secretaría del gabinete de Almagro. El hermano del exasesor -el exministro de Educación Abraham Weintraub, envuelto en conflictos diplomáticos con China y famoso por haber dicho que todos los jueces del Supremo Tribunal Federal (STF) deberían estar presos- fue enviado al Banco Mundial.

Queda claro que el vínculo Trump-Bolsonaro es útil a ambos. Aunque en el caso del brasileño lo sea más en temas personales y no de interés nacional. El alineamiento automático con Estados Unidos no le generó beneficios económicos o comerciales a Brasil. Todo lo contrario: el gobierno acaba de adoptar medidas que favorecerán las exportaciones de etanol y arroz norteamericano y, en este último caso, que perjudican a sus socios del Mercosur. Las barreras proteccionistas al acero aplicadas por Estados Unidos demuestran que, a la hora de priorizar, salen ganando los intereses nacionales.

Bolsonaro le sirve mucho más a Trump que viceversa. La Casa Blanca busca ampliar su influencia en la región, principalmente para contraponerse a China . Eso explica, en gran medida, el interés por la presidencia del BID, ámbito donde se toman decisiones sobre reglas de inversión.

"América Latina está muy dividida, y el símbolo de esa fragmentación es la mala relación entre Brasil y la Argentina . En ese contexto, Estados Unidos aprovecha las divisiones para imponerse", explicó a LA NACION Mauricio Santoro, profesor de Relaciones Internacionales de la Universidad Estadual de Río de Janeiro (UERJ).

El presidente brasileño tiene dedicación exclusiva a su ídolo y, como escribió recientemente un internauta en Twitter, se transformó en una especie de "Trump con cinco días de delay . Estuvieron unidos en la defensa de la cloroquina como medicamento supuestamente eficaz contra el Covid-19; minimizaron la pandemia; criticaron a la Organización Mundial de la Salud(OMS); cuestionan los organismos multilaterales, como la Organización Mundial de Comercio (OMC), y en la región sostienen el discurso más duro contra Venezuela, acompañados por la Colombia de Iván Duque , por donde pasó Pompeo.

El canciller brasileño dice públicamente que su gobierno no tendría problemas en relacionarse con una eventual administración demócrata. Pero internamente se sabe que Bolsonaro apuesta a la reelección de Trump. "¿Podrías imaginar a un secretario de Estado demócrata llegando a Roraima? Yo lo veo más visitando la Amazonia, o el Pantanal, y demostrando preocupación por los incendios", dijo Santoro.

El embajador Paulo Roberto de Almeida, tal vez el mayor crítico de Araújo en actividad, dijo que Roraima fue "un set de la campaña de propaganda de Trump". Para el embajador, una eventual derrota de Trump dejaría al presidente brasileño totalmente aislado en la región y el mundo.



sábado, 19 de setembro de 2020

Mini-reflexão sobre a “ideologia” atualmente em construção no Itamaraty bolsolavista - Paulo Roberto de Almeida

 Mini-reflexão sobre a “ideologia” atualmente em construção no Itamaraty bolsolavista

Paulo Roberto de Almeida


Já estou no meu terceiro livro — Uma Certa Ideia do Itamaraty: a reconstrução da política externa e a restauração da diplomacia brasileira (2020) — de reflexões e provocações sobre o estado atual de “desinteligência” sobre o que vem se passando na área das relações internacionais do Brasil, e isso tanto num sentido prático (ou seja, do exercício concreto de nossas relações exteriores), quanto no sentido “ideológico”, isto é, das “ideias” (se por acaso existem) que possam estar atrás dessas ações.

Quando eu acrescentei, em meados de 2019, um subtítulo ao meu primeiro livro da era do bolsonarismo na esfera diplomática — cujo título, Miséria da diplomacia, era apenas uma provocação marxista contra a situação prevalecente na política externa do Brasil —, falando da destruição da inteligência no Itamaraty, isso tinha apenas um sentido metafórico, pois eu estava querendo alertar para esse desafio apresentado à nossa capacidade de sermos, os diplomatas profissionais, suficientemente resistentes ao besteirol dominante, expresso num sem número de declarações bizarras sobre nossa interface externa, emanadas tanto do presidente completamente ignorante nessa área, quanto de alguns conselheiros amadores metidos a “guardiões” da política externa oficial (entre eles o tosco filho 03 do presidente, que não tem ideia de quem seja Henry Kissinger, mas que ainda assim é tido como “chanceler de fato”), e de forma mais surpreendente ainda pelo próprio “chanceler acidental” (que tem, sim, alguma ideia do que seja política externa, mas que teve de construir uma falsa identidade artificial de “fiel olavista da tropa”, para ser aceito pelos donos do poder, mas que é apenas um terceiro ou quarto escalão no processo decisório em sua área ministerial).

Mas constato agora que não se trata apenas de palavras ao vento, de tentativas canhestras de legitimação ao que vem sendo praticado nas relações exteriores do Brasil, e que existe, sim, uma obra de destruição em curso, deliberada, sistemática, abrangente. 

Creio que, até mais do que às posturas do Brasil em matéria de política externa — que é, em parte, apenas uma reação à agenda existente das relações internacionais, que é objetiva, externa ao Brasil —, essa obra de destruição maciça de nossas tradições e padrões de trabalho do Itamaraty, se dirige diretamente às próprias mentalidades, às concepções dos diplomatas, a tudo aquilo que eles aprenderam ao longo de sua trajetória de estudos preparatórios para o concurso do Instituto Rio Branco, suas aulas outrora de boa qualidade naquela academia diplomática — que já foi de graduação, virou Mestrado em Diplomacia (entre 2001 e 2011), e que hoje não se sabe exatamente o que é —, assim como toda a experiência adquirida no exercício concreto da atividade diplomática, em instâncias bilaterais, em foros regionais e em organizações multilaterais (atualmente desprezadas por serem “globalistas”), tudo isso está sendo objeto da obra destruidora empreendida   no Brasil desde o início de 2019, aparentemente com grande “êxito” no Meio Ambiente, mas com igual furor na diplomacia e na política externa.

As “palestras” promovidas pela Funag, seus convidados “especiais”, os pronunciamentos patéticos do chanceler acidental, as invectivas ignorantes dos assessores ineptos do presidente despreparado em qualquer assunto internacional, tudo isso demonstra que existe, sim, cabalmente, um projeto deliberado de construir uma nova “ideologia” no Itamaraty, uma tentativa canhestra de moldar a mentalidade dos diplomatas no sentido apontado nas loucuras regularmente expelidas em vídeos e tuites aloprados do guru destrambelhado que serve de “conselheiro político superior” (?!?!) dos novos bárbaros que ocupam atualmente o poder no Brasil. 

Sim, estes são tempos de destruição insana de um grande patrimônio construído ao longo de quase 200 anos de história nacional, o que não se fará sem a minha resistência intelectual, sem a minha denúncia, sem a minha oposição à obra destruidora atualmente em curso.

Estou hoje (depois de treze anos e meio de ostracismo, sob aquilo que já chamei de “lulopetismo diplomático”) novamente reduzido ao meu “quilombo de resistência intelectual”, mas totalmente consciente de que muita gente, dentro e fora do Itamaraty, partilha de meu sentimento de horror e rejeição contra o que se passa atualmente no Itamaraty, temporariamente dominado pelos novos bárbaros da “diplomacia bolsolavista”. 

Reconstruiremos o Itamaraty e a política externa!


Paulo Roberto de Almeida 

Brasília, 19/09/2020

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Política externa e diplomacia brasileira: notas para uma entrevista - Paulo Roberto de Almeida

 Política externa e diplomacia brasileira: notas para uma entrevista 

Paulo Roberto de Almeida

(www.pralmeida.orghttp://diplomatizzando.blogspot.com)

[ObjetivoEntrevista a editorialistafinalidade: apoiar gravação de programa] 

 

Questões

1)        A política externa brasileira é tema pouco comentado no Brasil. Tudo se passa como se esse fosse um assunto que deveria envolver apenas os diplomatas de carreira e os setores econômicos quer têm óbvios interesses no comércio internacional.  Por isso, esse é o tema do nosso programa.  Além de sua vasta experiência na área o senhor é um estudioso do tema.  Qual a sua visão sobre a política externa que vem sendo praticada no governo Bolsonaro? 

Respostas:

PRA: Trata-se da maior e da mais nefasta ruptura com os padrões tradicionais da política externa brasileira nos últimos 200 anos. Digo maior porque o distanciamento em relação à postura histórica da diplomacia brasileira, de busca de autonomia na formulação e implementação dos interesses nacionais em total independência, é radical, praticamente total, e isso se prende ao segundo qualificativo, nefasta, na medida em que a política externa brasileira se tornou caudatária dos interesses do governo Trump, dos Estados Unidos, e de um grupo restrito de ideólogos da extrema-direita americana. Uma das características desse grupo é o antimultilateralismo, que eles classificam de antiglobalismo, o que representa uma outra característica absurda nas condições das relações internacionais contemporâneas. O multilateralismo político, econômico, em todas as vertentes, é a principal forma, método, instrumento, pelo qual se exercem as relações internacionais na atualidade, desde a ONU.

 

2)        Todos somos testemunhas do alinhamento automático do governo brasileiro às posições sustentadas pelo presidente Donald Trump.  Esse tipo de postura pode ajudar o Brasil de alguma maneira, ou, pelo contrário, pode ser prejudicial aos interesses nacionais? 

 

PRA: Trata-se de um absurdo tão grande que parece inacreditável que os setores que vêm sendo prejudicados por esse servilismo abjeto em relação aos desejos, não dos Estados Unidos, mas do presidente Trump, não estão se articulando contrariamente às atitudes tomadas pela diplomacia caudatária. Existem muitos exemplos e eu só me refiro a alguns: 1) aceitação, logo no dia da posse, 1/01/2019, de uma base militar americana no Brasil, o que teve de ser imediatamente rechaçado pelos militares do governo; 2) adoção da postura eleitoreira de Trump em relação à Venezuela, o que acaba de levar o Senador Telmário Mota, de Roraima, a solicitar o impeachment do chanceler Ernesto Araújo, ou pelo menos o início de um processo de crime de responsabilidade, com respeito aos prejuízos que vem causando ao seu estado; 3) adoção de uma postura complacente em relação às salvaguardas abusivas e ilegais contra as exportações de aço e alumínio brasileiro aos EUA, o que se verificou no caso de diversos outros países também; houve redução quantitativa do volume de aço exportado, o que é ilegal pelas regras do Gatt, e imposição de sobretaxa de 15% no caso do alumínio; agora Trump aumentou ainda mais as restrições quantitativas ao aço brasileiro, em volumes absurdos, sempre para proteger velhas indústrias americanas; 3) aceitação pela chancelaria brasileira do inaceitável “Plano de Paz” de Trump para a Palestina, que aceitava o projeto de Netanyahu de incorporação da Cisjordânia ocupado ao território israelense, o que não foi aceito por nenhum aliado americano da OTAN, e que o próprio primeiro ministro israelense abandonou agora, ao estabelecer relações com os Emirados Árabes e Bahrein; 4) alinhamento com os EUA e Israel na recusa de uma resolução da AGNU que condena sanções unilaterais, o que significa que o Brasil aceita, já por decisão própria, qualquer sanção unilateral que os EUA queiram impor CONTRA o Brasil; 4) Importação privilegiada de trigo e de etanol americano para o Brasil, contra os interesses da Argentina e contra os interesses dos próprios produtores nacionais de etanol, tudo isso para ajudar eleitoralmente Trump, que necessita dos votos dos eleitores do setor agrícola americano; 5) suspensão e postergação do leilão brasileiro sobre o 5G, por pressão, e até chantagem americana contra a Huawei, como se os EUA não estivessem espionando o Brasil e outros países o tempo todo. Todos esses exemplos representam PREJUÍZOS enormes ao Brasil e às empresas nacionais.

 

3)        Examinando o alinhamento com os EUA, emerge com força, também, a posição do Brasil diante da China. Várias já foram as manifestações do governo, desde o presidente, passando pelo chanceler e chegando até a declarações de um dos filhos do presidente, que tiveram um caráter claramente hostil à China.  Qual o significado disso para o Brasil?

 

PRA: Sim, as posições não são do Brasil, e sim de personagens absolutamente ignorantes em TODOS os temas de relações internacionais em geral, e de comércio internacional em particular. Eles provavelmente ignoram que a maior relação comercial e financeira que existe no mundo é justamente aquela entre as duas maiores economias planetárias, a dos EUA e a da China, que entretêm entre si os maiores fluxos comerciais e financeiros do planeta, e isso a despeito das restrições irracionais, do ponto de vista dos interesses das empresas e dos consumidores americanos, que vêm sendo introduzidas desde 2017 por Trump. Grande parte do imenso saldo comercial favorável à China no comércio bilateral – que é amplamente compensado por exportações de serviços e sobretudo por rendas de capital, isto é, investimentos que as empresas americanas mantêm no exterior – é investido em títulos do Tesouro americano, ou seja, financiando generosamente, porque a juros baixos, a dívida pública americana. 

Do ponto de vista do Brasil, nem é preciso recordar que a China é desde mais de dez anos o principal parceiro comercial do Brasil, não só representando o DOBRO do que fazem EUA e União Europeia com o Brasil, mas sobretudo nos beneficiando com um enorme saldo comercial, ao passo que os EUA mantêm um superávit e isso desde mais de 20 anos. A China já é o principal parceiro comerciais de vários países da AL e de outros continentes, ainda que essa relação seja geralmente assimétrica, ou seja, a China é uma grande importadora de produtos básicos desses países, commodities agrícolas, minerais e petróleo, e uma grande exportadora de produtos manufaturados, alguns de alta tecnologia. Esses mesmos ignorantes da família Bolsonaro ignoram, provavelmente, que a China é a maior economia de mercado do planeta, em bases capitalistas. Eles confundem o domínio político do Partido Comunista sobre o governo chinês com a estrutura básica da economia da China, que é essencialmente capitalista. Além do preconceito anacrônico contra o comunismo, como se a China quisesse, por acaso, exportar o seu regime político para o resto do mundo, parecem ignorar também que a China é praticamente a salvação da lavoura, pois se não fosse o saldo superavitário com a China na balança comercial bilateral a nossa balança de transações correntes seria altamente deficitária, e o balanço de pagamentos do Brasil não suportaria muito tempo de desequilíbrio: já estaríamos sendo obrigados a ir para o FMI, como ocorreu nos anos 80, 90 e parte de 2000. 

 

4)        O Brasil está em um caminho de isolamento crescente na esfera internacional?  Pode-se dizer isso também com relação à América Latina, tendo presente o caso emblemático das hostilidades com relação à Argentina?

 

PRA: Pelas posturas do presidente Bolsonaro no plano estritamente interno – postura claramente antidemocrática, desprezo pelos direitos humanos, ataques a jornalistas e à própria democracia, e sobretudo um ânimo propriamente destruidor em relação ao meio ambiente – , o Brasil já se tornou um pária internacional. Infelizmente, o Brasil também já foi arrastado para essa mesma imagem no plano externo pela suas posições bizarras, exóticas e até contrárias ao multilateralismo no campo das relações internacionais, o que vem sendo propagado por seu chanceler tutelado e controlado pela família e por aquele guru expatriado.

Sempre fomos, mesmo sem proclamar, uma espécie de líder natural na América do Sul – AL é um pouco vaga demais e tem o México, que possui grande liderança na América Central e no Caribe –, pelo nosso tamanho, pela economia, pelas iniciativas em matéria de integração, mas sobretudo pelas posições equilibradas de nossa diplomacia, sempre moderada e favorável ao estrito respeito do direito internacional, sem adentrar em querelas ideológicas. Tal postura foi moderadamente afetada pela diplomacia lulopetista, que mantinha uma posição favorável às ditaduras mais execráveis da região, a começar por Cuba e pela Venezuela chavista; Lula também interferiu na política interna de países vizinhos, invariavelmente para apoiar candidatos esquerdistas, o que vai contra nossas tradições e até os princípios constitucionais de relações internacionais, que estipulam não intervenção nos assuntos internos de outros Estados. 

Bolsonaro, nesse particular, foi muito além de Lula, pois começou a atacar o então candidato peronista nas primárias argentinas, em maio do ano passado, e continuou essa hostilização gratuita contra o presidente eleito, o que impediu até hoje um encontro bilateral. Mais importante: não existe diálogo entre os dois países, o que inviabiliza qualquer reforma que se pretenda fazer no Mercosul, coordenar posições para novas negociações comerciais, ou quaisquer outras iniciativas conjuntas no plano regional e internacional. Tudo isso tomou a forma de ruptura definitiva do Brasil com respeito à Argentina e a maior parte da região depois que a diplomacia bolsolavista assumiu uma postura completamente subserviente em relação aos interesses pessoais do presidente Trump e os dos EUA de maneira geral. Um dos exemplos mais estarrecedores desse servilismo sabujo do Brasil em relação ao Trump é nossa inacreditável renúncia em assumir a presidência do Banco Interamericano, que seria nossa de direito, e aceitar, sem qualquer contestação, o candidato americano, o que contraria frontalmente um acordo feito entre os países latino-americanos e os EUA em 1960, quando foi criado o Banco, no qual a vice-presidência seria americana, mas a presidência caberia alternativamente a representantes da região. Ora, o Brasil aceitou sem contestar o candidato de Trump, sem qualquer coordenação com os demais países, o que levou outros três grandes países da região, Argentina, Chile e México, a votarem contra essa candidatura. Isso significa simplesmente o rompimento do Brasil com a maior parte da América Latina.

 

5)        Pensando nos interesses brasileiros, o que está em jogo no caso da tecnologia 5G? O que o Brasil terá que decidir neste tema e como o governo federal está tratando desse tema?

 

PRA: Pelo que já se conhece das capacidades e possibilidades da plataforma 5G em termos de indústria 4.0 (ou além), de internet das coisas, de transformação radical em diferentes áreas do setor produtivo, na área médica, em transportes e comunicações, em dezenas de outros domínios da vida em sociedade, de controle e interação de comandos, de detecção precoce e visualização de dinâmicas e movimentos em diferentes áreas em escala macro e micro, não existem dúvidas de que representa uma verdadeira revolução no mundo tal como o conhecemos hoje. Não existem limites, praticamente, à sua aplicação em todas as facetas da atividade humana, organizacional, no setor público e no privado. O Brasil, portanto, não pode ficar ausente dessa próxima revolução tecnológica, mas não apenas tecnológica, e sim cultural e civilizacional, ou civilizatória. Essa plataforma tem, por consequência, implicações geopolíticas enormes, para países envolvidos, direta ou indiretamente, em alguma disputa hegemônica mundial e promete trazer a mais gigantesca transformação dos conceitos que presidem nossa forma de trabalhar e de nos comunicarmos desde o surgimento da internet (aliás, em parte resultante de pesquisas militares aplicadas).

Desta vez, os progressos serão trazidos basicamente por empresas privadas, mas os Estados, ou governos, em todos os países, possuem uma grande capacidade de interferência, para o bem e para o mal, na implementação, no uso e no controle dessa tecnologia, em função de seu poder regulatório. Mas, a maior parte dos provedores de plataformas de comunicação são empresas privadas, embora os governos paranoicos – como são todas as grandes potências – as cerquem de todos os “cuidados” tecnológicos e estratégicos. 

Concretamente, estamos falando de uma batalha tecnológica, no meio de uma guerra econômica e comercial deslanchada pelos americanos – em especial, os generais paranoicos do Pentágono e, com maior fúria ainda, o presidente Trump – contra os chineses, e isso por uma razão muito simples: as empresas americanas se atrasaram no domínio da tecnologia 5G, ao passo que a Huawei chinesa deu saltos gigantescos nesse terreno, ao lado de duas outras empresas europeias, a Nokia finlandesa e a Ericsson sueca. Por diferentes motivos, os EUA estão buscando impedir os países de adotarem, em seus padrões normativos e regulatórios a tecnologia que já está sendo fornecida pela Huawei, e o fazem pelos mais diferentes tipos de pressão e de chantagem, como já vêm fazendo contra o Brasil. Concretamente, o governo federal não precisaria fazer nada, apenas deixar a Anatel decidir a adoção dessa tecnologia em bases puramente técnicas, para que ela pudesse ser licenciada pelas empresas para uso em várias esferas. Para tal haverá um leilão sobre o padrão a ser implementado, como foi o caso, no passado, do padrão corrente alternada e 60 Hertz, redes de telefonia e, mais recentemente, o padrão de televisão digital. 

O governo americano já teve algum sucesso ao convencer Boris Johnson, do Reino Unido, para afastar a Huawei do fornecimento de equipamento eletrônico do 5G das compras no seu país. Está tentando fazer o mesmo com o Brasil, e o pior é que é com a colaboração da família Bolsonaro e do chanceler acidental. Uma verdadeira chantagem, contra os interesses mais concretos da economia brasileira e da liberdade que deveriam ter as suas empresas de adotarem o padrão que lhes for mais conveniente. Já tivemos pronunciamentos de membros da família presidencial e do chancelar servil aos interesses dos EUA se posicionando contra a participação da Huawei no leilão, que já poderia ter sido realizado este ano, mas que foi postergado para 2021. Trata-se de uma violência extrema contra a economia brasileira e de uma traição aos interesses nacionais no sentido mais completo do termo.

 

6)        Na sua visita a Davos, em janeiro de 2019, o presidente Bolsonaro se encontrou nos EUA com Al Gore, momento em que este expressou sua preocupação com a Amazônia. Em sua resposta, Bolsonaro disse que a Amazônia tem muitas riquezas e que ele gostaria que os EUA o ajudassem a explorar essas riquezas.  O que uma resposta desse tipo acarreta, na opinião pública mundial ou, em outras palavras, qual a importância dos temas ambientais, destacadamente da Floresta Amazônica?

 

PRA: Essa conversa informal em Davos, entre o presidente Bolsonaro, na ocasião acompanhado apenas de um intérprete e do chanceler acidental, e o ex-vice-presidente americano Al Gore, e candidato nas eleições de 2000 contra Bush filho, e conhecido ativista de causas ambientais, é algo surrealista, e revelador de como o presidente brasileiro tem uma ideia precária das questões ambientais e do papel de Al Gore nesse terreno. Ele começou por uma mentira, quando Gore mencionou que tinha conhecido Alfredo Sirkis, conhecido militante das causas ambientais, mas que esteve associado à luta armada no final dos anos 1960 e início dos 70, contra a ditadura militar. Bolsonaro lhe disse que tinha lutado contra Sirkis, o que é simplesmente uma mentira. Depois, ao Gore mencionar sua preocupação com a Amazônia, Bolsonaro lhe disse que gostaria de “explorar as riquezas da Amazônia” com ele, o que foi um completo desvario; talvez o presidente brasileiro tenha confundido Gore com algum investidor estrangeiro ávido por explorar as fabulosas riqueza da Amazônia, que ele se dispõe a colocar a ferro e a fogo para realizar seu intento destruidor na região. 

Não espanta, assim, que o mundo está começando a conhecer uma grande campanha negativa, sob o slogan “Bolsonaro ou Amazônia”, que tem o potencial de acarretar imensas perdas concretas para o agronegócio brasileiro e, consequentemente, para diversos outros setores associados ao comércio exterior brasileiro. O presidente Bolsonaro, ao se tornar no vilão da hora no terreno ambiental, pode estar provocando um boicote monumental contra produtos brasileiros nos mercados internacionais. 

 

7)        Quais as repercussões internacionais da postura do governo brasileiro na pandemia da COVID? Como se pode pensar, por exemplo, as relações do Brasil com a OMS depois da postura negacionista sustentada pelo presidente?

 

PRA: O conhecido cientista político Oliver Stuenkel cunhou a expressão “aliança dos avestruzes”, para identificar todos os dirigentes que continuaram insistindo, em plena pandemia, de que se tratava apenas de uma “gripezinha” – como afirmou o presidente brasileiro –, podendo ser tratada por métodos rudimentares. O próprio presidente Trump poderia ter sido incluído nessa bizarra coalizão, se não tivesse recuado a tempo, ao ouvir seus conselheiros científicos, e pelo menos recuar um pouco de sua atitude arrogante anterior, ao recomendar cloroquina ou desinfetante como remédios eficazes. Como se sabe o presidente brasileiro continua insistindo em sua postura negacionista, para espanto e horror da comunidade de cientistas brasileiros e do resto do mundo.

Recentemente, a revista científica de humor, Annals of Improbable Research (https://www.improbable.com), anunciou, em 17 de setembro, o 30º. Prêmio Ig Nobel, que consiste em premiar as mais inúteis e absurdas pesquisas feitas até por cientistas aparentemente sérios, nos diversos ramos da pesquisa científica. Na área da educação médica, reproduzo o prêmio do ano de 2020:

Medical Education: Jair Bolsonaro of Brazil, Boris Johnson of the United Kingdom, Narendra Modi of India, Andrés Manuel López Obrador of Mexico, Alexander Lukashenko of Belarus, Donald Trump of the USA, Recep Tayyip Erdogan of Turkey, Vladimir Putin of Russia, and Gurbanguly Berdimuhamedow of Turkmenistan, for using the Covid-19 viral pandemic to teach the world that politicians can have a more immediate effect on life and death than scientists and doctors can.

 

Traduzo a parte final: “… por usarem a pandemia viral Covid-19 para ensinar ao mundo que políticos podem ter um efeito mais imediato sobre a vida e a morte do que o conseguem cientistas e médicos.”

Ou seja, o presidente Bolsonaro vem expondo o Brasil ao ridículo universal com sua atitude negacionista, sem mencionar todas as suas atitudes que já converteram o país em pária internacional, e, com a colaboração do seu chanceler acidental, já rebaixaram tremendamente a imagem do Brasil no cenário internacional. 

 

Paulo Roberto de Almeida

Brasília, 3576, 17 de setembro de 2020

Divulgado na plataforma Academia.edu (link: https://www.academia.edu/44111524/3756_Politica_externa_e_diplomacia_brasileira_notas_para_uma_entrevista_2020_)

terça-feira, 15 de setembro de 2020

'Brasil foi atropelado pela decisão do Trump' na escolha do novo presidente do BID - Rubens Barbosa (CBN)

 SEGUNDA, 14/09/2020, 08:16

Jornal da CBN - Entrevista

'Brasil foi atropelado pela decisão do Trump' na escolha do novo presidente do BID


O Jornal da CBN entrevistou o ex-embaixador do Brasil em Washington e presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior, Rubens Barbosa, que analisou os movimentos pela diplomacia internacional. Ele falou sobre a quebra de tradição com a escolha do novo presidente do BID. Pela primeira vez, a posição não será ocupada por um latino-americano, mas por um americano, indicado por Trump. 'Isso representa um grave desprestígio para o BID'. Outro assunto foi a Assembleia-Geral da ONU, que começa amanhã, com o tema multilateralismo. O presidente Bolsonaro vai abrir o debate geral. Sobre o discurso de Bolsonaro, Rubens Barbosa, disse que o presidente deve falar, na versão dele, sobre Amazônia, pandemia de coronavírus e recuperação econômica.

  • DURAÇÃO: 00:13:23

  •  
  •  
  •  
  •  
  • Copie o código abaixo para usar no seu site:

    Código copiado!

Donald Trump tenta a reeleição. Foto: POOL / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP (Crédito: )

Donald Trump tenta a reeleição. Foto: POOL / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Cresce no Itamaraty repúdio à diplomacia familiar de submissão aos EUA - Raphael Veleda (Metrópoles)

Diversos pequenos equívocos nesta matéria: Ricupero nunca foi alinhado com políticos de direita, e sim sempre demonstrou sua adesão aos princípios básicos da social democracia. Eu nunca perdi UM cargo de diretor, apenas fui exonerado da direção do IPRI por ter publicado neste meu blog dois textos de Ricupero e FHC, respectivamente, junto com um medíocre artigo do chanceler acidental, que criticava acerbamente os dois primeiros. Ele não deve ter gostado da comparação.

Finalmente, eu não passei a criticar essa diplomacia canhestra DEPOIS que fui exonerado do cargo. Comecei a criticar lá atrás, ainda antes do governo começar, pois detectei justamente a deformação das grandes linhas da política externa brasileira por um bando de amadores ignorantes. E não apenas em relação a este governo: critiquei muito a política externa dos companheiros – aliados das mais execráveis ditaduras de esquerda, ao passo que este governo só se alia a ditaduras de direita –, como também havia me manifestado na era tucana, e fui punido por eles. Sou independente a todos eles...

Paulo Roberto de Almeida

Cresce no Itamaraty repúdio à diplomacia familiar de submissão aos EUA

Diplomatas aposentados e da ativa fazem críticas cada vez mais abertas a Ernesto Araújo por sua postura diante do presidente Donald Trump

RAPHAEL VELEDA

Jornal Metrópoles, 10/09/2020 4:45

https://www.metropoles.com/brasil/cresce-no-itamaraty-repudio-a-diplomacia-familiar-de-submissao-aos-eua


Aaproximação das eleições presidenciais nos Estados Unidos, em novembro, está intensificando a oposição dentro do Itamaraty ao chanceler Ernesto Araújo e sua política exterior, considerada por seus críticos subserviente ao presidente norte-americano, Donald Trump. Críticas que eram feitas nos corredores (quando eles eram ocupados) têm sido feitas mais publicamente e não apenas por diplomatas que já deixaram a ativa, como o ex-embaixador nos EUA e ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero, o mais ruidoso deles.

Mais alinhado com políticos de direita, Ricupero tem se unido a antigos adversários, como o ex-chanceler petista Celso Amorim, para denunciar o que considera o desmonte da política externa brasileira e da imagem do Brasil no exterior. Esta semana, os dois se uniram em um encontro virtual para lançar o Programa Renascença, dedicado a pensar uma diplomacia pós-Bolsonaro.

Ainda na ativa, o embaixador Paulo Roberto de Almeida não guarda suas opiniões sobre o governo e o MRE após ter perdido um cargo de diretor em março do ano passado, logo após publicar em seu site artigos com críticas à postura do chanceler.

“Temos hoje uma diplomacia familiar e de baixíssima qualidade”, ataca ele, em conversa com o Metrópoles. “É uma política externa caracterizada sobretudo pela ignorância, pela inépcia de pessoas amadoras que não têm nenhuma experiência de política internacional, mas se aventuram a ditar ordens para a diplomacia brasileira. Essa submissão, na linguagem dos militares, se chamava traição à pátria.”

Por causa dessa postura, Almeida diz que é perseguido por Araújo com um procedimento que pede sua demissão, teve os salários reduzidos e está encostado no arquivo do ministério, onde não tem tarefas.



quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Condutas dos servidores na campanha eleitoral: ironias do Itamaraty bolsolavista - chanceler acidental; Paulo Roberto de Almeida

Conduta dos servidores na campanha eleitoral: ironias do Itamaraty bolsolavista

 

Paulo Roberto de Almeida

(www.pralmeida.orghttp://diplomatizzando.blogspot.com)

[Objetivoesclarecimento públicofinalidaderessaltar a contradição]

 

O boletim diário do Itamaraty, instrumento básico de informação dos diplomatas, ao lado do Boletim de Serviço – que publica os atos oficiais de movimentação de pessoal e medidas correlatas –, que deveria ser complementado pelos clippings diários de notícias nacionais e internacionais – perversamente suprimidos pela atual gestão, provavelmente porque a “grande mídia” trazia muita matéria contrária à política externa bolsolavista –, publicou a seguinte nota nesta quarta-feira, 9/09/2020:

 

"Eleições Municipais 2020 – Orientações sobre condutas vedadas aos Agentes Públicos Federais em eleições | Última atualização - 31/08/2020 às 09:51

Com o objetivo de orientar a ação dos agentes públicos, a Plataforma +Brasil disponibiliza cartilha com informações básicas acerca dos direitos políticos e das normas éticas e legais que devem nortear a atuação dos agentes públicos federais no ano das eleições municipais de 2020 http://plataformamaisbrasil.gov.br/ajuda/manuais-e-cartilhas/condutas-vedadas-aos-agentes-publicos-federais-em-eleicoes-2020.

Além disso, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República também publicou normas sobre veiculação de publicidade governamental no período de eleições municipais, disponíveis no endereço http://www.secom.gov.br/eleicoes-municipais-2020-orientacoes-ao-sicom."

 

Existe aqui uma suprema ironia para quem conhece a história do chanceler acidental. Essa mesma Cartilha, distribuída a todos os “agentes públicos federais” a cada eleição, já estava em vigor nas eleições presidenciais de 2018, da qual o então ministro de primeira classe recém promovido pela administração Temer-Aloysio Nunes, participou com grande entusiasmo, ainda que clandestinamente ao início. Quando descoberto, numa famosa matéria da jornalista Patrícia Campos Mello, do dia 30 de setembro de 2018, o militante até então secreto da causa bolsonarista, foi pedir perdão ao titular do Gabinete, por meio da Secretaria Geral do Itamaraty; recebeu permissão para continuar, e por isso até fez uma postagem, no dia 2 de outubro, agradecendo a deferência: 

Quero aqui agradecer e enaltecer as altas chefias do Itamaraty por seu compromisso com a liberdade de expressão e com o pluralismo, que me dá a oportunidade de compartilhar estas reflexões. Não sei se esses princípios sobreviverão se o PT “tomar o poder”.

 

Pretendo destacar aqui algumas pérolas do comentarista desconhecido, até quase a véspera do primeiro turno de 2018, agregando alguns exemplos ao longo do período eleitoral que vai de meados de setembro até a realização do segundo turno. O fato é que ele estava empenhado na campanha desde 2017, quando se revelou por meio de um famoso artigo, “Trump e o Ocidente”, que foi publicado na revista do IPRI, que eu dirigia, Cadernos de Política Exterior (embora o artigo não tivesse muito a ver com a natureza da publicação).

Os interessados em conhecer o “pensamento” – se o substantivo se aplica – do chanceler acidental podem acessar o seu blog (enquanto existir) que se chama – num título que remete aos círculos wagnerianos pré-nazistas – Metapolítica 17 - contra o globalismo (neste link: https://www.metapoliticabrasil.com/blog/), do qual retiro apenas alguns tópicos, para refrescar a memória de alguns responsáveis pelo Comitê de Ética da PR sobre como se pode burlar impunemente as regras de conduta que eles recomendam aos “agentes públicos”. 

 

1) Na primeira postagem, em 22 de setembro de 2018, Ernesto Araújo, enalteceu as virtudes do povo: 

Os ignorantes e os instruídos

Ernesto Araújo O povo é muito mais são e sábio do que a classe instruída. Talvez justamente por não passarem por uma escolarização emburr...

Na campanha eleitoral brasileira, hoje, vemos os instruídos preocupados unicamente com duas ou três frases pronunciadas por Bolsonaro ou pelo General Mourão. Repetem essas frases nos seus restaurantes e teatros e competem para ver quem mais se indigna. (Só não se dão ao trabalho de analisar o contexto das frases, é claro, porque analisar uma expressão no seu contexto é tarefa complexa, a exigir as faculdades cognitivas que os vários níveis de educação lhes retiraram.) Dizem que jamais votariam num candidato que disse isto ou aquilo sobre "as mulheres" ou "os gays". Para eles, mulheres ou gays não são indivíduos realmente existentes, mas categorias políticas, personagens chapados numa novela esquerdista com um enredo absolutamente primário, que jamais satisfaria qualquer pessoa dotada de boa-fé e curiosidade intelectual.

 

2) Logo em seguida, no dia 23/09/2018, ele enaltece a polarização em curso: 

Viva a polarização

Toda a realidade, seja humana ou natural, está estruturada de maneira polarizada, com dois polos binários, que se resolvem no logos incar...

As mesmas pessoas que dizem detestar a polarização querem apelar a um certo moralismo puramente verbal no atual debate político. Sustentam que algumas frases que Bolsonaro pronunciou a respeito de mulheres, gays ou negros, transformam a eleição numa questão moral. O saque da Petrobras, o mensalão, o achincalhamento das instituições, o assassinato de Celso Daniel e a tentativa de assassinato de Bolsonaro, nada disso acaso são questões morais? (...)

A esquerda não quer polarização porque não quer nenhuma concorrência ao seu polo totalizante, que ocupa todo o espectro do centro moderado até o stalinismo (veja-se, para exemplificá-lo, a perspectiva de uma aliança do PT, cuja candidata a vice-presidente pertence ao PC do B stalinista, com o PSDB liberal reformista, cuja candidata a vice-presidente pertence ao PP, partido herdeiro da ARENA: assim, o centro moderado no Brasil vai de Stalin a Geisel, passando por Lula e FHC).

 

3) Dois dias depois, em 25/09/2018, o elogio é ao povo, que “se interessa por política externa”, contrariamente ao que acreditaria a esquerda: 

O que está em jogo

Ernesto Araújo É um equívoco dizer que o eleitor brasileiro não se interessa por política externa e que por isso as relações internaciona...

O sistema não quer que o brasileiro saiba que o Brasil está, hoje, chamado a participar de uma gigantesca luta mundial, que se desdobra em vários aspectos: (...)

A luta pela soberania econômica e política dos países, contra o domínio das cadeias produtivas de bens e contra o monopólio da circulação de informações por uma elite transnacional niilista, contra uma economia globalizada maoísta-capitalista centrada na China.

A luta pela democracia efetiva e contra a reemergência do bolivarianismo na América Latina, o sistema regional de implantação do "Socialismo do Século XXI".

As opções reais de política externa são: ou aliar-se aos países e forças que lutam contra o globalismo, ou deixar que o Brasil, junto com todas as nações, desapareça na geleia geral de um mundo desnacionalizado e desespiritualizado (a nação é a casa do espírito!) e torne-se uma província da "pátria grande" socialista.

A esquerda, juntamente com o centro..., usa o seu controle da mídia e da academia para ocultar ao brasileiro o que está em jogo nas eleições, em relação à nossa inserção internacional: se o Brasil combaterá por um mundo de nações e de pessoas livres, ou se continuará deixando-se levar para um império global sem amor e sem apego, onde impera um programa de controle político-mental que aniquila a personalidade de pessoas e povos para melhor dominar.

 

4) No dia seguinte, 26/09, os ataques ao PT emanam naturalmente do “povo”: 

O povo contra o sistema

Ernesto Araújo No final dos anos 70 e primeira metade dos anos 80, o debate esquerda-direita no Brasil era um debate político entre liber...

O PT assumiu assim, sem maior dificuldade, o completo controle do país. Atribuiu ao PSDB o papel de "direita" e governou confortavelmente por 13 anos. (...) Esse regime tão eficiente e popular só se esqueceu de colocar uma coisa em sua equação: o povo. (...)

Dessa agenda do povo brasileiro nasceu a candidatura de Bolsonaro. Todos sabem que Bolsonaro é o único candidato anti-sistema. (...) Na verdade, sua candidatura é o único projeto político que atende ao anseio mais profundo do povo brasileiro.

Trata-se de uma candidatura de direita, certamente, e não poderia ser de outra forma já que todo o espectro político do sistema foi ocupado pela esquerda. (...)

Tudo o que é decente e bom, hoje, está na direita, simplesmente porque a direita é, hoje, o único lugar que acolhe tudo o que é bom e decente. (...)

Por isso, muitas pessoas que se consideram centristas e muitos políticos autênticos estão abandonando os candidatos presidenciais ditos de centro e entendendo que a única casa sob cujo teto podem abrigar suas ideias e suas esperanças é a campanha de Bolsonaro.

 

5) Imediatamente após, em 27/09, confiando na sua “clandestinidade”, Ernesto se permite criticar o discurso do presidente Temer, na abertura dos debates na Assembleia Geral, quando o presidente se refere à “nossa Venezuela” (ele coloca o vídeo do discurso para provar), e logo em seguida transcreve um trecho do discurso do presidente Trump atacando de forma veemente o governo de Maduro: 

"Nosso país, a Venezuela"

Do discurso do Presidente Michel Temer na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas (Nova York, 25/10/2018): “Na América do Sul, os ...

Mas sabemos que a solução para a crise virá quando, na verdade, o nosso país, a Venezuela, reencontrar o caminho do desenvolvimento. (https://www.youtube.com/watch?v=1nYdOEM6D1M).

Do discurso do Presidente Donald Trump na mesma ocasião: (...)

 

6) No mesmo dia, ele ainda encontra tempo para atacar o candidato do PT e seu projeto, provavelmente numa alusão à linha de transmissão que transporta eletricidade da Venezuela a Roraima, destacada da rede nacional de energia.: 

Linha de transmissão

Haddad é o poste de Lula. Lula é o poste de Maduro, atual gestor do projeto bolivariano. Maduro é o poste de Chávez. Chávez era o poste d...

Haddad é o poste de Lula.

Lula é o poste de Maduro, atual gestor do projeto bolivariano.

Maduro é o poste de Chávez.

Chávez era o poste do Socialismo do Século XXI de Laclau.

Laclau e todo o marxismo disfarçado de pós-marxismo é o poste do maoísmo.

O maoísmo é o poste do inferno.

Bela linha de transmissão.

 

7) No dia seguinte, em 28/09, sempre atarefado em sua missão secreta de angariar votos para o seu candidato, ou mais provavelmente em consolidar sua candidatura ao cargo de chanceler do futuro presidente, ele conclama os conservadores a se mobilizarem: 

Acorda e luta!

Acorda, liberal! Sai da cama, conservador! Você pretende ficar neutro, assistindo à batalha pelo futuro do Brasil e comendo pipoca, como ...

Acorda, liberal!

Sai da cama, conservador!

Você pretende ficar neutro, assistindo à batalha pelo futuro do Brasil e comendo pipoca, como se estivesse vendo Croácia x Dinamarca?

Você tem algo mais importante a fazer do que salvar o seu país?

Quem se diz liberal e não está com Bolsonaro é porque não se importa com a liberdade, mas apenas com a sua própria imagem.

Quem se diz conservador e não está com Bolsonaro é porque só quer conservar sua própria convicção de superioridade moral.

O PT (Partido Terrorista) está se preparando para tomar o poder no Brasil.

Na véspera da I Guerra Mundial, o Secretário do Exterior britânico, Edward Grey, prevendo a catástrofe, disse a um amigo: “As luzes estão-se apagando em toda a Europa. Não as veremos novamente em nossas vidas.”

No Brasil, se o PT ganhar, vai extinguir todas as luzes da decência e da liberdade, e não as veremos acesas novamente em nossas vidas. (...)

Fascista é o nome dado pelos comunistas a qualquer inimigo do regime de terror que o PT pretende instaurar ou reinstaurar no Brasil.

A sobrevivência do Brasil depende de você perder o medo de ser chamado de fascista. 

Acorda, sai da cama e vem para a luta! É o Brasil que está jogando o jogo mais importante da sua vida.

 

8) Depois de mais uma postagem atacando a esquerda no dia 29, no próprio dia em que sua identidade seria revelada na reportagem de Patrícia Campos Mello na FSP (30/09), como o único diplomata a apoiar ativamente o candidato da direita, ele novamente conclama o povo a vir em apoio ao candidato, revelando seus sentimentos com uma grande carreata pró-Bolsonaro em Brasília: 

Mas se ergues da justiça a clava forte

Algumas reflexões sobre a carreata pró-Bolsonaro em Brasília, com 25.000 carros, em 30 de setembro: Não vi ódio em ninguém, em nenhum ins...

Algumas reflexões sobre a carreata pró-Bolsonaro em Brasília, com 25.000 carros, em 30 de setembro:

Não vi ódio em ninguém, em nenhum instante. O movimento popular por Bolsonaro não se nutre de ódio, mas de amor e de esperança. As pessoas sorriem e celebram. Há um clima de congregação, uma energia coletiva impressionante, uma presença. Só me lembro de uma atmosfera cívica desse tipo em duas ocasiões: a campanha das Diretas Já em 1984 e o movimento pelo impeachment em 2016. É a primeira vez, portanto, que este oceano profundo, obscuro, poderoso de sentimento coletivo, ruge desta maneira em uma situação eleitoral. Isso significa que se trata de muito mais do que uma eleição, de uma escolha entre diferentes projetos para a pátria. Trata-se de uma luta pela sobrevivência da pátria.

O hino nacional fala de bosques e campos floridos e de uma vida serena, mas em certo ponto interrompe todo esse aconchego e proclama: “mas se ergues da justiça a clava forte, verás que o filho teu não foge à luta”. A mão fazendo o gesto de atirar é a pátria-mãe erguendo a clava forte! E não esqueçamos que Jesus, o príncipe da paz, disse em alto e bom som: “não vim trazer a paz, mas a espada”.

Arma só é símbolo de violência na mão de bandido. Na mão de pessoas de bem, arma é símbolo de orgulho, confiança, determinação e justiça.

Vi pessoas de todos os níveis de renda, de todos os tons de pele. Vi homens e muitas mulheres, se bobear mais mulheres do que homens. Pensei na cena final do Fausto de Goethe: Das Ewig-Weibliche zieht uns hinan. “O eterno feminino nos eleva ao alto.” A Virgem e a pátria-mãe gentil estão conosco.

Alegria por poder participar de algo tão grande, angústia por saber que não temos a opção de perder diante de um inimigo tão pérfido, confiança na justiça e no poder mais alto. A carreata continua até salvarmos o Brasil.

 

9) No dia seguinte, 1/10/2018, mas com uma postagem que já devia estar preparada antes, ele ainda ataca o candidato da esquerda em especial e o marxismo em geral: 

Teses sobre Fernando Haddad

Em 1998, o então professor de Ciência Política da USP Fernando Haddad publicou, na revista Estudos Avançados, um breve texto intitulado "...

O marxismo é um projeto para destruir o cristianismo, não o capitalismo. O capitalismo é visto por Marx simplesmente como um meio capaz de acelerar, pela desagregação que promove na sociedade tradicional, seu projeto anticristão. (...) A tarefa então é aniquilar a família humana, destruir o homem, para poder aniquilar o salvador que é Deus. Isto não está em alguma nota de pé de página ou em algum rascunho de Marx, está no centro do texto que os marxistas consideram a essência de sua obra. Esse é o marxismo ou o socialismo que, com Haddad, pretende tomar o Brasil.

 

10) Finalmente, provavelmente constrangido por ter sido revelado, ele vai pedir compreensão ao Gabinete, no dia 2/10, e até se permite elogiar a postura aberta das “altas chefias”, personalidades que ele atacaria de forma acerba depois, com munição fornecida pelo “Gabinete do Ódio”;

Um registro

Quero aqui agradecer e enaltecer as altas chefias do Itamaraty por seu compromisso com a liberdade de expressão e com o pluralismo, que m...

Quero aqui agradecer e enaltecer as altas chefias do Itamaraty por seu compromisso com a liberdade de expressão e com o pluralismo, que me dá a oportunidade de compartilhar estas reflexões.

Não sei se esses princípios sobreviverão se o PT “tomar o poder”.


11) Nos dias seguintes, e durante todo o intervalo entre o primeiro e o segundo turno, EA faz diversas postagens, praticamente uma a cada dia, sempre atacando a esquerda, o PT e o seu candidato. Quase na véspera do segundo turno, em 20/10, ele recrudesce: 

Eu vim de graça

Não há nada que o PT odeie tanto quanto a liberdade: liberdade econômica, liberdade de pensamento, liberdade de expressão. Isso porque o ...

Não há nada que o PT odeie tanto quanto a liberdade: liberdade econômica, liberdade de pensamento, liberdade de expressão.

Isso porque o PT, fiel ao “belo ideal socialista”, odeia o ser humano.

Deixado a si mesmo, o ser humano cria e produz, ama e constrói, trabalha e confia, realiza-se e projeta-se para a frente.

Então não pode. O PT (que aqui significa não apenas “Partido dos Trabalhadores”, mas também Projeto Totalitário ou Programa da Tirania) não pode deixar o ser humano a si mesmo. (...)

A única coisa que o Projeto Totalitário não criminaliza é o próprio crime e os próprios criminosos. Ou seja, o PT criminaliza tudo, menos a si mesmo.

Agora querem criminalizar o Whatsapp.

O ideal do PT (já expresso por alguns ecologistas radicais) é que a espécie humana não existisse. Já que existe, ainda, vamos fazer dela o pior possível, para que a humanidade se odeie tanto a ponto de um dia cometer suicídio. Sim, o Projeto Totalitário, do qual o “Partido dos Trabalhadores” faz parte integralmente até a medula dos seus ossos e até o fundo do buraco que tem no lugar do coração, é levar a humanidade ao suicídio. Para isso precisa destruir a alegria de viver, que depende da liberdade. Censurar o Whatsapp é mais uma tentativa.

 

12) Finalmente, o triunfo, devidamente comemorado em 24 de outubro de 2018:

Todo o poder emana

Nunca é demais lembrar o que diz o Artigo 1º, parágrafo único, da Constituição Federal: “Todo o poder emana do povo.” Em todos os 114 art...

O povo vem criando um novo Brasil. Já criou ao menos a imagem de um novo Brasil – um Brasil sem PT, sem crime, sem falsidade – e agora se prepara para alcançar essa imagem, para tocá-la e começar a vivê-la.

 

13) Seguiram-se uma dezena de postagens altamente ideológicas, como pode ser verificado no site Metapolítica 17, e isso a despeito de o presidente, que o escolheu em 14/11/2018 (sob provável injunção do guru expatriado e dos dois olavistas que o controlam de perto, em Brasília), ter prometido uma política externa “sem ideologia”. Uma dessas postagens consistiu num artigo, “Contra o consenso da inação”, com críticas acerbas ao ex-ministro Rubens Ricupero e ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi objeto de uma postagem conjunta, que fiz em meu blog na madrugada do dia 4/03/2019, e que motivou minha exoneração poucas horas depois.

 

14) Nos meses seguintes, as postagens amainaram, mas todas elas tinham um sentido altamente ideológico, como aquela famosa que defendia a tese – imediatamente rejeitada até pela embaixada da República Federal da Alemanha em Brasília – segundo a qual o nazismo era um “movimento de esquerda”, em 30/03/2019: 

Pela aliança liberal-conservadora

A esquerda fica apavorada cada vez que ressurge o debate sobre a possibilidade de classificar o nazismo como movimento de esquerda. Dá a ...

 

15) Raras foram as postagens no restante do ano de 2019, sendo que uma delas, em 19 de julho, defendia a “liberdade religiosa, religião libertadora”, até que finalmente chegamos à apoteose ideológica da famosa reunião dos impropérios, no dia 22 de abril de 2020, durante a qual o presidente recrudesceu contra a Polícia Federal e seus demais inimigos no governo e fora dele, ao passo que o chanceler acidental, defendendo o grande papel do Brasil de Bolsonaro na reorganização do poder mundial, cunhou o famoso slogan do “comunavirus”, o terrível inimigo que surgiu na China para dominar o Ocidente: 

Chegou o Comunavírus

O Coronavírus nos faz despertar novamente para o pesadelo comunista. Chegou o Comunavírus. É o que mostra Slavoj Žižek, um dos principais...

 Žižek revela aquilo que os marxistas há trinta anos escondem: o globalismo substitui o socialismo como estágio preparatório ao comunismo. A pandemia do coronavírus representa, para ele, uma imensa oportunidade de construir uma ordem mundial sem nações e sem liberdade.


Querem mais, querem se divertir, querem lamentar? Basta acessar o site do chanceler acidental – que não sei quanto tempo dura, mas tenho tudo registrado –, embora outras formidáveis bobagens figuram em entrevistas e artigos que podem ser acessadas nos sites do Itamaraty e da Funag. Creio que bastam as pérolas acima...

 


Paulo Roberto de Almeida

Brasília, 3750, 9 de setembro de 2020