O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Previsoes imprevidentes para 2016: pela primeira vez a imprevisao ganha da previsao - Paulo Roberto de Almeida


Previsões imprevidentes para 2016: pela primeira vez a imprevisão ganha da previsão

Paulo Roberto de Almeida

Tá difícil pessoal. Os companheiros, no afã de conservar o monopólio do poder, estão se comportando de maneira imprevisível. Ou seja, eles arriscam, pela primeira vez, desmentir as minhas previsões imprevisíveis, o que será um tremendo fracasso para este colunista de ideias malucas, que fica sempre, irreligiosamente a cada ano, prevendo as coisas mais sensatas possíveis, só para ser desmentido pelos companheiros, que, sempre e invariavelmente, agem de forma insensata, contribuindo assim para o sucesso de minha empreitada pouco gloriosa.
Como sabem todos os 18 leitores que me seguem, sou especialista em coisas impossíveis, ou contrarianistas: tentar prever o que jamais será realizado. Pois bem: nestes doze ou treze anos de previsões insensatas (ou seja, sensatas), tenho sido invariavelmente desmentido pelos companheiros, que insistem em meter os pés pelas mãos a cada ano, o que me deixa bem contente, pois afinal de contas eles confirmam a minha aposta na sua insensatez.
Ora pois, como diriam os gajos da terrinha, não é que, premidos pelas agruras do momentos, pelas circunstâncias adversas, eles resolveram se comportar desta vez, e estão arriscando pela primeira vez me desmentir, logo eu, que só conto a verdade, ou seja, que eles são incapazes de acertar?
Eles já começaram pagando pedaladas, estão gostando das privatizações, ficaram de não roubar demais, enfim, estão conseguindo desmentir as melhores (quero dizer, as piores) previsões sobre o seu comportamento tresloucado. Está certo que no final de 2014, eu tinha apostado que em 2015 eles iriam tentar a honestidade, mas acho que essa foi forte demais para eles. Já no terceiro mês, deu aquele comichão, e eles começaram a roubar em outras áreas, ainda não detectadas pela Lava Jato, inclusive porque na Petrobras – quase completamente destruída – e em Abreu e Lima – já custou vinte vezes o orçamento inicial, e não vai conseguir ser rentável antes de 2095 – as possibilidades de “contribuições voluntárias e legais” foram tremendamente reduzidas com esse bando de procuradores e policiais em volta dos potes de ovos de ouro. Tiveram de voltar – pelo menos por enquanto – para a merenda das crianças e para o recolhimento do lixo, duas coisas que tinham ficado bem para trás por suas taxas de rentabilidade muito limitadas. Enfim, quem não tem cão, caça com urubus, ou hienas, enfim, o que der e estiver à mão...
Pois é, minha gente, já não se fazem mais previsões imprevidentes como antigamente, já não se fazem mais petralhas como outrora (os melhores estão sendo colocados fora de circulação), e os trapalhões da área econômica estão ficando quase sem receitas de novas artimanhas.
O que será que será?
Arriscando minha reputação – mas estou prevendo que os companheiros me desmentirão ainda este próximo ano, continuando a ser imprevisíveis trapalhões – vamos alinhar algumas das previsões imprevidentes para 2016.

1) Criação do programa Pedaladas Legais
Para se livrar de uma vez de todas essas chateações com pedidos de impeachment, e para contentar tantos governadores e prefeitos que também gastaram além da conta e que depois ficaram sem dinheiro para pagar médicos, enfermeiros, policiais, professores e todo esse povinho miúdo que só faz greve e perturba a paz dos eleitos com suas reivindicações abusivas, o governo federal já tem a solução para evitar o confronto com o TCU.
Basta criar o programa “Pedaladas Legais”, que é simplesmente uma espécie de cheque em branco avalizado pelo Congresso, a partir do qual os executivos dos três níveis da federação podem gastar à vontade, sempre que as necessidades o justificarem e houver imperiosos motivos sociais, como são todos os programas dos preclaros governos em favor da cidadania. Quando os montantes ameaçarem ultrapassar as dotações anteriormente autorizadas, basta os legislativos de cada esfera autorizarem um déficit legal, deixando o buraco para o futuro. Ninguém poderá dizer que foi por falta de vontade que o governo, como uma grande mãe para todos, deixou de fazer esta ou aquela bondade: com o programa Pedaladas Legais, tudo o que era complicado se torna mais simples, pois os legisladores não deixarão de cooperar com os executivos numa matéria que atende os mais legítimos anseios sociais, e as mais justas necessidades de todos os cidadãos de suas respectivas circunscrições eleitorais.
Estou seguro que o Adevogado General do PT, ops, o Advogado Geral da União saberá propor um projeto de lei, tão criativo ele é, que contemple os justos reclamos de executivos e legisladores por uma estrutura orçamentária flexível e manejável, como gostam todos os políticos e não deixam de apreciar os contribuintes, que estão sempre pedindo mais e mais pelo dinheiro que entregam voluntariamente aos respectivos governos em cada um dos níveis da federação. Esses contribuintes voluntários são um pouco como os cortadores de cana em Cuba, na época da colheita, la zafra, que está sempre precisando de braços, pois os tratores são poucos e sempre falta diesel. Os cubanos já têm uma piada para essas ocasiões: la participación es voluntaria, pero la voluntad es obligatoria. Ainda vamos chegar lá, aqui também...

2) Cristo Redentor entra no programa de concessões companheiras
Os companheiros ficaram tão entusiasmados com o seu programa de concessões – totalmente diferente das privatizações tucanas, como todos sabem – que passaram a imaginar tudo o que pode ser objeto de concessão pública, e não é que eles reservam algumas boas surpresas para 2016? Pois então, o Cristo Redentor, que passa por símbolo do Brasil, ou do Rio, o que seja, também vai entrar no programa de concessões companheiras. O lote, a montanha, os arredores, a floresta, as favelas simpáticas ao redor, a própria estátua – cela va de soi – serão cercados, com arames farpados e eletrificados (estilo nazista tropical), e o conjunto vai ser leiloado, segundo regras especiais que estão sendo desenhadas pelo MPOG, ou seja, o Ministério Petista de Obras do Governo, para que tudo seja perfeitamente concedido, regulado, e taxado, para que o governo companheiro, em lugar de gastar dinheiro com funcionários e os que mamam no negócio, passe a arrecadar impostos dos ganhadores, um pouco como se faz com as concessões de telefonia (que revertem 40% do faturamento em impostos).
O Cristo vai ficar muito mais vibrante a partir da privatização, ops, concessão, pois os novos administradores poderão promover bailes, festas, convescotes, reuniões abertas a todas as religiões e outros eventos sociais inclusivos. A estátua vai ganhar cores muito mais alegres do que atualmente, esse cinzento concreto que não tem graça nenhuma; poderão pintar um verdadeiro arco-íris no personagem, conforme os tempos

3) Companheiros aderem ao livre comércio... de talentos.
Com tantos países fazendo blocos em todas as partes, o Brasil companheiro vai inovar absolutamente, promovendo o que há de mais avançado e racional no campo da liberalização comercial: o livre-comércio unilateral. Em lugar de ficar negociando item por item com um monte de parceiros chatos, os companheiros vão promover o livre comércio do único item que não pode ser objeto de comércio, por ofender as boas consciências e as almas cândidas: o ser humano. Mas eles o farão de forma avançada, preservando todos os direitos íntimos da pessoa humana, sua privacidade e o respeito que se deve ter por cada um. Nada mais progressista do que exportar talentos, o que o Brasil tem de melhor: futebolistas, músicos de funk, cantores caipiras, trombadinhas, garotas de programa, políticos sem mandato, economistas da UniCamp, camponeses sem terra, trabalhadores sem teto, enfim, todas aquelas categorias que já entram nos programas de subsídios companheiros e que passarão doravante a ter o mundo como possibilidade de triunfo universal, graças a esta nova iniciativa companheira.

4) Protocolo aditivo à convenção da ONU sobre corrupção
Tendo em vista dúvidas persistentes e tratamento duvidoso pela Justiça em relação às doações legais que as empresas em geral, mas especialmente as estatais, possam fazer a partidos políticos, os companheiros vão propor, na próxima Assembleia Geral da ONU um protocolo aditivo à Anti-Bribery Convention, a convenção que visa induzir os países soberanos a coibir, controlar, vigiar e punir todas as doações que não estejam vinculadas a uma atividade econômica precisa e legítima. Existe uma clara ambiguidade nessas extorsões, ops, doações, pois só pelo fato de que países com certa predominância de compras governamentais e de empresas estatais podem estar sendo controlados por juízes muito zelosos partidos políticos legítimos podem estar sendo prejudicados por ações que deveriam ser consideradas dentro do fluxo normal de caixa dois, ops, de tesouraria, e avaliadas em conformidade com as intenções generosas de cada empresa doadora.
Para levantar essas ambiguidades, os companheiros diplomatas vão propor um projeto de resolução – que certamente recolherá a adesão entusiasta de muitos parceiros ditos estratégicos, como China, Venezuela, Rússia, Cuba, Equador, enfim, os suspeitos de sempre – preparatória a um verdadeiro protocolo aditivo à convenção anticorrupção. Todos os países têm o direito de organizar os negócios de seus partidos em total respeito à soberania nacional, especialmente as operações financeiras que são imprescindíveis para ao funcionamento normal de suas atividades, sobretudo a compra de equipamentos, pagamentos de salários, propinas, ops, contribuições para os sistemas de mensalão, ops, de coalizão que podem caracterizar certos regimes políticos. Isso vai da sobrevivência dos nossos apparatchiks, ops, nossos quadros, que têm o direito de trabalhar eticamente com o dinheiro dos contribuintes, quer dizer, a partir das doações legais. Enfim, os companheiros diplomatas saberão encontrar a linguagem apropriada para os projetos de resolução da AGNU e depois para o first draft do Protocolo Adicional.

Com essas e outras medidas, 2016 será um ano muito melhor para o regime duradouro dos companheiros, sem ameaças golpistas e sem o mimimi da oposição, que não tem moral nenhuma para reclamar das iniciativas companheiras, pois eles já fizeram igual, embora com muito menos competência do que os companheiros.
Vamos que vamos! Feliz 2017, ops, 2016 a todos, que o ano sorria segundo os desejos de cada um...

Paulo Roberto de Almeida
Brasília,  31 de dezembro de 2015, 5 p.


PS.: Para as previsões anteriores, ver estas duas postagens:

Preparando as previsoes imprevidentes para 2016: conferindo as de 2015 - Paulo Roberto de Almeida - See more at: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2015/12/preparando-as-previsoes-imprevidentes.html#sthash.rVQtfB1H.dpuf


e

Preparando as previsões de 2016: algum retrospecto pode ser útil - See more at: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2015/12/preparando-as-previsoes-imprevisiveis.html#sthash.NwyhsMm7.dpuf


Venezuela: e entao Itamaraty?, pergunta O Antagonista

Na verdade, a pergunta deveria ser dirigida ao governo, mais especificamente ao Assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República que, como chanceler para a América do Sul, controla essas coisas. 
Não se pergunta a um eunuco se ele quer desempenhar certas funções. Castrados costumam cantar bem, mas pouco mais, ou quase nada mais além disso...
Paulo Roberto de Almeida

E então, Itamaraty?

O Antagonista, 

O governo brasileiro, tão "valente" com Israel, continua a fazer um silêncio cúmplice e covarde diante das barbaridades de Nicolás Maduro.

Ontem, a coalizão venezuelana de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) enviou uma carta à ONU e à OEA, condenando a ameaça de impugnação de nove candidatos eleitos pela aliança. A Unasul e ao Mercosul também receberam a carta. Três dos opositores já tiveram a sua eleição suspensa pela "Justiça" bolivariana.

E então, Itamaraty?

Eu queria desejar bom 2016 a todos, mas eis que tropecei com isto ai...

Isto, para ser mais preciso é a GRANDE DESTRUIÇÃO lulopetista, que na verdade não começou em 2011, como as estatísticas pretendem, mas foi um processo cientificamente calculado para dar no que deu, e começou em 2003, mas com recrudescimento a partir de 2006 e descida para o caos a partir de 2011.
Não se diga que Lula governou bem e o seu poste mal.
Ele foi beneficiado por circunstâncias favoráveis no ambiente internacional e apesar disso não fez NENHUMA reforma importante para o Brasil.
Bandidos.
Em todo caso, eu desejo um feliz 2016 a todos, depois que conseguirmos colocar a tropa de ineptos e corruptos para fora do poder.
Paulo Roberto de Almeida





quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Preparando as previsoes imprevisiveis de 2016: a lista dos sucessos - Paulo Roberto de Almeida

Ou seja, dos fracassos...
Nem todas estão linkadas, o que se explica pelos registros truncados dos primeiros tempo...


Preparando as previsões de 2016: algum retrospecto pode ser útil

Paulo Roberto de Almeida
 
Apresento a seguir uma lista de trabalhos – nem todos de previsões imprevidentes) – que todos falam de “previsões”, de qualquer tipo. Prometo que para 2016 vou procurar evitar repetições, “prevendo” coisas impossíveis só para chatear os companheiros. Este ano de 2015 eles foram tão massacrados pela imprensa golpista que parecia que eles iriam desistir de tudo: de conservar o poder, de roubar, de fazer propaganda enganosa, de roubar, de inventar sempre um novo programa cada vez que um anterior não deu certo, de roubar, enfim, essas coisas que eles sempre fazem (e que facilita tremendamente a vida, confesso).
Mas, enquanto as minhas não saem do forno, fiquem com uma listagem mais ou menos fiável (mas não prometo, como os companheiros fazem) da previsões imprevisíveis que foram previstas – e desmentidas – nos dez anos anteriores e um pouco mais atrás. Reparem que eu comecei seriamente, procurando ajudar os companheiros, mas como eles insistiam em me desmentir, só para tentar acertar com coisas malucas imprevisíveis, passei a inventar as melhores (quero dizer, as piores) realizações dos companheiros. Minha imaginação era tão dependente dos (des)acertos companheiros, que criei a série e ela ficou eternizada. Um dia ganho um prêmio Ignobil por isso...
Se vocês colocarem “previsões” no meu blog Diplomatizzando, vocês terão provavelmente um número superior ao que vai aqui registrado, mas sem previsão de estar o blog completo, e também com muita repetição, ou objeto encontrado inesperado.
Vejamos:

Minhas previsões imprevisíveis a partir das relações anuais de trabalho:
(sem garantia de que esteja certa, como os companheiros, aliás...)

2738. “Previsões imprevidentes para 2015: a situação está russa (sem querer ofender...)”, Tallahassee, 28 dezembro 2014, 3 p. Continuidade da série, com novas previsões condenadas ao fracasso. Divulgada no blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/12/previsoes-imprevidentes-para-2015.html). Postado no Academia.edu (31/12/2014; link: https://www.academia.edu/9963498/2738_Previs%C3%B5es_imprevidentes_para_2015_a_situa%C3%A7%C3%A3o_est%C3%A1_russa_sem_querer_ofender..._2014_).

2737. “Previsões Imprevidentes: dez anos de desacertos contínuos”, Hartford, 23 dezembro 2014, 3 p. Listagem atualizada e corrigida de todos, ou quase todos, os textos elaborados como astrologia diplomática ou previsões a contrário senso. Divulgada no blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/12/previsoes-imprevidentes-dez-anos-de.html) e disseminada no Facebook. Disponível no Academia.edu (link: https://www.academia.edu/9871426/2737_Previs%C3%B5es_Imprevidentes_dez_anos_de_desacertos_cont%C3%ADnuos_2004-2014_).

2736. “Astrologia Diplomática: minhas previsões de dez anos atrás para dez anos à frente”, Hartford, 22 dezembro 2014, 2 + 5 p. Nova introdução ao trabalho n. 1177 (de janeiro de 2004), com as mesmas previsões de dez anos atrás, reforçadas. Blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/12/astrologia-diplomatica-minhas-previsoes.html) e disseminado no Facebook. Disponível no Academia.edu (link: https://www.academia.edu/9870651/2736_Astrologia_Diplomatica_2004_e_2014_).

2544. “Previsões imprevidentes para 2014: sempre apostando no melhor”, Hartford, 14 Dezembro 2013, 6 p. Exercício habitual de chutes aleatórios, no sentido de apostar no que pode dar errado. Divulgado no blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2013/12/previsoes-imprevidentes-para-2014-paulo.html).

2455. “Minhas Previsões Imprevisíveis para 2013 (não custa continuar tentando, para ver se em algum ano dá certo...)”, Brasília, 20 Dezembro 2012, 4 p. Postado no blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2012/12/minhas-previsoes-imprevisiveis-para.html). Postado novamente no blog em 24/12/2013; (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2013/12/revisando-as-previsoes-imprevisiveis.html).

2345. Previsões imprevisíveis para 2012, Brasília, 16 dezembro 2011, 2 p. Postado no blog Diplomatizzando (16/12/2011; link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2011/12/minhas-previsoes-imprevisiveis-para.html).

2231. “Previsões imprevisíveis para o Brasil em 2011: Resoluções para o novo governo à maneira de Benjamin Franklin”, Brasília, 17 dezembro 2010, 8 p. Especulações sobre um conjunto de resoluções do novo governo com base no trabalho “995TrezeResoluAnoNovo”, contendo princípios de boa conduta moral de Benjamin Franklin. Espaço Acadêmico (vol. 10, n. 116, janeiro de 2011, p. 101-107; ISBN: 1519-6186; link: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/12090/6479). Republicado em Via Política (17.01.2011) e em Dom Total (20.01.2011; link: http://www.domtotal.com.br/colunas/detalhes.php?artId=1773). Relação de Publicados n. 1017.

2070. “A Primeira Década do Século 21: um retrospecto e algumas previsões imprevisíveis”, Voo Beijing-Paris: 6.12.2009; voo Paris-São Paulo: 9.12.2009; Brasília: 19.12.2009, 13 p. Revisão dos dez anos transcorridos desde 2000 e algumas questões pendentes para a próxima década. Publicado Espaço Acadêmico (ano 9, n. 104, janeiro 2010, p. 27-37; link: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/9117/5140). Dividido em duas partes para publicação no Via Política: 1) “Balanço da primeira década do século 21: um retrospecto pessoal”, (2.01.2010); 2) “Brasil: o que faremos dos próximos dez anos?”. Disponível no site pessoal (link: http://www.pralmeida.org/05DocsPRA/2070PrimeiraDecadaSec21.pdf). Relação de Publicados n. 945 (Via Política) e 946 (Espaço Acadêmico).

1963. “Previsões imprevisíveis em tempos de crise global: minha astrologia econômica para 2009 (e mais além)”. Brasília, 16 dezembro 2008, 12 p. Mais uma da série das “profecias não realizáveis”, como é costume a cada começo de ano. Via Política (22.12.2008). Espaço Acadêmico (ano 8, n. 92, janeiro 2009; link: http://www.espacoacademico.com.br/092/92pra.htm). Republicado, sob o título de “Minha astrologia econômica para 2009”, no boletim digital Dom Total (09/04/2009; link: http://www.domtotal.com/colunas/detalhes.php?artId=586). Relação de Publicados 884. Academia.edu (https://www.academia.edu/attachments/32900586/download_file).

1855. “Minhas previsões imprevidentes para 2008 (com mil perdões pelo ligeiro atraso...)”, Brasília, 29 janeiro 2008, 4 p. Continuidade da série de astrologia político-econômica. Espaço Acadêmico (ano VII, n. 81, fevereiro 2008; link: http://www.espacoacademico.com.br/081/81pra.htm). Relação de Publicados n. 819.

1667. “Uma previsão marxista...”, Brasília, 23 setembro 2006, 6 p. Digressões livres sobre o “fim da história” marxista e os equívocos atuais dos antiglobalizadores. Espaço Acadêmico (ano VI, nº 65, outubro 2006, ISSN: 1519-6186; link: http://www.espacoacademico.com.br/065/65almeida.htm). Relação de Publicados n. 708.

1703. “Previsões para o ano da graça de 2007: sempre otimista quanto à sua impossibilidade”, Brasília, 24 dezembro 2006; 4 p.; revisão ampliada: 29 dezembro, 13 p. Objetivos inatingíveis no Brasil, na continuidade das previsões de 2004 e das resoluções de 2005. Versão curta publicada em Via Política (1 janeiro 2007); versão longa: Espaço Acadêmico (ano 6, n. 68, janeiro 2007; link: http://www.espacoacademico.com.br/068/68pra.htm). Feita versão resumida e ligeiramente modificada, em 2/01/2007, para o site do Instituto Millenium, sob o título: “Previsões imprevidentes para 2007: Um novo exercício de resultados contrários”; publicado em quatro partes a partir do dia 3.01.2007 (links: Parte 1; Parte 2, em 4.01.2007; Parte 3, em 5.01.2007; e Parte 4, em 8.01.2007. Relação de Publicados n. 738, 739.

1369. “Sete previsões Imprevidentes: minha ‘caixa de surpresas’ para o novo ano”, Gramado, 27 dez. 2004; Brasília, 4 jan. 2005, 12 p. Antecipações impossíveis para o novo ano. Publicado na revista Espaço Acadêmico (ISSN: 1519-6186; a. IV, n. 44, jan. 2005; http://www.espacoacademico.com.br/044/44pra.htm). Relação de Publicados n. 537.

1518. “Astrologia diplomática?”, Brasília, 31 dez. 2005, 2 p. Comentário de estilo jocoso sobre as previsões astrológicas para 2006, que cobriram igualmente a área da política externa. Postado no blog PRA (http://paulomre.blogspot.com/2005/12/102-astrologia-diplomtica.html#links).


1175. “Crescimento na América Latina: previsões”, Brasília, 9 jan. 2004, 2 p. Nota sobre as previsões de crescimento, investimento e inflação em países da região, com considerações sobre a situação do Brasil.

1177. “Astrologia diplomática: Especulações sobre a política internacional em 2004 (e além)”, Brasília, 11 jan. 2004, 4 p. Paródia às previsões astrológicas, especulando sobre comportamentos da ONU, do império, da Europa, África, Brasil, Mercosul, comércio internacional, meio ambiente, direitos humanos e os astrólogos diplomáticos em 2004 e mais além. Distribuído em listas de relações internacionais. Retomada integralmente no trabalho 2736. “Astrologia Diplomática: minhas previsões de dez anos atrás para dez anos à frente”, Hartford, 22 dezembro 2014, 2 + 5 p. Nova introdução ao trabalho n. 1177 (de janeiro de 2004), com as mesmas previsões de dez anos atrás, reforçadas. Blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/12/astrologia-diplomatica-minhas-previsoes.html) e disseminado no Facebook. Disponível no Academia.edu (link: https://www.academia.edu/9870651/2736_Astrologia_Diplomatica_2004_e_2014_).

1368. “Balanço de Fim de Ano”, São Paulo-Curitiba, 19-21 dez. 2004, 2 p. Revisando as previsões feitas um ano antes como resoluções de ano novo para o presidente.

1161. “Resoluções de Ano Novo: Sete tarefas presidenciais que não serão feitas”, Brasília, 19 de dezembro 3003, 3 p. Artigo colocando metas de governo que não serão cumpridas


Preparando as previsoes imprevidentes para 2016: conferindo as de 2015 - Paulo Roberto de Almeida

Como sabem todos os que me seguem irregiosamente -- só admito irreligiosos como seguidores -- todo final de ano, no máximo até o comecinho de cada ano, eu preparo as minhas previsões imprevidentes para o ano que está começando.
Elas têm isso de particular que NÃO são para serem realizadas, ao contrário de todos os outros adivinhos, astrólogos, economistas, publicitários, apresentadores de programas de auditório, enfim, todos esses fraudadores da crendice alheia, que continuam a abusar da nossa paciência fazendo previsões ditas sérias, ou seja, plausíveis, possíveis ou até previsíveis (vai ter enchente em algum lugar do Brasil, por exemplo, ou um dos ministros será pego roubando, mas essas são fáceis demais).
As minhas tem essa peculiaridade que elas NÃO são para acontecer, e confesso que tenho sido tremendamente ajudado, desde 2003, pelos inefáveis companheiros, mestres habilidosos em prometer o que jamais vão cumprir.
Tenho de agradecer de público seu empenho em me desmentir, no que eu sou bem sucedido.
Os companheiros conseguem decepcionar todo mundo, inclusive este pobre adivinho, que nunca conseguiu emplacar uma só adivinhação imprevisível, e nisso tenho tido sucesso absoluto.
Tenho de agradecer de público, repito ainda outra vez, aos companheiros petistas e petralhas, por me ajudar numa empreitada das mais díficeis da minha carreira de escrevinhador anarco-acadêmico, que é a de errar continuamente, e assim assegurar o triunfo de minhas previsões imprevidentes.
Se vocês duvidam da ajuda dos companheiros, confiram uma lista quase completa que publiquei neste link: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2014/12/previsoes-imprevidentes-dez-anos-de.html
Mas, antes de colocar as minhas previsões para 2016, vejamos o que eu tinha prometido para este ano de 2015 um ano atrás, o que aliás estava explícito na matéria em questão.
Confiram as minhas previsões para este ano horribilis, que já tinham sido postadas exatamente no dia 28 de dezembro de 2014, neste link:
http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2014/12/previsoes-imprevidentes-para-2015.html
A seguir, o aperitivo:


Previsões imprevidentes para 2015: a situação está russa (sem querer ofender...) 

Paulo Roberto de Almeida

Ao comemorar dez aninhos desta tresloucada série – dedicada, como sabem os meus 18 leitores (copyright Alexandre Schwartsman), a fazer previsões que até aqui nunca deram certo –, resolvi arregaçar as mangas – expressão fora de moda: resolvi abrir mais um Word file em meu computador – para preparar novas previsões para este ano da graça de 2015, e que espero também possam falhar por completo (para o que conto, como sempre, com a cooperação dos companheiros).
Aliás,  o ano vai começar sem nenhuma graça: aumento de diversas tarifas de preços administrados pelo governo, promessas de mais chantagens recíprocas entre o parlamento e o executivo, desvalorização da moeda que levava tanta gente a New York, Orlando e Paris, e outras surpresas que nos promete o novo governo companheiro. Apenas para refrescar a memória dos que costumam acompanhar esta série, reproduzo aqui algumas das previsões que fiz anteriormente, sendo fragorosamente derrotado em todas elas (acertando, portanto, no meu objetivo):
1) Governo companheiro decreta sua conversão ao capitalismo (2004-2005);
2) O MST reconhece que o agronegócio e a biotecnologia são benéficos (2006-2007);
3) Governo renuncia ao protecionismo comercial (2011-2012);
4) Estaremos livres de qualquer novo caso de corrupção em 2013 (2012-2013);
5) Secretaria dos Vasos Comunicantes elimina dívida e déficits públicos (2013-1014).
(Quem desejar conhecer todas elas, na íntegra, pode verificar nesta postagem: http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/12/previsoes-imprevidentes-dez-anos-de.html).

Sem mais delongas, passo a enunciar minhas novas previsões para 2015, de antemão condenadas ao fracasso (e espero que os companheiros não me desmintam).

1) Esgotados todos os demais recursos, companheiros tentam a honestidade
Ufa, deu uma discussão tremenda no Comitê Central, uma ala argumentando que não via vantagem nenhuma em ser honesto (já que todos faziam caixa 2), outra dizendo que já não estavam sobrando expedientes ilegais, que todos já tinham sido tentados e tinham sido flagrados pela mídia golpista. Aos três dias da discussão, ganhou (por uma margem mínima de votos) a honestidade, mas sob condicionalidades: fica sujeita a ser revista no prazo de seis meses; se a arrecadação diminuir volta-se ao esquema anterior.

2) Companheiros passam a trabalhar com bicoins (Receita ainda não detectou)
Consoante os mais modernos métodos em termos de ferramentas monetárias, o partido companheiro abriu uma nova seção de contabilidade paralela apenas para lidar com o novo instrumento à disposição de libertários, traficantes, doleiros e mercadores de armas e diamantes: bitcoins, a moeda virtual e indetectável (até o momento) pelas autoridades intrometidas; encarregados do tesouro companheiro já estão tomando aulas com anarco-capitalistas para operar o novo sistema.

3) Mídia golpista vai conseguir demitir mais seis ministros do novo governo
Antes que o ano complete seis meses, a mídia reacionária terá conseguido derrubar pelo menos seis ministros do novo governo, todos eles abatidos por práticas heterodoxas naquelas áreas bem conhecidas dos jornalistas investigativos. Companheiros amaldiçoarão a Lei de Acesso à Informação, e passarão a adotar expedientes secretos com maior frequência, mais ou menos como nos tempos do regime militar, que eles amam tanto.

4) Obras dos Jogos Olímpicos de 2016 ficarão todas prontas antes do final do ano
Só não se sabe bem de qual ano, mas tem gente que aposta em 2015, outros em 2018 (a tempo das eleições), outros ainda em 2022, para comemorar duzentos anos de independência nacional. Em todo caso, elas só vão custar duas vezes o orçamento planejado, com notável progresso em relação a Abreu e Lima.

5) Cuba será admitida no Mercosul (vai ter de mudar de nome para isso)
Sob demanda dos companheiros, os comunistas cubanos, que negociam um acordo de livre comércio com o império, prometem que vão considerar o pedido dos membros do Mercosul para integrar o bloco; os companheiros alegam ter construído o porto de Mariel justamente para essa eventualidade, que já fazia parte dos cálculos estratégicos sempre previdentes de seu  setor de policy-planning. Cubanos ficaram de dar resposta até o final de 2018, pois não querem irritar os estadunidenses. Mudança de nome, aliás, vem bem a calhar, depois de certa fadiga do material.

6) Aprovada a liberalização da maconha terapêutica (para qualquer coisa)
Estudantes da Fefelech-USP organizam a primeira festa da maconha no campus, aberta a estudantes do segundo grau. Companheiros do Uruguai acusam a medida de concorrência desleal e introduzem uma reclamação comercial no sistema de solução de controvérsias do Mercosul; sem solução, o caso sobe até o órgão de solução de disputas da OMC, que passa a discutir o problema. Se perderem, os companheiros uruguaios prometem recorrer a Haia.

7) PCdoB mobiliza base aliada para declarações de apoio à Coreia do Norte
Com pruridos, mas denotando concordância com o princípio da neutralidade da internet, companheiros também assinam nota de protesto e de apoio político à República Popular Democrática da Coreia, que passa a ter sua internet no pisca-pisca desde que cismou de provocar Hollywood; aproveitando a deixa, convidam o mundo todo para uma segunda conferência internacional sobre a neutralidade da internet, que termina por um consenso unânime: internet deve ser neutra.

Pronto: conto com todos os colaboradores tradicionais desta série para novos sucessos em grande estilo. Estão todos convidados desde já a conferir os resultados no final de 2015, ou assim que der...
  
Tallahassee, Flórida, 28 de dezembro de 2014

Companheiros petistas reclamam do tratamento a supercompanheiro petralha - Nota companheira

Companheiros se mostram supersensíveis com o conforto psicológico e material do supercompanheiro chefe de quadrilha (não o único, nem o principal), aquele que sempre deu as cartas no partido e no palácio, o homem infalível, o Stalin Sem Gulag, o bandido maior das roubalheiras e traficâncias petralhas, e como ele é um "heroi do povo brasileiro" (assim dizem), eles querem zelar pelo seu bem-estar (afinal de contas, ele era o "cara" da grana, o super-extrator, capaz de arrancar milhões (quem sabe bilhões) de capitalistas brasileiros e estrangeiros, do Estado brasileiro (e se der de outros também, aqueles amigos dos companheiros), do povo brasileiro, enfim, de todo mundo que contribui voluntária ou involuntariamente (até sem saber) para a fortuna pessoal e partidária dos petistas, dos petralhas, dos mafiosos, enfim, todos aqueles metidos nos negócios até o pescoço.
O nosso personagem não estava metido nesse tipo de negócio até o pescoço: ele era o próprio negócio, era ele quem determinava quem devia pagar tanto e quem devia receber (ele só ficava com uma comissão, entenderam, uns pixulecos modestos de centenas de milhares a cada vez).
Deve ser duro passar o Natal e o Ano Novo na cadeia, ainda mais tendo de aguentar essas gozações de tucanos voando em volta da notícia, que de resto deve ter sido plantado por quem não tem o mínimo respeito pela reputação do Stalin Sem Gulag.
Gente grossa...
Paulo Roberto de Almeida


Pimenta e Damous acionam presidente do STJ por deboche a José Dirceu no Twitter oficial do Tribunal

PT na Câmara, 30/12/2015
stj twitterOs deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ) enviaram, nesta quarta-feira (30), ofício ao presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Francisco Falcão, manifestando “surpresa e indignação” por conta de uma publicação no Twitter oficial da corte que debocha do ex-ministro José Dirceu. “Como o recesso do Judiciário só termina em fevereiro, José Dirceu vai passar o ano novo atrás das grades”, diz o texto, publicado às 14h03 da terça-feira (29) e ainda ativo mais de 24 horas depois.
“A comunicação institucional do STJ se vale de linguagem e termos inadequados para um Tribunal Superior. A comunicação de qualquer órgão público deve, ao informar, apresentar postura neutra e respeitosa, ainda mais quando se trata da comunicação de um órgão que tem a nobre função de julgar”, argumentam Pimenta e Damous no ofício destinado ao presidente do STJ.
“A divulgação revela, ainda, o já conhecido uso da prisão como espetáculo. Dessa forma, não basta o ex-ministro estar preso preventivamente – sob critérios com justeza questionados por sua defesa. Ele precisa ser exposto e ter a dignidade aviltada”, acrescentam os deputados no texto.
Os parlamentares pedem três providências ao ministro Francisco Falcão: a “imediata abertura de sindicância interna para apuração e responsabilização devidas”; a “retirada imediata da postagem” e “um pedido de desculpas ao investigado”.
“Não podemos aceitar que a comunicação de um órgão que representa um poder da República seja aparelhada por militantes do PSDB ou da direita que destila ódio diariamente contra o PT”, afirmou Pimenta.
Confira abaixo íntegra do ofício ao presidente do STJ.
PT na Câmara
---
Excelentíssimo Ministro Francisco Falcão, Presidente do Superior Tribunal de Justiça.
Os deputados que abaixo subscrevem este requerimento vêm expor e, ao final, requerer o quanto segue.
Com surpresa e indignação lemos, na página oficial do STJ no twitter em (@STJnoticias), a frase: “Como o recesso do Judiciário só termina em fevereiro, José Dirceu vai passar o ano novo atrás das grades”. A publicação, de 29.12.15, trata do habeas corpus impetrado em defesa do ex-ministro José Dirceu. Por decisão de Vossa Excelência, o pedido será analisado após o recesso.
A comunicação institucional do STJ se vale de linguagem e termos inadequados para um Tribunal Superior. A comunicação de qualquer órgão público deve, ao informar, apresentar postura neutra e respeitosa, ainda mais quando se trata da comunicação de um órgão que tem a nobre função de julgar.
A divulgação revela, ainda, o já conhecido uso da prisão como espetáculo. Dessa forma, não basta o ex-ministro estar preso preventivamente – sob critérios com justeza questionados por sua defesa. Ele precisa ser exposto e ter a dignidade aviltada.
A comunicação oficial do STJ agiu de maneira parcial. Sancionou, assim, o uso do sistema penal como instrumento político, o que absolutamente não é condizente com o Estado Democrático de Direito.
Não é crível que essa postagem na rede social tenha tido a anuência da direção do Tribunal, que se intitula como aquele da Cidadania.
Desse modo, requer-se de Vossa Excelência:
a) imediata abertura de sindicância interna para apuração e responsabilização devidas;
b) retirada imediata da postagem, e;
c) um pedido de desculpas ao investigado.
Cordialmente,
Deputado Federal Paulo Pimenta
Deputado Federal Wadih Damous

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Tráfico escravo: números totais e para o Brasil: fontes (Delanceyplace)

Delanceyplace.com End of Year Encores: This year a few encores on slavery.

Today's encore selection -- As brought to our attention by Henry Louis Gates in The Root, more slaves were taken to Brazil from Africa than to any other country, and in 1888, Brazil finally abolished slavery, the last country in the Western world to do so. Slaves were brought first for the sugar plantations, then for gold and diamond mining, and then for ranching and agricultural products, especially coffee. Gates writes that "The most comprehensive analysis of shipping records over the course of the slave trade is the Trans-Atlantic Slave Trade Database, edited by professors David Eltis and David Richardson. (While the editors are careful to say that all of their figures are estimates, I believe that they are the best estimates that we have. ...) Between 1525 and 1866, in the entire history of the slave trade to the New World, according to the Trans-Atlantic Slave Trade Database, 12.5 million Africans were shipped to the New World. 10.7 million survived the dreaded Middle Passage, disembarking in North America, the Caribbean and South America. And how many of these 10.7 million Africans were shipped directly to North America? Only about 388,000. That's right: a tiny percentage. In fact, the overwhelming percentage of the African slaves were shipped directly to the Caribbean and South America; Brazil received 4.86 million Africans alone! Some scholars estimate that another 60,000 to 70,000 Africans ended up in the United States after touching down in the Caribbean first, so that would bring the total to approximately 450,000 Africans who arrived in the United States over the course of the slave trade."
The following selection is from The Brazil Reader, edited by Robert M. Levine and John J. Crocitti:

"At least 3,600,000 black slaves were brought to Brazil alive [4.86 million according to Eltis and Richardson], while thousands more perished aboard the ships traveling from Africa to Brazil. Between 1800 and 1852, during the period when some European nations began to turn against the institution of slavery and pressure slave traders to cease, more than 1,600,000 slaves arrived in Brazil. In Africa, slaves were captured, branded, placed in heavy iron manacles, and transported on voyages that sometimes took as long as eight months to reach their final destination. The international trade was outlawed in 1830, but slave ships continued to journey to Brazil. By the 1840s, the British were seizing ships carrying slaves and freeing their captives, although when slavers saw hostile naval vessels approaching, they often threw their human cargo into the sea to avoid fines and the confiscation of their ships. The first two selections [below] were written in logbooks aboard British naval ships in February 1841. The third passage was written by Joao Dunshee de Abrantes, a Brazilian abolitionist, in the northern port of Sao Luiz [Luis] do Maranhao.



"I. Logbook from the Warship Fawn

The living, the dying, and the dead, huddled together in one mass. Some unfortunates in the most disgusting state of smallpox, distressingly ill with ophthalmia, a few perfectly blind, others living skeletons, with difficulty crawled from below, unable to bear the weight of their miserable bodies. Mothers with young infants hanging at their breasts, unable to give them a drop of nourishment. How they had brought them thus far appeared astonishing: all were perfectly naked. Their limbs were excoriated from lying on the hard plank for so long a period. On going below, the stench was insupportable. How beings could breathe such an atmosphere, and live, appeared incredible. Several were under the soughing, which was called the deck, dying -- one dead.
"II. Logbook from the British Hospital Ship Crescent

Huddled together on deck, and clogging up the gangways on either side, cowered, or rather squatted, 362 Negroes, with disease, want, and misery stamped on them with such painful intensity as utterly beggars all powers of description. In one corner . . . a group of wretched beings lay stretched, many in the last stages of exhaustion, and all covered with the pustules of smallpox. Several of these, I noticed, had crawled to the spot where the water had been served out, in the hope of procuring a mouthful of the precious liquid; but unable to return to their proper places, lay prostrate around the empty tub. Here and there, amid the throng, were isolated cases of the same loathsome disease in its confluent or worst form, and cases of extreme emaciation and exhaustion, some in a state of perfect stupor, others looking around piteously, and pointing with their fingers to their parched mouths .... On every side, squalid and sunken visages were rendered still more hideous by the swollen eyelids and the putrid discharge of a virulent ophthalmia, with which the majority appeared to be afflicted; added to this were figures shriveled to absolute skin and bone, and doubled up in a posture that originally want of space had compelled them to adopt, and that debility and stiffness of the joints compelled them to retain.

"III. Captives

Removed from the ship into barges, they came in neck chains, or libambos, leashed to one another to stop them from running away or throwing themselves into the water. Often, they had already been divided into lots before leaving the ship. And they were delivered in bunches to the merchants or the bush captains, representatives of the planters of the interior of the province. Since, in certain seasons, the ships remained two or three days in view of the harbor entrance without being able to enter, the buyers went out to meet them in boats to complete the transactions. The traffickers did everything they could to land those horrible cargoes at once. And after a certain number of years in the business, their service was perfected, and usually only sick slaves or those of a weak constitution set foot on the soil of San Luiz. These were sold at any price, while the other unfortunates, descended from good races, were haggled over and high offers were made."

The Brazil Reader: History, Culture, Politics (The Latin America Readers)
Author: Robert M. Levine and John J. Crocitti, editors
Publisher: Duke University Press
Copyright 1999 Duke University Press
Pages: 135-137


segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Brasil-Israel em controversia diplomatica: mini-crise sobre um mini-problema

Parece que o local de residência de um representante diplomático designado tem também de ser  objeto do escrutínio do Estado receptor: vai precisar de um CV completo, a partir de agora, para saber se o indivíduo não transgrediu nenhuma normal do novo dicionário do politicamente correto.
A mim me parece uma crise sem sentido, sem motivo, sem final feliz...
Paulo Roberto de Almeida

Israel pressiona Brasil a aceitar indicação de Dayan como embaixador
POR FELIPE BENJAMIN
REUTERS, 28/12/2015

Vice-chanceler adverte que resistência de Brasília em aceitar ex-líder de movimento de assentamentos judaicos pode levar a uma crise diplomática
Benjamin Netanyahu fará apelos diretos à presidente Dilma para que Dani Dayan seja aceito

RIO — A disputa envolvendo a indicação do israelense Dani Dayan para o cargo de embaixador no Brasil ganhou um novo capítulo ontem, com uma entrevista na TV local. No canal 10, a vice-ministra das Relações Exteriores, Tzipi Hotovely, afirmou que o governo israelense não tem qualquer intenção de substituir a indicação de Dayan, e que a resistência de Brasília em aceitá-lo pode levar a uma crise diplomática entre os dois países. No canal 2, Dayan afirmara na véspera que o episódio não reflete uma crise bilateral entre Brasil e Israel, mas sim uma questão de “BDS” (boicote, d esenvolvimento e sanções) levantada por ativistas israelenses e abraçada por palestinos e brasileiros.

— Medidas serão tomadas para que Brasília entenda que Dayan é um homem respeitado, digno e aceito no espectro político israelense — afirmou Hotovely. — Faremos isso para dizer ao Brasil: “Aprove-o, ou teremos uma crise nas relações entre os dois países, algo que não vale a pena”.

Entre os planos citados pela vice-chanceler estão uma campanha pública no Brasil, a mobilização da comunidade judaica do país e a recusa em apontar um outro nome para substituir o embaixador Raed Mansour, que retornou a Israel há duas semanas.

MEDIDAS EM ESTUDO

No canal 2, Dayan afirmara na noite anterior que a questão verdadeiramente em debate não é sua indicação, mas sim se um judeu morador da região da Judeia e da Samaria — nome dado oficialmente pelo governo israelense à região da Cisjordânia, com exceção da porção oriental de Jerusalém — pode exercer o cargo de embaixador em outro país. O atual embaixador israelense nos Estados Unidos, Salai Meridor, e o enviado do país ao Canadá, Alan Baker, também são moradores de assentamentos judaicos na região.

— Assim como Israel reagiu de maneira enérgica na questão dos rótulos dos produtos, deve reagir quando pessoas são rotuladas, o que é muito pior — afirmou Dayan, em referência à decisão da União Europeia de exigir que produtos fabricados em áreas ocupadas por colonos judeus na Cisjordânia recebam rótulos indicando essa procedência. — Caso contrário, estaremos concordando com a ideia de que 700 mil judeus não são dignos de ocuparem a posição de embaixador.

Segundo Dayan, o principal negociador da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, está envolvido no assunto “até o pescoço”. Na semana passada, Erekat afirmou que o Brasil perderia a confiança dos palestinos caso aceitasse “os crimes de guerra, apartheid e colonização que Dani Dayan representa”, e classificou o empresário israelense como “um colono ilegal cujo trabalho é justificar a colonização criminosa que Israel exerce sobre os palestinos”.

Para o cônsul honorário de Israel no Rio de Janeiro, Osias Wurman, a resistência a Dayan é fruto de campanha negativa feita sobre o governo brasileiro por ativistas que defendem boicotes contra o país.

PUBLICIDADE
— Quando era chanceler de Israel, Avigdor Lieberman visitou Brasília diversas vezes, e foi sempre recebido da melhor maneira. Ele é morador de um assentamento, e isso nunca foi motivo para tensões antes — afirmou Wurman ao GLOBO. — Além disso, os assentamentos nunca foram construídos sobre solo palestino. Quando Israel anexou a Cisjordânia, em 1967, o território era jordaniano.

A polêmica envolvendo a indicação de Dayan surgiu em agosto, logo após seu anúncio pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Ontem, o assessor de política externa de Netanyahu, Jonathan Schachter, se reuniu com Hotovely e com o diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores, Dore Gold, para discutir os passos a serem tomados para garantir que o Brasil aceite o empresário como embaixador.

Hotovely atribuiu a resistência à crise política enfrentada pela presidente Dilma Rousseff, que, ameaçada pela possibilidade de um impeachment, precisaria de todo o apoio — inclusive da extrema-esquerda, que demonstra a maior rejeição a Dayan — para permanecer no poder.

Já Wurman destaca a importância do empresário no cenário israelense.

— Dani Dayan é uma personalidade em Israel. Apesar de defender os assentamentos, não é fanático ou ortodoxo — alega o cônsul honorário. — É somente um empresário que resolveu organizar a região em que vivia, e foi indicado a contragosto para embaixador.

Dayan acredita que o governo israelense tentou vencer a resistência brasileira pelo cansaço, e encontrou uma tentativa semelhante por parte do governo brasileiro. Fontes diplomáticas israelenses próximas ao empresário indicaram que ele poderia renunciar à indicação ao posto em Brasília.

— Até agora, o Ministério das Relações Exteriores (de Israel) acreditou em uma política que consiste em sentar e não fazer nada — afirmou. — Da mesma forma, acredito que muitos esperam que eu simplesmente abra mão da minha indicação, resolvendo o problema por eles.

Procurado, o Itamaraty informou que não comentaria o assunto.

— Israel não pode aceitar que um morador da Cisjordânia seja preterido e tratado como um cidadão de segunda classe. Rejeitar Dayan ou outro morador de um assentamento é uma atitude semelhante às estrelas amarelas nas camisas usadas (por judeus) na Alemanha durante o período nazista. — diz Wurman. — Isso é algo que nunca mais poderemos aceitar.

A constante tensão nos territórios ocupados se intensificou nos últimos meses, com aumento nos casos de violência na região e em Israel. Uma onda de ataques a faca e atropelamentos de judeus israelenses por palestinos e árabes-israelenses já deixou cerca de 20 judeus e pelo menos 130 palestinos mortos desde o atentado com coquetéis molotov que matou o bebê Ali Dawabsha — de um ano e meio — na aldeia de Duma. Posteriormente, os pais dele também morreram. Ontem, ultranacionalistas acusaram o Shin Bet, serviço de segurança interna de Israel, de torturar integrantes do movimento suspeitos de participarem do ataque.

2015, o ano em que o Brasil despencou - Paulo Roberto de Almeida (Estadao)

2015, o ano em que o Brasil despencou

Paulo Roberto de Almeida
O Estado de S. Pau, Opinião, 28 Dezembro 2015
 
O ano de 2015 não vai deixar saudades, muitos economistas dirão nestes últimos dias do ano. Ao que os astrólogos políticos acrescentarão: “Se vocês gostaram de 2015, esperem para ver como vai ser 2016...”. Os mais afoitos dos adivinhos farão previsões ainda mais sombrias para o ano que pronto se inicia, enquanto os economistas tentarão ser mais circunspectos, mas eles sempre erram em 10 de suas 12 previsões de crises, não é mesmo? Não pretendendo ser astrólogo político nem adivinho econômico, limito-me, do meu lado, a resumir o que me pareceu serem as principais características deste 2015, o ano horribilis em que o Brasil despencou espetacularmente.
Começamos por uma primeira ironia fraudulenta: o ministro da “nova matriz econômica”, que havia sido demitido mais de três meses antes, pela chefe da mesma matriz, e por meio da imprensa, continuou fazendo previsões impossíveis até o primeiro dia do ano, quando finalmente entregou o cargo ao seu sucessor, suposto representante dos Chicago-boys, mas que se revelou um corajoso partidário de aumento de impostos e de tímidos cortes seletivos nas despesas públicas, sem jamais tocar no gigantesco corpo balofo, obeso e disfuncional do Estado companheiro. O principal personagem do ano foi justamente este, o Estado companheiro, administrado por um governo idem, composto obviamente por companheiros engajados em sua manutenção dispendiosa (obviamente que apenas para a sociedade, não para eles).
Como diriam os americanos, o ano começou por um bing e terminou por um bang. O bing foi a composição esquizofrênica do governo, metade comprometida com gastos continuados e uma pequena, modesta parte tentando consertar os equívocos cometidos durante anos de gestão amadora, na verdade irracional, na política econômica (em várias outras políticas setoriais também). O bang é, obviamente, representado pelo pedido constitucional de impedimento da presidente, por crimes continuados na gestão fiscal – gestão talvez não seja o termo adequado, consagrando-se, ao longo do período, o mais vistoso conceito de “pedaladas” (em outros setores também).
Até o início do ano, todas as previsões do governo relativas aos principais indicadores econômicos pecavam por otimismo excessivo. Mas também os economistas independentes pecaram por escasso realismo em suas previsões. Todos eles foram duramente desmentidos pela mais cruel deterioração desses mesmos indicadores nunca antes vista desde crises longínquas. As agências de classificação de risco também se mostraram surpreendentemente lenientes em face do claro itinerário do Brasil em direção ao que desde já pode ser chamado de A Grande Destruição lulopetista.
Registre-se que essa destruição não foi o resultado de um mandato apenas. Parafraseando Nelson Rodrigues, podemos dizer que desastres não se improvisam: eles são o resultado de anos de acúmulo de erros, equívocos, trapalhadas, bobagens mais ou menos intencionais, enfim, daquilo que eu classifico como sendo os crimes econômicos do lulopetismo. Atenção: os crimes econômicos companheiros não o são exatamente no sentido do Código Penal, embora muitas vezes com eles se confundam; foi tal o empenho em cometê-los que se pode perguntar se muitos desses equívocos não foram deliberadamente planejados, o resultado de ações cientificamente calculadas, como diria o Chapolim Colorado.
A “compra” da refinaria de Pasadena, por exemplo, vista em retrospecto, quem poderia dizer, hoje, que se tratou apenas de um “erro de gestão”, ou seja, de um “cálculo mal feito”? Minha interpretação é a de que o “negócio” foi um sucesso, conduzido para produzir exatamente aqueles resultados, que são os que se conhecem atualmente em termos de movimentações bancárias entre vários paraísos fiscais no exterior. Enfim, um “sucesso” companheiro, até que um anônimo funcionário da Petrobrás – a ser homenageado na galeria dos “heróis desconhecidos” – chamou a atenção de membros do Ministério Público Federal e da Polícia Federal para certas “peculiaridades” do grande negócio.
As consequências foram aquelas que se viram: a Petrobrás, que chegou a valer mais de US$ 300 bilhões e figurar entre as sete primeiras companhias do setor, afundou-se numa crise que deveria ser terminal, se não fosse estatal (a preferida dos companheiros, que a transformaram numa “vaca petrolífera” continuamente ordenhada à exaustão). As contas públicas produziram um outro mergulho, de quase dez pontos do PIB, para um abismo cujo fundo ainda não se conhece exatamente, pois uma das especialidades companheiras foi justamente a maquiagem contábil, que eles já vinham praticando desde muitos anos entre o Tesouro e os bancos estatais, entre eles o BNDES, uma caixa-preta ainda não aberta pelos órgãos de controle. O ano foi tão horrível que aposto como a maioria dos leitores já se esqueceu desta coisa bizarra chamada Fundo Soberano do Brasil, uma invenção satânica dos mesmos autores da “nova matriz econômica” – na verdade, ele a precede de alguns anos – e que desapareceu de forma inglória, depois de deixar um buraco provavelmente superior a R$ 18 bilhões.
Uma contabilidade exata dos montantes envolvidos nos crimes econômicos do lulopetismo é singularmente difícil, pois, além dos custos estritamente monetários, isto é, recursos orçamentários dilapidados em projetos mal concebidos e mal implementados – talvez de propósito –, precisaríamos computar também o que os economistas chamam de custo-oportunidade, tudo o que se perdeu ao não se fazerem investimentos corretos, ou simplesmente sensatos. Quando é que economistas curiosos, procuradores atentos ou jornalistas investigativos avaliarão as imensas perdas causadas pelos crimes econômicos do lulopetismo? Já não é sem tempo...

É diplomata e professor universitário.
Site: www.pralmeida.org / Blog: diplomatizzando.blogspot.com

domingo, 27 de dezembro de 2015

Retratos Sul-Americanos: tres livros a um custo minimo

Reproduzo alerta da BookesS

Neste final de ano, as versões digitais dos volumes I ao III estão em promoção por aproximadamente R$ 6,00 cada, no site da Editora Bookess (na verdade menos do que isso, para o terceiro volume).

VOLUME I
http://www.bookess.com/read/23001-retratos-sul-americanos-perspectivas-brasileiras-sobre-historia-e-politica-externa-volume-i/

ÍNDICE 

A AMÉRICA LATINA NA ORDEM ECONÔMICA MUNDIAL, DE 1914 A 2014 
Paulo Roberto de Almeida 

AS ESTRATÉGIAS DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PARA A AMÉRICA LATINA 
Henrique Carlos de Oliveira de Castro e Sonia Ranincheski 

“CLÁUSULAS DEMOCRÁTICAS” E TRANSCONSTITUCIONALISMO NA AMÉRICA DO SUL: UMA ANÁLISE BASEADA NA RUPTURA INSTITUCIONAL NO PARAGUAI 
Carina Rodrigues de Araújo Calabria e Felipe Neves Caetano Ribeiro 

O DESAFIO ESTÁ LANÇADO: O BRASIL EM BUSCA DA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA SUL-AMERICANA (2000-2010) 
Helen Miranda Nunes 

PARADIGMAS DA ATUAÇÃO BRASILEIRA NO MERCOSUL 
Elisa de Sousa Ribeiro e Felipe Pinchemel Cotrim dos Santos 

RECOMPENSA, HONRA, SUBMISSÃO: VERSÕES DA ENTRADA DO BRASIL NA SOCIEDADE DAS NAÇÕES 
Mariana Yokoya Simoni 

DA HESITAÇÃO À AFIRMAÇÃO: A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA A REGIÃO PLATINA NA 2ª CHANCELARIA DE PAULINO JOSÉ SOARES DE SOUZA (1849-1853) 
Hugo Freitas Peres 

A INTERVENÇÃO BRASILEIRA DE 1851 NO URUGUAI: CONDICIONANTES, OBJETIVOS E RESULTADOS 
Rafael Braga Veloso Pacheco 

INTEGRAÇÃO E DIREITO AO DESENVOLVIMENTO NA AMÉRICA DO SUL 
Alex Ian Psarski Cabral e Cristiane Helena de Paula Lima Cabral


VOLUME II
http://www.bookess.com/read/23682-retratos-sul-americanos-perspectivas-brasileiras-sobre-historia-e-politica-externa-volume-ii/

A GRANDE DIVERGÊNCIA NA ECONOMIA MUNDIAL E A AMÉRICA LATINA (1890-1940)  
Paulo Roberto de Almeida

MEDIAÇÃO BRASILEIRA EM CONFLITOS SUL-AMERICANOS NA DÉCADA DE 1930: A QUESTÃO DE LETÍCIA E A GUERRA DO CHACO 
Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade

OS PROJETOS SUL-AMERICANOS DE INTEGRAÇÃO REGIONAL: A “IMPLOSÃO” DO PROJETO DA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO DAS AMÉRICAS E AS ALTERNATIVAS EM CONSTRUÇÃO 
Marco Antônio Alcântara Nascimento

A DIFÍCIL ARTE DE ENTENDER O QUE O OUTRO QUER DIZER 
Luiz Eduardo Abreu

ENTRAVES CONSTITUCIONAIS BRASILEIROS A UMA INTEGRAÇÃO REGIONAL
Carolina Nogueira Lannes Gonçalves

DEZ ANOS DE CRIAÇÃO DO PARLAMENTO DO MERCOSUL: HÁ ALGO O QUE COMEMORAR COM A PARTICIPAÇÃO SOCIAL MERCOSULINA? 
Alex Ian Psarski Cabral e Cristiane Helena de Paula Lima Cabral

INTEGRAÇÃO REGIONAL E SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS: ADEQUAÇÃO ENTRE MEIOS E FINS 
Patrícia Cristina Orlando Villalba

TELEVISÃO, DOMINANTES CULTURAIS E DISCURSOS HEGEMÔNICOS NA CONSTRUÇÃO DA BRASILIDADE E DA ARGENTINIDADE EM PERSPECTIVA COMPARADA 
Li-Chang Shuen 

PRIVATIZAÇÃO DA VIDA URBANA E RESTRIÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO NAS METRÓPOLES LATINO-AMERICANAS 
Rafael de Aguiar Arantes


VOLUME III
 http://www.bookess.com/read/23683-retratos-sul-americanos-perspectivas-brasileiras-sobre-historia-e-politica-externa-volume-iii/

MIGRAÇÃO INTERNACIONAL, REFÚGIO E TRÁFICO INTERNACIONAL DE PESSOAS NA AMÉRICA DO SUL: ESCLARECENDO, CONTABILIZANDO (!), DESCORTINANDO E PROTEGENDO 
Alline Pedra Jorge Birol

RETRATOS GEOGRÁFICOS E HISTÓRICOS SOBRE OS DIFERENTES PARADIGMAS APLICADOS NA FAIXA DE FRONTEIRA DO BRASIL (1872-2010)
Eloisa Maieski Antunes

AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE SOBRE A SOBERANIA E A DEFESA ESTRATÉGICA DO ESTADO BRASILEIRO
Maria Elizabeth Guimarães Teixeira Rocha e Romeu Costa Ribeiro Bastos

CONSEQUÊNCIAS ECONÔMICAS DAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS, 1824-1946
Paulo Roberto de Almeida

O PRIMEIRO EMBAIXADOR, À SOMBRA DO BARÃO 
Luigi Bonafé

AS CENTRAIS SINDICAIS NO MERCOSUL: ENTRE UM COLABORACIONISMO CRÍTICO E UMA CRÍTICA COLABORACIONISTA
Paulo Afonso Velasco Júnior

O PAÍS DE ORIGEM DE UMA EMPRESA MULTINACIONAL IMPORTA? LÓGICAS INSTITUCIONAIS EM CONFLITO E EM COOPERAÇÃO NA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL  
Annie Lamontagne

ANOTAÇÕES SOBRE OS INSTITUTOS DO MATCHING CREDIT E TAX SPARING NOS ACORDOS INTERNACIONAIS
Patrícia Cristina Orlando Villalba