O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sábado, 22 de outubro de 2011

Minitratado das inutilidades burocráticas - Paulo Roberto de Almeida


Minitratado das inutilidades burocráticas

Paulo Roberto de Almeida
  
Saindo do trabalho além da hora, cruzei com um colega no corredor, ele numa direção, eu na oposta. Trocamos apenas as palavras habituais de cortesia, sem parar a não ser por um rápido aperto de mão, “olá, como vai?, trabalhando muito?”; “Pois é, é o jeito!”, ele disse, acrescentando ao final: “Vamos esperar pela aposentadoria”, ou algo do estilo (sou péssimo para memorizar certas coisas, além de edições de livros). Havia, evidentemente, certo sentido de cansaço naquelas palavras, algo de desalento ou coisa do gênero. Enfim, nos despedimos e fui para casa sem pensar mais naquele encontro. Mas de alguma coisa serviram aquelas palavras, retidas em minha consciência, aparentemente.
Chegando na garagem do edifício, encontrei-me com outro colega, também voltando tarde do trabalho, provavelmente não pelos meus motivos, mas ainda assim fiz aquelas perguntas habituais e trocamos as palavras esperadas nessas circunstâncias: “Olá, voltando tarde, fazendo hora extra?”; “Pois é, e o pior que não adianta muito...”; “Muita coisa para fazer?”, perguntei enquanto subíamos de elevador para o mesmo andar; “São coisas sobre as quais não há nada a fazer”, disse ele, acrescentando logo em seguida: “Sabemos que não vai adiantar nada, que não há nada a fazer, ainda assim, precisamos responder, para constar...”, terminou ele; enquanto eu virava a chave do meu apartamento, ainda tive tempo de dizer a ele: “Inutilidades burocráticas...”, ao que ele assentiu, disse boa noite e também girou a sua chave.

Entrei em casa ensimesmado com as duas conversas, e imediatamente tive a ideia de escrever este minitratado, o primeiro que me é inspirado diretamente por um evento corrente, um fato concreto, não um divertimento do espírito, como ocorreu com todos os demais desta série. Não tenho palavras, aliás, nem imaginação, apenas impressões vazias, como numa verdadeira inutilidade burocrática. Que coisa mais inútil escrever sobre uma total inutilidade, sem ter perspectiva de avançar nenhum argumento inteligente, alguma palavra significativa sobre alguma realidade efetiva, la verità effetuale delle cose, como dizia meu amigo Niccolò, há muito tempo atrás, muito tempo mesmo.

O que pode haver de interessante em certas inutilidades burocráticas, tarefas das quais é preciso se desempenhar mesmo sabendo que elas não servem para literalmente nada, apenas para alimentar o próprio processo burocrático? O que poderia significar de produtivo adentrar num roteiro kafkiano, no qual não se sabe sequer para que servem todos aqueles papéis que se movem de um lado a outro para, ao final, não produzir sequer um grama de valor agregado na formação do PIB nacional?
Enfim, um burocrata verdadeiro pode até ficar excitado, até quase ter um estado orgástico, com esse tipo de inutilidade inútil – com perdão pela redundância – mas imagino que um racionalista paretiano, como este que aqui escreve, só pode sentir-se incomodado com certos exercícios de pura transpiração burocrática, sem qualquer inspiração produtiva, numa total ineficiência administrativa. Por que a burocracia deveria ser produtiva, ou eficiente, se a sua razão essencial de existência é apenas... existir? Por que deveria ela servir para algo quando a razão burocrática tem como única razão e justificativa servir a si própria e justificar-se pelo simples fato de continuar fazendo sempre as mesmas coisas, sem que alguém pergunte para que, exatamente?

Kafka é, de fato, o melhor autor para tratar de “inutilidades burocráticas” como essas incidentalmente enfocadas aqui; seu romance – de ficção burocrática, se ouso dizer –, O Processo, é o melhor resumo da (des)razão burocrática jamais construído nos anais da literatura mundial. A trama, perfeitamente burocrática, se passa numa capital indeterminada da Europa central e deixa um cidadão comum, Josef K., em estado de estupefação surrealista ante a convocação autoritária de autoridades movidas por propósitos completamente desconhecidos – um crime jamais identificado – e guiadas por códigos de procedimento nunca explicitados para o “acusado”. Ao tratar de maquinações sem sentido que a máquina do Estado pode criar, de maneira perfeitamente anódina, para o homem comum, o romance póstumo de Kafka passou justamente a simbolizar absurdos burocráticos que elevaram o nome do autor a sinônimo do caso em espécie.
O mais curioso é que li o romance, pela primeira vez, na própria cidade de Kafka, Praga, em meio a procedimentos e administrativos do então socialismo real, que me deixaram em estado de torpor burocrático ante a máquina surrealista do Estado autoritário. Mais curioso ainda: se tratava de uma tradução para o espanhol, publicada pela Casa de las Américas, uma editora depois fechada pelo socialismo burocrático cubano, provavelmente o segundo regime mais kafkiano da história mundial do socialismo, depois do campeão absoluto, o regime totalitário norte-coreano. Este merece, não um minitratado, mas um tratado inteiro de interpretação, como a expressão máxima do stalinismo surrealista em toda a história humana conhecida.
Existiria algo equivalente a Kafka na literatura que trata das realidades latino-americanas, aparentemente tão pouco burocráticas e excessivamente desorganizadas? Só consigo pensar agora num romance de ficção burocrática, que se passa nas selvas da Amazônia peruana, mas cuja trama é bem mais interessante do que a selva urbana de Kafka: Pantaleão e as Visitadoras, de Mario Vargas Llosa. De fato, a busca da perfeição administrativa na organização de serviços de “conforto sexual” para soldados servindo em postos recuados da floresta, inclusive cronometrando o tempo dedicado à prestação, em si, é absolutamente kafkiana, embora num sentido bem mais satisfatório do que a acusação indefinida que atinge o pobre Josef K. do romance original. Pode-se inclusive arguir que Vargas Llosa é perfeitamente realista – não socialista, obviamente – em relação a um drama recorrente em certas situações que confrontam as bravas forças armadas ante premências das paixões humanas.: Kafka na selva amazônica pode ser tão surrealista quanto seu equivalente da selva urbana da Europa central e oriental, mas os procedimentos seguidos não exibem o mesmo rigor burocrático do estranho mundo do escritor de Praga.

Um elemento é comum aos dois universos acima identificados: a perfeita inutilidade de toda máquina burocrática para resolver problemas reais das pessoas e das sociedades. As burocracias, nas selvas ou nas cidades, enredam os cidadãos numa teia de obrigações e atividades as mais diversas sem trazer necessariamente avanços para as sociedades em causa, apenas movendo pessoas, coisas, papéis de um lado a outro, criando uma aparência de ativismo, quando tudo se move em círculos, sem sair do lugar, como na armadilha do moto perpétuo. A burocracia é feita para repetir-se, para perpetuar-se, para criar sua própria razão e através dela legitimar-se, por procedimentos que ela mesma cria e das quais se alimenta sem quebra de rotina (ou ela é sua própria rotina).
Não que as burocracias vivam inteiramente de suas próprias inutilidades, mas é que, à diferença do mundo real da produção, do comércio, da produção agrícola, ou dos serviços vinculados a qualquer uma dessas atividades, as burocracias suscitam o surgimento, permitem a expansão e levam ao auge de sua expressão irracional as inutilidades que elas criam, alimentam e multiplicam em todos os escalões do aparelho de Estado. Burocracias, e suas inutilidades, também existem no mundo corporativo, talvez até mais desenvolvidas e muito melhor nutridas, com roupas mais vistosas e salários mais polpudos. O próprio das inutilidades corporativas, porém, é que elas têm prazo de validade e data de vencimento de curtíssimo prazo, praticamente no espaço do ciclo de vida de produto ou serviço, que precisa produzir resultados efetivos sob risco de colocar no vermelho os retornos financeiros da corporação em causa.
Em contraste, as inutilidades da burocracia de Estado tendem a crescer e se estabilizar no seu próprio movimento circular, criando uma aparência de movimento, mas na verdade girando em círculos em torno de alguma razão desconhecida, se não é a da própria burocracia estatal. Nada a demove de seus movimentos habituais, sincronizados a códigos de procedimento tão obscuros quanto velhos manuais de alquimia renascentistas. Os movimentos se repetem, incansáveis, os papéis se acumulam, os editais se multiplicam e os dispêndios acontecem, mas nada acontece de verdade, a não ser a própria transpiração burocrática, muito pouco inspirada, de fato, mas produzindo cada vez mais transpiração, como convém a uma legítima inutilidade burocrática, das grandes.
Que outra prova da perfeita inutilidade da burocracia estatal que sua notória e imensa faculdade de continuamente rabiscar papéis, de compor longos memorandos, de redigir minutas, de numerar notas e ultimar relatórios, chegando inclusive a propor inteiros tratados, e até alguns minitratados, sem se importar com o resultado final ou com o valor de mercado e a significação social de toda essa agitação?
Incansáveis e inconscientes esses redatores de minitratados, que poderiam estar produzindo algum ensaio de qualidade para elevar os padrões intelectuais da humanidade, mas que passam o tempo, e ocupam um pouco do tempo alheio, redigindo minitratados que não possuem qualquer outro objetivo senão o puro divertimento pessoal, na mais clara definição do que representa uma inutilidade burocrática. Vale!
Brasília, 9 de outubro de 2011
Postar um comentário